Fitossanidade no Brasil       Implicações econômicas e Perspectivas                       J. O. Menten, D. Flôres , T. D. ...
AGENDA• Fitossanidade• Implicações Econômicas   - Manejo de Pragas  - Campanha de Erradicação de Pragas   - Entrada de Pra...
Áreas de                  conhecimentoAplicação                                                 Plantas    de             ...
Defensivos Agrícolas                                                                                  Legislação Fitossani...
DANOS NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA MUNDIAL POR PRAGAS                                      Produção sem proteção do   Danos reais ...
Ferrugem asiática da sojaDANOS E PERDAS – BRASIL 2001/02- 2010/2011                                       TON (mi)        ...
DANOS NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA MUNDIAL POR PRAGASDanos evitados pela proteção                              Produção sem       ...
Sustentabilidade Econômica da Agricultura                                              Incremento                Custo    ...
Benefícios dos defensivos agrícolasAo agricultor• Sem uso                              redução de 30% na produção• Para ca...
PARTICIPAÇÃO (%) DO MANEJO QUÍMICO DE PRAGAS NO CUSTO DE               PRODUÇÃO VEGETAL NO BRASIL                      Def...
MERCADO DE DEFENSIVOS NO BRASIL                                               Perspectivas de vendas 2004 - 2020          ...
Preço de defensivos agrícolas                                                     SÃO PAULO (2003-2011)                   ...
Programas de erradicação Mosca daCarambola      Cancro Cítrico            ERRADICAÇÃO!!!
CITROS: HLB (GREENING) – S. PAULO                           2009 -2028    VALOR DA PRODUÇÃO                               ...
Pragas quarentenárias• Pragas Potenciais de se estabeleceram no Brasil                                        10          ...
Striga sp.
Striga sp. • PQ A1 • África • Feijão Caupi  DANO 30 – 56%                                  Fonte: Embrapa Soja, 2011
Globodera rostochiensis
Globodera rostochiensis • PQ A1 • Batata • Chile  20 – 90% • Panamá  10 – 30% • Bielo-Rússia  31 - 74%                 ...
A Aposta no Brasil...                                                15.06.2010                        A OCDE projeta que ...
Jornal Francês – Le Monde         Em 21/06/2011Dia da Abertura da Reunião do G20  “Brasil, a nova fazenda do            Mu...
AGRICULTURA: GRANDES DESAFIOSLegislação ambientalLegislação trabalhistaLogísticaPolítica Fundiária /SegurançaCrédito rural...
Fitossanidade: PerspectivasEducação e Treinamento• Educação Sanitária: Fundamental e Médio• Tecnólogo/Técnico• Graduação• ...
Fitossanidade: PerspectivasLegislação• “Minor Crops”• Mistura em Tanque• Indenizações das ErradicaçõesFiscalização•   Aume...
Fitossanidade: PerspectivasAgilização dos Serviços Públicos• Registro de Defensivos Agrícolas• ARPValorização• Consolidaçã...
FitossanidadeDano  Redução da quantidade e/ou qualidade da produçãoPerda  Redução em retorno financeiro devido a ação de...
Obrigado!jomenten@esalq.usp.br    daniela.flores@usp.br      tdiasm@gmail.com  hcalaca@isagro-brasil.com
III Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

III Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária

1,142

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,142
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
28
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

III Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária

  1. 1. Fitossanidade no Brasil Implicações econômicas e Perspectivas J. O. Menten, D. Flôres , T. D. Martins e H. CalaçaIII Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária 24 a 27 de Abril/2012
  2. 2. AGENDA• Fitossanidade• Implicações Econômicas - Manejo de Pragas - Campanha de Erradicação de Pragas - Entrada de Pragas Quarentenárias• Perspectivas e desafios
  3. 3. Áreas de conhecimentoAplicação Plantas de daninhasDefensivos Fitossanidade Fitopatologia Entomologia
  4. 4. Defensivos Agrícolas Legislação FitossanitáriaSanidade Vegetal • Quarentena • Desenvolvimento • Trânsito de Prevenção • Registro Vegetais • Campanhas • Boas Práticas • Análise de Programas • Receituário Risco de • Educação Agronômico Pragas Fitossanitária • Tecnologia de • Agrotóxicos • Inspeção Aplicação Fiscalização • Certificação Rastreabilidade
  5. 5. DANOS NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA MUNDIAL POR PRAGAS Produção sem proteção do Danos reais apesar Danos evitados cultivopela proteção dos da proteção decultivos (produtos cultivos fitossanitários) Plantas daninhas 13,2% Plantas daninhas 16,4% 27,6% 30,3% Insetos + ácaros 15,6% Insetos + ácaros 7,1% 42,1% Fitopatógenos 13,3% Fitopatógenos 4,2%
  6. 6. Ferrugem asiática da sojaDANOS E PERDAS – BRASIL 2001/02- 2010/2011 TON (mi) US$ (bi)Redução produção (2001/02 - 2008/09) 15,2 3,7Custo da ferrugem(Fungicida, Aplicação, Perda 19,2Grãos, Perda Arrecadação) Fonte: Embrapa Soja, 2011
  7. 7. DANOS NA PRODUÇÃO AGRÍCOLA MUNDIAL POR PRAGASDanos evitados pela proteção Produção sem 48% 52% dos cultivos Proteção de (produtos Cultivosfitossanitários) VBP = R$ 200 Bi R$ 96 Bi R$ 104 Bi
  8. 8. Sustentabilidade Econômica da Agricultura Incremento Custo Tecnologia < Obtido R$ 14,5 • Produtos Bi • Aplicação • (35% do produto) R$ 5,1 Bi R$ 19,6 Bi R$ 96 Bi Benefício Econômico = R$ 76,4 Bi
  9. 9. Benefícios dos defensivos agrícolasAo agricultor• Sem uso redução de 30% na produção• Para cada US$ 1 investido US$ 3-4 retorno• Reduz trabalho braçal Fonte: Fernando-Conejo et al., 1998
  10. 10. PARTICIPAÇÃO (%) DO MANEJO QUÍMICO DE PRAGAS NO CUSTO DE PRODUÇÃO VEGETAL NO BRASIL Defensivos Cultura Aplicação Total Agrícolas Algodão 37,2 9,4 46,6 Cana-Fundação 8,5 3,4 11,9 Cana 1-5 cortes 4,9 2,8 7,7 Milho 8,2 4,0 12,2 Soja 30,2 6,3 36,5 Agrianual, 2007
  11. 11. MERCADO DE DEFENSIVOS NO BRASIL Perspectivas de vendas 2004 - 2020 14,0 12,1 12,0 11,6 11,2 Taxa de crescimento: 4 % / ano 10,7 10,3 9,9 10,0 9,5 9,2 8,8 8,5 Valor- US$ Bilhões 8,0 7,3 7,1 6,6 SINDAG/MAPA, 2011 6,0 5,4 4,5 4,2 3,9 4,0 2,0 0,0 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020
  12. 12. Preço de defensivos agrícolas SÃO PAULO (2003-2011) 120 100 80 Índice de Preços 60 40 20 0 Abr./03 Abr./04 Abr./05 Abr./06 Abr./07 Abr./08 Abr./09 Abr./10 Abr./11 Índice 100,0 101,7 88,5 74,2 64,7 54,9 58,1 48,8 41,8 1 2 Figura - Médias de Índices de Preços Corrigidos de 68 Defensivos Agrícolas, Estado de São Paulo, Abril de 2003 a Abril de 2011. 1 Índice simples, base = abril de 2003. 2 Corrigidos pelo IGP-DI da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Fonte: Elaborada a partir de dados do Projeto IEA/FUNDEPAG.
  13. 13. Programas de erradicação Mosca daCarambola Cancro Cítrico ERRADICAÇÃO!!!
  14. 14. CITROS: HLB (GREENING) – S. PAULO 2009 -2028 VALOR DA PRODUÇÃO R$Bi • Com Programa Fitossanitário 40,9 • Sem Progama Fitossanitário 22,6Custo Programa Fitossanitário Benefício R$ 4,6 bi < R$ 18,3 bi Custo/ Benefício 1:4,0 Fonte: Miranda et al., 2012
  15. 15. Pragas quarentenárias• Pragas Potenciais de se estabeleceram no Brasil 10 31 8 7 11 26 20 39 23 4 36 30 12 Extraído de Sugayama, 2009 Espécies A1 Adaptado de Regina Sugayama, 2012
  16. 16. Striga sp.
  17. 17. Striga sp. • PQ A1 • África • Feijão Caupi  DANO 30 – 56% Fonte: Embrapa Soja, 2011
  18. 18. Globodera rostochiensis
  19. 19. Globodera rostochiensis • PQ A1 • Batata • Chile  20 – 90% • Panamá  10 – 30% • Bielo-Rússia  31 - 74% Fonte: CABI, 2012
  20. 20. A Aposta no Brasil... 15.06.2010 A OCDE projeta que a produção mundial de alimentos deverá crescer 70% para atender a demanda em 2050. O Brasil é o país que mais ampliará a produção agrícola, com previsão de aumento de mais de 40% até 2019/20. China, Índia, Rússia e Ucrânia também deverão incrementar suas produções, a uma taxa em torno de 20%. FIESP, 2011
  21. 21. Jornal Francês – Le Monde Em 21/06/2011Dia da Abertura da Reunião do G20 “Brasil, a nova fazenda do Mundo” FIESP, 2011
  22. 22. AGRICULTURA: GRANDES DESAFIOSLegislação ambientalLegislação trabalhistaLogísticaPolítica Fundiária /SegurançaCrédito ruralSeguro ruralFitossanidadeTributaçãoNegociação InternacionalPesquisa Agropecuária
  23. 23. Fitossanidade: PerspectivasEducação e Treinamento• Educação Sanitária: Fundamental e Médio• Tecnólogo/Técnico• Graduação• Pós- Graduação• Cursos de Atualização• PROESA (IN 28/2008)/CESESPPesquisa• Métodos de Detecção e Identificação de Patógenos Quarentenários• Quantificação de Danos e Perdas
  24. 24. Fitossanidade: PerspectivasLegislação• “Minor Crops”• Mistura em Tanque• Indenizações das ErradicaçõesFiscalização• Aumento no número de fiscais• Qualificação• Defensivos ilegais• Sementes e Mudas: Sanidade• PNQRC-V
  25. 25. Fitossanidade: PerspectivasAgilização dos Serviços Públicos• Registro de Defensivos Agrícolas• ARPValorização• Consolidação/Fortalecimento da Sociedade Brasileira de Defesa Agropecuária• Lista de Pragas Quarentenárias• CFO/CFOC; PTV/CF• Tratamento de sementes
  26. 26. FitossanidadeDano  Redução da quantidade e/ou qualidade da produçãoPerda  Redução em retorno financeiro devido a ação de praga O fator isolado que prejudica a fitossanidade como ciência: Falta dados quantitativos confiáveis sobre danos e perdas causados pelas pragas Dimensão da importância
  27. 27. Obrigado!jomenten@esalq.usp.br daniela.flores@usp.br tdiasm@gmail.com hcalaca@isagro-brasil.com
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×