Orientações sexuais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Orientações sexuais

on

  • 1,634 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,634
Views on SlideShare
1,634
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
33
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Orientações sexuais Presentation Transcript

  • 1. Agrupamento de Escolas de Ribeira de Pena/ Núcleo de Cerva Ano letivo 2011/2012 FORMAÇÃO CÍVICA
  • 2. • Catarina Calçada, nº3 • Joana Lopes, nº5• Manuela Pereira, nº13 • Márcia Almeida, nº15 2
  • 3. Introdução 4Breve História das Orientações Sexuais 5O que é a Orientação Sexual? 6As Orientações Sexuais na Sociedade 7Tipos de Orientações Sexuais 8 Homossexualidade 9 Heterossexualidade 10 Bissexualidade 11 Assexualidade 12 Transsexualidade 13 Pansexualidade 14 Metrossexualismo 15 Travestismo 16Orientações Sexuais e as Celebridades 17Bandeira Arco-íris 24Homofobia 25Conclusão 26Fontes Documentais 27 Agrupamento de Escolas de Ribeira de Pena/ Núcleo de Cerva 3
  • 4. Este trabalho foi-nos proposto na disciplina de Formação Cívica com o tema de “Orientações Sexuais”.Neste trabalho vamos abordar as orientações sexuais, os tipos de orientações sexuais, a bandeira arco-íris, ahomofobia entre outros. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 4 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 5. A sexualidade humana tem sido, ao longo dos tempos, objeto de estudo de várias pesquisas e nestas, a OrientaçãoSexual emerge com bastante significado, dada a sua relação com a própria condição humana, pois se considera que ainfluência da sexualidade permeia todas as manifestações do indivíduo do nascimento até a morte, englobando o papelsexual do homem e da mulher, o respeito por si e pelo outro, as discriminações e os estereótipos atribuídos e vivenciadosnos relacionamentos humanos, dentre outros problemas atuais e preocupantes. Compilando a literatura existente, percebe-se que existe um número considerável de trabalhos elaborados naperspectiva de subsidiar os educadores quanto a abordagem da Orientação Sexual na escola. Contudo, observa-se que sãopoucas as instituições de ensino que incluem em suas práticas pedagógicas a discussão de um tema tão importante e necessário como é a sexualidade humana e, quando a fazem, essa se resume a palestras a cargo de psicólogos e/ou médicos, comose isso fosse suficiente para esclarecer as dúvidas relacionadas à sexualidade humana e suas múltiplas expressões. Essas“discussões” e “informações”, na maioria das vezes, estão voltadas tão somente para os adolescentes, ficando a infância ea pré-adolescência à mercê de informações incompletas, fantasiosas, regadas a preconceitos, incompreensões. Para algunsprofessores do Ensino Fundamental (1º e 2º ciclos), a Orientação Sexual nessa fase é vista como algo não saudável, poisestimularia precocemente a sexualidade das crianças. Estudos científicos realizados nessa área demonstraram que o trabalho de Orientação Sexual, ao contrário do que sepropaga, não estimula a atividade sexual, não antecipa a idade do primeiro contato sexual, nem tão pouco aumenta aincidência de gravidez ou aborto entre os adolescentes. E, sim, as crianças/adolescentes, que foram orientados sexualmentena escola, tornaram-se mais responsáveis e conscientes. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 5 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 6. Existem diversas teorias que procuram compreender o que determina a orientação sexual. Para algunsautores, é determinada pelas relações que a criança estabelece com os seus pais e familiares durante a infância.Outros fazem uma ligação aos fatores ambientais, defendendo que a orientação sexual se forma através de umprocesso de aprendizagem social. Existem teorias que apontam para fatores biológicos envolvidos noestabelecimento da orientação sexual. Outras teorias, de base biológica, referem que a orientação sexual éinfluenciada pela ação e funcionamento das nossas hormonas. Todavia, atualmente, sabe-se que o comportamento sexual não é vedado nem fixo, podendo, por essa razão,ser flexível e mudar ao longo da vida. Pelo que, até agora, o único aspeto que parece ser consensual a todas asteorias, é que a orientação sexual é algo que se começa a definir precocemente. Para a compreensão deste tema, é ainda importante ter em conta três aspetos fundamentais: os aspetos biológicos (a pessoa nasce com um pénis ou