• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Fisica
 

Fisica

on

  • 928 views

Apresentação do documento das Orientações Curriculares da disciplina de Física do Estado de Mato Grosso.

Apresentação do documento das Orientações Curriculares da disciplina de Física do Estado de Mato Grosso.

Statistics

Views

Total Views
928
Views on SlideShare
928
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
19
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Fisica Fisica Presentation Transcript

    • SINOP-MT, 5 DE AGOSTO DE 2010
      • Apresenta que o Ensino de Ciência e o Ensino de Física é uma atividade muito Antiga;
      • Os livros didáticos como elementos pragmáticos do ensino de Física no Brasil surgiram em meados do século XIX;
      • Em Mato Grosso, a Física sempre foi abordada nas escolas a partir da ênfase dada em nível nacional;
      • Algumas propostas foram pensadas e implementadas na tentativa de se pensar e efetivar um ensino de Física motivador e eficiente;
      • Porém elaboradas em outros países e trazidos para serem trabalhados aqui no Brasil.
    • Proposta/ano/ país de origem Filosofia Norteadora Currículo Professor Aluno Material didático Panorama FAI (Física Auto Instrutivo) década de 70 Behaviorismo: Forte ênfase na instrução programada; partia-se do pressuposto que a resposta certa, reforçava e estimulava o aluno a prosseguir, além de ser indicativo de aprendizagem. Ênfase teórica e experimental; desvinculado da realidade local Distribuir material, estabelecer e controlar cronogramas,e aplicar provas, frequentemente já incluídas no pacote educacional Trabalho individual e aprendizagem no seu próprio ritmo através de estudo dirigido. Cinco textos programados que fragmentavam o conteúdo em pequenos trechos nos quais eram inseridas lacunas ou indagações para completar. Bruscamente interrompida com a proibição por parte do MEC da publicação de livros descartáveis. Como todos os textos de instrução programada tinham de ser descartáveis, pois os alunos os utilizavam como material de trabalho, essa
    • PEF (Projeto de Ensino de Física) Brasil 1975/1980 Transição entre Behaviorismo e Cognitivismo: Levar o aluno a conhecer alguns fenômenos e conceitos da Física, de modo que pudesse operar com esses conceitos, resolver problemas e realizar experiências Desenvolvimento de temáticas mais próximas dos interesses dos alunos inclusive, Física Contemporânea. Valorização ao acompanhamento dos alunos, estimulando a elaboração de respostas. Coordenador, organizador, orientador, avaliador e muito pouco como expositor da matéria. Postura ativa e individual aprende por si a partir das atividades teóricas e experimentais através de estudos dirigidos. Contudo, é salutar a socialização do conhecimento Quatro conjuntos de textos e materiais experimentais de baixo custo: Mecânica 1 e 2, Eletricidade e Eletromagnetismo Guia do Professor; Textos suplementares. Ineficiente distribuição do material; A qualidade do material experimental e a dificuldade de obtenção dos guias do professor. Superestimação da capacidade do material instrucional.
    • PBEF (Projetos Brasileiro de Ensino de Física) Brasil – 1978 Transição entre Behaviorismo e Cognitivismo: Levar o aluno a conhecer alguns fenômenos e conceitos da Física, de modo que pudesse operar com esses conceitos, resolver problemas Desenvolvimento de temáticas mais próximas dos interesses dos alunos. Orientador, avaliador, responsável pelo planejamento, pela própria característica do material didático oportunizando a apresentação de acordo com o desejo ou de conveniências estruturais. Responsável pela obtenção e manuseio do material didático. Dois volumes com abordagem e forte ênfase nos aspectos históricos; dois outros com enfoque mais prático e utilitário. Algo que merece destaque é o fato de que o material não era encadernado, segundo pré- Falta de estrutura em sala de aula, falta de professores com formação específica. Pouca divulgação da proposta e do material.
      • O conhecimento Físico, ao ser abordado em sala de aula, dever ser alicerçado por experiências ou vivências que o aprendiz capta da realidade na qual se insere, permeada de uma linguagem coloquial, que muitas vezes reflete o senso comum;
      • Apresenta que o progresso da técnica experimental do nosso tempo coloca ao alcance da ciência novos aspectos da natureza, (como no caso da internet, por exemplo, que provocou modificações nos conceitos de rede, conexão e de mensagem).
      • Como educar um jovem que convive com informações sobre energia nuclear,celulares, micro-ondas, medicina nuclear, etc., de forma que ele possa se posicionar, emitir opiniões ou juízos de valor, fazer escolhas, se não houver uma construção conceitual significativa que lhe permita fazê-lo?
      • Existem inúmeras variáveis que parecem dificultar ou impedir que a aprendizagem dos conceitos físicos se concretize de forma significativa:
      • citar:
      • extensa grade curricular e conseqüentemente, pouco tempo efetivo para “cumpri-la”,
      • alunos desmotivados,
      • salas de aula cheias e desconfortáveis,
      • falta de equipamento de laboratório,
      • a falta de preparo para ensinar determinados tópicos
      • desvalorização do professor.
      • Os professores são profissionais legitimamente responsáveis pelo ensino e a aprendizagem de uma ciência que encerra conhecimentos importantes que determinaram e continuam determinando os rumos da humanidade;
      • A Física nos permite conhecer os fenômenos naturais, traduzindo-os em uma linguagem matemática muito peculiar.
      • Apresenta hoje, mais do que nunca, interfaces importantes com outras ciências e outros saberes.
      • profundo conhecimento do conteúdo de Física e;
      • uma postura teórica que deve efetivamente refletir na prática do ensinar, com metodologias diversificadas, escolhidas com critério e cuidado, considerando a diversidade de perfis que se apresentam numa classe.
      • Aponta como teoria de Ensino para que fundamente a prática pedagógica a ser aplicada para o Ensino de Física é a Teoria da Aprendizagem Significativa (TAS).
      • O conhecimento que o professor deve se propor a ensinar deve permitir ao aluno uma construção conceitual que aumente seu grau de liberdade para compreender uma gama de fenômenos do mundo moderno, de seus novos códigos e suas tecnologias contemporâneas.
      • Apresenta a proposta alinhada com as Orientações Curriculares Nacionais e PCN+ para o Ensino Médio;
      • Os eixos estruturadores diz respeito à condução do trabalho do professor de Física em consonância com os avanços recentes da Ciência e das necessidades da sociedade frente aos problemas vigentes na vida contemporânea.
      • Não foram apresentados um quadro de temas e subtemas, metodologias,... por achar que ao mesmo tempo ela poderá ser facilitadora e/ou impeditiva;
      • Sugere também o professor deve estar atento aos aspectos que fogem ao conhecimento específico em Física, mas que são fundamentais para possibilitar uma educação plena. Um dos aspectos mais importantes nesse sentido é a dimensão ética da educação e mais especificamente do ensino de Ciências.
      • Sugere que os exercícios propostos em Física devem ser apresentados sob a forma de uma situação problematizadora que, por sua vez, exige uma solução que envolve uma rede de conceitos e isso demanda tempo e paciência;
      • As questões devem ser: desafiadora, instigante, despertando uma necessidade quase imediata de solução;
      • As situações-problema são indispensáveis à conceitualização, são elas que dão sentido aos conceitos;
      • Apresenta alguns sites para consulta.