Your SlideShare is downloading. ×
A psicanalise e o educador
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A psicanalise e o educador

8,201

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
8,201
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
99
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A PSICANÁLISE E O EDUCADOR – RELAÇÃO E POSSIBILIDADES Maria Cristina Vitoria Tavares Bertinetti1 Instituto Superior de Educação e Teologia crisbertinetti@yahoo.com.br RESUMOEste artigo é um esboço de pesquisa e leituras de alguns textos sobre a importância dapsicanálise na educação, no tocante aos subsídios que pode fornecer aos educadores, paraentender melhor o desenvolvimento humano, no seu fazer profissional. Situar historicamentea sua importância e trajetória junto à educação, tendo como objetivo entender o conhecimentopsicanalítico e a relação que pode ter com a educação. A psicanálise nos apresenta bases detratamento e o funcionamento humano em termos de estudo do comportamento, na busca demediar diversas situações de conflito, ligadas à família, à escola e a sociedade. Nesta pesquisabibliográfica, observam-se através dos relatos de alguns estudos de casos, as relaçõesimportantes que podem advir entre a psicanálise e a educação, na administração dosproblemas que surgem na escola e que podem ter origem familiar, social, política, econômicae cultural. O presente trabalho se sustenta em algumas contribuições teóricas de Freud,Vygotsky e Piaget, os quais abordam a relação de conhecimento educacional e psicanalítico,sob os aspectos emocional e mental, tendo em vista que o ser humano é em sua essência razãoe emoção. No decurso deste estudo deduziu-se que a educação estando articulada com apsicanálise, tem melhores chances de superar muitas situações de conflito que acontecem nasescolas, caminhando assim para uma educação mais promissora para todos.Palavras–chave: Psicanálise. Educação. Conflito. Desenvolvimento Humano.1 Mestranda do INSET, em Psicanálise, Educação e Sociedade. Graduada em Ciências Contábeis, CiênciasNaturais e Matemática: Matemática e em Pedagogia e pós-graduada em Didática do Ensino Superior. Professoraefetiva da Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso/SEDUC/MT e exerce atualmente a função deprofessora formadora no CEFAPRO de Matupá.
  • 2. 1 INTRODUÇÃO Qual a importância da Psicanalise para o educador? Que diferença pode fazer, quantoa sua postura profissional? Para responder estas perguntas precisamos entender a relação quea Psicanálise e a educação podem desenvolver, e para isso, necessariamente olhamos a obrade Sigmund Freud (1856-1939) grande nome da psicanálise, que foi o responsável pelarevolução no estudo da mente humana, ele instituiu uma nova teoria onde estabelecia que aspessoas que ficavam com a mente doente eram aquelas que não colocavam seussentimentos para fora. A partir de sua teoria, este grande psicanalista resolveu tratar seus casos através dainterpretação dos sonhos dos seus pacientes e também através do método da associação livre. Comeste método ele era capaz de desvendar os sentimentos “reprimidos", ou seja, aquelessentimentos que seus pacientes guardavam somente para si, dessa forma ele conseguiu curarmuitas doenças mentais. Sua obra no principio estava focada na terapia das doençasemocionais, mas influenciou deveras varias áreas, sendo uma delas a pedagogia,concomitantemente a educação. A psicanálise trouxe novas formas de ver o homem, a culturae o mundo. Trouxe também, a possibilidade do ser humano mudar partindo do entendimentodo seu passado, para dar uma significação a suas memórias e através disso, poder transformaro presente com mais confiança no futuro. Segundo Freud2 os estudos psicanalíticos devem direcionar-se mais em auxiliar oeducador na difícil tarefa de educar, missão quase impossível de ser realizada plenamente,pois o ser humano vive numa constante luta entre suas forças internas e externas. A ação deeducar deve trabalhar o sujeito como autor de mudança, integrado a sociedade e não adaptá-lo, pois comprometeria assim a sua subjetividade. Isso mostra a difícil que uma das tarefas doeducador é proporcionar situações que possibilitem ao educando a busca do equilíbrio entreid, ego e superego, para que haja uma aprendizagem significativa. A importância da criação de laços afetivos na relação professor-aluno influenciadeveras a sua aprendizagem, contribuindo para o seu desenvolvimento e para a suaautonomia, que hoje a educação oferecida na escola não corrobora. Outra grande contribuição da psicanalise à educação é proporcionar umconhecimento melhor das características de quem é esse jovem, adolescente, criança de hoje, 2 Fuck, 1994, p.14-15
