17 09-2010 - relatório anual 2009

938 views
854 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
938
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
52
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

17 09-2010 - relatório anual 2009

  1. 1. Relatório Anual 2009
  2. 2. A VISANETAGORA É CIELO!
  3. 3. Relatório Anual 2009 1A partir de 1º de julho de 2010, termina a exclusividade da Cielo com a bandeiraVisa e passaremos a trabalhar com todas as principais bandeiras.Há algum tempo, estamos nos preparando para atuar nesse novo cenário de mercado, demodo a aproveitar todo o seu potencial e manter a nossa liderança. Realizamos mudançasna estrutura organizacional da Companhia, revisamos o planejamento estratégico,desenvolvemos novos talentos, consolidamos a cultura e o bom clima organizacional,alteramos nossa missão e reforçamos as práticas de governança corporativa.Buscamos, com isso, maximizar o conhecimento que temos do negócio paracontinuar a crescer, oferecendo aos clientes a confiabilidade de nossa rede, produtosinovadores que agregam valor aos seus negócios e uma presença constante no seudia a dia, para consolidar o relacionamento e conquistar a sua fidelidade.Com a mudança da razão social, promovemos uma campanha publicitária de caráterinstitucional, veiculada em todos os meios de comunicação, ressaltando nossapresença e capacidade de entrega com eficiência e qualidade.Sentimo-nos, agora, preparados para enfrentar os desafios de crescer de maneirasustentável no novo cenário e, ao mesmo, tempo manter a liderança, de gerarretornos crescentes para os acionistas e produzir riqueza para a sociedade.
  4. 4. 2Principais indicadoresIndicadores operacionais 2006 2007 2008 2009 � 09/08Volume Financeiro Total (R$ milhões) 110.749 136.500 175.552 213.958 +21,9%Quantidade Total de Transações (milhões) 1.978 2.389 2.952 3.427 +16,1%Nº de Estabelecimentos Credenciados (mil) 997 1.180 1.408 1.706 +21,1%Indicadores econômico-financeiros BR GAAP (4) IFRS (5)(valores em R$ milhões) 2006 2007 2008 2008 2009 Δ 09/08Receita Operacional Líquida (ROL) * 1.945 2.402 2.875 2.893 3.628 +25%Lucro Bruto (LB) 1.255 1.631 2.024 2.041 2.692 +32%Margem Bruta (LB/ROL) 64,5% 67,9% 70,4% 70,6% 74,2% +3,6 ppLucro Operacional Antes Res. Financeiro (LOARF) 903 1.277 2.019 1.958 2.286 +17%Margem Operacional Antes Res. Fin. (LOARF/ROL) 46,4% 53,2% 70,2% 67,7% 63,0% -4,7 ppLucro Líquido (LL) 658 884 1.394 1.342 1.534 +14%Margem Líquida (LL/ROL) 33,8% 36,8% 48,5% 46,4% 42,3% -4,4 ppDividendos (D) 593 670 1.369 1.369 1.205 -12%Pay-out (D/LL) 90% 76% 98% 102% 79% -23 ppEBITDA Ajustado (E) (1) 1.039 1.410 1.764 1.764 2.451 +39%Margem EBITDA Ajustado (E/ROL) 53% 59% 61% 61% 68% +7 ppFluxo de Caixa Livre (FCL) (2) 602 (6) 695 786 718 716 -9%Patrimônio Líquido (PL) 103 611 159 702 860 +23%Dívida Líquida (DL) (3) 58 -471 -581 -581 -305 -48%Retorno Sobre Capital Total [FCL/(PL+DL)] 438% 496% (7) – 593% 129% –Indicadores sociais 2006 2007 2008 2009 Δ 09/08Número de colaboradores diretos 785 935 1.117 1.089 -2,5%Valor investido em treinamento (R$ mil) 4.339 5.467 5.302 3.591 -32%Rotatividade da força de trabalho 7,1% 15,6% 23,1% 16,7% -6,4ppMenor salário pago/Salário mínimo nacional 3,27 3,13 2,85 2,39 -16%Indicadores ambientais 2006 2007 2008 2009 Δ 09/08Resíduos não perigosos gerados (t) 142,55 123,67 124,95 120,13 -4%% de resíduos não perigosos destinados à reciclagem: % 16:84 11:89 11:89 10:89 0%resíduos não perigosos destinados ao aterro sanitárioConsumo de eletricidade (MWh) 2.126 2.635 2.351 2.195 -7%Consumo de óleo combustível (litros) 15.540 32.496 63.524 35.851 -44%Consumo de água (m ) 3 8.408 9.519 8.246 6.957 -16% EBITDA = Lucro antes do Resultado financeiro e dos Impostos + Depreciação e Amortização. EBITDA ajustado = EBITDA + Receita de antecipação de recebíveis (considerada como(1)operacional e não como financeira). (2) Fluxo de caixa livre = Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais – Caixa aplicado nas atividades de investimento (3) Dívida líquida =Dívida bruta – Caixa e equivalentes de caixa (quando negativo, o Caixa é maior do que a Dívida bruta) (4) BR GAAP = padrão de contabilidade brasileiro (5) IFRS = padrão de contabilidadeinternacional (6) Reclassificado em 2007 (anterior = 705) (7) Não calculado; capital total é negativo porque o Caixa supera a soma do Patrimônio Líquido com a Dívida bruta. * incluireceita líquida com antecipação de recebíveis.
  5. 5. Relatório Anual 2009 3Quantidade de transações 133%milhões 836 Cartões de débito2006 1.142 Cartões de crédito 1.978 Total 9862007 1.402 2.389 1.232 Evolução do EBITDA2008 1.720 2.952 1.4242009 86% 2.003 3.427Volume financeiro de transaçõesR$ bilhões 40 Cartões de débito2006 71 111 Cartões de crédito Receita Operacional Total 492007 88 137 113% 652008 111 176 792009 135 214 Patrimônio LíquidoReceita líquida, Lucro líquido e Margem líquida*R$ milhões e % Receita líquida 1.9452006 33,8% Lucro líquido 658 111% Margem líquida 2.4022007 36,8% 884 2.8932008 46,4% 1.342 3.628 Ativos Totais2009 42,3% 1.5342005-2007 = BR GAAP e 2008-2009 = IFRS* Margem líquida = Lucro líquido/Receita operacional líquidaEBITDA ajustado1 e Margem EBITDA ajustado2R$ milhões e %200620072008 1.039 1.410 1.764 53% 59% 61% EBITDA Ajustado M argem EBITDA Ajustado 105% Mercado Interno2009 2.451 68%2005-2007 = BR GAAP e 2008-2009 = IFRS.1 EBITDA = Lucro antes do Resultado financeiro e dos Impostos + Depreciação eAmortização. EBITDA ajustado = EBITDA + Receita de antecipação de recebíveis(considerada como operacional e não como financeira).2 Margem EBITDA ajustado = EBITDA ajustado/Receita operacional líquida.
