Análise de Redes Sociais

4,135
-1

Published on

Sessão "Análise de Redes Sociais" apresentada na Escola de Verão SOPCOM 2012 do Grupo de Jovens Investigadores - Julho de 2012 no ISCSP (UTL)

Análise de Redes Sociais

  1. 1. Análise de Redes Sociais Inês Albuquerque Amaral CECS / ISMT Escola de Verão SOPCOM 2012 ISCSP - Julho 2012
  2. 2. Agenda1. Introdução à Análise de Redes Sociais1.1. Modelos e Teorias de Redes1.2. Propriedades, Elementos e Dinâmicas1.3. Métricas de Análise2. Análise de Redes Sociais em Ciências da Comunicação2.1. Design de projectos de investigação2.2. Dados: recolha e tratamento2.3. Cruzamento com outras metodologias: cenários pragmáticos
  3. 3. Análise de Redes Sociais: o que é?Ciências Sociais = o indivíduo é visto como um conjunto de atributos que causa comportamentos. Logo, avaliam-se os atributos individuais e correlacionam-se entre si.Análise de Redes Sociais [ARS] = estuda as relações entre um conjunto de actores com vista a detectar modelos de interacção social. A VIDA SOCIAL É RELACIONAL
  4. 4. ARS: notas• Campo Multidisciplinar• Conjunto de métodos relacionais para a compreensão e identificaçãosistemática das conexões entre actores de uma estrutura social.• Metodologia que estuda as relações entre entidades e objectos dequalquer natureza.• Procura detectar padrões de interacção e explicar porque ocorrem equais as suas consequências.• Analisa o comportamento dos actores através das redes em que estesse inserem.
  5. 5. ARS: argumentos• As relações sobrepõem-se às características individuais.• Todos os fenómenos sociais têm a relação como unidade base.• Os dados, sendo relacionais, expressam ligações (laços ou conexões)entre actores (Wasserman e Faust, 1994).• O mundo é relacional.• Os atributos, por si, não têm significado que possa explicar estruturassociais (Portugal, 2007).
  6. 6. ARS: pressupostos I• O padrão de interacções sociais dos actores tem consequênciasdirectas sobre os indivíduos.• O modelo de relações de um colectivo tem efeitos directos sobre adinâmica desse grupo.• Um actor é uma entidade social e permite diversas formas deagregação.• O comportamento dos agentes depende da forma como estãointerligados.
  7. 7. ARS: pressupostos II• Existem diferentes forças que condicionam a estruturação de umarede: proximidade geográfica, homofilia (os “parecidos”),contágio/influência, reciprocidade e transitividade (“os amigos dosmeus amigos, meus amigos são”).• Laços entre indivíduos são canais através dos quais circulamdeterminados recursos.• Os actores e as acções são interpretados como independentes.• Dados em análise são de ordem relacional (ligações entre os agentes)mas podem ser combinados com elementos de ordem atributiva –propriedades.
  8. 8. Ponto de partida
  9. 9. ARS – contexto histórico I(i) Simmel sustentava que o mundo social resultava das interacções e não da agregação de indivíduos.(ii) Euler resolveu o problema das pontes de Konigsberg através da modelação de um grafo que transformava os caminhos em rectas e as suas intersecções em pontos.(iii) Moreno introduziu ideias e ferramentas de sociometria para analisar a interacção social em pequenos grupos.(iv) Barnes estudou redes sociais para perceber a importância das interacções individuais numa estrutura social.
  10. 10. ARS – contexto histórico II(i) Simmel: defendeu que a sociedade não é mais do que uma rede de relações e a intersecção destas é o suporte que permite definir as características das estruturas sociais e das unidades individuais.(ii) Euler: resolveu o problema das pontes de Königsberg através da modelação de um grafo que transformava os caminhos em rectas e as suas intersecções em pontos. Considera-se que este terá sido o primeiro grafo desenvolvido.(iii) Moreno: introduziu ideias e ferramentas de sociometria que visavam registar a observação e analisar a interacção social em pequenos grupos.(iv) Barnes: procurava estudar a importância das interacções individuais na definição da estrutura social de uma comunidade piscatória norueguesa. Referiu, pela primeira vez, o termo «rede social».
  11. 11. ARS – suporte teórico(i) Fundação matemática = permite medir propriedades estruturais para realizar operações matemáticas e fazer deduções sociológicas passíveis de seresm testadas(ii) Grafo = representação gráfica de um padrão de relações. Permitem revelar redes e quantificar propriedades estruturais.(iii) Matrizes = alternativa para representar e resumir os dados das redes numa tabela matemática.