  • 3. que frequenta os bancos escolares e vem de uma multiplicidade cultural, carregando umadiversificada carga de experiências passadas. Muitas vezes o educador que precisa desenvolver o papel de mediador deaprendizagens e conflitos inerentes à interação entre os seres humanos, está despreparadoprincipalmente no tocante à parte de resolver relações conflituosas que surgem a partir dasligações afetivas, carências e demandas, que na escola tem um campo profícuo para suaexpressão nas relações interpessoais que ali se desenvolvem. A pedagogia sendo a ciência que tem por objeto de estudo a educação, tambémestuda o desenvolvimento humano3, na interação entre a biologia da espécie e a cultura, nãotem como objeto de estudo direto, o desenvolvimento da mente e das emoções, área de estudoda psicanalise que vem trilhando um longo caminho e expondo como se dá essedesenvolvimento tanto mental como emocional do ser humano, podendo, a partir desseconhecimento, dar um sentido e direção ao trabalho pedagógico dos profissionais da educaçãona escola, onde se defende não ser mais um lugar de transmissão de conhecimento, mastambém um espaço de interação e crescimento onde os alunos vivenciam suas experiências,sensações e emoções. Na psicanalise, entre outros representantes, temos Freud e na educação, doisestudiosos do desenvolvimento cognitivo do ser humano, que são Piaget e Vygotsky, oprimeiro afirma em sua obra4, o homem é um ser essencialmente social, impossível, portantode ser pensado fora do contexto da sociedade em que nasce e vive. Vygotsky tem como umdos seus pressupostos básicos a ideia de que o ser humano constitui-se enquanto tal na suarelação com o outro social. A cultura torna-se parte da natureza humana num processohistórico que, ao longo do desenvolvimento da espécie e do individuo, molda ofuncionamento psicológico do homem. A partir destes estudiosos, o objetivo deste estudo é investigar a importância daPsicanalise para o educador e, mais amplamente para a educação, visto que o objeto de seuestudo é o desenvolvimento graduado das capacidades psicológicas e intelectuais do serhumano. Os procedimentos metodológicos caracterizam uma abordagem mais abrangente coma finalidade de confirmar a importância da psicanálise na educação, segundo as teorias dos 3 LIMA, Elvira de Souza. Desenvolvimento Cultural do Professor. São Paulo: Editora Inter Alia, 2007. 4 PIAGET, Jean. Biologie et Connaissance apud LA TAILLE, Yves de. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão. São Paulo: Summus, 1992.
  • 4. autores anteriormente citados. No intuito de aprofundar o tema, também foram consultadosvários artigos e livros que abordam assuntos referentes a psicanálise na educação.1.1 Psicanálise, educação, um recorte sobre Freud, Vygotsky, Piaget e Dupas A psicanálise está alicerçada num movimento de oscilação entre os conflitos e aintermediação através de várias situações, neste estudo, com relatos de casos relativos asituações vivenciadas e problemas ligados a família, a escola e ao comportamento humanonas relações que desenvolvem entre si. Segundo Dupas5, os estímulos tanto internos comoexternos que afetam a criança e nesta mistura de sentimentos – amor, ódio, ciúme, inveja,agressão, etc. - que há na família ou na escola, precisam ser trabalhados e percebe-se que estessentimentos devem ser tratados de uma forma coerente e que favoreça o desenvolvimento doser humano. Nesta parte a autora nos proporciona uma reflexão através de situações ouestudos de casos onde e como os instrumentos da Psicanálise podem ser utilizados pelaEducação. A autora tem como fundamento a concepção de ser humano, como ser ambíguo, emsua essência, natural e na sua formação como ser social. Seus estudos se baseiam em Freudquando cita que a escola está no centro entre o individuo e a cultura, contrariando a ideia deque a civilização se constitui em objeto de interesse humano, e nos aponta que as condutashumanas são determinadas por forças muito poderosas que podem ser destrutivas, antissociaise anticulturais, em permanente conflito entre o ser que aspira algo e o ser cultural. O desenvolvimento psicológico das funções superiores na infância é a percepção,memória, pensamento, imaginação e a vontade. Nas concepções de Vygotsky6 “o substratobiológico do funcionamento psicológico evidenciam a forte ligação entre os processospsicológicos humanos e a inserção do individuo num contexto sócio histórico especifico”. Elase dá no contexto dos relacionamentos entre os adultos e as crianças, na convivênciacotidiana, nas brincadeiras compartilhadas, nos bate-papos e entre outros. A utilização dalinguagem ajuda na progressão da abstração e generalização. Vygotsky7 (1998) pensa naexistência de diferentes processos simultaneamente. A criança se aprofunda num universo 5 DUPAS, Margarida Azevedo. Psicanálise e educação - Construção do vínculo e desenvolvimento do pensamento. Araraquara, São Paulo: Unesp FcL, 2008. 6 OLIVEIRA, Marta Kohl. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão. São Paulo: Summus, 1992. 7 VYGOTSKY, Lev. O desenvolvimento psicológico na infância. Tradução: Claudia Berlinar. – São Paulo: Martins Fontes, 1998.
