• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Cem curiosidades por Cavanha (dentista e professor)
 

Cem curiosidades por Cavanha (dentista e professor)

on

  • 670 views

Livro de Armando Oscar Cavanha, dentista e professor

Livro de Armando Oscar Cavanha, dentista e professor

Statistics

Views

Total Views
670
Views on SlideShare
670
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Cem curiosidades por Cavanha (dentista e professor) Cem curiosidades por Cavanha (dentista e professor) Presentation Transcript

    • ( Cem Curlosldadesj O saber nao deve resultar de urna visao caoíha, estrábica, miope e viciada. Deve, se possivel, igualarse a dos olhos multifacetados dos insetos, que enfrentam o real por diversissimos ángulos óticos. Será urna visao plurilateral, móveI e insaciável, sobretodo, perscrutadora.
    • O HOMEM CURIOSO GERA OLADAS. O HOMEM NÁO CURIOSO SOMENTE AS AGUARDA!
    • -f Cem Curiosidades Tomás de Avuino (sáculo x m ) : Os sentidos se deleitam com as coisas devidamente proporcionadas. Colerídéeik beleza é a unidade na variedade. Goethe: k natureza tem tendencia a espiral (as nebulosas em forma deespiral), oNautilus (caracol), o Helianthus maximus (girassol), etc.. Will DurantlAs ciencias sao as jane las através das quais a filosofia vé ó mundo. DuartePacheCO:kN?tiurzzdLTevedrSfzcomofor<;dLVOtenúsúmdL, majestade inesgotável que usa de grande variedade na sua ordem e na criado das coisas. Tudo "está no livro da Natureza, nesse livro que Montaigne, Bacon e Descartes soletraráo e apregoaráo como o soberano Mestre, nesse livro que GdHleUdrk ter sido escrito, pelo buril divino, em "caracteres matemáticos". 3
    • | ~Cem Curiosidades"). O Homem, um universo de mistério, urna entidade bio-espa^q- temporal plena de segredos, urna montanha de células, um océano para admirafao, urna floresta incognoscível de belezas, um pofo de sabedoria, um córrego de lágrimas, urna ilha de amor, um vale de azedume. Um ser insignificante como individuo, encerrando dentro de si um mundo a explorar, capaz de formidáveis epopéias, mas incapaz de compreender a si e os seus semelhantes Este ser dotado desta fuga a monotonia, que se chama curiosidade. Desta curiosidade que no dizer de E(d, "é aquele belo instinto que impele a crianza a arrombar os tambores para descobrir o esconderijo do som". Mas há o curioso a maneira de um idiota e ignorante e o curioso a maneira de um Newton, Copérnico, da Uinci, Aristóteles, Roentgen, Pasteur, Curie, ... Sócrates:(Hípias de PlataoJ-Tenho urna bela qualidade que me salva: nao coro de aprender e a todos inter- rogo constantemente. * * * Xenofontetinha dois discípulos: um, dizia ele, precisava de freio, e o outro de esporas. — Para nnn> prefiro os alunos que precisam de freios. Carica ttichet- Le Savant, pág. 39.
    • -f Cem Curiosidades > Curiosidade: traduz-se por diligencia, interesse, apetite, indiscrifao. >Todo curioso: édiligente, interessado, perscrutador, indiscreto, zeloso, cuidadoso, raro, interessado, original. * * * Juntamente com a tagarelice e o equívoco, é, segundo HeideS- ¿er, urna das características essenciais da existencia cotidiana: caracteriza-a um continuo e sempre renascente desejo de ser. A curiosidade nada tem a ver com a maravilha de quem inicia a pesquisa nem o estupor de quem nao compreende. E caracterizada pelo nao deter-se sobre o mundo ambiente e pela dispersao em possibilidades sempre novas, pelo que a curiosidade nao está quieta. * * * Para CrUZMdÍPNUeo mais generoso afeto que nos inspirou o criador. Cada individuo tem o seu estoque de curiosidade. A curiosidade é um atributo complexo do complexo ser humano que se traduz de várias maneiras: A > no desejo de ver, saber, informar-se, desvendar, alcan?ar, etc.; U> no desejo de aprender, conhecer, investigar; R > no desejo irreprimível de conhecer os segredos, os negocios alheios, bisbilhotice, indiscri^ao, etc.; É > na informado que revela algo desconhecido e interessante; L > na tendencia do amador a procurar coisas raras e origináis; ( > na obtengo de objetos e/ou interessante raridade; 0> etc. 5
    • Cem Curlosldadesj- A curiosidade faz parte do instinto, da inteligencia ou de ambos? Eis mais uma curiosidade. * * * A curiosidadetem várias intensidades e orientafoes (parao bem, para o mal, para a ciencia, para crer ñas autoridades, para a religiao, e sobretudo para o desconhecido e o futuro). Há também a curiosidade mesquinha.* * * A curiosidade é espontánea e desinteressada ñas criabas (veja- se avolubilidade infantil, ansiosa de novidade), crescena adolescencia, ás vezes mais ainda nos adultos, intensíssima e efervescente nos homens decultura edegenio, e desaparecida nos incapazes e ignorantes. * * * Há a curiosidade inata e a curiosidade provocada e programada. * * * Curiosidade, instinto de complexidade infinita. Há diversas classes de curiosidade. A curiosidade é filha da ignoráncia e'mae da ciencia fUicoJ. A curiosidade é manifestado da inteligéncia que desperta e deseja exercitar-se no conhecimento da realidade CJosé ingenieros - Psicopatologia del Arte, 194). * * * 6
    • -f Cem Curiosidades Curiosidade é o impulso misterioso que tenta reduzir os "por ques" e os "como" da vida do individuo, na busca da perfei<?áo e numa rebeldía á mediocridade. * * A imaginaíáo é mae de toda a originalidade. Einstein: mais vale a imaginado do que o conhecimento. Mas acrescentemos: nao urna imagina9ao vadia e louca, mas sim urna imaginado aparelhada. * * * "Denominar idealismo ás fantasias de mentes enfermifas ou ignorantes, que créem sublimar, assim, a sua incapacidade de viver e de ilustrar, é urna das tantas ligeirezas aventadas pelos espíritos palavreiros". * * * De Ingenieros: Enquanto a Experiencia nao dá o seu veredicto, todo ideal é respeitável, embora pare9a absurdo. Sempre haverá, por for?a, idealistas e mediocres. Sem idealistas, seria inconcebível o progresso. Do equilibrio entre imaginado e a sabedoria, nasce o genio. Todajuventude é inquieta. Só déla é que se pode esperar o impulso no sentido do melhor: jamais dos bolorentos e dos senis. Nunca foram débeis os genios, os santos e os heróis. As existencias vegetativas nao tém biografía. Viver é aprender, para ignorar menos. O homem normal nao existe, nao pode existir. 7
    • | ~Cem Curiosidades"). A caixa cerebral dos homens rotineiros é um estojo de jóias vazio. * * * A curiosidade, instinto de complexidade infinita, leva por um lado a escutar ás portas e por outro a descobrir a América f£fd de QueirozJ. O homem por curiosidade, desceria ao fundo do inferno, se lhe descobrisse o caminho, ainda que todo ele fosse assoalhado de pez ardente (Coelho NetoJ. É prudente nao satisfazer senao metade da curiosidade que se inspira fW. SchererJ. * * * A principal doenfa do homem é a curiosidade das coisas que nao pode saber CPaSCalJ. A curiosidade é a última paixao dos velhos CP» BourHet J,* * * Há sempreum momento em que acuriosidade épecado f fitiatole FranceJ. * * * 88
    • | ~Cem Curiosidades"). Há diversas classes de curiosidade: urna de interesse que nos leva ao desejo de aprender algo útil e outra que provém do desejo de saber o que os outros ignoram A curiosidade pela vida alheia nos afasta de nossos próprios problemas fMaíCO fiuréÜO J. * * * A curiosidade é um dos principáis componentes do amor CStendhalJ. Foge do homem curioso, que é sempre indiscreto CHorfcioJ. O amor éfeito quase que inteiramente de curiosidade CRetnyde GourmontJ. A curiosidade nasce da inveja CMoUéreJ.* * * Nao existe homem curioso que nao seja de condi?áo malévola CPlautoJ. * * * A curiosidade geralmente se atreve mais contra aquilo que mais se proíbe (Seavedra Fajardo). * * *
    • ( Cem Curlosldadesj Temo que tenhamos o apetite maior do que o ventre, e mais curiosidade do que capacidade (Michel Montaigne - Essais). * * * PfatdOconsxáexa. que existe algo condenável em investigar com excessiva curiosidade o conhecimento de Deus e do Universo. A maior virtude do homem é talvez a curiosidade CAtldtOle FranceJ. Fazei com que o nosso aluno seja atento aos fenómenos da natureza, mas, para alimentar a curiosidade, nao vos apresseis nunca em satisfazé-ia (Jean Jacques RousseauJ. A cultura é fruto da curiosidade, dessa inquietado misteriosa que convida a olhar para o fundo de todos os abismos. O ignorante nao é curioso: nunca interroga a natureza CJoséingenieros). Nunca se farta o ólho de olhar nem o ouvido de escutar (Biblia- Eclesiástico, 2-5). * * * Os tres entes mais curiosos: a justi?a, a política e a polícia CFouchéJ. * * * 1010
    • | ~Cem Curiosidades"). A curiosidade é urna das características certas e permanentes de um vigoroso intelecto CJohflSOtlJ. * * * Cruz Ma¡Pique: A curiosidade desinteressada da crianfa. O educador jamais deve amortecer o fogo da curiosidade na crianza. Na atividade intelectual, poupar esforzó é preparar o campo para as anemias da inteligéncia. Nao se deve matar a curiosidade de fora, mas esperar que o déla possuído a satisfaga, sem todavía se saciar. Nos animais, quase determinada pelo instinto, em grau rudimentaríssimo. A passagem do homem selvagem ao filósofo, é obra da curiosidade. A curiosidade é a matriz de todo o labor intelectual. Pensa-se, observa-se, experimenta-se, na medida em que a curiosidade existe. A cultura é fruto da curiosidade, dessa inquietado misteriosa que convida a olhar para o fundo de todos os abismos. O ignorante nao é curioso: nunca interroga a natureza. A cada desfalecimento da curiosidade corresponde invariavelmente, urna crise de pensamento. A ciencia é urna resposta á curiosidade, havendo porém urna curiosidade que transcende as possibilidades da ciencia.
