Preservação digital - abordagem 2.0
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Preservação digital - abordagem 2.0

on

  • 521 views

Apresentação realizada na UNAMA, em Belém do Pará no dia 02/04/14, em evento alusivo aos 50 anos do golpe militar, abordando a digitalização como acesso e preservação da memória.

Apresentação realizada na UNAMA, em Belém do Pará no dia 02/04/14, em evento alusivo aos 50 anos do golpe militar, abordando a digitalização como acesso e preservação da memória.

Statistics

Views

Total Views
521
Views on SlideShare
521
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
16
Comments
2

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Preservação digital - abordagem 2.0 Presentation Transcript

  • 1. Charlley Luz charlley@usp.br A TECNOLOGIA E A PRESERVAÇÃO ! (DA MEMÓRIA) APRESENTA
  • 2. TECNOLOGIA E INFORMAÇÃO
  • 3. TECNOLOGIA
  • 4. INFORMAÇÃO Ter informações de lugares distantes Escutar informações ao vivo Ver informações ao vivo Decidir o que ver, quando ver e participar da informação Publicar nossa própria informação Ser a informação Fonte: Thomas Baekdal - http://www.baekdal.com
  • 5. INTERNET INFORMAÇÃO
  • 6. 1971: surge o e-mail Ray Tomlinson, é o idealizador do correio eletrônico. 1979: nascem os emoticons Kevin MacKenzie foi o pioneiro a utilizar certas combinações para indicar sentimentos nos e-mails. 1988: nasce o chat Jerkko Oikarinen desencove o IRC (Internet Realy Chat), que permite conversas ao vivo pela rede. Aristocracia Colaborativa INFORMAÇÃO
  • 7. 1991: texto vira hipertexto Tim Berners-Lee cria os links, 1995: Amazon vende seu primeiro livro O comércio eletrônico já tem um dos seus grande líderes. 1995: nasce o Yahoo! Jerry Yang e David Filo criam listas de sites organizados em categorias e subcategorias. 1997: bem-vindo, blog Jorn Barrer decide publicar diariamente coisas interessantes e chama seu site de weblog. 1998: Google Larry Page e Sergey Brin criam o Google, que se transforma no maior sistema de buscas. 1999: o Napster faz barulho Shawn Fanning envia a 30 amigos um programa criado por ele mesmo para compartilhar arquivos de músicas. Surge a febre o mp3. Ditadura ponto.com INFORMAÇÃO
  • 8. O povo no poder 2004: O Facebook mostra sua cara Mark Zuckerber cria uma rede social para conectar seus colegas da universidade. Hoje conta com 700 milhões de usuários. 2005: a gente se vê no YouTube Chad Hurley e Jawed Karim criam o site revolucionário para as pessoas compartilhar vídeos. 2007: iPhone A Apple lança seu celular capaz de se conectar à internet e revoluciona a web móvel. 2001: nasce a Wikipedia Uma enciclopédia livre e poliglota baseada na colaboração. É a enciclopédia mais gigantesca da história. 2006: Twitter Jack Dorsey, Evan Williams e Biz Stone lançam o revolucionário serviço de microbloging. INFORMAÇÃO
  • 9. INFORMAÇÃO + RELACIONAMENTO
  • 10. WEB 2.0
  • 11. PARA ONDE VAMOS?
  • 12. CRM Portal Corporativo ERP Groupware / E-mail BI GED Workflow Mapas do Conhecimento Ferramentas de Apoio à Inovação LMS Bases de Conhecimento Blogs Enquetes Fóruns IMs(P2P) Notícias Videoconferência Comunidades BancodeImagens Bancodetalentos Artigos Sistemas Especialistas A SOPA DE LETRINHAS DATECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CMS LMS WCS BI IC CRM ERP GED ECM WF! AI IM B2B P2P B2P B2C C2C! SIGAD TECNOLOGIA
  • 13. AMBIENTES DIGITAIS > Websites> Softwares > Intranets > Portais Corporativos > Web 2.0 Aplicações desktop para execução de tarefas > Softwares TECNOLOGIA
  • 14. AMBIENTES DIGITAIS > Websites> Softwares > Intranets > Portais Corporativos > Web 2.0 Sites internet de acesso aberto > Websites TECNOLOGIA
