Your SlideShare is downloading. ×
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares

13,367

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
13,367
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
90
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 3A – AULA 5Vírus
  • 2. 1.Qual é a estrutura típica de umvírus?
  • 3. A maioria dos pesquisadores da área biológica considera complexa a tarefa de definir se os vírus são seres vivos ou seres não-vivos. Argumentos a favor e contra a inclusão dos vírus na categoria dos seres vivos.
  • 4. A Favor:1. O fato dos vírus apresentarem reprodução; embora necessitem da ajuda da célula hospedeira para se reproduzirem;2. A presença de material genético (DNA ou RNA), e consequentemente a capacidade de sofrerem mutação;3. Capacidade de adaptação.
  • 5. Contra :1. O fato dos vírus serem acelulares.2. A ausência de metabolismopróprio,necessitando portanto, deconstituintes celulares de outro organismo.
  • 6. Classificação dos vírus• 1) Adenovírus (DNA) - Bacteriófago
  • 7. 2) Retrovírus (RNA) - HIV
  • 8. 3) Híbridos (DNA + RNA) Citomegalovírus• Ex.: Causadores da Herpes
  • 9. Em relação a reprodução,podem realizar um ciclo lítico ou um ciclo lisogênico.
  • 10. . Ciclo lítico: provoca a morte da célula hospedeira.
  • 11. Ciclo lisogênico: normalmente não provoca a morte da célulahospedeira. Mas posteriormentepode se transformar em um ciclo lítico.
  • 12. Lítico e Lisogênico
  • 13. O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o RNA como material genético e que, após a infecção da célula hospedeira precisa transformá-lo em DNA para conseguir se reproduzir. Estes microrganismos só conseguem fazer isso porque possuem uma enzima especial, a transcriptase reversa. ↓ RNA(viral) --------------→ DNA(viral)
  • 14. Como o vírus HIV se reproduz no organismo humano?• O vírus HIV (vírus da imunodeficiência humana) é um retrovírus específico, ou seja, ele ataca apenas um tipo de célula humana, o linfócito T4 . Este linfócito é uma célula de defesa muito importante, pois ela é a principal responsável pelo aviso ou “alarme” do nosso sistema imunológico, sinalizando outras células de defesa quando ocorre a entrada de um organismo estranho em nosso corpo.
  • 15. Cicloreprodutivo dovírus HIV:
  • 16. Cicloreprodutivodo vírus HIV:
  • 17. Ciclo reprodutivo do vírus HIV:
  • 18. Exemplos de vírus • Influenza – Gripe • Rhinovírus – Resfriado • HPV (Vírus do papiloma humano) - Verrugas e câncer de colo de útero • HVA, HVB, HVC, HVD, HVE - Hepatite
  • 19. PRÍON = PROTEÍNA INFECCIOSA• É um agregado molecular acelular, composto por proteínas com capacidade de modificar outras proteínas, tornando-as cópias das proteínas que o compõem. Não possui ácido nucléico (DNA ou RNA). São conhecidos 13 tipos de príons, das quais três atacam fungos e dez afetam mamíferos; dentre estes, sete têm por alvo a nossa espécie.
  • 20. Doença de kuru: Com o período de incubação quevaria entre quatro e quarenta anos, as pessoascontaminadas apresentavam um quadro de falta decoordenação motora progressiva, tremores, cegueira,crises incontroláveis de riso e demência; desencadeandoem morte aproximadamente um ano após tais sintomas.
  • 21. Doença da vaca louca:Os primeiros sintomas da doença são ansiedade, lapsos dememória, perda de equilíbrio, alucinações repentinas,sonolência e perda de coordenação.Posteriormente, o paciente fica com os músculos endurecidose mostra apatia ao ambiente externo. Há relatos de que apessoa contaminada não reconhece amigos e parentes antesde chegar ao estágio final, que é uma espécie de coma, faseem que a pessoa não consegue mais comer e beber.
  • 22. SERESPROCARIONTES Reino Monera• Bactérias e Cianobactérias.• Apenas ribossomos como organela.• Revestimento: Cápsula, parede celular e membrana plasmática.• Mesossomo: dobra da membrana onde ocorre produção de energia.
  • 23. Estrutura da célula bacteriana
  • 24. Cianobactérias
