Falta de política de conservação e preservação ambiental promove a conversão do bioma pampa em desertos verdes cintiabarenho
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Falta de política de conservação e preservação ambiental promove a conversão do bioma pampa em desertos verdes cintiabarenho

  • 1,144 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,144
On Slideshare
1,090
From Embeds
54
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 54

http://ongcea.eco.br 54

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Falta  de  Política  de  Conservação  e  Preservação  Ecológica  promove  a   conversão  do  Bioma  Pampa  em  Desertos  Verdes   por  Cíntia  Barenho   Bióloga,  Mestre  em  Educação  Ambiental  e  coordenadora  de  Projetos  do  Centro  de   Estudos  Ambientais  (CEA).  Também  atua  na  Marcha  Mundial  das  Mulheres.       O   Bioma   Pampa   sul-­‐rio-­‐grandense   abrange   cerca   de   180   mil   Km2,   o   que  equivale   a   cerca   de   60%   da   área   do   Rio   Grande   do   Sul   (RS).   O   Pampa   é  caracterizado   por   uma   vegetação   campestre,   que   predomina   em   relevos   de  planície,   e   por   uma   vegetação   mais   densa,   arbustiva   e   arbórea,   nas   encostas   e   ao  longo   dos   cursos   de   água,   além   da   ocorrência   de   banhados   e   áreas   úmidas.   Além  disso,  as  terras  pampeanas  ocupam  uma  área  de  aproximadamente  700  mil  km2  entre  os  países  da  Argentina,  Uruguai  e  Brasil  (Schnadelbach  &  Picoli,  2007)1.     No   RS   apenas   39%   de   sua   área   total   ainda   é   constituída   por  remanescentes   de   campos   naturais   (Pillar,   2006)2.   E   mesmo   com   uma   imensa  riqueza   de   biodiversidade   e   significantes   endemismos   (ou   seja,   espécies   que   só  ocorrem  nesse  ecossistema)  apenas  0,46%  do  Pampa  gaúcho  está  protegido  em  Unidades  de  Conservação.     Mesmo   assim,   e   em   ritmo   acelerado,   os   campos   sulinos   estão   sendo  convertidos  em  lavouras  e  plantações  de  árvores  exóticas.  Segundo  Pillar  (2006),  entre   os   anos   de   1970   e   2005   mais   de   4,7   milhões   de   hectares   de   pastagens  naturais  foram  modificadas.     Atualmente   o   RS   tem   uma   área   de   mais   de   500   mil   hectares   de  monoculturas  de  árvores  exóticas3  e,  segundo  projeções,  chegaria  a  cerca  de  um  milhão   de   hectares   de   plantações   de   pinus,   eucalipto   e   acácia   até   20154.   A  metade  sul  do  RS,  onde  predomina  o  bioma,  desde  20035  tem  sofrido  a  ofensiva                                                                                                                  1  PICOLI,  Luciana  R.  e  SCHNADELBACH,  Carla  V.  (Coord.).  O  pampa  em  disputa:  a  biodiversidade  ameaçada   pela   expansão   das   monoculturas   de   árvores.   Porto   Alegre:   Núcleo   Amigos   da  Terra/Brasil,  2007.  64p.  Disponível  em:  http://goo.gl/sd1hO  2  PILLAR,   V.D.P.   et   al.   Estado   atual   e   desafios   para   a   conservação   dos   campos.   Workshop   -­‐   UFRGS,  Porto  Alegre,  março  de  2006.  3  Infelizmente  não  vem  sendo  possível  acessar  dados  oficiais  e  confiáveis  sobre  a  quantidade  de  hectares  de  eucaliptos  plantados  no  Pampa  até  o  momento.  4  No  entanto,  com  a  crise  econômica  do  sistema  capitalista  o  panorama  mudou.    5  Cabe   destacar   que   durante   1980   outra   ofensiva   ocorreu,   resultando   em   monoculturas   de  acácias  (extração  de  resina)  e  pinus  (cavacos).  As  tentativas  de  instalação  de  fábrica  de  celulose  foram  barradas  pela  sociedade  de  Rio  Grande-­‐RS.  
