Your SlideShare is downloading. ×
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP

226

Published on

Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP …

Plano Macro Metrópole do Comitê Gestor Águas PMSP e SABESP
Chico Macena
Plano Diretor de Aproveitamento de Recursos Hídricos para a Macrometrópole Paulista

Published in: Government & Nonprofit
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
226
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • `
  • *
  • Transcript

    • 1. DAEE Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente Plano Diretor de AproveitamentoPlano Diretor de Aproveitamento de Recursos Hídricos para ade Recursos Hídricos para a Macrometrópole PaulistaMacrometrópole Paulista 14 de abril de 2014 COMITÊ GESTOR CONTRATO PMSP_SABESPCOMITÊ GESTOR CONTRATO PMSP_SABESP Hiroaki MakibaraHiroaki Makibara Rui Brasil AssisRui Brasil Assis Assessoria do Gabinete da SSRHAssessoria do Gabinete da SSRH
    • 2. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Objetivos do PlanoObjetivos do Plano Garantir até 2035 a segurança hídrica para o desenvolvimento da regiãoGarantir até 2035 a segurança hídrica para o desenvolvimento da região da Macrometrópole;da Macrometrópole; Propor as soluções para a expansão da oferta de água bruta, com aPropor as soluções para a expansão da oferta de água bruta, com a definição de uma carteira de projetos públicos de grande impacto territorialdefinição de uma carteira de projetos públicos de grande impacto territorial e seus orçamentos;e seus orçamentos; Identificar medidas para a superação de conflitos regionais, deIdentificar medidas para a superação de conflitos regionais, de ordenamento territorial e ambientais;ordenamento territorial e ambientais; Propor arranjos institucionais que permitam a implantação e operação dasPropor arranjos institucionais que permitam a implantação e operação das intervenções planejadas;intervenções planejadas; Gerar subsídios aos procedimentos de discussão acerca da renovação daGerar subsídios aos procedimentos de discussão acerca da renovação da outorga do Sistema Cantareira;outorga do Sistema Cantareira; Estimar os impactos sobre a gestão da demanda decorrentes de medidasEstimar os impactos sobre a gestão da demanda decorrentes de medidas não-estruturais, uso racional e reúso da água.não-estruturais, uso racional e reúso da água. Foco Principal: O Suprimento de Água Bruta para o Atendimento das Demandas Totais da Macrometrópole
    • 3. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Principais Temas TratadosPrincipais Temas Tratados Caracterização da área de estudo;Caracterização da área de estudo; Estudos de demandas, para diferentes cenários;Estudos de demandas, para diferentes cenários; Desenvolvimento do Sistema de Suporte à Decisão – SSD;Desenvolvimento do Sistema de Suporte à Decisão – SSD; Balanço hídrico;Balanço hídrico; Alternativas de soluções e investimentos necessários;Alternativas de soluções e investimentos necessários; Avaliação das Alternativas;Avaliação das Alternativas; Escalonamento da Implantação das Intervenções;Escalonamento da Implantação das Intervenções; Medidas de contingência para situações desfavoráveis;Medidas de contingência para situações desfavoráveis; Fortalecimento institucional para a minimização de conflitos e para aFortalecimento institucional para a minimização de conflitos e para a gestão e a operação de sistemas hidráulicos.gestão e a operação de sistemas hidráulicos.
