Bibliografia geral

3,389 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,389
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
10
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Bibliografia geral

  1. 1. BIBLIOGRAFIA GERAL1. Publicações InstitucionaisBRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensinofundamental de 9 anos: orientações para a inclusão da criança de 6 anos deidade. Brasília, 2007.BRASIL. Ministério da Educação. SEESP. Acessibilidade arquitetônica. In:BRASIL. Ministério da Educação. Atendimento educacional especializado:deficiência física. Brasília, 2007. p. 105 -108.________. Inclusão escolar de alunos cegos e baixa visão. In. Atendimentoeducacional especializado: deficiência visual. Brasília, 2007. p. 13 -27.CARVALHO, Marília Pinto de. O Fracasso escolar de meninos e meninas:articulações entre gênero e cor/raça. In: PISCITELLI, Adriana et al. (Org.). Olharesfeministas. Brasília: Ministério da Educação; UNESCO, 2009. p. 307 - 339.SÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica.Caderno de orientações didáticas ler e escrever: tecnologias na educação.São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações curriculares: expectativas de aprendizagem paraeducação de jovens e adultos EJA. São Paulo, 2008. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações curriculares: expectativas de aprendizagem paraeducação étnico-racial. São Paulo, 2008. p. 106 - 131. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações curriculares: proposição de expectativas deaprendizagem - LIBRAS. São Paulo, 2008. p. 14 - 17. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações didáticas: alfabetização e letramento - EJA e MOVA.São Paulo, 2008. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Referencial de expectativas para o desenvolvimento dacompetência leitora e escritora no ciclo II do ensino fundamental. SãoPaulo, 2006. Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Referencial sobre avaliação da aprendizagem de alunos comnecessidades educacionais especiais. São Paulo, 2007. p. 28 - 33; p. 50 - 56.Disponível em: www.portaleducacao.prefeitura.sp.gov.br________. Referencial sobre avaliação da aprendizagem na área dadeficiência intelectual - RAADI. São Paulo, 2008. p. 10 - 34. Disponível em:
  2. 2. www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Toda força ao primeiro ano: contemplando as especificidades dosalunos surdos. São Paulo, 2007. p. 12 - 29. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped2. LegislaçãoLegislação Federal:Constituição da República Federativa do Brasil – promulgada em 5 de outubro de1988, Artigos 5°, 37 ao 41, 205 ao 214, 227 ao 229.Lei Federal n.° 8.069, de 13/07/90 - Dispõe sobre o Estatuto da Criança e doAdolescente, Artigos 53 a 59 e 136 a 137.Lei Federal n.° 9.394, de 20/12/96 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.Lei Federal nº 10.172, de 09/01/01 - Aprova o Plano Nacional de Educação.Lei Federal 10.436, de 24/04/02 - Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais -LIBRAS.Lei Federal nº 10.793, de 01/12/03 - Altera a redação do art. 26, § 3º, e do art. 92 da Lei 9.394/96,que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.Lei Federal nº 11.114, de 16/05/05 - Altera os artigos 6º, 30, 32 e 87 da Lei 9.394/96, com oobjetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade.Lei Federal nº 11.274, de 06/02/06 - Altera a redação dos artigos 29, 30, 32 e 87 da Lei nº9.394/96, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, dispondo sobre a duraçãode 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anosde idade.Lei Federal nº 11.645, de 10/03/08 - Altera a Lei 9.394/96, modificada pela Lei 10.639/03, queestabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, para incluir no currículo oficial da redede ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”.Lei Federal nº 11.494, de 20/06/07 que regulamenta o Fundo de Manutenção eDesenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais daEducação - FUNDEB.Resolução CNE/CEB nº 03/98 - Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio.Resolução CNE/CEB n° 03/99 - Fixa Diretrizes Nacionais para o funcionamento das EscolasIndígenas.Resolução CNE/CP nº 01/04 - Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação dasRelações Etnico - Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.Resolução CNE/CEB nº 04/06 - Altera o Artigo 10 da Resolução CNE/CEB nº 03/98.Resolução CNE/CEB nº 05/09 – Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para Ed. InfantilResolução CNE/CEB nº 03/10 – Define Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens eAdultos