  • 2. dos   mega-­‐projetos   de   celulose   e   papel6.   Os   projetos,   além   de   transformar   o  Pampa   em   imensos   maciços   de   eucalipto   (desertos   verdes),   também   previam   a  instalação  de,  pelo  menos,  três  fábricas  de  pasta  de  celulose.    O  Executivo  Estadual  apoia,  a  sociedade  disputa  de  modelo     O  Governo  estadual  (gestão  Rigotto  e  Yeda  Crusius)  fez  de  “tudo”  para  não  preservar  o  Pampa.  Para  tanto,  assumiu  os  investimentos  do  setor  da  celulose  e  papel   como   projeto   de   governo   (especialmente   Yeda),     incentivando   de  diferentes   formas   a   consolidação   deste   setor   no   Estado.   Pode-­‐se   dizer   que   a  principal   foi   a   flexibilização   e   o   descumprimento   da   legislação   ambiental.   Por  exemplo,   excluindo   ou   postergando   a   apresentação   do   Estudo   Prévio   de   Impacto  Ambiental   em   empreendimento   de   florestamento   ou   reflorestamento   para   fins  empresariais  com  menos  de  1000  hectares.       A  sociedade  civil  organizada  (Movimento  Ecológico  Gaúcho)  conquistou,  a  duras   penas,   o   Zoneamento   Ambiental   para   atividade   de   Silvicultura   (ZAS),  desenvolvido   pela   Fundação   Estadual   de   Proteção   Ambiental   e   da   Fundação  Zoobotânica.   Mesmo   sendo   desenvolvido   por   órgão   público,   o   ZAS   foi  desqualificado  e  rechaçado  pelas  empresas,  por  algumas  entidades  e  sindicatos  e,  pelo  próprio  governo,  uma  vez  que  o  zoneamento  limitava  o  plantios  de  pinus  e  eucalipto  em  grande  escala  e  em  determinadas  áreas  do  RS.       Além   da   disputa   por   dentro   do   “sistema”,   a   sociedade,   através   dos  movimentos   sociais-­‐ecológicos,   sistematicamente   estava   às   ruas   denunciando   e  condenando  a  transformação  do  Pampa  em  Desertos  Verdes.  Uma  das  ações  mais  condenadas  midiaticamente,  foi  a  ocupação  e  destruição  do  viveiros  de  mudas  da  Aracruz,  por  mulheres  da  Via  Campesina.     Também   era   possível   contar   com   alguns   parlamentares,   ligados   a   campos  ditos  de  esquerda,  que  apoiavam  a  luta  contra  a  expansão  do  projeto.     Sobre   a   mídia,   não   se   pode   deixar   de   destacar   que   nos   meios   de  comunicação 7  imperava   a   desinformação:   comemoravam   os   investimentos,  destacando  apenas  lados  ditos  positivos8.                                                                                                                  6  Eram  três  grandes  projetos  –  da  Aracruz,  da  Stora  Enzo  (Finlândia)  e  da  Votorantim  Celulose  e  Papel  (VCP)  –  que  pretendiam  investir  cerca  de  US$  3,5  bilhões  em  sete  anos.      
