• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Demonstrações financeiras fundo cristão para crianças 2011
 

Demonstrações financeiras fundo cristão para crianças 2011

on

  • 362 views

 

Statistics

Views

Total Views
362
Views on SlideShare
362
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Demonstrações financeiras fundo cristão para crianças 2011 Demonstrações financeiras fundo cristão para crianças 2011 Document Transcript

    • Demonstrações FinanceirasFundo Cristão para Crianças31 de dezembro de 2011 e 2010Com Relatório dos Auditores Independentes
    • Fundo Cristão para CriançasDemonstrações Financeiras31 de dezembro de 2011 e 2010ÍndiceRelatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras ..................... 1Demonstrações Financeiras AuditadasBalanços patrimoniais ......................................................................................................... 3Demonstrações do resultado .............................................................................................. 5Demonstração das mutações do patrimônio líquido............................................................ 6Demonstração dos fluxos de caixa ..................................................................................... 7Notas explicativas às demonstrações financeiras ............................................................... 8
    • Edifício Phelps Offices Tower Rua Antonio de Albuquerque, 156 11º andar - Savassi 30112-010 – Belo Horizonte, MG, Brasil Tel: (5531) 3232-2100 Fax: (5531) 3232-2106 www.ey.com.brRelatório dos Auditores Independentes Sobre as Demonstrações FinanceirasAos Conselheiros e Administradores doFundo Cristão Para CriançasExaminamos as demonstrações financeiras do Fundo Cristão Para Crianças, quecompreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2011 e as respectivasdemonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixapara o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticascontábeis e demais notas explicativas.Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeirasA administração da entidade é responsável pela elaboração e adequada apresentaçãodessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas noBrasil aplicáveis às pequenas e médias empresas (NBC TG 1.000), e pelos controlesinternos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração dedemonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causadapor fraude ou erro.Responsabilidade dos auditores independentesNossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstraçõesfinanceiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileirase internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticaspelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obtersegurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorçãorelevante.Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção deevidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstraçõesfinanceiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor,incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras,independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditorconsidera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentaçãodas demonstrações financeiras da Entidade para planejar os procedimentos de auditoriaque são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opiniãosobre a eficácia desses controles internos da Entidade. Uma auditoria inclui, também, aavaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade dasestimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentaçãodas demonstrações financeiras tomadas em conjunto.Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada parafundamentar nossa opinião.Ernst & Young Terco| 1
    • Opinião sobre as demonstrações financeirasEm nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas apresentamadequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira doFundo Cristão Para Criança em 31 de dezembro de 2011, o desempenho de suasoperações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo comas práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às pequenas e médias empresas.Belo Horizonte, 30 de março de 2012ERNST & YOUNG TERCOAuditores Independentes S.S.CRC 2SP 015.199/O-6-F-MGLuis Guilherme Villela AlvesContador CRC - MG-067.509/O-8Ernst & Young Terco| 2