  3. 3. Resolução CNE/CEB nº 04/10 – Define Diretrizes Gerais para Educação Básica Resolução CNE/CEB nº 07/10 – Define Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental3. Livros e artigos1. Gestão Escolara) Projeto pedagógicoPERRENOUD, Phillipe. Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. Porto Alegre: Artmed,2001. cap. 5.THURLER, Mônica Gather. Inovar no interior da escola. Porto Alegre: Artmed, 2001. cap. 2 e 4.b) Unidade Educacional como espaço de formação PERRENOUD, Philippe et al. (Orgs.).Formando professores profissionais: quais estratégias? Quais competências? Porto Alegre:Artmed, 2001. cap. 9.PIMENTA, Selma G.; GHEDIN, Evandro (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e críticade um conceito. São Paulo: Cortez, 2002. Parte I: cap.1 - 3.c) Processo de AvaliaçãoHADJI, Charles. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.HOFFMANN, Jussara. Avaliar: respeitar primeiro, educar depois. Porto Alegre: Mediação, 2008.OLIVEIRA, Romualdo. Avaliações externas podem auxiliar o trabalho pedagógico da escola? In:EDUCAÇÃO: fazer e aprender na cidade de São Paulo. São Paulo: Fundação Padre Anchieta,2008. Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedd) Educação e as Novas TecnologiasCOLL, Cesar; MONEREO, Carles. Psicologia da educação virtual. Porto Alegre: Artmed, 2010.cap. 1, 5.LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. cap. 1, 8 e 10.e) O cotidiano escolarCOELHO, Maria Inês de Matos; COSTA, Anna Edith Bellico (Org.). A Educação e a formaçãohumana: tensões e desafios na contemporaneidade. Porto Alegre: Artmed, 2009. cap. 1.2. Currículos e Programasa) Saberes e práticasFREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio deJaneiro: Paz e Terra, 2000.b) Desenvolvimento da competência leitoraCOLOMER, Teresa; CAMPS, Anna. Ensinar a ler, ensinar a compreender. Porto Alegre:Artmed, 2002. cap. 2 - 4.LERNER, Délia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre:Artmed, 2002.c) Concepção sobre os processos de desenvolvimento e aprendizagem
  4. 4. COLL, Cesar. Aprendizagem escolar e construção de conhecimento. PortoAlegre: Artmed, 1994. cap. 5 - 6.OLIVEIRA, Marta Kohl. Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento eaprendizagem. Revista Brasileira de Educação, n. 12, p. 59 - 73, 1999.d) Educação básicaFREITAS, Luiz Carlos de. Ciclos, seriação e avaliação: confronto de lógicas.São Paulo: Moderna, 2003.SCHEIBEL, Maria Fani; LEHENBAUER, Silvana. Saberes e singularidadesna educação de jovens e adultos. São Paulo: Mediação, 2008. cap. 1, 2, 4 e9.3. Educação e sociedadea) Sociedade educação e culturasALARCÃO, Isabel. Professores Reflexivos em uma Escola Reflexiva. SãoPaulo, Cortez, 2003 – (Coleção Questões da Nossa Época; 103).CONHECIMENTOS ESPECIFICOSCurrículos e programasa) Saberes e práticas voltados para o desenvolvimento de competênciasafetivas, sociais e culturais/Escola Currículo e diversidade/ Concepçãosobre os processos de desenvolvimento e aprendizagemBARBOSA, Maria Carmen S. Por amor e por força: rotinas na educaçãoinfantil. Porto Alegre: Artmed, 2006. cap. 7 - 9.CAMPS, Ana. Propostas didáticas para aprender a escrever. Porto Alegre:Artmed, 2006. cap. 1 - 3.FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo. Cortez, 2001.OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação infantil: fundamentos e métodos. SãoPaulo: Cortez, 2007. cap. 9.OSTETTO, Luciana E. (Org.). Educação infantil: saberes e fazeres daformação de professores. Campinas: Papirus, 2008. cap. 2 - 5.PARRA, Cecília. et al. Didática da matemática: reflexões psicopedagógicas.Porto Alegre: Artmed, 1996. cap. 5 - 7.SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed,1998.WEISZ, Telma. O Diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo:Ática, 2002.b) Organização dos conteúdos de aprendizagemSÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de OrientaçãoTécnica. Guia de planejamento do professor e orientações didáticas parao professor do 2°ano do ciclo l. São Paulo, 2007. v.1 - 2. Disponível em:
  5. 5. www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. As Mídias no universo infantil: um diálogo possível. São Paulo,2008. Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações curriculares: proposição de expectativas deaprendizagem do ensino fundamental; ciclo I. São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped_________. Orientações curriculares: proposição de expectativas deaprendizagem do ensino fundamental; ciclo II. (Matemática, LínguaPortuguesa, História, Geografia, Ciências, Artes, Inglês e Educação Física).São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped8________. Orientações curriculares: proposições de expectativas deaprendizagens e orientações didáticas para a educação infantil. São Paulo,2007. Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações curriculares: proposições de expectativas deaprendizagem língua portuguesa para pessoa surda. São Paulo, 2008. p. 14 -6. Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Projeto intensivo no ciclo I: material do professor. São Paulo,2006. v. 1 - 3. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Projeto toda força ao primeiro ano: guia para o planejamento doprofessor alfabetizador; orientações para o planejamento e avaliação dotrabalho com o 1° ano do ensino fundamental. São Paulo, 2006. v. 1 - 3.Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. A Rede em rede a formação continuada na educação infantil:fase 1. São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Tempos e espaços para a infância e suas linguagens nos CEIs,creches e EMEIs da cidade de São Paulo. São Paulo, 2006. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedANEXO II – PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIASObservação: Considerar-se-á a legislação vigente até 31/12/2010.TEMÁRIO1. Gestão Escolar para o sucesso do ensino e da aprendizagem1.1 A construção coletiva do projeto pedagógico da unidade educacional - as