    • 4. DAEE Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente CARACTERIZAÇÃO DA ÁREACARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDODE ESTUDO
    • 5. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Macrometrópole: 83% do PIB do Estado Localização da MacrometrópoleLocalização da Macrometrópole PIB per capita 2010 (US$) Brasil 10.716 Estado de São Paulo 14.770 Macrometrópole 12.824 São Paulo (capital) 19.883 Estados Unidos 46.546 Alemanha 39.857 França 39.546 Japão 43.141 Reino Unido 36.327 Campinas São Paulo Baixada Santista Vale do Paraíba e Litoral Norte
    • 6. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE A dependência funcional entre as infraestruturas é mais importante do que os limites de fronteira da Macrometrópole Caracterização da área de estudoCaracterização da área de estudo As Regiões Metropolitanas se conurbaram
    • 7. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE 180 Municípios 30 milhões de hab. (2008) 9 UGRHIs 4 RMs 3 Aglomerados População 75% do Estado de São Paulo 16% da nacional 21% da Área do Est de São Paulo 0,6% da área do Brasil 28% do PIB Nacional Território da MacrometrópoleTerritório da Macrometrópole Limite de Município Limite de UGRHI Limite da Macrometropole Limite de Estado Legenda
    • 8. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE EXISTENTE RODOVIAS FERROVIAS AEROPORTOS PORTOS Vantagens Locacionais: Logística AtualVantagens Locacionais: Logística Atual
    • 9. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Vantagens Locacionais: Logística ProjetadaVantagens Locacionais: Logística Projetada
    • 10. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Vantagens Locacionais: Geração Tecnológica -Vantagens Locacionais: Geração Tecnológica - InovaçãoInovação
    • 11. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE MUITO ALTA ALTA POTENCIAL SIGNIFICATIVO VANTAGENS LOCACIONAIS Vantagens Locacionais: Áreas DinâmicasVantagens Locacionais: Áreas Dinâmicas
    • 12. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO VULNERABILIDADE DE AQUIFEROS SUBTERRÂNEOS ALTA SUCEPTIBILIDADE A EROSÃO ALTAS DECLIVIDADES VENTOS Restrições Físico-Territoriais para o Processo deRestrições Físico-Territoriais para o Processo de PlanejamentoPlanejamento
    • 13. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE PRINCIPAIS TERRITÓRIOS DE CONTRIBUIÇÃO DE MANANCIAIS Principais Territórios de Contribuição de MananciaisPrincipais Territórios de Contribuição de Mananciais
    • 14. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE ÁREAS APTAS À OCUPAÇÃO Territórios de OportunidadeTerritórios de Oportunidade
    • 15. DAEE Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente ESTUDOS DE DEMANDASESTUDOS DE DEMANDAS
    • 16. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Projeções DemográficasProjeções Demográficas (Fonte: Fundação SEADE)(Fonte: Fundação SEADE) Legenda (Aumento populacional no período 2008-2035) + 6,3 milhões 30,7 milhões 37 milhões
    • 17. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Demandas de ÁguaDemandas de Água 3 Cenários de Demandas Estudados:3 Cenários de Demandas Estudados: TendencialTendencial;; Intensificação do crescimentoIntensificação do crescimento – baseado nas projeções do– baseado nas projeções do PIB para a região Sudeste, constantes do Plano Nacional dePIB para a região Sudeste, constantes do Plano Nacional de Habitação (2007);Habitação (2007); Ações de Gestão e Controle Operacional das DemandasAções de Gestão e Controle Operacional das Demandas –– redução de perdas, uso racional da água e mudançasredução de perdas, uso racional da água e mudanças comportamentais.comportamentais.
    • 18. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Demandas de ÁguaDemandas de Água 60 m³/s 32 m³/s 13 m³/s 296 m³/s 283 m³/s 251 m³/s 223 m³/s
    • 19. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Demandas de Água no cenário TendencialDemandas de Água no cenário Tendencial ΔΔ= 60 m³/s= 60 m³/s UrbanaUrbana ΔΔ = 25 m³/s= 25 m³/s IndustrialIndustrial ΔΔ = 17 m³/s= 17 m³/s IrrigaçãoIrrigação ΔΔ = 18 m³/s= 18 m³/s UGRHIUGRHI m³/sm³/s %% PCJPCJ 58,7458,74 20,820,8 Alto TietêAlto Tietê 126,94126,94 44,844,8 Total (%)Total (%) 185,68185,68 65,665,6 Demanda IncrementalDemanda Incremental
    • 20. DAEE Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente BALANÇO HÍDRICOBALANÇO HÍDRICO
    • 21. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Balanço HídricoBalanço Hídrico Através de rede de fluxo e simulações, realiza a busca deAtravés de rede de fluxo e simulações, realiza a busca de equilíbrio entre disponibilidades e demandas hídricasequilíbrio entre disponibilidades e demandas hídricas regionais, utilizando 73 Zonas de Demandas e base deregionais, utilizando 73 Zonas de Demandas e base de dados com vazões médias mensais de 1931 a 2006.dados com vazões médias mensais de 1931 a 2006.