    • Fundo cristão para criançasBalanços patrimoniaisEm 31 de dezembro 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)ATIVO 2011 2010CIRCULANTECaixa e equivalentes de caixa (nota 4) 1.328.265 1.449.657Adiantamento a terceiros 17.659 12.365Adiantamento a funcionários 53.504 54.720Despesas do exercício seguinte 6.827 5.956Total do ativo circulante 1.406.255 1.522.698NÃO CIRCULANTEInvestimentos (nota 5) 6.222 6.222Propriedades para investimento (nota 6) 2.073.009 687.712Imobilizado (nota 7) 3.387.821 4.882.862Intangíveis (nota 8) 400.874 316.477 5.867.926 5.893.273TOTAL DO ATIVO 7.274.181 7.415.971Ernst & Young Terco| 3
    • PASSIVO 2011 2010CIRCULANTEFornecedores 173.832 66.867Impostos e contribuições a recolher 58.593 61.705Doações a repassar (nota 9) 272.122 147.082Subvenções a repassar (nota 10) 956.616 991.441Provisões de férias e encargos (nota 11) 204.457 217.525Total do passivo circulante 1.665.620 1.484.620NÃO CIRCULANTEPatrimônio social (nota 12) 1.897.267 1.897.267Reserva de reavaliação 4.227.420 4.390.064Déficit acumulado (516.126) (355.980)Total do patrimônio social 5.608.561 5.931.351TOTAL DO PASSIVO 7.274.181 7.415.971As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.Ernst & Young Terco| 4
    • Fundo cristão para criançasDemonstrações do resultadoPara os exercícios findos em 31 de dezembro 2011 e de 2010(Valores expressos em reais) 2011 2010RECEITAS ORDINÁRIASDoações do exterior (nota 13) 17.553.617 18.967.615Doações locais (nota 13) 4.874.672 4.549.721 22.428.289 23.517.336DESPESAS ORDINÁRIASSubsídios - Projetos conveniados (nota 14) (16.569.901) (17.580.414)Verbas especiais a projetos (nota 14) (199.453) (394.110)Apoio a Programas Sociais (nota 14) (2.073.439) (2.055.341) (18.842.793) (20.029.865)SUPERÁVIT ORDINÁRIO 3.585.496 3.487.471RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAISPessoal e encargos (2.036.007) (1.923.242)Impostos e taxas (8.331) (21.404)Serviços de terceiros (575.314) (648.344)Despesas INSS - isenção (nota 18) (516.081) (511.994)Receita gratuidade isenção INSS (nota 18) 516.081 511.994Despesas com depreciação e amortização (nota 17) (267.437) (255.268)Despesas gerais (nota 16) (1.173.329) (1.078.325)Receitas financeiras 12.549 57.092Despesas financeiras (176.930) (164.697)Receitas de aluguéis 325.784 79.436Alienação ou baixas de bens ativo imobilizado (9.831) (14.674)Outras receitas (despesas) 560 - (3.908.286) (3.969.426)DÉFICIT DO EXERCÍCIO (322.790) (481.955)As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.Ernst & Young Terco| 5
    • Fundo cristão para criançasDemonstrações das mutações do patrimônio líquidoPara os exercícios findos em 31 de dezembro 2011 e de 2010(Valores expressos em reais) Patrimônio Reservas de Déficit social Reavaliação Acumulado Total SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 2.741.456 4.516.039 (844.189) 6.413.306 Incorporação do déficit acumulado (844.189) - 844.189 - Realização da reserva de reavaliação - (125.975) 125.975 - Déficit do exercício - - (481.955) (481.955) SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 1.897.267 4.390.064 (355.980) 5.931.351 Realização da reserva de reavaliação - (162.644) 162.644 - Déficit do exercício - - (322.790) (322.790) SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 1.897.267 4.227.420 (516.126) 5.608.561 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.Ernst & Young Terco| 6
