Gigantes da Geriatria
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Gigantes da Geriatria

on

  • 3,742 views

CURSO DE INTRODUÇÃO A GERIATIA E GERONTOLOGIA de Ourinhos (SP) ...

CURSO DE INTRODUÇÃO A GERIATIA E GERONTOLOGIA de Ourinhos (SP)
Gigantes da Geriatria
Dra. Nezilour Lobato Rodrigues
Presidente da Sociedadede Brasileira de Geriatria e Gerontologia

Statistics

Views

Total Views
3,742
Views on SlideShare
3,742
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
139
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Gigantes da Geriatria Presentation Transcript

  • 1. OS GIGANTES DA GERIATRIA Nezilour Lobato Rogrigues Presidente da Sociedadede Brasileira de Geriatria e Gerontologia
  • 2. 31.8 2 1950 2025 21 HOJE DESAFIO DEMOGRÁFICO AUMENTO DE IDOSOS NO BRASIL ( em milhões de habitantes)
  • 3. ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO 53% 114% IBGE. Projeção da População do Brasil por Sexo e Idade 1980-2050. Revisão 2008
  • 4. BRASIL: UM SÉCULO DE MUDANÇAS ESTRUTURA ETÁRIA DA POPULAÇÃO 1950-2050 1 43 Ref: IBGE 2008 2
  • 5. Expectativa média de vida Fonte: IBGE. Tábuas completas de mortalidade, 2010. Brasil Homens Mulheres Total Ao nascer 68,8 76,6 72,7 Aos 60 anos 19,4 22,6 21,1 Aos 80 anos 8,9 9,9 9,4
  • 6. População idosa em Ourinhos • 6.000 homens acima de 60 anos • 7.631 mulheres acima de 60 anos População residente: 103.035 hab. TOTAL: 13.631 idosos IDH 0,813
  • 7. Fonte: Censo IBGE 2010 Envelhecimento em Ourinhos
  • 8. • Comorbidades • Sobreposição de sintomas e causas • Sintomas atípicos • Omissão de sintomas • Mitos do que é normal para idade O envelhecimento traz consigo…
  • 9. “FENÔMENO ICEBERG” NOS IDOSOS Nos idosos, múltiplas doenças crônicas coexistem, frequentemente, de forma oculta, sendo que algumas só se tornam aparentes quando causam complicações agudas
  • 10. • O comprometimento dos principais sistemas funcionais gera incapacidades e, em seguida, as tricas. • de do idoso. Síndromes geriátricas
  • 11. iatrogenia instabilidade postural (e quedas) imobilidade insuficiência (cerebral) incontinência (urinária e fecal) Os 5 “Is” da Geriatria 5
  • 12. Falando sobre os “Is” geriátricos 1. IATROGENIA
  • 13. • “Doenças ou complicações iatrogênicas, são aquelas decorrentes da intervenção do médico e/ou da equipe, seja esta intervenção certa ou errada, mas da qual resultam conseqüências prejudiciais para a saúde do paciente” (Carvalho-Filho e col., 1996) Iatrogenia: conceito
  • 14. • Exemplos: • Erro médico • Negligência • Efeitos secundários a tratamentos • Efeitos colaterais de medicações Iatrogenia
  • 15. Fatores de Risco para Reação Adversa a Drogas • Polifarmácia (> 4 medicamentos) 3 x > risco  ↑ exponencial com - nº de medicamentos  2 drogas – 8%  5 drogas – 50%  8 ou + drogas – 100% • Constituem a principal causa de iatrogenia em todas as faixas etárias • 3 a 7 x mais observadas em idosos
  • 16. Cascata Medicamentosa Bloq. Ca++ Diurético Alopurinol + KCl Inibidos H2 + Antiácido Laxante Antiespasmódico Edema Hipocalemia Hiperuricemia Dispepsia Obstipação Dor abdominal
  • 17. Revisão dos critérios de BEERS • Desenvolvido em 1991 (na época estudante de medicina) • Revisado em 2003 (Comitê de farmácia) • Atualizado em 2012 (American Geriatrics Society) • Inclui 53 medicações divididos em 3 categorias:  Inapropriados (deveriam ser sempre evitados)  Potencialmente inapropriados nos idosos com condições clínicas particulares  Aqueles que deveriam ser usados com cautela American Geriatrics Society 2012 Beers Criteria Update Expert Panel. J Am Geriatr Soc 2012; 60:616.
