Your SlideShare is downloading. ×
As Eleições 2010 em 140 caracteres: O Twitter como ferramenta de comunicação política.a
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

As Eleições 2010 em 140 caracteres: O Twitter como ferramenta de comunicação política.a

959
views

Published on

A presente monografia traz como estudo as técnicas utilizadas pelos principais candidatos – José Serra e Dilma - à presidência do Brasil nas eleições corridas no ano de 2010 no âmbito da rede social …

A presente monografia traz como estudo as técnicas utilizadas pelos principais candidatos – José Serra e Dilma - à presidência do Brasil nas eleições corridas no ano de 2010 no âmbito da rede social Twitter. Sendo o Twitter uma rede social recente, porém muito utilizada por pessoas que possuem grande influência sobre a massa da população; ela se torna uma grande ferramenta para entender a relação entre candidatos à eleição e eleitor, bem como analisar que tipo de comunicação política foi aplicada e qual a linguagem utilizada. A pesquisa foi feita em dois momentos, o primeiro através de leituras doutrinárias relacionadas ao Twitter, à comunicação e à política. O segundo se deu a partir das análises dos Twitter de Dilma e Serra no período de 06 de julho de 2010 a 03 de outubro de 2010. A importância do tema examinado é grande, uma vez que ainda não se tem muitos estudos sobre o Twitter como ferramenta de comunicação política, já que se trata, como foi dito anteriormente, de uma rede social com pouco tempo de uso.


0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
959
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 1 FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE RECIFE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA Cinthia Renata Mendonça Costa As eleições presidenciais 2010 em 140 caracteres: O uso do Twitter como ferramenta de comunicação política Jaboatão dos Guararapes 2011
  • 2. 2 Cinthia Renata Mendonça Costa As eleições presidenciais 2010 em 140 caracteres: O uso do Twitter como ferramenta de comunicação política Monografia apresentada como requisito complementar para obtenção de grau de Bacharel em Publicidade e Propaganda, da Faculdade Metropolitana da Grande Recife. Orientadora: Profª MsC Mônica Tavares Jaboatão dos Guararapes 2011
  • 3. 3 INTRODUÇÃO A Internet como conhecemos ganhou força a partir da década de 90 e vem se transformando em um grande agregador de pessoas e informações. Diversas funções são atribuídas a ela destacando o entretenimento, a comunicação e o aprendizado. Apesar de não ter sido criada com esses propósitos, com o passar dos anos se tornou item indispensável nos lares de pessoas de todo o mundo, assim como a maior ferramenta de comunicação mundial, a única que conecta pessoas em tempo integral. A partir de sua influência como agente socializador e canal de comunicação, destacamos as chamadas redes sociais que produzem conteúdo de forma descentralizada através de seus usuários e sem o controle dos grandes grupos de mídia. Essas redes possibilitam a publicação e o compartilhamento de conteúdo por qualquer pessoa que tenha acesso a Internet e suas ferramentas. É um meio democrático e hábil de desenvolver relações entre membros de uma sociedade, potencializando a comunicação e gerando processos de interação entre grupos de diversas áreas. Dentro das redes sociais podemos destacar o Twitter, que é um microblog criado pelos americanos Biz Stone, Jack Dorsey e Evan Williams no ano de 2006 que tinha como principal objetivo a troca de status via SMS (Short Message Service) através de um Website, mantendo as pessoas conectadas. Após cinco anos de existência o microblog contabiliza uma média de 70 milhões de mensagens enviadas diariamente e mais de 175 milhões de usuários espalhados por todo o mundo. Com seus pequenos posts de 140 caracteres conseguiu transformar a comunicação sem seu pouco tempo de existência. Sua forma de compartilhar conteúdo se dá com especial rapidez e isso faz com que pessoas, empresas, instituições e políticos passem a dar uma atenção maior ao que irão informar e compartilhar com seu público. Todos os setores a comunicação sofreu essa mudança, inclusive a política. Os meios de comunicação de massa ampliam o acesso aos agentes políticos e aos seus discursos, que ficam expostos de forma permanente aos olhos do grande público. A interação com eleitores que também se tornaram formadores de opinião exigiu uma
  • 4. 4 nova postura, novos políticos e um novo modo de se comunicar. Essa nova tendência da mídia eleitoral aprofunda as relações e as práticas políticas com a sociedade, assim como o seu discurso. As redes sociais se tornaram parte importante e necessária desse processo, também, como agente socializador, que em muitas maneiras aproxima públicos de diferentes categorias informando posições e agregando valor ao discurso político. O Twitter e a política caminham juntos quando se trata de comunicação para as massas em pleno Século XXI. O próprio marketing político e eleitoral precisou transformar seu modo de operar, que tinha como base a utilização de todas as técnicas de comunicação utilizadas no mercado, inclusive pesquisas para nortear o modelo de campanha de cada candidato de acordo com seu projeto de governo. E o marketing eleitoral que está muito mais ligado à sustentação de uma imagem, criada dentro da campanha. Os dois se complementam dentro do processo de comunicação política. O aumento do uso das redes, assim como sua popularidade, afetou os políticos de forma em que a construção de suas imagens e também de seus discursos, passaram por um processo de renovação e a sentir a necessidade de se comunicar de modo mais direto e eficaz com seus eleitores e militantes. Devido ao uso maciço do Twitter pelos políticos e sua forma peculiar de comunicação, nesse trabalho procuraremos estudar como se dá esse processo e como é construído o discurso político em uma campanha eleitoral majoritária, como foram as eleições presidências em 2010. Para tentar entender como se deu esse processo, a pesquisa a seguir irá analisar os tweets dos dois principais candidatos à presidência da república Dilma Roussef e José Serra durante o período do primeiro turno das eleições, divididos por temas e mês. A partir dessa análise, espera-se entender como foi construída a imagem de cada candidato bem como sua forma de se comunicar em redes sociais durante as eleições, especificamente no Twitter.
  • 5. 5 1. MARCO TEÓRICO
  • 6. 6 1.1 A ERA DA COMUNICAÇÃO DE MASSA A comunicação nos remete aos primórdios do desenvolvimento das civilizações na qual o homem aprendeu a se comunicar, ou seja, se fazer entender, através de sinais, passando logo mais à escrita e finalmente chegando à articulação de palavras. Desde então, o homem civilizado vem criando conceitos para explicar sua maneira de se comunicar, sua linguagem e seus códigos, chegando à comunicação de massa. Todos esses conceitos se tornaram teorias bastante estudadas, para as quais os estudos e as pesquisas realizadas, prometem entender a origem e o funcionamento do processo de comunicação, passando por seus aspectos econômicos, sociais, culturais, cognitivos, tecnológicos, etc. O processo dos estudos das comunicações de massa se deu em duas fases: a primeira, em que se entendeu o impacto das comunicações nos indivíduos perante a industrialização das mídias; e a segunda, que ocorreu na produção, seleção e divulgação das informações através destas. Com a chegada do processo da revolução industrial criou-se uma necessidade de comunicação com a sociedade, logo depois denominada massas, que gerou uma evolução em todo o sistema de comunicação no final do século XIX. Fazia parte de essa evolução poder se comunicar de modo mais eficaz para vender seus produtos e transformar costumes em consumo. Questões filosóficas e ideológicas começaram a ser postas à provas com o enfraquecimento de antigos modelos de comportamento familiar, religioso, cultural e político e foi através desses meios, que servem também como agente socializador dos indivíduos participantes de uma sociedade, que essa, passou a se expressar. Em seu livro Teoria da comunicação de Massa, DeFleur e Ball-Rokeach, afirmam que: Segundo uma perspectiva individual, a socialização equipa-nos para comunicar, pensar e resolver problemas utilizando técnicas aceitáveis pela sociedade, e, de maneira geral, para conseguirmos nossas adaptações singulares ao nosso ambiente pessoal. Do ponto de vista da Sociedade, a socialização leva seus membros a um conformismo suficiente, de modo a poderem ser preservadas a ordem social, a previsibilidade e a continuidade (1993, p. 226).
  • 7. 7 Esses meios de comunicação criado para as massas iniciaram o seu processo de expansão com o aparecimento do telégrafo no final do Século XIX. O jornal tablóide, meio já bastante popular de comunicação escrita, considerado um grande vetor de comunicação à época, veio acompanhado pelo Rádio e o Cinema que se tornaram em curto espaço de tempo, os meios mais populares de se levar informação e entretenimento à população. Em meados de 1950, essa mesma sociedade se encontrava envolta por esses dois meios, vindo a experimentar o que viria a ser o grande meio de comunicação de massa pelas próximas décadas, a TV. Em seu início, apesar de seu alto custo, o que limitava seu acesso aos grupos mais abastados, a TV se tornou um grande agregador de pessoas e um agente socializador vindo a expandir com grande rapidez. No entanto, revoluções em meios de comunicação de massa, sempre foram experimentadas pelo homem e estando em constante estado de evolução, geram resultados significativos em suas formas como afirmam De Fleur e Ball-Rokeach. Primeiro, “revoluções” da comunicação têmestado ocorrendo através de toda a existência humana. Cada uma proporcionou um meio pelo qual significativas mudanças poderiam ter sido trazidas para o pensamento humano, a organização da sociedade e a acumulação de cultura. Segundo, o surto dos veículos de massa ocorreu bem recentemente deveras. Muitos dos seus acontecimentos principais ocorreram dentro da duração da vida de substanciais segmentos da população contemporânea (De Fleur e Ball- Rokeach, 1989, P.41). Dentro desse contexto, com um público definido como massa, os emissores passaram a ter controle sobre as mensagens enviadas aos receptores e essas geraram grande impacto na sociedade da época por terem se revelado algo inovador. Segundo Wright (1975, p.79) “todo membro do público de massa é pessoal e diretamente ‘atacado’ pela mensagem”. A centralização da mensagem no emissor causou uma revolução comportamental que adentrou o Século XX com grandes mudanças na sociedade vigente, em termos gerais. Os estímulos dessas mensagens tiveram como respostas mudanças de comportamento e de valores numa sociedade pós-guerra, que gerou a necessidade de obter meios dessa mensagem ser propagada com rapidez e de ser facilmente absorvida pelas grandes massas.