    • Fundo cristão para criançasDemonstração dos fluxos de caixaPara os exercícios findos em 31 de dezembro 2011 e de 2010(Valores expressos em reais) 2011 2010FLUXO DE CAIXA PROVENIENTE DAS OPERAÇÕESDéficit do exercício (322.790) (481.955) Depreciação e amortização 267.437 255.268 Baixa de ativos imobilizado 1.924.131 - Baixa de investimentos - 18.372 1.868.778 (208.315)Redução (aumento) nos ativos: Adiantamentos (4.078) 4.179 Despesas do exercício seguinte (871) 2.433 Depósitos Judiciais - 7.357 (4.949) 13.969Aumento (redução) nos passivos: Fornecedores 106.965 (24.891) Impostos e contribuições a recolher (3.112) 8.025 Doações a repassar 125.040 62.720 Provisões de férias e encargos (13.068) 7.860 Provisões p/ demandas judiciais - (7.357) Subvenções ( 34.825) 844.289 Contas correntes credoras - ( 44.487) 181.000 846.159RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES DASATIVIDADES OPERACIONAIS 2.044.829 651.813FLUXO DE CAIXA UTILIZADO NAS ATIVIDADES DEINVESTIMENTOSAdições do investimento (1.904.800) (6.225)Adições do imobilizado (147.479) (64.487)Adições do intangível (113.942) (261.321)RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES DASATIVIDADES DE INVESTIMENTO (2.166.221) (332.033)(Redução) aumento no caixa e equivalentes de caixa (121.392) 319.780Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício 1.449.657 1.129.877Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício 1.328.265 1.449.657(Redução) aumento no caixa e equivalentes de caixa (121.392) 319.780 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.Ernst & Young Terco| 7
    • Fundo Cristão Para CriançasNotas explicativas às demonstrações financeiras--ContinuaçãoEm 31 de dezembro de 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)1. Informações sobre a Entidade O Fundo Cristão Para Crianças ou “FCC” é uma sociedade civil de caráter filantrópico e sem fins lucrativos, reconhecida de utilidade pública em âmbitos Federal, Estadual e Municipal. Iniciou suas atividades no Brasil em 1966. Com atuação em quatro Estados (Minas Gerais, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte) apóia, técnica e financeiramente, entidades que desenvolvem programas de atendimento a crianças, adolescentes, famílias e comunidades carentes e/ou em situação de risco, urbanas e rurais, creches, escolas e centro de serviços de acordo com as políticas básicas de atendimento determinadas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e Convenção Internacional dos Direitos da Criança. A ênfase maior do trabalho do FCC está no processo de socialização, com a participação da família e da comunidade. O FCC atua em mais de 800 comunidades, sediadas em 54 municípios. Atende mais de 140 mil crianças, jovens e adolescentes, em 93 organizações parceiras, beneficiando aproximadamente 220 mil pessoas entre crianças, adolescentes e suas famílias. É mantido exclusivamente pelo sistema de apadrinhamento e de doações especiais de grupos de pessoas e empresas. Em 2011 foram investidos mais de R$ 22 milhões em programas sociais e atualmente conta com cerca de 5.000 voluntários. O Fundo Cristão é uma entidade que não faz distinção de raça, cor, credo religioso ou político. Sua Administração é composta por uma Assembléia Deliberativa, por um Conselho Fiscal e por um Órgão de Direção Geral. A Entidade, em conformidade com o seu estatuto social, não distribui qualquer parcela de seu patrimônio ou de seu superávit como lucro ou participação em resultados, aplicando integralmente os seus recursos no País, na manutenção e no desenvolvimento de seus objetivos refletidos, devidamente, em seus demonstrativos financeiros.Ernst & Young Terco| 8
    • Fundo Cristão Para CriançasNotas explicativas às demonstrações financeiras--ContinuaçãoEm 31 de dezembro de 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)2. Base de apresentação e preparação das demonstrações financeiras--Continuação 2.1 Base de apresentação As demonstrações financeiras para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2011 e 2010 foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às pequenas e médias empresas (NBC TG 1.000). A Entidade está sujeita ainda à observância da Norma Brasileira de contabilidade, NBC T 10.19 - Entidade Sem Finalidade de Lucros, do Conselho Federal de Contabilidade. As presentes demonstrações financeiras foram aprovadas pela diretoria da Entidade em 10 de abril de 2012. 