A renovação da espiritualidade e religiosidade

7,793 views
7,619 views

Published on

Published in: Education
1 Comment
17 Likes
Statistics
Notes
  • Bem resumido! Obrigado pela partilha!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
7,793
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,247
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
17
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A renovação da espiritualidade e religiosidade

  1. 1. Unidade 4: A renovação daespiritualidade eda religiosidade Módulo 3
  2. 2. Níveis de desempenho• Identificar manifestações de crise na igreja nos finais da idade média, inícios da idade moderna.• Relacionar a questão das indulgências com o início da Reforma Protestante.• Sumariar os princípios do Luteranismo.• Sublinhar a inovação teológica desta doutrina.• Justificar a sua rápida progressão.• Mostrar a diversificação de credos a seguir à rutura luterana.• Comparar o calvinismo com o luteranismo.• Relacionar o calvinismo com a expansão do capitalismo.• Explicitar o contexto histórico em que se processou a reforma na Inglaterra.
  3. 3. • Evidenciar a originalidade do anglicanismo.• Exemplificar o clima de intolerância vivido no séc. XVI e XVII.• Integrar a resposta da Igreja Católica à reforma protestante.• Sumariar as conclusões do Concílio de Trento.• Concluir da repressão exercida pelo Índex e pela Inquisição o retrocesso cultural.• Explicar a ação das novas congregações religiosas.• Avaliar o impacto da contra Reforma e da Reforma católica na sociedade portuguesa.
  4. 4. A REFORMAPROTESTANTE
  5. 5. Críticas à Igreja• O Renascimento faz provocar uma grave crise na Igreja. A nova visão do homem e do mundo, mostra quanto as ideias veiculadas pela Igreja estavam erradas.• Os humanistas, longe de se dissociarem da religião, pretendiam antes um retorno à pureza do cristianismo primitivo. Condenavam não a religião em si, mas os que a pregavam e davam o exemplo errado.• A necessidade de uma prática mais autêntica e profunda, uma religiosidade em que existisse uma verdadeira fé era o sentimento transmitido pela maior parte dos humanistas.• A devoção torna-se mais pessoal, bem como o sentimento de culpa (e a morte em pecado).
  6. 6. Primeiras crises religiosas• Século XII-XIII: a Heresia dos Cátaros. A doutrina assentava na existência do Bem, que tinha criado o mundo espiritual, e do Mal, que estivera na origem do mundo material.• As ordens mendicantes, que condenam o luxo e a imoralidade da Igreja.•O aparecimento de cidades mercantis nonorte da Europa, que conduz a um desligarda doutrina cristã, desenvolvendo-se oensino laico e a preparação dos novosquadros fora da instituição religiosa.Também o facto da Burguesia pretender oenriquecimento, leva à crítica à Igreja, quese opõe à prática da usura e do juro.
  7. 7. Primeiras crises religiosas• o Cisma do Ocidente (1348/1417) - chega-se ao paradoxo da existência de dois chefes da religião cristã. De um lado, o Papa de Avignon, Clemente VII, apoiado pela França e seus aliados (Europa central). Do outro lado, o Papa italiano, residente em Roma. Este era apoiado pela Espanha. O conflito só será resolvido no Concílio de Constança, em que um novo Papa, que congrega o apoio de ambas as partes, é nomeado, ainda que por alguns dias coexistam três Papas.• Século XIV – heresia de John Wyclif, que contesta a autoridade do clero na Inglaterra e o pagamento da dízima.• Os flagelos do século: a guerra dos 100 anos; o avanço do Islão; a peste negra… conduzem ao aparecimento de seitas e movimentos que se vão afastando da Igreja cristã romana.
  8. 8. • Século XV: Jan Huss defende os checos contra o domínio do Império Alemão. Segundo a sua opinião, ninguém se poderia considerar representante de Cristo, se não seguisse o exemplo divino. Savonarola prega contra o luxo e corrupção na Sociedade. Por isso é acusado, enforcado e depois queimado na praça pública.• Grande parte da igreja do século XV tinha-se afastado dos princípios de pobreza pregados por Cristo e pelos primeiros apóstolos, e vivia no luxo e na ostentação. A corrupção alastrava dentro da igreja católica.