    • 22. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Balanço Hídrico - 2035Balanço Hídrico - 2035
    • 23. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Balanço HídricoBalanço Hídrico Resultados da escassez verificada no período de 1951-1956Resultados da escassez verificada no período de 1951-1956 Considerando:Considerando: Estruturas hidráulicas e regras operacionais atuais;Estruturas hidráulicas e regras operacionais atuais; Demandas de 2008 (necessidades atuais).Demandas de 2008 (necessidades atuais). Efeitos:Efeitos: Na Macrometrópole:Na Macrometrópole: no momento mais crítico, apenasno momento mais crítico, apenas 56%56% das demandas totais edas demandas totais e 51%51% das demandas urbanas seriam atendidas;das demandas urbanas seriam atendidas; No Município de São PauloNo Município de São Paulo: no momento mais crítico, apenas: no momento mais crítico, apenas 40%40% das demandasdas demandas totais de seriam atendidas;totais de seriam atendidas; No Município de CampinasNo Município de Campinas: no momento mais crítico, menos que: no momento mais crítico, menos que 10%10% dasdas demandas seriam atendidas;demandas seriam atendidas; Reservatório Jacareí-Jaguari:Reservatório Jacareí-Jaguari: volume se anularia em dez/53 e assim se manteriavolume se anularia em dez/53 e assim se manteria até out/55;até out/55; Reservatório Itupararanga:Reservatório Itupararanga: volume se anularia em set/51 e assim se manteria atévolume se anularia em set/51 e assim se manteria até out/55.out/55.
    • 24. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Mar/53 Out/55 30 meses Fev/51 – Out/55 – Curva de Atendimento daFev/51 – Out/55 – Curva de Atendimento da Macrometrópole - Demanda Total (2008)Macrometrópole - Demanda Total (2008) 56% Demanda Total Atendimento à demanda
    • 25. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Abr/52 – Out/55 – Curva de Atendimento daAbr/52 – Out/55 – Curva de Atendimento da Macrometrópole - Demanda Urbana (2008)Macrometrópole - Demanda Urbana (2008) 51% Mar/53 Out/55 30 meses Demanda Urbana Atendimento à demanda
    • 26. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Fev/51 – Out/55 – Curva de Atendimento daFev/51 – Out/55 – Curva de Atendimento da Demanda do Município de São Paulo (2008)Demanda do Município de São Paulo (2008) 40% Mar/53 Out/55 30 meses Demanda Total Atendimento à demanda
    • 27. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Fev/51 – Out/55 – Curva de Atendimento daFev/51 – Out/55 – Curva de Atendimento da Demanda do Município de Campinas (2008)Demanda do Município de Campinas (2008) <10% Mar/53 Out/55 30 meses Demanda Total Atendimento à demanda
    • 28. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Set/51 – Out/55 – Curva de Permanência doSet/51 – Out/55 – Curva de Permanência do Reservatório Jacareí-JaguariReservatório Jacareí-Jaguari (em volume)(em volume) Abr/52 Out/55 42 meses