com uma vagina); os aspetos de identificação sexual (a pessoa sente-se homem ou mulher); os aspetos de orientação sexual (a pessoa sente-se atraída por homens, por mulheres ou porambos). O conceito identidade sexual integra as dimensões da identidade de género, a orientação sexual, asfantasias, os desejos e os comportamentos sexuais. De uma forma geral, a identidade sexual define a pessoa doponto de vida sexual, ou seja, a forma como ela se sente. Se existe uma identificação sexual, isto é, se a pessoase sente bem no seu corpo masculino ou feminino, à partida não há tensão ou sofrimento psíquico; quando nãoexiste esta identificação psicológica com o sexo biológico a pessoa pode viver em sofrimento pois pode existiruma rutura com os papéis de género “tradicionais” em que a pessoa não se identifica com os seus caracteressexuais (cromossomáticos). Estas pessoas, homens e mulheres, podem apresentar um transtorno ou umaalteração da sua identidade sexual e/ou de género. Nestes casos, pode ser importante uma avaliação eacompanhamento médico ou ao nível da psicologia ou psicoterapia. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 6 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 7. A igualdade de direitos e de respeito para qualquer ser vivo que habita a Terra deve serdefendida. As pessoas que discriminam a orientação sexual das outra são pessoas desrespeitadoras,que não pensam por si mesmas (estando apenas ligadas à "moral e costumes" da sua religião e/oucultura), ignoram e rejeitam o fato de que realmente, qualquer um pode, a qualquer momento da suavida, sentir-se sexualmente atraído por alguém do mesmo sexo, apesar de não ser comum. O que acontece é que a discriminação muitas vezes chega a ser tão cruel, tão invasora (até pareceque é crime) que faz com que muita gente esconda a sua verdadeira orientação sexual e viva infeliz,fechado em si mesmo. Se com outras espécies, por vezes, também acontece, porque é que com o ser humano havia deser diferente? Por exemplo, vê-se de vez em quando cães a acasalar com cães. Não é nenhumadoença nem problema psicológico! Nem contagia! Então porquê homofobia? Homosexuais, lésbicas, bisexuais, …, são pessoas normais, como qualquer heterosexual! O queinteressa é que exista AMOR e, de resto, a orientação sexual de cada um é pessoal e nãointerfere com a de mais ninguém. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 7 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 8. Existem vários tipos de orientações sexuais: Homossexualidade; Heterossexualidade; Bissexualidade; Assexualidade; Transexualidade; Pansexualidade; Metrossexualismo; Travestismo. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 8 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 9. A homossexualidade é definida como a preferência sexual por indivíduos do mesmo sexo.Homossexuais são aquelas pessoas que sentem atração física ou emocional por pessoas domesmo sexo. Ou seja, um homem por outro homem e uma mulher por outra mulher. Os homenssão geralmente designados por gays e as mulheres por lésbicas. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 9 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 10. Os heterossexuais são pessoas quesentem atração física ou emocionalpelo sexo oposto, ou seja, o sexomasculino pelo sexo feminino e vice-versa. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 10 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 11. A bissexualidade consiste na atraçãofísica e/ou emocional por pessoas tanto domesmo sexo quanto do sexo oposto, comníveis variantes de interesse por cada um. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 11 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 12. A assexualidade é caracterizada pela indiferença à prática sexual, ou seja, oassexual é um indivíduo que não sente atração sexual, tanto pelo sexo opostoquanto pelo sexo igual. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 12 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 13. Trata-se de um desejo de viver e ser aceitoenquanto pessoa do sexo oposto. Este desejo seacompanha em geral de um sentimento de malestar ou de inadaptação por referência a seupróprio sexo anatômico e do desejo de submeter-sea uma intervenção cirúrgica ou a um tratamentohormonal a fim de tornar seu corpo tão conformequanto possível ao sexo desejado. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 13 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 14. A pansexualidade é caracterizada poratração estética potencial, amorromântico e desejo sexual por qualquerum, incluindo aquelas pessoas que não seencaixam na bináriade género macho/fêmea implicado pelaatração bissexual. Algumas vezes édescrito como a capacidade de amar umapessoa de forma romântica, independentedo gênero. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 14 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 15. A Metrossexualidade ouo metrossexualismo acontece quandoum homem urbano é excessivamentepreocupado com a aparência, gastandogrande parte do seu tempo e dinheiroem cosméticos, acessórios, roupas e tem assuas condutas pautadas pela moda e as"tendências" de cada estação. Os metrossexuais são conhecidos pornão viverem sem a sua marca prediletade hidratante para a pele, apreciarem umbom vinho, sonharem com o último modelode carro desportivo e gostarem de comprarpeças de design. Estes seres vaidosos estãogeralmente bem colocadosprofissionalmente. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 15 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 16. O travestismo ou eonismo estáassociado ao ato ou efeito de travestir-se,ou seja, de vestir-se ou disfaçar-se comroupas do sexo oposto. O termo eonismo éutilizado de forma mais específica eassociado ao travestismo masculino,inclusive com a adoção de maneirasfemininas. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 16 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 17. ADAM LAMBERT (Homossexual)Agrupamento de Escolas de Ribeira de 17 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 18. LADY GAGA (Bissexual)Agrupamento de Escolas de Ribeira de 18 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 19. OPRAH (Assexuada)Agrupamento de Escolas de Ribeira de 19 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 20. LEA T. (Transsexual)Agrupamento de Escolas de Ribeira de 20 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 21. SERGUEI (Pansexual)Agrupamento de Escolas de Ribeira de 21 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 22. CRISTIANO RONALDO (Metrossexual)Agrupamento de Escolas de Ribeira de 22 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 23. JACKSON (Travesti)Agrupamento de Escolas de Ribeira de 23 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 24. A Bandeira arco-íris representa a comunidade homossexual e tornou-se o seu principal símbolo. Foi desenhado pelo artista plástico Gilbert Baker, em 1977. A Bandeira arco-íris é uma bandeira composta por seis cores que representa a diversidade sexual humana. A bandeira é utilizada nos desfiles de homossexuais (que se fazem principalmente no Brasil mas que também se verificam noutros países) ou na identificação de bares, restaurantes e lojas com predominância do público homossexual ou que recebem esses clientes sem nenhum tipo de preconceito. A Bandeira arco-íris tem seis cores que têm significados diferentes: Vermelho significa a luz; Laranja significa a cura; Amarelo significa o sol; Verde significa a calma; Azul significa a arte; Lilás significa o espírito. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 24 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 25. Homofobia A homofobia é observada como umcomportamento crítico e hostil, assim como adiscriminação e a violência com base em umaperceção de orientação não heterossexual. Em umdiscurso de 1998, a autora, ativista e líder dosdireitos civis declarou que: "A homofobia é comoo racismo, o anti-semitismo e outras formasde intolerância na medida em que procuradesumanizar um grande grupo de pessoas, negar asua humanidade, dignidade e personalidade."Em1991, a Anistia Internacional passou a considerar adiscriminação contra homossexuais uma violaçãoaos direitos humanos. Agrupamento de Escolas de Ribeira de 25 Pena/ Núcleo de Cerva
  • 26. Com este trabalho podemos concluir que existem vários tipos de orientações sexuais, que apesar determos na nossa sociedade pessoas com “escolhas” diferentes em termos de orientação sexual, nãodevemos discrimina-las porque são seres humanos. Gostamos imenso de fazer este trabalho porqueficamos a perceber muito melhor as diversas orientações sexuais. 26 Agrupamento de Escolas de Ribeira de Pena/ Núcleo de Cerva
  • 27. • http://pt.wikipedia.org• Google imagens• http://www.slideshare.net• http://juventude.gov.pt Agrupamento de Escolas de Ribeira de 27 Pena/ Núcleo de Cerva