  9. 9. • Motivos para o descontentamento: – Venda de cargos religiosos: a prática de simonia era frequente. Aos cargos mais importantes como Arcebispados, Bispados, Cónegos... chegavam não os mais piedosos, mas os filhos segundos da nobreza, que viam aí um meio fácil de enriquecer e ter prestígio. – Falta de preparação e vocação dos membros do clero. – Luxo, ostentação, vida mundana e imoral dos clérigos. O Papa não era mais que um importante “monarca” com família e onde a guerra e a política se sobrepunham à prática do culto. O restante clero seguia o exemplo do seu chefe. – Venda da Bula das Indulgências.
  10. 10. Críticas• Em 1513, o Papa Leão X, decide enviar monges por toda a Europa, solicitando aos fieis uma contribuição para a conclusão das obras da Basílica de S. Pedro. Em troca, o Papa concedia uma Indulgência, isto é um documento que lhes perdoava a penitência pelos seus pecados. Imediatamente vozes humanistas se revoltam contra esta prática.• Erasmo de Roterdão (1466-1536), autor da obra “O elogio da Loucura” critica os abusos do clero e defende a necessidade de uma purificação da moral e dos costumes.• Lutero, monge da ordem de Santo Agostinho, encontra a resposta à sua inquietação nas casas de São Paulo, em que lê: o justo pode salvar-se pela fé. Revolta-se assim contra a venda das indulgências.
  11. 11. A rutura teológica• Lutero pretende um retorno a um cristianismo primitivo, onde a fé era o mais importante. Em 1517 afixa a sua obra “95 teses sobre as Indulgências”. É considerado herético e finalmente excomungado. Foge e refugia-se na Saxónia, onde funda a Igreja Alemã Independente e Luterana.• Em França, um extremista revolta-se contra a Igreja Católica. O seu nome é Calvino. Acredita na predestinação. O homem deve seguir uma fé intensa e ter uma vida piedosa e austera de moral rígida. É seguido na Suíça, Holanda e Escócia.• No caso inglês, surge o Anglicanismo, com Henrique VIII e a querela com o Papa Clemente VII (1523/1534). O rei pretende o divórcio de Catarina de Aragão para casar com Ana Bolena, o que lhe é negado. Resta-lhe então, separar-se também ele da igreja Católica.
  12. 12. AS IGREJAS REFORMADAS
  13. 13. Luteranismo• Princípios Luteranos: – Defende a autoridade única da Bíblia e a tradução do texto sagrado para alemão. – Acredita na relação direta do crente com Deus. Assim: • Rejeita o papel mediador do clero, • Rejeita a autoridade do Papa. – Defende a alteração da doutrina da Igreja: • Aceita apenas dois sacramentos (batismo e eucaristia), • Rejeita o culto dos santos e da Virgem, • Institui como responsáveis pelo culto religiosos homens simples, designados por pastores.
  14. 14. Calvinismo • Reforma Calvinista de João Calvino (1509-1564) que, com o apoio da Burguesia foge para Genebra, onde estabelece uma verdadeira ditadura religiosa.• Calvino defende que todas as leis de Deus deviam ser obedecidas. Explica a salvação com a teoria da Predestinação: cada crente já estaria, desde a origem, destinado por Deus à Salvação ou à condenação eterna.• Defende o sacerdócio universal e a autoridade exclusiva da Bíblia.• Acredita na salvação pela fé e na existência de dois sacramentos: O batismo e a comunhão.• Defende a teocracia (hierarquia dentro da igreja).• O Calvinismo torna-se uma verdadeira ideologia revolucionária.
  15. 15. Anglicanismo • Fundada pelo rei Henrique VIII (1491-1547) foi motivada pelo interesse do rei em anular o seu casamento com Catarina de Aragão e casar com Ana de Bolena.• Com a recusa do Papa, Henrique VIII proclama o ato de supremacia (em 1534), que o afasta da obediência a Roma e o torna chefe supremo da igreja na Inglaterra, a igreja Anglicana.• Henrique VIII dissolve os Mosteiros e confisca-lhes os bens. A nova religião inglesa defende então: - a justificação pela fé, mas não a predestinação absoluta; - a autoridade da bíblia, os Sacramentos do Batismo e Eucaristia, mas nega o culto aos santos, imagens ou relíquias; - a Teocracia; - A abolição do Celibato dos padres.
