CONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORES

32,004 views

Published on

Noções básicas de Contabilidade.

2 Comments
22 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
32,004
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
342
Actions
Shares
0
Downloads
1,359
Comments
2
Likes
22
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE E CUSTOS UNIDA - ESAMC Professor: Roberto Name Ribeiro
  • CONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORES

    1. 1. CONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORES <ul><li>CONTABILIDADE </li></ul><ul><li>ORIGEM, CONCEITOS E OBJETIVO </li></ul>Elaborado por Cássio
    2. 2. ORIGEM DA CONTABILIDADE <ul><li>Origem em tempos remotos; </li></ul><ul><li>Começou a tomar corpo no século XIII na Itália; </li></ul><ul><li>Século XV – Obra de Frei Luca Pacciolo; </li></ul><ul><li>“ Summa de Arithmetica, Geometria, </li></ul><ul><li>Proportioni e Proporcionalita” </li></ul><ul><li>- Tratado de matemática, com uma seção sobre registros </li></ul><ul><li>contábeis segundo o método das partilhas dobradas. </li></ul>Elaborado por Cássio
    3. 3. ORIGEM DA CONTABILIDADE <ul><li>- O sistema contábil anterior visava informar apenas o </li></ul><ul><li>proprietário; </li></ul><ul><li>- No Séc. XVI, os ativos e passivos do proprietário e do </li></ul><ul><li>negócio se confundiam; </li></ul><ul><li>- Não existia a idéia de período contábil nem a de conti- </li></ul><ul><li>nuidade; </li></ul><ul><li>- Inexistia um denominador comum monetário. </li></ul>Elaborado por Cássio
    4. 4. CONCEITOS <ul><li>“ É a ciência que estuda a formação e variação do Patrimônio”; </li></ul><ul><li>“ É a ciência que estuda, registra e controla o Patrimônio das Entidades com fins lucrativos ou não”; </li></ul><ul><li>“ Instrumento de informações para a tomada de decisões dentro e fora da empresa”. </li></ul><ul><li>Obs.: O Governo utiliza-se dela para arrecadar impostos </li></ul><ul><li>e torná-la obrigatória para a maioria das empresas. </li></ul>Elaborado por Cássio
    5. 5. CONCEITO <ul><li>A Contabilidade é a ciência que estuda, interpreta e registra os fenômenos que afetam o patrimônio de uma entidade fornecendo informações para tomada de decisões. </li></ul>Elaborado por Cássio
    6. 6. CONCEITOS <ul><li>A Contabilidade aplica-se a todos os ramos de atividades: </li></ul><ul><li>Indústria Contabilidade Industrial; </li></ul><ul><li>Comércio Contabilidade Comercial; </li></ul><ul><li>Governo Contabilidade Pública; </li></ul><ul><li>Bancos Contabilidade Bancária; </li></ul><ul><li>Terceiro setor Contabilidade do terceiro Setor. </li></ul>Elaborado por Cássio
    7. 7. OBJETIVO <ul><li>O objeto da Contabilidade é o Patrimônio </li></ul><ul><li>- O objetivo da contabilidade é o controle e estudo do patrimônio . </li></ul>Elaborado por Cássio
    8. 8. FINALIDADE <ul><li>A finalidade da contabilidade é fornecer informações a entidade. </li></ul>Elaborado por Cássio
    9. 9. USUÁRIOS DA CONTABILIDADE EMPRESA Investidores Fornecedores Bancos Governo Funcionários Concorrentes Clientes Elaborado por Cássio
    10. 10. TECNICAS CONÁBEIS <ul><li>Escrituração; </li></ul><ul><li>Demonstrações; </li></ul><ul><li>Auditoria; </li></ul><ul><li>Analise das demonstrações. </li></ul>Elaborado por Cássio
    11. 11. ESCRITURAÇÃO <ul><li>REGISTRO DOS FATOS </li></ul>Elaborado por Cássio
