Your SlideShare is downloading. ×
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Trablho pnaic inclusão

172

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
172
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa Profª Alfabetizadora: Carolline de Lima Silva A ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA NA REDE REGULAR DE ENSINO INTRODUÇÃO Este trabalho é resultante da formação do PNAIC/ Viamão e contempla a carga horária à distância e tem por objetivo promover uma reflexão crítica acerca de alfabetização de crianças NEE no ensino regular nas escolas públicas bem como seus desafios e possibilidades. EDUCAÇÃO INCLUSIVA E SEU PROCESSO HISTÓRICO A exclusão social e escolar sofrida por alunos portadores de necessidades especiais era imensa há algum tempo atrás. As crianças eram escondidas pelas famílias e ficavam em suas casas pois as práticas excludentes que alimentavam a segregação da sociedade eram visíveis socialmente. Os alunos eram injustiçados socialmente em nome de suas diferenças. Após vários debates e conferências, a educação hoje em dia, já busca ser inclusiva em seu papel socializador e pedagógico, apara atender a demanda de alunos que é cada vez maior, buscando estabelecer relações pessoais e sociais e refletindo de uma forma solidária para que todos percebam a escola também como um lugar onde todos são dignos e iguais em sua vida social.
  • 2. Dentro de uma perspectiva histórica, já há um olhar direcionado para a educação inclusiva desde a década de 60, com conferências e debates sobre o assunto. Em meio a esses eventos, aconteceu a Conferência Mundial de Educação para Todos: Satisfação das Necessidades Básicas de Aprendizagem, em Jomtien/Tailândia (1990). Esse evento teve como organizadores o Banco Mundial, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), o Fundo das Nações Unidas (UNICEF) e o Programa das Nações Unidas (PNUD) e contou com a participação de 155 países, resultando numa declaração, documento denominado Educação para Todos. Essa declaração comumente é considerada como um documento de caráter “humanístico” ou “progressista”, uma vez que propõe a universalização da Educação Básica como um “direito”, cuja satisfação requereria novas formas de acesso (presencial ou a distância), flexibilização curricular, entre outras medidas. A preocupação com a temática educação inclusiva iniciou realmente seu processo com a Declaração de Salamanca, que é uma resolução das Nações Unidas que trata dos princípios, política e prática em educação especial. Adotada em Assembléia Geral, os delegados da Conferência Mundial de Educação Especial, representando 88 governos e 25 organizações internacionais em assembleia na cidade de Salamanca, Espanha, entre 7 e 10 de junho de 1994. Apresenta os Procedimentos-Padrões das Nações Unidas para a Equalização de Oportunidades para Pessoas Portadoras de Deficiências. É considerada mundialmente um dos mais importantes documentos que visam a inclusão social, juntamente com a Convenção sobre os Direitos da Criança (1988) e da Declaração Mundial para Todos.
  • 3. Estas políticas educacionais pretendem acabar com o pensamento de que todos são iguais e trazer uma perspectiva de para o ensino da diversidade. A ESCOLA E O PAPEL DO PROFESSOR EM UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA As escolas hoje, não estão totalmente preparadas para incluir devidamente seus alunos em classes regulares, pois não adianta simplesmente para cumprir a lei, depositar os alunos em alguma turma sem ter a estrutura necessária de adaptação. Para cumprir realmente seu papel além de estrutura física preparada para receber os alunos, os professores também devem ser subsidiados para atender melhor o aluno NEE. Alguns fatores como grande número de alunos, ausência de formação especializada, falta de tempo para planejamento são essenciais para que o professor não se desmotive diante das dificuldades e atenda aquele aluno da melhor maneira possível. As necessidades educacionais especiais apontam também com o envolvimento da sociedade – cidadãos, famílias, representantes governamentais neste processo de mudança envolvendo também os gestores escolares no âmbito de mudança do seu projeto-político- pedagógico (PPP). Vigotsky (1997) aponta que o fato social é condição básica para as aprendizagens individuais como para o acesso das pessoas com necessidades especiais e seu desenvolvimento psicossocial. A importância da criança com NEE conviver com outras é um fato que devemos atentar-