  6. 6. 4Destaques do Exercício• volume financeiro de transações cresceu 22% e atingiu R$ 214 bilhões em 2009. Esse aumento O significa ganho de participação de mercado, uma vez que o setor cresceu 18%.• receita líquida incluindo antecipação de recebíveis cresceu 25% e atingiu R$ 3,6 bilhões, A enquanto o EBITDA ajustado foi 39% maior e alcançou R$ 2,4 bilhões. O lucro líquido de R$ 1,5 bilhão superou em 14% o de 2008 (padrão IFRS).• s ações da Cielo, inicialmente como Visanet, começaram a ser negociadas no Novo Mercado A da BMFBovespa, depois da maior abertura de capital da história da Bolsa.• reparamo-nos para manter a trajetória de sucesso em um ambiente mais competitivo, P reformulando a estrutura organizacional, mudando a razão social e criando uma nova marca. Investimos em pessoas e em tecnologia de ponta.• ecebemos a certificação de Data Security Standard (DDS) ou Padrão de Segurança de Dados, do R Payment Card Industry Council (PCI Council), a mais importante da indústria mundial de cartões.• elo nono ano consecutivo, mativemo-nos no ranking das “150 Melhores Empresas para Você P Trabalhar” da revista Exame.Eventos Subsequentes• o primeiro trimestre de 2010, o volume financeiro de transações cresceu 23% sobre igual período N do ano anterior, atingindo R$ 58 bilhões. A receita operacional líquida foi 25% maior e superou R$ 1,0 bilhão, enquanto o EBITDA ajustado atingiu R$ 713 milhões, com crescimento de 33%. O lucro líquido de R$ 440 milhões superou em 32% o de igual período de 2009.• ançamos o programa de American Depositary Receipts (ADR) “nível I” para negociação de ações L no mercado de balcão norte-americano sob código CIOXY e, até 31 de março, já haviam sido emitidos 3,6 milhões de títulos (1 ADR = 1 ação).• ossos acionistas ligados às instituições Bradesco e Banco do Brasil apresentaram proposta para N aquisição da participação do grupo Santander na Companhia, passando a deter, cada um deles, 26,65% do capital da Cielo, após a conclusão da operação.• esde final de março, a Cielo já estava pronta para processar transações com cartões D da bandeira Mastercard a partir de 1° de julho de 2010, data que marcou o início das operações de multi-adquirência.• ançada ao final de março a nova campanha de marketing institucional com o tema L “Cielo, Nada Supera esta Máquina”. IPO A maior oferta pública inicial da história da BMFBovespa. da Cielo
  7. 7. Relatório Anual 2009 5 Mensagem da Administração 06 Visão, Valores e Competência Corporativa 09 Perfil 10 Expertise Prêmios 14 Governança Corporativa 15 Estratégia 20 Confiança Gestão de Risco 24 Desempenho Operacional 28 Desempenho Econômico-Financeiro 34 Abrangência Mercado de Capitais 40 Intangíveis 43 Desempenho Socioambiental 44 Envolvimento Glossário 114 Informações Corporativas 117
  8. 8. 6Mensagem daAdministraçãoO ano de 2009 foi marcado pela abertura do capitale o início de negociação das ações da Cielo no NovoMercado da BMFBovespa, após a maior oferta públicainicial da história da Bolsa. A transferência de R$ 8,4bilhões em ações para o mercado garantiu um free float(parcela do capital em circulação no mercado) de 42,4%,significando um grande passo para a democratização docapital da Companhia.
  9. 9. Relatório Anual 2009 7Antes mesmo de nossas ações começarem a ser negociadas, É digno de nota que, no período do Natal, nossa redeiniciamos um trabalho para estreitar o relacionamento com apresentou disponibilidade de 100% e conquistamos um novoanalistas e investidores, a fim de tornar nosso negócio o mais recorde, com mais de 35 milhões de transações processadastransparente possível para o mercado. E, com o início das nos dias 23 e 24 de dezembro, quantidade 18% maior do quenegociações, aumentamos nossa proximidade com eles, no período correspondente do ano anterior. Embora o impactoprocurando evidenciar, por meio de reuniões patrocinadas de dois dias no faturamento do ano seja pouco relevante, essapela Associação de Analistas e Profissionais de Investimento do disponibilidade reforça a imagem da Cielo de maior e melhorMercado de Capitais (Apimec), road shows com investidores, rede de pagamentos no Brasil, atuando com redundância nareuniões na empresa e outros eventos, as características de operação e mobilizando suas equipes de forma a garantir maiorliderança, inovação, alto desempenho e forte governança confiabilidade para o lojista.corporativa que fazem parte da Cielo. O ano também foi marcado pela alteração da razão social deJá em 2009, passamos a seguir os padrões contábeis adotados Companhia Brasileira de Meios de Pagamentos para Cielo S.A.,pelo International Financial Reporting Standards (IFRS), um como parte do plano estratégico para preparar a empresa parapadrão internacional que busca uniformizar critérios e adequar operar em um cenário multibandeira, que vigorará a partir de 1ºa contabilidade das empresas às regras de mercado. de julho de 2010. Com nova razão social e nova marca, a Cielo adquire também uma nova identidade visual e não incorrerá emNosso desempenho em 2009 superou as expectativas, royalties pelo uso da antiga marca VisaNet.num ano que se iniciou sob efeitos de uma das piores crisesfinanceiras mundiais, com expressiva queda das atividades A regulamentação do setor de meios de pagamentos no Brasileconômicas, mas transcorreu na recuperação resultante das foi discutida pelas autoridades competentes, que, em outubro,medidas governamentais de incentivo ao consumo interno. divulgaram uma nota por meio do Banco Central com cincoAo concluir o ano, enquanto o PIB do País caiu 0,2%, o volume recomendações: 1ª) abertura da atividade de credenciamento;financeiro de transações capturadas pela Cielo aumentou 22%, 2ª) interoperabilidade de redes e de POS (terminal de captura deatingindo R$ 214 bilhões, um valor equivalente a 7% do PIB. Esse transações); 3ª) neutralidade nas atividades de compensação ecrescimento superou o do setor, que foi de 18%, o que reflete liquidação; 4ª) fortalecimento de esquemas nacionais de cartõesganho de participação de mercado. de débito e 5ª) transparência na definição da tarifa de intercâmbio.Nossa receita operacional líquida, acrescida da receita líquida Durante o ano, preparamo-nos para o novo cenário competitivode antecipação de recebíveis, foi de R$ 3.628 milhões, 25% que terá início em julho de 2010, reforçando o compromissosuperior à de 2008. O EBITDA ajustado atingiu R$ 2.451 milhões em relação à confiabilidade de nossa rede, consolidando nossa(+39%) e o lucro líquido de R$ 1.534 milhão (+14%), sobre o qual posição de liderança em distribuição, investindo em inovação eforam distribuídos ou provisionados R$ 1.201 milhão (-12%) de desenvolvendo um relacionamento diferenciado para conquistardividendos aos acionistas. a fidelidade do cliente.Esse bom resultado só foi possível graças à forte penetração Confiabilidade da rede — Trabalhamos com redundânciae capacidade de distribuição da Cielo, à confiabilidade de sua de sistemas de rede e elevados critérios de monitoraçãorede, ao bom relacionamento de sua área comercial com os do negócio, resultando em 99,995% de disponibilidade dosestabelecimentos credenciados, à constante oferta de produtos sistemas. Esse índice corresponde a apenas 26 minutos porinovadores e à expansão de sua rede de estabelecimentos ativos. ano de sistemas indisponíveis. Recebemos a certificação internacional PCI DSS que, em conjunto com o Lynx, nosso Sistema Neural para detecção e monitoramento de fraudes, proporciona maior nível de segurança aos estabelecimentos, bancos e portadores de cartão. Além disso, oferecemos o parque de POS mais moderno do Brasil, com idade média de apenas 2,3 anos.