    • 29. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Mai/51 – Out/55 – Curva de Permanência doMai/51 – Out/55 – Curva de Permanência do Reservatório ItupararangaReservatório Itupararanga (em volume)(em volume) Set/51 Out/55 49 meses
    • 30. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Macrometrópole: Balanço Hídrico Total – PeríodoMacrometrópole: Balanço Hídrico Total – Período Hidrológico: 1951 - 1955Hidrológico: 1951 - 1955 Demandas 2008 Estruturas hidráulicas atuais
    • 31. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Impactos de um Evento Crítico dessaImpactos de um Evento Crítico dessa MagnitudeMagnitude Econômicos (com repercussões nacionais)Econômicos (com repercussões nacionais) Fiscais (com repercussões nacionais)Fiscais (com repercussões nacionais) PolíticosPolíticos Sociais e SanitáriosSociais e Sanitários AmbientaisAmbientais
    • 32. DAEE Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente ALTERNATIVAS DE SOLUÇÕES EALTERNATIVAS DE SOLUÇÕES E INVESTIMENTOS NECESSÁRIOSINVESTIMENTOS NECESSÁRIOS
    • 33. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Zonas de Demanda eZonas de Demanda e dependência de Sistema Integradodependência de Sistema Integrado - 37 m³/s - 18 m³/s - 5 m³/s
    • 34. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEEDAEE Esquemas Hidráulicos EstudadosEsquemas Hidráulicos Estudados Jaguari-AtibainhaJaguari-Atibainha Guararema-BiritibaGuararema-Biritiba Jurumirim-ETA CotiaJurumirim-ETA Cotia Sarapuí-Sorocaba-Salto- Res. Piraí-Indaiatuba Sarapuí-Sorocaba-Salto- Res. Piraí-Indaiatuba Res. Cabreúva-BarueriRes. Cabreúva-Barueri Itatinga - ItapanhaúItatinga - Itapanhaú Braço do Rio Pequeno-BillingsBraço do Rio Pequeno-Billings São Lourencinho – ETA Embu-Guaçu São Lourencinho – ETA Embu-Guaçu Alto Juquiá (França–ETA Cotia)Alto Juquiá (França–ETA Cotia) São Lourenço (França–ETA Cotia)São Lourenço (França–ETA Cotia) Barr. Jundiuvira-PiraíBarr. Jundiuvira-Piraí Barr. PiraíBarr. Piraí Res. Capivari MirimRes. Capivari Mirim Barr. Campo LimpoBarr. Campo Limpo Barr. Duas PontesBarr. Duas Pontes Barr. PedreiraBarr. Pedreira Atibaia-IndaiatubaAtibaia-Indaiatuba Adut. Pedreira- Atibaia-Jundiaí Adut. Pedreira- Atibaia-Jundiaí
    • 35. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Esquemas Arranjo 1 Arranjo 1A Arranjo 2 Arranjo 3 Arranjo 4 Arranjo 5 Arranjo 6 Arranjo 7 Arranjo 8 Arranjo 9 Itatinga – Itapanhaú 4,63 4,63 4,58 4,59 4,46 4,67 4,56 4,57 Braço do Rio Pequeno -Billings 2,23 2,23 2,14 2,23 2,27 1,19 1,15 Alto Juquiá (França - ETA Cotia) 11,72 10,28 10,25 São Lourenço (França – ETA Cotia) 4,70 4,70 4,70 4,70 4,70 4,70 São Lourencinho – ETA Embu Guaçu - Alto Sorocaba 16,42 Jaguari – Atibainha 4,14 5,13 1,29 3,98 1,45 Guararema - Biritiba 4,69 4,24 Barragem Piraí 1,33 1,33 1,33 1,33 1,33 1,23 1,23 Barragem Jundiuvira-Piraí 0,80 0,80 0,80 Barragem Campo Limpo 0,76 0,76 0,76 0,76 Barragens Pedreira e Duas Pontes 4,42 4,42 4,63 3,17 4,47 4,71 4,72 Atibaia - Indaiatuba 1,00 Atibaia – Rio Jundiaí 0,20 0,20 0,20 0,20 Jurumirim – ETA Cotia 9,80 15,75 6,76 11,66 12,39 11,20 Sarapuí-Sorocaba – Salto – Reservatório Piraí - Indaiatuba 0,54 0,54 0,54 Sarapuí - Sorocaba – Salto – Reservatório Piraí 0,26 Reservatório Cabreúva - Barueri incluso no 12,39 Adut. Pedreira – R. Atibaia – R. Jundiaí – Indaiatuba 1,69 1,64 Composição das 10 Soluções (Arranjos)Composição das 10 Soluções (Arranjos) 2035 - vazões médias2035 - vazões médias