2.2 Políticas Contábeis a. Receitas e despesas As receitas oriundas de doações, subvenções e contribuições são registradas conforme determina a NBCT 10.19 (Entidades sem fins lucrativos) mediante documento hábil, quando da efetiva entrada dos recursos. Todas as demais receitas e as despesas necessárias à manutenção de suas atividades são registradas pelo regime contábil da competência. As receitas de doações, subvenções e contribuições, recebidas para aplicação especifica, mediante constituição ou não de fundos, são registradas em contas próprias, segregadas das demais contas da Entidade. b. Estimativas contábeis As demonstrações contábeis incluem estimativas e premissas, como a mensuração de estimativas do valor justo de determinados instrumentos financeiros, provisões para passivos contingentes, estimativas da vida útil de determinados ativos e outras similares. Os resultados efetivos podem ser diferentes dessas estimativas e premissas. c. Caixa e equivalentes de caixa Os equivalentes de caixa são mantidos com a finalidade de atender a compromissos de caixa de curto prazo, e não para investimento ou outros fins. A Entidade considera equivalentes de caixa uma aplicação financeira de conversibilidade imediata em um montante conhecido de caixa e estando sujeita a um insignificante risco de mudança de valor. Por conseguinte, um investimento, normalmente, se qualifica como equivalente de caixa quando tem vencimento de curto prazo, por exemplo, três meses ou menos, a contar da data da contratação.Ernst & Young Terco| 9
    • Fundo Cristão Para CriançasNotas explicativas às demonstrações financeiras--ContinuaçãoEm 31 de dezembro de 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)2. Base de apresentação e preparação das demonstraçõesfinanceiras--Continuação 2.2 Políticas Contábeis--Continuação d. Propriedade para investimento Propriedades para investimento são inicialmente mensuradas ao custo, incluindo custos da transação. O valor contábil inclui o custo de reposição de parte de uma propriedade para investimento existente à época em que o custo for incorrido se os critérios de reconhecimento forem satisfeitos; excluindo os custos do serviço diário da propriedade para investimento. Após o reconhecimento inicial, propriedades para investimento são apresentadas ao valor justo, que reflete as condições de mercado na data do balanço. Ganhos ou perdas resultantes de variações do valor justo das propriedades para investimento são incluídos na demonstração do resultado no exercício em que forem gerados. Propriedades para investimento são baixadas quando vendidas ou quando a propriedade para investimento deixa de ser permanentemente utilizada e não se espera nenhum benefício econômico futuro da sua venda. A diferença entre o valor líquido obtido da venda e o valor contábil do ativo é reconhecida na demonstração do resultado no período da baixa. Transferências são feitas para a conta de propriedade para investimento, ou desta conta, apenas quando houver uma mudança no seu uso. Se a propriedade ocupada por proprietário se tornar uma propriedade para investimento, a Companhia contabiliza a referida propriedade de acordo com a política descrita no item de imobilizado até a data da mudança no seu uso. e. Imobilizado O ativo imobilizado é demonstrado ao custo de aquisição ou construção, deduzido dos impostos compensáveis, quando aplicável, e da depreciação acumulada. A Entidade utiliza o método de depreciação linear definida com base na avaliação da vida útil de cada ativo, estimada com base na expectativa de geração de benefícios econômicos futuros. A avaliação da vida útil estimada dos ativos é revisada anualmente e ajustada se necessário. Um item de imobilizado é baixado quando vendido ou quando nenhum benefício econômico futuro for esperado do seu uso ou venda. Eventual ganho ou perda resultante da baixa do ativo (calculado como sendo a diferença entre o valor líquido da venda e o valor contábil do ativo) são incluídos na demonstração do superávit (déficit) no exercício em que o ativo for baixado.Ernst & Young Terco| 10
