Educação e Mídias nas diversas áreas so conhecimento

1,609 views
1,458 views

Published on

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,609
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
15
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Educação e Mídias nas diversas áreas so conhecimento

  1. 1. PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM TECNOLOGIA EDUCACIONAL (PROINFO INTEGRADO) CURSO: INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO DIGITAL EDUCAÇÃO E MÍDIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DO CONHECIMENTO SÃO BENTO DO UNA, OUTUBRO DE 2010
  2. 2. CURSISTAS: AMANDA EMÍLIA DOS SANTOS ANDRADE MARIA ANDREA DE ANDRADE FÉLIX MARIA APARECIDA DOS SANTOS ANDRADE MARIA VALDENES DOS SANTOS VALENÇA O USO DE MÍDIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO: “IMAGENS E APRENDIZAGENS” Projeto apresentado às professoras Célia Regiane de Vasconcelos Costa e Niedja Moraes Rocha do Curso: Introdução à Educação Digital - PROINFO . SÃO BENTO DO UNA, OUTUBRO DE 2010
  3. 3. PROJETO: EDUCAÇÃO E MÍDIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DO CONHECIMENTO TEMA: O USO DE MÍDIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO “IMAGENS E APRENDIZAGEM”.
  4. 4. PROBLEMATIZAÇÃO: FAZER O REGISTRO DAS ATIVIDADES REALIZADAS EM SALA DE AULA ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS, VISANDO MELHORAR O INTERESSE DOS ESTUDANTES PELAS AULAS MINISTRADAS, BEM COMO A UTILIZAÇÃO DAS IMAGENS PARA DIVERSAS ATIVIDADES COMO POR EXEMPLO: PRODUÇÃO TEXTUAL.
  5. 5. APRESENTAÇÃO Quando inventada, a fotografia passou a ser considerada uma verdadeira revolução das artes, pois com ela o homem teria a mais fiel reprodução do mundo que o cerca. No entanto, com o passar do tempo, a idéia de que as fotos somente registram o real perderam espaço para uma compreensão mais artística desse novo feito. Mesmo tendo caráter instantâneo mediante uma situação vivida, a fotografia não deixa de ter uma leitura própria do mundo. O fotógrafo, ao utilizar suas lentes, não coloca em uso a simples funcionalidade de um instrumento automático. Cada vez que clica (e eterniza) uma determinada situação, o fotógrafo realiza uma série de escolhas que influem diretamente sobre a maneira que podemos compreender a situação enquadrada pelas lentes. A mais importante dessas decisões envolve o próprio ato de fotografar. Ao escolher um determinado cenário, o fotógrafo não se lança a uma série de cliques indiscriminados. É importante ressaltar que o registro envolve uma escolha. Por isso, ao analisar uma foto em sala é importante que o professor saliente o maior número de dados possíveis sobre quando e onde o fotógrafo decidiu tomar uma foto. O Projeto apresentado busca desenvolver as capacidades dos estudantes da Escola Manoel José do Nascimento, onde mostrará uma análise geral da importância do pensarmos a mediação como possibilidade de estabelecer essa relação de formação entre as novas tecnologias e os conteúdos vivenciados em sala de aula, servindo como ponte para novos conhecimentos e habilidades. Sobre a fotografia como campo próprio de expressão compreendemos que o estudante deve perceber a fotografia não como resultado de um meio (aparelho), mas como um recorte, uma seleção, uma construção intencional, como quando Kossoy (2.000) afirma que “O dado do real registrado fotograficamente, corresponde a um produto documental elaborado, cultural, técnica e esteticamente, portanto ideologicamente: registro/ criação.” O fotografo não é, então, um mero operador da câmera fotográfica, mas alguém que interpreta e registra uma dada realidade de acordo com seus referenciais. As imagens fotográficas que são apresentadas
  6. 6. pelos meios de comunicação são (ou podem ser) registros do mundo, que por sua vez nunca é neutro, mas mediado, editado eternamente pela comunicação, principalmente pela mídia (BACCEGA, 2004). Essa elaboração fotográfica é sistema simbólico, como diz Gombrich (apud ZANIRATO, no prelo), que ao mesmo tempo em que permite a representação, oferece possibilidades de leitura que variam em função da história e da cultura de cada um. Ainda segundo Gombrich (apud ZANIRATO, no prelo), a imagem visual não é uma simples representação da realidade e sim um sistema simbólico, desvendado pelo indivíduo que, em função de sua cultura e de sua história pessoal, incorporou modos de representação e potencialidades de leitura que lhe são próprios.