  • 8. 8 Com a utilização em massa desses meios, a mensagem gerada pelo emissor, passa a ter um menor impacto sobre o receptor, que passa a influenciar na linguagem e no comportamento da sociedade. Em função disso há um impacto nos processos psicológicos, comportamentais, políticos, religiosos e culturais dessa nova sociedade, o que leva a uma mudança súbita nos valores e pensamento humanos. Os emissores precisam se preocupar em como a mensagem será recebida pelos receptores, qual o intuito da comunicação sendo feita e onde se quer chegar. A seleção dessas mensagens é feita a partir da geração de conteúdo de massa por cada veículo em particular: Jornal, Rádio, Cinema e TV. O conteúdo é um misto do reflexo atuante da sociedade vigente que tanto interfere como aceita as informações e os comportamentos ditados pelos meios. Nesse ínterim, a influência de um pelo outro se torna algo ordinário e massivo. A estabilidade dos meios de comunicações de massa, no formato que vem sendo estabelecido, é dada pela troca de necessidades entre os meios e a sociedade, que forma um sistema social pelos seus principais veículos (De Fleur e Ball-Rokeach, 1989). Esses, difundem informações e entretenimento se tornando parte importante do sistema político, social e econômico da sociedade contemporânea e também, parte importante de instituições educacionais, religiosas, culturais e familiares. 1.2 NOVAS FORMAS DECOMUNICAÇÃO A partir da aceleração do movimento de globalização com a abertura dos mercados de capitais de vários países, iniciou-se um movimento de levar cultura e comportamento de um país ao outro tanto para o consumo dos bens produzidos pelas indústrias, como também para trocar informações, ideias e pensamento. A evolução desse processo não se deu de forma democrática, pois os interesses de alguns se sobrepuseram aos de outros. Nem todas as sociedades são afetadas diretamente pela globalização, seja por repulsa à ideias e comportamento ou simplesmente pelo fato de não ter acesso a essas informações, por motivos diversos. Nessa difusão de comportamento cultural pelo mundo, a evolução das comunicações de massa foi afetada de modo direto e sem volta. Não mais se faz
  • 9. 9 comunicação pensando em públicos locais, mas sim para públicos mistos de comportamentos e pensamentos diferentes. Contudo, para que essa seja mais eficaz e democrática, se faz necessário que a sociedade atual tenha acesso à informação, bens de consumo, permuta de comportamento e pensamento. Nesse estado de permuta constante, os meios de comunicação de massa, se tornam mais massificados e presente na vida cotidiana dos indivíduos ditando modismos e tipificando pessoas, de acordo com os valores vigentes do momento. A relação de influência que o comportamento passa a exercer em um indivíduo, se torna parte da expansão comportamental da globalização e modifica toda a sociedade que dela faça parte. São formados grupamentos de indivíduos que carregam hábitos frequentemente difundidos pela mídia e novos modos de viver se tornam aceitos, assim como, outros grupos, também são criados em desacordo com o comportamento de alguns. Ao longo do tempo, esta globalização comportamental vai tomando forma e importância no dia a dia da sociedade, as tribos vão se agrupando e cada uma com seu estilo e modos diferentes de pensar e se comportar. O conjunto de valores dessas tribos gera identificação por parte dos indivíduos no modo como esses querem ser vistos e como essa mesma sociedade os enxergam. São valores pré definidos e nos remete ao sentimento de querer fazer parte de um grupo, nos tornarmos aceitos e até mesmo entender o nosso papel na sociedade. No cenário de um mundo globalizado, influenciado pelos meios de comunicação, grande parte da cultura de mídia ganha um sentido de identificação entre os membros componentes da sociedade. Concordando com Kellner (2001) “muitas das teorias pós-modernas privilegiam a cultura da mídia como o lugar de implosão da identidade e de fragmentação do sujeito”. Mas a mídia nada mais é do que o meio escolhido para se comunicar. Ao longo da evolução dos meios de comunicação, que foram se aperfeiçoando e ganhando um espaço maior, a sociedade atual começa a sentir a necessidade de interagir e de se comunicar com mais afinco, fazendo com que seus cidadãos se tornem formadores de opinião. Essa evolução se deu, principalmente, com a chegada da Internet que revolucionou o modo como as pessoas interagiam entre si. Sendo o meio mais popular e significativo de comunicação conhecido atualmente, a Internet chegou aos lares brasileiros de forma massificada, por volta do ano de 1995 e já nessa época, computava milhões de indivíduos conectados pelo mesmo
  • 10. 10 meio. Pessoas que ensaiavam o que viria a ser o meio de comunicação mais utilizado do século XXI. De acordo com Recuero (2000), a Internet é o primeiro meio a conjugar duas características dos meios anteriores: a interatividade e a massividade. O primeiro meio a ter, ao mesmo tempo, o alcance da televisão com a possibilidade de todos se tornarem emissores e receptores de uma mensagem. Com isso deu-se o início de uma comunicação diferente da qual estávamos acostumados. Agora, o receptor não somente se torna formador de opinião como também é membro participante de uma sociedade ativa, atuante dentro de fatores sociais, econômicos, culturais, educacionais e políticos. Dentro desse espaço chamado Internet, que não se limita ao físico, a sociedade contemporânea arranjou meios de se fazer ouvir, de poder responder e opinar sobre assuntos variados e até mesmo de interferir no comportamento da mesma. É um meio de trocas e criação de comportamento e informações em tempo integral. Como afirma Lévy (2000, p.13) sobre o meio cibernético de se comunicar: “[...] todas as mensagens se tornam interativas, ganham uma plasticidade e têm uma possibilidade de metamorfose imediata”. No Brasil atual, ainda é bastante limitado o número de lares que possuem Internet com banda larga. No entanto, o crescimento tem sido constante e a cada ano registram-se números realmente significativos no aumento de usuários da internet no país. Em março de 2010 o número de usuários ativos - Possuidores de computador com internet banda larga- era de 37,9 milhões, dentro de um total de 67,5 milhões de usuários, segundo o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística, o IBOPE. Os números de usuários com acesso à Internet, segundo o mesmo instituto, são distribuídos em: pessoas em domicílios, trabalho, Lan House1, bibliotecas, escolas e telecentros. 1 Estabelecimento comercial em que pessoas pagampara utilizar internet.
  • 11. 11 Imagem 1 – Infográfico retirado do portal de notícias UOL Tecnologia, 2011 (IBOPE Nielsen). A popularização dos smartphones2 tem sido apontada como um grande vetor para o aumento do número de usuários das redes sociais e internet. Segundo pesquisa feita pela Deloitte (2010), “uma a cada seis horas despendidas na internet é no acesso via celular. Dos entrevistados, nove em cada dez afirmaram possuir celular, e um em cada cinco possuem um aparelho do tipo smartphone.” O acesso às redes sociais, e- mails e notícias são os mais utilizados por pessoas da faixa etária dos 27 aos 43 anos. Segundo dados do Ibope Nielsen Online (2011), cresceu 5,5 por cento, o número de brasileiros que tem acesso à Internet no segundo trimestre de 2011 em relação ao mesmo período do ano passado, atingindo 77,8 milhões de habitantes. Dentro dos números apresentados, cresce também a participação dos usuários de redes sociais como: Facebook3 e Twitter4. No mês de agosto de 2011, no Brasil, o Facebook somou 30,9 milhões de usuários únicos e o Twitter 14, 2 milhões, segundo dados da mesma pesquisa. Com esse aumento significativo do número de usuários da Internet e a facilidade com que esses acessam a rede, cria-se um novo cenário nas comunicações de massa e principalmente um novo meio de interação em tempo real. Os smartphones, 2 Aparelhos de telefone com funcionalidades de um computador. 3 Rede social. 4 Rede social.
  • 12. 12 futuramente, podem vir a ser o meio mais comum de acessar as redes, compartilhar informações, se informar e gerar conteúdo, tanto nas redes sociais como também seu uso como ferramenta de trabalho na produção e edição de textos, planilhas, edição de fotos e vídeos, abertura de e-mails e conferências. 1.2.1 MÍDIAS SOCIAIS A Internet é um espaço em que o próprio desenvolvimento do meio proporcionou o surgimento das mídias sociais, que se deu por um processo de interação e democratização da comunicação entre indivíduos, que hoje, não tem fronteiras. Mídias sociais abrangem diversas atividades que integram tecnologia, interação social e a construção de palavras, fotos, vídeos e áudios. A maneira na qual a informação é apresentada depende das várias perspectivas da pessoa que compartilhou o conteúdo, podendo ter diferentes formas, como fóruns de internet, weblogs, wikis, podcasts, fotos e vídeos. (Ferla, 2008, Apud, Carneiro, 2010) Dessas mídias, fazem parte também as redes sociais, que são espaços físicos na Internet onde há interação na comunicação em tempo integral pelos atores (pessoas, instituições e grupos) e suas conexões (interações e laços afetivos). Segundo Recuero (2009), a constituição desses atores se dá por uma maneira diferenciada devido ao distanciamento que há entre os envolvidos na interação dos grupos, causado pelo próprio meio mediador, a Internet. A constituição de um ator social não se dá pelo próprio ator, mas sim, por representações desses atores que em sua maioria são representados por websites5 de rede sociais como Blogs6, Twitter, Facebook e vários outros. A construção da individualização e a narração do Eu é uma característica da expressão pessoal no ciberespaço que cria no indivíduo uma noção de percepção e interação com os atores da rede. Dentro desse espaço, pode ser criado personas diretamente ligadas à percepção que cada tem de si ou do que se quer mostrar 5 Tradução para o português:sítio eletrônico. 6 Website que possue formato de diário on-line.
  • 13. 13 no intuito de interagir com os grupos e atores escolhidos. É um processo permanente de construção de identidade e interatividade desses atores que sofrem impacto direto da troca de informações diárias dos que estão conectados em uma rede. Como observa Döring: O comum aos conceitos de “identidade cultural”, “identidade narrativa”, “self dinâmico” e “self dialógico” é o foco da construtividade, mudança e diversidade. Precisamente os aspectos que são encontrados nas páginas pessoais. A página pessoal está sempre “em construção”, pode ser regularmente atualizada para refletir as últimas configurações do self. (Döring, 2002, on-line, Apud, Recuero 2009) O fenômeno da globalização trouxe uma necessidade ao indivíduo de ser visto e ouvido. O ciberespaço é um local que proporciona essa visibilidade e as redes sociais colaboram com a mediação e a interação entre um grupamento de indivíduos que são representados por essas redes. Fazer parte de uma sociedade que está conectada, traz uma satisfação por parte desses grupos e, é sim, um modo de se inserir em grupamentos de variadas expressões e poder exercer seu direito de ser ouvido, sendo visto e interpretado por pessoas de diferentes tipos, faixa etária e classe social. Sabendo como se forma a construção dos espaços de expressão desses atores, podemos observar como as conexões entre eles começam a se formar dentro do espaço cibernético e como essas, são influenciadas e estabelecidas pelo atores. As conexões são interações ou laços afetivos criados a partir das percepções do outro sobre um indivíduo (Recuero, 2009). As informações divulgadas nesses espaços são substituídas pela falta da interação corpo a corpo e legitimadas pela sociedade cibernética sobre o que vem a ser a personalidade de cada um. Para gerar individualidade, é necessário que se construa páginas nas redes com fotos e informações pertinentes sobre esse indivíduo para que esse possa ser considerado parte de um grupo e dentro deste, interagir. Conectar indivíduos, que podem ou não, partilhar de interesses em comum dentro de uma rede social é umas das características das conexões formadas dentre da rede. Os vínculos formados entre atores são constituídos por laços afetivos – familiares e amigos - de trabalho e interesses afins. Segundo Recuero (2009 apud CARNEIRO, 2010), conexões em uma rede social são constituídas dos laços entre pessoas, que, por sua vez, são formados através da interação social entre elas. Essas relações podem ser efetuadas dentro dessas redes do modo como cada uma delas
  • 14. 14 interage. As redes criaram uma mudança brusca no comportamento e pensamento da sociedade. O modo como o usuário as utilizam possue o poder de transformá-lo em um formador de opinião. É realmente inovador, e de certa maneira, diferente do modo como se fazia comunicação antes dessa revolução na comunicação. A maneira como esses usuários interagem uns com os outros e a pulverização de informações, demonstra uma mudança de hábito no dia a dia de cada indivíduo. Segundo Barros (2009 apud CARNEIRO, 2010, p. 12) “por diversão, opção ou obrigação as pessoas estão se inserindo no mundo da comunicação intermediada por computadores e deixando claro o que acham, pensam, querem, aprovam ou não sobre tudo e todos”. A interação na comunicação dos usuários de redes sociais é rápida e direta. Estar em uma rede pode trazer popularidade e implica que se usem regras e procedimentos de educação, como na vida fora do mundo on-line7. A interação é, portanto, aquela ação que temumreflexo comunicativo entre o indivíduo e seus pares, como reflexo social. Os autores entendem que a interação atua diretamente sobre a definição da natureza das relações entre aqueles envolvidos no sistema interacional. A interação, pois, temsempre um caráter social perene e diretamente relacionado ao processo comunicativo. (Recuero, 2009, p.24) Como afirma Recuero (2009 apud CARNEIRO, 2010), existem dois tipos de redes sociais: as sociais emergentes, onde os indivíduos interagem deixando comentários em perfis, blogs, compartilhando fotos, vídeos em espaços para tal e as redes de filiação ou associação, que são constituídas de dois tipos de usuários: os participantes e os grupos. Esses últimos se relacionam a partir do sentimento de pertencimento. Nas redes de filiação, os usuários para interagirem entre si necessitam estarem conectados uns aos outros por laços de amizades ou assuntos afins. Basta, apenas, que cada um tenha interesse em participar e interagir entre si. As redes sociais com mais popularidade são aquelas que compartilham perfis de internautas que atuam como meio de serem vistos, constroem conexões com indivíduos e interagem partilhando informações, vídeos, fotos, músicas, jogos e aplicativos, estes últimos criados pelos próprios websites para entretenimento e interação. Atualmente, no 7 Estar conectado.
  • 15. 15 Brasil, as redes sociais mais populares e com maior frequência de internautas em suas páginas são: Orkut, Facebook, Flickr, Linkedin, Youtube e Blogs. O Orkut é uma rede social pautada em produzir e manter relacionamentos de todos os tipos com seus membros. É uma rede filiada ao Google8 e têm o Brasil e a Índia como os dois maiores países a utilizarem seus serviços. No Orkut além de criar um perfil com fotos e informações a seu respeito, o usuário tem opções de ferramentas de interação e ainda a criação de comunidades que funcionam como grupo de discussões e compartilhamento de fotos, músicas e outras mídias eletrônicas. Essa rede apresenta também, espaço para publicidade e é utilizada por várias empresas para divulgarem seus produtos e firmarem suas marcas perante seu público-alvo. Apesar de das mudanças sofridas nos últimos tempos, não conseguiu manter sua popularidade absoluta e perdeu espaço para outra rede social similar, o Facebook. Imagem 2 - Perfil do Orkut retirado do Google. O Facebook, também como o Orkut, é uma rede de relacionamentos que proporciona a seus membros interação em tempo integral com geração de conteúdo feito pelo pelos usuários. Nele, o usuário pode compartilhar fotos, vídeos, música e vários tipos de conteúdos. É hoje o site mais utilizado por empresas por possuir opções de se 8 Website de busca.
  • 16. 16 criar páginas profissionais parecidas com perfis e com grande interação com o Target9. É a rede social mais popular e mais utilizada no mundo por pessoas de todas as idades e faixas etárias. Possui mais de 400 milhões de usuários em todo o mundo, segundo recentes pesquisas. Imagem 03 - Perfil de Cinthia Mendonça O Flickr é um site de hospedagem e compartilhamento de imagens (fotos, ilustrações e desenhos). Possui características de redes sociais, pois permite que seus usuários construam e compartilhem álbuns com profissionais e usuários interligados em sua rede. Muito utilizado como portifólio para fotógrafos e ilustradores, que compartilham seus trabalhos com pessoas do mundo inteiro. Atualmente pertence ao portal Yahoo!10. 9 Tradução para o português:Público-alvo. 10 Portal americano de notícias da internet.