    • Fundo Cristão Para CriançasNotas explicativas às demonstrações financeiras--ContinuaçãoEm 31 de dezembro de 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)2. Base de apresentação e preparação das demonstrações financeiras--Continuação 2.2 Políticas Contábeis--Continuação f. Ativos e passivos não circulantes Compreendem os bens e direitos realizáveis e deveres e obrigações vencíveis após doze meses subseqüentes a data base das referidas demonstrações financeiras, acrescidos dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas, se aplicável, até a data do balanço. g. Ajuste a valor presente de ativos e passivos Os ativos e passivos monetários de longo prazo, quando existentes, são atualizados monetariamente e, portanto, estão ajustados pelo seu valor presente. O ajuste a valor presente de ativos e passivos monetários de curto prazo é calculado, e somente registrado, se considerado relevante em relação às demonstrações contábeis tomadas em conjunto.3. Julgamentos, estimativas e premissas contábeis significativas A preparação das demonstrações financeiras da Entidade requer que a administração faça julgamentos e estimativas e adote premissas que afetam os valores apresentados de receitas, despesas, ativos e passivos, bem como as divulgações de passivos contingentes, na data base das demonstrações financeiras. Contudo, a incerteza relativa a essas premissas e estimativas poderia levar a resultados que requeiram um ajuste significativo ao valor contábil do ativo ou passivo afetado em períodos futuros. As principais premissas relativas a fontes de incerteza nas estimativas futuras e outras importantes fontes de incerteza em estimativas na data do balanço, envolvendo risco significativo de causar um ajuste significativo no valor contábil dos ativos e passivos no próximo exercício financeiro, são discutidas a seguir. a) Redução a valor recuperável de ativos não financeiros O imobilizado e outros ativos não circulantes são revistos anualmente para se identificar evidências de perdas não recuperáveis, ou ainda, sempre que eventos ou alterações nas circunstâncias. b) Provisões para Riscos Tributários, Cíveis e Trabalhistas A Entidade reconhece provisão para causas tributárias, cíveis e trabalhistas. A avaliação da probabilidade de perda inclui a avaliação das evidências disponíveis, a hierarquia das leis, as jurisprudências disponíveis, as decisões mais recentes nos tribunais e sua relevância no ordenamento jurídico, bem como a avaliação dos advogados externos. As provisões são revisadas e ajustadas para levar em conta alterações nas circunstâncias, tais como prazo de prescrição aplicável, conclusões de inspeções fiscais ou exposições adicionais identificadas com base em novos assuntos ou decisões de tribunais.Ernst & Young Terco| 11
    • Fundo Cristão Para CriançasNotas explicativas às demonstrações financeiras--ContinuaçãoEm 31 de dezembro de 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)4. Caixa e equivalentes de caixa A posição de caixa e equivalentes, em 31 de dezembro, estava assim representada: 2011 2010 Caixa e Bancos 467.147 314.687 Banco Programa Esportista Cidadão – PEC 826 926 Aplicações Financeiras 12.468 244.790 Aplicação Financeira Programa Esportista Cidadão – PEC 847.824 889.254 1.328.265 1.449.6575. Investimentos 2011 2010 Título de capitalização (i) 6.222 6.222 6.222 6.222 (i) O titulo de capitalização se refere a pagamento de caução à SJ Administradora de Imóveis Ltda, como garantia da locação da sala 807 localizada á Rua Pedro Borges, nº 20, a qual está situada o escritório do Fundo Cristão para Crianças em Fortaleza/CE. O titulo tem vigência de um ano, tendo iniciado em 19/07/2010 e é reaplicado automaticamente a cada 12 meses, sendo atualizado pela Taxa de Remuneração Básica aplicada às cadernetas de poupança (TR) que corresponde ao rendimento das cadernetas de poupança sem a parcela de juros mensais.6. Propriedades para investimento 2011 2010 Imóveis (i) 2.647.800 743.000 (Depreciação) (574.791) (55.288) 2.073.009 687.712 (i) As propriedades para investimentos da Entidade incluem salas do Edifício Work Center, à Av. Afonso Pena, no. 3.111, em Belo Horizonte – MG. No ano de 2011 foram transferidos para propriedades para investimento os imóveis não residenciais situados à Rua Luis Guimarães, 261 e à Rua Alberto Ferreira, 564, salas no Edifício Top Center, todos situados na cidade de Fortaleza, reavaliadas de acordo com Laudo no. 481, em 31 de outubro de 2006. Os referidos imóveis são alugados a terceiros conforme preços de mercado e suas rendas revertidas ao objeto social da Entidade.Ernst & Young Terco| 12
