Renascimento

4,107 views
3,977 views

Published on

Este trabalho fala sobre o renascimento , espero que seja benefico para voces

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
4,107
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,154
Actions
Shares
0
Downloads
50
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Renascimento

  1. 1. O Renascimento e aformação da mentalidade moderna
  2. 2. Da descoberta de um novo mundo àafirmação do Homem• Os descobrimentos portugueses permitiram a destruição de mitos muito antigos. Provaram que o Homem era capaz de fazer coisas até então inimagináveis.• As descobertas marítimas contribuíram de forma decisiva para a formação de uma nova maneira de ver o Mundo e a Natureza: sem deixar de ser religioso, o Homem tornou-se o centro das atenções e objecto de estudo – Antropocentrismo. Durante séculos o Homem tinha considerado que tudo era obra de deus e, como tal, só a Deus deveria dedicar os seus estudos – teocentrismo.
  3. 3. • Esta nova visão do Mundo e do Homem deu origem ao Renascimento. A designação de Renascimento deve-se ao interesse pelo “renascer” da cultura greco- romana (clássica). Já os Gregos e os Romanos tinham valorizado e enaltecido o Homem.• Este movimento surge em Itália no século XV.• O movimento renascentista, iniciado em Itália, acabou por estender a sua influência a toda a Europa Ocidental.
  4. 4. RenascimentoCaracterizado por:• Classicismo• Humanismo• Naturalismo
  5. 5. A mentalidade renascentistao Humanismo• Os Homens adquiriram uma mentalidade classicista, isto é, transportaram para este período os temas e os modelos valorizados pelos clássicos.• A mudança de atitude face ao conhecimento do Mundo e da vida, fez-se em simultâneo com o desenvolvimento de um espírito critico. Este espírito levou os Eruditos desta época a contestar o saber livresco, e a subserviência à igreja que caracterizava a mentalidade medieval e a desafiar a sua curiosidade em relação a tudo que os rodeava.• Recorrem à critica das instituições e da sociedade do seu tempo, com vista à sua transformação.
  6. 6. • O Homem medieval deu lugar a um “novo Homem”, critico, atuante, ativo, determinado, capaz de conhecer e mudar o mundo em seu próprio favor. Há uma valorização da pessoa humana e assume-se uma postura de confiança nas atitudes e capacidades do próprio individuo.• Ressurge o individualismo – (o Homem ideal) cada individuo não tinha receio de se assumir como diferente dos outros, orgulhando-se mesmo das suas capacidades, do seu esforço e do seu sucesso.
  7. 7. • Os Humanistas estudaram as obras dos autores clássicos e traduziram-nas para as sua línguas maternas. Inspirados nestes autores, e sempre com um espírito critico, estes produziram inúmeras obras.• Na Alemanha, a invenção da imprensa facilitou a divulgação deste movimento cultural e reforçou o gosto pelo estudo das línguas e dos autores clássicos.
  8. 8. Humanistas:• Baltazar Castiglione “O Cortesão” (as qualidades ideais do Homem);• Pico de la Mirandola;• Batista Alberti;• Nicolau Maquiavel “O Príncipe” (deu indicações sobre o modo de actuação dos dirigentes políticos);• Tomás More “A Utopia” (Caracteriza a sociedade ideal);• Erasmo de Roterdão “O Elogio da Loucura” (crítica à decadência moral da sociedade da época);• António e André de Gouveia;• Damião de Góis;• André de Resende;• Luís de Camões “Os Lusíadas”;• William Shakespeare “Romeu e Julieta”;• Cervantes “D. Quixote”;• François Rabellais “Gargantua e Pantagruel”.
  9. 9. CARACTERÍSTICAS DO HUMANISMOConhecimento do Estudo e reedição NovaSer Humano em toda dos textos dos mentalidade Estudo daa sua dimensão – autores greco-romanos intelectual Naturezaísica e intelectual Valorização e dignificação do Classicismo Curiosidade Espírito Naturalismo Homem Critico HUMANISMO NOVA MENTALIDADE 8profissionais (que veio estender-se das letras) aos artistas, músicos, homens das ciências, etc.)