    • 36. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Esquemas Arranjo 1 Arranjo 1A Arranjo 2 Arranjo 3 Arranjo 4 Arranjo 5 Arranjo 6 Arranjo 7 Arranjo 8 Arranjo 9 Itatinga – Itapanhaú 4,90 4,90 4,90 4,90 4,90 4,90 4,90 4,90 Braço do Rio Pequeno -Billings 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 3,50 Alto Juquiá (França - ETA Cotia) 16,50 15,00 15,00 São Lourenço (França – ETA Cotia) 4,70 4,70 4,70 São Lourencinho – ETA Embu Guaçu - Alto Sorocaba 16,50 Jaguari – Atibainha 6,00 8,50 2,00 7,00 2,00 Guararema - Biritiba 5,00 5,00 Barragem Piraí 1,33 1,33 1,33 1,33 1,33 1,33 1,33 Barragem Jundiuvira-Piraí 0,80 0,80 0,80 Barragem Campo Limpo 0,76 0,76 0,76 0,76 Barragens Pedreira e Duas Pontes 7,70 7,70 7,70 7,70 7,70 7,70 7,70 Atibaia - Indaiatuba 1,00 Atibaia – Rio Jundiaí 0,20 0,20 0,20 0,20 Jurumirim – ETA Cotia 11,00 17,50 7,50 13,00 14,00 13,00 Sarapuí-Sorocaba – Salto – Reservatório Piraí - Indaiatuba 0,70 0,70 0,70 Sarapuí - Sorocaba – Salto – Reservatório Piraí 0,70 Reservatório Cabreúva - Barueri incluso no 14,00 Adut. Pedreira – R. Atibaia – R. Jundiaí – Indaiatuba 3,00 3,00 Pré-dimensionamento dos 10 ArranjosPré-dimensionamento dos 10 Arranjos 2035 – Capacidade à instalar2035 – Capacidade à instalar
    • 37. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Esquemas Arranjo 1 Arranjo 1A Arranjo 2 Arranjo 3 Arranjo 4 Arranjo 5 Arranjo 6 Arranjo 7 Arranjo 8 Arranjo 9 Itatinga – Itapanhaú 274,94 274,94 274,94 274,94 274,94 274,94 274,94 274,94 Braço do Rio Pequeno -Billings 45,96 45,96 45,96 45,96 45,96 45,96 45,96 Alto Juquiá (França - ETA Cotia) 2931,28 2902,39 2902,39 São Lourenço (França – ETA Cotia) 839,64 839,64 839,64 839,64 839,64 839,64 São Lourencinho – ETA Embu Guaçu - Alto Sorocaba 9.694,64 Jaguari – Atibainha 448,56 554,61 331,48 516,18 331,48 Guararema - Biritiba 760,49 760,49 Barragem Piraí 50,46 50,46 50,46 50,46 50,46 50,46 50,46 Barragem Jundiuvira-Piraí 141,85 141,85 141,85 Barragem Campo Limpo 235,89 235,89 235,89 235,89 Barragens Pedreira e Duas Pontes 136,44 136,44 136,44 136,44 136,44 136,44 136,44 Atibaia - Indaiatuba 174,77 Atibaia – Rio Jundiaí Utilização de instalações existentes. Custos desprezados. Jurumirim – ETA Cotia 8.373,50 9.610,91 7.831,86 8.739,21 9.084,42 8.739,21 Sarapuí-Sorocaba – Salto – Reservatório Piraí - Indaiatuba 324,78 324,78 324,78 Sarapuí - Sorocaba – Salto – Reservatório Piraí 297,23 Reservatório Cabreúva - Barueri 188,33 Adut. Pedreira – R. Atibaia – R. Jundiaí – Indaiatuba 274,48 274,48 Custo por Arranjo (R$ milhões) 4.656,46 10.552,01 10.098,68 10.605,87 9.765,73 9.893,54 5.231,79 10.874,20 4.855,78 10.361,13 NOTA: OS VALORES INCLUEM CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO, CUSTOS INDIRETOS E ESTUDOS E AÇÕES AMBIENTAIS Estimativas de Custos dos 10 ArranjosEstimativas de Custos dos 10 Arranjos R$ milhões, a preço de dez/2012R$ milhões, a preço de dez/2012