    12. 12. DEMONSTRAÇÕES <ul><li>RELATORIOS EXTRAIDOS COM BASE NOS FATOS REGISTRADOS. </li></ul>Elaborado por Cássio
    13. 13. AUDITORIA <ul><li>EXAME DETALHADO DOS REGISTROS EM CONFRONTO COM OS DOCUMENTOS QUE OS ORIGINARAM. </li></ul>Elaborado por Cássio
    14. 14. ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES <ul><li>INTERPRETAÇÃO DOS DADOS CONTIDOS NAS DEMONSTRAÇÕES. </li></ul>Elaborado por Cássio
    15. 15. OUTROS CONCEITOS A Contabilidade pode ser feita para P essoa Física ou Pessoa Jurídica . Considera-se pessoa , juridicamente falando, todo ser capaz de direitos e obrigações. Elaborado por Cássio
    16. 16. OUTROS CONCEITOS PESSOA FÍSICA é a pessoa natural, é todo ser humano, é todo indivíduo (sem qualquer exceção). PESSOA JURÍDICA é a união de indivíduos que, através de um contrato reconhecido por lei, formam uma nova pessoa, com personalidade distinta da de seus membros. As pessoas jurídicas podem ter fins lucrativos (empresas industriais, comerciais etc.) ou não (cooperativas, associações culturais, religiosas etc.). Normalmente, as pessoas jurídicas denominam-se empresas. Elaborado por Cássio
    17. 17. EMPRESA <ul><li>TODO EMPREENDIMENTO QUE VISE LUCRO, ORGANIZADO ECONOMICAMENTE PARA A PRODUÇÃO OU CIRCULAÇÃO DE BENS OU SERVIÇOS. </li></ul>Elaborado por Cássio
    18. 18. TIPOS DE EMPRESAS <ul><li>EMPRESA INDIVIDUAL; </li></ul><ul><li>SOCIEDADES; </li></ul><ul><li>TERCEIRO SETOR. </li></ul>Elaborado por Cássio
    19. 19. EMPRESA INDIVIDUAL OU EMPRESÁRIO <ul><li>Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para produção ou circulação de bens ou de serviços. (art.966 – CC 2002). O empresário é a pessoa física, individualmente considerada. </li></ul><ul><li>Observação: O empresário deverá formalizar sua inscrição na junta comercial. </li></ul>Elaborado por Cássio
    20. 20. SOCIEDADES <ul><li>Quando mais de uma pessoa, com os mesmos propósitos e objetivos econômicos, se reúne para a realização de negócios em conjunto e a partilham os resultados entre si. </li></ul><ul><li>Deverão celebrar entre si contrato de responsabilidade e registrá-lo na Junta Comercial </li></ul>Elaborado por Cássio
    21. 21. TIPOS DE SOCIEDADES <ul><li>Quanto à responsabilidade dos sócios: </li></ul><ul><li>Ilimitadas; </li></ul><ul><li>Limitadas; </li></ul><ul><li>Mistas. </li></ul><ul><li>Quanto à alienação da participação societária </li></ul><ul><li>Sociedade de Pessoas; </li></ul><ul><li>Sociedade de Capital; </li></ul>Elaborado por Cássio
    22. 22. TERCEIRO SETOR <ul><li>São as organizações destinadas a fins de interesse coletivo, como as associações e fundações, podendo ser públicas ou privadas. </li></ul>Elaborado por Cássio
    23. 23. CONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORES PRINCÍPIOS CONTABEIS Elaborado por Cássio
    24. 24. PRICIPIOS CONTABEIS <ul><li>ENTIDADE </li></ul><ul><li>CONTINUIDADE </li></ul><ul><li>CUSTO HISTÓRIOCO COMO BASE DE VALOR </li></ul><ul><li>COMPETÊNCIA </li></ul><ul><li>OPORTUNIDADE </li></ul><ul><li>PRUDÊNCIA </li></ul>Elaborado por Cássio
    25. 25. ENTIDADE <ul><li>O patrimônio é o objeto da Contabilidade. O patrimônio pertence à Entidade. O patrimônio de seus proprietários não se confunde com o da Entidade e vice-versa </li></ul>Elaborado por Cássio