  10. 10. 8Liderança em distribuição — Realizamos um trabalho próximo Mudanças na composição do capital social — Os acionistasà nossa rede de bancos parceiros e conseguimos afiliar mais dos grupos Bradesco e Banco do Brasil apresentaram propostade 380 mil novos estabelecimentos, o que nos garante a maior para aquisição da participação do acionista do grupo Santander,base de estabelecimentos comerciais do Brasil. passando a deter, cada um deles, 28,65% do capital, uma vez que a operação estiver concluída.Inovação — Continuamos a inovar com lançamentos deprodutos diferenciados, que, além de aumentarem a receita Conscientes de nossa responsabilidade social, continuamos ado cliente, atendem às suas necessidades de garantir tráfego investir em projetos sociais e a desenvolver ações de preservaçãono estabelecimento e conquistar a fidelidade do comprador. ambiental ao longo de 2009. Realizamos investimentos comAlguns projetos de destaque são o correspondente bancário, recursos próprios e de incentivos fiscais em projetos culturais,o pagamento por proximidade ou sem contato (contactless), o sociais e esportivos, buscando programas que tenham comopagamento via celular e a plataforma promocional. foco educação, saúde infantil e capacitação de jovens para o trabalho, privilegiando a inclusão socioeconômica. DuranteRelacionamento diferenciado — Nossa força de vendas o ano, aplicamos recursos em assistência à família (Hospitalmais do que nunca passou a estar presente no dia a dia dos Pequeno Príncipe), cultura (Instituto Brasil Leitor), sociabilizaçãoestabelecimentos comerciais, ofertando um amplo portfólio por meio do esporte (Fundação Gol de Letra e Instituto Esporte ede produtos inovadores, incluindo antecipação de recebíveis, Educação), capacitação de jovens para o trabalho (Instituto Criarsegmento que vem apresentando crescente contribuição ao de TV e Cinema) e educação (Instituto Ayrton Senna).resultado da Companhia. Obtivemos em 2009 o reconhecimento de instituições emAlguns eventos importantes ocorreram após o encerramento diferentes áreas de atuação, como o prêmio “Valor Carreira” pelado exercício, dentre os quais dois são dignos de nota. excelência na gestão de pessoas (pesquisa da Hewitt indicou a Cielo como detentora do 5º melhor clima organizacionalLançamento do programa de American Depositary Receipts entre as empresas de 1001 a 2000 funcionários), o prêmio “As(ADR) “nível I“ — A iniciativa, que não representa aumento de 150 Melhores empresas para Você Trabalhar” recebido pelocapital social ou emissão de novas ações, colocará a Cielo nono ano consecutivo da revista Exame, o prêmio “Melhores eno seleto grupo de empresas brasileiras que possuem DR Maiores”, também da Exame, o prêmio de “Melhor Empresa denegociados nos Estados Unidos, sendo que ao final de 2009 Serviços Especializados do Brasil” do jornal Valor Econômico e oapenas 67 das 420 empresas nacionais listadas na BMFBovespa prêmio “As 200 Maiores Empresas em TI” da Revista InfoExame.estavam nessa condição. Tal iniciativa cria mais uma alternativa Queremos agradecer a todos os nossos colaboradores, clientes,para investidores no mercado norte-americano e aumenta a parceiros, fornecedores e aos nossos acionistas, em especial osvisibilidade da Cielo fora do Brasil. Até 31 de março, já haviam novos, que deram seu apoio à bem sucedida abertura de capital.sido emitidos 3,6 milhões de ADRs. Rômulo de Mello Dias Diretor-Presidente Arnaldo Vieira Presidente do Conselho de Administração
  11. 11. Relatório Anual 2009 9Missão e ValoresMissãoSer a referência internacional em soluçõestransacionais e serviços de rede.Valores• olaboradores com atitude, espírito C de equipe e paixão em tudo o que fazem• Cliente encantado• Atitude de dono• Ética em todas as relações• Excelência na execução• Inovação com resultados• Sustentabilidade e responsabilidade corporativa
  12. 12. 10PerfilA Cielo S.A. (ex-Companhia Brasileira de Meios de Pagamento, A diversidade de seu portfólio de produtos e serviços é resultadoconhecida como Visanet) é a adquirente líder do mercado de constantes esforços na identificação de outros ramos debrasileiro de cartões de crédito e serviços. Com atuação em negócios que possam maximizar o uso de sua rede e de seustodo o território nacional, a Cielo atende a mais de 1,7 milhão de ativos. Nos últimos dois anos, firmou parcerias com emissores eestabelecimentos credenciados e sua cobertura abrange 97,6% empresas para a captura e o processamento de transações comdos municípios brasileiros. cartões Private Label híbridos com a bandeira Visa, contando, atualmente, com cerca de 89 parceiros. A partir de setembro deSerá, até 30 de junho de 2010, a única adquirente, no Brasil, da 2008, passou a oferecer, também, a antecipação de recebíveisbandeira Visa, marca líder entre os cartões de pagamento no para estabelecimentos de sua rede de credenciados.País, de acordo com The Nilson Report (2008). Com o fim daexclusividade da bandeira Visa, passará a atuar como adquirente É companhia aberta por listada no Novo Mercado, o nível maisde outras bandeiras. elevado de governança corporativa da BMFBovespa. Suas ações são negociadas com o código CIEL3 e fazem parteSuas atividades compreendem o credenciamento de do Índice de Governança Corporativa Diferenciada (IGC),estabelecimentos e a gestão de rede para aceitação de cartões do Índice de Ações Tag Along Diferenciada (ITAG), do Índicede pagamento, além da captura, transmissão, processamento e Financeiro (IFN), do Ibovespa, do IBrX-50 e IBrX-100 (carteiraliquidação financeira das transações realizadas com cartões de válida para o quadrimestre maio/10 - agosto/10). Do seucrédito e débito. A Companhia também aluga e faz instalação capital, composto exclusivamente por ações ordinárias come manutenção dos equipamentos Point of Sales (POS) para direito a voto, 42,4% estão em livre circulação no mercadoestabelecimentos credenciados. (free float). Além das ações negociadas no mercado brasileiro, a empresa possui American Depositary Receipts (ADR) “nível I”Além dos produtos e serviços tradicionalmente oferecidos ao negociados no mercado de balcão norte-americano (Over Themercado de meios eletrônicos de pagamento, sempre procura Counter, ou simplesmente OTC) com o código CIOXY, tendodesenvolver soluções inovadoras em segmentos que tenham como instituição depositária o Deutsche Bank Trust Companysinergia com suas atividades, tendo sido pioneira na oferta de Americas. Cada ADR equivale a uma ação.infraestrutura de rede para correspondente bancário, recargade celular, voucher eletrônico e saque, e na captura e no Entre seus principais acionistas estão instituições ligadas aprocessamento de transações eletrônicas que não envolvem dois dos três maiores bancos brasileiros: o Banco do Brasil e opagamento, como conectividade e autorização de transações Bradesco, que estão também entre os maiores emissores deno segmento de saúde. cartões no País. A presença dessas instituições como principais acionistas confere à empresa uma condição privilegiada na aceitação de seus serviços e tem contribuído para sua posição de liderança no setor. Com receita líquida da ordem de R$ 3,7 bilhões e lucro líquido de R$ 1,5 bilhão em 2009, a Cielo tem apresentado uma evolução histórica positiva e contínua de seus resultados, registrando crescimento médio anual composto (CAGR) de 27,6% de receita líquida e 44,0% de lucro líquido entre 2006 e 2009.
  13. 13. Relatório Anual 2009 11Participações em outras empresas Cielo SERVNET SERVREDE CBGS 99,99% 99,99% 40,95%Servinet (99,99%) — A Servinet Serviços Ltda. presta serviços de CBGS (40,95%) — A Companhia Brasileira de Gestão demanutenção e contatos com estabelecimentos comerciais e Serviços presta serviços de consultoria e processamento deprestadores de serviços para a aceitação de cartões de crédito informações para empresas da área médica em geral, gestãoe débito e outros meios de pagamento e de instalação e de serviços de suporte para operadoras de saúde, interconexãomanutenção de terminais eletrônicos POS. de rede eletrônica entre operadoras de saúde e prestadores de serviços médico-hospitalares, digitalização e automatização deServrede (99,99%) — A Servrede Serviços S.A., quando iniciar processos, emissão de cartões, atendimento em call center,operações, prestará serviços de gerenciamento de tecnologia leitura de informações de cartões e roteamento de transaçõesde rede, incluindo a transmissão de dados e informações, não financeiras, locação e comercialização de leitoras desoluções corporativas, sistemas de comunicação privada e de cartões, equipamentos e sistemas de informática utilizadosprocessamento eletrônico de pagamentos, além da prestação na prestação de seus serviços e presta assistência técnica dosde serviços de aplicativos e data center. referidos equipamentos.Nota: para mais informações sobre controladas e coligadas, veja Notas Explicativas nºs 1 e 11 das Demonstrações Financeiras.
  14. 14. 12Usar aexpertiseDesenvolver tecnologia para formatar soluçõesque agilizem e impulsionem as transações e osrelacionamentos. Dominar questões complexase oferecer respostas robustas, porém simples. Peris doloria voloreque
  15. 15. Relatório Anual 2009 13
  16. 16. 14PrêmiosNossa busca por qualidade, eficiência e confiabilidade temrecebido amplo reconhecimento de mercado. Com mais de50 prêmios conquistados, a Cielo é uma das empresas maispremiadas do setor. Ao longo dos últimos nove anos, estevesempre incluída entre as “150 Melhores Empresas Para seTrabalhar no Brasil”, no ranking publicado pela revista Exame.Em 2009, a Cielo foi agraciada com:• rêmio: “Melhores em Gestão de Pessoas” P Conferido por: Hewitt e Jornal Valor Econômico.• rêmio: “As 150 Melhores Empresas para Você Trabalhar” P Conferido por: Revista Exame.• rêmio: “Melhores e Maiores” P Conferido por: Revista Exame.• rêmio: “Valor 1000” P Conferido por: Jornal Valor Econômico.• rêmio: “As 200 Maiores Empresas em TI” P Conferido por: InfoExame.• rêmio: “Valor Carreira” P Conferido por: Jornal Valor Econômico.