    • Fundo Cristão Para CriançasNotas explicativas às demonstrações financeiras--ContinuaçãoEm 31 de dezembro de 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)7. Imobilizado Os bens imobilizados da Entidade, grupo de edificações, foram reavaliados conforme Laudo de Reavaliação emitido pela empresa Dhisa Auditores Associados, no. 481, datado de 31 de outubro de 2006, quando suas taxas de depreciação, vida útil remanescente e valores foram ajustados conforme laudo. Taxa de depreciação ao ano % 2011 2010 Terrenos 798.000 1.167.000 Edificações 2,5% a 4,0% 2.240.900 3.776.700 Máquinas e equipamentos 8,0% a 11,0% 115.672 102.689 Móveis e utensílios 8,0% a 10,0% 30.971 28.649 Veículos 6,0% a 20% 340.195 260.700 Computadores e periféricos 11% a 25% 262.024 256.386 3.787.762 5.592.124 Depreciação/Amortização acumulada (399.941) (709.262) 3.387.821 4.882.862 A Entidade não alterou a forma de utilização do seu imobilizado, como também, não identificou desgastes e quebra relevante inesperada, progresso tecnologico e mudanças nos preços de mercado que indicassem que o valor residual ou vida útil dos ativos necessitassem de modificação.8. Intangível 2011 2010 Saldo anterior 316.477 83.499 Adições do período 113.942 271.179 (-) Baixas - (1.538) (-) Amortizações (29.545) (36.663) 400.874 316.477 Com o objetivo de melhorar seus processos de gestão, em 2010 o Fundo Cristão para Crianças iniciou o processo de implementação do software de gestão integrada Peoplesoft doado pela empresa Oracle Sistemas do Brasil, incorrendo em gastos no valor de R$ 367.914.Ernst & Young Terco| 13
    • Fundo Cristão Para CriançasNotas explicativas às demonstrações financeiras--ContinuaçãoEm 31 de dezembro de 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)9. Doações a repassar No momento do recebimento, as doações são registradas na rubrica “Doações não idenficadas a repassar”. Ao serem identificadas, estas são reclassificadas de acordo com sua natureza. Eventualmente, o saldo residual desta conta, refere-se a recursos ainda em processo de reconhecimento. Em 2011, o saldo residual foi de R$ 272.122 (R$ 147.082 em 2010), conforme a seguir: 2011 2010 Saldo anterior 147.082 84.362 Doações recebidas e não identificadas 8.987.195 9.288.667 Doações recebidas e identificadas conforme sua natureza (8.862.155) (9.225.947) Doações não identificadas a repassar 272.122 147.082 O Fundo Cristão para Crianças controla em contas patrimoniais os efeitos de gratuidade dos presentes de padrinhos destinados às crianças apadrinhadas (DFC´s – Designated Fund Certificate), mantendo em seu passivo circulante os valores arrecadados para posterior repasse. O saldo de DFC´s repassado no exercicio foi: 2011 2010 DFC´s de doações internacionais 2.650.990 3.426.716 DFC`s de doações nacionais 1.331.845 1.228.911 3.982.835 4.655.62710. Subvenções a repassar A Entidade reconhece as subvenções quando há segurança de que cumprirá as condições estabelecidas pelos parceiros e de que a subvenção será recebida ou quando já foi recebida. Em 31 de dezembro a Entidade possuia em seus livros os seguintes registros: Subvenções a apropriar passiva 2011 2010 Subvenção campanha Pague Menos 99.390 86.948 Subvenção Programa Esportista Cidadão - PEC 848.650 888.628 Subvenção outros 8.576 15.865 Total das subvenções a realizar 956.616 991.441Ernst & Young Terco| 14
