• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
11 os desafios dos grandes projetos em ep
 

11 os desafios dos grandes projetos em ep

on

  • 212 views

 

Statistics

Views

Total Views
212
Views on SlideShare
212
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
0
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    11 os desafios dos grandes projetos em ep 11 os desafios dos grandes projetos em ep Document Transcript

    • Os desafios dos grandes projetos em E&P A coluna bimestral de Armando Cavanha Filho [29.05.2013] 14h25m / Por Armando Cavanha Filho Os grandes projetos de desenvolvimento da produção em E&P têm sido analisados por diversas consultorias, como Schlumberger Business Consulting, SBC (“Desafios na entrega de megaprojetos em E&P”), Accenture (“Pesquisa global de grandes projetos de capital”) e A.T. Kearney (“Projetos de grandes investimentos”). Resumidamente, eis algumas conclusões importantes: – O dispêndio de capital triplicou nos últimos dez anos, atingindo US$ 550 bilhões em 2011. – A quantidade de projetos em andamento acima de US$ 1 bilhão quadriplicou, passando para a gestão de 40 operadores. – Para o período 2011-2035, há previsões de serem gastos quase US$ 20 trilhões no setor de óleo e gás em todo o mundo, e 13% desse total vão se destinar à América Latina. – Mais de 60% dos projetos ultrapassam o orçamento aprovado. – Mais de 70% dos projetos são entregues após o prazo acordado. – Quase 50% dos desafios estão relacionados a exigências regulatórias. – A transição entre construção e operação ainda é motivo de muitas perdas. – Cerca de um terço dos trabalhadores veem a Tecnologia da Informação (TI) como não contributiva para as tarefas demandadas neste segmento. – Há falta de líderes para a condução dos projetos. – A questão dos talentos é um grande desafio dos próximos anos, na percepção de quase a totalidade dos gestores. – Aumenta o convívio com múltiplos sócios, múltiplas interfaces, múltiplos riscos. – Compras, contratos, engenharia e projeto são desafiados por um mercado pouco preparado, com excesso de visão de curto prazo e gestão não automatizada. Possivelmente as causas dessas conclusões são que as operações têm se dado em águas cada vez mais profundas, com acessos a reservatórios antes não trabalhados, com controles de meio ambiente a cada dia mais severos, utilizando unidades de produção com tamanhos continuamente crescentes. Há um tema recorrente e de alto impacto na gestão de grandes projetos que trata dos fluxos de informação e do sistema de influência a montante. Como intervir antes que seja tarde, ou seja, como ajustar requisitos e especificações antecipadamente, evitando problemas a jusante? A sequência de eventos nesses grandes projetos pode ser sintetizada pela seguintes fases: • projeto conceitual • projeto básico • projeto de detalhamento • compras e contratos • construção e montagem • instalação e pré-operação • operação e manutenção • desmobilização Na fase conceitual, a liberdade de ajustes é bastante ampla. O projeto básico ainda experimenta grande liberdade, permitindo a escolha de tecnologias e alternativas. Já o detalhamento deve atender a muitas restrições impostas pelas fases anteriores. A partir daí, cumpre-se o especificado. Se algo estiver errado, as ações são limitadas. É comum gastar tempo na solução de problemas relativos à atividade anterior. Informações confusas, não objetivas e equivocadas, chegam sem compromissos claros à etapa seguinte. Não há qualidade garantida, mesmo nos casos em que as informações sejam consideradas, pelo emitente, precisas e relevantes. Diversas soluções foram experimentadas, como trabalhadores convivendo temporariamente em atividades anteriores e posteriores, tentando reduzir o impacto da desinformação anterior e futura. O “sonho” seria algo como uma “cadeia de informação em engenharia” (engineering chain), com dados, informações, documentos, análises essenciais preservados e de forma estruturada, fluindo nos dois sentidos, entre todas as engenharias, desde o conceito até a desmobilização. Organizações de provedores de serviços têm experimentado por anos influir positivamente nos processos iniciais, uma tarefa que, sendo coletiva, torna-se sem dúvida colaborativa. Um projeto de certeza informacional das engenharias traria fluxos de caixa mais robustos e redução de custos de gestão, motivando trabalhadores e melhorando os compromissos empresariais. Um belo desafio para o Brasil, que terá mais de U$ 1 trilhão para investir em óleo e gás nas próximas três décadas. A coluna de Armando Cavanha Filho é publicada a cada dois meses E-mail: cavanha@yahoo.com