    • 38. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Esquemas Arranjo 1 Arranjo 1A Arranjo 2 Arranjo 3 Arranjo 4 Arranjo 5 Arranjo 6 Arranjo 7 Arranjo 8 Arranjo 9 Itatinga – Itapanhaú 4,63 4,63 4,58 4,59 4,46 4,67 4,56 4,57 Braço do Rio Pequeno -Billings 2,23 2,23 2,14 2,23 2,27 1,19 1,15 Alto Juquiá (França - ETA Cotia) 11,72 10,28 10,25 São Lourenço (França – ETA Cotia) 4,70 4,70 4,70 4,70 4,70 4,70 São Lourencinho – ETA Embu Guaçu - Alto Sorocaba 16,42 Jaguari – Atibainha 4,14 5,13 1,29 3,98 1,45 Guararema - Biritiba 4,69 4,24 Barragem Piraí 1,33 1,33 1,33 1,33 1,33 1,23 1,23 Barragem Jundiuvira-Piraí 0,80 0,80 0,80 Barragem Campo Limpo 0,76 0,76 0,76 0,76 Barragens Pedreira e Duas Pontes 4,42 4,42 4,63 3,17 4,47 4,71 4,72 Atibaia - Indaiatuba 1,00 Atibaia – Rio Jundiaí 0,20 0,20 0,20 0,20 Jurumirim – ETA Cotia 9,80 15,75 6,76 11,66 12,39 11,20 Sarapuí-Sorocaba – Salto – Reservatório Piraí - Indaiatuba 0,54 0,54 0,54 Sarapuí - Sorocaba – Salto – Reservatório Piraí 0,26 Reservatório Cabreúva - Barueri incluso no 12,39 Adut. Pedreira – R. Atibaia – R. Jundiaí – Indaiatuba 1,69 1,64 Dependência de Aproveitamentos de Grande PorteDependência de Aproveitamentos de Grande Porte
    • 39. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Aproveitamentos de Grande PorteAproveitamentos de Grande Porte
    • 40. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Esquemas Vantagens Desvantagens Medidas Compensatórias Jurumirim - Apoio ao desenvolvimento da região sudoeste da Macrometrópole - Redução dos conflitos Alto Tietê/PCJ - Baixo impacto ambiental Custo Alto Juquiá (França-ETA Cotia) - Resgate de um manancial com vocação para a RMSP - Flexibilidade operacional para o equacionamento de conflitos - Aproveitamento da capacidade de reservação Guarapiranga e Itupararanga - Baixo impacto ambiental Conflito com a CBA - Eventual compensação pela perda de potencial energético Jaguari- Atibainha e Guararema- Biritiba - Aproveitamento da capacidade de regularização do sistema Cantareira e Alto Tietê - Baixo Impacto Ambiental Conflitos regionais e interestaduais - Regularização de vazões no Paraíba do Sul - Ações para o desenvolvimento do território e dos serviços de saneamento Aproveitamentos de Grande PorteAproveitamentos de Grande Porte
    • 41. DAEE Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente AVALIAÇÃO DAS SOLUÇÕESAVALIAÇÃO DAS SOLUÇÕES
    • 42. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Avaliação das SoluçõesAvaliação das Soluções Avaliação financeira;Avaliação financeira; Aderência ao planejamento atual;Aderência ao planejamento atual; Avaliação individual dos esquemas hidráulicos.Avaliação individual dos esquemas hidráulicos.
