Os titulos dos jornais e a optimizacao da relevancia

7,895
-1

Published on

Novembro de 2004

Published in: Technology, News & Politics
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
7,895
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Muito frequentemente, os apresentadores têm de transmitir mensagens com um conteúdo técnico a um auditório pouco familiarizada com o assunto ou com o vocabulário. A mensagem pode tornar-se complexa, pesada ou demasiado detalhada. Para o fazer com eficácia utilize as linhas de orientação do Dale Carnegie Training ® que se seguem. Calcule o tempo disponível e organize a matéria. Resuma o tópico. Divida a apresentação em segmentos claros. Siga uma progressão lógica sem se desviar do tema. Encerre a apresentação com um resumo, com a repetição dos pontos chave ou de uma conclusão lógica. Pense sempre no auditório. Por exemplo, certifique-se de que os dados são claros e de que a informação é relevante. Mantenha um nível de detalhe e de vocabulário apropriados. Utilize meios visuais para ilustrar pontos de vista ou acções. Mantenha-se atento às necessidades dos seus ouvintes e terá um auditório mais receptivo.
  • Os titulos dos jornais e a optimizacao da relevancia

    1. 1. Os títulos dos jornais e a optimização da relevância
    2. 2. <ul><li>“ Um bom título é um pregão que desperta em nós o desejo de saber mais sobre o facto ou a ideia que a apregoa”. </li></ul><ul><li>Daniel Ricardo </li></ul><ul><li>Mar de Fontcuberta – 3 objectivos dos títulos: </li></ul><ul><li>Anunciar e resumir a informação da notícia </li></ul><ul><li>Convencer do interesse daquilo que se conta </li></ul><ul><li>Serem inteligíveis por si próprios, de forma a que o leitor consiga imediatamente encontrar o facto </li></ul>
    3. 3. Técnicas de titulação <ul><li>Isolar a mensagem essencial – a ideia central </li></ul><ul><li>Escolher os elementos que incorporam o essencial da mensagem central </li></ul><ul><li>Ligar as palavras que simbolizam os elementos escolhidos ou palavras de referência </li></ul><ul><li>A questão da significação </li></ul><ul><li>Regra de ouro dos títulos – o presente </li></ul><ul><li>Diferenciação dos títulos consoante os géneros jornalísticos: entrevista, reportagem, notícias, géneros de opinião </li></ul><ul><li>MISSÃO DOS TÍTULOS interessar, atrair a atenção, impressionar, fazer pensar e falar. Em última análise, identificar a informação . </li></ul>
    4. 4. <ul><li>Daniel Dor – a função comunicativa dos títulos dos jornais </li></ul><ul><li>(“ On newspaper headlines as relevance optimizers ”) </li></ul><ul><li>Speber e Wilson (1986) – definição funcional – “ os títulos de jornais são optimizadores de relevância: são desenhados para optimizar a importância das suas histórias junto dos seus leitores ” – os títulos no papel de negociador textual </li></ul><ul><li>A construção de um título bem sucedido implica um conhecimento dos leitores (crenças, expectativas…) e remete para as crenças/valores dos editores e dos jornalistas . </li></ul>
    5. 5. <ul><li>Daniel Dor considera que nem sempre os títulos são sumários: </li></ul><ul><li>Alguns títulos destacam um detalhe/pormenor, outros são citações que não ilustram toda a peça </li></ul><ul><li>A noção tradicional de título (enquanto resumo) não contempla a função dos títulos nos tablóides ( Lindemann defende que estes raramente sumariam as peças, são curtos ou até mesmo informativos ) </li></ul><ul><li>Os títulos têm uma função adicional – a pragmática </li></ul><ul><li>Ianovici e Amel (1989) consideram que os títulos têm duas funções simultâneas : semântica (tendo em conta o referente – o texto) e a pragmática (tendo em conta o receptor). </li></ul><ul><li>A principal função do título é a de alertar o receptor para a natureza ou para o conteúdo do texto . </li></ul>
