Procedimentos De Leitura 4
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Procedimentos De Leitura 4

on

  • 11,690 views

 

Statistics

Views

Total Views
11,690
Views on SlideShare
10,525
Embed Views
1,165

Actions

Likes
0
Downloads
42
Comments
0

11 Embeds 1,165

http://francisprofessora.blogspot.com.br 636
http://francisprofessora.blogspot.com 295
http://portugues-cilmabarbosa.blogspot.com.br 121
http://portugues-cilmabarbosa.blogspot.com 75
http://francisprofessora.blogspot.pt 16
http://www.francisprofessora.blogspot.com.br 8
http://www.slideshare.net 5
http://francisprofessora.blogspot.com.es 4
http://www.francisprofessora.blogspot.com 3
https://www.google.com.br 1
http://francisprofessora.blogspot.ca 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Procedimentos De Leitura 4 Procedimentos De Leitura 4 Presentation Transcript

  • ESCOLA ESTADUAL GUSTAVO RODRIGUES DA SILVA PROCEDIMENTOS DE LEITURA IV Fonte: http://provabrasil.inep.gov.br/index.php?option=com_wrapper&Itemid=187 Acesso em: 22 de julho 2009.
  •  
    • 1.No primeiro quadrinho, a Mônica pensou que o
    • lagarto era um desenho. Ao usar a expressão
    • “ DA HORA” ela deu a entender que o desenho
    • tinha acabado de ser feito.
    • durava somente uma hora.
    • era moda entre a turma.
    • deveria ser usado na hora.
    View slide
  • Talita Talita tinha a mania de dar nomes de gente aos objetos da casa, e tinham de ser nomes que rimassem. Assim, por exemplo, a mesa para Talita, era Dona Teresa, a poltrona era vovó gordona, o armário era o Doutor Mário. A escada era Dona Ada, a escrivaninha era Tia Sinhazinha, a Lavadora era Prima Dora, e assim por diante. Ao pais de Talita achavam graça e topavam a brincadeira. Então podiam-se ouvir conversas tipo como esta: - Filhinha, quer trazer o jornal que está em cima da Tia Sinhazinha! - É pra já, papai. Espere sentado na Vó Gordona, que eu vou num pé e volto noutro. Ou então: - Que amolação, Prima Dora está entupida, não lava nada! Precisa chamar o mecânico. - Ainda bem que tem roupa limpa dentro do Doutor Mário, né mamãe? E todos riam. BELINKY, Tatiana. A operação do Tio Onofre: uma história policial. São Paulo: ática, 1985. View slide
    • 2. A mania de Talita de dar nome de gente
    • aos objetos da casa demonstra que ela é
    • curiosa.
    • exagerada.
    • estudiosa
    • criativa
  • O Conto da Mentira Todo dia Felipe inventava uma mentira. “Mãe, a vovó tá no telefone!”. A mãe largava a louça na pia e corria até a sala. Encontrava o telefone mudo. O garoto havia inventado morte do cachorro, nota dez em matemática, gol de cabeça em campeonato de rua. A mãe tentava assustá-lo: “Seu nariz vai ficar igual ao do Pinóquio!”. Felipe ria na cara dela: “Quem tá mentindo é você! Não existe gente de madeira!”. O pai de Felipe também conversa com ele: “Um dia você contará uma verdade e ninguém acreditará!” Felipe ficava pensativo. Mas, no dia seguinte. Então, aconteceu o que seu pai alertara. Felipe assistia a um programa na TV. A apresentadora ligou para o número do telefone da casa dele. Felipe tinha sido sorteado. O prêmio era uma bicicleta: “É verdade, mãe! A moça quer falar com você no telefone pra combinar a entrega da bicicleta. É verdade!”. A mãe de Felipe fingiu não ouvir. Continuou preparando o jantar em silêncio. Resultado: Felipe deixou de ganhar o prêmio. Então ele começou a reduzir suas mentiras. Até que um dia deixou de contá-las. Bem, Felipe cresceu e tornou-se um escritor. Voltou a criar histórias. Agora sem culpa e sem medo. No momento está escrevendo um conto. É a história de um menino que deixa de ganhar uma bicicleta porque mentia... AUGUSTO, Rogério. FOLHA DE SÃO PAULO. São Paulo. Miniconto. Folhinha 14 jun. 2003. F8 C1 -1.
