A gravidez na adolescencia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A gravidez na adolescencia

on

  • 8,836 views

 

Statistics

Views

Total Views
8,836
Views on SlideShare
8,732
Embed Views
104

Actions

Likes
2
Downloads
57
Comments
0

5 Embeds 104

http://mtpcefapro.blogspot.com 61
http://mtpcefapro.blogspot.com.br 26
http://www.mtpcefapro.blogspot.com 13
http://www.mtpcefapro.blogspot.com.br 2
http://mtpcefap 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A gravidez na adolescencia A gravidez na adolescencia Document Transcript

  • A GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA Ivani Fassbinder Paulina Fassbinder Roberta Cerqueira Leite Claucimera Cumerlatto LovisonRESUMOA temática desta pesquisa e o debate em sala de aula sobre esse tema surgiram porque agravidez precoce é uma das ocorrências mais preocupantes relacionadas à sexualidade naadolescência, com sérias conseqüências para a vida dos adolescentes envolvidos, de seusfilhos que nascerão e de suas famílias. A adolescência é um período de vida que mereceatenção, pois esta transição entre a infância e a idade adulta pode resultar em problemasfuturos para o desenvolvimento de um determinado indivíduo. É nessa etapa da vida do serhumano que se apresentam as mudanças físicas e emocionais que podem gerar momentos deconflitos ou de crise. Não se pode descrever a adolescência como uma simples adaptação àstransformações corporais, mas como um importante período no ciclo existencial da pessoa,uma tomada de posição social, familiar, sexual e entre o grupo de convívio diário. No Brasil,a cada ano, cerca de 20% das crianças que nascem são filhos de adolescentes, número querepresenta três vezes mais que na década de 70. A grande maioria dessas adolescentes temmenos de quinze anos, não tem condições financeiras e nem emocionais para assumir amaternidade, e por causa da repressão familiar, muitas fogem de casa e a maioria delasabandona os estudos. Segundo os especialistas, quando a atividade sexual tem como resultadoa gravidez, gera consequências tardias, tanto para a adolescente quanto para o recém-nascido,pois poderão apresentar problemas de crescimento e desenvolvimento, tanto emocionaisquanto comportamentais, e ainda, problemas educacionais e de aprendizagem.Palavras-chave: Adolescência. Sexualidade. Gravidez precoce. Família. Desenvolvimentoemocional.
  • 1. INTRODUÇÃO A adolescência é considerada um período de adaptação às transformações corporais,mas muito mais importante que isso, é uma fase fundamental no ciclo existencial da pessoahumana. Caracteriza-se como uma fase que ocorre entre a infância e a idade adulta, dos 11aos 19 anos de idade, na qual há muitas transformações, tanto físicas como psicológicas,possibilitando o surgimento de comportamentos irreverentes e desafiantes com os outros, e oquestionamento dos modelos e padrões infantis que são necessários ao próprio crescimento. As mudanças físicas ocorrem devido ao aumento da produção hormonal neste período,o que pode provocar uma alteração das emoções. Assim, é explicada a perda de controle edesequilíbrio psicológico do adolescente. No entanto, para a análise do comportamento, essaalteração das emoções pode ser explicada através do papel do ambiente em sua vida, ou seja,seus comportamentos podem ser frutos de uma interação com um ambiente punitivo ecomportamentos inadequados. Contudo, no Brasil a adolescência possui diferentes configurações, pois depende daclasse social em que o adolescente está inserido. Nas classes mais privilegiadas, é entendidacomo um período de experimentação sem grandes conseqüências emocionais, econômicas esociais, onde o adolescente não assume responsabilidades, pois se dedica apenas aos estudos eespera chegar à sua vida adulta. Enquanto nas classes mais baixas, que representamaproximadamente 70 milhões de adolescentes com menos de 18 anos, os riscos doexperimentar novas experiências são maiores e não há a possibilidade de se dedicar somenteaos estudos, tornando a adolescência um período que antecederá a constituição da própriafamília. Diante desses fatores, surge o problema da gravidez cada vez mais precocementeconcebida entre os adolescentes e os educadores e pais se perguntando por que a gravidez naadolescência ocorre com mais incidência a cada ano que passa, apesar do progresso nasinformações sobre o tema e as várias formas de se evitar esse mal que atinge grande parte dosadolescentes. A pesquisa sobre o tema foi feita mediante a leitura de livros e artigos, e pesquisa nainternet feita por alunos do Ensino Fundamental, com idade entre dez a treze anos.Posteriormente, realizou-se um debate sobre o tema, que contou com a presença de váriosgrupos de alunos, sendo que estes elaboraram previamente as perguntas que seriam trocadasentre eles. Além deles, estavam presentes alguns professores e Técnicos de Apoio da Escola,que direcionaram as questões e realizaram o serviço de fotos e filmagens.