  12. 12. ARS: contexto teórico multidisciplinar IBaseada na teoria formal, organizada em termos matemáticos, a ARS divide-se em duas tradições:(i) A dos antropólogos britânicos = Escola de Manchester, que decorre da Sociometria de Moreno e dos Estudos de Barnes e acaba por se fundir na Sociologia Americana(ii) Tradição americana: 1). Formalistas = morfologia das redes e o seu impacto nos comportamentos dos indivíduos e grupos; Estruturalistas = definem a relação como a unidade básica da estrutura dos sistemas sociais.
  13. 13. ARS: contexto teórico multidisciplinar IIMultidisciplinariedade e Evolução da Metodologia de Análise de Redes Sociais (Molina, 2009)
  14. 14. ARS: contexto teórico multidisciplinar III A NOVA CIÊNCIA DAS REDES- Ciências da Complexidade – visão relacional do mundo- Small Worlds; Scale-Free Networks- “How everything is connected to everything and what it means for business, science and everyday life” – Barabási (2003)
  15. 15. Conceitos Elementares(i) REDE = conjunto de actores que têm relações entre si, dos quais resultam fluxos de informação que podem ser unilaterais ou bilaterais.(ii) REDE = composta por nós (vértices) e arcos/arestas (ligações)(iii) RELAÇÕES = tipo específico = orientadas/assimétricas (arco) ou não orientadas/simétricas (aresta)(iv) DÍADE = par de actores e possíveis relações; TRÍADE = três nós e possíveis ligações entre eles.(v) SUBGRUPO (subconjunto de actores e todas as ligações entre eles); GRUPO (colecção de todos os nós cujos laços se podem medir); REDE (conjunto de actores e as relações que os definem).
  16. 16. NOTA: Comunidades não são Redes(i) REDE = As redes são sistemas de relações centrados nos indivíduos e não nos grupos (“individualismo em rede”, Castells). O conceito de rede remete para a definição de grupos com laços menos fortes e sem localização geográfica, permitindo a associação de indivíduos dispersos no espaço.(ii) COMUNIDADE = sustenta-se em laços fortes de interacção social, identificação e interesse comum. Nas comunidades, a agregação de indivíduos em grupos evidencia sempre graus de densidade superiores aos das redes sociais, sendo que as comunidades se assumem como propriedades destas.
  17. 17. Propriedades, elementos e dinâmicas(i) GRAU = número total de relações de um nó(ii) DISTÂNCIA = comprimento do menor caminho entre dois actores(iii) DIÂMETRO = maior distância ente dois nós(iv) CICLO = caminho que começa e termina no mesmo nó(v) SUBGRAFO (COMPONENTE) = grafo que é parte de outro(vi) CLIQUE = subgrafo completo(vii) GRAFO CONEXO (DESCONECTADOS) = existe um caminho entre qualquer um dos actores / Grafo não conexo = quando há nós desconectados(viii) GRAFO COMPLETO (CONECTADO) = existem ligações entre todos os nós(ix) GRAFO BIPARTITE = os nodos podem ser divididos em 2 conjuntos e não há ligações entre os vértices do mesmo conjunto(x) HUBS ou CONECTORES = nó com grande quantidade de ligações e capacidade de atrair outros(xi) COEFICIENTE DE CLUSTER = indicador de conectividade de um nó
  18. 18. MétricasNíveis de estudo: rede, actores e relações entre estes(i) ANÁLISE DA REDE = coesão (conectividade – propriedades: densidade, distância dos caminhos e fragmentação - componentes) e forma (distribuição das relações [grau], periferia do núcleo e aglomeração (“clumpiness”).(ii) ANÁLISE DOS NÓS = posições na rede e propriedades da centralidade dos actores.(iii) ANÁLISE DAS RELAÇÕES = coesão (distância geodésica e multiplexidade), orientação (simétricas – não orientadas ou assimétricas – orientadas, que podem ser recíprocas ou não), direcção e densidade.(iv) ANÁLISE DOS LAÇOS = os laços são compostos por relações sociais e podem ser relacionais ou associativos, unívocos ou recíprocos. Laços fortes e fracos.
  19. 19. Tipos de redesAs redes sociais podem ser classificadas quanto ao objectivo do estudo, actores e relacionamentos.(i) TIPOS DE REDES = Sócio-Cêntricas (totais) e Ego-Cêntricas(ii) PERSPECTIVA DOS ACTORES = rede one-mode e two-mode (ligações entre entidades sociais diferentes)(iii) PERSPECTIVA DOS RELACIONAMENTOS = díades, tríades e grupos
  20. 20. Modelos de Redes ITEORIA FORMALISTA Modelo de Redes Aleatórias - Erdös e Rényi, 1959 (democracia das redes e transição) Modelo dos Mundos Pequenos - Watts e Strogatz, 1998 (5,2 graus Watts e Strogatz – 4,74 graus FB) Modelo de Redes Sem Escala - Barabási e Albert, 1999 (ingrediente preferencial, “rich get richer”)
  21. 21. Modelos de Redes IIABORDAGEM ESTRUTURALISTA Teoria dos Laços Fracos e Laços Fortes - Granovetter Teoria dos Buracos Estruturais («tertius gaudens») - Burt ( Teoria da Grupabilidade (conjunto de relações internas [positivas ou neutras] e relações externas [negativas ou neutras] – vários autores Teoria da Coordenação das Relações – várias autores Explicação das redes: transmissão (passagem directa de um nó para outro, o que remete para os conceitos de influência e/ou coerção), adaptação (um nó torna-se homogéneo como resultado da experiência e adaptação a ambientes sociais similares), ligação (os laços sociais podem ligar nós de forma a construir uma nova entidade cujas propriedades podem ser diferentes dos seus elementos constituintes) e exclusão (explicação que se refere a situações competitivas em que um mesmo nó, ao formar uma relação com outro, exclui um terceiro actor).