  6. 6. demandas sociais e da comunidade educativa; a diversidade como princípiopara a formação de valores democráticos; educar e cuidar como dimensõesindissociáveis de toda ação educacional; o papel da UE como promotora deaproximações sucessivas dos alunos aos conhecimentos relevantes esignificativos para as aprendizagens e desenvolvimento das crianças, jovens eadultos - como fator de aperfeiçoamento da prática docente e da gestãoescolar.1.2 A unidade educacional como espaço de formação continuada e deaperfeiçoamento profissional voltado para a qualificação da ação docente;1.3 O processo de avaliação do desenvolvimento e do desempenho escolar comoinstrumento de análise, acompanhamento, intervenção e reorientação da açãopedagógica: os avanços da aprendizagem dos alunos, inclusive os queapresentam necessidades educacionais especiais, e o desenvolvimento da UEenquanto comunidade de aprendizagem;1.4 A Educação e as Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação;1.5 O cotidiano escolar para a educação de hoje: a construção de valores de umavida cidadã que possibilita aprender e socializar saberes, desenvolver atitudescooperativas, solidárias e responsáveis.2. Currículos e Programas2.1 Saberes e práticas voltados para o desenvolvimento de competênciascognitivas, afetivas, sociais e culturais;2.2 O desenvolvimento da competência leitora e os saberes escolares dasdiversas áreas de conhecimento;2.3 Concepção sobre os processos de desenvolvimento e aprendizagem;2.4 Organização dos conteúdos de aprendizagem;2.5 A Escola, o Currículo e a Diversidade;2.6 Educação básica: articulação e desenvolvimento curricular.3. Educação e Sociedade3.1 Sociedade, Educação e Culturas;3.2 Cidadania no mundo globalizado.CONHECIMENTOS GERAIS PARA TODAS AS DISCIPLINAS1. Publicações InstitucionaisBRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensino fundamentalde 9 anos: orientações para a inclusão da criança de 6 anos de idade. Brasília, 2007.BRASIL. Ministério da Educação. SEESP. Acessibilidade arquitetônica. In: BRASIL.Ministério da Educação. Atendimento educacional especializado: deficiência física.Brasília, 2007. p. 105 -108.
  7. 7. ________. Inclusão escolar de alunos cegos e baixa visão. In________.Atendimento educacional especializado: deficiência visual. Brasília, 2007. p. 13 -27.CARVALHO, Marília Pinto de. O Fracasso escolar de meninos e meninas:articulações entre gênero e cor/raça. In: PISCITELLI, Adriana et al. (Org.). Olharesfeministas. Brasília: Ministério da Educação; UNESCO, 2009. p. 307 - 339.SÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica.Caderno de orientações didáticas ler e escrever: tecnologias na educação. SãoPaulo, 2007. Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações curriculares: expectativas de aprendizagem para educação dejovens e adultos EJA. São Paulo, 2008. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações curriculares: expectativas de aprendizagem para educaçãoétnico-racial. São Paulo, 2008. p. 106 – 131. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações curriculares: proposição de expectativas de aprendizagem –LIBRAS. São Paulo, 2008. p. 14 – 17. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações didáticas: alfabetização e letramento – EJA e MOVA. SãoPaulo, 2008. Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Referencial de expectativas para o desenvolvimento da competêncialeitora e escritora no ciclo II do ensino fundamental. São Paulo, 2006. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Referencial sobre avaliação da aprendizagem de alunos comnecessidades educacionais especiais. São Paulo, 2007. p. 28 – 33; p. 50 – 56.Disponível em: www.portaleducacao.prefeitura.sp.gov.br________. Referencial sobre avaliação da aprendizagem na área da deficiênciaintelectual – RAADI. São Paulo, 2008. p. 10 – 34. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Toda força ao primeiro ano: contemplando as especificidades dos alunossurdos. São Paulo, 2007. p. 12 – 29. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped2. LegislaçãoLegislação Federal:Constituição da República Federativa do Brasil – promulgada em 5 de outubro de 1988,Artigos 5°, 37 ao 41, 205 ao 214, 227 ao 229.Lei Federal n.° 8.069, de 13/07/90 – Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do