  • 17. 17 Imagem 04 – Página inicial do Flickr. O Linkedin é uma rede social utilizada por profissionais de todas as áreas que criam perfis com informações curriculares para serem vistos por empresas. Essas também o utilizam como forma de serem vistas e recrutar talentos. Possui recursos como a criação de uma rede de discussões sobre assuntos específicos e de interesses em comum entre empresas, funcionários e integrantes. É a segunda rede mais utilizada no Brasil e no mundo, perdendo apenas para o Facebook. Imagem 05 – Página inicial do Linkedin.
  • 18. 18 O Youtube é um website de hospedagem e compartilhamento de vídeos, mais popular e utilizado no mundo. Fornece aos seus usuários a possibilidade de postar qualquer tipo de vídeo, exceto os protegidos por direitos autorais. A maior parte de seu acervo contém videoclipes de artistas, filmes, documentários e materiais caseiros produzidos pelos próprios usuários. Nessa rede, o internauta pode criar o seu próprio canal e disponibilizar o material de sua própria autoria, como também, compartilhar através do botão gostar e favorito de cada vídeo, conteúdo de outros canais. Empresas e artistas utilizam seus canais para divulgar propagandas e novos projetos. Recentemente, foi a rede responsável por lançar o cantor Justin Bibier através do seu próprio canal. É considerada pelos usuários mais afins como a melhor rede surgida nos últimos tempos. Imagem 06 - Canal de Cinthia Mendonça. Os blogs são websites que possuem estruturas em forma de diário e permitem atualizações e acréscimo de conteúdo de forma rápida. Os blogs são os mais utilizados para produzir e divulgar informações e são utilizados por pessoas de todas as classes sociais e faixa etária. A maior parte deles fornece conteúdo e notícias sobre assuntos em particular e às vezes são utilizados como diários on-line. Neles, os leitores que formam uma audiência, deixam seus comentários e podem interagir tanto com o autor como com os outros leitores. No Brasil, os mais utilizados são o blogspot.com (Blogger) e o wordpress.com.
  • 19. 19 Imagem 07 - Blog de Elena Florissi no Blogger. Imagem 08 – Página do wordpress retirada do Google. Com suas características particulares, constroem mecanismos de comunicação e se diferenciam pelo objetivo que cada uma tem em trazer interação e promover uma mudança de hábitos em seus usuários.
  • 20. 20 1.2.2 O QUE É O TWITTER O Twitter foi fundado no ano de 2006 por Jack Dorsey, Evan Williams e Biz Stone. Nessa época, os três trabalhavam no Google e queriam um projeto, um site, onde as pessoas pudessem interagir entre elas, no caso, trocar status11 via SMS12 (Short Message Service) através do celular. Imagem 09- Esboço desenhado à mão do que viria a ser o Twitter. Criaram o Twitter, um microblog que em pouco tempo alcançou sucesso mundial devido a sua rapidez em propagar notícias. O nome surgiu após uma busca no dicionário em inglês em que Twitter, é o som que os pássaros fazem e sua figura é utilizada como logomarca. Desde então, vem sendo um grande sucesso da Internet e uma das maiores redes sociais da atualidade com uma média de 175 milhões de usuários em todo o mundo, que enviam mais de 230 milhões de mensagens diariamente, de 11 Posição social. 12 Tradução para o português:Serviço de mensagens curtas.
  • 21. 21 acordo com o website Business Insider13. Para tuitar - verbo utilizado para designar o uso da ferramenta - o usuário produz um texto com apenas 140 caracteres chamado tweet14 e o coloca em seu perfil. Esse pequeno texto será visualizado por seus seguidores que assim interagem com mensagens instantâneas o tempo em que estiverem on-line. Imagem 10 - Imagem da primeira página do Twitter on-line. No Twitter seguir alguém (following) ou está sendo seguido (follower) cria vínculos de “amizade” entre pessoas, organizações e políticos de modo expressivo. Dar RT (retuitar algo que alguém postou) ou usar uma hashtag - palavras que vem com o 13 Website americano especializado em política e economia. 14 Texto característico do Twitter.
  • 22. 22 símbolo # antes, com o intuito de designar algum assunto dentro da rede - para criar um grupo de discussões ou até mesmo acrescentar conteúdo a um assunto específico, proporciona a seus usuários se transformarem em propagadores de notícias e formadores de opinião em todas as áreas. O Twitter é um microblog de grande repercussão que propaga notícias e gera conteúdo em tempo integral para seus usuários. Desde sua criação em 2006, tem sido explorado por pessoas comuns, empresas de todos os tipos e segmetos, políticos e instituições. Ao longo do tempo, só vem crescendo o número de usuários e de mensagens trocadas no microblog. Seu sucesso chamou a atenção das empresas, que passaram a entender essa mídia como uma nova ferramenta de marketing e comunicação que pode interagir melhor com seus clientes através de promoções, informativos e o cultivo do branding15. No marketing político tem sido usada, cada vez mais, por um maior número de políticos e assessores para divulgar projetos, plataformas de governo e criar laços com seus eleitores. Conta com várias ferramentas para facilitar a vida de seus usuários. Dentre elas destacam-se: O Treding Topics que é uma lista dos assuntos mais comentados no site, que é atualizada em tempo integral e hoje tem sua versão com filtro por países. O Who to follow, são perfis sugeridos pelo Twitter e promovidos por empresas de acordo com as últimas movimentações do usuário, sugerindo empresas e pessoas que compartilhem assuntos em comum, Acitvitys que mostra todas as atualizações dos perfis que o usuário segue e as List, listas de perfis criadas pelo usuário, por assunto, exibindo toda a movimentação desses, sem precisar entrar no perfil de cada um. Ao longo do tempo sofreu alterações no seu Layout16para facilitar a comunicação entre os usuários. A mais recente ocorreu em outubro de 2010 que além de incluir duas ferramentas citadas acima, ainda promove uma interação maior entre perfis que produzem conteúdo e comentam assuntos em comum. 15 Estudo das marcas. 16 Tradução para o português:leiaute. Plano de trabalho tipográfico.
  • 23. 23 Os serviços do Twitter não param de evoluir e conta com usuários fiéis que trocam experiências e informações diariamente. Atualmente é a terceira rede social mais popular do mundo, perdendo apenas para o Facebook e o Linkedin, segundo o website Techtudo17. De acordo com as mais recentes pesquisas, os usuários mais ativos do microblog são jovens da geração Z (18-22 anos), que passam em média 46 horas semanais, trocando experiências, informações, compartilhando links18 variados, fotos e dando RT nas informações que eles considerem mais relevantes. Imagem 11- Frequência de acesso ao Twitter no Brasil (2011) retirado do website da Agência RS (ComScore). Apesar de ser um site norte americano, a popularidade do Twitter vem crescendo a cada ano. O Brasil é o terceiro país que mais utiliza a rede, ficando atrás apenas de EUA e Inglaterra. A Língua portuguesa é a segunda mais utilizada no microblog, segundo o website Techmundo19. 17 Website brasileiro especializado em informática. 18 Texto ou imagem que permite acesso direto a outro. 19 Website brasileiro especializado em informática.
  • 24. 24 Imagem 12- Perfil do Twitter de Cinthia Mendonça. 1.3 COMUNICAÇÃO NA POLÍTICA O ambiente político a partir do século XX sofreu grande impacto em sua forma de se comunicar. A comunicação entre eleitores e políticos, tradicionalmente feita em praças, coretos e parlamentos, deu lugar à era do desenvolvimento tecnológico e foi se desenvolvendo ao longo dos anos causando uma revolução em seu modus operandi. De acordo com Luis Felipe Miguel: O contato entre líderes políticos e sua base, a relação dos cidadãos com o universo das questões públicas e mesmo o processo de governo sentiram, e muito, o impacto da evolução tecnológica da mídia. Já no começo do século, fez-se notar a presença do Rádio, secundado pelo Cinema, que se mostrou um importante instrumento de propaganda. Os novos meios exigiam novos tipos de políticos, que soubessem como utilizá-los. Cada um à sua maneira, Franklin Roosevelt, nos Estados Unidos, e Hitler, na Alemanha, tornaram-se símbolos da política da era do rádio. (Assim como Hollywood e a UFA berlinense representaram duas formas diferentes de aproveitamento político do cinema.). (2002, p. 01)
  • 25. 25 Contudo, apesar do Rádio e do Cinema terem sido no começo do Século XX os grandes inovadores do modo de se fazer comunicação política, foi a televisão, com todo o seu entretenimento e como o mais importante agente socializador de sua época, que transformou essa comunicação e interação maciça com o público de massa. Sobre a TV, Luis Felipe Miguel afirma (2002, p.01): “Aprofundou as transformações no discurso político, de certa maneira unindo o sentimento de intimidade, transmitido pelo rádio, com o apelo imagético próprio do cinema.”. Até os dias atuais, a TV é o grande meio influenciador na comunicação política eleitoral. A mídia, em geral, além de transmissora do discurso político, em muitos casos, se comporta como agente atuante desse discurso transformando a comunicação política em espetáculo. São exploradas imagens cinematográficas durante todo o processo de uma campanha eleitoral com o intuito não só de persuadir, como também, de criar empatia entre o discurso e o eleitor. Segundo Rubim e Colling (2011), “a relevante presença da mídia como novo e potente ator político, que busca interferir nos pleitos eleitorais, não pode obscurecer um outro componente introduzido pelo campo midiático no processo político e eleitoral na atualidade. Trata-se sem mais, da inauguração de um novo cenário social para a disputa política e eleitoral: o espaço eletrônico, conformado pelas mídias em rede”. Este novo cenário obriga a política e as eleições a se deslocarem das ruas, praças e parlamentos, ou seja, dos espaços geográficos tão característicos da modernidade, para as telas, tomadas como metáforas de espaços eletrônicos. Elas se tornam, nos países instalados em uma contemporaneidade de circunstâncias societárias ambientadas pela comunicação, lugares por excelência da luta política e eleitoral. Esse avanço entre mídia e política é hoje uma instituição e não há como voltar atrás. A comunicação política é feita de forma mais eficaz, pois essa consegue atingir um número maior de pessoas dentro de um espaço geográfico delimitado e até mesmo em todo o globo. A mídia avançou em tecnologia, incrementou seus aparatos e a comunicação na política avançou. Não há espaço para nostalgias ou discursos sobre o quão boa era a política feita cara a cara, olho no olho. Os adventos midiáticos trouxeram
  • 26. 26 interação com o público de massa criando uma intimidade entre os atores políticos e o povo. Os conceitos e valores de como se fazer política, foram se adaptando aos meios que antes priorizava a retórica no discurso e hoje se fazem necessários à imagem de um político. Esses procedimentos se tornaram dois grandes aliados da comunicação política devido aos meios em que esses são veiculados. Estilos de comportamentos são ditados a partir de pesquisas eleitorais e divulgados na própria mídia, a favor ou contra àqueles que querem se candidatar a um cargo público. Ainda assim, apesar de várias mudanças, em nenhum outro momento o discurso político se tornou tão democrático e tão acessível às massas em geral e a própria mídia, em constante evolução, traz ao cenário político uma reviravolta em seu processo democrático de se comunicar com o advento da web20 2.0. A comunicação entre indivíduos se tornou rápida, direta e dinâmica. A interação entre públicos diferentes entre si é algo inevitável. Dentro do processo de comunicação política, devemos destacar o marketing eleitoral e político, que tanto numa campanha como em toda a vida pública daquele que escolheu se tornar um representante do povo, torna-se um processo de constante evolução e de valiosa ferramenta para qualquer político. O marketing político surge para atender a demanda de um novo tipo de comunicação para políticos que queiram tanto angariar votos, como também, promover uma mudança de imagem ou apenas comunicar melhor suas plataformas de governo perante o grande público. Dentro dessa vertente, surge também o marketing eleitoral que para um melhor entendimento, devemos conceituar cada um deles. Marketing eleitoral abrange todas as técnicas de comunicação utilizadas no mercado inclusive pesquisas, que irão nortear o modelo de campanha de cada candidato, de acordo com seu projeto de governo. É um marketing de curto prazo que tem a duração de uma campanha. É pontual e imediato. Já o marketing político está muito mais ligado à sustentação de uma imagem, criada dentro da campanha e durante toda a vida útil de um político. Marca o posicionamento deste e o ajuda a construir um diferencial de ideias e estratégias de longo prazo. Os dois se complementam dentro do 20 Termo criando para designara segunda geração de comunidades e serviços dentro da web.