  10. 10. Alargamento da compreensão da Natureza Os Humanistas propunham-se construir um conhecimento mais alargado do Homem e da Natureza. Recorrendo ao espírito critico e partindo da curiosidade que os movia, os intelectuais renascentistas fizeram da experiência e da razão os seus dois instrumentos de trabalho. A partir do século XV desenvolveu-se a ideia de que todo o conhecimento tinha de ser confirmado pela experiência e pela razão. O saber devia resultar da observação da natureza e da interpretação racional dos factos. Esta aberto caminho para o conhecimento cientifico moderno e para o desenvolvimento de vários ramos do saber:
  11. 11. • As viagens marítimas revelaram a existência de novos continentes, povos, culturas, plantas e animais e contribuíram para o desenvolvimento de várias áreas do saber: a Geografia, a Botânica e a Zoologia.• Astronomia – a Teoria Geocêntrica, que defendia a Terra como centro do Universo é contestada. Através da observação e da realização de alguns cálculos matemáticos, Copérnico desenvolveu a teoria Heliocêntrica, ou Heliocentrismo, segundo a qual o Sol era o centro do Universo e os planetas giravam à sua volta.• Medicina – distinguiram-se André Vesálio, que publicou um estudo sobre a circulação sanguínea.
  12. 12. • O movimento artístico renascentista surgiu na cidade de Florença, no início do século XV; Itália abandona a tradição gótica e afirma os novos conceitos e as formas do renascimento;• Inspirada na arte clássica – Classicismo – mas introduziram novas ideias e novas técnicas.• O renascimento traz os valores humanistas para a arte e cria a regra de que “o Homem é a medida de todas as coisas”.
  13. 13. Principais características da arterenascentista, presentes na arquitectura,na escultura e na pintura.• Harmonia• Equilíbrio• Ordem
  14. 14. Arquitectura Manifesta a combinação da influência clássica e das novas ideias e técnicas.
  15. 15. • A herança clássica está patente no equilíbrio, sobriedade e harmonia das proporções, bem como nas colunas, frontões, arcos de volta perfeita, abóbadas de berço e cúpulas.• Os elementos novos manifestam-se sobretudo na utilização da perspectiva com mestria, na horizontalidade, na adição de balaustradas e na decoração à base de elementos naturalistas (florões), medalhões e estátuas.
  16. 16. Escultura • Também se inspirou nos modelos clássicos, recuperando a harmonia, o realismo, o rigor anatómico e o nu. • Os elementos novos manifestam-se na precisão, por vezes geométrica. • A escultura já não é somente um elemento de decoração da arquitectura, tem valor próprio.
  17. 17. Principais características:• Naturalismo e realismo;• Expressividade das figuras representadas;• Monumentalidade – as estátuas podem atingir grandes dimensões mas respeitam sempre as proporções do corpo humano (os cânones);• Esquemas compositivos baseavam-se na geometria.
  18. 18. Pintura • O Renascimento foi um dos períodos mais ricos da pintura da Europa, tendo-se aplicado novas técnicas e novas formas de representação da realidade.
  19. 19. Principais características:• Inventa-se a pintura a óleo – permite obter mais cores e efeitos luminosos.• Inventa-se a perspectiva – forma de representar o mundo real o mais fielmente possível numa superfície de duas dimensões, ou seja, plana (tela ou parede).• Recorre-se a uma grande diversidade de temas. Procuram o equilíbrio e a disposição geométrica da composição, o naturalismo, o rigor externo.
  20. 20. Persistência do gótico emPortugal: o estilo Manuelino.• No final do século XV, início do século XVI continua o estilo Gótico, que vai ser influenciado pelo tema dos Descobrimentos.• Os edifícios sofrem algumas alterações, principalmente ao nível da decoração, que está na base de um estilo marcadamente nacional: o Manuelino.• Este estilo coincide com o reinado de D. Manuel (daí o nome) e parte do reinado de D. João III
  21. 21. O estilo Manuelino caracteriza-se por:• Aplicar em edifícios religiosos e religiosos e civis elementos decorativos naturalistas, marítimos e religiosos.
  22. 22. A arte renascentista em Portugal• A arte renascentista só se desenvolveu em Portugal no reinado de D. João III, século XVI.
