Palestra Antonio Soler/CEA no EDEA/FURG 250912
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Palestra Antonio Soler/CEA no EDEA/FURG 250912

on

  • 575 views

Palestra Antonio Soler/CEA no EDEA/FURG 250912

Palestra Antonio Soler/CEA no EDEA/FURG 250912

Statistics

Views

Total Views
575
Views on SlideShare
575
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Palestra Antonio Soler/CEA no EDEA/FURG 250912 Palestra Antonio Soler/CEA no EDEA/FURG 250912 Presentation Transcript

  • IV Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental (IV EDEA) V Colóquio de Pesquisadores em Educação Ambiental da Região Sul (V CPEASul)A Rio+20: A economia verde e a (re) produção ou superação da crise ecológica Eugênia Dias (eugeniaad@gmail.com) Cintia Barenho (cintiabarenho@gmail.com) Antônio Soler ( acpsoler@gmail.com) 25/09/2012
  • A Terra apresenta uma incapacidade/limite natural em absorver as alterações metabólicasdos sistemas econômicos marcados pelo fetiche do crescimento econômico ilimitado e/ou pelo mito do produtivismo (ou desenvolvimentismo), os quais, por sua vez, traduzem uma determinada visão hegemônica de Natureza,onde a humanidade é dela apartada, colocando a vida humana, ainda que de forma social e economicamente seletiva, de um lado e a vida não humana e outro
  • CRISE ECOLÓGICA(economia moderna industrial )- Hiperconsumo ou consumismo- Produtivismo- Crença cega no desenvolvimento- Crescimento sem limites- Desperdício frenético- Mercado acima de tudo (DS,Economia Verde)
  • Estocolmo (40 anos)Reconhece a Crise Ecológica Princípios para as ações nacionais e internacionais
  • RIO DE JANEIRO (20 anos) - Acordou o que fazer e definiu-se instrumentos (Agenda 21, Clima, Biodiversidade...) - Consolidou o conceito de DS
  • “O ensino tem fundamental importância na promoção do desenvolvimento sustentável” (Agenda 21)“Consideramos que a educação ambiental para uma sustentabilidade eqüitativa é um processo de aprendizagem permanente, baseado no respeito a todas as formas de vida” (Tratado de EA para as Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global)“harmonia entre os seres humanos e destes com outras formas de vida” (Tratado de EA para as Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global)
  • Importância do DS como “estratégia de sobrevivência do planeta e, conseqüentemente, de melhoria da qualidade de vida humana” (Carta Brasileira para Educação Ambiental, 1992) A Declaração de Thessalonik (1997) buscou formatar um conceito de educação para o DS EA deve considerar que o uso dos“recursos naturais” deva atender tanto as gerações atuais, como as futuras (PRONEA)
  • Johanesburgo (10 anos)Prenúncio do retrocesso
  • “Deixe-me ser claro. A Rio+20 foi um sucesso” Ban Ki-moon
  • Rio + 20 (Agora)- Mais de 100 Chefes de Estado ou de Governo representados (e 193Estados-Membros);- 700 compromissos foram registrados;- 64 milhões de ações individuais trazidas pela iniciativa “AçõesVoluntárias Contam”, liderada pelos Voluntários das Nações Unidas;- Centenas de milhões de pessoas de todo o mundo se uniram à conversa ‘online’ para compartilhar suas visões para o futuro e exigir ações;O Futuro que Queremos- Lançou um processo para estabelecer os Objetivos de DesenvolvimentoSustentável (ODS);- Os governos permanecem no centro;- Fórum político de alto nível sobre o desenvolvimento sustentável e dofortalecimento do Programa da ONU para o Meio Ambiente [PNUMA]; Ban Ki-moon, Assembleia Geral da ONU, NY, 28.06.12
  • Rascunho Zero Apresentado pela ONU em janeiro de 2012 "Rascunho 1" Resultado das negociações informais em Nova York, apresentado em maio 2012 Texto final NYApresentado em 2 de junho de 2012 (rascunho que abriu negociações no Rio de Janeiro) Texto brasileiroApresentado em 16 de junho de 2012, no Rio de Janeiro Proposta finalApresentado em 19 de junho de 2012, no Rio de Janeiro O Futuro que Queremos
  • Rio + 20 (Agora)“(...) o documento final reconheceu a necessidade de ir além doproduto interno bruto [PIB] como uma medida do progresso, ereconheceu o papel que a economia verde pode desempenhar naredução da pobreza, no crescimento econômico e na preservaçãoambiental.” Ban Ki-moon, Assembleia Geral da ONU, NY, 28.06.12 “A Cúpula dos Povos é o momento simbólico de um novo ciclo na trajetória de lutas globais que produz novas convergências entre movimentos de mulheres, indígenas, negros, juventudes, agricultores/as familiares e camponeses, trabalhadore/as, povos e comunidades tradicionais, quilombolas, lutadores pelo direito à cidade, e religiões de todo o mundo” Declaração da Cúpula dos Povos
  • CÚPULA DOS POVOS NA RIO + 20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL A “economia verde”, ao contrário do que o seu nome sugere, é outra fase da acumulação capitalista. Nada na “economia verde” questiona ou substitui a economia baseada no extrativismo de combustíveis fósseis, nem os seuspadrões de consumo e produção industrial. Essa economia estende a economiaexploradora das pessoas e do ambiente para novas áreas, alimentando assim o mito de que é possível o crescimento econômico infinito.