    • Fundo Cristão Para CriançasNotas explicativas às demonstrações financeiras--ContinuaçãoEm 31 de dezembro de 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)11. Provisões de férias e encargos A posição de provisão de férias e encargos, em 31 de dezembro, estava assim representada: 2011 2010 Provisão para férias 187.575 199.334 Encargos s/ férias 16.882 18.191 204.457 217.52512. Patrimônio Social Os resultados dos períodos são mantidos na rubrica “Superávit/Déficit acumulado’’, enquanto não aprovados pela Assembléia Deliberativa e, após a sua aprovação, são transferidos para a conta de Patrimônio Social. O patrimônio social da Entidade em 31 de dezembro de 2011, no montante de R$ 1.897.267 (R$ 1.897.267 em 2010), representa o montante inicial aportado para inicio das atividades da Entidade, sendo aumentado ou reduzido anualmente em função do superávit ou déficit apurado.13. Doações A Entidade recebeu doações e subvenções durante o exercício registradas em contas de receita da seguinte forma: 2011 2010 Subsídios internacionais 13.676.257 14.863.101 Verbas do orçamento operacional 3.717.891 3.668.675 Outras doações recebidas 159.469 435.839 Doações externas 17.553.617 18.967.615 Subsídios brasileiros 2.780.473 2.767.276 Arrecadações nacionais para custeio 1.925.462 1.696.073 Outras doações recebidas 168.737 86.372 Doações locais 4.874.672 4.549.721 22.428.289 23.517.336 As receitas com doações auferidas pela Entidade são provenientes do Brasil e do exterior, na forma de subsídios a organizações parceiras e verbas especiais a projetos. Não são registrados como receitas os presentes às crianças apadrinhadas (DFCs), que são tratados em contas patrimoniais até sua efetiva entrega aos destinatários. Essas receitas são proporcionadas pelo sistema de apadrinhamento e outras doações eventuais. A Entidade possui aproximadamente 10 mil crianças apadrinhadas por brasileiros e 46 mil crianças apadrinhadas por estrangeiros. Em função desta característica, o Fundo Cristão para Crianças no Brasil fica exposta a realização efetiva dos repasses da entidade internacional para manutenção dos seus objetivos.Ernst & Young Terco| 15
    • Fundo Cristão Para CriançasNotas explicativas às demonstrações financeiras--ContinuaçãoEm 31 de dezembro de 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)14. Concessão de Gratuidades (Repasse a Organizações Parceiras) As gratuidades convertidas à comunidade carente estão registradas dentro do grupo de despesas ordinárias, conforme demonstrado a seguir: 2011 2010 Subsídios – Organizações Parceiras 16.569.901 17.580.414 Verbas especiais a projetos 199.453 394.110 Apoio a Programas Sociais 2.073.439 2.055.341 18.842.793 20.029.865 As verbas e subsídios recebidos foram aplicados em organizações parceiras à Entidade, firmados e lançados em conta específica de despesa, sendo as seguintes principais organizações parceiras: GEDAM, Grupo de Apoio do Cabana, GCRIVA, Conselho de Pais Criança Feliz, PROCAJ (Sede), APLANT, AMPLIAR, PROSESC, APRISCO, AMAI, ABITA, ARAI, ASSOCIAR (Sede), ACHANTI, CONACREJE, ASCOPP, ASCAI, ARAIC, Projeto do Bem Estar Comunitário, Assoc. Sonho Infantil, Projeto Criança Feliz, Projeto União, Projeto Alegria da Criança, Projeto Feliz Jornada, Frente Beneficente para Criança, Frente de Ass. A Criança Carente, Conselho B.C. e T. Quitaius, Sociedade de E. S. a Família, União Popular Pela Vida, Sociedade de A. a Criança, Sociedade de apoio a família, Centro de Apoio a Criança, Assoc. de Moradores de Frutilândia, entre outras. A finalidade dessas organizações parceiras é, principalmente, a de apoiar programas sociais e de desenvolvimento de acordo com os planos de atividades. A Entidade mantém controle financeiro e realiza acompanhamento permanente sobre todas as verbas repassadas às organizações parceiras. A cada repasse, a respectiva prestação de contas é obrigatória e, necessariamente, enviada ao FCC no prazo máximo de 20 dias do mês posterior ao do repasse, viabilizando o acompanhamento da coerência na aplicação das verbas. A verba destinada a “Apoio a Programas Sociais” são utilizadas para monitoramento da execução das atividades nas Organizações Parceiras.15. Despesas das Organizações Parceiras A partir de 2010, a Entidade passou a custear despesas específicas de suas Organizações Parceiras de modo a fazer uma melhor gestão destes referidos gastos, dos quais podemos destacar: 2011 2010 Honorários de Auditoria 414.553 458.889 Serviços de Tradutores 160.824 207.349 Despesas c/ postais 332.431 312.342 Outras 39.940 56.496 947.748 1.035.076Ernst & Young Terco| 16