  • 25. Culturas para estudo de bactérias
  • 26. a) Cocos b) Bacilosc) Espirilos d) Vibriões
  • 27. SERES EUCARIONTES• Reinos: Protista, Fungi, Plantae e Animalia
  • 28. REVESTIMENTOS EM CÉLULAS (3A - AULA 6)
  • 29. PAREDE CELULAR
  • 30. Parede CelularFunções:• Reforço externo;• Sustentação celular;• Revestimento celular;• Proteção celular.
  • 31. Parede CelularComposição química:• Fungos = Quitina;• Bactérias e cianobactérias = Ácidos teicoico, murâmico, diamino-pimélico ;• Vegetais = Celulose, Cálcio e Magnésio;
  • 32. Plasmodesmos• Durante a formação das células, elementos tubulares do retículo endoplasmático ficam retidos entre as vesículas, que estão se fundindo originando os futuros plasmodesmos;
  • 33. Estrutura da P.C. nos vegetais• lamela média (LM), que une as células vizinhas, forma uma camada delicada, entre elas.
  • 34. Parede primária• Camada intermediária;• Consiste de microfibrilas de celulose embebida em uma matriz amorfa e hidratada (65% de água) de hemiceluloses, pectinas e glicoproteinas;
  • 35. Parede secundária• Sua formação ocorre principalmente após a célula ter cessado seu crescimento e a parede primária não aumentar mais em superfície;• É a camada mais espessa.
  • 36. Parede secundária• As células com paredes secundárias são, geralmente, células mortas
  • 37. Constituição química• Parede primária composta de celulose e pectina;• Parede secundária Composta de celulose.
  • 38. Alterações da Parede Celular1) Impregnações: a) Suberificação = óleo – suberina b) Cutinização = cutina c) Lignificação = lignina d) Cerificação = cera e) Mineralização = minerais - Silificação = sílica ( gramíneas e algas) - Calcificação = carbonato de cálcio ( algas ,pressão da água)
  • 39. Alterações da Parede Celular2) Modificaçõesa) Gomas = Solúveis em água - Proteção e sustentação – Usado como colab) Mucilagens = Insolúveis em água - Aumentar volume, e dar consistência
  • 40. Glicocálix (secretado pelo Complexo de golgi) ”Malha” feita de moléculas de glicídios (carboidratos) frouxamente entrelaçadas. Esta malha protege a célula como uma vestimentaFUNÇÕES:• Proteção contra agressões físicas e químicas do ambiente externo,• Uma malha de retenção de nutrientes e enzimas,• Confere às células a capacidade de se reconhecerem
  • 41. A Membrana Plasmática• É uma “capa” dupla que envolve e protege todo o interior da célula.• Permeabilidade Seletiva: capacidade de selecionar as substâncias que entram e saem da célula.ProteínasperiféricasProteínasintegrais
  • 42. Membrana Plasmática: Especializações de membrana
  • 43. ESPECIALIZAÇÕES DA MEMBRANA PLASMÁTICA SUPERFÍCIE APICAL DA CÉLULA 1- Microvilosidades 2- Cílios/Flagelos 3- Estereocílios SUPERFÍCIE BASO-LATERAL DA CÉLULA Junções célula-célula1-Junções celulares Junções célula-matriz extracelular
  • 44. MICROVILOSIDADES-Projeções cilíndricas do citoplasma,envolvidas por membrana que seprojetam da superfície apical da célula-São imóveis-Aumentam a área de superfície celular
  • 45. microvilosidades glicocálice MICROVILOSIDADE S
  • 46. Desmossomos ( filamentos de proteínas)• FUNÇÕES: – Coesão entre as células; – Pontos de aderência entre as células; – Intercâmbio de substâncias
  • 47. JUNÇÕES CELULARES ADESÃO DESMOSSOMOS Placas de adesão em forma de disco
  • 48. CÍLIOS E FLAGELOSCílios: Mais curtos e numerosos, são encontrados em protozoários, larvas aquáticas, revestimentos de vias respiratórias dos mamíferos.Flagelos: Mais longos e em menor número, são observados em protozoários, espermatozóides, anterozóides e algas
  • 49. CÍLIOS/FLAGELOS
  • 50. ESPECIALIZAÇÕES DA SUPERFÍCIE APICAL DA MEMBRANA CÍLIOS-Projeções cilíndricasMÓVEIS, semelhantes a pêlos-Função: propulsão de muco ede outras substâncias sobre asuperfície do epitélio, atravésde rápidas oscilações rítmicas eno caso dos flagelos funcionamna locomoção-Microtúbulos organizados (9 +2), inseridos no corpúsculobasal
  • 51. • Estrutura dos cílios e flagelosHASTECORPOBASAL RAIZ

×