  • 27. 27 processo de comunicação política, que sofreu grandes mudanças com o surgimento da web 2.0 e as redes sociais. Os meios de comunicação alcançam nesse momento, ao mesmo tempo, as pessoas localizadas em pontos mais remotos, situadas nas mais diversas classes e com nível de alfabetização, cultura, capacidade de consumo cultural e competência expressiva os mais diversificados. Pessoas que jamais estiveram na presença umas das outras e jamais poderiam se constituir em públicos. Por outro lado, essas pessoas, porque podem consumir as mesmas informações e os mesmos produtos de cultura e entretenimento que todas as outras, não deixam de constituir uma nova forma de publicidade social, uma esfera expandida de visibilidade pública, um público sem convivência e presença. (Gomes, 2004, p.49) Com o aumento do uso das redes sociais em todo o mundo e a transformação dos usuários de expectadores em formadores de opinião, a comunicação política sofreu uma reviravolta tremenda, pois precisou fazer uma rápida adaptação aos novos tempos do uso da Internet. Com isso, os protagonistas são os usuários e não os políticos. O modo de se fazer campanha foi totalmente modificado. As pessoas querem e opinam sobre as plataformas de seus candidatos, divulgam suas campanhas e até interagem com estes formando uma grande rede em que o mais interessado é o eleitor. 1.4 O CASE OBAMA Como vimos anteriormente, as redes sociais tiverem um crescimento gigantesco nos últimos anos no Brasil com um aumento significativo de usuários de todas as classes sociais e faixa etária. A disseminação de informação, cultura e mobilização de usuários, se tornou algo imensurável e de grande contribuição para o avanço da web 2.0. O papel das redes sociais no avanço das relações entre candidatos e eleitores exerce hoje em dia fundamental importância. Em 2008, quando o então candidato à presidência da república dos Estados Unidos, Barack Obama, começou sua campanha nos moldes digitais, foi a primeira vez em que ouvimos falar que existia um modo diferente de se fazer campanha política, e mais, utilizando redes sociais que até então tinham uma participação tímida como ferramenta de marketing, e porquê não dizer, no marketing
  • 28. 28 político. Após a sua histórica eleição, Barack Obama se transformou em uma referência no marketing político digital. Obama utilizou várias ferramentas para se comunicar diretamente com seus eleitores. As mais utilizadas e populares foram: website, blog, perfil no Twitter, página no Facebook e canal no Youtube. Tais canais trouxeram ao candidato uma imagem de transparência, jovialidade e uma postura digna e preocupada com o desenvolvimento do seu país. Essas estratégias, ao longo da campanha, se revelaram como um ótimo canal de comunicação direta com a população mais jovem. O seu website se tornou o principal canal de distribuição de informações e interação com todos aqueles que simpatizassem com o candidato. Ao se cadastrar na seção get involved, o usuário recebia informações sobre a campanha, eventos, doações, comícios e de como participar ativamente da campanha com a criação de um blog personalizado onde o internauta podia compartilhar vídeos, fotos e abrir discussões sobre a campanha e os principais temas políticos do momento. A campanha de Obama também foi pautada por novas tecnologias como os smartphones, O usuário que podia acessar o website da campanha por meio de seu smartphone e se atualizar de suas informações diárias, assim como, um aplicativo específico para o Iphone21 com a mesma função específica. A campanha de Obama também inovou por ter tido grande penetração entre a população de negros, hispânicos, bem como entre os homossexuais, procurando criar perfis em websites usualmente, por eles acessados, como o Blakpeople.com22, Migente.com23 e Glee.com24. 21 Smartphone da marca Apple. 22 Website americano especializado na comunidade negra. 23 Website americano especializado na comunidade hispânica. 24 Website americano especializado na comunidade homossexual.
  • 29. 29 Imagem 13 – Página inicial do Website de Obama da campanha 2008 retirada do Google. Com o slogan: “Change we can belive in” Obama conseguiu mobilizar grande parte da sociedade americana que estava devastada por crises econômicas, políticas e pedia por mudanças. O grande diferecial desta campanha foi a geração de conteúdo espontâneo por parte dos internautas e militantes que utilizaram vários canais on-line para dar sua opinião e persuadir outros a se unirem em prol dessas mudanças. A valorização do conteúdo feito por esses internautas facilitou o buzz25 gerado pela campanha com intuito de aumentar o número de eleitores do candidato. O engajamento dos militantes e simpatizantes de Obama era reforçado pelo encorajamento à doações feitas por eles e a valorização de seus próprios conteúdos normalmente publicado em seu próprios canais ou em redes específicas para esse uso. A campanha arrecadou mais de 600 milhões de dólares e 87% dessa arrecadação, deve-se aos internautas que faziam suas doações através do site da campanha. A maior parte desse dinheiro veio de doações de até U$100 dólares (cem dólares), mostrando o alto nível de mobilização por parte dos militantes e eleitores e a pulverização da campanha dentro do meio digital. 25 Termo utilizado no marketing para disseminar notícias.
  • 30. 30 Imagem 14 – Página do Website de Obama da campanha de 2008 retirada do Google. Because it’s about you, é uma página dentro do website da campanha que incentiva as pessoas a se unirem ao movimento pela construção da mudança, enaltecendo o poder que a sociedade realmente tem quando se trata de mudanças de rumo político. Todo esse conteúdo gerado pelos milhares de jovens militantes de todas as classes sociais e faixa etária se mostrou significativo em termos de mobilização e influenciação de comportamento, dentro de uma campanha política. Das redes sociais mais utilizadas por Obama, o Twitter foi o mais acessado, com as maiores trocas de informações dentro da campanha. Como afirma Carlos Merigo no website Brainstorm926: Essa comunicação feita de pessoa pra pessoa construiu uma gigantesca plataforma de conteúdo que independeu da vontade de grandes grupos de mídia. Mais do que isso, provou o poder da integração, da mensagem pulverizada nos mais diferentes meios. (Merigo, 2008) 26 Website brasileiro especializado em publicidade e propaganda.
  • 31. 31 À época do começo da campanha o candidato contava com cerca de 6.661 seguidores no microblog. Esse número aumentou drasticamente ao longo da campanha chegando a 130 mil seguidores e hoje conta com mais de 10 milhões de seguidores em todo o mundo. Após sua eleição como 44º presidente dos Estados Unidos, Obama utiliza o seu perfil no Twitter para informar eventos que participa, informações sobre seus planos no senado, legislação etc. Imagem 15 – Perfil de Obama no Twitter retirado do Google. Enquanto seu adversário John Mccain utilizou a internet de modo tímido e tradicional e apenas como mais um ferramenta de comunicação, Obama mobilizou, engajou e compartilhou conteúdo com milhares de pessoas em tempo quase que integral, valorizando sua imagem de candidato sério, jovem, que acreditava numa América melhor e confiante em seus valores. O resultado disso foi uma campanha feita quase que em sua totalidade nos moldes digitais e com números de audiência realmente altos, com relação as campanhas anteriores. Barack Obama e equipe conseguiu arrecadar grande volume de doações e vendas de souveniers, interagiu com toda a sociedade americana, de todos as classes sociais e faixa etária, especialmente os jovens. Ditou moda e incentivou milhares de partidos e candidatos no mundo inteiro a utilizarem as redes sociais, que até então, tinham uma participação tímida na história das campanhas políticas em todo o mundo. Com sua eleição, mudou a história da
  • 32. 32 sociedade americana e entrou para o rol das campanhas políticas mais bem feitas e bem sucedidas de todos os tempos, em especial no mundo cibernético. 2. METODOLOGIA DE PESQUISA
  • 33. 33 2.1 PANORAMA GERAL: SOCIO-POLÍTICO-ECONÔMICO O Brasil vem passando por transformações, desde a década de 90, em seu campo político econômico e social. O fantasma da ditadura tinha acabado, eleições diretas tinham acontecido e a economia começava a dar sinais de estabilidade. Desde a implantação do Plano Real e a estabilidade da moeda, criou-se um cenário de motivações, auto-estima e bem estar em toda a população. Mudanças que puderam ser identificadas no campo econômico com programas de estímulo à desaceleração da pobreza como o bolsa escola e o Bolsa família, aumento do parque industrial, das exportações e importações e uma certa euforia com os novos rumos políticos através da eleição histórica do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. A estabilidade econômica, a luta pelo fim das desigualdades sociais e o reconhecimento da comunidade internacional trouxeram ao Brasil do século XXI uma nova identidade e força ao seu povo. A formação do cenário político dos últimos 16 anos, desde a entrada do PSDB e suas alianças neoliberais no governo federal nas eleições de 1994, tem se mostrado bilateral. Apenas dois importantes partidos tomam conta do debate político brasileiro, PT e PSDB. De 1994 a 2002 o PSDB emplaca a presidência da república duas vezes seguida implantando no Brasil a possibilidade de reeleição. Logo após a histórica eleição de Lula em 2002, é a vez do PT tomar conta da nação que, conseguiu também, emplacar dois governos seguidos, 2002 a 2010. Com o PT ainda em vantagem por conta da estabilidade econômica da era Lula, Dilma Roussef se elege como sucessora deste, então presidente do Brasil. As divergências político-partidárias dão espaço para um debate sócio-econômico entre a população brasileira nos últimos tempos. A ascensão das classes sociais, a manutenção e aumento dos programas sociais gerados pelos dois governos são agora os temas mais em voga na sociedade atual. Os períodos de oitos anos pontuais de governo dos dois partidos são marcados por diretrizes econômicas,
  • 34. 34 sociais e políticas divergentes, em vários aspectos. Essas diferenças entre governos são marcadas por números em pesquisa que demonstram a mudança que o Brasil sofreu nos últimos 16 anos. Imagem 16 – Infográfico Riqueza da Nação retirado do website da revista Istoé (Banco Central). Segundo uma pesquisa feita pelo website da revista Istoé (2010), a média anual de crescimento do PIB - Produto Interno Bruto, na era de do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso – FHC - foi de 2,3%. Já a do governo Lula foi de 4%, considerando o crescimento de 7,5% em 2010. Lula também conseguiu elevar a renda per capita para U$10mil dólares, enquanto que no governo tucano essa mesma taxa caiu de U$4,85 mil para U$2,86 mil. O governo petista levou o país para níveis considerados de países desenvolvidos. Criou programas sociais que tirou milhares de brasileiros da pobreza absoluta e abriu a possibilidade de crédito para a população. Já no governo tucano, a estabilização da moeda foi o grande legado deixado por FHC, além da criação da lei dos medicamentos genéricos e do inovador programa de combate à AIDS, que fez do país referência internacional no monitoramento da doença. No entanto, as grandes diferenças
  • 35. 35 realmente estão no campo econômico e social. Os indicadores mostram que o governo petista transformou o país com abertura e acesso ao crédito. Sobre isso, Aldo Fornazieri, diretor da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, comenta: “Ela gerou empregos, estimulou investimentos das empresas e blindou o Brasil diante das crises financeiras internacionais.” A ascensão da classe “C” foi um dos feitos do governo Lula pela estimulação ao crédito no país. Essa nova classe que se formou no país se tornou consumidores em massa e fazem parte da nova classe média brasileira. No quesito educação o PT também saiu na frente com investimentos de 15,5 bilhões no FNDE- Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, voltado exclusivamente à educação básica, no ano de 2010. No governo de FHC, em 2001, apenas 5,5 bilhões foram destinados ao mesmo fundo, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e Ministério da Educação (2010). Diante desse cenário de inovações formado pelo governo petista Lula surge como um grande cabo eleitoral para eleger seu sucessor. Pesquisas mostraram que o índice de aprovação de ex-presidente ficou em torno de 80%, mostrando que o sucesso do governo do petista o legitima a tentar fazer com que o PT eleja seu novo candidato. Sobre isso, Reis (2011) afirma: “Foi o êxito da política econômica e sobretudo, da política social que levou ao sucesso inédito do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, terminando o seu segundo mandato com um popularidade de excelente nível de aprovação que excede 80% e elegendo sua sucessora, Dilma Roussef” O fato de Dilma jamais ter concorrido a nenhum cargo eletivo no país, só demonstra a força de Lula nas eleições. A vontade de crescer e de ter acesso a bens materiais fez com que brasileiros de várias partes do país votassem em Dilma como uma continuação do governo do ex- presidente. As discussões sobre a sabedoria do brasileiro na hora de votar foram ressaltadas e voltaram à pauta de discussões do dia a dia. Sendo assim, o Brasil foi às urnas em outubro de 2010 escolher o melhor sistema de governo, aquele que mais se adaptava a essa nova realidade brasileira.
