História da educação infantil no Brasil e no Mundo

4,416 views
4,067 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,416
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
181
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

História da educação infantil no Brasil e no Mundo

  1. 1. Curso de Especialização em Educação Infantil. FIP Disciplina: Fundamentos Históricos e Filosóficos da Educação Infantil. Professora: Terezinha Barros.
  2. 2. Educação Infantil no Brasil e no Mundo. Trabalho realizado pelas alunas: • Cibelle Graciano Souza • Christiane Graciano Souza • Cristiane Barbosa • Marcia Cristina • Mere Pereira
  3. 3. Educação Infantil na Europa • Na Idade Média, a criança era considerada um pequeno adulto. • Aos sete anos, a criança (rica ou pobre) era colocada em outra família para aprender os trabalhos domésticos e valores humanos, diminuindo assim os vínculos afetivos.
  4. 4. • No século XVI a expectativa de vida da classe dominante aumenta e surgem duas atitudes contraditórias no que se refere a criança: Uma considera ingênua, inocente e é traduzida pela paparicação do adultos, e a outra a considera imperfeita e incompleta sendo traduzida pela necessidade do adulto moralizar a criança. Surgindo assim a burguesia.
  5. 5. • Na sociedade Feudal, a criança começava a trabalhar como adulto logo que passava a faixa de mortalidade.
  6. 6. • Na sociedade Burguesa a criança passa a ser alguém que precisa ser cuidada, escolarizada e preparada para uma atuação futura. • Surge a discriminação entre o ensino de rico e de pobre. • A Educação se torna mais pedagógica, menos empírica. • Começam os castigos corporais como forma de disciplinar, legitimando o poder do adulto sob a criança.
  7. 7. • No capitalismo, a criança precisava ser cuidada para uma atuação futura, pois era considerada fraca, incompetente e economicamente não produtivo. • Cria-se o primário para as classes populares, de pequena duração, com ensino prático para formação de mão-de-obra. E o ensino secundário para a burguesia e para aristocracia, de longa duração, com objetivo de formar eruditos, pensantes e mandantes.
  8. 8. • No final do século XIX , começa a se espalhar o ensino superior na classe burguesa. • Surgi também a educação compensatória junto com os pensadores: Pestalozzi, Froebel, Montessori e McMillan. Aplicada somente no século XX.
  9. 9. • Somente depois da Segunda Guerra Mundial é que o atendimento pré-escolar tomou novo impulso, pois as mães começam a trabalhar na indústria. • Crescia o interesse de estudiosos pelo desenvolvimento da criança, a evolução da linguagem. • A preocupação com o método de ensino reaparecia.
  10. 10. Educação Infantil no Brasil • No Brasil Escravista, a criança escrava entre 6 e 12 anos já começava a fazer pequenas atividades como auxiliares, e aos 12 já eram vistos como adultos tanto para o trabalho como para vida sexual. A criança branca, aos 6 anos, era iniciada nos primeiros estudos. • Com a Abolição e a Proclamação da República, surge uma nova sociedade. As creches populares atendiam somente o que se referia à alimentação, higiene e segurança física (Casa dos Expostos ou Roda). • Década de 30: O período foi marcado por mudanças substanciais nas formas de organização social brasileira. O país vivia, naquele momento, um processo de urbanização em decorrência da industrialização acelerada. Nesse contexto, foi possível perceber maior atenção da sociedade com a infância e a criança, que antes era vista como um adulto em potencial.
  11. 11. • Década de 60 e meados de 70, na educação, o nível básico é obrigatório e gratuito, o que consta a Constituição. • Lei 5692/71 – Concebia a escola como espaço para a preparação dos indivíduos e como a grande promotora de uma sociedade desenvolvida. • Nesse contexto, a educação infantil, até então somente assistencial, passa a ser vista como compensatória, cuja função era suprir carências e preparar as crianças pequenas para o ingresso no ensino de 1º grau. • O grande paradoxo nessa questão é que, apesar de considerada importante, pois iniciava as crianças à escolarização de 1º grau, essa etapa da educação não era compreendida, legalmente, na educação formal. Daí chamada de pré-escolar (anterior à escola, não havia contratação de professores qualificados e remuneração digna, formada muitas vezes por voluntários).
  12. 12. • Década de 80: o período não representou, na história da educação infantil no Brasil, avanços, pelo contrário, foi um período de grande lacuna no que diz respeito a projetos voltados para a educação. • Constituição de 1988: A partir da Constituição de 1988, o Brasil passou a investir nas políticas públicas para o atendimento à criança na faixa etária de (0 a 6 anos), com ênfase após a homologação da Lei nº 8069/90, que estabeleceu o Estatuto da criança e do Adolescente e representou, no âmbito legal, a possibilidade dos direitos do pequeno cidadão. • A Constituição Brasileira garante os direitos das crianças e passa a exigir da sociedade (Estado e família), o cumprimento de suas responsabilidades.
  13. 13. • Anos 90: A LDB 9394/96 representou um avanço para a educação infantil, uma vez que trouxe pela primeira vez em seu texto legal, esse atendimento inserido no contexto da educação formal, compondo com o ensino fundamental e o ensino médio, a EDUCAÇÃO BÁSICA. • A Lei estabelece a educação infantil como direito das crianças, opção das famílias e dever do Estado. • A Educação Infantil passa a ser concebida, legalmente, como um espaço essencialmente pedagógico, cuja finalidade é o desenvolvimento integral da criança nos aspectos físico, psicológico e social, dando às instituições autonomia para organizar sua proposta de trabalho.
  14. 14. • O século XVIII representou a busca pelo conhecimento da ciência. O homem debruçou-se na possibilidade de saber cada vez mais e também dominar a natureza. Surge a Revolução Científica e a racionalidade é defendida como forma de conquista de liberdade dos homens, que lutavam contra o obscurantismo imposto pelos dogmas da igreja. • A escola, representava um espaço para o aperfeiçoamento do homem. Entendia-se que o acesso ao conhecimento possibilitava a igualdade entre os homens.

×