  • 18. 1. Existe indicação para o uso do medicamento? 2. O medicamento é eficaz para aquela condição? 3. A dosagem é correta? 4. A orientação dada foi correta? 5. Existe potencial para interação com outros medicamentos, álcool ou alimentos? 6. Existe potencial para interação com alguma doença da qual o paciente é portador? 7. A prescrição é fácil de ser seguida? 8. Existe redundância ou duplicidade terapêutica? 9. A duração do tratamento é aceitável? 10. Existe outra alternativa mais barata, porém c/ igual eficácia e segurança? Proposta de "Checklist"
  • 19. Outras iatrogenias: preconceitos • Ele é muito velho para ser submetido a isto. • UTI não é local de velho. • Ele não pode saber ou decidir. • Polifarmácia é uma necessidade.
  • 20. Falando sobre os "Is" Geriátricos 2. INSTABILIDADES POSTURAIS
  • 21. Instabilidade: quedas • 6a causa de morte no idoso • 40% das admissões em casas de repouso • Incidência 70 anos 25% 75 anos 35% >80 anos 40% institucionalizados 50%
  • 22. Consequências das Quedas • Fraturas: 4 a 6 % • Morte: 2,2 % • Incapacidade em levantar-se • Imobilidade • Medo de cair :40 a 73% dos que já caíram 20 a 46% dos que não caíram • Diminuição na atividade • Maior morbidade (quedas = marcadores de condições clínicas subjacentes)
  • 23. CONDIÇÕES MÉDICAS ALTERAÇÕES SENSORIAIS ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DO ENVELHECIMENTO PERIGOS DO MEIO AMBIENTE INADEQUADA AJUDA PARA O CUIDAR MEDICAMENTOS CAUSAS INTRÍNSECAS CAUSAS EXTRÍNSECAS QUEDA COMPLICAÇÕES FRATURAS IMOBILISMO HEMATOMAS, TRAUMAS, FERIDAS PERDA DA AUTOCONFIANÇA, MEDO DA QUEDA DIMINUIÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NENHUMA CONSEQUÊNCIA INSTITUCIONALIZAÇÃO MORTE É necessário investigar
  • 24. Instabilidade
  • 25. Quedas: Fator ambiental
  • 26. Quedas :Fator Ambiental
  • 27. • Circunstâncias • Fármacos • Enfermidades • Visão • Função Articular • Mobilidade • Marcha e equilíbrio • Tempo de Reação • Exame Cardiovascular – Frequência , ritmo – PA, ortostatismo • Exame Neurológico – Estado Mental – Força muscular – Nervos – Propiocepção – Cerebelo • Exames de Laboratório • Hemograma • Electrólitos • Urea-creatinina • Glicose • Vitamina B12 • TSH • Neuroimagens • Holter Avaliação mais detalhada do “Idoso Caidor” Avaliação Multiprofissional: Fisioterapia / TO / Nutrição / ...
  • 28. Falando sobre os "Is" Geriátricos 3. IMOBILIDADE
  • 29. Imobilidade • Incapacidade de se deslocar sem o auxílio de outra pessoa, com finalidade de atender às necessidades da vida diária. Pode o paciente estar restrito a uma poltrona ou ao leito.