  7. 7. SUMÁRIO Apresentação JUSTIFICATIVA-------------------------------------------------- 08 CONTEÚDOS E DISCIPLINAS------------------------------ 09 PÚBLISO ALVO-------------------------------------------------- 10 OBJETIVO GERAL----------------------------------------------11 OBJETIVOS ESPECÍFICOS----------------------------------11 CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES-------------------------12 MATERIAIS E MÉTODOS-------------------------------------13 ORÇAMENTO---------------------------------------------------- 14 AVALIAÇÃO-------------------------------------------------------15 BIBLIOGRAFIA---------------------------------------------------16 ANEXOS
  8. 8. JUSTIFICATIVA Promover ações efetivas e práticas que envolvam os alunos para uma formação intelectual, social e ética mostrando-lhes novas possibilidades de aprendizagem. E acima de tudo, oportunizar aos estudantes do espaço rural do Povoado Queimada Grande, que não tem condições, ou meios, uma chance de despertar para as maravilhas da tecnologia. O uso de fotografias em sala de aula constitui uma das mais instigantes experiências reflexivas hoje. Para isso, é necessário que o professor tenha o interesse de discutir junto aos seus estudantes a função histórica que a fotografia possui na compreensão da realidade.
  9. 9. CONTEÚDOS E DISCIPLINAS O presente projeto envolverá todas as disciplinas, tanto no Ensino Fundamental I, quanto no Ensino Fundamental II, adequando-se ao planejamento bimestral de cada área de conhecimento.
  10. 10. PÚBLICO ALVO: Todos que compõem a Escola Manoel José do Nascimento.
  11. 11. OBJETIVOS OBJETIVO GERAL • Utilizar a fotografia, como suporte didático interativo na Educação Fundamental, tendo como campo experimental de teste as disciplinas curriculares. OBJETIVOS ESPECÍFICOS • Pensar a imagem como ferramenta provocadora de redes de significações; • Inserir a tecnologia digital no cotidiano dos alunos; • Promover o contato com as novas tecnologias na educação (BLOG); • Captar o olhar dos alunos através de imagens digitais; • Compor um acervo de imagens; • Estimular o interesse dos alunos pelas aulas das disciplinas curriculares através da percepção visual.
  12. 12. ATIVIDADES PERÍODO - 2011 Apresentação do Projeto X Leitura de textos informativos X Pesquisas na INTERNET e Bibliográfica X Confecção de murais fotográficos X Capacitação dos alunos X Uso do Computador X Formação de BLOG X Composição de Acervo X Visitação a exposições X Vernissage X Diagnose X X CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES
  13. 13. MATERIAIS E MÉTODOS Todas as atividades aconteceram bimestralmente, de forma avaliativa e prática, bem como, estarão inclusos todos os escolares, em todas as áreas de ensino. Cada professor em sua área será responsável dentro de seu conteúdo e suas possibilidades de desenvolver a inclusão digital da forma que lhe prouver, utilizando como recurso tecnológico. Câmera digital, PC, DVD, Data show e vídeo. Para compor seu álbum digital, que será tombado e incluído em Blog com os direitos reservados a Escola Manoel José do Nascimento. Para efetivação do projeto, serão necessários os seguintes materiais •Papeis fotográficos para exposição; •Criação de DVD de imagens; •Montagem de exposição fotográfica; •Seleção de imagens; •Confecção de catálogos; •Exposição de imagens; •Elaboração e divulgação de panfletos e convites para vernissage.
  14. 14. RECURSOS Quant. VALORES RESMA DE PAPEL FOTOGRÁFICO 01 IMPRESSÃO DE CONVITES E PANFLETOS 200 TORRE DE DVD 01 TOTAL: ORÇAMENTO
  15. 15. AVALIAÇÃO A avaliação dar-se-á de forma contínua e processual, é importante, porém que os estudantes participem com consciência das situações de avaliação, aprendendo a refletir sobre o quanto ampliaram seus conhecimentos, o professor não se restringirá apenas a exercícios pontuais, mas envolver a observação ao longo do projeto a respeito do processo de aprendizagem de cada um dos estudantes. A capacidade de observar será potencializada com a criação de oportunidades práticas dentro ou fora da sala de aula, onde a dinâmica individual e em grupos serão analisadas perante os conteúdos vivenciados.
  16. 16. BIBLIOGRAFIA BACCEGA, Maria Aparecida. Recepção: novas perspectivas nos estudos da comunicação. São Paulo: Núcleo de Comunicação e Educação da ECA/USP, 2004. Boletim do educom.rádio 6ª fase. SCHULTZE, Ana Maria. Possibilidades de leitura da imagem fotográfica na escola fundamental. Anais do I Seminário Internacional de Educação – Cianorte, PR: set/2001 – ISSN 1676 – 0417. ZANIRATO, Silvia Helena. A fotografia de imprensa: modos de ler. In ZANIRATO, Silvia Helena; PELEGRINI, Sandra (orgs.). As dimensões da imagem: abordagens teóricas e metodológicas. Maringá, PR: UEM, (no prelo).
  17. 17. ANEXOS
  18. 18. ESCOLA MANOEL JOSÉ DO NASCIMENTO QUEIMADA GRANDE- SÃO BENTO DO UNA- PE Cadastro Escolar M. 468.102 - Portaria 154/85 - de 12/08/85 São Bento do Una,____de outubro de 2010. Ofício nº ____ /2011 Da. Equipe Gestora da Escola Manoel José do Nascimento A. Secretaria de Educação
  19. 19. Montagem e criação de BLOG Captura

×