  • 3. Com base no texto, pode-se dizer que Felipe, quando era criança, costumava (A) escrever. (B) estudar. (C) obedecer. (D) mentir.
  • A boneca Guilhermina Esta é a minha boneca, a Guilhermina. Ela é uma boneca muito bonita, que faz xixi e cocô. Ela é muito boazinha também. Faz tudo o que eu mando. Na hora de dormir, reclama um pouco. Mas depois que pega no sono, dorme a noite inteira! Às vezes ela acorda no meio da noite e diz que está com sede. Daí eu dou água para ela. Daí ela faz xixi e eu troco a fralda dela. Então eu ponho a Guilhermina dentro do armário, de castigo. Mas quando ela chora, eu não aguento. Eu vou até lá e pego a minha boneca no colo. A Guilhermina é a boneca mais bonita da rua. MUILAERT, A. A boneca Guilhermina . In: As reportagens de Penélope . São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1997, p. 17. Coleção Castelo Rá-Tim-Bum – Vol. 8.
  • 4. O trecho “A Guilhermina é a boneca mais bonita da rua” expressa (A) uma opinião da dona sobre a sua boneca. (B) um comentário das amigas da dona da boneca. (C) um desejo da dona de Guilhermina. (D) um fato acontecido com a boneca e a sua dona.
  • 5. No trecho “Mas quando ela chora, eu não aguento ”, a expressão sublinhada significa, em relação à dona da boneca, sentimento de (A) paciência. (B) pena. (C) raiva. (D) solidão.
    • 6. O texto trata, PRINCIPALMENTE,
    • das aventuras de uma menina.
    • das brincadeiras de uma boneca.
    • de uma boneca muito especial.
    • do dia-a-dia de uma menina.
  •  
  • RIMM. A escolha de uma esposa. In: MATOS, Magna Diniz; ASSUMPÇÃO, Solange Bonomo. Na trilha do texto:alfabetização: novo . São Paulo: Quinteto Editorial, 2001, p.28-29.
  • 7. A terceira moça foi a escolhida pelo rapaz porque ela (A) demonstrou que era cuidadosa e paciente. (B) era mais rápida que as outras. (C) provou que os últimos serão os primeiros. (D) agradou a senhora da história.
  • 8.No texto, a primeira moça era (A) bondosa. (B) esperta. (C) gulosa. (D) inteligente.
  •  
  • 9. O objetivo do texto é (A) alertar. (B) anunciar. (C) criticar. (D) divertir.
  • BIRD, M. Manual prático de bruxaria . 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 1997. p. 25.
  • 10. No texto, uma PASSAGEM ENGRAÇADA é (A) “Amarre um feixe de ramos secos.” (B) “A versão moderna da vassoura tem suas limitações.” (C) “Bata numa superfície dura.” (D) “Enfie o cabo da vassoura no feixe.”
  • 11. No trecho “Caso a vassoura não preste, ela poderá ter outras utilidades.”, a palavra sublinhada refere-se à (A) altura do voo. (B) bengala da bruxa. (C) bruxa machucada. (D) vassoura mágica.
  • 12. O texto é divertido, PRINCIPALMENTE, porque (A) apresenta uma bruxa trapalhona e medrosa. (B) dá instruções sobre como fabricar uma vassoura. (C) ensina como a bruxa deve limpar a sua casa. (D) trata de como fazer uma vassoura e usá-la no fogão.
  • 13. A menina do texto (A) chora de tristeza ao verificar que está trocando dentes. (B) está trocando seus dentes de leite e não gosta disso. (C) reclama da dor que sente ao trocar os dentes. (D) usa o espelho para observar a beleza dos seus dentes.
  • 13. Escolha o texto que você mais gostou e poste um comentário sobre ele no blog: http://portugues-cilmabarbosa.blogspot.com/
  • PROJETO ENCONTROS COM A LEITURA - 4 PROFª CILMA BARBOSA 2009