  8. 8. Adolescente, Artigos 53 a 59 e 136 a 137.Lei Federal n.° 9.394, de 20/12/96 – Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.Lei Federal nº 10.172, de 09/01/01 – Aprova o Plano Nacional de Educação.Lei Federal 10.436, de 24/04/02 – Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS.Lei Federal nº 10.793, de 01/12/03 – Altera a redação do art. 26, § 3º, e do art. 92 da Lei9.394/96, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.Lei Federal nº 11.114, de 16/05/05 – Altera os artigos 6º, 30, 32 e 87 da Lei 9.394/96, com oobjetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade.Lei Federal nº 11.274, de 06/02/06 – Altera a redação dos artigos 29, 30, 32 e 87 da Leinº 9.394/96, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, dispondosobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatóriaa partir dos 6 (seis) anos de idade.Lei Federal nº 11.645, de 10/03/08 – Altera a Lei 9.394/96, modificada pela Lei10.639/03, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, para incluir nocurrículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”.Lei Federal nº 11.494, de 20/06/07 que regulamenta o Fundo de Manutenção eDesenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação –FUNDEB.Resolução CNE/CEB nº 03/98 – Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio.Resolução CNE/CEB n° 03/99 – Fixa Diretrizes Nacionais para o funcionamento das EscolasIndígenas.Resolução CNE/CP nº 01/04 – Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para aEducação das Relações _ésar_ – Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.Resolução CNE/CEB nº 04/06 – Altera o Artigo 10 da Resolução CNE/CEB nº 03/98.Resolução CNE/CEB nº 05/09 – Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para Ed. InfantilResolução CNE/CEB nº 03/10 – Define Diretrizes Operacionais para a Educação deJovens e AdultosResolução CNE/CEB nº 04/10 – Define Diretrizes Gerais para Educação BásicaResolução CNE/CEB nº 07/10 – Define Diretrizes Curriculares Nacionais do EnsinoFundamentalLegislação Municipal:Lei Orgânica do Município de São Paulo – Título VI, Capítulo 1, artigos 200 a 211.Lei nº 14.660, de 26/12/07 – Dispõe sobre as alterações das Leis nº 11.229/92, nº11.434/93 e legislação _ésar_üente, reorganiza os Quadros dos Profissionais deEducação, com as respectivas carreiras, criado pela Lei nº 11.434/93, e consolida o
  9. 9. Estatuto dos Profissionais de Educação Municipal.Lei 13.304/02 – Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS.Decreto Municipal nº 45.415, de 18/10/04 – Estabelece Diretrizes para a Política deAtendimento às Crianças, Adolescentes, Jovens e Adultos com NecessidadesEducacionais Especiais no Sistema Municipal de Ensino.Decreto Municipal nº 51.778 - Institui a política de atendimento de educação Especial ,por meio do Programa INCLUI, no âmbito da Secretaria Municipal de Educação.Deliberação CME nº 03/06 – Dispõe sobre o Ensino Fundamental de nove anos noSistema Municipal de Ensino de São Paulo.Indicação CME nº 07/06 – Ensino Fundamental de 9 (nove) anos.Observação:Na legislação indicada, devem ser incorporadas as alterações supervenientes.3. Livros e artigos1. Gestão Escolara) Projeto pedagógicoPERRENOUD, Phillipe. Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. Porto Alegre: Artmed,2001. cap. 5.THURLER, Mônica Gather. Inovar no interior da escola. Porto Alegre: Artmed, 2001. cap. 2e 4.b) Unidade Educacional como espaço de formaçãoPERRENOUD, Philippe et al. (Orgs.). Formando professores profissionais: quaisestratégias? Quais competências? Porto Alegre: Artmed, 2001. cap. 9.PIMENTA, Selma G.; GHEDIN, Evandro (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese ecrítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002. Parte I: cap. 1 – 3.c) Processo de AvaliaçãoHADJI, Charles. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.HOFFMANN, Jussara. Avaliar: respeitar primeiro, educar depois. Porto Alegre: Mediação,2008.OLIVEIRA, Romualdo. Avaliações externas podem auxiliar o trabalho pedagógico da escola?In: EDUCAÇÃO: fazer e aprender na cidade de São Paulo. São Paulo: Fundação PadreAnchieta, 2008. Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedd) Educação e as Novas TecnologiasCOLL, Cesar; MONEREO, Carles. Psicologia da educação virtual. Porto Alegre: Artmed,2010. cap. 1, 5.LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. cap. 1, 8 e 10.e) O cotidiano escolarCOELHO, Maria Inês de Matos; COSTA, Anna Edith Bellico (Org.). A Educação e a
  10. 10. formação humana: tensões e desafios na contemporaneidade. Porto Alegre: Artmed, 2009.cap. 1.2. Currículos e Programasa) Saberes e práticasFREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio deJaneiro: Paz e Terra, 2000.b) Desenvolvimento da competência leitoraCOLOMER, Teresa; CAMPS, Anna. Ensinar a ler, ensinar a compreender. Porto Alegre:Artmed, 2002. cap. 2 – 4.LERNER, _ésar. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre:Artmed, 2002.c) Concepção sobre os processos de desenvolvimento e aprendizagemCOLL, _ésar. Aprendizagem escolar e construção de conhecimento. Porto Alegre:Artmed, 1994. cap. 5 – 6.OLIVEIRA, Marta Kohl. Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem.Revista Brasileira de Educação, n. 12, p. 59 – 73, 1999.d) Educação básicaFREITAS, Luiz Carlos de. Ciclos, seriação e avaliação: confronto de lógicas. São Paulo:Moderna, 2003.3. Educação e sociedadea) Sociedade educação e culturasALARCÃO, Isabel. Professores Reflexivos em uma Escola Reflexiva. São Paulo,Cortez, 2003 – (Coleção Questões da Nossa Época; 103).CONHECIMENTOS ESPECIFICOSPROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO – ARTESa) Educação Básica: articulação e desenvolvimento curricular/A Escola o currículo e adiversidadeBARBOSA, Ana M. A Imagem no ensino da arte: anos 80 e novos tempos. 