  • 2. O COMPORTAMENTO SEXUAL DOS ADOLESCENTES O comportamento sexual do adolescente é classificado de acordo com o grau deseriedade. Vai desde o "ficar" até o namorar. "Ficar" é um tipo de relacionamento íntimo semcompromisso de fidelidade entre os parceiros. Em muitos casos, o casal começa "ficando" eevoluem para o namoro. No namoro a fidelidade é considerada muito importante. O namoroestabelece uma relação verdadeira com um parceiro sexual, e na puberdade, o interesse sexualcoincide com a vontade de namorar. Acompanhando as alterações hormonais, o comportamento sexual do adolescente éum produto de fatores culturais presentes no ambiente, que erotiza cada vez mais as relaçõessociais. Assim, pode-se entender melhor o que acontece no comportamento sexual doadolescente, pois parece que algumas vezes comporta-se por imitação. Esses comportamentosresultam em conseqüências mais punitivas do que reforçadoras, a exemplo da própriagravidez na adolescência. Em relação ainda ao comportamento sexual do adolescente, considerando essaanálise, pode-se dizer que filmes, músicas ou novelas atuam como estímulo para que oadolescente inicie precocemente sua vida sexual, obtendo como reforço imediato o prazerde experimentar tal situação. Durante as décadas de 70 e 80, a produção de filmes com a "exploração sexual" de adolescentes foi grande; Hollywood apelou para os adolescentes por serem o maior segmento da população que vai aos cinemas. Muitos são os filmes que lidam com o sexo na adolescência, porém de maneira inadequada, pois nestes, a relação sexual e a contracepção estão muito distantes, além de favorecerem a promiscuidade (STRASBURGER, 1999). Estes filmes podem ser vistos como incentivadores para que o adolescente inicie suavida sexual sem medidas contraceptivas, favorecendo em conseqüência disto, a gravidez naadolescência. Por causa disso, o comportamento sexual do adolescente pode ser visto comosendo mais um produto de contingências ambientais do que meramente um efeito derivadode mudanças hormonais. Ligada à fase da adolescência está a puberdade, que marca o inícioda vida reprodutiva da mulher. Esta é caracterizada pelas mudanças fisiológicas corporais epsicológicas da adolescência. Por isso, uma gravidez na adolescência provocaria mudançasainda maiores na transformação que já vinha ocorrendo de forma natural. Portanto, aadolescente precisa de um importante apoio do mundo adulto para saber lidar com esta novasituação.
  • 3. POSSÍVEIS RAZÕES QUE ESTIMULAM A GRAVIDEZ PRECOCE Observa-se que grande maioria das adolescentes não assume diante da família a suasexualidade, nem o uso do anticoncepcional, que denuncia uma vida sexual ativa. Assimsendo, além da falta ou a má utilização de meios contraceptivos, a gravidez e o risco deengravidar podem estar associados com a falta ou a redução da auto-estima, ao funcionamentoinadequado da família, à grande permissividade falsamente apregoada como desejável a umafamília moderna, ou à baixa qualidade de seu tempo livre. De qualquer forma, o que pareceser quase consensual entre os pesquisadores, é que as facilidades de acesso à informaçãosexual não tem garantido maior proteção contra doenças sexualmente transmissíveis e nemcontra a gravidez precoce. Sabe-se que o número de adolescentes que engravidam aumenta progressivamente eem idades cada vez mais precoces, pois a idade da primeira menstruação tem se adiantado porvolta de quatro meses por década do século XX, sendo que a idade média para que ocorra é dedoze a treze anos e meio, expondo a adolescente a engravidar cada vez mais cedo. Atualmente, a inserção feminina no mercado de trabalho também pode ser vista comoum evento socializador, o que há alguns anos atrás ocorria somente entre os homens. Essatransformação da mulher aconteceu em função do custo de vida elevado da atualidade,levando-a a trabalhar fora, deixando de cuidar apenas dos filhos e da casa como antes fazia.Por essa razão, entre outras, a gravidez na adolescência causa preocupações à sociedade, poisos jovens muitas vezes encontram-se despreparados para enfrentar o mercado de trabalho, oque pode torná-los marginalizados, agravando o quadro de pobreza do país. Outra razão que leva muitas jovens a engravidar é o abuso sexual, que pode serdefinido como um envolvimento de crianças ou adolescentes em uma atividade sexual contraa própria vontade. Todos os níveis de