  • CÚPULA DOS POVOS NA RIO + 20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL“A dita “economia verde” é uma das expressões da atual fase financeira docapitalismo que também se utiliza de velhos e novos mecanismos, taiscomo o aprofundamento do endividamento público-privado, o super estímuloao consumo, a apropriação e concentração das novas tecnologias, osmercados de carbono e biodiversidade, a grilagem e estrangeirização deterras e as parcerias públicoprivadas, entre outros.”“As instituições financeiras multilaterais, as coalizações a serviço do sistemafinanceiro, como o G8/G20, a captura corporativa da ONU e a maioria dosgovernos demonstraram irresponsabilidade com o futuro da humanidade edo planeta e promoveram os interesses das corporações na conferenciaoficial.” Declaração da Cúpula dos Povos
  • “Há vinte anos o Fórum Global, também realizado no Aterro do Flamengo, denunciou os riscos que a humanidade e a natureza corriam com a privatização e o neoliberalismo. Hoje afirmamos que, além de confirmarnossa análise, ocorreram retrocessos significativos em relação aos direitos humanos já reconhecidos.”“Rio+20 repete o falido roteiro de falsas soluções defendidas pelos mesmos atores que provocaram a crise global. À medida que essa crise seaprofunda, mais as corporações avançam contra os direitos dos povos,a democracia e a natureza, sequestrando os bens comuns da humanidade para salvar o sistema econômicofinanceiro.” “A verdadeira causa estrutural da crise global: o sistema capitalista patriarcal, racista e homofóbico.” Declaração da Cúpula dos Povos
  • “A defesa dos espaços públicos nas cidades, com gestãodemocrática e participação popular, a economia cooperativae solidária, a soberania alimentar, um novo paradigma deprodução, distribuição e consumo, a mudança da matrizenergética, são exemplos de alternativas reais frente ao atualsistema agro-urbano-industrial.”“A defesa dos bens comuns passa pela garantia de uma sériede direitos humanos e da natureza, pela solidariedade e pelorespeito às cosmovisões e crenças dos diferentes povos.” Declaração da Cúpula dos Povos
  • Rio+20- Resistencia a transformação do modelo de desenvolvimento;- Privilegiou-se aspectos pontuais e interesses específicos dos diferentes países e grupos, ficando relegadas ao segundo plano as questões de maior envergadura.- Texto com alto nível de incerteza e baixo nível de ambição, muito aquém do necessário e esperado.
  • Rio+20- O governo brasileiro garantir e priorizar um acordo, aindaque o nível de ambição fosse sacrificado. O Brasil exerceu grande pressão para que o documento fosse emendado por consenso a qualquer preço, de tal forma que contornou asdivergências, mas também as demandas por verdadeiros avanços e ocultou os dilemas que os impedem. -Para implementar essa estratégia com a pressa necessária,sacrificou-se a transparência em nome do pragamatismo. - Não há prazos para definir ODS; - PNUMA não se transformou em Agência;- As águas internacionais não foram protegidas, mas devem objeto de debates na Convenção do Mar.
  • Na visão antropocêntrica, a Natureza humana é exterior, superior e opressora da natureza nãohumana, atribuindo a essa última valor instrumental predominantemente econômico e autorizando sua dominação por uma elite, levando ao atendimento desigual das necessidades humanas, majoritariamente criadas em função de interesses do mercado.
  • Estocolmo (40 anos) “Os dois aspectos do meio ambiente humano, o natural e o artificial, são essenciais para o bem-estar do homem e para o gozo dos direitos humanosfundamentais, inclusive o direito à vida mesma”
  • ”un recurso de gran valor económico, cultural, científico yrecreativo” (Convenção de Ramsar)Programa MaB/UNESCO com basena ciência e no uso “racional dos recursos naturais” levar ao DS“Os seres humanos estão no centro das preocupações com o desenvolvimento sustentável” (Declaração do Rio)
  • “informação de caráter educativo sobre a necessidade de protegê-lo e melhorá-lo [meio ambiente humano], a fim de que o homem possa desenvolver-se em todos os aspectos” (Declaração de Estocolmo)“Os recursos do mundo devem ser desenvolvidos de modo a beneficiar toda a humanidade e proporcionar melhoria da qualidade de vida de todos” (Carta de Belgrado)“(...) a defesa e melhoria do meio ambiente se deve em razão das gerações presentes e futuras” (Declaração de Tbilisi)
  • CF/88Art. 225. Todos têm direito ao meioambiente ecologicamente equilibrado,bem de uso comum do povo eessencial à sadia qualidade de vida,impondo-se ao Poder Público e àcoletividade o dever de defendê-lo epreservá- lo para as presentes efuturas gerações.
  • “O desenvolvimento sustentável é sobre pessoas – o bem-estar dos indivíduos, famílias, comunidades e nações. ARio+20 nos deu uma nova chance.” Ban Ki-moon, Assembleia Geral da ONU, NY, 28.06.12 PELOTAS A sociedade do produtivismno/consumismo “causa um OCEANOaumento das desigualdades e das injustiças, cria um bem- ATLÂNTICOestar muito ilusório, não proporciona nem mesmo para os “abastados” uma sociedade convivial e sim uma anti- sociedade doente por causa de sua riqueza” (LATOUCHE, 2006).
  • http://centrodeestudosambientais.wordpress.com/about/ ongcea@gmail.comCEA, desde 1983 o coletivo pela sustentabilidade não antropocêntrica
  • Referências http://www.onu.org.br/rio20/tema/documento-final/http://centrodeestudosambientais.wordpress.com/2012/07 /26/enquanto-que-para-onu-o-futuro-e-das-corporacoes- para-a-cupula-dos-povos-o-futuro-e-dos-povos-contra-a- mercantilizacao-da-vida/ http://www.vitaecivilis.org.br/index.php/temas/rio- 20/versoes-do-documento-oficial#Box