  • 5. simbólico e na linguagem desde que nasce se familiarizando aos poucos nesse universo emque se insere. Dupas (2008) nos diz que há muitos distúrbios decorrentes do ambiente e queinterferem no desenvolvimento de uma criança que o externa através de reações que nossacultura não aceita como corretas, como roubo, mentira, rebeldia, apetite voraz ou suaausência, dificuldade na aprendizagem, atos perversos e cruéis. Essas ações sãodesencadeadas pela criança ou individuo para chamar a atenção. A criança que apresentaesses sintomas e se encontra nessa situação está sendo privada de algo e usa destes artifíciospara reclamar e apontar buscando através destas reações egocêntricas esse algo que deseja. É importante que o adulto, muitas vezes, o educador, que está diretamente ligado aesta criança em formação tenha o conhecimento e a atenção para estas ocasiões queacontecem e para as bases que a psicanalise pode lhe trazer. A criança é dependente parasobreviver e um ambiente sólido, agradável onde à criança sente-se constantemente acolhidacontribui para lhe proporcionar um desenvolvimento salutar. Essa situação lhe proverámelhores condições para enfrentar suas angústias, seus conflitos e administrará isso muitobem de acordo com as situações problemas que vão acontecendo na sua trajetória de vida. Escreve Piaget, o homem normal não é social da mesma maneira aos seis meses ou aosvinte anos de idade, e, por conseguinte, não pode ser da mesma qualidade nesses doisdiferentes níveis. Portanto, o educador deve estar preparado e conhecer os processos dodesenvolvimento mental, cognitivo e das emoções, para poder lidar melhor com esse serhumano em construção. Na adolescência, talvez, o período mais melindroso, o indivíduo ainda não é adulto, ejá superou a fase de criança, numa idade instável muitas vezes inconsequente, eles se julgamcapazes de administrar seus problemas, buscando a sua identidade. Este período impulsivo einstável é necessário para se firmarem e caminharem para a maturidade. Os atores que fazemparte de seu convívio precisam ter conhecimento de como ocorrem psicologicamente essasmudanças, para fazerem o que Vygotsky chama de mediação. Quando essa mediação, esse entendimento, sobre todo esse processo, falha, acarretaráem reflexos comportamentais e atitudes desajustadas que são demonstradas com os colegas,professores, familiares. Portanto, a escola, e o educador, também têm um papel importante naconstrução dos indivíduos e a psicanalise pode ajuda-los a lidar melhor com essas situaçõesque são cotidianas. Isso se reflete também nos escritos de Dupas (2008), que referenciam aos professoresque por desconhecimento dessas bases teóricas, que eles deveriam ter uma formação mais
  • 6. psicológica para compreender o comportamento dos alunos, pois esse comportamento é a basepara um trabalho de boa qualidade. Através dessa menção se percebe a importância daformação docente e a responsabilidade deste profissional na recuperação da confiança, dasoportunidades igualitárias e do sucesso escolar para todos, respeitando as diversidades e asqualidades particulares do indivíduo. A psicanálise e a formação continuada do educador são caminhos citados na relaçãoda escola, com o educando e com as famílias. É preciso estabelecer relações e o educadorprecisa estar preparado para mediar parte da trajetória da criança. O educador é um ser,supõem-se, já formado, pensante e com maturidade, por isso deveria estar apto paraintermediar todo esse processo, mas na maioria das vezes desconhece essas basespsicanalíticas que podem lhes dar sustentação.Conclusão Ao concluir este artigo, percebe-se que a psicanalise é forte aliada da educação, seestiver presente na formação dos professores, pois pode dar-lhes sustentação e base nasrelações que permeiam a vida escolar. Na Educação tanto quanto na Psicanálise o objeto de estudo e interesse é o serhumano. A primeira constitui um elo essencial no desenvolvimento da sociedade, pois éatravés da educação escolar que se têm contato com os conhecimentos construídoshistoricamente e a segunda como um método ou modelo terapêutico, pode dar suporte paraque as ações pedagógicas contribuam na formação de um sujeito equilibrado, com condiçõesde desenvolver todo o seu potencial, favorecido pelas ações docentes que lhe dão condiçõesde apreender. Portanto, os educadores devem conhecer os processos que permeiam a formaçãopsíquica da criança, do adolescente e do jovem, suas implicações, as relações que sedesenvolvem nos diversos ambientes que transitam, pois assim, melhor instrumentalizados,esses profissionais, podem promover a mediação nos processos de aprendizagem e contribuirna formação equilibrada desse ser social.
  • 7. Referências:DUPAS, Margarida Azevedo. Psicanálise e educação - Construção do vínculo edesenvolvimento do pensamento. Araraquara, São Paulo: Unesp FcL, 2008.FREUD, S. Além do princípio do prazer. Rio de Janeiro: Imago, 1920/1969.________. O Humor. In: Obras completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago.1927/1996.FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas Técnicas para o Trabalho Científico: Explicitaçãodas Normas da ABNT. 15ª Ed. Porto Alegre: 2010.LAKATOS, Eva. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisabibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos/ Maria de A.LA TAILLE, Yves de. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão. SãoPaulo: Summus, 1992.LIMA, Elvira de Souza. Desenvolvimento Cultural do Professor. São Paulo: Editora InterAlia, 2007.VIGOTSKY, Lev S. Pensamento e Linguagem. 4ª ed. – São Paulo: Martins Fontes. 2008.___________ .O desenvolvimento psicológico na infância. Tradução: Claudia Berlinar. – SãoPaulo: Martins Fontes, 1998.

×