    • Fundo Cristão Para CriançasNotas explicativas às demonstrações financeiras--ContinuaçãoEm 31 de dezembro de 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)16. Despesas Gerais O grupo de despesas gerais considera diversas despesas necessárias à operacionalidade da Entidade, sendo as mais relevantes: 2011 2010 Despesas c/ publicidade e propaganda 3.300 28.428 Despesas c/ viagens 189.878 180.100 Despesas c/ postais 129.413 173.465 Despesas entre escritórios 253.330 157.437 Despesas c/ telecomunicações 113.291 69.261 Despesas c/ reuniões, conferências e eventos 7.375 24.509 Despesas c/ taxa de condomínio 98.497 81.108 Despesas c/ material de escritório 49.657 32.389 Despesas c/ energia elétrica 53.201 59.528 Despesas c/ taxas diversas 17.409 37.822 Despesas c/ alimentação 36.593 40.612 Despesas c/ manutenção de instalações e equipamentos 18.378 27.194 Despesas c/ material de limpeza/higiene 11.184 12.496 Despesas c/ combustíveis 7.996 8.001 Despesas c/ estacionamento 25.479 14.893 Despesas c/ peças para veículos 20.932 16.298 Despesas c/ aluguel 13.222 3.945 Despesas c/ fotocópias 9.089 15.777 Bens de pequeno valor 29.642 10.906 Outras 85.463 84.156 1.173.329 1.078.32517. Despesas com depreciação e amortização Após reavaliação dos bens do ativo imobilizado, conforme laudo emitido pela empresa Dhisa Auditores Associados, no. 481, em 31 de outubro de 2006, a Entidade passou a registrar os efeitos da depreciação dos bens reavaliados no resultado do exercício, com base na vida útil informada no laudo, sendo a reserva correspondente simultaneamente transferida para a rubrica “Déficit ou Superávit acumulado no Patrimônio Líquido’’. Os efeitos de depreciação correspondentes à reavaliação e ao custo original no resultado do exercício podem ser assim demonstrados: 2011 2010 Despesas de depreciações (custo líquido) 109.298 85.615 Despesas de amortizações 11.821 12.286 Despesas de depreciações/amortizações (custo reavaliado) 146.318 157.367 267.437 255.268Ernst & Young Terco| 17
    • Fundo Cristão Para CriançasNotas explicativas às demonstrações financeiras--ContinuaçãoEm 31 de dezembro de 2011 e de 2010(Valores expressos em reais)18. Isenções Em função da isenção tributária quanto ao INSS patronal, por se tratar de entidade sem fins econômicos, devidamente regularizada nos órgãos normativos, não foram recolhidos nos exercícios de 2011 e 2010 os seguintes valores: 2011 2010 INSS Patronal - Fopag 465.565 451.644 INSS Patronal – Autônomos 38.755 48.650 INSS Patronal – Cooperativas 11.761 11.700 516.081 511.99419. Instrumentos financeiros Os valores de mercado dos ativos e passivos financeiros foram determinados com base em informações de mercado disponíveis e metodologias de valorização apropriadas. O uso de diferentes premissas de mercado e/ou metodologia de estimativa poderão ter um efeito diferente nos valores estimados de mercado. Baseada nessa estimativa, a Administração entende que o valor contábil dos instrumentos financeiros equivale aproximadamente a seu valor de mercado, conforme descrito abaixo. Em 31 de dezembro de 2011, os principais instrumentos financeiros estão descritos a seguir: ► Caixa e equivalentes de caixa - está apresentado ao seu valor de mercado, que equivale ao seu valor contábil. Nos exercícios de 2011 e 2010 a Entidade não realizou operações com derivativos.20. Seguros Em 31 de dezembro de 2011, a Entidade mantinha cobertura de seguros para seu imobilizado em montante considerado pela mesma suficiente para cobrir eventuais sinistros.21. Eventos subsequentes Fundamentado na sólida experiência para a superação da pobreza infantil e diante de novos desafios da organização frente ao contexto em que atua, o Fundo Cristão para Crianças mudou o seu nome, para ChildFund Brasil – Fundo para Crianças, com o objetivo de refletir a amplitude e o alcance internacional do trabalho desenvolvido junto as crianças, famílias e comunidades em situação de vulnerabilidade social. Esta mudança está sendo realizada em todos os escritórios da Organização no mundo. O objetivo institucional, porém, continua o mesmo: possibilitar que as crianças brasileiras realizem profundas mudanças positivas em suas famílias e comunidades.Ernst & Young Terco| 18