  17. 17. Relatório Anual 2009 15Governança CorporativaPrincípios gerais AcionistasA Cielo adota as melhores práticas de governança corporativa Os principais acionistas são mostrados no quadro seguinte,recomendadas pelo Instituto Brasileiro de Governança que retrata duas situações distintas: a do final do exercício deCorporativa (IBGC) e considera prestação de contas, 2009 e a do final de abril de 2010 em diante, quando o Bancotransparência, equidade e responsabilidade corporativa valores do Brasil e o Banco Bradesco fecharam acordo para adquirir,essenciais para a sustentabilidade de seus negócios. Ao abrir o por meio de empresas subsidiárias, a participação remanescentecapital, optou por negociar suas ações no Novo Mercado da do Banco Santander na Companhia. Ao mesmo tempo, essasBMFBovespa, o mais elevado nível de governança corporativa, duas instituições firmaram memorando de entendimento para apor ser esse o caminho para consolidar seus princípios e garantir criação de uma holding para a gestão conjunta de seus negóciosaos novos acionistas maior segurança em seus investimentos. no mercado de cartões, incluindo o estudo da possibilidade de transferência das participações acionárias da Cielo S.A para aO modelo de governança que segue cumpre as exigências do nova holding a ser criada.Novo Mercado e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) eestá alinhado com as regras do IBGC, um modelo consagrado Os acionistas minoritários da Cielo gozam dos mesmos direitos dosque procura garantir a adoção efetiva e o monitoramento dos acionistas majoritários, inclusive o de receber igual valor por suasprincípios de governança nos relacionamentos entre Acionistas, ações em caso de alienação do controle (tag along de 100%).Conselho de Administração, Diretoria, Auditores Independentes,Conselho Fiscal, Investidores do mercado e todos osdemais stakeholders.Composição do capital socialCapital realizado: 1.364.783.800 de ações ordináriasCapital autorizado: 6.000.000.000 de ações ordinárias Posição em Posição após Principais acionistas 31/12/2009 27/04/2010 �Acionistas controladores 57,30% 57,30% 0% Columbus Holdings S.A. (Bradesco) 26,56% 28,65% +2,09% BB Banco de Investimentos S.A. (Banco do Brasil) 23,54% 28,65% +5,11% Santusa Holdings S L (Banco Santander Espanha) 7,20% 0% -7,20%Mercado – free float 42,40% 42,40% 0%Tesouraria 0,3% 0,3% 0%Total 100,00% 100,00% 0%Nota: tanto as regras do Novo Mercado da BMFBovespa, quanto as de governança corporativa do IBGC podem ser acessadas por meio dos sítios dessas instituições, nos endereços www.bmfbovespa.com.br e www.ibgc.org.br.Nota: para mais informações, veja o capítulo Mercado de Capitais.
  18. 18. 16Acordo de Acionistas O acordo de acionistas também prevê que: (1) durante o prazoOs acionistas que formam o grupo controlador têm celebrado, de dois anos, contados a partir da data do anúncio da ofertaentre si, acordo de acionistas, que estabelece as regras de inicial de ações (9 de junho de 2009), nenhum acionista poderárelacionamento de seus interesses junto à empresa. Esse acordo alienar as ações remanescentes em Bolsa, mercado de balcãotem como signatários a Columbus Holdings S.A. (Bradesco), BB ou em operações privadas (o acordo reza que os acionistas doBanco de Investimentos S.A. (Banco do Brasil), Banco Santander bloco deverão deter 50,1% das ações pelo prazo de dois anos,(Brasil) S.A., Santander Investimentos e Participações S.A. (Banco após o IPO); (2) qualquer transferência ou alienação de açõesSantander) e Cielo S.A. detidas pelos signatários do acordo, salvo transferências para controladas ou sob controle comum, deverá ser precedida deO acordo de acionistas prevê a realização de reuniões prévias às notificação para os demais acionistas do bloco de controle,reuniões do Conselho de Administração (CA) e Assembleias. As que terão preferência para a aquisição das ações ofertadas,reuniões prévias que deliberarem sobre os assuntos seguintes informando sobre o potencial adquirente, preço por ação esomente serão instaladas com a presença da totalidade dos condições de pagamento. O direito de preferência deveráacionistas signatários: (1) aquisição de ações de emissão da ser exercido em 30 dias e (3) após o período de dois anos, osCompanhia para manutenção em tesouraria ou cancelamento; acionistas poderão solicitar à Companhia a realização de(2) fixação de pautas de Assembleias; (3) proposta de alteração oferta subsequente, sendo facultado ao Santander a adesãodo objeto social; (4) outorga de opção de ações para à oferta subsequente ou a alienação de suas ações em leilãoadministradores e funcionários; e (5) definição da lista tríplice de na BMFBovespa.empresas que poderão realizar o valuation para cancelamentodo registro de companhia aberta. As deliberações em reunião Caso um dos acionistas signatários do acordo de acionistas,prévia serão tomadas por consenso dos acionistas presentes, durante o prazo de vigência do documento, venha a adquirircom previsão quanto à necessidade de registro formal da direta ou indiretamente posição significativa do capital socialreunião. As decisões vincularão todos os acionistas signatários, de empresa que preste serviços de cadastramento de ECs einclusive os acionistas ausentes. adquirência de transações de pagamento de mesma bandeira operada pela Companhia, passando a ter influência diretaSobre a composição do Conselho de Administração, o na administração do concorrente, deverá tomar as medidasacordo define: necessárias para se abster do exercício dos direitos do acordo ou• Santander terá direito a indicar um membro do CA enquanto O alienar as ações de emissão do concorrente, no prazo de 90 dias. detiver direta ou indiretamente ações que representem, pelo menos, 7,20% do capital social; O acordo de acionistas vigorará pelo prazo de 10 anos, contados• onsiderando o CA com nove membros, no mínimo dois C do anúncio de início da oferta e será prorrogado por períodos serão indicados pelo Bradesco, no mínimo dois pelo BB; adicionais e sucessivos de cinco anos, com possibilidade de e um indicado pelo Santander; denúncia com antecedência de seis meses do término do prazo.• onsiderando o CA com 10 membros (atual), no mínimo dois C indicados pelo Bradesco, no mínimo dois pelo BB, um pelo Para a solução de controvérsias decorrentes da interpretação dos Santander e um indicado em comum acordo por Bradesco e BB; termos do documento, violação a seus preceitos ou execução• e houver redução da participação de qualquer acionista S das obrigações nele estabelecidas, o acordo prevê a utilização do bloco de controle que implique redução do número de do centro de arbitragem da Câmara Americana de Comércio. conselheiros que este poderia indicar ou perda do direito, o referido acionista deverá providenciar em cinco dias a(s) destituição(ões) do(s) conselheiro(s) indicado(s);• eleição de conselheiros independentes deverá ser apreciada A e decidida em reunião prévia;• eleição dos membros da Diretoria Estatutária deverá ser A apreciada e decidida em reunião prévia.