    26. 26. CONTINUIDADE <ul><li>A Entidade é um organismo vivo que irá operar por um período de tempo indeterminado, a não ser que fortes indícios mostrem o contrário. Não obstante, a continuidade ou não da entidade deve ser considerada quando das classificações e avaliações das mutações patrimoniais; </li></ul>Elaborado por Cássio
    27. 27. REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL <ul><li>Os componentes do patrimônio devem ser registrados pelos valores originais das transações com o mundo exterior, expressos a valor presente da moeda do País. </li></ul>Elaborado por Cássio
    28. 28. COMPETÊNCIA <ul><li>As receitas e despesas devem ser incluídas na apuração do resultado do período em que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, independentemente de recebimento ou pagamento. A receita é considerada quando do momento da venda ou da prestação de serviço, independentemente da realização efetiva em caixa. A despesa é considerada efetivada quando do reconhecimento de uma obrigação a pagar relativa ao exercício, independentemente da efetiva saída </li></ul><ul><li>de caixa ; </li></ul>Elaborado por Cássio
    29. 29. OPORTUNIDADE <ul><li>Refere-se, simultaneamente, à legalidade e à exatidão do registro do patrimônio e das suas mutações, determinando que este seja feito de imediato e com a extensão correta, independentemente das causas que as originaram. Deve ser integro e verdadeiro. </li></ul>Elaborado por Cássio
    30. 30. PRUDÊNCIA <ul><li>O princípio da prudência determina a adoção do menor valor para os componentes do Ativo e do maior valor para os componentes do Passivo, sempre que se apresentem alternativas igualmente válidas para a quantificação das mutações patrimoniais que alterem o patrimônio líquido. </li></ul>Elaborado por Cássio
    31. 31. CONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORES PATRIMONIO – OUTRAS DEFINIÇÕES Elaborado por Cássio
    32. 32. PATRIMONIO <ul><li>CONCEITO; </li></ul><ul><li>BENS; </li></ul><ul><li>DIREITOS; </li></ul><ul><li>OBRIGAÇÕES; </li></ul><ul><li>PATRIMÔNIO LIQUIDO. </li></ul>Elaborado por Cássio
    33. 33. CONCEITO <ul><li>PATRIMONIO É SINONIMO DE RIQUEZA, OU SEJA, TUDO O QUE PERTENSE A EMPRESA. </li></ul><ul><li>É O CONJUNTO DE BENS, DIREITOS E OBRIGAÇÕES </li></ul>Elaborado por Cássio
    34. 34. BENS <ul><li>São as coisas úteis, capazes de satisfazer às necessidades </li></ul><ul><li>das pessoas e das empresas. </li></ul><ul><li>Bens Tangíveis = Têm forma física, são palpáveis. </li></ul><ul><li>Ex.: Veículos, imóveis, estoques de mercadorias, dinheiro, móveis e utensílios, ferramentas, etc.) </li></ul><ul><li>Bens Intangíveis = Não são palpáveis, não constituídos </li></ul><ul><li>de matéria. Ex.: Marcas (Arisco, Coca-cola), patentes de invenção (direito exclusivo de explorar uma invenção). </li></ul>Elaborado por Cássio
    35. 35. BENS <ul><li>Bens Imóveis = Vinculados ao solo. Não podem ser retirados sem destruição ou dano: edifício, árvores,etc. </li></ul><ul><li>Bens móveis = Podem ser removidos por si próprios ou por outras pessoas: animais (semoventes), máquinas, equipamentos, estoques de mercadorias. </li></ul>Elaborado por Cássio
    36. 36. DIREITOS <ul><li>Poder de exigir alguma coisa. </li></ul><ul><li>Ex.: </li></ul><ul><ul><li>Bancos conta Movimento (depósito) </li></ul></ul><ul><ul><li>Duplicatas a Receber (vendas à prazo) </li></ul></ul><ul><ul><li>Títulos a Receber (notas promissórias) </li></ul></ul><ul><ul><li>Aluguéis a Receber </li></ul></ul>Elaborado por Cássio