    • | ~Cem Curiosidades"). ! - Nao há torre de marfim: se ela existe é habitada pelos mediocres e incapazcs. ! . Trabalhemos conscientemente para dar si curiosidade urna dire^áo que a torne sil e fecunda. ! . A curiosidade deve ter a fome e a sede do verdadeiro. ! . Guardai-vos da curiosidade frivola e mal sa. 1212
    • |~CemCuriosidades"). = 1 = A Natureza: o niovimento das folhas Humberto de Campos: A Natureza é sábia e justa. O vento sacode as árvores, move os galhos, para que todas as folhas tenham o seu momento de ver o sol! * Na Natureza temos observado o exemplo típico da simetría pentagonal ñas flores, os cristais hexagonais dos flocos de neve, a espiral logarítmica ou eqüiangular dos caramujos, asformasgeométricas dos diversos cristais, a espiral dupla do miolo da margarida, do girassol, a espiral de AwuimedeS na cauda dos pavóes, as formas ovalares - de maior resistencia - dos ninhos dos pássaros, a forma hexagonal dos favos de mel, e assim por diante. * Da mesma forma o arranjo helicoidal de folhas em um caule como se fossem saca-rolhas vivos. O mesmo padráo com cinco folhas é repetido após duas voltas completas da espiral. Examinem-se as roseiras, alguns salgueiros, etc.. * Os números da série FÍbonaCCÍ{, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34,... Ex.: 13/8=1.6 ; 21/13 = 1.6; 34/21 = 1.6, Sao universalmente espalhados na Natureza, mas só para tomar 1313
    • |~CemCuriosidades"). um exemplo, o conhecido arranjo das folhas das árvores (filotaxia). No pinhao a relafao é de 8 / 5, enquanto no abacaxi é de 13 / 8. "Si se calcula que ángulo constante devem formar entre si as folhas e os ramos de urna planta (dispostas em hélice ascendente sobre o ramo ou o tronco) para assegurar o máximo de exposifáo a urna luz vertical, ou, o que ver a ser o mesmo, para que suas proje9oes horizontais nao se recubram jamais exatamente, se encontra como solu?ao matemática um ángulo de 137° 30' 27" 95. Church, que em seus estudos sobrefilotaxiafoi o primeiro a descobrir estarazáo prática (confirmada matemáticamente pelo professor WieSfierem 1875)deu ao valor = 360°/ 2= 137° 30' 27" 95 o nome de ángulo ideal". Assim, para que todas as folhas recebam o máximo de radia^ao solar: * - a disposiíáo das folhas em ángulo ideal; * - a varia9áo da inclina9ao dos raios solares ñas diversas épocas do ano e na sua trajetória nascente-poente; * - a movimenta9ao das folhas provocadas pelos ventos; *- a lavagem da superficie pela agua da chuva; *- as irregularidades dos terrenos onde se situam as árvores. 1414
    • |~CemCuriosidades"). = 2 = Aspiracoes na Adolescencia Victor HUSO aos quinze anos repetía: "Serei Chateaubriand ou ninguém". Montaiembert aos quinze anos dizia: "Desejo trabalhar na tribuna e na imprensa em defesa da Igreja e da Liberdade". Brunetiére&os dezesseis anos confiava ao seu mestre Custave MerietT'Quzxo ser redator naRevue des Deux Mondes e professor no Colégio de Fran9a". John Datton (1766): "... era o segundo filho de um pobre tecelao. O rapazaprendeu matemática, um pouco defísica,de gramática inglesa eoutrasmatérias na escola quaker local. Sério de índole, desde a infancia, o pequeño Da/fonquis, aos doze anos, fazer-se professor. Aos quinze foi para kendal, aldeia vizinha, ajudar um primo que tinha uma escola. Passou ali doze anos, tornando-se mestre, de parceria com seu irmao mais velho, quando os primos se retiraram". Bertrán Russe¡{872-1970): "A ambi?ao juvenil - escreveu na introdujo de seus Papéis Escolhidos - féz-me desejar ser um benfeitor da humanidade". 1515
    • ( Cem Curlosldadesj =3= A Cura Falante Urna mofa inteligente, imaginativa e muito teimosa, conhecida na historia como Fídülein Afina O., impós a sua vontade a conhecido médico vienense, em 1881, e inventou urna técnica para explorar a mente humana. Deu á técnica os nomes de "cura falante" e "limpa chaminé". Depois de desenvolvida emodificadapor SfemundFíeild, tornou-se conhecida como Psicanálise. Quando Fraulein Anna comz^ou atratar-se com JoseffBreuer, o médico vienense, Freudzra um m090 de vinte e cinco anos, que acabava de concluir os estudos deMedicina. Haviaalguns anos que ele e Breuereram amigos. Este contou-lhe que amoía, com pouquíssima ajuda dele, Breuer, se havia curado - falando. Falando se curara de contratura e insensibilidade paralítica, desordens davisao e da audi?ao, nevralgia, tosse, tremores e diversas fobias.
    • | ~Cem Curiosidades"). =4= O Perder Tempo Omar Khayan: Na minha mocidade, freqüentei doutores e santos, e ouvi infindas discussoes sobre isto e mais aquilo; mas sempre saia tao ignorante como entrara. Bouché-Lecíercv: Certa vez o distinto erudito francés, tendo feito um estudo exaustivo da astrologia em rela^ao com o pensar da antiguidade afírmou que nao era perder tempo verificar o modo por que os outros perdiam o seu. 1717
    • ( Cem Curlosldadesj =5= TraicSo Científica No seu famoso De Revolutionibus Orbium Coelestium (Das Revolu^des dos Corpos Celeste), publicado alguns dias antes de sua morte, COPéffliCO demonstrou o duplo movimento dos planetas, em torno de si mesmo, e em torno do sol, teoría chamada de COPemicO. * No sistema de PtOlOtnetKO céu, acima de nós, como é evidente para quem quer que olhe o círculo do horizonte, é urna imensa ta?a emborcada. E a Terra, como é igualmente obvio, ocupa o centro da ta9a. COPéffl/COdizia —Deixá-los. O movimento dos corpos celestes nao há, de modificar-se, nem pela zombaria nem pelo respeito desses tolos. * Trai?ao científica: Prefácio de Tidetnanfl CySÍUS, bispo de Culm: " Este livro foi escrito, nao para apresentar um fato científico, mas urna fantasía interessante". * Teoría do sistema solar: Hiparco, Ptoíomeu, Aristarco, Nicolás de Cusa, Copérnico, Bruno, Cali leu e Kepler. Como aconteceu:
    • | ~Cem Curiosidades"). 1. COPémiCO já havia concluido sua obra e sempre vinha adiando a publicado. 2. Certo dia da primavera de 1539 veio visitá-lo um m090, Joachim Rheticus, da Universidade Protestante de Wittenberg. CRhetiCUSnascido em Feldkirch, Austria, a 15 de fevereiro de 1514; morreu em Cassóvia, a 4 de dezembro de 1576). Matemático alemáo. Nome verdadeiro: Ceorg JoachifT) VOtl LaUChetl. 3. Foi o primeiro discípulo de COPémiCO, em 1539. Em 1540 publicou um índice do conteúdo e convenceu COPémiCO a publicar seu grande livro. E assim levou o manuscrito para Nurenberg. 4 Rheticus confiou o manuscrito a Andreas Osiander, pregador luterano interessado em astronomía e matemática. Em carta a Copérnico sugería que a obra fosse apresentada como urna hipótese pura e simples. 5. COPémiCO repeliu ásperamente a proposta, 6. 1543. COPémiCOgravemente enfermo e sem esperabas de sobrevida, deseja ver o seu livro. A 24 de maio de 1543, COPémiCO enfim consegue, em seu leito de morte, pegar o livro em suas máos. Conseguiu somente 1er o título e morreu segurando o exemplar. 7. O livro: De Revolutionibus Orbium Coelestium. 8. Se tivesse podido virar a página encontraría a traisao de Osiander.