  • 30. Fatores Predisponentes: • Osteoartrose • Doenças reumáticas • Sequelas de fraturas • DPOC, ICC, AVC e Infecções • Desnutrição e Desidratação • Parkinson, Demência e Depressão Imobilidade
  • 31. • Comprometimento da mobilidade - Passos a seguir: a) Quantificar a imobilidade( escalas de AVDs) b) Exame Clínico c) Exames complementares, de acordo com as suspeitas levantadas no exame clínico: - desnutrição: albumina - Distúrbio metabólico: Na , K,U, C, TSH, T4 livre, Ca, glicemia jejum - Anemia: hemograma e ferritina - Artropatia: PCR, Raio X - Miopatias inflamatórias: CK, transaminases - Síndromes Infecciosas: hemograma, Urina , Raio X Imobilidade
  • 32. • Depressão • Confusão mental • Hipotensão e constipação intestinal • Incontinência e Infecção Urinária • Trombose Venosa e embolia pulmonar 20% das mortes em acamados. • Pneumonia e broncoaspiração • Úlcera de pressão - escaras • Atrofia muscular - sarcopenia Imobilidade: consequências
  • 33. • Mudança de decúbito a cada 2h • Colchão de água e caixa de ovo • Óleos e hidratantes • Curativos apropriados. • Aporte hídrico, metabólico e protéico. Imobilidade: orientações
  • 34. Falando sobre os "Is" Geriátricos 4. INCONTINÊNCIAS
  • 35. Falando sobre os "Is" Geriátricos 4.1. INCONTINÊNCIA URINÁRIA
  • 36. Importância Clínica • Queixa importante em mulheres >60a – 30-30% tem qualquer IU – 6-14% tem IU diária Incontinência urinária
  • 37. Hiperplasia prostática benigna Maior volume residual IDOSO SAUDÁVEL vs. JOVEM SAUDÁVEL Diminui a capacidade vesical total Menor pressão de fechamento uretral máxima Atrofia vaginal e uretral Maior número de contrações vesicais involuntárias Maior número de micções noturnas TRATO GENITO-URINÁRIO Alterações com o Envelhecimento Incontinência urinária
  • 38. Importância Clínica • Institucionalização • Isolamento social • Vergonha / Ansiedade / Depressão • Declínio funcional • Úlceras de pressão / ITU • Aumenta o Risco de Quedas/Fraturas CONSEQUÊNCIAS Incontinência urinária
  • 39. • Frequentemente não mencionada – 50% dos idosos c/ IU não procuram o médico • Vergonha / Normal para idade / Sem tratamento – <10-30% dos médicos documentam IU no prontuário • Profissionais não capacitados – 1/2 a 2/3 dos médicos não fazem nem uma simples avaliação quando ficam sabendo do problema DESCASO Dave J. ACP-ASSIM on line 2001 Importância Clínica Incontinência urinária
  • 40. Afastar Causas Transitórias • Delirium • Psicológica • Imobilidade • Infecção • Endócrina • Excesso de volume urinário • Medicamentos • Atrofia • Fecaloma Incontinência urinária
  • 41. Medicamentos Parkinson Dç Agudas Demência Diabetes Imobilidade I.T.U. Fecaloma Álcool A.V.C. Causas: Multifatoriais Incontinência urinária
  • 42. Diário Miccional
  • 43. Definir o Diagnóstico • IU do tipo estresse – de esforço • IU por hiperatividade do detrusor – tipo urgência • UI por hipoatividade do detrusor • UI por obstrução uretral Incontinência urinária
  • 44. • Causa Mais comum em >75a • Apresentação: Urgência – Causas • Doenças neurológicas • Idiopática (Geralmente) – Exame Clínico • Frequentemente normal • Volume residual baixo “Detrusor Hiperativo” Incontinência urinária
  • 45. Abordagem Comportamental • Reduzir a ingesta de líquidos, cafeína,... CUIDADO ! • Posição sentada / Esvaziamento completo • Treinamento vesical – Ir ao banheiro a intervalos muito curtos – Aumentar os intervalos gradualmente • Postura do Cuidador – Reação positiva para “roupa seca” – Reação neutra para “umidade” Incontinência urinária
  • 46. TRATAMENTO Instabilidade do Detrusor • Abordagem Comportamental (Primeira Escolha) • Exercícios do Assoalho Pélvico – Exercícios de Kegel – Biofeedback • Anticolinérgicos – Oxibutinina – Tolterodina – Imipramine – Outros Incontinência urinária