  19. 19. Relatório Anual 2009 17Conselho de AdministraçãoO Conselho de Administração é composto por no mínimo sete e traçada pelo Conselho de Administração, dar cumprimento àsno máximo dez membros, todos acionistas, eleitos pela Assembleia deliberações do Conselho de Administração e às disposiçõesGeral, com mandato unificado de dois anos, permitida a reeleição. estatutárias e aprovar o Regimento Interno da Diretoria.Os membros do Conselho de Administração podem ser destituídos • o Diretor de Relações com Investidores, entre outras Ae substituídos a qualquer tempo por decisão da Assembleia Geral. atribuições, compete prestar informações ao públicoDois conselheiros são escolhidos pelo colegiado para ocupar as investidor, à CVM e às bolsas de valores e mercados de balcãofunções de Presidente e Vice-Presidente do Conselho. No mínimo organizados em que a Companhia estiver registrada.20% dos membros do Conselho de Administração devem ser • s demais Diretores exercerão as funções estipuladas pelo Oconselheiros independentes. Conselho de Administração quando de sua eleição.Diretoria A Diretoria é composta por no mínimo dois e no máximo oitoAs funções e os poderes dos diretores são definidos pelo membros, sendo um Diretor-Presidente, um Diretor de RelaçõesConselho de Administração, dentre os quais se destacam: com Investidores e até seis diretores sem designação específica,• o Diretor-Presidente compete, entre outras atribuições, A eleitos pelo Conselho de Administração. Os diretores podem estabelecer o modelo de gestão e fazê-lo cumprir, dirigir os acumular cargos. negócios e fixar as diretrizes gerais de acordo com a orientaçãoConselho de AdministraçãoNome Cargo Eleição MandatoArnaldo Alves Vieira Presidente 30/04/2010 30/04/2012Jair Delgado Scalco Conselheiro 30/04/2010 30/04/2012Raul Francisco Moreira Conselheiro 30/04/2010 30/04/2012José Maurício Pereira Coelho Conselheiro 30/04/2010 30/04/2012Denilson Gonçalves Molina Conselheiro 30/04/2010 30/04/2012Paulo Rogério Caffarelli Conselheiro 30/04/2010 30/04/2012Milton Almicar Silva Vargas Conselheiro 30/04/2010 30/04/2012Norberto Pinto Barbedo Conselheiro 30/04/2010 30/04/2012Francisco Augusto da Costa e Silva Conselheiro independente 30/04/2010 30/04/2012Gilberto Mifano Conselheiro independente 30/04/2010 30/04/2012Nota: os currículos dos Conselheiros estão disponíveis no sítio da empresa, no endereço www.cielo.com.br/riDiretoriaDiretor Cargo Eleição MandatoRômulo de Mello Dias Diretor Presidente 20/05/2009 mai/2012Marcos Grodetzky Diretor Financeiro e de RI 20/03/2010 mai/2012Eduardo Campozana Gouveia* Diretor 20/05/2009 mai/2012Eduardo Chedid Simões Diretor 20/05/2009 mai/2012Paulo Guzzo Neto Diretor 20/05/2009 mai/2012Roberto Menezes Dumani Diretor 02/12/2009 mai/2012Nota: os currículos dos Diretores estão disponíveis no sítio da empresa, no endereço www.cielo.com.br/ri* A partir de maio/2010, foi substituído por Dilson Ribeiro.
  20. 20. 18Conselho FiscalO Conselho Fiscal funciona de modo não permanente, com Quando instalado, o Conselho Fiscal é composto por no mínimoas atribuições e poderes que a lei lhe confere e é instalado por três e no máximo cinco membros titulares, com suplentes emdeliberação da Assembleia Geral ou a pedido dos acionistas, nas igual número, eleitos pela Assembleia Geral.hipóteses previstas em lei. O Conselho Fiscal funciona de acordo com o Regimento Interno aprovado na Assembleia Geral que deliberar a sua instalação.Conselho FiscalNome Posição Eleição MandatoKléber do Espírito Santo Membro Efetivo 30/04/2010 ago/2011Marcio Hamilton Ferreira Membro Efetivo 30/04/2010 ago/2011Haroldo Reginaldo Levy Neto Membro Efetivo 30/04/2010 ago/2011Marcelo Santos Dall’occo Membro Suplente 30/04/2010 ago/2011André Luis Dantas Furtado Membro Suplente 30/04/2010 ago/2011Nota: o cargo do terceiro suplente encontra-se temporariamente vago.Comitês de Apoio Remuneração dos AdministradoresOs comitês são órgãos auxiliares à gestão, com funções técnicas Os diretores estatutários e os membros do Conselho dee consultivas. Têm por finalidade tornar a atuação dos órgãos Administração recebem como remuneração global, em cadade administração da Companhia mais eficientes, de forma a exercício, o valor aprovado pela Assembleia Geral Ordinária (AGO).maximizar o seu valor e o retorno dos acionistas, respeitadas asmelhores práticas de governança corporativa. Na AGO de 13 de abril de 2009, esse valor foi de R$ 14,5 milhões. O total aprovado foi dividido em remuneração fixa eSua instalação compete ao Conselho de Administração, sendo variável, participação no lucro e opções de ações outorgadas,que o Comitê de Auditoria tem funcionamento permanente. conforme descrito em detalhes nas Notas Explicativas nºs 28 eAlém deste, estão em funcionamento atualmente os seguintes 29 das Demonstrações Financeiras.comitês de assessoramento ao Conselho de Administração: Na AGO de 30 de abril de 2010, o valor aprovado• Comitê de Finanças; foi de até R$ 19,0 milhões.• Comitê de Risco Emissor;• Comitê de Governança Corporativa;• Comitê de Remuneração e Benefícios.
  21. 21. Relatório Anual 2009 19Código de ÉticaO Código de Conduta da Cielo foi revisado em 2009 e passou • ssociações de classe; Aa se chamar Código de Ética. Todos os colaboradores foram • ancos; Bchamados para participar das reuniões para a construção do • lientes; Cnovo texto, que tem o objetivo de traduzir os valores e os • olaboradores; Cprincípios da empresa. • omunidade e sociedade; C • oncorrentes; CÉ um documento de referência, não só para a Cielo e seus • ornecedores; Fcolaboradores, como também para outros públicos com os • overno; Gquais a empresa se relaciona. São esses diferentes públicos • mprensa; Ienvolvidos no negócio que, ao fazerem suas escolhas cotidianas • nvestidores; Ie agirem de acordo com elas, ratificam a conduta ética • suários de meios eletrônicos de pagamento. Uesperada pela Cielo, capaz de assegurar relações significativas,sustentáveis e compatíveis com os interesses e as aspirações Comitê de Éticamais legítimas dos envolvidos e da sociedade. O Comitê de Ética é formado pelos membros da Diretoria Executiva e mais três profissionais seniores. Sua função é receberO Código de Ética define os princípios básicos que deverão e analisar denúncias de infração do Código de Ética e aplicar asnortear a conduta de todos e abrange, além da própria gestão penas cabíveis.do código, três grandes áreas de interesse: Para que essas denúncias cheguem ao Comitê, foi criado umMissão e Valores Corporativos — São eles os responsáveis Canal de Ética administrado por empresa externa. O acessopela definição da identidade, do jeito de ser e agir da empresa. pode ser feito pela Internet 24 horas por dia, durante os sete diasAo expressá-los em iniciativas e relações cotidianas, os da semana, ou por telefone, de segundas a sextas-feiras, das 9hcolaboradores estão contribuindo para a criação de valor às 20h. A identificação do denunciante é opcional.nos relacionamentos. Câmara de arbitragemAspectos primordiais de conduta — Esses aspectos são e outras disposiçõesfundamentais para o negócio e devem ser observados por todos A Cielo está vinculada à arbitragem na Câmara de Arbitragemos colaboradores da Cielo. do Mercado, conforme cláusula compromissória constante do seu Estatuto Social.Aspectos relevantes de conduta por público — Consideram ascaracterísticas próprias da relação da empresa com cada público Enquanto a Companhia estiver no Novo Mercado, não poderácom o qual a empresa se relaciona. São levados em conta, emitir ações preferenciais ou partes beneficiárias e, para sair doparticularmente, os seguintes públicos: Novo Mercado, deverá efetivar uma oferta pública.Nota: o Código de Ética está disponível no sítio de Relações com Investidores da empresa, no endereço www.cielo.com.br/ri.