  • 36. 36 Imagem 17 – Infográfico dos votos à presidente no 2º turno retirado do website Poliarquias. 2.2 O USO DO TWITTER NAS ELEIÇÕES 2010 A maneira de se fazer campanha eleitoral vinha sofrendo mudanças desde o aumento do uso da Internet pela sociedade e com a chegada das redes sociais, se tornou um caminho inevitável. Já no ano de 2006, a campanha à presidência da república começava a tomar formas concretas no mundo cibernético através de várias redes sociais, blogs e websites. Ainda de forma tímida e utilizando como fonte de informações sobre seus candidatos websites das grandes mídias e os blogs de jornalistas políticos renomados, que normalmente estão hospedados nos sites dos maiores jornais dos país, a sociedade brasileira começa a trilhar um novo caminho inverso no intuito de conhecer melhor o seu candidato e saber em quem votar. No entanto, ainda àquela epoca, a Internet não era utilizada como fonte pricipal de informação, mas sim como um complemento do que se via na TV, Rádio, Jornais e Revistas de todo o país. Como afima Barros filho, Coutinho e Safatle: O caráter sistêmico da articulação entre novas mídias e mídias tradicionais demonstra que, no Brasil, mais importante que o efeito alcançado através da repercussão que a mídia tradicional dá às histórias que circulam na rede. Até mesmo jornalistas que trabalham nos blogs reconhecem isso. A força da internet é, no fundo, força de agendamento das mídias tradicionais. Isso demonstra como a Internet não aparece como canal exclusivo de notícias, mas como peça maior em um sistema orgânico de articulação de notícias. (Barros Filho, Coutinho e Safatle, 2007, p. 93) A chamada exclusão digital que ainda assola o país pode ser considerado um impedimento, tanto para os cidadãos em excerceram sua cidadania como para as
  • 37. 37 equipes de campanhas políticas que para transformar essa situação em algo favorável, torna-se um grande desafio. Mesmo em 2006, tempo em que essa exclusão era ainda maior, o Brasil conseguiu fazer campanhas na redes com grande alarde e repercussão. Como dito anteriormente, as lideranças no quesito informação e interação na rede pelos internautas eram os websites e blogs ligados à política. Ainda assim, no mesmo ano de 2006, a equipe política dos candidatos inovaram interagindo suas campanhas com a mídia tradicional e as redes sociais, mesmo que de forma ainda um pouco tímida comparada com as campanhas feitas nos moldes digitais. O Orkut, até então a maior rede social do país, foi bastante utilizada pelos candidatos divulgando suas propostas e interagindo com os eleitores, assim como esses, passaram a interagir de modo próprio construindo comunidades dentro dessa rede pró e contra os candidatos de sua preferência, ativando a militância e convencendo e angariando votos. Nesse mesmo ano o Youtube também teve seu papel importante nas eleições. Diversos vídeos se tornaram virais dentro da rede e foram postados em blogs, websites e inúmeras vezes dentro do próprio Youtube. Um exemplo disso é o vídeo do candidato geraldo Alckmim denominado “Alckmim foge da responsabilidade” que se transformou no maior aliado do então candidato-presidente Lula, em sua campanha. O vídeo foi vizualizado mais de 400 mil vezes no ano de 2006 e traz o candidato Alckmim falando à uma televisão estrangeira sobre os desmandos dos presídios na capital paulista, em que era governador antes de se candidatar á presidência da república. Ainda com o aumento da participação da população nas discussões políticas no país e o fato de ainda existir uma exclusão digital por boa parte da população, os avanços no campo eleitoral ainda são tímidos e não conseguem ter o alcance que deveria, dentro de um país de larga escala, territorial e populacional. Segundo Castells (2010) “para que se manifestem fenômenos de utilização da rede nas mudanças de consciência e de informação das pessoas, é preciso haver, antes de mais nada, rede em condições e que também exista interesse das pessoas num sistema político”. Com o passar dos anos o aumento dos números de lares com Internet, acesso a essa pelas lan houses e o aumento significativo do número de smartphones, fez com o que o Brasil entrasse numa era de comunicação de massa que interage em tempo integral. Nenhuma notícia, seja ela de cunho político, cultural, social, etc, escapa da
  • 38. 38 possibilidade de se viralizar pela rede dentro das inúmeras redes sociais, cada uma com suas características específicas. Com a chegada das eleições à presidência em 2010, destaca-se a peculiaridade do formato de comunicação utilizado pelos candidatos e suas equipes. A internet foi usada em larga escala e em dados momentos, a disputa entre candidatos, no primeiro turno e no segundo turno, foi levada para dentro deste local através de uma maior interação e mobilização da sociedade. As redes sociais e a pulverização de notícias em veículos tradicionalmente impressos serviram de termômetro para as campanhas, que aconteciam em um cenário, que até então, não tinha ganhado o espaço que merece e precisa, como modo de interação direta com o eleitor. Essa nova forma de comunicação política vem ganhando espaço a cada dia e aumentando a participação da sociedade nos debates políticos através das redes sociais. Candidatos e sociedade puderam construir um debate mais democrático dentro das redes, sendo a sociedade o principal ator dessa eleição específica. De acordo com o IBOPE (2010), essa foi a eleição mais acirrada na Internet. O cenário em que ela foi construída nos mostra a importância da comunicação na rede e o surgimento de uma nova tendência de comunicação, também na política.
  • 39. 39 Imagem 18 – Infográfico da disputa eleitoral na internet retirado do website do jornal O Estadão. As noticias postadas em websites, blogs e redes sociais serviram como termômetro do discurso e debates dos candidatos sobre os principais temas políticos da eleição. A grande corrida pelo voto causou uma disputa acirrada entre os eleitores conectados e aqueles que ainda não utilizam a Internet como meio influenciador de votos. Em certos casos, o mundo off-line27 migrou para o mundo on-line e este foi palco de grandes discussões sobre temas políticos variados. As oscilações nas intenções de votos dos candidatos obrigatoriamente passavam antes pela Internet. As mídias sócias foram utilizadas como formas de comunicação entre candidatos, eleitores e mobilização das militâncias. Como informativo de eventos e pesquisas, criaram uma intimidade com o eleitor que a mídia tradicional jamais conseguiu. O efeito colateral de toda essa exposição de candidatos com suas estratégias de comunicação de campanha para com os seus eleitores foi a disseminação de boatos de forma anônima, que em muitas casos tinham o claro intuito de prejudicar a campanha de seu adversário, inclusive com manipulação de imagens. O diferencial dessa eleição está na forma como a sociedade e candidatos conseguiram criar uma cultura livre, participativa de forma democrática e descentralizada, engrandecendo o debate político na rede. 27 Estar desconectado.Neste caso designa as mídias tradicionais como: Revista, Jornal, TV, etc.
  • 40. 40 Após as eleições de Barack Obama que revolucionou o mundo digital, como vimos anteriormente, foi esperado que o ano de 2010 entrasse para a história como a maior campanha digital já feita no país. As expectativas eram enormes e os candidatos e suas equipes se preparam para fazer desta, a campanha mais cibernética até então já vista no país. A candidata Dilma Roussef saiu na frente e contratou a equipe técnica que realizou a campanha de Barack Obama nos Estados Unidos no ano de 2008. Utilizaram blogs, Twitter, website, canal no Youtube, página no Flickr, perfil no Orkut e um Feed28 de notícias. Já o candidato José Serra utilizou seu Twitter pessoal e passou a fazer campanha acirrada gerando discussões e debates dentro da rede, além de website, blog, página no Facebook, canal no Youtube, página no Flickr e Feed de notícias. A Candidata Marina Silva (Partido Verde - PV) utilizou uma grande variedade de redes e inovou criando o kit voluntário alojado em seu site, dando várias opções de interação com a campanha como: fazer downloads da marca, ringtones, papel de paredes, banners para sites e blogs, jingle e a campanha +1 Casa de Marina em que a militância colocava adesivos ou um estêncil em sua casa indicando que ali existiam eleitores da candidata. O também candidato, Plínio de Arruda Sampaio (Partido Socialismo e Liberdade – PSOL), utilizou as principais redes sociais como: blog - que funcionava também como website oficial - e Twitter. Mas suas polêmicas aparições e opiniões elevaram a popularidade de Plínio (PSOL) na rede e na maioria das vezes, os próprios usuários, seus eleitores ou não, transformaram suas aparições em debates e entrevistas em vídeos viralizados no Youtube, blogs e websites. Como afirma Santinon (2011), “a Internet, ainda que possa ser percebida como uma mídia recente e com uma amplitude direta inferior às mídias tradicionais tem sido vista sob duas perspectivas: primeiro, como um veículo que potencializa a participação dos receptores/eleitores, o que permite visualizar um capital político direto durante a campanha eleitoral; e, segundo, como uma importante fonte de informação para a mídia tradicional, graças à velocidade que ela propicia”. O Twitter insere-se na chamada web 28 É um formato de dados utilizados em websites com conteúdo atualizado frequentemente.
  • 41. 41 2.0, em que o processo de interação é valorizado e a comunicação entre candidato e eleitor podem encontrar-se, portanto, sob uma nova perspectiva. O Twitter se encontra em lugar de destaque especificamente nessa campanha à presidência. Está entre as redes mais comentadas e solicitadas por eleitores e candidatos. Por suas características de informação rápida, em tempo integral e com um poder de viralização muito grande e por isso um forte aliado para o candidato e a opinião pública, se tornou um canal aberto para o debate político nas eleições. Utilizado pelos quatro principais candidatos para divulgar plataforma de governo, locais de comícios, eventos, debates, interagir com os seus seguidores, discutir assuntos de campanha, indicar links e informar à sociedade civil e militância sobre os assuntos mais pertinentes na campanha. Teve grande influência sobre os assuntos pautados no mundo off-line e conseguiu se tornar a rede mais comentada e utilizada antes, durante e depois da campanha, pelos usuários de redes sociais. 2.2.1 O TWITTER DE JOSÉ SERRA @joseserra_ José Serra iniciou sua carreira política bastante jovem e esta se iniciou como presidente da União Nacional dos Estudantes – UNE. Em época do golpe militar de 1964, foi obrigado a buscar exílio em países estrangeiros, entre eles Chile e Estados Unidos. Retornou ao Brasil no ano de 1977 sem as garantias da lei da anistia. Engenheiro formado pela Escola Politécnica de Universidade de São Paulo – USP. Fez mestrado em economia durante o seu exílio no Chile e cursou seu doutorado, também, em economia na Universidade de Cornell, em Ithaca, estado de Nova York. Possui formação verdadeiramente sólida nesta área. Após quatorze anos exilado, voltou ao Brasil como professor da Unicamp e pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento – CEBRAP. Foi nomeado secretário de economia e planejamento Do governo do Estado de São Paulo á época do então governador Franco Montoro, no ano de 1983. Chefiou a comissão do programa de governo de Tancredo neves e no ano de 1986 foi eleito deputado constituinte, pelo estado de São Paulo, com a maior votação
  • 42. 42 daquela eleição. Apresentou 208 ementas constituintes, das quais conseguiu aprovar 130, sendo o deputado que mais elegeu ementas durante o mandato. Dentro das aprovadas, estava a criação do Fundo de Amparo ao Trabalhador – FAT. Foi um dos fundadores do Partido Socialista Democrático do Brasil – PSDB em 1988. Perdeu as eleições para a prefeitura da cidade de São Paulo para a então deputada do Partido dos Trabalhadores – PT, Luiza Erundina e em 1990 foi reeleito o deputado federal, pelo estado de São Paulo, com a votação mais expressiva daquele ano. Em 1994, ajuda a conceber o Plano Real e é eleito, com mais de seis milhões de votos, para o senado pelo estado de São Paulo. Em 1998 assume o Ministério da Saúde criando a lei dos medicamentos genéricos e o inovador programa de combate à AIDS, se tornando referência mundial em gestão dessa área. No ano de 2002 candidatou-se à presidência da república tendo sido derrotado por Luís Inácio Lula da Silva, também candidato neste mesmo ano. Foi eleito prefeito da cidade de São Paulo em 2004 e conseguiu se eleger governador do estado de São Paulo no ano de 2006, cargo que exerceu até o dia primeiro de abril do ano de 2010 saindo para concorrer à presidência da república. Perdeu para a então candidata do PT Dilma Roussef no segundo turno. O Twitter do então candidato José Serra foi criado no dia 24 de abril do ano de 2009. Serra começou uma jornada de comunicação com seus eleitores, militantes e afins dentro do microblog como político, mantendo seu posicionamento, sua imagem e suas idéias. O uso dessa ferramenta específica de comunicação lhe possibilitou falar diretamente com seus eleitores e estes, estarem sempre por dentro de todos os passos do candidato. Seu perfil no microblog se tornou bastante popular e o uso dele se faz para fins pessoais, de marketing político e eleitoral.
  • 43. 43 Imagem 19 - Perfil de José Serra no Twitter. Em seu perfil, Serra compartilha opiniões pessoais, artigos que escreve em seu blog, vídeos que mais gosta, links e perfis de outros políticos, fotos, afazeres do dia, informações sobre política e economia, se comunica com os internautas que acessam seu Twitter todos os dias, indica filmes, músicas, etc. Seu horário costumeiro de entrada no microblog é a madrugada. Como vimos anteriormente, O Twitter é utilizado como ferramenta de comunicação direta e rápida e tem um poder de viralização de notícias muito grande através dos retuítes (RT) dados pelos usuários e outras ferramentas disponíveis no website e aplicativos29. Alguns exemplos de como o candidato José Serra utilizou o Twitter para se comunicar: joseserra_ José Serra É isso mesmo, @JoaoNetoRio e @LelecoSilva: com o meu vice, @depindiodacosta,o estado do Rio de Janeiro também vai poder muito mais! 6 Jul 10 Contextualização: Respondendo a dois eleitores do estado do Rio de Janeiro no dia do início da 29 Programas desenvolvidos que permite ao usuário interagir com as informações, ferramentas e jogos.