  • 4. nos. Em situações diferenciadas de desenvolvimento e na aprendizagem, Vigotsky é claramente contrário à constituição homogênea dos grupos de crianças nas escolas, pois a convivência com diversos níveis de desenvolvimento, serve como elemento compensador para os alunos NEE A inclusão é um desafio, que ao ser devidamente enfrentado pela escola comum, provoca a melhoria da qualidade da Educação Básica, pois para que os alunos com e sem deficiência possam exercer o direito à educação em sua plenitude, é indispensável que essa escola aprimore suas práticas, afim de atender às diferenças. Esse aprimoramento é necessário, sob pena de os alunos passarem pela experiência educacional sem tirar dela o proveito desejável, tendo comprometido um tempo que é valioso e irreversível em suas vidas: o momento do desenvolvimento. A transformação da escola não é, portanto, uma mera exigência da inclusão escolar de pessoas com deficiência e/ou dificuldades de aprendizado. Assim sendo, ela deve ser encarada como um compromisso inadiável das escolas, que terá a inclusão como consequência. A maioria das escolas está longe de se tornar inclusiva. O que existe em geral são escolas que desenvolvem projetos de inclusão parcial, os quais não estão associados a mudanças de base nestas instituições e continuam a atender aos alunos com deficiência em espaços escolares semi ou totalmente segregados (classes especiais, escolas especiais). As escolas que não estão atendendo alunos com deficiência em suas turmas de ensino regular se justificam, na maioria das vezes, pelo despreparo dos seus professores para esse fim.
  • 5. Enfim, também as que não acreditam nos benefícios que esses alunos poderão tirar da nova situação, especialmente os casos mais graves, pois não teriam condições de acompanhar os avanços dos demais colegas e seriam ainda mais marginalizados e discriminados do que nas classes e escolas especiais. Em ambas as circunstâncias fica evidenciada a necessidade de se redefinir e de se colocar em ação novas alternativas e práticas pedagógicas, que favoreçam a todos os alunos, o que implica na atualização e desenvolvimento de conceitos e em metodologias educacionais compatíveis com esse grande desafio. Mudar a escola é enfrentar uma tarefa que exige trabalho em muitas frentes. Destacaremos as transformações que consideramos primordiais, para que se possa transformar a escola na direção de um ensino de qualidade e, em consequência, inclusivo. Para ensinar a turma toda, deve-se propor atividades abertas e diversificadas, isto é, que possam ser abordadas por diferentes níveis de compreensão, de conhecimento e de desempenho dos alunos e em que não se destaquem os que sabem mais ou os que sabem menos. As atividades são exploradas, segundo as possibilidades e interesses dos alunos que livremente as desenvolvem. Debates, pesquisas, registros escritos, falados, observação, vivências são alguns processos pedagógicos indicados para a realização de atividades dessa natureza. Por meio destes e outros processos, os conteúdos das disciplinas vão sendo chamados, espontaneamente, a esclarecer os assuntos em estudo. Esses assuntos são centrais e constituem os fins a que se pretende alcançar em planejamentos escolares não- disciplinares.
  • 6. As disciplinas nos apoiam para elucidar os temas em estudo e são importantes nesse sentido. A avaliação do desenvolvimento dos alunos também muda para ser coerente com as demais inovações propostas. O processo ideal é o que acompanha o percurso de cada estudante, do ponto de vista da evolução de suas competências, habilidades e conhecimentos. A meta é mobilizar e aplicar conteúdos acadêmicos e outros meios que possam ser úteis para se chegar a realizar tarefas e alcançar os resultados pretendidos pelo aluno. Apreciam-se os seus progressos na organização dos estudos, no tratamento das informações e na participação na vida social. Desse modo, muda-se o caráter da avaliação que, usualmente, se pratica nas escolas e que tem fins meramente classificatórios. Temos interesse em levantar dados para compreensão do processo de aprendizagem e aperfeiçoamento da prática pedagógica. Para alcançar sua nova finalidade, a avaliação terá, necessariamente, de ser dinâmica, contínua, mapeando o processo de aprendizagem dos alunos em seus avanços, retrocessos, dificuldades e progressos. CONSIDERAÇÕES FINAIS O sucesso da aprendizagem, não importando se o aluno é NEE ou não, parte do princípio que todo o aluno pode aprender, mas no tempo que lhe são próprios. É necessário que o professor sempre motive o aluno e busque coisas novas para o seu aprendizado. O sucesso da aprendizagem está em explorar coisas novas, talentos, atualizar possibilidades, desenvolver predisposições naturais de cada aluno. As dificuldades, delimitações e deficiências precisam ser reconhecidas, mas não devem restringir o professor a ensinar aquele aluno e sempre tentar atingi-lo da melhor
  • 7. maneira. O professor deve deixar de ser apenas ensinante e passar a ser mediador de ensino. Nas palavras de Luckesi (2005), não é descabido buscar, experimentar e construir um novo caminho. Afinal somos parte da totalidade e, quando uma parte do todo se move, de alguma forma, o todo também se move; e, assim, iremos fazendo a revolução, que nada mais é do que o próprio caminho da história dos homens neste planeta e neste tempo, em busca de uma vida individual e coletiva mais satisfatória, mais alegre, feliz, mais bela.. REFERÊNCIAS Declaração de Salamanca : http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas V – Fundamentos de defectología. Madrid: Visor,1997. LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e recriando a prática. Salvador: Editora Malabares Comunicação e Eventos Ltda, 2005. Cartilha acesso deficientes físicos. http://www.slideshare.net/cartilha-acesso-deficientes

×