    37. 37. OBRIGAÇÕES <ul><li>Dividas com outras pessoas; </li></ul><ul><li>Ex.: </li></ul><ul><ul><li>Empréstimos a pagar ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Contas a pagar ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Impostos a pagar ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Salários a pagar ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Duplicatas a pagar (compras a prazo) ou fornecedores . </li></ul></ul>Elaborado por Cássio
    38. 38. Elaborado por Cássio BENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS Bens Dinheiro Mercadoria em Estoques Veículos Imóveis Máquinas Ferramentas Móveis e Utensílios Marcas e Patentes Direitos Depósitos em Bancos Duplicatas a Receber Títulos a Receber Aluguéis a Receber Ações Obrigações Empréstimos a Pagar Salários a Pagar Fornecedores (Duplicatas a pagar) Financiamentos Impostos a Pagar Encargos Sociais a Pagar Aluguéis a Pagar Títulos a Pagar Promissórias a Pagar Contas a Pagar Representação gráfica do patrimônio
    39. 39. PATRIMONIO LIQUIDO <ul><li>É a soma dos bens + direitos – obrigações. </li></ul>Bens + Direitos – Obrigações Exigíveis = Patrimônio Líquido Elaborado por Cássio BENS + DIREITOS OBRIGAÇÕES EXIGÍVEIS Obrigações Bens Direitos 1.830 2.800 4.500
    40. 40. PATRIMÔNIO LIQUIDO <ul><li>Para se conhecer a riqueza líquida da empresa (ou pessoa): </li></ul><ul><li>somam-se os bens e os direitos e, desse total, subtraem-se </li></ul><ul><li>as obrigações; os resultado é a riqueza líquida, ou seja, a </li></ul><ul><li>parte que sobra do patrimônio para a pessoa ou empresa. </li></ul><ul><li>Ela é denominada patrimônio líquido ou situação líquida. </li></ul>Elaborado por Cássio
    41. 41. CICLO CONTÁBIL <ul><li>CONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORES </li></ul>Elaborado por Cássio
    42. 42. CICLO CONTÁBIL <ul><li>PARTIDAS DOBRADAS </li></ul><ul><li>Origem x Aplicação: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Aplicação de recursos (destino dos recursos) = Débito </li></ul><ul><li>Origem de recursos (de onde veio o recurso) = Crédito </li></ul>Elaborado por Cássio
    43. 43. CICLO CONTÁBIL <ul><li>Grupo de contas Natureza Débito Crédito </li></ul><ul><li>Ativo Devedora aumenta diminui </li></ul><ul><li>Passivo e PL Credora diminui aumenta </li></ul><ul><li>Despesa e custo Devedora aumenta diminui </li></ul><ul><li>Receita Credora diminui aumenta </li></ul>Elaborado por Cássio
    44. 44. CICLO CONTÁBIL <ul><li>1. Classificação e análise dos documentos ou comprovantes de fatos contábeis; </li></ul><ul><li>2. Lançamentos no livro diário; </li></ul><ul><li>3. Transcrição para o razão por contas; </li></ul><ul><li>4. Balancete de verificação, para constar igualdade entre valores debitados e creditados; </li></ul><ul><li>5. Encerramento das contas de receitas e despesas, cujos saldos sã transferidos para conta resultado do exercício, para apuração do resultado do período. </li></ul>Elaborado por Cássio
    45. 45. CONTABILIDADE PARA NÃO CONTADORES DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Elaborado por Cássio
    46. 46. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS <ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>Principais Demonstrações Contábeis </li></ul>Elaborado por Cássio
    47. 47. PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES <ul><li>Balanço Patrimonial (BP) </li></ul><ul><li>Demonstração de Resultado do Exercício (DRE) </li></ul><ul><li>Outras demonstrações: DOAR, DFC, DMPL, DLPA. </li></ul>Elaborado por Cássio