  22. 22. Grafos e Matrizes
  23. 23. Imagem típica de rede
  24. 24. ARS em Ciências da Comunicação Design de projectos de investigação- O que estudar?- Porquê estudar?- O que se pretende compreender?- Objectivos?- Que redes?- Quais os actores?- Que relações?- Quais as métricas a avaliar?- Cruzamento de metodologias?
  25. 25. Trabalhar com ARS I(i) Identificar problema, enquadramento teórico e possibilidades de triangular metodologias(ii) Identificar perspectiva (tipo de rede)(iii) Definir relação (ou relações e tipo – assimétrica/orientada ou simétrica/não-orientada) em estudo(iv) Recolher dados(iv) Tratamento de dados (nós e arcos/arestas)(iv) Análise de dados (software)
  26. 26. Trabalhar com ARS II1. PROBLEMA2. ABORDAGEM3. ENQUADRAMENTO TEÓRICO(i) Capital Social(ii) Trocas sociais(iii) Relações de trocas(iv) Influência social(v) Selecção social (características/propriedades)(vi) Difusão
  27. 27. Recolha de DadosAbordagem realista (baseada nos actores), abordagem nominalista (baseada em justificações teóricas), “snowball sampling”(i) Documentais(ii) Observação(iii) Experimentação(iv) Questionários(iv) Entrevistas
  28. 28. Tratamento de Dados: Softwares(i) GEPHI (redes inteiras)(ii) PAJEK(iii) UNICET (ego-redes)(iv) NETWORK WORKBENCH (software mais formalista; complementar)(iv) SIENA(iv) NODE XL (extracção de dados online)
  29. 29. Tratamento de Dados(i) Transformar os dados em grafos e/ou matrizes (nós e relações)(ii) Visualização das redes(iii) Visualização das redes por propriedades
  30. 30. Interpretação dos Dados I
  31. 31. Interpretação dos dados
  32. 32. Cruzamento com outras metodologiasEXEMPLOS(ii) Articulação das teorias estruturalistas com elementos descritivos da ciência de redes(ii) Análise documental quantitativa, qualitativa(iii) Análise estatística(iv) Análise de conteúdo (qualitativa, quantitativa)(v) Análise de conteúdo(vi) Análise do discurso(vii) Etnografia e Netgrafia(vi) Análise da imagem
  33. 33. Cenários pragmáticos IEXEMPLOS: Análise da Dinâmica Relacional(i) Redes sociais online(ii) Redes de hiperlinks(iii) Redes sociais de conteúdos(iv) Redes de citações(v) Análise de comunidades(vi) Dinâmicas sociais políticas(vii) Redes de fontes de informação(viii) Redes de weblogs(ix) Dinâmicas sociais políticas (redes de influência, informações...)(x) Comunicação científica
  34. 34. Cenários pragmáticos IIEXEMPLOS: Análise da Dinâmica Relacional(xi) Comunicação política (diversos actores e relações)(xii) Estudos comportamentais (consumo, relacionamento, influência)(xiii) Comunicação organizacional(xiv) Interacção entre Estado e Sociedade(xv) Estudos de Etnografia(xvi) Estudos de inovação: fluxos de informações e conhecimentos(xvii) Redes móveis(xviii) Social capital(xix) Espaços sociais transnacionais (redes de imigrantes)(xx) Documentação histórica
  35. 35. ExemploREDES SOCIAIS NA INTERNET:SOCIABILIDADES EMERGENTES
  36. 36. Exemplo: Ponto de partida
  37. 37. Exemplo: Objectivo Geral
  38. 38. Exemplo: Objectivos Específicos(i) Estudar a interacção enquanto processo de comunicação, à luz do fenómeno da Web 2.0 e das noções que o preenchem: media sociais, redes sociais, consumidores 2.0 e prosumers;(ii) Reflectir sobre as redes sociais na Internet e o seu contexto – a mudança de paradigma comunicacional; a reinvenção do conceito de comunidade; a desterritorialização da sociedade; a ideia de cultura participativa e a redefinição de espaço público; o aparecimento do netcitizen e as questões de identidade no âmbito do online;(iii) Analisar redes sociais assimétricas que se desenvolvem em torno de conteúdo com base na premissa da «análise do social pelo social» (Durkheim, 1964), para averiguar se o novo modelo de comunicação que caracteriza a Internet se materializa num paradigma social.