  • 3. A  crise  econômica  do  capital  sobre  os  desertos  verdes     Com   o   agravamento   da   crise   econômica   mundial,   bem   como   com   a  sistemática   luta   e   resistência   local,   os   investimentos   do   setor   de   celulose   e   papel  foram   minguando.   Por   conta   da   crise   e   de   estripulias   junto   ao   mercado  financeiro  (derivativos),  a  Aracruz  foi  incorporada  à  VCP,  transformando-­‐se  em  Fibria.   Assim   a   fábrica   de   celulose   de   Guaíba   virou   Fibria,   mas   rapidamente   foi  comprada   pela   empresa   chilena   CMPC9  (Companhia   Manufatureira   de   Papeis   e  Cartões).         Na   Metade   Sul   a   Fibria   anunciou   que   venderia   o   “Projeto   Losango”   para  reduzir  dívidas,  ativos  considerados,  agora  como  não-­‐estratégicos.  Empresas  que  até   então   ressaltavam   a   importância   e   suas   boas   intenções   com   o  desenvolvimento  do  RS,  escolhem  outro  cenário  mais  favorável  (no  restante  do  Brasil  os  projetos  seguem  e  se  expandem).    A  volta  dos  que  não  foram:  os  novos  velhos  investimentos     Atualmente   a   ofensiva   papeleira   volta   a   pauta.   Primeiramente   com   o  anúncio   que   a   CMPC   comprou 10  cerca   de   100   mil   hectares   monocultura   de  eucalipto  por  R$  615  milhões  de  reais.     A   chilena,   também   anunciou   que   a   fábrica   de   Guaíba   será   ampliada   e  passará   a   produzir   1.750   mil   ton/ano,   com   início   das   operações   comerciais   em  2015.    O  valor  total  do  investimento  previsto  será  de  R$  4,6  bilhões,  sendo  que  seu  conselho  administrativo  autorizou  obter  crédito  no  valor  de  R$  2,51  bilhões  no   Banco   Nacional   de   Desenvolvimento   Econômico   e   Social   (BNDES).   Projetam   a  geração  de  mais  de  7  mil  postos  de  trabalho  diretos  e  17.100  indiretos,  até  2015.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              7  A   principal   empresa   de   comunicação   do   RS,   detentora   de   concessão   pública   de   rádios-­‐TV-­‐jornais,   foi   e   é   a   porta-­‐voz   das   empresas   promotoras   dos   Desertos   Verdes.   Inclusive   a   mesma  promovia  “campanhas”  de  criminalização  dos  movimentos  sociais-­‐ecológicos.  8  Uma  tal  salvação  que  também  não  veio  dos  eucaliptos.  Disponível  em:  http://goo.gl/Tdmzl  9  A   fábrica   de   celulose   de   Guaíba-­‐RS   já   foi   Borregaard,   Riocel,   Aracruz,   Fibria,   e   agora   é   da  empresa   CMPC,   mas   se   utiliza   de   um   nome   que   soa   melhor   aos   ouvidos   locais:   Celulose  Riograndense.    10  Referente   a     conclusão   da   operação   de   compra   de   ativos   florestais   (projeto   Losango)   da  brasileira   Fibria   no   RS.   A   transação   inclui   100   mil   hectares   de   áreas   próprias,   dos   quais   38   mil  hectares  com  plantações  de  eucalipto.  Disponível  em:  http://goo.gl/FZjVB    
  • 4. No  comunicado  da  empresa  informa11  que  possui  214  mil  hectares  de  terras,  dos  quais  81  mil  hectares  são  destinados  à  preservação  ambiental12.         Tal   anúncio   foi   saudado   não   só   por   parlamentares   e   meios   de  comunicação   (comprometidos   com   seus   anunciantes),   como   também   pelo   atual  executivo   estadual.   Para   o   atual   governador   Tarso   Genro   (PT-­‐RS):   "trata-­‐se   de  uma  concepção  de  desenvolvimento,  que  gera  uma  demanda  social  virtuosa  e  o  Estado   está   tecnicamente   preparado   para   isso"13.   Nada   foi   esclarecido   sobre   o  processo  de  licenciamento  ambiental.     O   Movimento   Ecológico   Gaúcho14  manifestou-­‐se   sobre   a   ampliação   de  megainvestimento  da  Celulose  Riograndense  no  RS.       Também  cabe  destacar  que  recentemente,  o  Congresso  Nacional  aprovou  a   compra   de   terra   por   estrangeiros   (empresas   brasileiras   controladas   por  estrangeiros).     Ou   seja,   o   Pampa   já   pode   ser   “vendido”.   Benefícios   tanto   para   a  empresa  chilena,  como  para  sueco-­‐finlandesa  Stora  Enso.  