    48. 48. DADOS DAS DEMONSTRAÇÕES <ul><li>Denominação da Empresa </li></ul><ul><li>Título da demonstração (BP, DRE,....) </li></ul><ul><li>Data do exercício social </li></ul><ul><li>Valores do exercício de referência e anterior </li></ul><ul><li>Moeda e representação (Mil, Milhões...) </li></ul>Elaborado por Cássio
    49. 49. BALANÇO PATRIMONIAL <ul><li>Identificação ; </li></ul><ul><li>Ativo ; </li></ul><ul><li>Passivo ; </li></ul><ul><li>Patrimônio Líquido ; </li></ul><ul><li>O Termo “CAPITAL” em Contabilidade ; </li></ul><ul><li>Origens X Aplicações ; </li></ul><ul><li>Principal Origem de Recursos ; </li></ul><ul><li>A expressão “Balanço Patrimonial” . </li></ul>Elaborado por Cássio
    50. 50. BALANÇO PATRIMONIAL <ul><li>O mais importante relatório contábil. </li></ul><ul><li>Identifica-se com ele, a saúde financeira e econômica (no fim do ano ou qualquer data prefixada). </li></ul>Elaborado por Cássio Balanço Patrimonial Ativo Passivo e Patrimônio Líquido
    51. 51. BALANÇO PATRIMONIAL Elaborado por Cássio Ativo Passivo e PL <ul><li>Bens </li></ul><ul><li>Máquinas </li></ul><ul><li>Veículos </li></ul><ul><li>Estoque </li></ul><ul><li>Dinheiro </li></ul><ul><li>Direitos </li></ul><ul><li>Títulos a receber </li></ul><ul><li>Depósitos em Bancos </li></ul><ul><li>Obrigações </li></ul><ul><li>Fornecedores </li></ul><ul><li>Salários a Pagar </li></ul><ul><li>Empréstimos Bancários </li></ul><ul><li>Impostos a Pagar </li></ul><ul><li>Patrimônio Líquido </li></ul><ul><li>Capital </li></ul><ul><ul><li>Subscrito </li></ul></ul><ul><ul><li>Integralizado </li></ul></ul>Balanço Patrimonial
    52. 52. ATIVO <ul><li>Conjunto de bens e direitos de propriedade da empresa. São itens positivos do patrimônio.Proporcionam ganho para a empresa. </li></ul><ul><ul><li>Contas a Receber </li></ul></ul><ul><ul><li>Estoque de Produtos Acabados </li></ul></ul><ul><ul><li>Máquinas e Equipamentos </li></ul></ul><ul><ul><li>Prédios próprios </li></ul></ul><ul><ul><li>Prédios alugados </li></ul></ul><ul><ul><li>Arrendamento de veículos, equipamentos etc. </li></ul></ul>Elaborado por Cássio
    53. 53. PASSIVO <ul><li>Conjunto de obrigações exigíveis da empresa. Dívidas que serão reclamadas a partir da data do seu vencimento. </li></ul><ul><ul><li>Recursos de Terceiros (dinheiro) ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Capital de Terceiros ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Fornecedores (mercadorias) ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Funcionários (salários) ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Governo (impostos) ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Bancos (empréstimos) etc. </li></ul></ul>Elaborado por Cássio
    54. 54. PATRIMONIO LIQUIDO <ul><li>Total de aplicações dos proprietários na empresa. Os proprietários (sócios, acionistas) fornecem meios para o início do negócio. A quantia inicial  Capital Social. </li></ul><ul><ul><li>Recurso próprio ou Capital próprio </li></ul></ul>Elaborado por Cássio
