A arte medieval

53,124 views
52,604 views

Published on

A arte medieval

A arte medieval

  1. 1. A ARTE NA IDADE MÉDIA
  2. 2. O ROMÂNICO Enquadramento histórico: <ul><li>As igrejas românicas são o reflexo da época em que foram construídas: </li></ul><ul><li>a fragmentação política contribuiu para a diversidade do estilo que, apesar da sua unidade, apresenta variações regionais; </li></ul><ul><li>o clima de guerras fez com que a igreja se tornasse um lugar de defesa: as construções românicas são autênticas fortalezas de grossas paredes e janelas em forma de seteiras; </li></ul><ul><li>a obscuridade interior do templo adequava-se ao ideal de espiritualidade medieval; </li></ul><ul><li>o analfabetismo das populações era compensado com a abundante ornamentação didáctica e simbólica nas fachadas e no interior da igreja: a Bíblia estava “explicada” nas figuras de pedra. </li></ul>
  3. 3. O ROMÂNICO Características fundamentais: <ul><li>Planta de cruz latina e construções com paredes muito grossas; </li></ul><ul><li>Os interiores são escuros e sombrios. A simplicidade é apenas cortada pelas colunatas que dividem as naves (três). </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Decoração muito simples - algumas rosáceas, frescos a decorar as paredes e abóbadas e algumas esculturas; </li></ul><ul><li>Os materiais de construção utilizados eram os que cada região possuía, o que contribuiu para a diversidade do estilo. </li></ul>Características fundamentais: <ul><li>Uso da abóbada de berço na cobertura das igrejas; </li></ul><ul><li>Uso dos arcos redondos na separação das naves e na abertura dos claustros para o pátio; </li></ul><ul><li>Utilização de contrafortes externos (para sustentar o peso dos tectos e paredes); </li></ul><ul><li>Janelas estreitas, em forma de seteira. </li></ul>
  5. 5. Em Portugal Em meados do séc. XII, Portugal é já um reino independente. Consequência da forte expansão económica e demográfica, ligada ao arranque vitorioso da Reconquista, financiavam-se as primeiras construções, não faltando pedreiros nem mão-de-obra. A arte portuguesa inspirou-se nos modelos europeus. Apesar disso, são claros os traços de individualidade. O Românico português é sóbrio e severo. Os monumentos mais originais são as pequenas igrejas rurais que se espalham pelo Norte do país como S. Pedro de Rates ou S. Cristóvão de Rio Mau . Modestas, destacam-se pelas suas formas simples e equilíbrio de proporções. No Sul, onde são mais raras, denotam bem a influência moçárabe. A escultura românica é pouco variada: além dos motivos geométricos e florais, destacam-se alguns capiteis figurados e tímpanos com imagens singelas.
  6. 6. O GÓTICO Enquadramento histórico: Contrastando com a fase negra que se vivera na Europa românica, a arte gótica desenvolve-se num período de reabertura das rotas comerciais e de triunfo do movimento das cruzadas. A produção agrícola melhora, a mortalidade diminui e, consequentemente, a população aumenta. Há uma grande estabilidade climática, associada à paz em geral, uma vez que fora retirado o cerco à Europa. As cidades ressurgem e com elas a Burguesia afirma o seu poder. As igrejas tornam-se espaços alegres, onde a população se reúne para conviver.
  7. 7. A partir da segunda metade do séc. XII, as grandes cidades da Europa começam a erguer imponentes catedrais. Cada cidade procurava construir o monumento mais belo e majestoso que o da cidade sua rival. O desejo de embelezar os templos levou os arquitectos a procurarem soluções que resolvessem os dois grandes problemas da arte românica: o peso das abóbadas e a fraca iluminação interior. Em Paris descobre-se então a abóbada sobre cruzamento de ogivas e o arcobotante. A primeira era fundamental, pois agora o peso já não incidia sobre as paredes, mas sim sobre os quatro pilares em que se apoiam os arcos. Os arcobotantes, por seu turno, consolidam a resistência dos pilares, uma vez que são levantados no exterior. Enquadramento histórico (cont.):
  8. 8. Características fundamentais: O GÓTICO <ul><li>Igrejas de paredes mais finas e construções em altura; </li></ul><ul><li>Uso de abóbadas de ogiva e arcobotantes; </li></ul><ul><li>As igrejas eram realizadas em cruz latina, por vezes com cinco naves e capelas radiantes. </li></ul>
  9. 9. Características fundamentais: <ul><li>Paredes rasgadas em janelas e rosáceas decoradas com vitrais; </li></ul><ul><li>Verticalidade das linhas a terminar num pináculo; </li></ul><ul><li>Mantém-se os contrafortes das construções românicas; </li></ul>
  10. 10. Em Portugal A arte gótica difundiu-se por toda a Europa, ganhando características particulares em cada região. A Portugal chega muito tardiamente (séc. XIII). No nosso país não foi um estilo de grandes catedrais urbanas, uma vez que estas já haviam sido construídas ao estilo românico. O gótico aparece no Sul ligado à arquitectura monástica. No séc. XIV o novo estilo foi-se generalizando, embora os primeiros grandes monumentos do gótico português (O Convento do Carmo e o Mosteiro da Batalha) só tenham sido construídos nos começos do séc. XV.
  11. 11. O estilo gótico expandiu-se no nosso país em resultado das encomendas feitas pela Igreja, reis e senhores. À semelhança do que aconteceu nos outros países, podemos distinguir entre nós diversas etapas do gótico: o cisterciense (de que é testemunho o Mosteiro de Alcobaça), o mendicante (como o das igrejas de S. Francisco de Santarém e de Estremoz) e o gótico clássico (de que é exemplo o Mosteiro da Batalha). A escultura gótica utilizou, tal como a românica, os colunelos, os capitéis e os tímpanos dos portais das igrejas. Uma das obras mais relevantes da escultura gótica é o túmulo de D. Pedro (mosteiro de Alcobaça), aqui representado.
  12. 12. FIM A Stora-Hist deseja-te um bom estudo

×