  39. 39. Exemplo: Hipóteses de trabalho(i) No ciberespaço existe uma sociabilidade própria, com relações e práticas sociais distintas das tradicionais, e que tem por base a exclusão do determinismo territorial.(ii) Os media sociais constituem um termómetro social desterritorializado, criado pela participação em rede.(iii) As redes sociais assimétricas constroem uma realidade social própria através da indexação do conteúdo.
  40. 40. Exemplo: Argumento: Das Redes na RedeO conteúdo é o elemento determinante para a formaçãode redes sociais assimétricas e sustenta a ideia decultura de participação maximizada, permitindointerpretar a informação publicada pelo utilizador numa lógicaviral e identificar a emergência de modalidades desociabilidade decorrentes de novas práticas que seconcretizam em relações sociais distintas das tradicionais.
  41. 41. Exemplo: Das Redes na Rede: Estudo de CasoA apropriação da rede pelas redes: estudo de caso #cablegateObjectivo central: Analisar redes sociais assimétricas conectadaspor conteúdo e as relações entre os actores que as compõem, comvista a compreender padrões de interacção e regularidades sociaisque permitam aferir se, com a utilização de técnicas de indexaçãosemântica em ferramentas de interacção mediada por computador,emergem novas modalidades de sociabilidade.
  42. 42. Exemplo: Das Redes na Rede: Estudo de Caso #cablegate - Etapas
  43. 43. Exemplo: Das Redes na Rede: Metodologia Abordagem: Estudo de CasoEtapa 1: Técnicas de observação directa com recolhasistematizada de dados e análise documentalEtapa 2: Análise documental, combinação de índole extensiva/quantitativa e intensiva/qualitativaEtapa 3: Análise de Redes Sociais
  44. 44. Exemplo: Das Redes na Rede: Conclusões Parciais Etapa 3 > Análise de Redes Sociais«Scale Free Networks»: estruturas sociais auto-organizadas e com efeito de«small world».Redes centradas no conteúdo e na sua apropriação: relações sociais fracas >redes de hashtags: realidade social própria > assimetriaRedes que obedecem a leis de potência: mecanismo de ligação preferencial.Redes descentralizadas, pouco densas e muito fragmentadas: «individualismo emrede» (Castells, 2003).Padrão de interacção de reduzida conectividade, reciprocidade e transitividade.Padrões de conectividade: permanente mutação, velocidade de transmissão dainformação, potencial de viralidade e capacidade para acção colectiva > oconteúdo como laço relacional.
  45. 45. Literatura EssencialBarabási, A.-L. (2003) Linked, Cambridge, Massachusetts: Perseus Publishing.Borgatti, S. et al. (2009) ‘Network analysis in the social sciences’, Science, 323 (5916): 892–895.Granovetter, M. (1973) ‘The Strength of Weak Ties’, American Journal of Sociology, 78 (6): 1360–1380.Hanneman, R. & Riddle, M. (2005) Introduction to Social Network Methods, Riverside, CA: University of California, Riverside.Kozinets, R. (2010) Netnography. Doing Ethnographic Research Online, Thousand Oaks, CA: Sage Publications.Lemieux, V. & Ouimet, M. (2004) Análise Estrutural das Redes Sociais, Lisboa: Instituto Piaget.Marin, A. & Wellman, B. (2011) ‘Social Network Analysis: An Introduction’ in Carrington, P. & Scott, J. (Eds.) (2011) The Sage Handbook of Social Network Analysis, London: Sage, pp. 11-25.Prell, C. (2012) Social Network Analysis: history, theory and methodology, Thousand Oaks, CA: Sage Publications.Scott, J. (2000) Social network analysis: a handbook, London: Sage.Wasserman, S. & Faust, K. (1994) Social Network Analysis: Methods and Applications, Cambridge: Cambridge University Press.
  46. 46. Associações/Conferências/JournalsAssociações e Conferências- INSNA: SUNBELT- CCS: ECCS- Encontro de Analistas de Redes Sociais: ICS (Lisboa)Peer-reviewed Journals- Social Networks- Connections- The Journal of Social Structure- REDESMailing lists: SOCNET, REDES, ARS
  47. 47. Debate- Perguntas?- Dúvidas?- Propostas de trabalhos?
  48. 48. Inês Albuquerque Amaral CECS – UMINHO / ISMT inesamaral@gmail.com http://ciberesfera.com

×