  23. 23. A Igreja Católica em crise No inicio do século XVI, a Igreja Católica dominava por completo a sociedade europeia; contudo, encontrava-se mergulhada numa crise profunda (crise de princípios); A corrupção e a imoralidade eram frequentes entre os clérigos:  O Papa vivia rodeado de luxos prazeres e ocupava-se de questões políticas e militares, em vez de se preocupar com os seus deveres religiosos;  Alguns bispos compravam os cargos, envolviam-se em intrigas e preocupavam-se mais com o “festivo” do que com os seus deveres pastorais;  Elementos do baixo clero tinham uma fraca preparação intelectual e religiosa e levavam uma vida imoral e dissoluta. Alguns humanistas cristãos (Erasmo de Roterdão e Thomás More) Apelaram para uma profunda reforma da Igreja, que moralizasse a Vida eclesiástica e reconduzisse o Cristianismo à sua pureza originalNo entanto, os Papas não se mostravam dispostos a aceitar as críticas.
  24. 24. A Ruptura • Em 1514, o Papa Leão X enviou pregadores a muitos lugares, pedindo aos fiéis que contribuíssem com dinheiro para as obras da Basílica de S. Pedro. Em troca desta esmola o Papa concedia-lhes uma bula de indulgência (um documento em que declarava o perdão das almas do purgatório);
  25. 25. • Em 1517, Martinho Lutero (monge da ordem de Santo Agostinho) ficou tão indignado com tal venda que elaborou uma lista de argumentos que ficou conhecida como as 95 Teses Contra as Indulgências, onde contesta a venda do perdão sob a forma de um vulgar papel (a indulgência),• Martinho Lutero afixou essa lista na Catedral de Wittenberg;• Lutero acabaria por ser excomungado pelo Papa e só a protecção de alguns príncipes alemães impediu que fosse condenado à morte na fogueira. Pôs fim à unidade que a Igreja Reforma Protestante Católica tinha conseguido manter
  26. 26. A expansão das ideiasreformistas: a Europa dividida. LuteranismoRejeitou a possibilidade da Igreja possuir propriedades, o que levou muitos príncipes alemães a apoiar o luteranismo;Defendeu a extinção das ordens monásticas, do celibato eclesiástico;O luteranismo partiu da Alemanha e difundiu-se para a Dinamarca, a Noruega, a Suécia e a Finlândia.
  27. 27. Anglicanismo Em Inglaterra, em 1534, o rei Henrique VIII, uma questão pessoal teve na origem desse facto. O Anglicanismo vingou em Inglaterra e no Império Britânico. Calvinismo O Calvinismo foi fundado pelo humanista francês João Calvino; Refugiado na Suiça, em 1536, onde fez vingar as suas ideias reformistas; O Calvinismo partiu da Suiça e espalhou-se na Escócia, nos Países Baixos e no Sul de França.
  28. 28. Difusão do protestantismo na Europa
  29. 29.  O protestantismo teve maior aceitação no Norte da Europa; Esta cisão entre a Europa católica e a Europa protestante conduziu a violentos confrontos dentro do mesmo país, ou a guerras de religião, envolvendo vários países, entre os quais a Alemanha, a Inglaterra e a França; O sul da Europa (Portugal, Espanha e Estados Italianos) permaneceu católico.
  30. 30. A Reforma e Contra-ReformaCatólicas Procurando melhorar aspectoReacção da Igreja internos – Reforma CatólicaCatólica ao avançodo movimentoprotestante Combatendo o avanço dos protestantes – Contra-Reforma
  31. 31. Concílio de Trento1545 - 1563 Vai dar início a um longo debate interno sobre a doutrina e a organização da Igreja; Neste Concílio a doutrina católica mantém-se, reafirmando-se os princípios que sempre defendeu; Em matéria de organização o Concílio procurou mudar algo, sobretudo reforçar a preparação do clero, recomendando aos bispos a criação de seminários nas dioceses.
  32. 32. A Companhia de Jesus Em 1534, Inácio de Loiola fundou a Companhia de Jesus, cuja principal missão era a defesa e a propagação da fé católica; Os Jesuítas desenvolveram uma acção interna no domínio da missionação e do ensino, representando um grande obstáculo à propagação do protestantismo e difundindo o catolicismo.
  33. 33. A Inquisição e o Índex Meios utilizados para combater o protestantismo. A Inquisição era um tribunal eclesiástico destinado a defender a fé e a punir os desvios dos crentes; O Índex era um catálogo de obras proibidas pela Igreja por conterem, ideias ofensivas e desviantes.

×