  • 15. Evolução de intranets, englobam todos os ambientes digitais de uma empresa: intranet, internet e extranet.! ! Aderentes aos objetivos do negócio da empresa, fornecem informações estratégicas e auxiliam a realização do core- business da empresa. ! ! Plataformas tecnológicas que suportam negócios de variadas fontes, de sistemas diferentes. Englobam processos como comunicação, gestão, recursos humanos e administração. Sites de acesso restrito dentro de uma empresa.! ! Apóiam a comunicação entre os funcionários, proporcionam acesso a arquivos compartilhados e a serviços como self-service de RH, calendário de eventos, entre outros. ! ! Intranets devem funcionar como ferramenta de trabalho, apoiando os processos da empresa. AMBIENTES DIGITAIS > Websites> Softwares > Intranets > Portais Corporativos > Web 2.0> Intranets > Portais Corporativos TECNOLOGIA
  • 16. AMBIENTES DIGITAIS > Websites> Softwares > Intranets > Portais Corporativos > Web 2.0 Perfil de empresas em redes sociais Ambientes colaborativos > Web 2.0 TECNOLOGIA
  • 17. Colaboração corporativa Participação em workflows Contribuição para as bases de conhecimento Hosted Service Aplicações corporativas Repositórios de documentos Serviços Digitais World Wide Web Intranet / Portal Corporativo Gerenciamento Corporativo Atendimento a clientes AMBIENTES DIGITAIS: MÚLTIPLAS INTERFACES TECNOLOGIA
  • 18. Evolução(e(atualização(( •"Definição"dos"procedimentos" •"Criação"e"publicação"de"conteúdo" •"Controle"das"demandas"" •"Atendimento"e"suporte"ao"público" •"Ações"de"relacionamento" •"Ações"de"endomarke;ng" •"Ações"de"incen;vo" Planejamento( •"Sensibilização"dos"colaboradores" •"Equacionamento"áreas"e"diretoria" •"Arquitetura"de"Informação"e"interface" •"Governança"do"portal" •"Gestão"de"Conteúdo" •"Escolha"de"ferramenta" •"Plano"de"Adoção" Desenvolvimento Equipe manutenção evolutiva Consultoria Planejamento planejar construir manter Criação(e(Desenvolvimento( •"Portais"Corpora;vos" •"Sistemas"Web" •"Workflows" •"BPM" •"Search" •"Ambientes"colabora;vos" Consultores" Desenvolvedores" Nosso papel num projeto de ambiente digital TECNOLOGIA
  • 19. ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO
  • 20. O gráfico histórico de Charles Joseph Minard mostra a evolução do exército francês ao longo da campanha, e a respectiva quantidade de homens, bem como as condições atmosféricas AI
  • 21. O gráfico histórico de Charles Joseph Minard mostra a evolução do exército francês ao longo da campanha, e a respectiva quantidade de homens, bem como as condições atmosféricas AI
  • 22. ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO O termo arquitetura de informação foi criado pelo arquiteto/designer Saul Wurman, em 1976. ! ! O conceito de Wurman tinha relação com a organização da grande quantidade de informação produzida pelo homem diariamente, sem grande preocupação com a ordem. ! ! Wurman estabeleceu o propósito da AI em guias de viagem, com mapas de regiões, organizando o conteúdo por categorias de lugares para visitar. AI
  • 23. ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Representação abstrata do metrô de Tóquio. Nela,Wurman mostra: A seleção dos principais prédios ou pontos turísticos perto de cada estação. As conexões entre os dois tipos de estações. As estações que cruzam a cidade. Como ajuda de orientação, o Palácio Imperial. As estações externas.Ao invés de respeitar a geografia da cidade, se concentrou no que é mais importante para os usuários: saber a sequência das estações. AI
  • 24. ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Representação abstrata do metrô de Tóquio. Nela,Wurman mostra: A seleção dos principais prédios ou pontos turísticos perto de cada estação. As conexões entre os dois tipos de estações. As estações que cruzam a cidade. Como ajuda de orientação, o Palácio Imperial. Destaque: o mapa está dentro do design do yin-yang, algo importante na filosofia oriental. As estações externas.Ao invés de respeitar a geografia da cidade, se concentrou no que é mais importante para os usuários: saber a sequência das estações. AI
