Your SlideShare is downloading. ×
A peste negra
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

A peste negra

22,181
views

Published on


0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
22,181
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
306
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A peste negra
    Uma epidemia mortal
  • 2. A peste negra
    • Na baixa idade média (especificamente no século XIV) uma das piores pandemias da história do homem aconteceu na Europa e em vários outros continentes, sendo apelidada de peste negra.
    • 3. Antes mesmo do sistema feudal existir (antiguidade) os historiadores acreditam que há relatos dessa peste, porém em escala menor , pois não havia uma população de ratos e pulgas contaminados suficientemente grande para causar a disseminação da doença .
    • 4. As epidemias ocorram em vários lugares simultaneamente (Ásia e Europa).
    • 5. Em 1330 surgiram os primeiros focos da peste bubônica na china
    • 6. O comércio por meio de navios foi o método mais eficaz de trazer o vetor da peste bubônica para a Europa ( a pulga do RattusRattus, rato que graças viver mais perto das pessoas gerou melhores condições para a transmissão). Os Ratos infectados e suas pulgas que causaram a pandemia de 1347 eram provavelmente oriundos ou da China ou da região central da Asia .
  • 7. Transmissão
    • A peste negra é transmitida pela pulga do RattusRattus (Rato Negro).
    • 8. O rato preto foi bastante importante para difusão da peste por seus hábitos mais domesticados.
    • 9. A maneira como as pessoas viviam nos burgos também foi importante para a propagação da doença.
    • 10. As principais maneiras para uma pessoa ser contaminada eram: Ou diretamente por uma pulga, que libertava bactérias na pele da vitima, ou então pela inalação de saliva (tosse e espirros, sendo essa forma mais letal).
    • 11. A mudança do rato preto para o rato cinza como principal hospedeiro das pulgas foi um fator marcante para o fim das epidemias .
    Rattus Rattus
  • 12. O período mais quente e seco não apenas transformou determinadas áreas em cultiváveis e habitáveis como contribuiu para dificultar a difusão da peste. De fato, na forma bubônica seu vetor é a pulga, que vive sob uma temperatura de 15 a 20 graus e sob uma umidade relativa do ar de 90% a 95%. Na forma pneumônica, a peste é transmitida pelas gotículas de saliva do homem infectado, as quais em regiões frias e úmidas ficam em suspensão na atmosfera e penetram no organismo pela respiração. Ou seja, a pluviometria condiciona o ritmo sazonal da peste, com a umidade do ar estimulando a epidemia se ela estiver presente na região. Daí nas zonas atlânticas, devido à umidade, a peste ter-se instalado e persistido por anos sob uma forma atenuada antes de eclodir em vagas violentas.
  • 13. Democrática e igualitária, a peste atingia indiferentemente a todos. Ao con­trário do que os historiadores sem conhecimento médico sempre afirmaram, a má nutrição não era condição agravante. Ricos e pobres, organismos bem e mal ali­mentados, eram igualmente suscetíveis à peste. A diferença residia no fato de se estar mais ou menos exposto ao contágio. Grupos como coveiros, médicos e padres eram mais atingidos por razões profissionais. As zonas rurais, de população mais esparsa, eram mais poupadas que as cidades. A única possibilidade de salvação estava em manter-se afastado dos locais tocados pela peste. Foi o que fizeram, por exemplo, os personagens do Decameron, de Giovanni Boccaccio, que abandonaram Florença e foram viver isolados nos arredores da cidade enquanto a peste maltrata­va seus concidadãos que não tinham recursos para fugir.
  • 14. Para termos uma real noção do número de mortes
    Em cinco anos a peste dizimou 25 milhões de toda população européia, chegando a matar 50% de todas as pessoas nas áreas mais afetadas
    • População estimada na Europa
    • 15. 1000 - 38 milhões
    • 16. 1100 - 48 milhões
    • 17. 1200 - 59 milhões
    • 18. 1300 - 70 milhões
    • 19. 1347 - 75 milhões
    • 20. 1352 - 50 milhões
    Durante essa pandemia 1/3 da população européia pereceu. Mas o lugar onde a pandemia de peste bubônica mais matou foi na China
  • 21. Sofrimento (Sintomas)
    • As pessoas que ficavam doentes sofriam bastante antes de morrer. Entre os sintomas da praga estavam febres altas, bubões (gânglios linfáticos inchados) , dores, vômito, hemorragias, delírio, manchas pelo corpo... Dependendo da forma de contagio as pessoas poderiam morrer em um prazo de 24 horas ou até menos. O máximo de sobrevida seria 5 dias após o surgimento dos primeiros nódulos.
  • Conseqüências da peste
    Diminuição demográfica
    Falta de mão de obra
    Questionamento e enfraquecimento da Igreja católica
    Pogroms
    Ascensão da burguesia sobrevivente
    Diminuição da produção e do consumo
    Mudanças nos costumes e no comportamento
    Colapso do Feudalismo (Primeiras revoltas contra os senhores surgiram após a pandemia de 1347)
    As consequências que a peste trouxe ajudaram na mudança da época medieval para a era moderna e na formação do homem renascentista
  • 22. Fatos/Imagens interessantes
  • 23.
    • Como todo grande acontecimento, essa pandemia gerou uma grande produção artística
    • 24. Uma das últimas epidemias de peste bubônica ocorreu na Argélia em 1944, tendo inspirado a Albert Camus, prêmio Nobel de literatura, o romance "A peste".
    • 25. Em 1994 houve um “falso alerta” de surto de peste bubônica pneumática na Índia, o que gerou certo prejuízo econômico.