  • 47. Comportamental (Biofeedback) Medicamento (oxibutinina 2,5-15mg/d) Controle % de redução na incontinência N = 197 mulheres (55-97anos) com IU urgência ou mista ECCR Resposta após 8 semanas de intervenção Comportamental vs. Medicamentos Burgio. JAMA 1998 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 100% 75% 50% Incontinência urinária
  • 48. Falando sobre os "Is" Geriátricos 4.2. INCONTINÊNCIA FECAL
  • 49. Incontinência Fecal • DISTÚRBIO SOCIAL IMPORTANTE – INSTITUCIONALIZAÇÃO • DESAFIO • IMPACTO SÓCIO-ECONÔMICO • Assaduras, infecções, alienação, depressão, alteração, libido N Eng J Med 1992:326 Incontinência fecal
  • 50. Incontinência fecal: fatores de risco • Idade > 60 anos • Sexo feminino • Precário estado geral • Limitações físicas • Cirurgias orificiais • Partos – multíparas • Prolapso retal • Trauma • Doenças neurogênicas – demências • Doenças reto • Radioterapia Dis Colon Rectum 1993; 36:77-97 Am J Gastroenterol 1996; 91:33-6 Incontinência fecal
  • 51. Incontinência fecal: etiologia •Envelhecimento •Idade avançada •Sedentarismo •Debilidade geral •Alteração consciência •Esforço crônico evacuar Br J Community Nurs 2010;15(8):370-4 Incontinência fecal
  • 52. • ABORDAGEM • DIAGNOSTICO • TRATAMENTO INDIVIDUALIZADO Incontinência fecal Incontinência fecal: etiologia Rev Med Chir Soc Med
  • 53. 5. INSUFICIÊNCIA CEREBRAL Falando sobre os "Is" Geriátricos
  • 54. • scimo na plasticidade neuronal. duo a franca. Insuficiência das funções cognitivas
  • 55. Considerações Gerais • Queixas de memória  30% dos idosos em geral  75% dos idosos internados • Fatores que interferem na memória idade avançada ansiedade estresse isolamento desconfiança psicofármacos
  • 56. Insuficiência das funções cognitivas Capacidade cognitiva Alterações normais do envelhecimento CCL Demência Dellirium
  • 57. Insuficiência das funções cognitivas Identificar e quantificar o declínio cognitivo Determinar o nível de comprometimento que acarreta a vida do indivíduo. Possível causa e plano de cuidado.
  • 58. DEPRESSÃO Os 3 “Ds”...
  • 59. Depressão no idoso: importância • Alta prevalência no idoso • Potencialmente tratável • Causa grande prejuízo à reabilitação do paciente e maior permanência hospitalar • Acarreta grande sofrimento e desorganização pessoal, familiar, social e profissional • Aumento da morbimortalidade • Condição subdiagnosticada e subtratada
  • 60. Avaliação Diagnóstica • O diagnóstico é clínico, baseado em uma história clínica completa (incluir história psiquiátrica pregressa e familiar: • DSM IV 1. OBSERVAR O ASPECTO FÍSICO (APARÊNCIA) DO PACIENTE, 2. OBSERVAR O CONTEÚDO DO DISCURSO 3. IDENTIFICAR FATORES DE RISCO ; SUICIDIO - Escalas de avaliação: - Depressão – edg de yesavage (5, 15 ou 30 itens) - Hamilton, montgomery-asberg, beck, cornell, mini-mental - Funcional (katz, barthel) - Inventário medicamentoso - Exame físico (neurológico) - Exames complementares - Avaliação neuropsicológica
  • 61. Sinais de alerta para depressão no idoso VanItallie TB. Subsyndromal depression in the elderly: underdiagnosed and undertreated. Metabolism. 2005 • Queixas somáticas desproporcionais aos achados dos exames clínico e complementares • Alterações do comportamento e da conduta • Perda da capacidade funcional • Distúrbio de memória • Dor crônica • Reação anormal ao luto • Mudanças na vida social • Institucionalização • Etilismo de início recente
  • 62. • Fatores de risco especiais: – Sexo feminino – Solidão – Episódios depressivos prévios – Doenças clínicas – Estado civil, morar só – Luto – Aposentadoria – Dificuldade financeira – Internação – Perda funcional Principais “Gatilhos da Depressão”