  22. 22. 20EstratégiaO planejamento estratégico de longo prazo leva em Expansão da Base de Emissoresconsideração as variáveis de mercado relevantes, frente às Pretendemos incrementar os resultados por meio da ampliaçãocircunstâncias atuais e projetadas, e tem por objetivo manter do número de emissões de cartões e assim obter um maiora posição de liderança da Companhia no mercado brasileiro volume financeiro de transações. Para tanto, desenvolvemosde cartões de pagamento. ações para aprofundar o relacionamento com as instituições financeiras emissoras e os estabelecimentos emissores dePara atingir esse objetivo, adotamos como linhas de ação cartões Private Label híbrido e criamos uma solução específicafundamentais a diversificação dos serviços prestados, o maior de captura e processamento de transações para cartõesaproveitamento da rede de captura e a constante introdução desse segmento, o qual tem demonstrado alto potencial dede novas tecnologias de meios de pagamento. Essas linhas crescimento junto à população de menor renda.de ação desdobram-se em vários eixos estratégicos, que sãodiscutidos a seguir. Já contamos com cerca de 89 parcerias para prestação de serviços de captura e processamento de transações com cartõesUniversalização do Uso e Aceitação de Private Label híbrido, dentre elas o Boticário, BR Postos, CasasMultibandeiras pelos Estabelecimentos Bahia, Carrefour, Centauro, Dicico, Leader, Livraria Saraiva, LojasTemos como meta aumentar continuamente o número Colombo, Lojas Maia e Porto Seguro.de estabelecimentos credenciados para a aceitação demultibandeiras a partir de 1º de julho, quando termina nossa Ampliação do Uso dos Equipamentos de Capturaexclusividade com a bandeira Visa. Para tanto, contamos Pretendemos incrementar os negócios realizados emcom uma estrutura própria de vendas com capacidade para nossa rede de aceitação, oferecendo soluções de capturadar suporte ao credenciamento de novos estabelecimentos, e serviços pioneiros em segmentos que gerem valor paravalendo também do apoio das redes de agências das instituições o estabelecimento credenciado. Para consolidar o uso dosfinanceiras com as quais temos parceria firmada. equipamentos de captura como plataformas diversificadas de serviços, temos agregado novos serviços, como, por exemplo,Como regra, procuramos manter estreito relacionamento correspondente bancário, recarga de celular pré-pago ecom os estabelecimentos, oferecendo suporte permanente e fornecimento de troco em dinheiro nas transações comsoluções diferenciadas de produtos e serviços de qualidade, cartões de débito.além de incentivos às vendas dos estabelecimentos, por meiode promoções conjuntas nos pontos de venda. A diversificação do portfólio de serviços oferecidos por meio desses equipamentos aumentará o uso da rede de aceitação,Pretendemos também continuar a investir em soluções de fortalecerá a base de negócios e o relacionamento com oscaptura para expandir a aceitação em novos segmentos estabelecimentos credenciados, aumentando o faturamento eeconômicos ligados à prestação de serviços, como táxis, consolidando a posição de liderança de nossa Empresa.estádios de futebol, feiras livres, serviços de entrega e outros.
  23. 23. Relatório Anual 2009 21Ingresso em Novos Negócios que Incremento de Eficiência OperacionalApresentem Sinergia com a Atividade Principal Nosso modelo de gestão coloca foco em resultados, aliando oDesenvolvemos constantemente projetos e pesquisas de crescimento de receitas a uma cultura de eficiência operacional.mercado com o propósito de identificar ramos de negócios Ao lado das iniciativas voltadas para o aumento da quantidadeque possam criar sinergia com nossa atividade principal. Uma de transações e do volume financeiro, pretendemos continuardas oportunidades identificadas foi a aplicação do negócio a obter ganhos de produtividade, com redução do custode rede para a conectividade e autorização de transações no médio por transação capturada, por meio de iniciativas quesegmento de saúde. contemplem o incremento da eficiência operacional.O objetivo é integrar soluções e facilitar as interações dos Impacto daagentes do segmento de saúde, oferecendo serviços de estratégia nos resultadosconexão e autorização na área de saúde. Nossas metas de resultados foram plenamente atingidas em 2009 e no primeiro trimestre de 2010. Durante esse período,A inserção da Companhia na captura eletrônica de a gestão estratégica do desempenho no curto-médio prazotransações, nesse e em outros ramos de negócio, mediante esteve dirigida para a obtenção de retornos por meio doo aproveitamento da rede e plataforma tecnológica, permitirá desenvolvimento e da exploração dos eixos estratégicosdesenvolver novas linhas de serviços e oportunidades de escolhidos pela Companhia. Por outro lado, estivemos comgeração de receita. nossa visão de médio e longo prazo voltada para a preparação da Companhia para as mudanças que ocorrerão no mercado aOferta de Novos Serviços para os partir do segundo semestre de 2010 e nos sentimos confiantesEstabelecimentos Credenciados com os resultados dessa preparação, que incluiu, desdePretendemos continuar a oferecer novos serviços que a alteração de nossa razão social e missão, até a aberturaagreguem valor para os estabelecimentos credenciados e de capital, com a oferta pública de ações, passando porincentivar sua fidelização. Em resposta à demanda desses importantes remodelações na estrutura de gestão e comercialestabelecimentos, desde 1º de setembro de 2008, oferecemos da Companhia.antecipação de recebíveis para parte de nossa rede deestabelecimentos credenciados.Desenvolvemos, atualmente, dois projetos-piloto: um paraa utilização do telefone celular e da Internet para a capturaeletrônica de transações feitas por estabelecimentos queoferecem entrega em domicílio e outro para o desenvolvimentode uma plataforma tecnológica que possibilita a realizaçãode promoções que fortaleçam o relacionamento dosestabelecimentos com seus clientes portadores de cartõesde pagamento.
  24. 24. 22Merecer aconfiançaSustentar no tempo a confiança de todos aquelescom os quais nos relacionamos. Empregar os maisexigentes protocolos de segurança para garantira integridade das transações. Perseguir, sempre, aeficiência e a infalibilidade dos processos. Preservar aconfidencialidade das informações com rigidez extrema,mas ser transparente e aberta nas relações e na gestão.
  25. 25. Relatório Anual 2009 23
  26. 26. 24Gestão de RiscoRisco regulatórioLeis e regulamentos que vierem a ser editados para (iii) proibição de cláusulas de exclusividade entre bandeiras Aregulamentar o setor de cartões de pagamento no Brasil e adquirentes no mercado de cartões de crédito e débito,podem causar um efeito adverso na Companhia. notadamente o projeto de lei nº 680/07, de 28 de novembro de 2007, que desde 05 de março de 2009 encontra-seTramitam no Congresso Nacional diversos projetos de lei com sob análise na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação,o intuito de regulamentar o setor de meios de pagamento com Comunicação e Informática;cartões. As principais iniciativas versam principalmente sobre: (iv) equiparação das empresas do setor de meios de A(i) A limitação das taxas de administração cobradas dos pagamento à condição de instituição financeira, Estabelecimentos e prazos de pagamento, notadamente os notadamente o projeto de lei nº 678/07, datado de 28 projetos de lei: de novembro de 2007, que desde 29 de maio de 2009 (a) 4.818/98, datado de 04 de novembro de 1998, que desde encontra-se sob análise na Comissão de Constituição, 25 de março de 2009 encontra-se sob análise na Comissão Justiça e Cidadania, sendo que, neste caso, a Companhia de Constituição e Justiça e de Cidadania; passaria a estar sujeita a normas adicionais e, potencialmente, (b) 4.804/01, datado de 05 de junho de 2001, que desde 29 à fiscalização do Banco Central. de abril de 2009 encontra-se sob análise na Comissão de Finanças e Tributação; Em março de 2009, o Banco Central, a Secretaria de Direito (c) 3.499/08, datado de 03 de junho de 2008, cujo pedido de Econômico (SDE) do Ministério da Justiça e a Secretaria de apensado ao projeto de lei nº 4.818/98 foi deferido em 04 Acompanhamento Econômico (Seae) do Ministério da Fazenda de novembro de 2008; disponibilizaram o Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamentos, que analisa o setor de meios de pagamento com(ii) O compartilhamento de infraestrutura de coleta e cartões no Brasil, demonstrando as mesmas preocupações processamento de informações no mercado de cartões de que levaram à elaboração dos projetos de lei acima descritos, crédito e débito, notadamente o projeto de lei nº 677/07, e versando principalmente, sobre: (i) o cenário competitivo e datado de 28 de novembro de 2007, que desde 05 de março das barreiras de entrada do setor; (ii) o mecanismo de cobrança de 2009 encontra-se sob análise na Comissão de Ciência, tarifária adotado pelos adquirentes e (iii) como tal mecanismo Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática; de cobrança pode afetar o consumidor final de bens e serviços, além da sugestão de medidas regulatórias para o setor de cartões de pagamento. Embora este estudo por si só não tenha poder para regulamentar o setor de cartões de pagamento, pois essa regulamentação dependeria da aprovação de leis pelo Poder Legislativo, suas conclusões poderiam acelerar a tramitação dos
