Your SlideShare is downloading. ×
Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climáticas - Foster Brown
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Dia 4 - Simposio 2 - SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climáticas - Foster Brown

514
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
514
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Sistemas agroflorestais na Amazônia Sul-Ocidental nocontexto de mudanças climáticas. Foster Brown WHRC/UFAC Simpósio: SAFs como estratégia para adaptação a mudanças climáticas VIII Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais UFPA, Bélem, Pará 24 de novembro de 2011
  • 2. Perturbações climáticas:(1) Variação natural (já é um problema)+(2) Mudança Climática Regional+(3) Mudança Climática Global (2) e (3) são Mudanças Climáticas Antropogênicas enchente Rio Branco, Acre, Fev 2006
  • 3. Opções para Mudanças Climáticas Antropogênicas1. Nao acreditar que existe um problema. Vou apresentar alguns dados relevantes.2. Aceitar o problema mas acreditar que não adianta fazer algo porque a), b)….etc.3. Discutir possiveis soluções e trabalhar na implementações das melhores. SAFs são parte, mas somente uma parte da solução.
  • 4. Interação clima – vegetação: Temperatura alta, Chuva baixaDeserto de Atacama, Chile http://3.bp.blogspot.com/_7024QKdLrXE/TJqER5n98xI/AAAAAAAAR0w/tWk2jjNnoBs/s1600/Atacama_desert.jpg
  • 5. Altas chuvas anuais não significam florestas densas • 1650-1850 mm/ano: Brasiléia, Acre e Goiânia. http://www.inmet.gov.br/html/clima /mapas/?mapa=prec
  • 6. Mesma faixa de chuva anual – vegetação diferente:Floresta densa do leste do Cerrado de Goias – biomassaAcre – biomassa 100-350 20-50 Mg/haMg/ha http://mochileiro.tur.br/go%20parque%20reserva%20extrativista%20aSobrevoo. 17ago11, Leste do Acre ruana%20campo_cerrado_04.jpg. Acesso: 23nov11
  • 7. A distribuição de chuvas,especialmente os meses com chuvas menor de 100 mm, é chave. Porto Velho 3 meses Goiânia 4 a 5 meses http://www.inmet.gov.br/html/clima.php?lnk=http://www.inmet.gov.br/html/clima/graficos/index4.html
  • 8. Exemplo de um prolongamento do periodo seco: 2005 no Acre.
  • 9. A história do ano 2005 na AmazôniaSul-Ocidental – seca, fogo e fumaça Um possível futuro para as sociedades e florestas da região? 5oct07 Perto de Xapuri, Acre 9
  • 10. A presença de água (úmidade) nasfolhas, galhos e serrapilheira impede a propagação de fogo Uma seca reduz esta úmidade até a floresta pára de ser uma barreira contra fogo e se transforma em lenha.
  • 11. FOGO SE PROPAGANDO DENTRO DA FLORESTA Meio dia, Acrelândia, 17set05 11
  • 12. Fogo na floresta 27Set05 >1 km Sem trilhas de acesso Como combater? Foram Deus e as chuvas que apagaram os incêndios. 12
  • 13. Exemplo de Floresta com Copa Afetada 5oct07 Perto de Xapuri, Acre 13
  • 14. Xapuri 21ago05 CBERS_180_112 UFAC/PZ/SETEM/WHRC 30out05 5 km Xapuri 14
  • 15. Xapuri 12out05 CBERS_180_112 UFAC/PZ/SETEM/WHRC 30out05 Xapuri 5 km 15
  • 16. Acre, Brasil, Oct 2005:Distribuição de florestasimpactadas por incendios. Rio Branco Xapuri
  • 17. Custos ambientais/sociais são ‘invisíveis’ se não forem quantificados e entendidos• Exemplo: Florestas afetadas por incêndios detectados via imagens em 2005• Acre: > 340.000 ha• Pando: > 120.000 ha• Madre de Dios: >> 20.000 ha• Total: > 470.000 ha• Se o impacto ambiental fosse igual a multa de 1.000 reais ha, a Região ficou 470 milhões de reais mais empobrecida. 17
  • 18. Outras observações globais e locais
  • 19. Temperatura global 2005 2010 2008 Nota a queda de três anos, depois a subida. Variabilidade anual forte,http://data.giss.nasa.gov/gistemp/graphs/Fig.A2.gif mas tendência decadal mais clara.
  • 20. Produtividade primaria terrestre da Terra está baixando – 2000-2009Amazonia Sul-ocidental
  • 21. Foco desta secas: Amazônia Sul- Occidental, ACRE.2005 2010
  • 22. Anomalias de calor e a perda debiomassa em florestas Amazonicas.
  • 23. 2005 2005Deficit de água, mm Anomalia T oC 2010 2010 Deficit de água, mm Anomalia T oC Toomey et al., (2011)
  • 24. Conclusão de Toomey et al. (2011) e de outros• As duas secas foram o tipo “1 por século.” Possibilidade de outras semelhantes com maior frequência.• Parte do aumento de mortalidade em florestas foi causada por falta d’água, mas também houve o impacto de aumento de estresse térmico.• Implicações para SAFs: estresses hídrico e termal podem prejudicar a produção, sem falar de fogo no futuro próximo.
  • 25. Será que este assunto é só acadêmico?Será que comunidades locais estão observando mudanças?
  • 26. Feijó, Acre, Brasil 20-21 de março de 2009
  • 27. Preocupações da Aldeia Nova Vida Shanenawa, 20mar09 antes da secade 2010.
  • 28. Algumas observações de castaneiros e seringueros deMadre de Dios, Acre y Pando – 19Oct10, Iberia, Madre de Dios.