    • Gem Curiosidades). 9. No livro havia um prefácio de Osidtlder, sugerindo que a teoría deveria ser considerada como um simples hipótese interessante. 10. O prefácio nao estava assinado. 2020
    • ( Cem Curlosldadesj = 6 = Kepler Escrevendo o livro que intitulou Introdujo Sobre Marte, esfolou os malignos intrusos: A quern fortao estúpido que nao alcance a compreender aciencia daastronomía ou táo pusilánime e escrupuloso que considere urna ofensa áreligiao aderir a CÍ0flár77/iC0aconselho que abandone de vez o estudo da astronomía, e, censurando a seu bel- prazer as opinioes de filósofos, ocupe-se do que lhe diz respeito. Em vez de obstinar nestes complicados estudos, é muito melhor que ele fique em casa e adube as terras que lhe pertencem. 2121
    • ( Cem Curiosidades"^) =7= Indiferenca Apareceram no meio da maior indiferenca: - O Livro de COPémiCO - A Teoria do Céu de Kdflt - A Memoria de Gregorio Mendel
    • | ~Cem Curiosidades"). =8= Restituir a vida a um cadáver "O ilustrado jesuíta RÍCCÍOH. no vao esforzó de restituir a vida aum cadáver, publicou em 1651, um livro chamado ONovoAlmagesto, no qual propunha urna outra concilia<?ao ainda. Era urna pia tentativa para esquivar o doloroso contato com o movimento da Terra". 2323
    • | ~Cem Curiosidades"). =9= Charles Robert Richet * Paris, 02. 08. 1850 + Paris, 04. 12. 1935 Viveu 85 anos Fisiólogo francés Premio Nobel de Fisiología e Medicina de 1913 Certa vez, passando pela enfermada em que RhetiCWdbalhava, (ele era ainda aluno de Medicina), Chdrcot o viu hipnotizar urna doente. Daí lhe veio um dos estímulos para estudar esse assunto. Mas do que Charcot fez nesse particular nao resta nada, pois o tempo desmentiu tudo. Do que Richet fez resta o seu belo livro sobre O Homem e a Inteligencia. * Aludindo ao avó, ele cita o que este escreveu: quando me dizem uma frase que me magoa, eu fíco triste um dia inteiro; mas quando sou eu que digo aos outros, fíco triste um mes inteiro. * O pai, professor na Faculdade de Medicina de Paris, morreu, cercado por seus alunos, fazendo-lhes uma li<?ao clara sobre a doen<;a, que o estava matando. Esta cena está, aliás, no Docteur Pascal, de ÉmileZola. * Uma grande biblioteca pública é uma necrópole e déla se desprende um odor sepulcral. Como a ossatura dos mortos sob os túmulos 2424
    • -f Cem Curiosidades de pedra, o pensamento dos mortos repousa sob as encadernafoes. Na vasta sala silenciosa estao sepultados os mais prestigiosos sonhos de gloria. Milhoes e milh5es de frases dormem o sono da morte. E quase sempre a injustifa! Todos esses livros que custaram tantos esforijos, tantas esperanzas, hoje nada mais sao do que caracteres negros sobre páginas brancas. A exuma^ao nunca se fez e nunca se fará. * Os guardioes de cemitérios sabem por experiencia que ao cabo de cinqüenta anos, nenhuma tumba recebe mais homenagens. Os bibliotecários poderiam fazer a mesma constata?áo. Os livros de mais de cinqüenta anos sao mergulhados no esquecimento, salvo alguns que sobrenadam, como a Miada, Don Quixote e Phedro. * Por maior que seja um pensador, nao escapará a obscuridade e permaneceráesquecido, mesmopelos especialistas. Um diaeu perguntei aum estudante de Medicina, rapaz de vinte e cinco anos, que concluirá já diversos exames, o que ele sabia de LdVOÍSier. O desgrasado respondeuque 'ZJWVS/ÍPrmorrera em urna experiencia". LdVOÍSier, omaiordoshomens! LdVOÍSiermono na guilhotina em 1793! Aum outro estudante perguntei o que sabia ele de SchWdfífí (que criou a teoría celular). O estudante ignorava até mesmo que tivesse havido alguém com esse nome. Eis, pois, no que se transforma a grande gloria. * E milagroso que esses débeis corpúsculos (células) possam efetuar, bem ou mal, suas múltiplas e delicadas operates durante trinta milhoes de minutos - tal é mais ou menos a duragáo da vida humana - sem rápido desgaste. * 25
    • | ~Cem Curiosidades"). 0 Futuro diminuí a cada segundo, á medida que o gassado aumenta.
    • | ~Cem Curiosidades"). =10= A Biblia Rabiscada O diálogo sepassou entreJoe Mat)kÍeWÍCZ,fanáúcocolecionador de livros raros, e certa pessoa pouco letradaque recebera como heran?a de seus avós urna Biblia que datava do século XV. Do jovem: — ...pois saiba, meu bom amigo, que entre alguns objetos antigos que herdei de meus avós, estava urna Biblia muito velha, com a capa em más condi?oes de conservado pelo constante manuseio e que datava do século XV. MdfJkieWÍCZafogae&do diante do impacto da informado, mal conseguiu pronunciar: —mostre-me este livro, meu caro amigo! E o jovem concluiu diante do espanto: — infelizmente, já nao tenho mais o livro. Inutilizei-o e queimei-o, há algum tempo, porque um sacerdote qualquer, que se chamava MartintlO Lütero, rabiscou muitíssimas notas sobre o mesmo, e tirando-lhe assim, todo o valor. Mank/ewtczdesmaiou... 2727
    • | ~Cem Curiosidades"). =11= Napoleáo Napoleao sofria de galeofobia. Galeofobia, ailurofobiaouelürofobia=medo mórbido de gatos. 2828
    • -f Cem Curiosidades =12= Sobre Músicos Precocidade: Mozart, ñlbeniz, Beethoven, Béla Bartok, BelliniClara Wieck, Clement, Paganini, Rameau, Meyerbeer, Chopin, Paderewski, Puccini, Rimski-Korsákov, Sarasafe, Saint- saéns (considerado o segundo MozartJ, Pepito ftriola, Willy Perreros, Dominico, Cimarrosa,, Karl Johann Crammer, Donizetti, Manuel deFalla, GustavMahler, tínton Rubinstein^. Músicos geniais cuja existencia se epiloga emersa na horrível noite da demencia: Schumann, Bedrich Smetana, Edward Mac- Dowell, RaveU Schubert, obstinando-se a andar mal vestido e faminto. LiSZt, ao fím da vida ingressa na ordem religiosa. Cultores fanáticos do amor: LÍSZt, Wagner, Heine. Boémia, Turíngia e Saxónia: Haendei Wagner, Bach e Schumann. Da Austria: Mozart, Schubert, Weber, KarlCzerny, Haydn, os Strauss, Dvorak, Bruckner, Hugo Wolf, Custav Mahler. Beethoven eraneto de um flamengo earaáe eraalema; ChOPin era filho de francés e polonesa; LÍSZt era filho de húngaro e alema; o avó de Donizettizra escocés; o pai de Granados era cubano e a máe portuguesa; Griega filho de inglés e norueguesa; TchaikOVSkiera filho de russo e francesa 29
    • | ~Cem Curiosidades"). =13= Plafáo Filósofo grego. Nascido em Atenas em 427 a. C. E morto em Atenas em 347 a.C. * O nome original: AriStOCleS. * Disse: Deixo Atenas acreditando que até que os "reis sejam filósofos ou os filósofos reis', nao poderiam ir bem as coisas no mundo. * Distante da parte oeste da cidade de Atenas, ñas terras que pertenceram aum grego legendário chamadoftCddetDO,fundou urna escola que passou a chamar-se Academia. * "Seu final foi tranqüilo e feliz, pois se supoe que morreu dormindo, na idade de oitenta anos, depois de haver ido aum banquete de bodas de um de seus estudantes". * Sobre a porta de entrada da Academia estava escrito: "Que nenhum ignorante das matemáticas entre aqui". *
    • -fCem Curiosidades Acreditavaque os corpos celestes exibiam umaforma geométrica perfeita. * "A influencia de PldtdO estendeu-se enormemente depois de suaprópria vidae em realidadenuncamorreu. AAcademia permaneceu como instituido vigente até 529 d. C. Quando o imperador romano Justiniano, ordenou que fosse fechada. Era a última fortaleza do paganismo no mundo cristao". 31
    • | ~Cem Curiosidades"). = 14 = Charles Robert Darwin Naturalista ingles, nasceu em Shrewsbury, Shrospshire a 12 de fevereiro de 1809. Faleceu em Down, Tu t, a 19 de abril de 1882. * "Darwínnao oferecia nenhuma protnessa em sua juventude; a principio estudou medicina, mas, ao contrario do seu pai e avo, verificou que nao tinha aptidao para esta profissao. Depois acreditou que poderia dedicar-se a igreja, mas também nao servia para isso. Seu pai declarou muito incomodado que seria a desgraqa L familia". * Em 1858 publica o livro mais mundialmente discutido: On the Origin ofSpecies byMeans ofNatural Selection, or the Preservation of Favoured Races in the Struggle for Life. Geralmente conhecido por The Origin of Species. * O mundo erudito esperava o livro. Imprimiu-se somente 1250 copias, que foram vendidas no mesmo dia de sua publicafao. Fizeram- se edi?ao atrás de edifáo e ainda agora, mais de um século mais tarde, segue-se editando. E um dos clássicos da ciencia. 3232
    • ^Ce.n Curiosidades =15= Hipócrates O Zolador da Saúde. O Pai da Medicina H í p ú c , lies, médico grego, nasceu em Cos (ilha Egea) a 460 a. C. E morreu em Larisa (hoje Llárisa), Tesalia, em 370 a.C. * Fundou urna escola de medicina em Cos, que resultou ser a mais racional dentro das que o mundo antigo podia oferecer. "E pela fundaíao desta escola, e nao porque fora "o primeiro" médico, pelo que devidamente se o reconhece hoje como o pai da medicina". Na verdade ele nao foi o primeiro médico, porque houve estudantes que se dedicaram a investigar individualmente sobre o corpo humano antes de sua época, como por exemplo AiCfneÓfl, o primeiro a dissecar animais e a localizar, reconhecer e descrever o ñervo ótico e a trompa de EUStáQUÍO. * Refraes da escola hipocrática: Enfermidades terríveis requerem remédios terríveis. O alimento de um homem é veneno de outro, » A arte é longa, a vida é breve. * A escola de ates : Hipócrates = Na moderado da dieta = Na eficácia da limpeza = No repouso de um enfermo ferido = E na limpeza do médico também
    • |~CemCuriosidades"). = Que os médicos deviam interferir o menos possível nos processos curativos da natureza = A enfermidade considerava-se como um puro fenómeno físico = Acreditava que a enfermidade era o resultado de um desequilibrio dos fluidos (humores)vi- tais do corpo, que eventualmente se dividiam em quatro: sangue, flegma, bile negra e bile amarela.