abuso podem ter conseqüências psicológicasdevastadoras e os resultados físicos desta violência são: fraturas, contaminação por doençassexualmente transmissíveis e a gravidez. Uma outra variável importante na gravidez durante a adolescência é a influênciareligiosa exercida sobre o comportamento sexual dos adolescentes. Fica claro o importantepapel orientador das instituições religiosas, já que são poderosos meios de comunicação eformadores de opinião. No entanto, há a necessidade de se tornarem aliadas às práticaspreventivas das instituições de saúde pública destinadas aos adolescentes, enfatizando aquestão da responsabilidade em assumir uma vida sexual ativa, não de uma formapreconceituosa, para que o adolescente possa desfrutar de uma vida sexual saudável no futuro.
  • Um outro inconveniente da gravidez durante a adolescência, diz respeito às funçõesfisiológicas, ou seja, as adolescentes representam um grupo de alto risco obstétrico, poisapresentam um elevado nível de complicações quando comparadas às demais, além defavorecer o nascimento de bebês prematuros, ou quando a mãe possui idade inferior a 13anos, tem duas vezes e meia a mais possibilidade de gerar um bebê com baixo peso. Por meio de pesquisas, sabe-se que é comum acontecer casos de adolescentes queengravidam porque suas próprias mães também engravidaram durante a adolescência ouiniciaram precocemente a vida sexual. Outro fator importantíssimo e que, segundo estudosrealizados por acadêmicos de cursos superiores ligados à saúde, adolescentes queengravidam percebem a família pouco unida, com baixo nível de comunicação entre seusmembros e normalmente, os pais não vivem juntos, acarretando assim a baixa renda familiar.Enquanto isso, aquelas jovens que não engravidam sentem um grande senso de união e forçafamiliar. De acordo com Sidman (1995), “vários jovens convivem com um ambiente familiarpunitivo promovendo, de alguma maneira, para que estes deixem seus lares”. Deixar a famíliapara estudar longe de casa ou para trabalhar é visto pela sociedade como algo altamenteaceitável, desde que os pais acompanhem a trajetória de seus filhos e nunca deixem dedialogar sobre este e outros assuntos. São muitos os adolescentes que veem na gravidez e conseqüentemente em um casamento precoce, a possibilidade de esquivarem-se de um ambiente familiar escasso em reforçamento positivo compensatório. (SIDMAN, 1995).4. RELACIONAMENTO COM A FAMÍLIA E A ESCOLA Uma vez constatada a gravidez, se a família da adolescente for capaz de acolher onovo fato com harmonia, respeito e colaboração, ela tem maior probabilidade de ser levadanormalmente e sem grandes transtornos. Porém, havendo rejeição, conflitos traumáticos derelacionamento, punições atrozes e incompreensão, a adolescente poderá sentir-seprofundamente só nesta experiência difícil e desconhecida, poderá correr o risco de procurarabortar, sair de casa, submeter-se a toda sorte de atitudes que acredita serem as melhores pararesolver o seu problema. Em famílias que possuem comunicação e relacionamento adequados, é bem menosprovável que ocorra a gravidez na adolescência. Além disso, especialistas em argumentam
  • que filhas de pais separados ou solteiros possuem maior probabilidade para engravidaremnessa fase, atribuindo tal fato à ausência do pai na família, embora o mesmo não ocorraquanto ao comportamento sexual dos garotos. A escola possui importância fundamental na educação de um indivíduo,normalmente, serve como uma continuação ou complementação da educação recebida noâmbito familiar, No entanto, os indicadores nacionais mostram uma situação calamitosaquanto ao perfil das jovens gestantes; muitas possuem o primeiro grau incompleto e aescolaridade da adolescente mostra-se altamente defasada em relação à própria idade. É fundamental que tanto a família quanto a escola assumam a responsabilidade deformar e informar às jovens para que consolidem uma visão positiva da própria sexualidade etornem-se capazes de tomar de decisões maduras e responsáveis.5. QUESTÕES ELABORADAS PELOS ALUNOS PARA O DEBATE As questões debatidas em sala de aula pelos alunos da 3ª Fase do 3º Ciclo foramelaboradas nas aulas de Língua Portuguesa e estão relacionadas a seguir: 1- Qual é a melhor forma que os pais devem utilizar para manter os filhos informadossobre a sexualidade? 2- Como evitar a gravidez na adolescência? Qual é a principal forma de combatê-la? 3- Como será a vida de uma adolescente após uma gravidez não planejada? E o que afamília deve fazer nessa situação? 4- O que deve fazer o pai da criança, sabendo que ele tem a mesma responsabilidadeno caso? 5- Como conscientizar os adolescentes sobre esse assunto? 6- Por que a maioria dos filhos das mães adolescentes não tem os pais presentes? Aquem cabe essa irresponsabilidade? 7- Por que muitas adolescentes grávidas escolhem fazer aborto e não assumem acriança ou até acabam morrendo? 8- Qual a porcentagem de adolescentes grávidas no Brasil? 9- Com tantas medidas de prevenção hoje em dia, por que as adolescentes aindaengravidam? 14- Quais as consequências que podem ser geradas pela gravidez na adolescência? 10- Quais são os riscos que as meninas correm ao engravidar na adolescência? 11- Quais são as sequelas que a gravidez na adolescência pode deixar?
