Texto benjamin

347 views
319 views

Published on

Published in: Travel, Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
347
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Texto benjamin

  1. 1. Durante anos estiveram ali, bem no alto na estante, em boa companhia. Alinhavam-se perfeitamente, em sentido geométrico, a outras obras literárias de caráter bem diferente. Permaneceram silenciados por anos, recolhendo a poeira de escapamentos barulhentos, de chaminés de fábricas e outros mais contaminantes que conseguem atingir uma casa a mais de 80 metros de altura. A turvês em que se encontravam era sinônimo da imprudência deste leitor, que os havia adquirido persuadido pela entusiasmada referência de um professor, ainda da época da academia. O retiro intelectual por mim imposto a Benjamin e suas “Obras Escolhidas” perdurara por mais de uma década. As páginas amarelaram-se e as raras saídas da estante realizavam-se por mudanças meramente organizacionais do escritório. A poeira acumulada pelo descaso só começou a ser retirada recentemente. O retorno a academia teve fundamental peso neste processo de limpeza e, neste contexto, o contato com uma nova mestre foi decisivo para o embarque na “viagem” em Benjamin. Mal sabia que este embarque significaria uma passagem sem retorno. O início da incursão se deu através de “Infância em Berlim”. E já, de início, um estranhamento tomou conta deste leitor: crônicas? Como poderia a História ser explicada através de uma narrativa em forma de pequenas crônicas? Como seria possível o entendimento sem uma linearidade temporal entre estas crônicas? Questões e mais questões
  2. 2. começaram a se interpor sobre a leitura e, a princípio, com certa desconfiança. Desconfiança alimentada pela voz do racionalismo científico em que, até então, nutrira meu conhecimento histórico. O dilema posto era amainado por encontros semanais: as aulas de quinta-feira. Nelas ouvia, com atenção, através da suave voz da mestra, que era necessário aprender a ler Benjamin. Aquela leitura mecânica, conteudista, metodológica e pragmática não permitiria continuar a “viagem”. Ler passou a ser ressignificar, viver, romper com os paradigmas que até então me orientavam. Ler passou a ser permitir-se. Foi a partir daí que pude perceber o significado das primeiras palavras de Tiergarten. “Saber orientar-se numa cidade não significa muito. No entanto, perder-se numa cidade, como alguém se perde numa floresta, requer instrução”. Precisei me perder para poder encontrar-me. O esforço para ler Benjamin, não à luz da razão mecanicista que regra o ser na modernidade, mas a partir da vivência/experiência despertada pela própria leitura descortinou possibilidades até então por mim inimagidas. A princípio pela própria forma como nosso pensador trata o conhecimento. Em “Infância em Berlim”, as crônicas de memória, ou mônadas, revelavam a cada página uma interação única entre o que era lido com este leitor. As lembranças relatadas por Benjamin, neste sentido, parecem atemporais. Embora retratando sua infância, vivenciada no
  3. 3. início do século XX, o texto conduzia-me, em flashs, a minha época de criança. Momentos em que era, como o pequeno Benjamin, o grande caçador de vaga-lumes, que povoavam o início do anoitecer da cidade onde morava. Ou, então pude novamente sentir o aroma mágico que emanava do fogão a lenha que aquecia os dias de inverno na fria casa de madeira em que habitava. Rememorar os momentos de doença, onde o isolamento das brincadeiras de rua quase apagavam o sentido da existência, bem como os questionamentos e a insatisfação das obrigações religiosas diante de coisas bem mais agradáveis a um jovem adolescente. Este rememorar e resignificar, proporcionado pela leitura das mônadas beijaminianas, lançam um olhar a contrapelo do que cientificamente se define como História e Memória. E mais do que isso, a maneira como elas se relacionam. Da mesma forma que nestes fragmentos a relação entre sujeito e objeto é indissociável, a relação entre Memória e História deve ser entendida como una. Benjamin rompe com a hierarquização “natural” de que a Memória tange apenas ao individual, ao saber popular, enquanto cabe à História, como ciência, dar conta da explicação, do sentido coletivo ao passado. As imagens criadas a partir de brechas que se abrem nos relatos de Benjamin permitem não só reconstruir a experiência individual de sua infância, como também compreender a crítica às transformações
  4. 4. modernizadoras pela qual passava a Alemanha nesta época. Assim, em muitos momentos somos conduzidos do universo da criança, do sentido mágico que esta dá às possibilidades do viver, à crítica sobre as inovações tecnológicas (telefone) ou às instituições dominadas pelo racionalismo técnico, como a escola, que transformam o ser humano apenas num apêndice da máquina capitalista.

×