    • | ~Cem Curiosidades"). = 1 6 = Pequeñas letras movéis Johann CutenberÉ{398-1468): — Eu antevejo o tempo em que estas pequeñas letras movéis que descobri se tornarao vividas realidades. Quais serpentes, elas subirao pelos muros das nossas catedrais até os campanários e serao como os vermes roedores dos velhos tronos dos nossos imperadores. Eu as criei, eu as inventei mas elas nao podem ser senao destruidoras. Acendi urna tocha, mas deixei que o vento e a tempestade levantem e sacudam as suas asas e vereis a chama volver-se repentinamente em fogo devorador, consumindo tudo o que estiver ao redor...
    • —17= O Pai da Arte Tipográfica Mecánica Inventor dos Caracteres Movéis da Tipografía Lourenpo Coster-Johann Gutenberg A idéia inicial para a sua maravilhosa obra créem alguns eruditos - deu- lheum holandés de Haarlem, um jovem sacristao chamado Loureflfo Coster. Conta-se que este homem estava apaixonado por urna linda rapariga da cidade De tal modo o sacristao andava absorvido por esse amor que nao podia passar por qualquer árvore sem nela gravar, a cañivete, as iniciáis de sua amada HUdd. Certo dia em que a alma de Coster mais arroubada estava pela imagem de sua amada, nao se limitou a tra9ar as habituais iniciáis, como sempre fazia, fugazmente: esmerou-se no trabalho e fé-lo com tanta perfeii^ao que se lembrou de recortar o pedazo da casca da árvore onde as tinha gravado, com o intuito de as oferecer á sua amada. Para tanto, envolveu-o num pedazo de pergaminho. No dia seguinte, notou, surpreendido, que as letras se tinham reproduzido nopergaminho. Melhorassim. Defuturo C0$/¡8Tentreteve- se a talhar em madeira mais iniciáis, sempre as mesmas, que depois cobria de tinta premindo-as contra o pergaminho. Gutenberge Costerencontraram-se um dia e, ambos jovens, entraram em confidéncias. O alemáo viu o tosco trabalho do holandés e na sua mente avolumou-se a idéia por que há tanto tempo se empenha- va: estava ali o meio de a corporizar. Simplesmente, em lugar de haver um bloco único, haveria necessidade de criar letras movéis que, juntan- do-se, combinando-se devidamente, proporcionassem a leitura do que
    • se quisesse assim compor.
    • |~CemCuriosidades"). =18= Gershwin-Ravel Quando George Gershwin padiu algumas aulas de composiijao, Maurice /fefe/perguntou: — Quanto vocé ganhou no ano passado? Resposta da Gershwin: — Uns duzentos mil dólares. Ravelestupefacto: — Pelo visto, voce é que tern muito o que me ensinar. 3838
    • -f Cem Curiosidades =19= O valor do insignificante Todos os fatos da natureza, por mais insignificantes, tomavam a seus olhos grande relevo (JdtneSHuttOtl), pois o até insignificante é documento histórico, é a revela9ao de urna causa, o esconderijo de um principio. 39
    • -f Cem Curiosidades =20= Vergonha da humanidade William Thomas Green Morton (i819-1868), dentista americano, que perseguia e conseguiu um método para intervenfoes cirúrgicas sem dor, morreu em extrema pobreza. Muito lutou para o reconhecimento e a gratidáo pública que ele acreditava merecer, mas rudemente combatido por C. T.JdCkSOn,numa terrível campanha que durou toda a sua vida, reclamando a honra do descobrimento do éter como anestésico. Porúltimo, verificando quejánada mais podiafazer, tendo gasto todas as suas economías, em extrema pobreza, mete-se a vendedor de lenha, que ele mesmo cortava e oferecia de porta em porta, para nao morrer á míngua. 40
    • |~CemCuriosidades"). =21= Papa Científico Abraham Cottlob Werner {1749-1817) era, inquestiona- velmente, o mestre mais procurado e popular da ciencia das rochas e minerais. Pela for^a da sua personalidade veio a ser considerado urna espécie de papa científico, cujos decretos eram tidos como infalíveis. O genial patologista WirchOW, na Alemanha, também era considerado, em sua época, o papa da ciencia no seu setor. 4141
    • | ~Cem Curiosidades"). =22= O Anjo Salvador das Parturientes Ignác FüIop Semmelweis ri8i8-i865) O Médico Louco Na época em que SetnmelweiSzra. umjovem médico, os sábios obstetras da Europa atribuíam a causas "atmosférico-cósmico- telúricas" a elevada mortalidade observada entre as parturientes. O cérebro de Semmelweis debatía-se na impoténcia. Até que um dia, a morte inesperada de um amigo seu, o patólogo KoHtSChkd, adquirira urna septicemia quando procedía a urna autopsia. Setntnel- tW6/5quis saber porque morrerao amigo, quais as causas determinantes da morte. Fez o quedeviafazer. Examinou o relatório dareferida necropsia e ficou surpreendido ao verificar que o corpo autopsiado apresentava os mesmos indicios observados nos mortos por febre puerperal. Relacionou as duas coisas: septicemia... febre puerperal...febre puerperal.. .septicemia. Seus colegas apelidaram-no. "Médico louco". Mas grabas as idéias deste "louco", as maes puderam parir seus filhos, gerando novas vidas sem correrem o risco de perderem as suas vidas. 4242
    • | ~Cem Curiosidades"). =23= Desacreditar a ciencia Em 1661, ThOtnaS Burnet escreveu a sua Teoría Sagrada da Terra, e, em 1696 William Whiston publicou a Nova Teoría da Terra. Estas obras visionárias caracterizan! os esfor^os da religiáo para desacreditar o pensamento científico. Ambos os autores ocupam- se do diluvio, da perversáo da humanidade e do modo como a catástrofe influiu na crosta terrestre. Segundo Whiston, o diluvio de Noé foi causado em 18 de novembro de 2349 a.C. pela cauda de um cometa quepassou sobreo equador, provocando urnachuva torrencial!!! 4343
    • | ~Cem Curiosidades"). =24= Henri Dunant a828-i9io) Premio Nofe/da Paz de 1901. Um souvenir de Solferino - trinta mil palavras - o embriao da Cruz Vermelha. * Esmagado e sem vintém, procurou Dund/ltrefúgio nos bairros miseráveis de Paris. A principio foi aceitando pequeñas somas de amigos, mas estas passaram logo a rarear. Puídos e desbotados os elegantes fatos antigos, ele enegrecia-os com tinta de escrever. Expulso freqüentesvezes das habitares onde morava (por faltade pagamento), viu-se na necessidade de dormir nos bancos dosjardins. Ao fím de tres anos de tao duro exilio, os amigos perderam-lhe a pista.
    • ( Cem Curiosidades"^) =25= Na Interpretado da Natureza Na interpretado da Natureza nao se deve recorrer a for9as que nao sejam naturais ao nosso globo, admitir outras afSes além daquelas cujos principios conhecemos, nem propor acontecimentos extraordinários para elucidar fatos de ocorréncia comum. * Urna teoría é verdadeira enquanto está "de acordo com os fatos". * Hultony- Nao encontramos vestigio de um comefo, nem vemos perspectiva de um fim.
    • | ~Cem Curiosidades"). =26= Alquimia Mas a ciencia é inexorável, e por esta razáo nao passa hoje a alquimia, com todo o seu cortejo teológico, de um esfumado aspecto do passado. Todavia, para quem deseja consolar-se desta destruido das velhas idéias, as palavras de Retían sao as mais satisfatórias: as verdades que a ciencia revela sao superiores aos sonhos que ela destruí. Roeer Bacon (1214-1294): Sine experientia nihil sufficienter sciri potest (Nao há meio seguro de se saber nada, a nao ser pela experiencia). 4646
    • =27= Diário Meteorológico "Enquanto permaneceu em Kendal, o jovem DdltOl7foi muito incentivado pelo filósofo John CoUSh (1757-1825), que, embora cegó desde a infancia, conhecia vários idiomas, e nao havia planta, dentro de um raio de vinte milhas á volta, que ele nao conhecesse pelo tato, pelo sabor e pelo olfato. CoUSh era também excelente meteorologista. Infundiu em DdltOfízssa paixao de estudar a natureza diretamente, da observado cuidadosa e das notas minuciosas e sistemáticas. Como DdltOfínao freqiientasse a sociedade e quase nao procurasse divertimentos, foi-lhe relativamente fácil obedecer ao estímulo de COUSh.Em 1785 encetou um diário meteorológico, que manteve pelo espaco de cinqüenta e dois anos consecutivos, fazendo mais de duzentos mil observa^Ses".
    • |~CemCuriosidades"). =28= Controvérsia improdutiva Na historia da ciencia, causa espanto a massa de preciosa atencao que tem sido desviada da observado da natureza para a controvérsia improdutiva. 4848
    • | ~Cem Curiosidades"). =29= Louis Pasteur. O Século de Pasteur Já paralítico, sai do leito para visitar o laboratorio. Tem de ser transportado cuidadosamente. No Instituto, o seu Instituto, ROUX, (o fiel discípulo) mostra-lhe o bacilo da peste. Pasteur exclama melancólicamente: — Quantas coisas ainda por fazer, ROUX, e eu já sem vida! * No seu túmulo está gravada a seguinte frase (que tivemos a felicidade de pessoalmente 1er e anotar) por ele proferida no seu ato de posse de uma cadeira na Academia Francesa: "Feliz agüele queleva em si um Deus, um ideal de beleza, que lhe serve de guia: ideal de arte, ideal de ciencia, ideal da pátria, ideal das virtudes evangélicas. Eis ai as fontes vivas dos grandes pensamentos e das grandes acóes. Em todas se reflete, iluminando- as, a luz do infinito". * Emite Duciaux: Pasteur conquistou o mundo, e a sua gloria nao custou uma lágrima.