6. ed. São Paulo:Perspectiva, 2008._______. Tópicos utópicos. 3.ed. Belo Horizonte: C/Arte, 2007.FONTERRADA, Marisa Trench de Oliveira. De tramas e fios: um ensaio sobre música eeducação. São Paulo: Editora da UNESP, 2008.HERNÁNDEZ, F. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre:Artmed, 2000. cap. 2, 3, 4 e 8.MARQUES, Isabel A. Linguagem da dança: arte e ensino. São Paulo: Editora Digitexto,2010.OTT, R. W. Ensinando crítica nos museus. In: BARBOSA, A. M. (Org.). Arte-educação: leitura
  11. 11. no subsolo. São Paulo: Cortez, 1997. p. 111 – 139.PILLAR, Analice D. (Org.). A Educação do olhar no ensino das artes. Porto Alegre:Mediação, 2001. cap. 1, 2, 7.b) Organização dos conteúdos de aprendizagem/ O desenvolvimento da competêncialeitora e os saberes escolares das áreas de conhecimentoSÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Caderno deorientação didática: referencial de expectativas para o desenvolvimento da competêncialeitora e escritora no ciclo II do Ensino Fundamental da área de Artes. São Paulo, 2007.Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem parao Ensino Fundamental II: artes. São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedPROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO – CIÊNCIASCurrículo e Programasa) Educação Básica: articulação e desenvolvimento curricular/A Escola o currículo e adiversidadeHELLMAN, H. Grandes debates da Ciência. São Paulo: Ed. UNESP, 1999.MENEZES, Luis C. A Matéria: uma aventura do espírito; física conceitual. São Paulo: EditoraLivraria da Física, 2005.b) Saberes e práticas voltados para o desenvolvimento de competências cognitivas,afetivas, sociais e culturaisBASTOS, F. Construtivismo: ensino de ciências. In: NARDI, R. (Org.). Questões atuais noensino de ciências. São Paulo: Escrituras, 2005.CACHAPUZ, Antonio. A Necessária renovação do ensino de Ciências. São Paulo: Cortez,2005. cap. 1.CAMPOS, Maria Cristina C.; NIGRO, R. G. Didática das Ciências: o ensino-aprendizagemcomo investigação. São Paulo: FTD, 1999. Conteúdo e metodologia.NARDI, R. (Org.). Questões atuais no ensino de ciências. São Paulo: Escrituras, 2005.c) Organização dos conteúdos de aprendizagem/ O desenvolvimento da competêncialeitora e os saberes escolaresCARVALHO, Isabel C. de M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. SãoPaulo: Cortez, 2004. 1ª Parte – cap. I e III; 2ª Parte- cap. III, IV e V.SÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica.Caderno de orientação didática: referencial de expectativas para o desenvolvimento dacompetência leitora e escritora no ciclo II do Ensino Fundamental da área de CiênciasNaturais. São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped
  12. 12. ________. Cadernos de orientações didáticas para EJA: ciências. São Paulo, 2010.Disponível em: www.portaleducacao.prefeitura.sp.gov.br________. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem parao ensino fundamental II: ciências naturais. São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedPROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO – EDUCAÇÃO FÍSICACurrículos e Programasa) Educação Básica: articulação e desenvolvimento curricular/A Escola o currículo e adiversidadeBRACHT, V. A constituição das teorias pedagógicas da educação física. Cadernos Cedes, n19, p. 69 -88, 1999.FONTANA, R.C. O corpo aprendiz. In: CARVALHO, Y. e RUBIO, K. (Orgs.). Educação físicae ciências humanas. São Paulo: Hucitec, 2001.LIMA, M. E. e NEIRA, M. G. O currículo da educação física como espaço de participaçãocoletiva e reconhecimento da cultura corporal da comunidade. Revista Iberoamericana deEducación, Madrid, v. 51, n. 5, p. 01-10, 2010.LIPPI, B. G.; SOUZA, D. A. e NEIRA, M. G. Mídia e futebol: contribuições para a construçãode uma pedagogia crítica. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 30, n. 1,p. 91-106, 2008. Disponível em: www.rbceonline.org.br/revistaNEIRA, M. G. e NUNES, M.L.F. Pedagogia da cultura corporal: crítica e alternativas. SãoPaulo: Phorte, 2006. cap. 3 – 5.________. Educação física, currículo e cultura. Phorte: São Paulo, 2009.SÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Caderno deorientação didática: referencial de expectativas para o desenvolvimento da competêncialeitora e escritora no ciclo II do Ensino Fundamental da área de Educação Física. São Paulo,2007. Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem parao ensino fundamental II: educação física. São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedSOUSA, E. S.; ALTMAN, H. Meninos e meninas: expectativas corporais e implicações na EFescolar. Cadernos Cedes, v.19, n. 48, p.52-68, 1999.PROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO – ESPANHOLBRASIL, Ministério da Educação. Orientações curriculares para o Ensino Médio:linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Secretaria da Educação Básica, 2006.Disponível em portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf_______. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio: linguagens, códigos esuas tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 2000. Disponível em