    55. 55. BALANÇO PATRIMONIAL Aplicações Origens Elaborado por Cássio Ativo Passivo e PL <ul><li>Bens </li></ul><ul><li>Máquinas </li></ul><ul><li>Veículos </li></ul><ul><li>Estoque </li></ul><ul><li>Dinheiro </li></ul><ul><li>Direitos </li></ul><ul><li>Títulos a receber </li></ul><ul><li>Depósitos em Bancos </li></ul><ul><li>Obrigações </li></ul><ul><li>Fornecedores </li></ul><ul><li>Salários a Pagar </li></ul><ul><li>Empréstimos Bancários </li></ul><ul><li>Impostos a Pagar </li></ul><ul><li>Patrimônio Líquido </li></ul><ul><li>Capital </li></ul><ul><ul><li>Subscrito </li></ul></ul><ul><ul><li>Integralizado </li></ul></ul>Balanço Patrimonial
    56. 56. BALANÇO PATRIMONIAL Caixa Estoque Máquinas Imóveis etc. Proprietários (PL) Fornecedores Governo Bancos Financeiras etc. ORIGENS X APLICAÇÕES Elaborado por Cássio Balanço Patrimonial Ativo P e PL (origens) Aplicações De terceiros e próprio $$$$$$$$
    57. 57. BALANÇO PATRIMONIAL Elaborado por Cássio ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Permanente Ñ Circulante. L.P. Patrim. Líquido Ñ Circulante. L.P. Disponível (Caixa e Bancos) 600 Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700 Estoques 700 Total 3.000 Fornecedores 600 Empréstimos a pagar 1200 Contas a Pagar 800 Total 2.600 Títulos a Receber 1.000 Total 1.000 Investimentos 600 Imobilizado 1.000 Diferido 400 Total 2.000 Empréstimos a Pagar 1.000 Total 1.000 Capital Social 2.000 Reservas 100 Lucro do Exercício 300 Total 2.400 TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.000
    58. 58. BALANÇO PATRIMONIAL Aplicações: . Giro $ 4.000 . Permanente $ 2.000 Fontes: . Terceiros $ 3.600 . Próprias $ 2.400 Elaborado por Cássio ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Permanente Ñ Circulante. L.P. Patrim. Líquido Ñ Circulante. L.P. Disponível (Caixa e Bancos) 600 Duplicatas a Receber (Clientes) 1.700 Estoques 700 Total 3.000 Fornecedores 600 Empréstimos a pagar 1200 Contas a Pagar 800 Total 2.600 Títulos a Receber 1.000 Total 1.000 Investimentos 600 Imobilizado 1.000 Diferido 400 Total 2.000 Empréstimos a Pagar 1.000 Total 1.000 Capital Social 2.000 Reservas 100 Lucro do Exercício 300 Total 2.400 TOTAL DO ATIVO 6.000 TOTAL DO PASSIVO 6.000
    59. 59. BALANÇO PATRIMONIAL Equilíbrio: ATIVO = PASSIVO + PL ORIGENS = APLICAÇÕES Elaborado por Cássio Ativo Passivo e PL
    60. 60. BALANÇO PATRIMONIAL Elaborado por Cássio ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Permanente Ñ Circulante Patrim. Líquido Ñ Circulante Valores disponíveis e conversíveis dentro do período Recursos dos Proprietários ou Sócios da Empresa Exigível NÃO obrigatório Obrigações com terceiros que se vencem além do período. Exigível obrigatório Obrigações com terceiros que vencem no período. Exigível obrigatório Valores conversíveis além do período Investimentos de caracter permanente ou que beneficiam exercícios futuros
    61. 61. ATIVO CIRCULANTE <ul><li>Grupo que gera dinheiro para a empresa pagar suas contas a curto prazo. </li></ul>Elaborado por Cássio
    62. 62. ATIVO Ñ CIRCULANTE <ul><li>Compreende itens que serão realizados em dinheiro a longo prazo (período superior a um ano), ou de acordo com o ciclo operacional da atividade predominante.Os empréstimos que a empresa faz a diretores e a coligadas também são classificados neste grupo. </li></ul>Elaborado por Cássio
    63. 63. ATIVO PERMANENTE <ul><li>Itens que dificilmente se transformarão em dinheiro </li></ul><ul><ul><li>Investimentos: não ligados à atividade-fim da empresa. Ex: Ações Outras Cias., Terrenos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Imobilizado: totalmente correlacionado com a atividade-fim. Ex: Prédios, Veículos, Máquinas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Diferido: Gastos pré-operacionais. Ex. Abertura da Firma, reestruturação da empresa etc. </li></ul></ul>Elaborado por Cássio