    • | ~Cem Curiosidades"). -30= Coroai a inocencia Johan Heinrich Pesfalozzi a743-1827) "Tendo já mais de oitenta anos PeStdlOZZÍvisitou um dia urna escola fundada em conformidade com o seu método As crianzas de ambos os sexos, que á idéia desse varáo justo deviam urna alma nova, receberam-no cantando melodiosíssimos coros e, no fim, pediram-lhe a sua santa ben^áo. Urna délas adiantando-se, ofereceu-lhe urna singela coroa de roble. —Para mim, nao - disse PesfáfOZZ/Coroai com ela a inocéncia, a única coisa grande sobre a terra. * No seu LivrodasMcíes: as formas do meu método pereceráo, mas o espirito que o anima vivera eternamente. * Em seu monumento: Aqui descansa HetlriVUe PeStdlOZZÍ. Nasceu em Zurique a 12 de janeiro de 1746. Morreu em Brugg em 17 de fevereiro de 1827 Prelector popular no "Leonardo e Gertrudes". Salvador dos pobres em Neuhof Pai dos ói iaos em Stanz. Fundador daEscolaPopular emBerthoud. Educador daHumanidadeem Yverdun. Homem, cristao, cidadáo, tudo para os outros, nada para si. Paz as suas cinzas. Ao nosso Pai PeStdlOZZÍa Argóvia reconhecida". 5050
    • | ~Cem Curiosidades"). — Vivi durante anos inteiros rodeado de criabas mendigas. Dividí com elas o meu pao. Vivi, por minha vez, como um mendigo, para ensinar os mendigos a viver como homens. A luta de PeStdíOZZi dirigiu-se especialmente contra a "escola- lugar-onde-se-ensina". defendendo adoutrina deurna "escola-lugar- onde-se-aprende" * "... nao esquefas, homem, tudo o que és etudo o que queres parte de ti mesmo" (No seu Método! * Reconhecimentó e saudade do meu MESTRE ERflSMO PILOnO 5151
    • | ~Cem Curiosidades"). =31= Precioso dom da raca humana Em Hutton, vemos em grau completo de desenvolvimento o mais precioso dom da ra$a humana: a atitude científica do espirito, a primazia daqueles processos de pensamento que levam ás grandes conquistas da ciencia. 5252
    • | ~Cem Curiosidades"). =32= Superior aos conhecimentos da época Muitos teoristas, em todos os tempos, tém projetado o seu pensamento num piano superior aos conhecimentos de sua época. 5353
    • =33= Interpretacoes primitivas Urna prova manifesta de que os quatro elementos sao o fogo, o ar, a água e a terra, está no fato que, ao queimar-se uma acha de lenha (a) surge o fogo, (b) a água ferve, borbulhando e chiando ñas extremidades da acha, © o fumo eleva-se ao ar, e (d) fica, como residuo, uma cinza terrosa. * Todas as teorías tém a sua biografía: nascem, vivem, e, por felicidade, morrem cedo em sua grande maioria Sen coeficiente de mortalidade é elevado, como de justi^a
    • |~CemCuriosidades"). =34= Aensurdecéncia GuiUaume /9/770/W0/75(Paris, 31.08.1663 - 11.10.1705) ficou surdo quando jovem, coisa que segundo ele, o foi conveniente por permitir-lhe urna maior concentrafao em seu trabalho científico: aperfeÍ9oamento de instrumentos, especialmente barómetros e termómetros. * Este ponto de vista coincide com o que dois séculos mais tarde tinha Edison (o inventor de mais de mil patentes), que padecia do mesmo mal. 5555
    • •f Gem Curiosidades j- =35= Tentativa de suicidio Matthias Jacob Schfeiden(Hamburgo, 05.04.1804-23.06.1881) terminou o curso de advogado. Mas, foi tao desgracado nesta profíssao, que chegou a tentar o suicidio. Como refugio usou o passatempo na botánica, que depois passou a ser a sua profíssao. A este quase-morto devemos a elaborado da teoria celular das plantas.* Teodor Schwann(Neuss, Renania, 07.12.1810-11.01.1882), baseado na teoria celular das plantas, no ano seguinte da formulafao de Schieiden, estendeu mais sistemáticamente aos animais. * Assim nasceu a teoria celular dos seres vivos.
    • | ~Cem Curiosidades"). =36= O pai vendeu a propria casa Astrónomo de modo acidental Urbain Jean Joseph Leverrier "O pai de LevetTier, empregado civil de pouca categoría, vendeu sua casa para que seu filo assistisse a universidade. Os resultados o justificaram". * Leverrier; (11.03.1811-23.09.1877) come?ou sua vida profissional no laboratorio de Gay-LuSSdCcomo químico. Em 1836 teveaoportunidade deserprofessor deastronomíanaEscola Politécnica. Seus cálculos, entregues a Calle do Observatorio deBerlim, permitiram a 23 de setembro de 1846, a mesma noite da explorafáo, descobrir um novo planeta - Neptuno. * "O descobrimento deum planeta gigantesco porpuro cálculo foi a proeza mais espetacular de toda a história da teoría de NéWtOtJ e eliminou a última sombra de dúvida (se existia) de sua validez".
    • Gem Curiosidades =37= Adrenalina-Insulina Edward Albert Sharpey-Schafer Shatvey-Scháfer (físióiogo inglés, 02.06.1850-29.03.1935) demonstrou em 1894, de que um extrato de glándulas adrenais aumenta a pressáo sanguínea. Sete anos mais tarde Takatnine isolou a adrenalina. Em 1916 propós que se desse o nome de "insulina' ao hormónio que conjeturava deveria existir nas secretes das ilhotas de LafJ- gherans. Banting & Best descobriram este hormónio.
    • 1 Cem Curiosidades v =38= "O Homem Nao Permanecerá Atado a Terra Para Sempre" o físico russo Konstantin Tsiolkovsky (17.09.1857- 19.09.1935)sofriade surdez quase total produzida por urna infe?ao de estreptococos aos nove anos. Superando o problema físico, foi nomeado professor e escreveu livros muito importantes em química e física. Em 1895 mencionava em seus escritos o vóo espacial e em 1898 se referia a necessidade de foguetes com motores de combustível líquido. Em 1911 congou urna série de artigos para urna revista de avia9áo nos que se metia em urna teoría completa acerca de foguetes espaciais. Foi o primeiro a sugerir a possibilidade de urna esta?ao aérea. * A lápide de sua sepultura tem a seguinte inscrÍ9ao: "O homem nüo permanecerá atado a Terra para sempre".
    • | ~Cem Curiosidades"). =39= Um Acídente de Laboratorio Robert Withetmvon Bunsen, químico aiemao (31.03.1811 - 16.08.1899), aos trinta anos comecou a trabalhar com os compostos orgánicos que continham arsénico. Quando trabalhava com eles teve lugar uma explosao em conseqüéncia da qual perdeu um olho e por pouco quase morreu envenenado pelo arsénico, pela absorbo e inalado lenta do material em que trabalhava. Foi ButJSen o primeiro que obteve, em quantidade, magnésio metálico, e demonstrou como ardia e dava uma luz muito brilhante, que resultou ser de grande utilidade para a fotografía (fase pré-flash). Juntamente com seu discípulo KirSChoff inventaram o mecanismo do espetroscópio em 1860 e em seguida descobriram dois novos elementos, o césio e o rubídio. Quem nao conhece o bico de gaz de Bunsen ? 6060
    • | ~Cem Curiosidades"). =40= Outro Acídente. 40 Anos Depois Euséne ñnatole Demargai (químico francés, 1852-1904), quando estudava os compostos de nitrogénio e do enxofre uma explosáo ocasionou a perda de um olho, acídente muito parecido ao sofrido por ButlSetl, uns 40 anos antes. Dedicou-se ao estudo dos espectros, apesar de só com um olho examinar os complicados espectros. Em 1896 comefou a investigafáo que o levou ao conhecimento deum novo elemento raro, o europio. Em 1898 madame Carie pedm a ajuda de Demargay. 6161
    • | ~Cem Curiosidades"). =41= Ao Descobridor da Urease Faltava um Brayo Quando menino James Butcheller Summer (1887-1955) teve o seu bra<?o esquerdo amputado Apesar da recomendado dos seus professores insistiu no estudo da bioquimica, graduando-se em 1910 em Harvard e o doutorado em 1914. Em 1926 Summer conseguiu isolar urna enzima, que chamou de urease e que catalisava a decomposi<?ao da uréia em amoníaco e dióxido de carbono. * Urna prova de que a investigado científica nao é únicamente urna questao de maos hábeis. * Em 1946, Summer compartiihou com Northrop e Stanley do premio Nobelde Química.