  13. 13. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/14_24.pdfGASPARINI, P. El etnotipo latinoamericano en los textos de ELE: análisis de dos casos”.SIGNOS ELE, 2009. Disponível emhttp://www.salvador.edu.ar/sitio/signosele/articulo.asp?id=18#comenGOETTENAUER, E. Espanhol: língua de encontros. In: SEDYCIAS, João (org.). Oensino do espanhol no Brasil: passado, presente, futuro. São Paulo: ParábolaEditorial, 2005. p. 61-70.GONZÁLEZ, N. M. Portugués brasileño y español: lenguas inversamente asimétricas.In CELADA, M. T.; GONZÁLEZ, N. M. (coord. Dossier). Gestos trazan distincionesentre la lengua española y el portugués brasileño, SIGNOS ELE, 2008. Disponível em:http://www.salvador.edu.ar/sitio/signosele/articuloanterior.asp?id=6MATTE BON, F. (1995). Gramática comunicativa del español. 2ª ed. Madri: Edelsa,1995. T. I e II.RICHARDS, J. C.; RODGERS, T. S. Enfoques y métodos en la enseñanza de lenguas.Cambridge: Cambridge University Press, 2003.PROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO – GEOGRAFIAa) Educação Básica: articulação e desenvolvimento curricular/A Escola o currículo e adiversidadeAB’SABER, Aziz. Os Domínios da natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. SãoPaulo: Ateliê Editorial, 2007. cap.1.CASTRO, I. E. de; GOMES, P. C. da C.; CORRÊA, R. L.(Orgs.). Geografia: conceitos etemas. Rio de Janeiro, 2006. Parte I – p. 15 – 47; 77 – 116; Parte II – p. 271 – 307.CASTROGIOVANNI, A. Carlos, Helena C., KAERCHER, Nestor André. Ensino deGeografia: práticas e textualizações no cotidiano. 7. ed. Porto Alegre: Mediação, 2009.DURAND, Marie-Françoise, COPINSCHI, Philippe, MARTIN, Benoit e PLACIDI, Delphine.Atlas da mundialização. São Paulo: Saraiva, 2009CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. 4. ed.Campinas: Papirus, 2003. cap.1- 3.HAESBAERT, Rogério. Territórios alternativos. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2006. p. 101 – 158.JOLY, F. A Cartografia. 10. ed. Campinas: Papirus, 2007.ROSS, Jurandyr L. Sanches (Org.) Geografia do Brasil. 5. ed. São Paulo: EDUSP, 2005.cap.2, 3, 6, 7 e 8. Dados atualizados.SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal.Rio de Janeiro: Record, 2001.b) Organização dos conteúdos de aprendizagem/ O desenvolvimento dacompetência leitora e os saberes escolares das áreas de conhecimentoSÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica.
  14. 14. Caderno de orientação didática: referencial de expectativas para o desenvolvimentoda competência leitora e escritora no ciclo II do Ensino Fundamental da área deGeografia. São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Cadernos de Orientações Didáticas para EJA: Geografia. São Paulo, 2010.Disponível em: www.portaleducacao.prefeitura.sp.gov.br________. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagempara o Ensino Fundamental II: Geografia. São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedPROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO – HISTÓRIACurrículos e Programasa) Educação Básica: articulação e desenvolvimento curricular/A Escola o currículo e adiversidadeABUD, Kátia Maria. Ensino de história. São Paulo. Cengage Learning. 2010. (Coleção idéiasem Ação).BITTENCOURT, Circe. Ensino de história: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime segregação e cidadania em SãoPaulo. São Paulo: Editora 34; EDUSP. 2000. cap. 6 : São Paulo: três padrões de segregaçãoespacialCHESNEAUX, Jean. Devemos fazer tabula rasa do passado? São Paulo: Ática, 1995.FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: EDUSP, 2007.HERNANDEZ, Leila Leite. A África na sala de aula: visita à história contemporânea. SãoPaulo: Selo Negro, 2005.HOBSBAWM, Eric.A Era dos Extremos: o breve século XX. São Paulo: Companhia dasLetras, 1995.PORTA, Paula (Org.) História da cidade de São Paulo. São Paulo: Paz e Terra, 2004. cap.5: O migrante brasileiro na São Paulo estrangeiro.b) Organização dos conteúdos de aprendizagem/ O desenvolvimento da competêncialeitora e os saberes escolares das áreas de conhecimento.SÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Caderno deorientação didática: referencial de expectativas para o desenvolvimento da competêncialeitora e escritora no ciclo II do Ensino Fundamental da área de História. São Paulo, 2007.Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped11________. Cadernos de orientações didáticas para EJA: história. São Paulo, 2010.Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para