    6. 6. <ul><li>Sperber e Wilson – TEORIA DA RELEVÂNCIA </li></ul><ul><li>Os processos cognitivos são gerados para atingirmos o máximo de cognição com o menor esforço possível. </li></ul><ul><li>A base desta teoria é a mente , que é construída com base em estereótipos, preconceitos, ideias pré-concebidas – “ ASSUMPTIONS ”. </li></ul><ul><li>Entidades proposicionais que assumimos como verdadeiras e que são baseadas na experiência perceptual de cada indivíduo. Quando surgem, são interpretadas num determinado contexto . Assim, quando surge uma nova “ assumption ”, esta é comparada ao conjunto das que compõem a memória individual. </li></ul>
    7. 7. <ul><li>A quantificação do contexto e do esforço cognitivo remete para a noção de relevância </li></ul><ul><li>A relevância tem um papel muito importante no julgamento dos valores-notícia. A noticiabilidade pode mesmo ser pensada com base na noção de relevância – a função comunicativa dos títulos reside na optimização da relevância das suas estórias . </li></ul>
    8. 8. <ul><li>Daniel Dor – considera que a maior dos leitores não lê para além dos títulos (apenas lê “as gordas”). </li></ul><ul><li>Logo, a maioria dos títulos falha na sua missão . De acordo com a teoria do autor, a leitura dos títulos já remete para a optimização da relevância da sua própria informação . </li></ul><ul><li>Assim, com a leitura do texto, o que se verifica é um processo gradual de redução da relevância da estória . </li></ul><ul><li>CONCLUSÃO </li></ul><ul><li>Os títulos funcionam como uma espécie de “ negociador ” entre as peças e os leitores – os títulos enquanto optimizadores de relevância e mecanismos de selecção de relevância . </li></ul>
    9. 9. <ul><li>Apresentação de casos </li></ul><ul><li>1. “John Kennedy Jr’s body found” (título escolhido) </li></ul><ul><li>“ Caroline Kennedy’s body found” (alternativa) </li></ul><ul><li>“ Senator Edward Kennedy arrived at the crash site” (alternativa) </li></ul><ul><li>(jornal israelita Ma’ariv) </li></ul><ul><li>2. “Senna de saudade” </li></ul><ul><li>(Correio da Manhã – 06/05/1994) </li></ul><ul><li>3. “Judiciária procura irmão de Rangel” </li></ul><ul><li>(24 Horas – 28/11/1991) </li></ul>
    10. 10. <ul><li>“ Caso Yasser Arafat” </li></ul><ul><li>Arafat “between life and death” (The Jerusalem Post) </li></ul><ul><li>Arafat said connected to life suport (Haaretz) </li></ul><ul><li>French hospital denies reports of Arafat’s death (Palestine Chronicle) </li></ul><ul><li>Israel says no Jerusalem burial for “terrorist” Arafat (The Times) </li></ul><ul><li>Les Palestiniens tenten de s’organiser sans Arafat (Le Monde) </li></ul><ul><li>Arafat condition unchanged (Washington Post) </li></ul><ul><li>Los grupos palestinos crean una autoridad colegiada para suplir la ausencia de Arafat (El País) </li></ul><ul><li>Hospital: estado de saúde de Arafat “não se agravou” (Público) </li></ul>
    11. 11. <ul><li>Bibliografia </li></ul><ul><li>ALVES, Dinis, (2003) Foi você que pediu um bom título? , Coimbra, Quarteto. </li></ul><ul><li>DOR, Daniel, (2003) On newspapers headlines as relevante optimizers , in Journal of Pragmatics 35, pp.695-721. </li></ul><ul><li>FONTCUBERTA, Mar de, (1999) A Notícia , Lisboa, Editorial Notícias. </li></ul><ul><li>RICARDO, Daniel, (2003) Ainda bem que me pergunta – Manual de Escrita Jornalística , Lisboa, Editorial de Notícias. </li></ul><ul><li>Inês Albuquerque Amaral 06.Novembro.04 </li></ul>

    ×