  16. 16. DOGMAS: CULTO LUTERANISMO CALVINISMO ANGLICANISMO CATOLICISMO Fé e predestinação Fé e predestinação Fé e predestinação Fé e boas ações Salvação absoluta da Alma Bíblia, Tradição, Fontes da Bíblia Bíblia Bíblia Decisões dos Concílios féBíblia Tradução para a Tradução para a Tradução para a -Versão latina-Versão língua nacional língua nacional língua nacional -Interpretação doInterpretação -Interpretação livre -Interpretação de -Interpretação dos Papa Calvino bispos Batismo, Crisma,Sacrament Batismo e Eucaristia, o Eucaristia Batismo e Batismo e Matrimónio, Penitência, Ordem, Eucaristia Eucaristia Extrema Unção Presença real sem Presença espiritual Presença espiritual Presença real comComunhão transubstanciação transubstanciaçãoCulto da Virgem e Abolido Abolido Abolido Mantidodos SantosOrganização Negada a sua Negada a sua Negada a sua Chefe da Igrejaeclesiástica autoridade autoridade autoridade-PapaHierarquia Suprimida Suprimida Mantida Mantida
  17. 17. CONTRAREFORMA E REFORMA CATÓLICA
  18. 18. A Reforma Disciplinar Em face das contestações de que foi alvo, a Igreja Católica iniciou um movimento de renovação que ficou conhecido como a Contra-Reforma. O Papa Paulo III, um notável humanista e diplomata, reconheceu anecessidade de se avançar para uma renovação da Igreja. Assim,convocou o Concílio de Trento (1545-63), onde ficaram estabelecidas asbases da Reforma da Igreja Católica.
  19. 19. O Concílio de Trento• Durante o longo período de reflexão do concílio, os Bispos confrontaram-se com duas correntes de opinião: uma mais tolerante para com os reformistas e a que condenava duramente os protestantes. Apesar das dificuldades, o Concílio realizou uma obra notável: – no plano dogmático: reafirmou a doutrina cristã face às teses protestantes, confirmando a importância da fé e das boas obras para a salvação humana; reconheceu a Bíblia e a tradição da Igreja como fontes da verdade e manteve os 7 sacramentos; – no plano disciplinar: restabeleceu a disciplina na Igreja, determinando a formação do Clero em seminários, manteve o celibato dos padres e obrigou os seus membros a residir nas dioceses e paróquias a seu cargo.
  20. 20. A Contrarreforma• Surge a necessidade de se responder às ordens protestantes. Assim, emerge o movimento de Contrarreforma, desenvolvendo-se instrumentos de “ataque” ao protestantismo: – a Companhia de Jesus, oficializada pelo Papa em 1540. Os Jesuítas destacaram-se no ensino e na consolidação e expansão da fé cristã através da missionação. – O Índex, catálogo que era periodicamente atualizado dos livros proibidos (não podiam ser impressos, vendidos ou mesmo lidos sob pena de excomunhão ou morte). – A Inquisição, instrumento repressivo que correspondia a um tribunal religioso, sujeito à vontade régia, que inquiria a vida daqueles que eram suspeitos de atos contra a fé católica.
  21. 21. O combate ideológico: O Índex• Index (Index Librorum Prohibitorum) era o Catálogo dos livros que a Igreja considerava nefastos para a preservação da fé.• Continha três seções: – Lista de autores completamente proibidos; – Lista de autores cujas obras poderiam conduzir à heresia; – Lista de livros contendo doutrinas que não eram correspondentes às ideias da Igreja.
  22. 22. A Inquisição• A Inquisição era também apelidada de Tribunal do Santo Ofício.• Era um tribunal eclesiástico destinado a defender a fé católica.• Vigiava, perseguia e condenava aqueles que fossem suspeitos de praticar outras religiões com vista a proteger a ortodoxia católica.• Utilizando a tortura e a condenação pelo fogo, pretendia salvar as almas dos erros e das heresias que levavam à condenação eterna.
  23. 23. A Companhia de Jesus• Também conhecidos por Jesuítas, foi criada por São Inácio de Loyola.• Rompeu com os moldes tradicionais da vida nos Mosteiros.• Tornou-se um símbolo da nova Igreja rejuvenescida e novamente pura.• Tornou-se um instrumento eficaz na resposta ao protestantismo, uma vez que : – Defendia o catolicismo, – Promovia a sua difusão pelo mundo, – Levava a cabo a missionação, pregação e ensino, – Evangelizava os povos das terras recém descobertas.