  15. 15. o ensino fundamental II: ciclo II, História. São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedPROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO – INGLÊSa) Concepção de língua – os processos de desenvolvimento e aprendizagemBRAIT, Beth (org). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005.BARBARA, Leila; RAMOS, Rosinda de C. G. (Orgs.). Reflexão e ações noensinoaprendizagemde línguas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003.GRADDOL, D. English Next. UK: British Council, 2006. Acesso online:http://www.britishcouncil.org/learning-research-englishnext.htmSCHENEUWLY, B. ; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercadode Letras, 2004. cap. 1 – 4.b)Organização dos conteúdos de aprendizagem/ O desenvolvimento da competêncialeitora e os saberes escolaresSÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Caderno deorientação didática: referencial de expectativas para o desenvolvimento da competêncialeitora e escritora no ciclo II do Ensino Fundamental da área de Inglês. São Paulo, 2007.Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Cadernos de orientações didáticas para EJA: Inglês. São Paulo, 2010.Disponível em: www.portaleducacao.prefeitura.sp.gov.br________. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem parao ensino fundamental II: inglês. São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedPROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO - MATEMÁTICACurrículos e Programasa) Educação Básica: articulação e desenvolvimento curricularCARVALHO, João Bosco P. de. As Propostas curriculares de matemática. In: BARRETTO,Elba S. de Sá. (Org.) Os Currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras.2.ed. Campinas, SP: Autores Associados, Fundação Carlos Chagas, 1998. p. 91 - 126.b) Saberes e práticas voltados para o desenvolvimento do conhecimento matemáticoBARNETT, J.C., SOWDER, L., VOS, K. E. In : KRULIK, Stephen; REYS, Robert E. (Orgs.). AResolução de problemas na matemática escolar. São Paulo: Atual, 1997. p. 131 – 147.BRANCA, N. A. Resolução de problemas como meta, processo e habilidade básica. In:KRULIK, Stephen; REYS, Robert E. (Orgs.). A Resolução de problemas na matemáticaescolar. São Paulo: Atual, 1997. p. 4 - 12.DEGUIRE, L.J. Polya visita a sala de aula. In: KRULIK, Stephen; REYS, Robert E. (Orgs.). AResolução de problemas na matemática escolar. São Paulo: Atual, 1997. p. 99 – 113.
  16. 16. DINIZ, Maria Ignez de S.V; SMOLE, Kátia Cristina S. O Conceito de ângulo no ensino degeometria. São Paulo: IME, s.d.FRANCHI, A. Considerações sobre a teoria dos campos conceituais. In: MACHADO, Silvia D.A. et al. Educação matemática: uma introdução. São Paulo: Educ, 1999. p.155-195.IFRAH, Georges. Os Números: a história de uma grande invenção. São Paulo: Globo, 1989.p. 9 – 78.PARRA, Cecília; SAIZ, Irma, (Orgs.). Didática da matemática: reflexões psicopedagógicas.Porto Alegre: Artmed, 2001. cap. 4 – 7.SMOLE, Kátia Cristina S., DINIZ, M.I. Ler, escrever e resolver problemas. Habilidadesbásicas para aprender matemática. Porto Alegre, Artmed. 2001.SOUZA, Eliane Reame de; DINIZ, Maria Ignez de S.V. Álgebra: das variáveis às equações efunções. São Paulo: IME, s.d.ZUNINO, Delia Lerner de. A Matemática na escola: aqui e agora. 2. ed. Porto Alegre:Artmed, 2002. cap. 3 – 4.SÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Caderno deorientação didática: referencial de expectativas para o desenvolvimento da competência leitorae escritora no ciclo II do ensino fundamental da área de matemática. São Paulo: SME/DOT,2007. Disponível em: www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedSÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Orientaçõescurriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para o ensino fundamental II:Matemática. São Paulo: SME/DOT, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedSÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Cadernosde Orientações Didáticas para EJA: Matemática. São Paulo: SME/DOT, 2010. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedPROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO – PORTUGUÊSCurrículos e Programasa) Concepção de língua - os processos de desenvolvimento e aprendizagemBAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261 -306.BASSO, Renato; ILARI, Rodolfo. O Português da gente: a língua que estudamos a línguaque falamos. São Paulo: Contexto, 2006.BEZERRA, Maria Auxiliadora; DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO. Anna Rachel. Gênerostextuais e ensino. 5.ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.b) Saberes e práticas voltados para o desenvolvimento de competências linguísticas.GERALDI, J. Wanderley (Org.). O Texto na sala de aula. 4.ed. São Paulo: Ática, 2006.KOCK, Ingedore V.; ELIAS, Vanda Maria. Ler e compreender os sentidos do texto. São