    • | ~Cem Curiosidades"). =42= De Sacerdote para Médico Frederick Grant Banting (1891 -1941), come$ou a estudar para sacerdote na Universidade de Toronto. Mas deixou o estudo eclesiástico para estudar medicina, onde diplomou-se no ano de 1916. Banting junto com seu auxiliar de laboratorio Charles H. Best, trabalharam com caes e conseguiram demonstrar a presenta de um hormónio que resultava da atividade das células das ilhotas de Langherans situadas no páncreas. A falta deste hormónio traduz-se na deflagrado da doen?a diabete. Bantinge ¿fesfchamaram estehormónio de"isletina", enquanto que Madeodconservou o de "insulina". Bantinge Madeod receberam o premio Nobel At Medicina e Fisiología no ano de 1923. A honestidade de Bantingé a sua gratidao para com Bestfez com que no dia em que recebeu o dinheiro do premio enviasse a metade para o seu colaborador. * Bantingmorreu em acídente aéreo em Terranova, durante a segunda guerra mundial. 6363
    • -f Cem Curiosidades =43= Adotou o Sobrenome da Esposa F r é d e r i c J o l i o t - C u r i e (1900-1958) JoHot-Curie nasceu com o nome de Jean Fréderic Joliot. Acrescentou o nome de sua mulher ao seu próprio quando se casou com Irene Curie, fíiha de Pierre & Marie Skiodovska Curie, posto que nao quería (já que os Curies nao tinham filhos) deixar que um nome táo famoso no mundo da ciencia desaparecesse em favor do seu. lio
    • | ~Cem Curiosidades"). =44= Albert Bruce Sabin (l906-1993^ Um Livro Mudou o Seu Destino O descobridor davacina contra apoliomielite (paralisia infantil) inicialmente estudava Odontología na Universidade de Nova York. Mas desde o día em que caiu em suas maos o livro de PdUÍ de Kruif - Os Cagadores de Microbios, Sdbil) deixou de estudar Odontología para se dedicar inteiramente ao estudo da Microbiología. Milhoes e milhoes de pais e criabas agradecem esta leitura. 6565
    • | ~Cem Curiosidades"). =45= Curie eCori - similitude Certy Theresa RadnitZC0rí{ 1896-1957) entrou na escola de Medicina da Universidade de Praga em 1914. Ali conheceu a Cari Ferdinand Corir (1896), um companheiro de classe. Depois que ambos tiveram seus títulos de médicos em 1920, se casaram. Ela compartilhou com ele (ambos bioquímicos) dos trabalhos de investigado e eventualmente o premio Nobel de Medicina e Fisiología em 1947. Como equipe de investigado de marido e mulher só podem comparar-se com os matrimonios Curiee Joliot-Curie. A similitude entre os nomes Curíet Coríé urna coincidéncia curiosa. 6666
    • -f Cem Curiosidades =46= Juramento Falso "Eu, CalileU Galilei, no meu septuagésimo ano devida", recitou ele de joelhos perante o tribunal, "tendo diante dos olhos os Santos Evangelhos, em quetoco com as máos, abjuro, maldigo e detestoo erro e heresia do movimento da terra". Ao mesmo tempo, prometía denunciar áInquisiíao qualqueroutro homem deciénciaquedefendesse as idéias de COPémiCO. "Segundo uma velha e persistente legenda, GalHeü', ao fazer esta confissáo, murmurava de si para si: Epursi muove (contudo, ela se move). lio
    • |~CemCuriosidades"). =47= Um Unico Amor Henry Cavendish (1731-1810) Este físico e químico inglés teve um só grande amor: a investigado científica. Pode classifícar-se entre os primeiríssimos científicos da história. Era incapaz de enfrentar-se com os professores nos exames regulamentares e durante o resto de sua vida teve a mesma dificuldade de enfrentamento com as pessoas. Era especialmente tímido e distraído, quase nunca falava. Jamais trocava de palavras com mais de um homem por vez e se fazia era só por necessidade e individualmente e por suposto nunca com urna mulher, pois as temía ao ponto de nao poder olhá-las. Para dar alguma ordem as suas serventes (como pedir o jantar) sempre o fazia por escrito e se alguma délas atravessava em seu caminho pela casa, era imediatamente despedida. Fez construir urna porta em sua casa, pela qual só ele entrava e saía. E, finalmente, se empenhou inclusive em morrer praticamente a sós. 6868
    • | ~Cem Curiosidades"). =48= Vidas Paralelas A vida de JosePfl Henry (1797-1878) é paralela em muitos aspectos a de Faraday: Como Faraday, provinha de uma familia muito pobre. Havia assistido muito pouco o colégio. Viu-se focado a trabalhar desde muito jovem. Faraday havia sido aprendiz de encanador e Hefiry, aos treze anos, foi aprendiz de relojoeiro. Mas há uma grande diferen<;a: Henry foi menos afortunado, posto que nao teve como Faraday contato com os livros. 6969
    • -Í Gem Curiosidades]- =49= Homens de Todas as Racas George Washington Carver a 864-1943) Quando tinha só alguns meses o roubaram com sua mae uns traficantes de escravos que os levaram a Arkansas. Da mae nao se voltou a saber nada, mas o antigo proprietário, Moses Carver, pode recuperar o menino negociando-o por um cavalo de carreiras. Os Can/ero adotaram quando a lei liberou os negros e levou o sobrenome de seu pai adotivo durante toda a sua vida. Os C<3fM0rderam-lhe uma boa educado ao inteligente jovem, coisa que era difícil naquela época para os desuara?a. Foi aum colégio de negros, o aceitaram na Universidade de Indianola, Iowa, em 1889. Foi o primeiro negro que assistiu as aulas universitárias. Graduou-se como químico agrícola. Teve uma carreira vitoriosa. Quid sua contribuido maior foi a demonstrado palpável que apresentou a historia de sua vida, e que vale a pena educar aos homens de todas as ra?as. 7070
    • =50= Abelhudo "Precisamos desembara<?ar-nos deste abelhudo", murmuravam os padres da universidade ao saírem da pra<?a, remoendo o seu fiasco. E assim Cdlileu foi focado, pelas denúncias desses homens, a abandonar Pisa, aceitando um convite para ensinar na universidade de Pádua.
    • | ~Cem Curiosidades"). =51= Lar. Doce Lar John HawardOayne, autor da linda can?áo "Lar, Doce Lar ", nunca teve um lar. E exatamente escreveu esta canfao quando estava em Paris, paupérrimo e sem recursos. Toda sua vida foi um constante vagar por diferentes países.
    • -f Cem Curiosidades =52= Exposicao de Origináis de Carlos Gomes / "A primeira exposiijao deorigináis das obras de CdrtOS Comes, foi organizada pelo Dr. Aldfído Sodré, diretor do Museu dePetrópolis, e enviadas a Campinas por gentileza do Ministro Dr. Clemente Mari ani e Dr. fiureliano Leite. Essa exposigao constou de seis quadros representando cenas de "O Guaraní" eum retrato do maestro Carlos Comes. Documentos origináis de partituras da "Fosca", "Guaraní", "Salvador Rosa" e "Maria Tudor"; e uma Pasta com pegasavulsas: "Cosél'amore", "BellaTosa", "Conselhos", "Oblio", "SpirtoGentil"e "HiñoparaGrandeOrquestraeBanda", mensagem de Carlos Comes a D. Pedro 11(22 de maio e 8 de dezembro de 1887); além de outras pegas e um telegrama de D. Pedro 11a CatlOS Gomes?onnXzndo ainda Pegas Impressas entre as quais "Hiño para festejar o Primeiro Centenário da Independencia Ame/icana", composto por CaríOS Comes por ordem de D. Pedro II, sendo um exemplar em italiano e outro em inglés". * Possuímos várias páginasxerocadas depegas origináis de CatlOS Comes, que nos foram gentilmente concedidas por uma neta do Maestro da Banda da Polícia Militar do Paraná, Romualdo SüríanL lio
    • ( Cem Curiosldadesj =53= Os Sete Sinos da Torre de Pisa " A historia dos sete sinos da Torre de Pisa é bonita e comovente. Cada sino tinha o som de uma nota musical. O primeiro a subir foi o da Assungáo, que correspondía ao "Dó" e pesava 36 quintáis. O segundo foi o sino do Crucifixo, que tocava o "Ré"; depois foi o de "S. Ranieri", que correspondía ao "Mi", o do Pocinho que tocava o "Fá"; o d&Pasquereccia, que tocava o "Sol" e era muito triste porque tocava sempre para os condenados á morte, e dobrou para a agonia do conde Ugolino, durante oito dias e oito noites sem cessar, e quando silenciou toda a gente compreendeu que morrera. Finalmente foram colocados o "Lá" e o "Si"; as Vesperas e a Tercia. Todos os domingos os sete sinos tocavam em conjunto, um concerto. Entretanto, um dia, sábios prognosticaram que a oscilado dos sinos poderia acelerara inclinado da torre e provocar-lhe a queda. E os sinos silenciaram..." 74
    • | ~Cem Curiosidades"). =54= Rubinstein Conhecem-se tres grandes artistas com este sobrenome: AntOtl, pianista e compositor russo (1830-1894), fundador do Conservatorio de S. Petersburgo; firthur,<is aplatéiade S. Paulo aplaudiu; polonés, nascido em 1886; e Eífíd, violinista húngara, nascida em 1903. 7575
    • -f Cem Curiosidades =55= Mozart "Também MoZdrf deixou uma viúva ""Inconsolável"", Conztance Weber. Vivendo quase na pobreza com a pequeña pensáo que recebia do governo, CotlZtatlCe instalou uma casa de pensáo e esqueceu-se de tal modo de Mozart, que nunca foi ao cemitério. Depois de algum tempo, quando a celebridade pos em relevo a memoria do grande músico correu á procura de sua sepultura... mas, tinham passado dezessete anos, enáo havianem rastros do sepulcro de MozartSeu mausoléofoi a vala comum. lio
    • | ~Cem Curiosidades"). =56= Os Idiotas e a Música No compendio de Pediatría e Puericultura de MdrtitlhO da Rocha, encontramos." o idiota só tem vida vegetativa. O imbécil, ao contrário do idiota, pode aproveitar alguma coisa com a educasao..., é capaz de aprender música. Observa, porém, o Dr. Joáo Vicente Ferráo: Conhecemos, entretanto, idiotas mongolóides que aprenderam as harmonios elementares da música". 7777
    • | ~Cem Curiosidades"). =57= A Sinfonía Inacabada Schubertdeixou 10 sinfonías, entre as quais a quarta, em dó menor (Trágica); a oitava, em dó maior, obras de grande valores musicais, e, principalmente, a sétima, sem si menor {Inacabada)... Assim sao classifícadas as sinfonías do grande mestre do lied, porém, a conhecida como inacabada é a oitava e nao a sétima. Essa sinfonia entretanto está perfeitamente acabada. Tem dois tempos em vez dos quatro exigidos pela sinfonia clássica. Daí as lendas sobre essa sinfonia... " a morte surpreendeu o autor antes de terminá-la", o que nao é certo, porque foi composta em 1822, logo, 6 anos antes da morte de Schubert, e nao obstante foi executada somente em 1865, isto é, 50 anos mais tarde.