  • 63. Doenças clínicas que podem apresentar sintomas depressivos Independente da etiologia, podem desenvolver um quadro depressivo. Doença Doenças Endócrinas Pulmonar obstrutiva crônica Doença renal em estágio terminal Câncer - cabeça de pâncreas AIDS Doenças Virais Doenças Auto-imune Doenças Neurológica Dor crônica Doenças Clínicas
  • 64. Antihipertensivos reserpina,clonidina, propranolol, hidralazina, metildopa Antiarrítmicos lidocaína, procainamida Antiparkinsonianos levodopa, bromocriptina Analgésicos AINH; indometacina; opióides Anticonvulsivantes carbamazepina; fenitoína; barbitúricos Sedativos-hipnóticos benzodiazepínicos; hidrato de cloral Antipsicóticos butirofenonas; fenotiazinas Antibióticos penicilinas; sulfametoxazol; clotrimazol; tetraciclina; dapsona; metronidazol; estreptomicina; griseofulvina Bloqueadores H2 cimetidina; ranitidina Antineoplásicos azatioprina; plicamicina; vincristina; vinb;astina; interferon; bleomicina; 6-azauridina; tamoxifeno Hormônios corticóides; noretisterona; estrógenos, progesterona Estimulantes do SNC anfetaminas; fenfluramina; dietilpropiona Medicamentos associados à depressão Alexopoulos GS. Depression in the elderly. Lancet, 2005
  • 65. TRATAMENTO Medicamentos Psicoterapia Eletroconvulsoterapia (ECT) Outros..
  • 66. DEMÊNCIAS Os 3 “Ds”...
  • 67. - Loucura? - Perturbação mental? O que é demência? “A demência consiste em comprometimento cognitivo e/ou comportamento que compromete pelo menos dois dos domínios cognitivos : memória, função executiva, habilidades visuo - espaciais, linguagem, personalidade e comportamento, sendo que nesses domínios acometidos a memória pode ou não está acometida. ”
  • 68. Considerações Gerais • Queixas de memória  30% dos idosos em geral  75% dos idosos internados • Fatores que interferem na memória idade avançada ansiedade estresse isolamento desconfiança psicofármacos
  • 69. Funções cognitivas alteradas Atenção Imaginação Compreensão Concentração Memória Raciocínio JulgamentoAfetividade Percepção linguagem
  • 70. Tipos de demências • Alzheimer  Demência Vascular  Demência Fronto temporal  Demência dos Corpos de Levy  Demência na Doença de Parkinson  Demência e AIDS  Outras...
  • 71. A Memória e a Doença de Alzheimer Personagem “Laura” Novela “Senhora do Destino” Fatores determinantes:  Composição genética  Nínel educacional  Nível socioeconômico  Estilo de vida  Acuidade visual e auditiva  Relações sociais
  • 72. Fatores de Risco - Alzheimer • Idade avançada • História familiar • Sexo feminino (?) • Traumatismos ou infecções cerebrais anteriores • Síndrome de Down • Baixo nível de escolaridade
  • 73. Novas abordagens de tratamento Treino de familiares e cuidadores Terapia Comportamental Terapia de orientação para realidade Facilitadores ambientais Terapia de reminiscências Musicoterapia
  • 74. DELÍRIUM
  • 75. DELIRIUM • Delirium ou Estado de confusão mental foi descrito por Hipócrates por volta de 460-366 a.C., sendo um dos primeiros transtornos neurológicos conhecidos. Do latim 'delirare', que significa "estar fora do lugar", mas é usado atualmente com o sentido de "estar confuso, distorcendo a realidade, fora de si”.
  • 76. Delirium • 'delirium' é uma síndrome neurocomportamental, causada pelo comprometimento transitório da atividade cerebral, obrigatoriamente em função de distúrbios sistêmicos. O prejuízo cognitivo decorre da quebra da homeostase /bom funcionamento do cerebro e da desorganização da atividade neural.
  • 77. Delirium • Abrupto, flutuante e alteração no nível de consciência e atenção. • Metabólica, renal, hepática, infecciosa, doença da tireóide, TCE, encefalite, meningite, efeito colateral de drogas. • Tratamento: Tratar a causa
  • 78. Equipe Interdisciplinar BIO SOCIALPSICO O.M.S. SAÚDE Conclusão