    • 43. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Avaliação das SoluçõesAvaliação das Soluções Arranjo Esquema de Grande Porte VPL R$x106 Nota Final 1 Alto Juquiá (França - ETA Cotia) 2.972,86 9,45 1A São Lourencinho – ETA Embu Guaçu - Alto Sorocaba 5.075,30 4,83 2 Jurumirim – ETA Cotia 4.604,75 7,76 3 Jurumirim – ETA Cotia 7.121,66 4,60 4 Jurumirim – ETA Cotia 4.743,54 5,60 5 Jurumirim – ETA Cotia 5.472,40 5,13 6 Alto Juquiá (França - ETA Cotia) 3.396,60 8,83 7 Jurumirim – ETA Cotia 6.544,94 4,69 8 Alto Juquiá (França - ETA Cotia) 3.217,04 9,09 9 Jurumirim – ETA Cotia 6.360,12 6,89
    • 44. DAEE Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente ESCALONAMENTO DA IMPLANTAÇÃOESCALONAMENTO DA IMPLANTAÇÃO DAS INTERVENÇÕESDAS INTERVENÇÕES
    • 45. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEEDAEE Arranjo Esquemas 2018 1 Braço do Rio Pequeno - Billings São Lourenço (França - ETA Cotia) Barragem Piraí Barragem Campo Limpo Barragens Pedreira e Duas Pontes 2 Braço do Rio Pequeno - Billings São Lourenço (França - ETA Cotia) Barragem Piraí Barragem Campo Limpo Barragens Pedreira e Duas Pontes 6 Braço do Rio Pequeno – Billings São Lourenço (França - ETA Cotia) Barragem Piraí Barragens Pedreira e Duas Pontes Atibaia - Indaiatuba Atibaia - Rio Jundiaí 8 Braço do Rio Pequeno - Billings São Lourenço (França - ETA Cotia) Barragem Piraí Barragens Pedreira e Duas Pontes Adutora Pedreira - Rio Atibaia - Rio Jundiaí 9 Braço do Rio Pequeno - Billings São Lourenço (França - ETA Cotia) Barragem Piraí Barragens Pedreira e Duas Pontes Adutora Pedreira - Rio Atibaia - Rio Jundiaí Resultados do EscalonamentoResultados do Escalonamento Esquemas 2025 Itatinga - Itapanhaú Barragem Jundiuvira - Piraí       Itatinga - Itapanhaú Barragem Jundiuvira - Piraí       Jaguari - Atibainha Guararema - Biritiba         Itatinga - Itapanhaú Jaguari - Atibainha   Jurumirim - ETA Cotia   2030 Alto Juquiá (França - ETA Cotia)         Jurumirim - ETA Cotia         Alto Juquiá (França - ETA Cotia)           Alto Juquiá (França - ETA Cotia)     Itatinga - Itapanhaú    
    • 46. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Estratégia de Curto PrazoEstratégia de Curto Prazo Aumento do volume de reservação de água bruta;Aumento do volume de reservação de água bruta; Controle da deterioração da qualidade da água dos mananciaisControle da deterioração da qualidade da água dos mananciais existentes;existentes; Definição dos termos da renovação da outorga do SistemaDefinição dos termos da renovação da outorga do Sistema Cantareira (2014);Cantareira (2014); Efetivação dos barramentos dos rios Camanducaia e Jaguari paraEfetivação dos barramentos dos rios Camanducaia e Jaguari para o atendimento das demandas futuras do PCJ e RMC;o atendimento das demandas futuras do PCJ e RMC; Rediscussão dos termos da concessão da CBA – Alto Juquiá;Rediscussão dos termos da concessão da CBA – Alto Juquiá; Ampliação das ações de gestão da demanda inclusive o usoAmpliação das ações de gestão da demanda inclusive o uso racional da água;racional da água; Aceleração do processo de planejamento (um grandeAceleração do processo de planejamento (um grande aproveitamento leva cerca de 10 anos até o início de operação).aproveitamento leva cerca de 10 anos até o início de operação).