  • 29. Madrede Dios
  • 30. Comunicação de Pedro Casanovasobre queimadas en Madre de Dios, Peru. 26Set10.
  • 31. Observações locais relevantes a SAFs1. Fogo um perigo crescente, impactando SAFs.2. Produtividade agrícola baixando.3. Floração alterada.4. Aborto de floração.5. Áqua mais limitada.
  • 32. Perturbações climáticas: (1) Variação natural +(2) Mudança Climática Regional + (3) Mudança Climática Global enchente Rio Branco, Acre, Fev 2006
  • 33. www.cptec.inpe.br 3414 de abril de 2005 IMAGEN GOES
  • 34. Plantas “suam” durante o dia. Em outras palavras, “transpiram”, liberando vapor de agua. Esta agua sepode transformar en nuvens, causando chuva. O ciclo d’agua regula a vida na parte terrestre da Terra. Condensación Precipitación Evapotranspiración
  • 35. Época seca: pasto reduz muito ‘evapotranspiração’ ou sejaevaporação e transpiração da água, mas florestas nem tanto. Vapor D’água Vapor De um pasto d’água de uma floresta 05out05 Leste do Acre 36
  • 36. Diferença entre árvores e grama: raizesÁrvore Grama raizes 2-3 mraizes 8 -15 m Dormente na seca.transpira durantea seca. 37
  • 37. Mudança Climática Regional. As chuvas podemdiminuir por causa de desmatamento. Manter florestas é manter o serviço de transpiração, isto é, ciclando água. SAFs tem um potencial enorme para este fim. 2050 2050 tendencial Leis SCIENCE 2008
  • 38. Perturbações climáticas: (1) Variação natural +(2) Mudança Climática Regional + (3) Mudança Climática Global enchente Rio Branco, Acre, Fev 2006
  • 39. Radiação infravermelha e temperatura planetária Physics Today, Jan 2011 p. 33-38Gás carbônico – CO2 -responsavel para iniciar efeitoestufa, complementado porvapor de água. A emissão deradiação termal acontece nasalturas da atmosfera onde vaporde água é menor e o efeito desaturação não é relevante.
  • 40. http://www2.sunysuffolk.edu/mandias/global_warming/greenhouse_gases.html#stratospheric_coolingNos últimos 800.000 anos, gás carbônico ficou abaixo de 300 ppm, com uma exeção, os últimos 80 anos. Existe a possibilidade de triplicar nos próximos 80 anos. 300 ppm
  • 41. Aumento de gás carbônico no meio do oceano Pacífico 1958-2011 354 ppm em 1990 http://www.esrl.noaa.gov/gmd/ccgg/trends/#mlo_full
  • 42. Video dos anos 1978 – 2011 daconcentração de gás carbônico em relação a latitude, depois - até 800.000 anos atrás Notam quando a concentração de 350 ppm aparece.
  • 43. Acúmulo de gás carbônico está acelerando, ppm por ano, no lugar de diminuir. http://www.esrl.noaa.gov/gmd/ccgg/trends/#mlo_full
  • 44. Cada ano estamos acelerando o processo de aquecimento, já estamos 40% acima do valor de 1990 de 1,3 W/m2. Objetivo Do Protocolo De Quioto http://www.esrl.noaa.gov/gmd/aggi/aggi_2011.fig3.png
  • 45. Conclusões1. Desmatamento expandido pode afetar chuvas, especialmente na época seca, intensificando a seca. SAFs são uma solução potencial para manter o serviço de transpiração.2. Impactos de perturbações climáticas já estão sendo percebidos na Amazônia Sul-ocidental, afetando SAFs.3. Precisamos desenhar SAFs resilientes a fogo e estresses hídrico e termal.4. Aumento de perturbações climáticas é provável e afetaria SAFs se não reduzir drasticamente a) a taxa de emissões e b) a concentração de gás carbônico (entre outros) na atmosfera.
  • 46. Reduzir emissões e concentração de gás carbônico? Como?
  • 47. Demandas de um movimento social. http://www.moving-planet.org/pt/demandas1. Políticas com base científica para nos colocar de volta nas 350ppm.2. Uma rápida e justa transição para emissão zero de carbono.3. Mobilizar financiamento para uma transição justa para um mundo de 350ppm.(...)
  • 48. Como chegar a concentrações de gás carbônico (CO2) abaixo de 350 ppm • Emissões estão projetadas para subir nas décadas que vem. • Precisa de ações (cunhas) que começam agora e vão aumentando em magnitude nos proximos anos.
  • 49. Cada cunha pode usar tecnologia atual, crescendo com tempopara chegar a 1 GtC por ano em 50 anos (25 GtC em 50 anos).• Pelo menos 15 Cunhas seriam necessárias – Eficiencia e conservação: 4 – Mudança de combustível: 1 – Captura de gas: 3 – Fissão nuclear: 1 – Energia renovaveis: 4 – Parar desmatamento e iniciar reflorestamento: 1 (SAFS) – Manutençao de carbono nos solos agrícolas: 1• -------------------------------------------• Infelizmente estes cáculos tem que ser aumentados por causa de atrasos e metas mais ambiciosas.
  • 50. Uma perspectiva para o futuro.• Eaarth (nao Earth), equivalente a Teerra.• Um planeta semelhante a Terra mas diferente.• O futuro vai ser mais dificil porque o clima vai continuar mudando.• O desenho de SAFs vai precisar incorporar esta realidade.
  • 51. Obrigado. Estamos juntos nesta viagem.Foster BrownWHRC/UFACfbrown@uol.com.brTele: 068-9984-0336 Subindo o Rio Envira Feijo, Acre 08mai11

×