    • | ~Cem Curiosidades"). =58= O Saxtromba " Molf Sax foi o inventor do saxofone e deoutros instrumentos musicais. Nasceu em Bruxelas, em 1814. Seu pai era fabricante de instrumentos musicais. Quando menino, Adolf caiu de uma escada e quase morreu; engoliu um prego; sofreu várias queimaduras; tomou vitriolo por engano. Essas infelicidades nao o impediram que aos 18 anos inventasse um clarinete debaixo, que aleanQOU sucesso. Inventou o saxofone e o saxtromba. Aplicava sabiamente as leis da acústica descobertas por ele, porém morreu na maior miséria. Em 1854, fora nomeado professor do Conservatorio de Paris, do instrumento de sua inven^ao".
    • | ~Cem Curiosidades"). =59= 754 Obras Diferentes MoZdrt, o mais precoce e extraordinário músico que o mundo conheceu, viveu 36 anos incompletos e deixou um monumento de produfao: 754 obras diferentes.
    • | ~Cem Curiosidades"). =60= Manias Waanen construiu um túmulo no jardim da casa onde morava.Quando tinha convidados á mesa, levava-os aojardim, para o canto macabro onde estava a sepultura, na qual contava ser enterrado. LiSZt: era vaidoso e fazia-se de rogado para tocar. Certa vez, numa reuniao, colocou-se de costas para o instrumento, e nessa posi^ao tocou uma música das mais apreciadas pelo auditório. Schumann:era o jornalismo. Manuel de Falla: exigia que os alimentos lhe fossem apresentados cobertos por uma gaze de tule para protegé-los dos microbios. Seu "hobby" era a higiene.
    • |~CemCuriosidades"). =61= Os Genios e o Magistério Czemynbmáonou a carreira devirtuoso, por amor ao magistério. BdCh foi bom professor, e a prova está na independencia criadora de Fried mantie PhilHpe Emanuel. Haendetdetestava lecionar; nao recebia alunos. Cluck nao teve discípulos. Mozartdava liíoes com prazer, dependendo da qualidade do aluno. Haydn pelas reclamafoes de Beethoven, conclua-se que foi mau professor. Beethoven aceitava alunos a instancias do Arquiduque Rodolfo,porém detestava as linóes. ChOPÍn lecionou por necessidade. Schumanndeve ter sido um ótimo mestre, pelos conselhos que deixou aos alunos. 8282
    • | ~Cem Curiosidades"). =62= Familia Bach Havia pelo menos cinqiienta e dois músicos na familia de Johatl Sebastian Bach.
    • | ~Cem Curiosidades"). =63= Bons Conselhos SergeDiaghHeV e teorStravinskyestudaram direito em Sao Petersburg. Diagtliieloquería ser compositor, mas foi desaconselhado por Nikholas Rimsky-Korsakov. Veio a ser o pai do bale moderno. Rimsky-Korsakov encorajou Stravinsky na carreira musical e Stravinsky tomou-se o pai da música moderna.
    • | ~Cem Curiosidades"). =64= K.425 Mozart compos, escreveu, ensaiou e executou sua sinfonía Linz, a Sinfonía em Ré Maior, K.425, em cinco dias.
    • |~CemCuriosidades"). =65= O Bolero Maurice Ravei francés (1875-1937), um dos maiores compositores e orquestradores modernos, chamava uma de suas famosas composigoes, O Bolero, de "dezessete minutos de orquestra sem música nenhuma". Limitou-se a um tema de oito compassos que se repete, com diferentes solos e acompanhamentos da orquestra, na pega inteira. Este mesmo compositor sofreu uma lesao no cérebro em um acidente de automóvel. Morreu em 1937 deumaoperagao neurológica, que ele temia nao dar resultado, mas que esperava com isso poder ajudar a ciencia. 8686
    • | ~Cem Curiosidades"). =66= OCARBONO O carváo e o diamante sao feitos do mesmo elemento químico o carbono. HELENA KOIODY GESTACÁQ DO LONGO SONO SECRETO NA ENTRANHA ESCURA DA TERRA, O CARBONO ACORDA DIAMANTE. 8787
    • =67= Destroncadores de lingua O enzima hipoxantina-guanina-fosforibosiltransferase. O ácido metilpropenilenodiidroxicina-menilacrílico. O ácido O-anidrosulfamino benzoico (o adúcar para café). Para-amino-benzene-sulfonamide3-(metil-4-amino- hidroclórico-piramidil-5-metil-4-metil-5-beta hidroxi-etil-3-cloroíiazoleo. Um exemplo deum termo químico bastante extenso é o nome de um amino ácido composto que contém cerca de 3.600 letras. Para escrevé-lo seriam necessárias duas páginas deste livro.
    • | ~Cem Curiosidades"). =68= As Últimas Palavras As últimas palavras de AlbertEinste¡tl]a.mús seráo conhecidas. Ele falou em alemáo e a enfermeira que o assistia nao compreendia esta lingua. 8989
    • | ~Cem Curiosidades"). =69= O Horário dos Trens Freud jamais conseguiu 1er o horário dos trens. Quase sempre precisava que alguém o acompanhasse ñas viagens. 9090
    • | ~Cem Curiosidades"). =70= Ambicáo de M5e Dmitri Mendeleev, William Thomson e Ernest Rutherford dedicaram-se á ciencia levados pela ambigao determinada e obsessiva de suas máes. Mendeleev desenvolveu o conceito da lei de classificagao periódica dos elementos. Thomson íBario Kelvin J contribuiu para o desenvolvimento da termodinámica e coordenou várias teorías sobre o calor. Rutherford ganhou o premio Nobel de química por suas pesquisas sobre a radioatividade.
    • |~CemCuriosidades"). =71= Sob Juramento O físico americano HetlIV ñUSUStUS Rowland(1848-1901) era famoso por sua modéstia. Certa vez, quando testemunhava em um julgamento na qualidade de testemunha especializada, um advogado perguntou-lhe quem era o maior físico americano vivo. Rowland respondeu: "EU". Mais tarde, quando um amigo perguntou-lhe intrigado como podia ter dado aquela resposta vaidosa e contrária ao que se conhecia dele. Rowlandretrucou: "Nao tive outrojeito. Eu estova sobjuramento ".
    • -f Cem Curiosidades - 7 2 = Esforco Cumulativo Mais uma vez temos de retrogradar aos gregos, áqueles sábios que tantas coisas meditaram e adivinharam. A ciencia cresce por acumulares, e é sempre útil contemplar a lenta conquista de cada um de seus triunfos. De inicio modestíssimos tém-se evolvido resultados magníficos. Leia-se, porexemplo, "ArquitetosdeIdéias". A teoría do fogo, entre outras, ilustra magníficamente os progressos do esforgo cumulativo. lio
    • | Com Curiosidades") =73= Morreu na Fogueira Giordano Bruno, o grande defensor das idéias de COPémiCO, enfrentou a Inquisifáo Central. Em fevereiro de 1593, passou para os cárceres deRoma, ondepor seis longos anospadeceu elenos calaboufos romanos. A17 de fevereiro conduziram-no a fogueira do Campo di Fiore. Diante do fogo, disse aosjuizes: — "Eu lutei e istojá é muito. Sucedía- me o que suceder, venga quem vencer, uma coisa ao menos nao me negaráo os sáculosfuturos: eu nao tive medo de morrer, nao cedi a nenhum dos meus iguais em constáncia, epreferí uma morte animosa a uma vida de covardia". * Disse BrunoIT—"Só os espíritos fracos é que pensam com a mulíidao por ser ela multidao. A verdade nao é modificada pelas opinioes do vulgo nem pela confirmagao da maioria". 94
    • | ~Cem Curiosidades"). =74= Divertido Argumento O mais divertido argumento atirado a GdMeUfoi o de FnMCiSCO SÍZZi, no tocante aos satélites de Júpiter. Ele obtemperou-lhe que os planetas tinham de ser sete, nem mais nem menos: pois nao sao sete as janelas da cabera (dois olhos, duas narículas, duas orelhas e urna boca)? Nao era a semana formada de sete dias. Ademáis, os dias da semana tinham sido denominados segundo os planetas. "Se aumentarmos o número dos planetas", prosseguia SÍZZÍ," todo esse sistema cairá por terra". E, para coroar tudo, acrescentava: "Além disto, os satélites nao eram perceptíveis á vista desarmada, logo nao podemter influencia sobre aterra, logo sao inúteis, logo nao existem".
    • | ~Cem Curiosidades"). =75= Traidor ... em vista de tudo isto, afigura-se-nos um arrojo insensato da sua parte deixar Francforte para ir a Veneza onde ficava ao alcance do bra90 da igreja - a convite de um veneziano, GiOVdMli Mocetliso. Pode ser que o impelisse a sua eterna inquietude, ou talvez a esperaba de gozar em Veneza a sociedade dos seus compatriotas, de que havia tao longotempo andavasegregado. Sabe-se com certeza que MOC&IÍSO lhe garantira prote9ao: e fiado nestas promessas, ele tomou o caminho de Veneza. Ora, Mocenieo era provavelmente um agente assalariado da Inquisi9ao, que queria capturar Giordano BrUflO. 9696
    • | ~Cem Curiosidades"). =76= Mote de um dos Livros de Maver Simplex Veri Sigillum = A simplicidade é o selo da verdade. 9797
    • | ~Cem Curiosidades"). =77= Um Sonhador Utópico Num momento de exaltagao, um sonhador utópico escreveu certa vez: "O verdadeiro homem de ciencia adora um só deus; a verdade. Despreza o eclesiástico, que ensina semi-verdades com vistas na influencia moral; opolítico, que a veste em roupagens partidarias; e o homem de negocios, que a subordina ao lucro ".