  • 12- Que atitudes devem ser tomadas a partir do momento que a adolescente já estágrávida? 13- Como ficam os estudos das adolescentes nessa situação? Por que as maiorias dasadolescentes param de estudar quando estão grávidas? 14- O que a escola deve ensinar aos adolescentes e jovens a fim de prevenir e/ouplanejar a gravidez na adolescência? 15- E se acaso ocorrer a gravidez, como a família e a escola podem ajudar? 16- A discriminação popular leva os adolescentes a praticar o crime de aborto? 17- Você é a favor do aborto? O que você pensa sobre isso? Será que o aborto é aatitude correta? 18- Quais as conseqüências de um aborto? 19- Por que na maioria dos casos as meninas são as culpadas e os meninos não sãonem lembrados? 20- O que os meninos podem e devem fazer para assumir essa responsabilidade? 21- Você é a favor ou contra a atitude dos pais de colocarem pra fora de casa asadolescentes que engravidam? Por quê? Por que algumas até saem da casa da família e sãoabandonadas? 22- Você acha justo, as meninas grávidas, e também os meninos que são pais naadolescência, serem vistos com outros olhos pela sociedade? Por quê? 23- Qual a porcentagem atual de casos de gravidez na adolescência, no Brasil? 24- A partir de que idade acontece a gravidez na adolescência? 25- O que você faria (PARA UM MENINO) se tivesse engravidado uma menina? 26- Em que a gravidez vai interferir na vida do adolescente? 27- Se a gravidez foi um acidente e os dois não se gostam, eles devem ficar juntos eassumir a responsabilidade ou separados um do outro? 28- Como você gostaria que seus pais reagissem com a notícia de uma gravidez? 29- A relação sexual é um assunto muito sério e deveria acontecer apenas entre osadultos, mas infelizmente não é a realidade de hoje. Por isso, você acha que é a hora certa detransar? A relação sexual foi com a pessoa certa? Não foi um ato muito precipitado? Você nãodeveria ter esperado o momento certo? 30- Se isso fosse o seu caso, como você estaria se sentindo: feliz, triste, decepcionado(a), assustado (a)? 31- O que você faria (PARA UMA MENINA) se o pai da criança não quisesseassumir e você não tivesse condições de criar o filho?
  • 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Acredita-se que a grande quantidade de Gravidez na Adolescência pode acontecerdevido a vários fatores internos e externos. Sabe-se que o despertar sexual tem surgido cadavez mais cedo entre os adolescentes. Estes, impulsionados pela força de seus instintos,juntamente com a necessidade de provar a si mesmo sua virilidade e sua independentedeterminação em conquistar outra pessoa do sexo oposto, contrariam com facilidade asnormas tradicionais da sociedade e os aconselhamentos dos familiares e começam,avidamente, o exercício da sexualidade. Essa pode ser uma das causas incidentes do grandenúmero de adolescentes que engravidam nessa fase. Associado a isso, pode haver a relaçãoíntima com o contexto familiar, que tem responsabilidades diretas com a época em que seinicia a atividade sexual dos adolescentes. A vida sexual de muitos adolescentes começa precocemente e sem informaçãoadequada, e ainda falta diálogo e afetividade entre pais e filhos. Esses adolescentes,principalmente as meninas, geralmente vêm de famílias cujas mães também iniciaram a vidasexual precoce ou engravidaram durante a adolescência.7. REFERÊNCIASBALLONE G. J - Gravidez na Adolescência - in. PsiqWeb, Internet. Disponível em<http://sites.uol.com.br/gballone/infantil/adoelesc3.html> Acessado em 24 de agosto de2010.BUENO, Gláucia da Motta. Psicóloga. Tese de Mestrado. Variáveis de risco para agravidez na adolescência. Disponível no sitehttp://www.virtualpsy.org/infantil/gravidez.html. Acessado em 25 de agosto de 2010.STRASBURGER, V. C. (1999). Os adolescentes e a mídia: impacto psicológico. PortoAlegre: Artes Médicas Sul.SIDMAN, M. Coerção e suas explicações (pp. 104 – 134). Campinas: Editorial Psy.(1995).GALLETTA, M. A. (1999) Garotas de classe média. Órgão Oficial do Conselho Regionalde Medicina do Estado de São Paulo: Jornal do Cremesp, Ano XVIII, 145, 9.