  • 25. ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Nos anos 90, a arquitetura de informação passa a ser usada no planejamento de websites. ! ! ”Livro do urso polar” (Information Architecture for the World Wide Web, 1998).Atualmente em terceira edição, continua sendo a “bíblia” dos AIs. “A arte e ciência de estruturar e classificar websites e intranets para ajudar pessoas a encontrar e gerenciar informações.” AI
  • 26. ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO Basicamente, um arquiteto de informação:
 Organiza conteúdos dentro de um ambiente digital - websites, intranets, softwares ! ! Cria estruturas informacionais e planeja caminhos de navegação dentro destes ambientes. AI
  • 27. DIGITALIZAÇÃO PARA PRESERVAÇÃO E ACESSO
  • 28. QUAIS OS MOTIVOS PARA DIGITALIZAR? DIGITALIZAÇÃO
  • 29. QUAIS OS MOTIVOS PARA DIGITALIZAR? DIGITALIZAÇÃO Tomada de decisão Leis e Normas Memória Estar na Rede Demandas Sociais
  • 30. DITADURA
  • 31. DITADURA
  • 32. DITADURA
  • 33. DITADURA
  • 34. DITADURA
  • 35. DITADURA
  • 36. DITADURA
  • 37. DITADURA
  • 38. DITADURA
  • 39. DITADURA
  • 40. DITADURA
  • 41. DITADURA
  • 42. Sayão (2007, p.15) Preservação física - preservação das mídias e renovação; Preservação lógica - hardware e software para manter legíveis e interpretáveis os bits; F L Preservação intelectual - foco o conteúdo intelectual e sua autenticidade e integridade; Preservação de metadados – necessária para localizar, recuperar e representar a informação digital; i A Monitoramento e instrumentalização da comunidade alvo - acompanhamento do público para garantir que ele possa compreender a informação no momento do seu acesso. ! M PRESERVAÇÃO COMO ACESSIBILIDADE PRESERVAÇÃO
  • 43. O QUE PRECISA PARA DIGITALIZAR? 1. Análise do contexto e do documento 2. Autorização para efetuar a digitalização 3. Equipamentos 4. Softwares 5. Pessoas capacitadas 6. Estrutura de armazenamento DIGITALIZAÇÃO
  • 44. COMO INICIAR A ORGANIZAÇÃO DA DIGITALIZAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO? Identificação Documentos físicos organizados Documentos digitais preservados e compartilhados DIGITALIZAÇÃO
  • 45. Levantamento Classificação Seleção Eliminação Ordenamento Indexação DIGITALIZAÇÃO PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO DIGITALIZAÇÃO
  • 46. DIGITALIZAÇÃO • Entender o contexto documental antes de qualquer coisa; • Preservar o fundo arquivístico; • Atentar para a suposta organização que há dentro da desorganização; • Não desprezar informações constantes na situação originalmente encontrada; • Acreditar que documento classificado de forma errada dificilmente será localizado. O BOM ARQUIVISTA VAI…
  • 47. SIGAD E METADADOS
  • 48. metadados NÍVEL CONCEITUAL NÍVEL LÓGICO NÍVEL FÍSICO Metadados, OAIS TIF, JPG, PHP, ASP, NUVEM interface, Navegacão, DC, E-ARQ
  • 49. •  OAIS - (Open Archival Information System) - ISO 14.721, Sistema Aberto para Arquivamento de Informação (SAAI), um Modelo de Referência, é uma infraestrutura conceitual para um arquivo digital. •  O Modelo estabelece terminologia e conceitos relevantes para o arquivamento digital; identifica os componentes chave e processos inerentes à maioria das atividades de arquivo, e propõe um modelo de informação para objetos digitais e seus metadados associados. metadados
  • 50. Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos, elaborado pela Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos do Conselho Nacional de Arquivos. ! metadados
  • 51. SIGAD:! fase corrente e intermediária! Descrição Arquivística:! SepiaDES, ICA- ATOM! Instrumentos de pesquisa: guias, catálogos! Repositórios Digitais: DSpace, FEDORA, Eprints, Archivemática (OAIS)! metadados
  • 52. empresas mídia trabalho ensino relacionamentos = HOJE
  • 53. O FIM DE UMA INDÚSTRIA IMPRE(N)SA MÍDIA PUBLICIDADE HOJE
  • 54. Obrigado! Charlley Luz charlleyluz@gmail.com twitter.com/charlley facebook.com/charlleylinkedin.com/charlley Segue lá :) Vamos ficar em contato.