  • 44. 44 campanha. joseserra_ José Serra Boa campanha pra nós todos.Hoje, a partir do meio-dia, vamos pra rua em Curitiba. Boa noite. 6 Jul 10 Contextualização: Informando sobre os eventos da campanha que começou oficialmente no dia 06 de julho de 2010. joseserra_ José Serra Atenção completa à maternidade: vou estendera todo o Brasil os programas Mãe Paulistana e Mãe Curitibana. Vídeo: http://migre.me/UUxX 7 Jul 10 Contextualização: Expondo temas de campanha joseserra_ José Serra Estou falandlo ao vivo na HORA DA VERDADE DA JOVEM PAN para todo o BRASIL. Ouçam.! 2 Sep 10 Contextualização: Serra tuitando sobre um programa de Rádio em que ele participava no mesmo momento. joseserra_ José Serra Vi que vocês começaram um #pergunteaoserra.Gostei. Não prometo respondertudo porque vocês são muitos, não consigo ler todas as mensagens. 28 Sep Contextualização: Fazendo referência a hashtag criada pelos militantes com perguntas ao candidato. Apesar de não ter culminado em sua eleição, José Serra utiliza o Twitter desde a criação de seu perfil como ferramenta de comunicação política. Sua dinâmica de uso
  • 45. 45 abre um canal com os internautas, aumentando seus seguidores, formando laços, e abrindo espaço para o debate político no Brasil. Após as eleições Serra continua com sua conta no microblog utilizando-a como ferramenta de marketing político. 2.2.2 O TWITTER DE DILMA ROUSSEF @dilmabr Dilma Vana Roussef iniciou na política desde muito jovem, quando ainda adolescente, começou a se interessar pelo tema socialista logo após seu ingresso no Colégio Estadual Central, na época do golpe militar de 1964. Conheceu o movimento estudantil e ingressou na Política Operária – POLOP, uma organização oriunda do Partido Socialista Brasileiro, ainda em 1964. Logo após o seu ingresso no POLOP, Dilma passou a fazer parte de uma subdivisão do grupo que acabou enfrentando os militares através da luta Armanda criando o COLINA – Comando de Libertação Nacional, quando já estava cursando economia na Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, em 1967. Dilma passou a viver na clandestinidade e usava codinomes para não ser identificada pela polícia repressora da época. No ano de 1969, o COLINA se funde ao VPR- Vanguarda Popular revolucionária e formam a VAR-PALMARES- Vanguarda Armada Revolucionária Palmares. Após participar e de ser acusada de arquitetar assaltos e atentados pela VAR-PALMARES, Dilma é presa em 1970 e fica detida na OBAN- Operação Bandeirantes onde é torturada e logo em seguida enviada ao DOPS- Departamento de Ordem Política e Social. Em 1973 é libertada após conseguir a redução de sua pena no STM- Superior Tribunal Militar. Mudou-se para Porto Alegre e começou a cursar Ciências Econômicas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Após a concessão do governo de anistia política aos envolvidos contra o regime militar, filia-se ao PDT- Partido Democrático Trabalhista, fundado em 1979 por Leonel Brizola. Em 1986 assume o cargo de secretária da fazenda da prefeitura de Porto Alegre e permanece até 1989. Foi presidente da FEE- Fundação de Economia e Estatística do estado do Rio Grande do Sul de 1991 a 1993, por indicação do então governador Alceu Collares (PDT). Assumiu a secretaria de estado de Minas, Energia e Comunicação também durante o governo de Alceu Collares (PDT) e permaneceu no cargo até 1994. Após o término do mandato de
  • 46. 46 Alceu Collares em 1995, Dilma retorna à presidência do FEE saindo de lá apenas para assumir novamente a secretaria de Minas e Energia do estado do Rio Grande do Sul no então governo de Olívio Dutra (PT), em 1998. Após uma briga entre os aliados PT e PDT pela prefeitura de Porto Alegre, Dilma rompe com o PDT e filia-se ao PT apoiando o candidato Tarso Genro nas eleições para prefeito em 2000. A capacidade do setor elétrico no Rio Grande do Sul aumentou em quase 50% de sua capacidade na sua gestão durante o governo de Olívio Dutra. Dilma tinha um ótimo diálogo com o setor privado e preveniu O governo de Fernando Henrique Cardoso-FHC sobre a crise que estava por vir. Durante o apagão elétrico ocorrido em quase todo o país, os três estados do Sul do país aderiram voluntariamente, pois sua capacidade elétrica tinha aumentado e não houvera estiagem naquele ano. Dilma conseguiu acalmar a iniciativa privada gaúcha e ganhando respaldo como secretaria de projeção nacional naquele momento. Após esse episódio, foi chamada para chefiar a equipe de governo de transição do governo FHC para o governo Lula em 2002-2003. Assumiu o cargo de ministra de Minas e Energia do governo Lula no ano de 2003 e permaneceu no cargo até o ano de 2005 quando após um escândalo envolvendo o então ministro da Casa Civil José Dirceu de Oliveira e Silva, assumiu, à pedido do então presidente Luís Inácio Lula da Silva, como ministra chefe da Casa Civil, permanecendo no cargo até pouco antes de sair candidata à eleição presidencial em 2010. Foi também responsável pela implantação em todo o país pelo programa de aceleração do crescimento – PAC. Dilma Roussef foi eleita a primeira mulher presidente do Brasil em outubro de 2010 em segundo turno concorrendo com o candidato do PSDB José Serra. Assumiu o cargo em janeiro de 2011. Neste mesmo ano foi incluída pela revista Time como umas das 100 personalidades políticas mais influentes do mundo. Foi a primeira mulher a abrir a assembléia-geral da ONU no ano de 2011. O Twitter de Dilma Roussef foi utilizado por uma equipe técnica apenas durante a campanha à presidência em 2010. Seu perfil no microblog foi criado em 10 de Abril de 2010. Dois dias após, já possuía 10 mil seguidores e em apenas duas semanas de seu lançamento já contava com 35 mil seguidores. Dilma utilizou pouco esse canal, que como vimos anteriormente, se tornou uma ótima ferramenta de comunicação rápida e de grande interação com eleitores e militantes. Apesar de ter contratado a equipe técnica
  • 47. 47 que compôs toda a campanha de Barack Obama em 2008 nos Estados Unidos, a participação de Dilma foi tímida e de certo modo retraída. Utilizou o Twitter para informar sobre eventos de campanha, compartilhar pouquíssimas notícias pessoais na tentativa de criar laços com os eleitores, links de informações sobre temas políticos e informações sobre temas de sucesso do governo Lula. Imagem 20 – Perfil de Dilma Roussef no Twitter. Alguns exemplos de como Dilma utilizou o Twitter durante a campanha: dilmabr Dilma Rousseff Hoje começa uma fase nova, com o início da campanha oficial. Vamos fazer uma caminhada no centro de Porto Alegre, e amanhã em São Paulo. 6 Jul 10 Contextualização: No início da campanha, informando sobre o evento dilmabr Dilma Rousseff Agora vou descansar..Mas posso dizer que estou gostando muito desta primeira semana de campanha nas ruas.Recebemos uma energia muito boa.
  • 48. 48 8 Jul 10 Contextualização: Falando um pouco sobre suas percepções da campanha. dilmabr Dilma Rousseff Mais de 200 mil seguidores!Obrigada pela companhia de vcs,amigos. 2 Sep 10 Contextualização: Formando laços com os eleitores dilmabr Dilma Rousseff Nossa economia está no melhor momento desde 1996, puxada pelo investimento e consumo das pessoas http://migre.me/19nDp 3 Sep 10 Contextualização: Falando sobre os feitos do governo Lula dilmabr Dilma Rousseff O pessoaldo www.participabr.com.br tem um convite para vocês.... http://bit.ly/dfBzrX 6 Jul 10 Contextualização: Indicando página do seu Website. Apesar de não ter utilizado o Twitter de forma marcante, Dilma conseguiu se eleger no segundo turno com votação expressiva. Após sua eleição, publicou mais seis textos no microblog para agradecimentos e algumas informações. Não tuita desde o dia 13 de dezembro de 2010.
  • 49. 49 3. DISCUSSÕES DOS RESULTADOS
  • 50. 50 3.1 ANÁLISE DOS TEMAS POLÍTICOS DEBATIDOS NO TWITTER NAS ELEIÇÕES 2010. Abordar temas relevantes no debate político dos candidatos de uma campanha à presidência da república, tem se mostrado um grande desafio, tanto para os próprios candidatos como para seus assessores. Essas temáticas, em geral, possuem o intuito de discutir assuntos importantes para o país e de mostrar um pouco aos eleitores a postura que cada candidato tem perante certos assuntos. Alguns são tratados como verdadeiro tabu, como: aborto, religião, união civil entre pessoas do mesmo sexo, segurança pública e saúde. A imagem de um candidato, relacionada a temas políticos, pode ser construída através de suas opiniões e até mesmo de sua militância diante de certo tema. Como afirma Bezerra e Silva: A imagem política pode ser comparada aos rótulos que revestemos produtos, a imagem marca de uma pretensa identidade diferenciada que pode indicar tradição ou quebra dessa tradição e indicador do novo; confiabilidade; qualidade; competência administrativa, ou outros atributos que se mostrem necessários para aquele personagemde acordo comas pesquisas de opinião e da análise conjuntural dos problemas sociais em evidência. Seja qual for a estratégia, a composição da imagem torna-se um processo complexo, pois o modo de representação deve manter um certo grau de permanência e coerência. (Bezerra e Silva, 2011, p.06) Os temas abordados durante toda a campanha são estratégicos e representam a vivência de uma sociedade naquele momento. Concordando com Panke, Gandin, Bubiniak e Galvão (2011): “segue um agendamento determinado pelo momento social, político e histórico vivido pela sociedade em questão. Da mesma forma, o enfoque dado pode refletir tanto uma demanda, quanto o posicionamento do grupo político que se apresenta.” As eleições presidências 2010 não foram diferentes e demonstraram por parte dos candidatos uma certa coerência com o momento vivido pelo país durante a campanha. Especificamente no mundo cibernético os temas mais debatidos nessas eleições foram aqueles que refletiam o desejo de respostas dos eleitores e posicionamento de cada candidato. Sendo assim, analisaremos os temas mais debatidos
  • 51. 51 por Dilma Roussef e José Serra dentro da rede social Twitter, no primeiro turno, que é o que se propõe esse estudo. Como vimos anteriormente cada um desses candidatos utilizaram o Twitter como ferramenta de comunicação política, antes, durante e após a campanha, especificamente no caso de José Serra. Durante toda a campanha eleitoral à presidência da república, Serra fez do Twitter um local de comunicação direta com seus eleitores e o utilizou de forma mais arrojada que a de costume. Foi o candidato que à época da campanha, se mostrou mais familiarizado com o Twitter, devido ao uso da ferramenta há muito mais tempo. Sua forma de se comunicar, de modo cotidiano, se assemelha ao modo como as pessoas usam os seus perfis, criando uma empatia com seus seguidores. Apesar de utilizar essa ferramenta de uma maneira mais cotidiana, Serra não deixou de utilizá-la em sua campanha, divulgando eventos, comícios, debates, pesquisas, links que direcionavam ao seu website, discussões sobre temas políticos e partes de seu plano de governo. Seus posts30, durante o período do primeiro turno, passaram a ter uma freqüência bem maior e sua campanha, também, foi pautada pelo Twitter, utilizado como estratégia de comunicação com seus eleitores. Dilma se mostrou pouco familiarizada com a ferramenta e direcionou sua campanha on-line sempre para o seu website, que continha muito mais informações de campanha. A linguagem extremamente técnica utilizada pela então candidata, sempre respondendo e publicando de forma até partidária, muitas vezes, indicam em seus posts, certo desconforto na hora de tuitar. Seguia poucas pessoas, cuja lista estava recheada de personalidades brasileiras, passando de Ivete Sangalo a Tarso Genro. Não conseguiu incorporar o caráter intimista do Twitter que forma laços entre desconhecidos através da comunicação direta e pulverização de informações. Apesar de ter sido comentada e propagandeada aos montes pelos usuários do microblog, não conseguiu superar as expectativas que foram criadas em torno de sua campanha na rede. Apesar de fazerem uso distinto, os então candidatos, debateram e comentaram assuntos pertinentes que fazem parte de toda campanha política como: educação, saúde e economia, responderam dúvidas sobre seus programas de campanhas para militantes e 30 Texto de postagemnas redes sociais.