    • 47. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Conclusões do PlanoConclusões do Plano O problema de atendimento às demandas hídricas daO problema de atendimento às demandas hídricas da Macrometrópole apenas pode ser equacionada sob o enfoque daMacrometrópole apenas pode ser equacionada sob o enfoque da multifuncionalidade do território, que articula 4 Regiõesmultifuncionalidade do território, que articula 4 Regiões Metropolitanas e 3 principais aglomerações urbanas do Estado deMetropolitanas e 3 principais aglomerações urbanas do Estado de São Paulo;São Paulo; Esgotamento da disponibilidade de soluções isoladasEsgotamento da disponibilidade de soluções isoladas independentes de condições regionais ou microrregionais;independentes de condições regionais ou microrregionais; Baixos volumes de reservação de água bruta;Baixos volumes de reservação de água bruta; Alta vulnerabilidade a eventos críticos de escassez;Alta vulnerabilidade a eventos críticos de escassez; Necessidade de implantação de soluções integradas e articuladasNecessidade de implantação de soluções integradas e articuladas com os múltiplos usos da água;com os múltiplos usos da água; Articulação das soluções com as ações voltadas à gestão deArticulação das soluções com as ações voltadas à gestão de demanda, ao uso racional da água e ao reúso da água;demanda, ao uso racional da água e ao reúso da água;
    • 48. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Conclusões do PlanoConclusões do Plano Necessidade da definição da próxima fonte hídrica de grandeNecessidade da definição da próxima fonte hídrica de grande porte;porte; Priorização para agenda de intervenções com horizonte de 2018,Priorização para agenda de intervenções com horizonte de 2018, especialmente sistema produtor São Lourenço e Barragensespecialmente sistema produtor São Lourenço e Barragens Pedreira e Duas Pontes;Pedreira e Duas Pontes; Existem diversas soluções para o equacionamento do artigo 16 daExistem diversas soluções para o equacionamento do artigo 16 da Portaria DAEE 1213 relativa à outorga do Sistema Cantareira;Portaria DAEE 1213 relativa à outorga do Sistema Cantareira; A importância das águas do reservatório França para oA importância das águas do reservatório França para o abastecimento da Macrometrópole atualmente (até 2016)abastecimento da Macrometrópole atualmente (até 2016) concedidas à CBA – Companhia Brasileira de Alumínio;concedidas à CBA – Companhia Brasileira de Alumínio; Aprimoramento técnico e fortalecimento institucional do processoAprimoramento técnico e fortalecimento institucional do processo de alocação das águas.de alocação das águas.
    • 49. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Conclusões do PlanoConclusões do Plano Necessidade da incorporação, na gestão, de planos de segurançaNecessidade da incorporação, na gestão, de planos de segurança da água e medidas de contingência;da água e medidas de contingência; Nos Planos de Bacias dos Comitês de Bacias Hidrográficas queNos Planos de Bacias dos Comitês de Bacias Hidrográficas que serão preparados ao longo de 2014 e consolidados no Planoserão preparados ao longo de 2014 e consolidados no Plano Estadual de Recursos Hídricos-PERH 2015-2018, convém queEstadual de Recursos Hídricos-PERH 2015-2018, convém que sejam incorporados e ajustados os estudos de demandas desejam incorporados e ajustados os estudos de demandas de águas deste plano, visando dotar o PERH de instrumental paraáguas deste plano, visando dotar o PERH de instrumental para monitoramento da eficácia da gestão da demanda de água.monitoramento da eficácia da gestão da demanda de água.
    • 50. DAEE Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente SEMINÁRIOS REGIONAIS – PRINCIPAISSEMINÁRIOS REGIONAIS – PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕESCONTRIBUIÇÕES
    • 51. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Principais Contribuições dos SemináriosPrincipais Contribuições dos Seminários RegionaisRegionais Demanda por permanente atualização de informações paraDemanda por permanente atualização de informações para estimativa e demandas futuras;estimativa e demandas futuras; Sugestão do continuidade dos debates nos comitês de bacias;Sugestão do continuidade dos debates nos comitês de bacias;
    • 52. Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional Secretaria do Meio Ambiente DAEE Principais Contribuições dos SemináriosPrincipais Contribuições dos Seminários RegionaisRegionais Sugestões de estudos para detalhamento de aspectos específicosSugestões de estudos para detalhamento de aspectos específicos para futuras revisões dos planos:para futuras revisões dos planos: – zoneamento ecológico econômico;zoneamento ecológico econômico; – reúso de água;reúso de água; – recuperação da qualidade das águas;recuperação da qualidade das águas; – remuneração pela prestação de serviços ambientais;remuneração pela prestação de serviços ambientais; – proposições para preservação de áreas de mananciais, como osproposições para preservação de áreas de mananciais, como os afluentes da margem esquerda do Paraíba do Sul e a decretação deafluentes da margem esquerda do Paraíba do Sul e a decretação de interesse público das áreas de novos barramentos;interesse público das áreas de novos barramentos; – compartilhamento dos custos de estrutura hidráulicas de regularizaçãocompartilhamento dos custos de estrutura hidráulicas de regularização preservação, conservação, recuperação das bacias;preservação, conservação, recuperação das bacias; – mudanças climáticas.mudanças climáticas.

    ×