    64. 64. PASSIVO CIRCULANTE <ul><li>Obrigações com terceiros a serem pagas no Curto Prazo </li></ul>Elaborado por Cássio
    65. 65. PASSIVO Ñ CIRCULANTE <ul><li>Obrigações com terceiros a serem pagas no Longo Prazo </li></ul>Elaborado por Cássio
    66. 66. PATRIMONIO LIQUIDO <ul><li>Total de recursos investido pelos proprietários. Normalmente compostos de capital e lucros retidos (parte do lucro não distribuído aos donos mas reinvestido na empresa). </li></ul>Elaborado por Cássio
    67. 67. CONTAS DE RESULTADO RECEITAS E DESPESAS Elaborado por Cássio
    68. 68. APURAÇÃO DO RESULTADO <ul><li>Características : </li></ul><ul><li>Apuração realizada à cada exercício social </li></ul><ul><li>Resumo ordenado das Receitas e Despesas do período. </li></ul><ul><li>Confronto entre Receitas e Despesas </li></ul><ul><ul><li>Receitas > Despesas  Lucro </li></ul></ul><ul><ul><li>Receitas < Despesas  Prejuízo </li></ul></ul>A apuração é realizada de forma destacada na DRE. APURAÇÃO DO RESULTADO Elaborado por Cássio
    69. 69. RECEITAS E DESPESAS Conceito <ul><li>Receitas : </li></ul><ul><li>Vendas de Produtos, Mercadorias ou Serviços </li></ul><ul><ul><li>A vista  entrada de dinheiro em Caixa </li></ul></ul><ul><ul><li>A prazo  entrada de direitos a receber </li></ul></ul><ul><li>Aumentam o Ativo </li></ul><ul><li>Nem todo aumento de Ativo significa Receita </li></ul><ul><ul><li>Empréstimos </li></ul></ul><ul><ul><li>Financiamentos </li></ul></ul><ul><ul><li>Compras a prazo.... </li></ul></ul>Elaborado por Cássio
    70. 70. RECEITAS E DESPESAS Conceito <ul><li>Despesas : </li></ul><ul><li>Todo sacrifício, esforço para obter Receita </li></ul><ul><ul><li>Matéria Prima; Mão de Obra; </li></ul></ul><ul><ul><li>Consumo de bens (Depreciação); </li></ul></ul><ul><ul><li>Serviços </li></ul></ul><ul><li>Podem ocorrer à vista ou a prazo </li></ul><ul><ul><li>A vista  saída de dinheiro do Caixa </li></ul></ul><ul><ul><li>A prazo  aumento das Obrigações </li></ul></ul>Elaborado por Cássio
    71. 71. RECEITAS E DESPESAS Elaborado por Cássio OPERAÇÕES À VISTA A PRAZO Despesa  (-) Caixa (desembolso) Ativo + Contas a Pagar Passivo D.R.E. BALANÇO PATRIMONIAL Receita  + Caixa (Encaixe) Ativo + Dupl. A Receber Ativo
    72. 72. REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO <ul><li>COMPETÊNCIA </li></ul><ul><li>CAIXA </li></ul>Elaborado por Cássio
    73. 73. REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO COMPETÊNCIA <ul><li>Regime universalmente adotado </li></ul><ul><li>Critério aceito e recomendado pelo Imposto de Renda </li></ul><ul><li>Receitas </li></ul><ul><ul><li>Contabilizada no período em foi gerada (à vista ou a prazo) </li></ul></ul><ul><li>Despesas </li></ul><ul><ul><li>Contabilizada no período em que foi consumida, </li></ul></ul><ul><ul><li>independente do pagamento ter sido, ou não, realizado </li></ul></ul>Elaborado por Cássio
    74. 74. REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO COMPETÊNCIA D.R.E  Lucro apurado observando-se as incorrências do período Toda despesa gerada no período ( mesmo que ainda não tenha sido paga ) será subtraída do total da receita, tam- bém gerada no mesmo período ( mesmo que ainda não tenha sido recebida ). Elaborado por Cássio