  • 52. 52 eleitores, divulgaram eventos de campanha e compartilharam informações com seus seguidores. Para um melhor entendimento dos temas debatidos, a pesquisadora escolheu analisar os temas postados no perfil de cada candidato no Twitter, divididos por mês. Serão analisados os posts (vide anexo A e B) em que cada candidato mencionou temas políticos relevantes na campanha e o fez de forma direta. O primeiro turno iniciou oficialmente no dia 06 de julho de 2010 e finalizou no dia 03 de outubro de 2010. No mês de julho os temas mais comentados por José Serra foram educação, saúde, social e relações exteriores. Serra utilizou o ambiente descontraído do Twitter para informar sua posição sobre as temáticas descritas acima. Sua experiência como governador do estado de São Paulo serviu como termômetro para mostrar possíveis obras, se eleito, usando como exemplo as implantadas enquanto governador. Já Dilma Roussef se ateve a falar sobre educação e urbanização, sempre atrelando as obras ao governo Lula, que foi seu maior cabo eleitoral. Quando Dilma cita os temas recorrentes em seu perfil, mostra que obras iniciadas no governo Lula terão continuidade em seu possível governo. Exemplos dos posts dos candidatos na tabela a seguir: Educação joseserra_ José Serra Escolas do interior de SP conseguemresultados impressionantes. Ótimos exemplos! Provam q é possível fazer mais. Vídeo: http://migre.me/UExx 6 Jul 10 joseserra_ José Serra Visita ao Cons Reg de Enfermagem: vou organizar cursos p/ formar 500 mil téc de enfermagem em todo o país. Gratuitos, de alta qualidade. 8 Jul 10 dilmabr Dilma Rousseff
  • 53. 53 Em entrevista hj de manhã para a Rádio Solar,de Juiz de Fora (M),disse que sou a favor da destinação de 7% do PIB p/educação no ano que vem. 13 Jul 10 dilmabr Dilma Rousseff Em entrevista agora à rádio Paiquerê FM,de Londrina,falei de nosso propósito de criar o PróMédio,o ProUni do ensino médio. 19 Jul 10 Saúde joseserra_ José Serra Atenção completa à maternidade: vou estendera todo o Brasil os programas Mãe Paulistana e Mãe Curitibana. Vídeo: http://migre.me/UUxX 7 Jul 10 Área Social joseserra_ José Serra Desde abril, tenho falado bastante sobre o que fiz e vou fazer, na área social de um futuro governo.7 Jul10 joseserra_ José Serra É verdade, @cidyan. Vou criar um ministério especial para pessoas comdeficiência. Saiba mais aqui no meu site: http://migre.me/XNIq 17 Jul 10 Relações exteriores joseserra_ José Serra Acordos do Brasil e do Mercosul com a União Européia. RT@Dimetre: @joseserra_ discute economia c/pres da Com. Europeia http://bit.ly/9QlP5V 16 Jul 10 Tabela 01: Temas debatidos no mês de julho.
  • 54. 54 No mês de agosto foram comentados os seguintes temas: Educação, urbanização, saúde, ciência e tecnologia, esportes, social, impostos, liberdade de expressão, meio ambiente e segurança. Apesar de já ter um mês de campanha, os candidatos começam falar mais sobre os assuntos que mais interessam aos eleitores. Apenas José Serra segue fomentando um debate com seu público fiel do Twitter. Dilma Roussef expõe apenas sobre um tema, saúde, em um post com indicação de link. Sobre os esportes, Serra faz apenas uma alusão sobre o seu apoio ao incentivo do mesmo, sobre ciência e tecnologia, liberdade de expressão e meio ambiente, também apenas um post com indicação de link para cada tema. Alguns posts do mês de agosto na tabela a seguir: Educação joseserra_ José Serra Anunciei: como fazemos em São Paulo, onde dá muito certo, vamos entregar 3 livros gratuitos/ano em todo o Brasil a partir da quarta série. 15 Aug 10 joseserra_ José Serra Ou seja, em 5 anos do e. fundamental e 3 do médio, o aluno receberá 24 livros. Mais 3 livros para cada professor.Livros de literatura. 15 Aug 10 joseserra_ José Serra Isso dá uns 100 milhões de livros por ano, que distribuíremos para alunos de todo o Brasil. http://migre.me/14ZGL 15 Aug 10
  • 55. 55 Saúde joseserra_ José Serra Quando fui ministro tiramos o PIS/Cofins de 62% dos medicamentos. A próxima etapa é tirar também o ICMS.http://migre.me/17d0x 25 Aug 10 joseserra_ José Serra A liberação de novos medicamentos genéricos tem que voltar a ser rápida, a lentidão está 3 vezes maior do que na nossa época. 25 Aug 10 dilmabr Dilma Rousseff Vejam a nossa proposta para universalizar remédios gratuitos para hipertensão e diabetes: http://migre.me/158qT 16 Aug 10 Segurança joseserra_ José Serra Crime no RJ mostrou a urgência do que eu tenho dito: o governo federal tem que se jogar na luta pela segurança.http://migre.me/16vVE 21 Aug 10 Urbanização joseserra_ José Serra Em Heliópolis fizemos moradias, pavimentação, água e esgoto,creches,escolas,metrô, expresso Tiradentes, AMA 24h, o maior AME, ETEC. 4 Aug 10 joseserra_ José Serra Visitei conjunto habitacional que fiz em Sorocaba, para famílias que antes viviam em áreas de inundação.: http://migre.me/171mN 24 Aug 10 Tabela 02 – Temas debatidos no mês de agosto.
  • 56. 56 Setembro foi o mês em que mais temas surgiram e mais posts foram colocados pelos candidatos. Na reta final da eleição os dois candidatos puderam interagir mais com seus seguidores, tanto informando seu posicionamento como abrindo discussões sobre temas variados, em especial José Serra, que mostrou habilidade ao manejar a ferramenta Twitter. Os militantes de Serra criaram uma hashtag (#) chamada #pergunteaoserra e o candidato pôde responder as perguntas postadas pelos internautas e os temas foram variados. Mesmo com a impossibilidade física do candidato de responder a todos que lá postaram, gerou bastante discussão sobre vários temas. Os boatos de que Serra iria privatizar algumas estatais foi um tema bastante falado pelo candidato, sempre deixando claro que os mesmos foram espalhados pelo partido de oposição, o PT. A candidata Dilma Roussef fez um uso muito tímido dessa ferramenta para falar sobre temas de campanha. Apesar de ter mais de 200 mil seguidores nesse mesmo mês, raramente interagiu com os internautas e falou pouco sobre os temas políticos mais comentados do momento. Dilma, também, prezou em seus posts o tema valorização da mulher. Sempre que podia, fazia alusão à alguma mulher que tem um papel de destaque na sociedade, demonstrando seu posicionamento de ser a primeira mulher presidente do país, se eleita. Os temas mais comentados pelos candidatos foram: educação, saúde, programas sociais, infra-estrutura, código penal, reforma política, salário mínimo, cultura, social, privatização, valorização da mulher, economia, política exterior. Alguns posts de setembro na tabela a seguir: joseserra_ José Serra Sim, no primeiro ano para a alfabetização
  • 57. 57 Educação RT @Yuri_oh é verdade que o senhortem o projeto de colocar 2 professores juntos emsalas de aula? 4 Sep 10 joseserra_ José Serra Falei sobre a minha proposta de educação e ensino profissionalizante aqui: http://bit.ly/dw4Ciy @Livia_Maia .Obrigado, abs.17 Sep Saúde joseserra_ José Serra Ontem falei da minha proposta de criar uma rede nacional de tratamento para dependentes químicos: http://bit.ly/dmddLR 8 Sep joseserra_ José Serra Em reunião com milhares de profissionais de saúde,em Goiás, falei das minhas propostas:http://bit.ly/d5PyPA 11 Sep Salário mínimo joseserra_ José Serra No Ceará expliquei a minha proposta de aumentar o salário mínimo para R$ 600,00: http://bit.ly/a71Jc6 16 Sep joseserra_ José Serra Perguntei às pessoas durante o meu discurso:uns 80% sabemdo meu anúncio do salário minímo de R$ 600; 30% sobre escândalos da Casa Civil. 18 Sep joseserra_ José Serra
  • 58. 58 Privatização Pode garantir aos seus colegas:eu não vou privatizar a Caixa Econômica @aenvasc. Isso é boataria do PT. Abs. 24 Sep joseserra_ José Serra Não, eu não vou privatizar a Petrobras, @comfarpas. Quem lhe disse isso mentiu. Ainda bem que temos o Twitter pra você me perguntar.Abs. 26 Sep joseserra_ José Serra Eu não vou privatizar a Petrobras, isso é terrorismo do PT. RT @Livingstonn @joseserra_ você vai privatizar a Petrobrás..#pergunteaoserra 29 Sep Valorização da mulher dilmabr Dilma Rousseff Muito bom.Michele Bachelet comandará a ONU Mulher..http://www.mulherescomdilma.com.br/?p =705614 Sep 10 Cultura joseserra_ José Serra Hoje encontrei com artistas e produtores culturais em São Paulo. Falamos sobre direitos autorais e Lei Rouanet. http://bit.ly/d5NFCO 22 Sep Economia dilmabr Dilma Rousseff Nossa economia está no melhor momento desde 1996, puxada pelo investimento e consumo das pessoas http://migre.me/19nDp 3 Sep 10 Infra estrutura dilmabr Dilma Rousseff Hoje fui ao Cantagalo c/Cabral,Lindberg,Eduardo Paes e Picciani.Prometi ao pessoalq o PAC2 vai continuar trazendo benefícios à comunidade. 25 Sep 10
  • 59. 59 joseserra_ José Serra Vou investir em GO: ferrovia norte- sul,metrô,aeroporto,terminal de cargas de Anápolis e duplicação da BR-060 http://bit.ly/9KLXRB 12 Sep Tabela 03 – Temas do mês de setembro. De 01 a 03 de outubro de 2010, dia do término do primeiro turno, os candidatos apenas se pronunciaram em seus perfis para falar alguns assuntos particulares e agradecer pelos votos, 47 milhões no caso de Dilma e Serra agradeceu pela ida ao segundo turno. Observamos que dentre os temas comentados entre os candidatos nos meses de julho, agosto e setembro, educação ficou em primeiro lugar, seguido por saúde e área social. Todos os outros temas foram abordados de forma sucinta e se mostraram de pouca relevância entre os candidatos, dentro do Twitter. Esportes e cultura só foram citados uma vez dentro da campanha, apenas pelo candidato José Serra. 3.2 A REPERCUSSÃO DO TWITTER NAS ELEIÇÕES 2010. O Twitter foi a rede social mais comentada nas eleições presidências 2010. Sua utilização foi bastante aguardada pela mídia convencional como multiplicador do discurso político pelos candidatos. Apesar de não ser mais novidade no mundo inteiro, as campanhas feitas para a web são sempre aguardadas com muito entusiasmo e no Brasil não podia ser diferente. Os brasileiros aguardaram as eleições 2010 com curiosidade sobre o uso das redes sociais especificamente para fazer campanha. Como vimos em anteriormente, já não é mais novidade fazer campanha política utilizando a web, especialmente as redes sociais. As eleições 2006 serviram como um termômetro para as de 2010, na utilização dessas ferramentas. A expectativa gerada após a histórica campanha de Barack Obama em 2008 transformou o mundo cibernético em um grande
  • 60. 60 palco de possibilidades em que o usuário se torna o principal ator da rede. Ainda não sabemos como mensurar o impacto que a mídia convencional e o mundo da web têm sobre os eleitores. Concordando com Ribeiro e Silva (2011) Existe uma controvérsia sobre os impactos massivos e mínimos da mídia sobre o comportamento eleitoral e os estudos sobre redes partemde contextos sociais, muitas vezes renegando um papel secundário para a influência midiática. (Ribeiro e Silva, 2011, p.02) As chamadas redes sociais possuem papel relevante na construção do discurso político entre candidato e eleitor. Mesmo com grandes expectativas sobre como seriam utilizadas essas redes e como elas iriam repercutir no comportamento do eleitor, acostumado a discutir as eleições apenas sob o ponto de vista do que a mídia tradicional comenta e informa, o papel que as redes irão exercer é o de catalisador do chamado mundo off-line com o on-line. O Twitter foi o grande meio utilizado por alguns candidatos, tanto para estreitar relações com militantes e eleitores, como para propagar seus discursos de forma rápida e interativa. Os muitos temas abordados dentro da rede em vários momentos migraram paras as mídias tradicionais e em dado momento, a repercussão que outros tiveram nessas mídias tiveram suas discussões prolongadas dentro da rede. Principalmente nos debates televisivos entre os candidatos, o uso do Twitter se torna massivo e grandes discussões foram geradas a partir de respostas e perguntas feitas e respondidas pelos candidatos em cada debate. Não foi incomum encontrar os temas mais relevantes, que estavam sendo discutidos na hora do debate nos Trending Topics do Twitter entre os assuntos mais comentados daquele momento. O próprio debate foi um grande propulsor de notícias na rede. Usando a hashtag (#) #debatefolhauol31 foi citado 51 mil vezes e ficou em primeiro lugar no Trending Topics mundial, além, é claro, das notícias propagadas que não usaram as ferramentas que o próprio Twitter disponibiliza para propagar os assuntos pertinentes do dia. 31 Debate on-line veiculado exclusivamente no portal de notícias UOL em parceria com a Folha de São Paulo
  • 61. 61 Figura 21 – Infográfico sobre as citações dos candidatos no debate UOLFolha retirado do blog da jornalista Raquel Camargo. Alguns episódios ocorridos no período da campanha se tornaram fonte de grande repercussão para os candidatos. O ocorrido com a estudante de direito Mayra Petruso que ao saber da eleição da candidata Dilma Roussef atrelou a vitória a todos os nordestinos do país e pediu aos habitantes da cidade de São Paulo, lugar natal da mesma, que afogassem um nordestino, pois esses não poderiam ser considerados gentes. O caso teve repercussão nacional com notícias em jornais e revistas de todo o país. No mesmo dia a estudante excluiu seu perfil no Twitter e a foi processada pela Ordem dos Advogados do Brasil- OAB, seção PE. Outro episódio ocorrido no Twitter foi o pedido de direito de resposta feito ao Tribunal Superior eleitoral- TSE, pelo candidato José Serra, após o período eleitoral por ter se sentido ofendido pelo deputado estadual do PT, Eduardo falcão, que também foi coordenador da equipe de campanha da candidata Dilma Roussef, postou em seu perfil advertências sobre possíveis telefonemas da “turma do Serra” com o intuito de clonar os números de telefones dos usuários para utilizar de forma criminosa.
