Diabetes Mellitus

11,709 views
11,389 views

Published on

A Diabetes Mellitus (DM) pertence a um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicémia crónica resultante dos defeitos da secreção e/ou da acção da insulina. Entende-se por hiperglicémia uma condição caracterizada por um incremento desigual dos valores de açúcar (glicose) no sangue.

0 Comments
9 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
11,709
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
18
Actions
Shares
0
Downloads
432
Comments
0
Likes
9
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Diabetes Mellitus

  1. 1. Populações Especiais<br />DIABÉTICOS<br />Fisiologista do Exercício:<br />Carlos Fradão<br />
  2. 2. Caracterização<br />A Diabetes Mellitus (DM) pertence a um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicémia crónica resultante dos defeitos da secreção e/ou da acção da insulina. Entende-se por hiperglicémia uma condição caracterizada por um incremento desigual dos valores de açúcar (glicose) no sangue.<br />(TheExpertCommitteon the Diagnosis and Classificationof Diabete Mellitus,2003)<br />Insulina- Hormona produzida nas células beta do pâncreas. Baixa a glicémia por "abrir as portas" das células e permitir a entrada da glucose.<br />(Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal - APDP)<br />
  3. 3. Diagnóstico<br />O critério estabelecido pela ADA (American Diabetes Association) determina 3 métodos para diagnosticar a DM. <br />O diagnóstico de DM deve ser confirmado pela repetição do teste em outro dia.<br />
  4. 4. Classificação<br />Tipo I– a causa é uma absoluta deficiência na secreção de insulina – Insulino – dependentes (5% a 10%)<br /><ul><li> Na Diabetes do Tipo I, as células ß do pâncreas deixam de produzir insulina pois existe uma destruição maciça destas células produtoras de insulina.
  5. 5. O próprio sistema de defesa do organismo (sistema imunitário) da pessoa com Diabetes, que ataca e destrói as suas células ß.
  6. 6. Não está directamente relacionada com hábitos de vida ou de alimentação errados.
  7. 7. Necessitam de terapêutica com insulina para toda a vida porque o pâncreas deixa de a poder fabricar.</li></ul>(APDP)<br />
  8. 8. Classificação<br />Tipo II– conhecida como Diabetes Não-Insulino Dependentes (90% a 95%). <br /><ul><li> A causa é acombinação da resistência à acção da insulina e uma inadequada resposta na secreção de insulina compensatória.
  9. 9. O pâncreas é capaz de produzir insulina.
  10. 10. Pouco ou nenhum exercício físico, tornam o organismo resistente à acção da insulina , obrigando o pâncreas a trabalhar mais (e mais), até que a insulina que produz deixa de ser suficiente.
  11. 11. Apresentam sempre peso excessivo e em alguns casos são mesmo obesos, sobretudo “têm barriga”. </li></ul>(APDP)<br />
  12. 12. Classificação<br />Diabetes Gestacional -refere-se às mulheres que contraem a diabetes durante a gravidez. Este tipo de particular de diabetes é normalmente detectada no 3º trimestre de gestação e, geralmente, desaparece com o parto, mas pode ser sinal de diabetes futura em cerca de ¾ das mulheres. <br />(APDP)<br />
  13. 13. Complicações associadas à diabetes<br /><ul><li>Retinopatia- lesão da retina;
  14. 14. Nefropatia - lesão renal;
  15. 15. Neuropatia - lesão nos nervos do organismo;
  16. 16. Hipertensão arterial;
  17. 17. Hipoglicemia - baixa do açúcar no sangue;
  18. 18. Hiperglicemia - nível elevado de açúcar no sangue;
  19. 19. Macroangiopatia - doença coronária, cerebral e dos membros inferiores;
  20. 20. Lípidos no sangue- gorduras no sangue;
  21. 21. Pé diabético - arteriopatia, neuropatia;
  22. 22. Doenças cardiovasculares - angina de peito, ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais;
  23. 23. Obstrução arterial periférica - perturbação da circulação, por exemplo nas pernas e nos pés;
  24. 24. Disfunção e impotência sexual - a primeira manifesta-se de diferentes formas em ambos os sexos;
  25. 25. Infecções diversas e persistentes - boca e gengivas, infecções urinárias, infecções das cicatrizes depois das cirurgias.</li></li></ul><li>Terapêutica<br /><ul><li>Sulfonilureias são hipoglicemiantes, por estimulação da libertação de insulina das células beta pancreáticas. Podem ser de 1ª ou 2ª geração: tolbutamida, clorpropamida, glibenclamida, glipizida, glicazida, gliquidona, glimepirida.
  26. 26. Biguanidas são anti-hiperglicemiantes, com acção no controlo dos níveis de glicose, independentemente da secreção de insulina. Fenformina e metformina.
  27. 27. Inibidores das alfa-glicosidasesinduzem inibição da amilase pancreática e das enzimas do brush-border intestinal: glicoamilase, maltase, sacarase, dextrinase, … Acarbose e miglitol.
  28. 28. Tiazolidionedionas aumentam a sensibilidade à insulina nos tecidos periféricos, com efeito hipolipidémico e hipoglicemiante. Rosiglitazona, troglitazona e pioglitazona.</li></ul>(APDP)<br />
  29. 29. Contra - Indicações<br /><ul><li> A prática de A.F. em indivíduos com DMimplica uma análise cuidada dos benefícios em relação aos riscos, já que, especialmente para os Diabéticos Tipo I, este pode revelar-se uma prática perigosa, pelo elevado risco de hipoglicémias.
  30. 30. Apesar destes riscos, DMI podem fazer exercício físico, desde que realizem uma correcta coordenação entre o dispêndio energético e a intensidade do exercício, a alimentação e as doses e timing da injecção da insulina.</li></ul>Barata T. , 1997<br />
  31. 31. Guidelines<br />ACSM (2006), Diabetes Mellitus, ACSM´S Guidelines for ExerciseTesting and Prescription.<br />
  32. 32. Benefícios<br /><ul><li>Aumento da captação de glucose sanguínea
  33. 33. Promove a longo prazo o aumento da sensibilidade à insulina (mesma entrada de glucose na célula com menores níveis de insulina)
  34. 34. É factor de emagrecimento
  35. 35. Melhor controlo da Diabetes Tipo 2, sobretudo na fase inicial
  36. 36. Melhoria do perfil lipídico</li></ul>Barata T. , 1997<br />
  37. 37. Bibliografia<br /><ul><li> Barata, T. et al (1997). Actividade Física e Medicina Moderna. Europress.
  38. 38. ACSM (2006), Diabetes Mellitus, ACSM´S Guidelines for ExerciseTesting and Prescription.
  39. 39. Raposo, R., e Marques,R. (2007). Populações Especiais – Avaliação e prescrição de exercício. Colecção “Fitness é Manz”
  40. 40. Site : www.apdp.pt - Associação Protectora de Diabéticos de Portugal
  41. 41. Site:http://www.diabetes.org/- American Diabetes Association</li>

×