  24. 24. Na Península• A posição geográfica da Península Ibérica explica, em parte, a quase ausência de movimentos religiosos reformistas protestantes.• Existiam uma grande comunidade judaica, bem enraizada na sociedade portuguesa.• No final do séc. XV, em Espanha, os Reis Católicos reativaram a Inquisição como forma de limitar a poderosa comunidade judaica. Estes foram perseguidos não só pelas suas diferenças religiosas, mas principalmente por razões económicas.• Os judeus foram então expulsos ou forçados a converter-se ao Cristianismo. Esta mesma medida faria parte do contrato de casamento de D. Manuel com a filha dos reis católicos espanhóis.
  25. 25. Em Portugal• Após a expulsão dos judeus de Espanha, muitos fixaram-se me Portugal, sendo aceites por D. João II.• Em 1496 D. Manuel I ordena a expulsão dos judeus que não se convertessem à fé católica. Para impedir a perda financeira que tal representaria, o rei ordena o batismo forçado dos judeus, que passam a ser conhecidos pela designação de cristãos-novos. Os misturados seriam os marranos.• A nobreza não se misturou, tendo a assimilação ocorrido apenas nos estratos populares e mercantis.• Numa primeira fase do governo, o rei que se segue, D. João III demonstra abertura aos ideais renascentistas e torna-se um príncipe do Renascimento.
  26. 26. • D. João III promove o desenvolvimento e a circulação de ideias, com a vinda de estrangeiros para o reino, a criação do Colégio das Artes e a transferência da Universidade para Coimbra.• Na segunda fase do seu reinado, manifesta-se um encerramento à cultura renascentista e ao humanismo cristão, considerado nefasto.• A Inquisição instala-se então em Portugal, por insistência do rei junto do papado, e viria a completar as ações que se levaram a cabo em nome da pureza da religião católica.• Os alvos preferenciais da Inquisição foram os judeus e os marranos, o que provocou o enfraquecimento da Burguesia e a sua substituição no comércio por nobres e cavaleiros-mercadores. Todavia, estes não tinham a mesma preparação, logo, o mesmo sucesso.
  27. 27. • A presença da Inquisição em Portugal, embora solicitada desde cedo pelos reis, era desnecessária, pois os protestantes eram quase inexistentes e os judeus, ou já tinham sido expulsos ou tinham sido forçados à conversão (os que escolheram a conversão forçada passaram a ser designados por cristãos novos).• Para justificar a presença da Inquisição, iniciou-se uma grande perseguição contra os cristãos-novos acusados de judaísmo. Outros alvos foram os homens cultos, como Damião de Góis e todos os que eram acusados de bruxaria.• A Inquisição tornou-se também um meio usado para a centralização do poder régio, ao mesmo tempo que se exercia o controlo da ascensão social.
  28. 28. • A chegada da Companhia de Jesus em 1540 permitiu o processo de missionação em terras portuguesas ultramarinas, bem como de domínio das mais importantes estruturas educacionais portuguesas.• Durante todo o século XVI verificou-se um domínio completo do país pela Inquisição e pela Companhia de Jesus, amparado pela monarquia.• Foram realizados milhares de autos-de-fé, cerimónia pública em que os condenados pela Inquisição ouviam as acusações e as penas a que seriam sujeitos.•Esta situaçãoterminou, finalmente,com as medidastomadas pelo Marquêsde Pombal.
  29. 29. • Em Portugal, as severas medidas da contrarreforma aplicadas, revelaram-se extremamente nocivas face ao desenvolvimento que se iniciava. Foram assim responsáveis por um atraso cultural que se prolongou por muitas décadas.• A censura às obras escritas complexificou-se, sendo publicadas cada vez mais frequentes e extensas listas de obras proibidas.• A presteza das autoridades portuguesas em cumprir as medidas repressivas de Roma levaram ao exílio de inúmeros intelectuais nacionais e grandes nomes do panorama económico, em especial judeus que se refugiaram na Holanda, onde refizeram a sua vida e o seu património.• Deve-se ainda aludir à própria arte, uma vez que o catolicismo da Contrarreforma se serviu do esplendor da arte barroca para atrair os fiéis à “luz da Verdade”, destacando-se em Portugal o Convento de Mafra e a igreja de Santa Engrácia.

×