A GRANDE
DEPRESSÃ O

A CRISE DOS ANOS 30
Década de 20
Confiança no poder americano:
Os EUA tornam-se os grandes
credores da Europa e constituem uma
verdadeira

pot...
Década de 20
Primeiros sinais de crise (1921): uma crise de superprodução:
desequilíbrio entre a capacidade de produção da...
O crash da Bolsa
Persiste o problema do desemprego em certos sectores,
A produção agrícola não tem escoamento,
A ruína dos...
A Grande Depressão
Crise prolongada que afeta todos os setores:
economia (falências);
sociedade (desemprego);
política (mu...
(mundialização) da
crise
O peso da economia dos Estados Unidos no mundo - este país constituía a maior
potência económica ...
Consequências da
crise
Económicas:
A produção industrial contraiu-se rápida e violentamente.

Os preços dos géneros agríco...
Consequências da
crise
Sociais:
Êxodo rural (fuga do campo para as cidades).
O aumento do desemprego, o que gera miséria, ...
Respostas à crise
O plano americano liderado por Franklin Roosevelt aponta:
em 1º lugar para a necessidade de combater o d...
O New Deal americano
O New Deal propôs-se combater o desemprego para estimular o consumo e
consequentemente relançar a eco...
O New Deal americano
Estipula-se um horário de trabalho mais reduzido de forma a garantir um
maior número de empregos. Os ...
Na Europa
O caso Inglês - Procura-se estabilizar a economia interna. Para tal, os partidos
Conservador, Trabalhista e Libe...
Em alguns países…
A grande depressão
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

A grande depressão

1,032

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,032
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A grande depressão

  1. 1. A GRANDE DEPRESSÃ O A CRISE DOS ANOS 30
  2. 2. Década de 20 Confiança no poder americano: Os EUA tornam-se os grandes credores da Europa e constituem uma verdadeira potência industrial (estabilidade financeira que conduz a uma estabilidade no emprego. Assim, aumenta o consumo e a produção). Prosperidade aparente (na realidade, não circula dinheiro); Níveis elevados de produção agrícola e industrial; Especulação bolsista (ações em alta, muitos investidores); Deflação. Pág. 88
  3. 3. Década de 20 Primeiros sinais de crise (1921): uma crise de superprodução: desequilíbrio entre a capacidade de produção da Economia americana e as possibilidades de escoamento. a produção não tinha em conta a redução do mercado provocada pelo fim da guerra. produzia-se mais do que se consumia. O governo leva a cabo medidas protecionistas: o aumento das taxas alfandegárias, a diminuição das importações (“Lei Seca”), o controle da produção, para escoamento dos stocks. A pouco e pouco os stocks vão-se escoando, permitindo reorganizar a economia.
  4. 4. O crash da Bolsa Persiste o problema do desemprego em certos sectores, A produção agrícola não tem escoamento, A ruína dos agricultores leva à diminuição das compras de artigos industrializados. As ações estão sobrevalorizadas. Em 24 de Outubro de 1929, as ações são colocadas à venda. No entanto, não há compradores. É o CRASH DA BOLSA DE WALL STREET. Pág. 89
  5. 5. A Grande Depressão Crise prolongada que afeta todos os setores: economia (falências); sociedade (desemprego); política (mudança de governos)... Surge nos Estados Unidos da América, mas espalha-se por todo o mundo. Conduz ao: CICLO VICIOSO DA CRISE DESEMPREGO FALÊNCIA DAS EMPRESAS DIMINUIÇÃO DO CONSUMO DIMINUIÇÃO DA PROCURA
  6. 6. (mundialização) da crise O peso da economia dos Estados Unidos no mundo - este país constituía a maior potência económica mundial e a que mais empréstimos tinha concedido a outros países; Retirada dos capitais americanos investidos fora dos EUA: as empresas europeias financiadas pelos americanos abrem falência, Os grandes bancos europeus abrem falência e a libra perde valor. Diminuição das compras de matéria prima aos países subdesenvolvidos, que dependiam das compras americanas e assim entram em crise. Contração do comércio mundial. Cobrança das dívidas contraídas no fim da primeira guerra mundial: empobrecimento dos estados dependentes, quebra nos rendimentos. Pág. 90/91
  7. 7. Consequências da crise Económicas: A produção industrial contraiu-se rápida e violentamente. Os preços dos géneros agrícolas afundaram-se. O volume das trocas internacionais declinou (diminui o comércio). A queda da Bolsa provoca falências, ruína dos empresários. Fim do investimento bancário e falência dos bancos. Agravamento da superprodução. Para resolver esta situação, a produção é sistematicamente destruída em variados países. A deflação, que arrasta milhares e milhares para a miséria. Pág. 90/91
  8. 8. Consequências da crise Sociais: Êxodo rural (fuga do campo para as cidades). O aumento do desemprego, o que gera miséria, angústia e desespero. O arruinar da classe média. Os pequenos e médios proprietários tornam-se assalariados.
  9. 9. Respostas à crise O plano americano liderado por Franklin Roosevelt aponta: em 1º lugar para a necessidade de combater o desemprego. Segundo Roosevelt, fosse possível assegurar a sobrevivência das pessoas, garantindolhes a possibilidade de aquisição do indispensável, seria fácil ou pelo menos possível, debelar a crise; em 2º lugar para o aumento do poder de compra; em 3º lugar, para o relançar do consumo e da produção. É levado a cabo um conjunto de medidas para obter estes objetivos, denominado de NEW DEAL. Pág. 92
  10. 10. O New Deal americano O New Deal propôs-se combater o desemprego para estimular o consumo e consequentemente relançar a economia. Para isso adotou: Medidas financeiras rigorosas que passavam pela fiscalização das próprias instituições bancárias (a fim de controlar a especulação excessiva e a inflação); política de grandes trabalhos - criaram-se trabalhos públicos: arranjo de estradas, construção de pontes, limpeza das ruas e outras obras dependentes do Estado; estipula-se um salário mínimo nacional (apesar de baixo, permite sobreviver); proteção à agricultura através da concessão quer de subsídios a fundo perdido, quer a juro bonificado, o Estado auxilia a recuperação dos proprietários agrícolas.
  11. 11. O New Deal americano Estipula-se um horário de trabalho mais reduzido de forma a garantir um maior número de empregos. Os operários ganhavam menos do que anteriormente, mas o valor era distribuído por um número maior de trabalhadores. Para incentivar este tipo de atuação, o Estado concede ainda às empresas importantes isenções ou reduções fiscais. Este tipo de medidas insere-se numa legislação protecionista, com duas grandes preocupações: Estabilizar a economia interna / garantia de emprego. Diminuir a saída de receitas para o estrangeiro.
  12. 12. Na Europa O caso Inglês - Procura-se estabilizar a economia interna. Para tal, os partidos Conservador, Trabalhista e Liberal formam a União Nacional, que desenvolve medidas de: combate ao desemprego; introdução de políticas protecionistas; concessão de subsídios; incitamento à compra de produtos nacionais (“Buy British”)… O caso francês – após a fase de instabilidade, o governo é entregue à Frente Popular. Esta toma medidas no sentido de: • criar mais postos de trabalho; • diminuir o horário de trabalho e aumentar os salários; • nacionalizar algumas empresas (caminhos de ferro, por ex.). Pág. 93
  13. 13. Em alguns países…

×