  17. 17. Paulo: Contexto, 2006.MARCUSCHI, Luiz Antônio: Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 8.ed. SãoPaulo: Cortez, 2007.________. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola,2008. p. 48 - 225.c) Organização dos conteúdos de aprendizagem - O desenvolvimento da competêncialeitora.SÃO PAULO (Cidade). Secretaria de Educação. Diretoria de Orientação Técnica.Caderno de orientação didática: referencial de expectativas para o desenvolvimento dacompetência leitora e escritora no ciclo II do ensino fundamental da área de línguaportuguesa. São Paulo: SME/DOT, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped________. Cadernos de Orientações Didáticas para EJA: Alfabetização e LínguaPortuguesa. São Paulo, 2010. Disponível em: www.portaleducacao.prefeitura.sp.gov.br________. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem parao ensino fundamental II - língua portuguesa. São Paulo, 2007. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/biblipedESPECIALISTA EM INFORMAÇÕES TÉCNICAS, CULTURAIS E DESPORTIVAS I –EDUCAÇÃO FÍSICA, ESPORTESCompete ao Especialista em Informações Técnicas, Culturais e Desportivas I –Educação Física, Esportes do Núcleo de Esporte e Lazer do CEU, dentre outras funçõesque a ele forem atribuídas pelo Coordenador do Núcleo de Esporte e Lazer:I - Conhecer as políticas públicas de educação, esporte e lazer definidas pela SecretariaMunicipal de Educação para o Município de São Paulo;II - Assistir ao Coordenador do Núcleo de Esporte e Lazer e assessorá-lo em suasfunções;III - Planejar, executar, implementar, ensinar, treinar e avaliar os programas, planos,projetos de Esporte, Lazer a partir das políticas públicas definidas voltadas à promoçãode atividades físicas, esportivas e de lazer para crianças, adolescentes, adultos eterceira idade;IV - Participar de projetos pedagógicos das Unidades Escolares do CEU;V - Executar treinamentos especializados em modalidades esportivas e de lazer para ospúblicos interno e externo;VI - Participar de equipes interdisciplinares com os demais Núcleos de Ação, UnidadesEducacionais, Unidades Especiais e Equipamentos e Espaços do CEU;CONHECIMENTOS GERAIS1. Publicações Institucionais
  18. 18. BRASIL. Ministério do Esporte. Política de esporte para a e juventude brasileira: subsídiose proposta inicial para debate. Brasília, 2007. Disponível em:http://www.cemj.org.br/nossosProjetos_Publicacoes.aspFREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio deJaneiro: Paz e Terra, 2000.PERRENOUD, Phillipe. Escola e cidadania. Porto Alegre: Artmed, 2005, cap. 1 - 4.SÃO PAULO (Cidade). Secretaria de educação. Educação: fazer e aprender na cidade deSão Paulo. São Paulo: Fundação Padre Anchieta, 2008. Disponível em:www.portalsme.prefeitura.sp.gov.br/projetos/bibliped2. LegislaçãoLegislação Federal:Lei Federal n.° 8.069, de 13/07/90 - Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente,Artigos 53 a 59 e 136 a 137.Lei Federal n.° 9.394, de 20/12/96 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.Legislação Municipal:Lei nº 14.660, de 26/12/07 - Dispõe sobre as alterações das Leis nº 11.229/92, nº 11.434/93 elegislação subsequente, reorganiza os Quadros dos Profissionais de Educação, com asrespectivas carreiras, criado pela Lei nº 11.434/93, e consolida o Estatuto dos Profissionais deEducação Municipal.Portaria 4.672/06 – Regimento Padrão. Aprova o Regimento Padrão nos CentrosEducacionais Unificados - CEUsPORTARIA 5555/10 - SME - Dispõe sobre a organização das Unidades de EducaçãoInfantil, de Ensino Fundamental, de Ensino Fundamental e Médio e dos CentrosEducacionais Unificados da Rede Municipal de Ensino, e dá outras providências. Artigos31 a 33.Livros e artigosDELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir relatório para a UNESCO da ComissãoInternacional. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1999. cap. 4.CONHECIMENTOS ESPECÍFICOSBROTTO, F. O. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício deconvivência. Santos: Projeto Cooperação, 2001. cap. IV - V.CIDADE, R. E. A.; FREITAS, P. S. Introdução à educação física adaptada parapessoas com deficiência. Curitiba, Paraná: UFPR, 2009.DIEHL,R. M. Jogando com as diferenças: jogos para crianças e jovens comdeficiências. 2. ed. São Paulo: Phorte, 2008.HEYWARD, V. H. Avaliação física e prescrição de exercício: técnicas avançadas. 4.ed. Porto Alegre: Artmed. s.d.
  19. 19. MANSOLDO, A. C. Técnica e iniciação aos quatro nados. 2. ed. São Paulo: Ícone, 2009.MARCO, A. (Org.). Educação física: cultura e sociedade. 3. ed. Campinas, SP: Papirus,2006. cap. 2.MARINHO, V. Esporte pode tudo: o questões da nossa época. São Paulo: Cortez,2010.MOREIRA, W. W. (Org.). Século XXI: a era do corpo ativo. Campinas, SP: Papirus,2006. cap. 2.NEIRA, M. G.; NUNES, M. L. F. Educação física, currículo e cultura. São Paulo:Phorte, 2009. cap. 5.ROCHE, F. P. Gestão desportiva: planejamento estratégico nas organizaçõesdesportivas. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.ROSA NETO, Francisco. Manual de avaliação motora para a terceira idade. PortoAlegre: Artmed, 2009.ROSE Jr, D. et al. Esporte e atividade física na infância e na adolescência: umaabordagem multidisciplinar. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.RUBIO, K. Educação olímpica e responsabilidade social. Campinas, SP: Casa doPsicólogo, 2007.SILVA, T. A. C.; GONÇALVES, K. G. F. Manual de lazer e recreação: o mundo lúdicoao alcance de todos. São Paulo: Phorte, 2010.WORLD HEALTH ORGANIZATION. Envelhecimento ativo: uma política de saúde.Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. Disponível em:http://prosaude.org/publicacoes/diversos/envelhecimento_ativo.pdf

×