Tal  empresa  se  utilizou  de   laranjas   para   comprar   terras   no   RS,   na   faixa   de   fronteira.   Denúncias   do  descumprimento   da   Constituição   Federal   foram   feitas,   mesmo   assim   a   Stora  Enso  obteve  aval  para  legalizar  o  que  adquiriu  ilegalmente  na  faixa  de  fronteira.    E   no   Congresso   Nacional,   há   parlamentares   gaúchos   tentando   reduzir  definitivamente  as  faixas  de  fronteira.     Além   disso,   há   uma   ofensiva   das   empresas   multinacionais   de   agrotóxicos,  afim   de   flexibilizar   a   legislação   estadual   sobre   Agrotóxicos15.   A   lei   impede,   por  exemplo,   registro   de   agrotóxicos   banidos,   em   seus   países   de   origem.   Certamente  tais  mudanças  também  beneficiarão  às  monoculturas  de  árvores.                                                                                                                    11  Celulose   Riograndense   anuncia   aprovação   de   seu   projeto   de   expansão   no   RS.   Disponível   em:  http://goo.gl/HJ3F9  12     Informação   sobre   preservação   ambiental   promovida   por   papeleira   seria   a   Reserva   Natural  Barba   Negra   (Reserva   Particular   do   Patrimônio   Natural-­‐RPPN),   que   tem   10,6   mil   hectares,  aproximadamente   6   mil   hectares   possuem   eucaliptos   e   viveiro   de   mudas;   e   outros   2,4   mil  hectares  seriam  designados  para  a  reserva  ambiental.  “Celulose  Riograndense  apresenta  Reserva  Natural  Barba  Negra?”  Disponível  em:  http://goo.gl/3svP1  Sendo  assim,  onde  estarão  os  demais  milhares  de  hectares  informados?    13  Celulose   Riograndense   confirma   investimento   de   R$   5   bilhões   no   Estado.   Disponível   em:  http://goo.gl/HJ0lD  14  A   Assembleia   Permanente   de   Entidades   em   Defesa   do   Meio   Ambiente   do   Rio   Grande   do   Sul  (APEDeMA-­‐RS)   manifestou-­‐se   contra   o   megainvestimento   da   Celulose   Riograndense   no   RS.  Disponível  em:  http://goo.gl/8XKXZ  15  A   lei   Lei   n.   7.747   foi  criada  em  1982.  Atualmente  o  RS   é   o   quarto   estado   brasileiro   em   consumo  de  agrotóxicos.  Disponível  em:  http://goo.gl/Lw8VP    
  • 5. Desafios  para  tornar  vislumbrar  um  Pampa  não  mais  pobre     As   grande   extensões   de   terra   do   RS   que   outrora   foram   propriedade   de  poucos   latifundiários,   agora   passam   para   as   mãos   de   duas   empresas   e  multinacionais.  Seria  isso  desenvolvimento  e  sustentabilidade?     A   Falta   de   Política   de   Conservação   e   Preservação   Ecológica16  promove   a  conversão  do  Bioma  Pampa  em  Desertos  Verdes,  o  mesmo  modelo  recorrente  de  desenvolvimento  que  nos  mantém  como  uma  colônia,  onde  se:   • Privatiza  os  lucros  e  socializa  os  custos  sociais,  ecológicos;     • Intensifica   a   concentração   de   terra/renda   e   diminui   a   diversificação   produtiva;   • Submete   o   Aqüífero   Guarani   aos   interesses   do   capital   estrangeiro,   rechaçando  a  soberania;   • Transforma  terras  agriculturáveis  em  monocultivos  de  árvores;       Até   quando   seguiremos   nos   submetendo   a   falsos   projetos   de  desenvolvimento?   Alternativas   produtivas,   reprodutivas   e   de  preservação/conservação  já  existem  no  Pampa.  Precisamos  de  mais  meios  para  visibilizá-­‐las  e  efetivá-­‐las!                                                                                                                    16  Existe   o   projeto,   ação   que   não   se   restringe   ao   Pampa,   chamado   “RS   Biodiversidade   -­‐  Conservação   da   Biodiversidade   como   Fator   de   Contribuição   ao   Desenvolvimento”   que   prevê  proteção   e   conservação   dos   recursos   naturais   e   busca   promover   a   incorporação   do   tema  biodiversidade  nas  instituições  e  comunidades  envolvidas..  Os  recursos  para  execução  provêm  de  doação  de  US$  5  milhões  do  Fundo  Global  do  Meio  Ambiente  (Banco  Mundial),  com  contrapartida  de  US$  6,1  milhões  por  parte  do  Governo  Estadual.  Disponível  em:  http://goo.gl/Bza4F