    75. 75. REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO COMPETÊNCIA D.R.E  Lucro apurado observando-se as incorrências do período Elaborado por Cássio Regime de competência: Toda a receita ganha em 20X1 Toda a despesa incorrida em 20X1 Apuração do resultado em 20X1
    76. 76. REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO CAIXA <ul><li>Aplicação restrita (entidades sem fins lucrativos) </li></ul><ul><li>Receitas </li></ul><ul><ul><li>Contabilizada no momento do recebimento do dinheiro; </li></ul></ul><ul><li>Despesas </li></ul><ul><ul><li>Contabilizada no momento do pagamento; </li></ul></ul><ul><li>D.R.E  Lucro apurado = Receitas Recebidas X Despesas Pagas </li></ul>Elaborado por Cássio
    77. 77. A Cia. Mineira vendeu em X1 $ 20.000 e só recebeu $ 12.000 (o restante receberá no futuro); teve como despesa incorrida $ 16.000 e pagou até o último dia do ano $ 10.000. Elaborado por Cássio REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO Exemplo de Regime de Caixa e Competência (Comparativo)
    78. 78. REGIMES DE APURAÇÃO DO RESULTADO Exemplo de Regime de Caixa e Competência Elaborado por Cássio D.R.E. CAIXA COMPETÊNCIA Despesas (10.000) (16.000) Resultado Receitas 12.000 20.000 2.000 4.000
    79. 79. DEMONSTRAÇÃO DEDUTIVA Receitas (-) Despesas ------------------- Lucro ou Prejuízo Sentido Vertical (dedutivo) Elaborado por Cássio
    80. 80. Micros e Pequenas Médias e Grandes DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DE EXERCICIO EMPRESAS Elaborado por Cássio DRE (simples) Receitas (-) Despesas . Lucro ou Prejuízo V E R T I C A L DRE (completa) Receitas (-) Deduções (-) Custos (-) Despesas (-) ................. .......................... Lucro ou Prejuízo V E R T I C A L
    81. 81. DRE Receitas Bruta (-) Deduções da Receita = Receita Líquida (-) Custos das Vendas = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais = Lucro Operacional (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda Elaborado por Cássio
    82. 82. DRE Receitas Bruta (-) Deduções da Receita = Receita Líquida (-) Custos das Vendas = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais = Lucro Operacional (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda A Receita Bruta representa a somatória dos valores das Notas Fiscais emitidas Elaborado por Cássio
    83. 83. Receitas Bruta (-) Deduções da Receita = Receita Líquida (-) Custos das Vendas = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais = Lucro Operacional (-) Despesas não Operacionais + Receitas não Operacionais = Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) (-) Provisão para Imposto de Renda = Lucro Depois do Imposto de Renda Impostos e Taxas s/ Vendas . IPI . ICMS . ISS . PIS . COFINS Devoluções (vendas canceladas) Abatimentos (descontos) O fato gerador é a Receita DRE Elaborado por Cássio
    84. 84. DRE Admita-se que a Cia. Balanceada, indústria, tenha emitido uma nota fiscal de venda cujo preço do produto seja de $ 10.000 mais 30% de IPI. O ICMS está incluso no preço do produto: Elaborado por Cássio Nota Fiscal___ ______ Cia. Balanceada ____________ ______ R....................... ____________ _____ S/P - São Paulo Preço do Produto 10.000 + IPI (30%) 3.000 Preço Total 13.000 ICMS incluso no Preço 18% x $ 10.000 = $ 1.800 ____________ _____________ DRE - Cia. Balanceada Receita Bruta $ 13.000 (-) Deduções IPI  $ (3.000) ICMS  $ (1.800) Receita Líquida $ 8.200

    ×