  27. 27. Relatório Anual 2009 25projetos de lei mencionados acima, além de estimular a discussão Em vista dessas incertezas em relação ao contexto regulatóriode outras iniciativas legislativas que visem a regulamentar a ser enfrentado pela Companhia, não é possível prever se oseste setor e as atividades da Companhia. Em maio de 2010, a projetos de lei atualmente em tramitação no Congresso Nacional,versão final deste relatório foi divulgada e embora o teor das ou ainda outros que venham a ser propostos, serão ou nãopreocupações não tenha sido alterado, o grupo de estudo do aprovados e, caso aprovados, qual será o texto legislativo final.Governo focou em cinco recomendações para o setor, que nocurto prazo serão endereçadas. A saber: (i) abertura da atividade Portanto, não é possível prever se as atividades de captura ede credenciamento; (ii) interoperabilidade de redes e de POS adquirência de transações, credenciamento de estabelecimentos(terminal de captura de transações); (iii) neutralidade nas atividades e antecipação de recebíveis a estabelecimentos serão reguladas.de compensação e liquidação; (iv) fortalecimento de esquemas Caso o sejam, não é possível prever como o serão, e tampouconacionais de cartões de débito e (v) transparência na definição da assegurar que a Companhia não será afetada de forma adversatarifa de intercâmbio. e relevante por eventuais novas leis e regulamentos.Caso o projeto de lei relativo à limitação das taxas de Risco de mercadoadministração cobradas dos estabelecimentos e prazos Embora acredite-se que o mercado brasileiro de cartões dede pagamento seja aprovado, a receita da Companhia e, crédito e débito continue com grande potencial de crescimento,consequentemente, seu resultado operacional, poderão ser uma possível regulamentação do setor ou o simples fim dasafetados adversamente. Em relação ao projeto de lei relativo ao exclusividades poderia provocar mudanças, inclusive com acompartilhamento de infraestrutura, caso este seja aprovado, possibilidade de entrada de novos concorrentes. Por outro lado,a receita decorrente do aluguel de equipamentos de captura as novas regras seriam para fortalecer o setor e agregar maiorpoderá ser afetada negativamente, com impacto nos resultados número de bandeiras, emissores, portadores e estabelecimentos,da Companhia que poderiam ser adversos. Por sua vez, a o que poderia contribuir para acelerar o crescimento doeventual aprovação do projeto de lei que proíbe cláusulas de número de transações e do volume financeiro transacionado,exclusividade entre bandeiras e adquirentes no mercado de favorecendo a atuação dos adquirentes.cartões de crédito e débito poderia gerar um estímulo adicionalà entrada de novos participantes no mercado, com potencial Para lidar com esse tipo de risco e ao mesmo tempo manter suaimpacto na participação de mercado da Companhia, que posição de liderança, a Cielo vem se preparando já há algumpoderia ser adverso. tempo para oferecer o melhor em termos de confiabilidade de seus sistemas de rede, facilidade de serviços, produtosPor fim, caso o projeto de lei que visa a equiparação das inovadores, capacidade de distribuição e relacionamentoempresas do setor de meios de pagamento à condição de diferenciado com os estabelecimentos. Ao mesmo tempo, parainstituição financeira seja aprovado, a Companhia poderá ser garantir a entrega, reestruturou-se internamente, desenvolveuafetada de forma adversa e relevante, dependendo da extensão equipes competentes e consolidou uma cultura organizacionaldas restrições e condições a serem impostas pelo Banco Central, apropriada a essa potencial realidade.que passaria a ser o responsável pela regulação das empresas dosetor de meios de pagamento, incluindo a Companhia.
  28. 28. 26Risco de crédito* Risco de fraude**A Cielo dispõe de instrumento para mitigação de risco de créditodos bancos emissores dos cartões Visa, com o intuito de proteger- Riscos associados à Conjuntura Econômicase de um eventual risco de default dessas intituições. Esse Crescimento do PIB, taxa de juros e taxa de câmbio sãoinstrumento de proteção está respaldado na obrigação assumida devidamente monitorados, embora sejam relativamente menospela bandeira Visa, conforme estabelecido no regulamento relevantes para a empresa.internacional, em garantir o repasse aos estabelecimentos afiliadosà Companhia de todas as vendas realizadas com cartões Visa nas Crescimento do PIBrespectivas datas de vencimento, caso ocorra inadimplência de No que se refere ao crescimento do PIB, os setores em queum determinado emissor. atuamos, pelas características do mercado brasileiro, têm apresentado alto crescimento e mostrado ser menos suscetíveisRisco tecnológico às variações do PIB do que a média dos outros setores. NosOs sistemas de tecnologia da informação e de telecomunicação últimos três anos, o PIB cresceu a uma taxa média compostautilizados pela Companhia em suas atividades podem falhar de 3,6% ao ano, mas o volume financeiro de nossas transaçõesdevido a fatores alheios ao seu controle. Para mitigar este risco, cresceu em média 24,6% ao ano. Em 2009, o PIB caiu 0,2%, masa Cielo adota redundância de sistemas e usa tecnologia de o nosso volume financeiro cresceu 21,9%. A comparação do usoponta, tanto para o tráfego, quanto para o armazenamento de cartões como meio de pagamento no Brasil com o uso emde informações. outros países emergentes e desenvolvidos mostra que o nosso mercado ainda tem potencial para continuar crescendo a taxasOutra questão é a da segurança dos sistemas de informação, superiores às do PIB por muitos anos.pois a divulgação não autorizada de dados que constem emseus sistemas poderia causar um efeito adverso. Neste caso, Taxa de Jurosa Cielo utiliza o que há de mais avançado em criptografia e Quanto à taxa de juros, sua principal influência recai sobre asbarreiras de acesso para evitar fraudes ocasionadas por hackers. aplicações financeiras, já que, em nosso caso, estas superam oA empresa possui a mais importante certificação de segurança passivo financeiro. Os recursos estão aplicados em instituiçõesda indústria mundial de cartões: o padrão de segurança de financeiras de primeira linha e a empresa não realiza operaçõesdados (DSS) do Payment Card Industry Council (PCI Council). de cunho especulativo. Dentre seus acionistas indiretos, estão dois dos maiores e mais seguros bancos do País.* ota: Para maiores detalhes de como este tipo de risco é mitigado, veja N Nota Explicativa nº 26.b das Demonstrações Financeiras. Taxa de Câmbio Os gastos de estrangeiros no Brasil com cartões Visa são creditados pela Visa Internacional à empresa no dia seguinte, convertidos em dólares pela taxa de compra do Banco Central (PTAX) na data da realização do gasto. Como proteção contra a oscilação de moedas, a Cielo realiza a pré-venda dos dólares a receber, convertidos pela mesma taxa de câmbio. Fora esses gastos, não existem outras operações significativas que possam causar variações relevantes nos resultados da empresa. ** ota: Veja Nota Explicativa nº 26.c das Demonstrações Financeiras. N N ota: Para informação sobre outros fatores de risco, veja Nota Explicativa nº 26 das Demonstrações Financeiras constantes deste relatório.