    • | ~Cem Curiosidades"). =78= Romford Rumford (teoria do calor) deu, bem 111090 ainda, provas de possuir tres faculdades: I a de pensar por si mesmo a de experimentar e a de teorizar 9999
    • -f Cem Curiosidades =79= Compreender Compreender é ver o que os outros nao véem, abarcar os fatos em conjunto, desvendando manifestares de um principio único em fenómenos diversíssimos. lio
    • | ~Cem Curiosidades"). =80= 8 de marco de 1794 Os Fermiers Généraux foram decapitados numa guilhotina erigida na Pra?a da Revoluto. PdUlze foi o terceiro, LdVOÍSier o quarto. Seus corpos foram jogados a covas anónimas, no cemitério de Francis. * Coffinhaí a Lavoisier: "La République n a pas besoin de savants". ("A República nao precisa de sábios"). * Lavoisier. I - a ciencia é agáo e nao palavras; - a matéria nao pode ser criada nem destruida - tudo se transforma. 101101 *
    • | ~Cem Curiosidades"). =81= Esposas Excepcionais Por ocasiáo de sua morte trágica, estava LdVOisier preparando uma edigáo de suas obras coligidas, com o auxilio de sua esposa e fiel colaboradora, tanto na esfera literária como na científica. Fora um casamento ditoso, comparável á ubérrima felicidade desse outro grande teorista francés, LOUÍS Pasteur e sua companheira de trabalhos. Foram mulheres excepcionais, essas esposas de teóri- cos clássicos.
    • [ Cam Curiosidades ) =82= VisSo Clara LaVOÍSier?'pensées de lajeunesse,exécutées par1 'age mür". 103103
    • |~CemCuriosidades"). =83= Lorde Kelvin Costumo dizer, declarou certa vez Lorde KeMfí "que quando podemos medir aquilo de queJalamos e exprimí-lo por meio de um número, conhecemos alguma coisa do assunto; mas, quando nao o podemos medir nem expressar comnúmeros, osnossos conhecimentos sao fracos e pouco satisfatórios. Podem significar uma entrada em relagdes com a matéria, mas, seja ela qualfor, achamo-nos em tal sentido, mui atrasados na estrada da ciencia ". 104104
    • | ~Cem Curiosidades"). =84= A Experimentadlo A experimentagao é a linguagem com que o homem de ciéncia interpela a natureza. 105105
    • { Cem Curiosidades "). =85= QfrrgflgPa$tglaria O avango da ciéncia consiste em se apartar gradualmente de pressuposigSes infundadas. A teoría proposta por Sthalera pouco mais que uma obra de pastelaria. "Meu filho, escreveu An atoleFrance, cuidado com os pastéis. Os pastéis sáo ficticios, adventicios. S&o uma massa inflada que n9o consegue esconder a pobreza do recheio".
    • | ~Cem Curiosidades"). =86= As Dores do Parto A verdade raramente nasce sem as dores do parto.
    • -f Cem Curiosidades =87= Pesquisa Ao seguir o fio de seus pensamentos sentimos a todo momento queestamos em presen<;a deum "espirito de pesquisa". Descobrir fatos e suas varias relafoes é pesquisa. E sem pesquisa nao pode existir teoria. Os fatos sao o corpo da ciencia. A teoria, que os combina, é o espirito. * Urna boa teoria nao se limita a guiar a experimentado. Antecipa-a. * Tendes razao em dizer, escrevia o grande químico sueco Jons Jakob Berzelius (1779-1848) urna carta pessoal a Dalton: tendes razüo em dizer que a teoria dasproporgoes múltiplas é um misterio sem a hipótese atómica; e, pelo que me foi dado ver, todos os resultados obtidos até agora contribuem para justificar esta hipótese". lio
    • { Cem Curiosidades "). =88= Londres Ddttoniomoxx a passar por Londres na sua volta de Paris: — é uma cidade cheia de surpresas, e vale bem apena de ser visitada uma vez, mas seria o lugar mais improprio do mundo para servir de residencia a um homem de espirito contemplativo.
    • -f Cem Curiosidades =89= Adesao Cega Que excelente coisa seria se em ciencia nao houvesse adesao cega a conclusdes pré-estabelecidas. lio
    • | ~Cem Curiosidades"). =90= Laboratório - Mente Humana Nao é no laboratório que está a solugáo, mas sim, na mente humana. O laboratório é somente a arma.
    • { Cem Curiosidades"). =91= O que Importa O que importa nao é o lugar onde estamos, mas sim, aquilo que somos.
    • | ~Cem Curiosidades"). =92= Pus louvável O premio para o autor da doutrina do pus louvável, foi um chuveiro de injurias e zombarias. 113113
    • | ~Cem Curiosidades"). =93= Palácio da Hipótese Pettenkofferí 1818-1901) o fundador da Higiene. Conta-se que o povo de Munich costumava chamar ao seu Instituto Fisiológico o "Palácio da Hipótese". 114114
    • | ~Cem Curiosidades"). =94= Companheiras de Titas Intelectuais Marie Laurant Pasteur era feita da mesma estofa heroica de Erna Wedewood Darwin e Jení von WestPhaien Marx, extraordinárias companheiras de titas intelectuais. 115115
    • | ~Cem Curiosidades"). =95= Invia virtuti nulla est via Numa antiga gravura, que o eminente anatomista medieval Uesalíus grandemente estimava, vemos o bardo, empunhando instrumento no ato de alcanzar a ilha salvadora. Em redor do desenho estáo escritas as palavras: Invia virtuti nulla est via. Nao há caminho fechado ao corajoso. 116116
    • | ~Cem Curiosidades"). =96= Imaginacao Nao é a simples imaginacao, mas a imaginacao aparelhada que tem forcas para dar saltos inovadores no desconhecido. 117117
    • | ~Cem Curiosidades"). =97= Aparentemente mediocres Thomas Alva Edisotl foi um dos genios que tiveram aproveitamento mediocre na escola (Einstein, Newton, Pasteur entre tantos outros). Na realidade, a mae de Edison,uma professora de grau primário, ficou tao desgostosa com as notas que o filho tirava na escola que resolveu ela mesma ensinar-lhe em casa.
    • | ~Cem Curiosidades"). =98= Divisao por Zero Quando Einstein publicou sua equafao da relatividade geral, nao notou que a teoria continha a previsao de um universo em expansao. Um matemático russo AlexanderFriedtndtin, descobriu que Einstein cometerá um erro elementar de álgebra que impedia a solucáo das equates apresentadas. Na verdade Einstein ñztra urna divisáo por zero - tabu absoluto em matemática. 119119
    • | ~Cem Curiosidades"). =99= Claude Bernard CIdUdeBernardáñxou a escola de medicina porque desejava serum grande escritor. Com vinte e um anos escreveuumatragédia em cinco atos, Arthur of Britcmy, e a levou para um conhecido crítico parisiense. O crítico leu a pe?a e aconselhou Claude a voltar á escola imediatamente e esquecer suas ambi^oes literárias. Claude seguiu o conselho - e tornou-se um dos grandes biólogos da historia, tendo virtualmente criado a "fisiología experimental". Quando morreu, em 1878, foi enterrado com honras de estadista, primeiro cientista a quem a Fran?a concedeu tal honra.
    • | ~Cem Curiosidades"). =100= Curiosidade A estes homens de insaciável curiosidade cabe a honra de haver lan?ado sólidos fundamentos para a ciencia. E lograram fazé-lo por terem sabido sacudir a escravidáo do saber livresco. 121121
    • | ~Cem Curiosidades"). 01. Manual de Clínica Odontológica (Volume 1). Empresa Gráfica Paranaense Ltda. 1945 02. Analgesia do Órgao Dentário por Infiltragao Local. Gráfica Mundial Limitada. 1945. 03. Conductos Radiculares y Focos de Infección del Paradencio Apical. Editorial Mundi. Buenos Aires. 1947. 04. Manual de Clínica Odontológica (Volume 2). Gráfica Mundial Limitada. 1950 05. Preparo de Cavidades de Finalidade Terapéutica. Editora Lítero-Técnica. 1951. 06. Manual de Restauragao Dentária. Papelaria Max Roessner. 1952. 07. Ensaios Sobre As Aventuras da Ciéncia, do Homem e da Vida. Volume 1. Editora Lítero-Técnica; 1978. 08. Filosofía e Biología. Editora Lítero-Técnica. 1978. 09. Folheto de Biología Oral (6 volumes). Edigao Doméstica. 1988. 10. A Totalidade Biológica (O Desenvolvimento Harmonioso). Edigao Doméstica. 1994. Graf. Vicentina, 2a.ed., 1996 11. As Paredes do Laboratorio Vao Ser Pintadas. Edigao Doméstica. 1994.Graf. Vicentina, 2a.ed., 1996 12. Cem Curiosidades (Volume 1). Edigao Doméstica. 1994; Graf. Vicentina, 2a.ed., 1996
    • | ~Cem Curiosidades"). Armando Oscar Cavanha Alameda Princesa Isabel, 263 CEP-80410.110 Curitiba - Paraná - Brasil Fones: 222.7405 223.8489 Fone-Fax: 232.7353 Fone-celular: (041)97a.2397 Este Livro contém: Páginas = 123 Palavras = 10136 Caracteres = 54916 Parágrafos = 753 Linhas = 3652
    • Armando Oscar Cavanha Alameda Princesa Isabel, 263 CEP 80410-110 Caixa Postal 6498 Curitiba - Paraná - Brasil Fones: 222-7405 223-8489 Fone-Fax: 232-7353