  • 62. 62 Observamos nesse trabalho que apesar do Twitter ter tido papel de grande relevância nessas eleições, o meio de comunicação mais popular e mais procurado como fonte de informação sobre as propostas dos candidatos ainda é a TV. No Brasil, esse ainda é o meio de comunicação mais democrático e que tem mais penetração nos lares de todo o país. Ainda assim, a internet chegou pra ficar com toda a sua força. Não foi o meio mais popular e nem o mais procurado, mas sim, o mais comentado meio de comunicação das eleições 2010. Especificamente o Twitter, nas questões das relações entre políticos e candidatos, não exerceu um papel de grande relevância e não cumpriu com todas as expectativas, geradas pela campanha de Obama em 2008, no período pré eleitoral. Por outro lado, se revelou de grande importância quando bem utilizado pelos candidatos e suas equipes técnicas. As ações e os temas debatidos nele tiveram repercussão imediata nas redes e em consequência nas mídias tradicionais como, Jornais e Revistas, assim como o contrário, também é verdadeiro. Por conta da rapidez que se espalha uma notícia nesse meio, os candidatos analisados precisaram aprender e se familiarizar com a ferramenta. O candidato José Serra se mostrou seguro e familiarizado com o tipo de comunicação feita no microblog. Sem sombra de dúvidas foi o que mais se preocupou em interagir com seu eleitorado e militância. Sua média de postagens era de sete tweets ao dia e tinha a preocupação, sempre que podia, de responder as perguntas dos eleitores, em vários momentos, usando as próprias ferramentas disponibilizadas no Twitter. Mesmo não sendo eleito Serra continua usuário ativo e seu perfil, até a data presente, já contabiliza 873.049 seguidores. A ex-candidata e presidente eleita Dilma Roussef utilizou o Twitter de maneira tímida e sem grandes preocupações. Apesar da contratação da equipe técnica que idealizou a campanha de Obama e toda a expectativa gerada com isso, Dilma decepcionou na utilização da ferramenta. Com uma média de dois tweets ao dia a maioria de suas postagens fazia propaganda da campanha, os feitos do presidente vigente e de sua contribuição para o sucesso do mesmo. Quase não falou de suas propostas e sempre que podia, direcionava seus eleitores para o website da campanha. Após sua eleição, publicou mais seis textos em seu perfil e parou de utilizá-lo,
  • 63. 63 demonstrando comportamento coerente com o que teve durante toda a campanha. Para Dilma o Twitter não foi relevante. Mesmo com sua falta de preocupação em utilizar o meio como ferramenta direta de comunicação com seus eleitores, foi eleita presidente da república com o respaldo do ex-presidente Lula como seu cabo eleitoral e com sua campanha mais voltada para o horário político na TV. Durante o período eleitoral não foi observado ataques de nenhuma espécie pelos candidatos, muito menos um debate livre com os eleitores sobre os temas realmente relevantes para o país na época. Em nenhum momento os candidatos conversaram entre si e nem fizeram menção de outros em seus perfis. O candidato José Serra ainda ensaiou esse tipo de abordagem com um tweet falando sobre a ausência da candidata Dilma em um debate ocorrido na TV Jornal, afiliada do SBT em Pernambuco, dizendo ser uma falta de respeito com os nordestinos, em uma tentativa clara de angariar votos na região e desmerecer a imagem da candidata como favorita no Nordeste. Não foi além disso. Dilma, em momento algum mencionou o adversário nem muito menos o seu partido. Já Serra, em resposta aos boatos ocorridos dentro e fora da rede sobre a questão da privatização, mencionou o PT em alguns posts desmentindo o ocorrido. Quanto aos eleitores, percebemos uma grande vontade de se comunicar e se fazer ouvir por seus candidatos. Interagiram, comentaram, perguntaram, compartilharam sobre os temas mais variados, diretamente com os seus candidatos ou apenas mencionando-os em perfis, criando discussões e gerando conteúdo de caráter político dentro do Twitter, indicando que o brasileiro não é alheio à política e seu comportamento durante as eleições demonstra ser um povo ativo e com vontade de fazer mudanças. Mesmo que esse comportamento ainda seja um pouco tímido, notamos que não há indiferença, mas sim, um aproveitamento das novas mídias para se comunicar diretamente e conhecer melhor os candidatos e suas propostas. No mundo da web, os assuntos mais triviais podem tomar proporções gigantescas. O uso dessas redes só vem se consolidando ao longo dos anos e vem indicando lugar de destaque na construção de imagem dos candidatos. Os casos relatados acima demonstram a força de impacto do Twitter nas eleições e de como essa rede pode construir e propagar o discurso político com rapidez e interação massiva.
  • 64. 64 Nas eleições 2010, o Twitter informou, propagou, compartilhou e indicou os temas políticos mais relevantes para a sociedade brasileira. Em vários momentos ditou à mídia tradicional assuntos importantes e conseguiu se tornar a ferramenta de comunicação na web, mais popular das eleições presidências 2010.
  • 65. 65 CONSIDERAÇÕES FINAIS Apesar de não ter sido a primeira campanha on-line do país e definitivamente não podemos compará-la a campanha de Obama em 2008, as expectativas geradas por essa campanha em torno das redes sociais demonstrou a vontade da sociedade em interagir com os candidatos. Indica um início de mudança comportamental entre governo, candidatos e eleitores em busca de uma comunicação direta, que cria laços e transforma os meios. A velocidade e a disseminação com que ocorrem as notícias no Twitter exigem uma nova postura por parte da classe política, que por sua vez, ainda não conseguiu entender o que ocorre no mundo virtual. Há uma necessidade de se compreender a utilização das redes sociais e a melhor maneira de poder atingir a sociedade trazendo um discurso direto e eficaz, que possa interagir de forma mais consistente no meio. O aprendizado é mútuo e constante e indica que nas próximas eleições, eleitores e candidatos já estarão mais familiarizados e suas participações em redes sociais trarão benefícios claros e objetivos com aprendizado constante de ambos os lados.
  • 66. 66 REFERÊNCIAS BARROS, Ana Teresa. O Twitter como meio publicitário. Recife: Faculdade Metropolitana, 2009. Blog da Jornalista Raquel Camargo. Arquivo em formato digital. Acessado em 10 de Nov. de 2011. < http://raquelcamargo.com/blog/> CARNEIRO, Lídia Machado. Twitter como ferramenta de marketing pessoal. Olinda: Faculdade Barros Melo, 2010. CARMONA, Tadeu. Tudo o que você precisa saber sobre o Twitter. Ed 01. São Paulo: Digerati, 2010. CORREIA, João Carlos. Comunicação e Política.Portugal. Arquivo em formato digital. Acessado em 10 de ago. de 2011. < http://www.livroslabcom.ubi.pt/pdfs/20110826-correia_comunicacao_politica.pdf> COLLING, Leandro e RUMBIM, Antônio Albino Canelas. São Paulo. Mídia, Cultura e Eleições presidências. Arquivo em formato digital. Acessado em 10 de out. de 2011. <http://www.labcom.ubi.pt/files/agoranet/06/rubim_colling_midiaculturaeleicoes.pdf> DE LIMA, Venício A. A mídia nas eleições 2006. Ed.01. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2007. DeFLEUR, Melvin L. e BALL-ROKEACH, Sandra. Teorias da comunicação de Massa. Ed.5. New York: Longman Publishing, 1993. DUARTE, Alec. 'Se um país não quer mudar, não é a internet que irá mudá-lo', diz sociólogo espanhol. São Paulo. Arquivo em formato digital. Acessado em 10 de Nov. de 2011.< http://www1.folha.uol.com.br/poder/801906-se-um-pais-nao-quer-mudar-nao-e-a- internet-que-ira-muda-lo-diz-sociologo-espanhol.shtml> FREITAS, Diego. Pós-Eleições 2010: recados eleitorais em viva-voz aos surdos políticos? Arquivo em formato digital. Acessado em 15 de setemb. De 2011. <http://poliarquias.blogspot.com/2010/11/pos-eleicoes-2010-recados-eleitorais-em.html>
  • 67. 67 GOMES, Wilson. Transformações da política na era da comunicação de massa. Ed. 02. São Paulo: Paulus, 2007. HELLMANN, Géssica. Mídias sociais. São Paulo. Arquivo em formato digital. Acessado em 07 de jun. de 2011. <http://www.webartigos.com/articles/5560/1/O-Que- e-Midia-Social/pagina1.html> IMPRENSA, Portal. Site afirma que Twitter possui 56 milhões de usuários; microblog diz ter 175 milhões. São Paulo. Arquivo em formato digital. Acessado em 06 de abril de 2011. <http://portalimprensa.uol.com.br/portal/ultimas_noticias/2011/04/04/imprensa41311.sh tml> JENKINS, Henry. A cultura da convergência. Ed. 02. São Paulo: Aleph, 2009. KRIS, Agrega. Como nasceu o Twitter. São Paulo. Fonte digital. Acessado em 02 de abril de 2011. <http://www.agrega.tv/?p=3856.> KOTLER, Philip. Administração de marketing. Ed. 12. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006. LUHMANN, Niklas. A realidade dos meios de comunicação. Ed. 03. São Paulo: Paulus, 2005. MATTELART, Armand. A Globalização da comunicação. Ed. 02. São Paulo: Edusc, 2002. MIGUEL, Luiz Felipe. Os meios de comunicação e as práticas políticas. São Paulo: Portal Scielo. Arquivo em formato digital. Acessado em 07 de jun. de 2011. <http://www.scielo.br/pdf/ln/n55-56/a07n5556.pdf >. MUNIZ, Eloá. Marketing Político: Conceito e Definições. Porto Alegre. Arquivo em formato digital. Acessado em 31 de mar. de 2011. <http://www.jornalmulheres.com.br/arquivos/1188170795.pdf > Portal de notícias UOL Tecnologias. Brasil atinge total de 43 milhões de usuários de internet em março, aponta pesquisa. Acessado em 04 de setemb. De 2011. < http://tecnologia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2011/05/04/brasil-atinge-total- de-43-milhoes-de-usuarios-de-internet-em-marca-aponta-pesquisa.jhtm RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Ed. 01. Porto Alegre: Sulina, 2009.
  • 68. 68 REIS, Fábio Wanderley. Identidade Política, Desigualdade e Partidos Brasileiros. São Paulo: Portal Scielo. Arquivo em formato digital. Acessado em 15 de nov. de 2011. <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-33002010000200004&script=sci_arttext> SANTINON, Letícia. As Eleições Presidenciais 2010 e o Twitter: Estratégia de Aproximação Entre Candidato e Eleitor. Salvador. Arquivo em formato digital. Acessado em 20 de Nov. de 2011. <http://www.xiconlab.eventos.dype.com.br/resources/anais/3/1308352432_ARQUIVO_ texto_final.pdf> SANTOS, Nina e CARLOS, Juan. Mídias Sociais e eleições 2010. E-book produzido pela Agência Digital Paper CliQ, 2011. SMAAL, Beatriz. A História do Twitter. Paraná. Acessado em 02 de ago. de 2011. < http://www.tecmundo.com.br/3667-a-historia-do-twitter.htm> SPYER, Juliano. Tudo o que você precisa saber sobre Twitter. E-book produzido pela Talk Comunicação, 2009. SHONTELL, Alyson. Twitter: 100 Million Active Users, 400 Million Monthly Uniques, 230 Million Daily Tweets. Acessado em 10 de out. de 2011.< http://articles.businessinsider.com/2011-09-13/tech/30148448_1_dick-costolo-twitter-s- ceo-tweets VILAMMÉA, Luiza e SEGALLA, Amauri. Duas eras em confronto- Parte I. Acessado em 28 de out. de 2011. <http://www.istoe.com.br/reportagens/108279_DUAS+ERAS+EM+CONFRONTO+P ARTE+1> Website da Agência RS. Webinar da ComScore mostra dados relevantes sobre as redes sociais no Brasil. Acessado em 25 de setemb. De 2011. <http://www.agenciars.com.br/blog/webinar-da-comscore-mostra-dados-relevantes- sobre-redes-socias-brasil-veja-graficos/> WOLF, Mauro. Teorias das comunicações de massa. Ed. 02. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
  • 69. 69