  29. 29. Relatório Anual 2009 27
  30. 30. 28Desempenho OperacionalCaracterísticas da atividade Desse modo, os participantes do setor de cartões de pagamentoO modelo adotado pelas empresas participantes do setor de no mercado brasileiro podem ser categorizados conformecartões de pagamento no Brasil é o de associação, no qual demonstrado abaixo:as bandeiras, as adquirentes e os emissores, cada um compapéis específicos, atuam de forma integrada sob as regras Bandeirasestabelecidas pelas bandeiras. Nesse modelo, as adquirentes, As bandeiras estabelecem e administram as regras geraiscomo a Cielo, detêm a licença de uso das marcas das bandeiras de organização e funcionamento do sistema de cartões dee são responsáveis pelo credenciamento dos estabelecimentos, pagamento e são as garantidoras finais da liquidação financeiracomo também por captura, transmissão, processamento e das transações junto aos estabelecimentos. Pela prestação deliquidação financeira das transações. tais serviços, as bandeiras cobram uma taxa de administração, com lastro nas transações realizadas nos estabelecimentos, das adquirentes representantes de sua marca.Em 1995 Bandeiras Bancos Bancos Adquirentes Emissores Estabelecimentos Portadores ComerciaisA partirde 1996 Bandeiras Bancos CIELO Emissores Estabelecimentos Portadores Comerciais
  31. 31. Relatório Anual 2009 29Adquirentes PortadoresAs adquirentes, como a Cielo, são responsáveis pelo Os portadores são os detentores dos cartões concedidos peloscredenciamento dos estabelecimentos, pela captura, emissores, usuários e/ou consumidores de produtos e serviços.transmissão, processamento e liquidação financeira dastransações e garantem essa liquidação caso o emissor sofra Emissoresintervenção do Banco Central. Como regra, as adquirentes Os emissores concedem crédito aos portadores para utilizaçãocobram uma taxa de administração dos estabelecimentos pela de cartões de crédito no Brasil e/ou no exterior e efetuam aprestação dos serviços de captura, transmissão, processamento cobrança dos valores gastos pelos portadores. Os emissorese liquidação das transações realizadas com cartões de crédito assumem o risco de crédito dos portadores perante ase de débito. Na maioria dos casos, a taxa de administração é adquirentes e garantem o pagamento às mesmas. Para tanto,calculada mediante a aplicação de um percentual negociado os emissores cobram dos adquirentes uma taxa de intercâmbiocom os estabelecimentos incidente sobre o valor da transação que consiste na parcela da taxa de administração recebidano estabelecimento. dos estabelecimentos que é repassada aos emissores, como remuneração pela aprovação das transações realizadas com osAs adquirentes são proprietárias de equipamentos, como POS cartões de sua emissão. A taxa de intercâmbio é determinadafixo e POS móvel. As adquirentes, na maioria dos casos, alugam os geralmente pelas bandeiras de acordo com o tipo de cartãoequipamentos aos estabelecimentos, cobrando desses um aluguel utilizado na transação e do segmento do estabelecimento emfixado de acordo com a tecnologia de cada tipo de equipamento, que a transação foi realizada.o ramo de atividade e a localidade do estabelecimento. Algunsestabelecimentos, como grandes lojas e supermercados, possuem Conjuntura econômicaseus próprios equipamentos de captura. O ano de 2009 iniciou-se imerso em uma das maiores crises financeiras globais de que se tem notícia desde a grandeAs adquirentes também oferecem o serviço de antecipação de depressão de 1929. Diante da enorme perda de riquezarecebíveis à sua rede de estabelecimentos. Nessas operações, financeira e não financeira do setor privado, em especial nosos estabelecimentos solicitam ao adquirente o recebimento países desenvolvidos, os esforços das autoridades monetáriascorrespondente às transações realizadas com cartões de crédito mundiais para injetar liquidez nos mercados de crédito nãoantes do período negociado e contratado com cada um. Os foram suficientes para reduzir incertezas e permitir uma voltaestabelecimentos que contratam este serviço pagam uma taxa à normalidade. Esse cenário negativo afetou expectativas ede desconto, calculada com base no valor antecipado. ocasionou deterioração dos mercados de trabalho, retração dos investimentos e queda do consumo em todas as economias.As adquirentes podem ainda oferecer aos estabelecimentosserviços adicionais relativos à captura de transações de cartões, Apesar dos bons fundamentos de sua economia antes da crise, ocomo, por exemplo, serviços vinculados às transações com Brasil não passou incólume ao brusco encolhimento do créditocartões Private Label realizadas nos próprios estabelecimentos internacional e à rápida retração dos mercados consumidoresemissores. Para usufruir desses serviços, os estabelecimentos de suas exportações. Dados do Instituto Brasileiro de Geografiavia de regra pagam às adquirentes tarifas estipuladas de acordo e Estatística (IBGE) mostram que o PIB registrou uma queda decom o tipo de serviço prestado. 0,2% em 2009, enquanto, antes da crise (setembro de 2008), crescia 6,6% ao ano.EstabelecimentosOs estabelecimentos são os fornecedores de bens e serviçoscredenciados pelas adquirentes para aceitar cartões de créditoe de débito como meio de pagamento.
  32. 32. 30Para conter o impacto interno da crise mundial, as autoridades Para as exportações brasileiras, já retraídas com a recessão doseconômicas brasileiras optaram por amenizar a queda do mercados mundiais (exceto China e Índia, que apenas passaramconsumo por meio do aumento do crédito ao consumidor e a crescer menos), isso criou dificuldades adicionais e houve umado crédito à habitação realizado pelos bancos controlados pelo queda de 22% do valor exportado, segundo dados do BancoGoverno, da redução de impostos sobre bens de consumo e, Central. Essa queda não chegou a comprometer a balançatambém, pela redução da taxa básica de juros, já que, com a comercial em 2009, uma vez que, com a internação da crise, ascrise, a inflação passou a indicar tendência de queda. importações sofreram uma queda de 25% no ano, pelo mesmo critério, e o saldo comercial manteve-se em patamar idêntico aoAs operações de crédito do sistema financeiro aumentaram de um ano atrás (US$ 26,5 bilhões).cerca de 19% sua participação no PIB, as intituições públicascontribuíram com mais de 60% desse aumento, segundo dados Contudo, a saída mais rápida da crise passou a preocupar asdo Banco Central do Brasil. Em termos absolutos, o crédito do autoridades econômicas que, antevendo uma recuperaçãosetor privado a pessoas físicas cresceu 16,2%, no mesmo período das importações antes que as exportações voltassem a ganhare o crédito do setor público à habitação, 27,5%. Enquanto isso, o fôlego, decidiram ampliar o alcance do regime de drawback,crédito público ao setor industrial ficou praticamente estagnado mediante a isenção de impostos na importação de insumos deno período (+ 0,3%, segundo o Banco Central) e o investimento, produtos de exportação.que crescia a uma taxa anual de 16,9% no terceiro trimestre de2008, encerrou 2009 com uma queda de 10,2% (taxa anual), Para os setores ligados diretamente ao consumo, ainda quesegundo o IBGE. do lado das exportações o desempenho tenha sido negativo, as vendas no mercado interno foram boas. A indústriaNo âmbito da renúncia fiscal, o governo reduziu ou eliminou automobilística, por exemplo, amargou uma queda de 40,5% emtemporariamente alíquotas do IPI (Imposto sobre Produtos suas vendas para o exterior, mas registrou um recorde histórico deIndustrializados) para produtos de consumo — no caso dos 3,14 milhões de veículos vendidos no mercado interno em 2009,carros populares, por exemplo, a alíquota de 7% foi reduzida com crescimento de 11% sobre 2008, segundo a Associaçãotemporariamente a zero —, diminuiu a alíquota do Imposto Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).sobre Operações Financeiras para empréstimos a pessoas físicase alterou a tabela do Imposto de Renda de Pessoas Físicas O Indicador do Nível de Atividade (INA) da Federação dasde modo a favorecer o contribuinte com uma transferência Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), que mede o nívelestimada em R$ 4,9 bilhões ao longo de 2009. de atividade da economia paulista, mostra que, apesar da profundidade da crise (queda de 32,4% do índice mensal entreA taxa Selic passou de 13,66% a.a. ao final de 2008 para 8,65% outubro de 2008 e fevereiro de 2009), a recuperação tema.a. ao fim de 2009, enquanto a inflação, medida pelo Índice de sido rápida e chegou-se a dezembro de 2009 com um valorPreços ao Consumidor – Ampliado (IPC-A), acumulou 3,9% em apenas 4,6% abaixo do valor de dezembro de 2008. Todavia,2009, contra 5,9% em 2008, de acordo com dados do Banco no acumulado do ano, a queda foi de 11,6% em relação a 2008.Central e do IBGE. O INA é composto principalmente por nível de utilização da capacidade instalada, nível médio de horas trabalhadas porComo o epicentro da crise foi a economia norte-americana, o empregado e vendas reais dos meses de referência e anterior.dólar sofreu fortes desvalorizações em todos os mercados domundo, inclusive no Brasil, onde perdeu um quarto do seu valor Pesquisa realizada ao final do ano pela Fundação Getúlio Vargasem relação ao real (a cotação do dólar comercial para venda (FGV) sobre intenções de investimentos mostra que, depois depassou de R$ 2,333 em dezembro de 2008 para R$ 1,743 um ano de forte retração do investimento na indústria, váriosem dezembro de 2009, com uma queda de 25,3%). setores importantes têm intenção de voltar a investir em 2010, o que poderá abrir maior espaço para a recuperação.

×