Planejamento do ensino e sequências didáticas

5,166 views
4,817 views

Published on

Planejamento do ensino e sequências didáticas

  1. 1. PLANEJAMENTO DO ENSINO: (RE)SIGNIFICANDO CONCEITOS, REPENSANDO A PRÁTICA
  2. 2. “[...] ensinar não é transferir conteúdo a ninguém, assim como aprender não é memorizar o perfil do conteúdo transferido no discurso vertical do professor. Ensinar e aprender têm que ver com o esforço metodicamente crítico do professor de desvelar a compreensão de algo e com empenho igualmente crítico do aluno ir entrando como sujeito em aprendizagem, no processo de desvelamento que o professor ou professora deve deflagrar” Paulo Freire, Pedagogia da Autonomia
  3. 3. Por que planejar o ensino? Porque... a educação formal requer ação sistemática, organizada e intencional (o planejamento do ensino é a atividade que prepara, organiza e orienta a ação docente); através do planejamento, busca-se racionalizar a ação, sintonizar intenções (ou objetivos) com os meios e os resultados pretendidos;
  4. 4. Porque o planejamento... nos leva a expor e justificar nossas práticas e, assim, a compreender melhor o que fazemos. proporciona segurança para a atuação do professor, que poderá abordar com mais confiança aspectos imprevisíveis que surgem na ação; potencializa a reflexão sobre a prática docente.
  5. 5. Prática pedagógica: incertezas e imprevisibilidade Edgar Morin (1996, p. 284): planejamento como “estratégia” e não como “programa”. Programa: cadeia de passos prescritos a serem seguidos rigorosamente e em sequência. Estratégia: é a arte de trabalhar com a incerteza, compondo cenários de ação que podem se modificar em função de informações, acontecimentos e imprevistos no curso das ações, em seu conjunto. Planejamento: programa ou estratégia?
  6. 6. Duas perspectivasdo planejamento do ensino como ação burocrática, que consiste no preenchimento de fichas/elaboração de planos a serem entregues à coordenação pedagógica da escola; como atividade criativa, que pressupõe conceber e organizar modos de intervenção em sala de aula para a promoção de aprendizagens.
  7. 7. Doismodos deconceberoensinoeseuplanejamento: Ensinar = transmitir saberes: Planejamento do ensino centrado na organização da fala do professor em aulas expositivas. Preocupações do professor: o que dizer sobre o tema aos alunos (que informaçõeseexemplosselecionarparaaaula); que exercícios de fixação propor; O planejamento não é neutro; está necessariamente vinculado a uma concepção de ensino.
  8. 8. Ensinar = assinalar caminhos para a aprendizagem: o ensino e seu planejamento são concebidos para potencializar a ação dos estudantes como sujeitos da aprendizagem.  preocupações do professor: selecionar os conteúdos de aprendizagem;
  9. 9.  elaborar estratégias que favoreçam a interação dos alunos com os objetos do conhecimento;  identificar o que fazer para mobilizar os alunos para a aprendizagem em sala de aula;  definir quais situações apresentar como problema inicial a motivar o estudo do tema;  decidir como recuperar o que os alunos já sabem a respeito do tema ou outros conhecimentos a ele relacionados;  estabelecer que recursos utilizar para tornar a aula mais interessante e motivadora;  escolher situações para introduzir as explicações ou narrativasda disciplina acerca do tema.
  10. 10. AS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS COMO FERRAMENTAS DE PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO
  11. 11. Para Antoni Zabala, sequências didáticas são “um conjunto de atividades ordenadas, estruturadas e articuladas para a realização de certos objetivos educacionais, que têm um princípio e um fim conhecidos tanto pelos professores como pelos alunos”, que “têm a virtude de manter o caráter unitário e reunir toda a complexidade da prática, ao mesmo tempo que (...) permitem incluir as três fases de toda intervenção reflexiva: planejamento, aplicaçãoeavaliação.”(1998, p.18)
  12. 12. Numa sequência didática devem existir atividades: Que permitam determinar os conhecimentos prévios dos alunos em relação aos novos conteúdos de aprendizagem.
  13. 13. Em que os conteúdos são propostos de maneira significativa e funcional para os estudantes. Que devem ser adequadas ao nível de desenvolvimento de cada estudante. Que representem desafios possíveis para o estudante e que permitam a percepção da zona de desenvolvimento proximal sobre a qual se possa intervir.
  14. 14. Que promovam uma atitude favorável e que sejam motivadoras em relação à aprendizagem dos novos conceitos. Que estimulem a autoestima e o autoconceito do estudante em relação às aprendizagens, para que ele perceba que seu esforço vale a pena. Que facilitem a aquisição de habilidades ligadas ao aprender a aprender, para que o estudante se torne cada vez mais autônomo frenteaos processosde aprendizagem.
  15. 15. Sequência Didática – um mapa conceitual
  16. 16. Referências Bibliográficas AGUIAR Jr. Orlando. Planejamento de ensino. SEE MG. 2005. ZABALA,Antoni. Apráticapedagógica:como ensinar. Porto Alegre, Artmed, 1998.

×