Your SlideShare is downloading. ×
0
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Monitoria de anatomia e fisiologia respiratória

3,187

Published on

Monitoria de fisioterapia respiratória Estácio FIC por Caroline Duarte Gonçalves Silva

Monitoria de fisioterapia respiratória Estácio FIC por Caroline Duarte Gonçalves Silva

Published in: Education
0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,187
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
160
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Anatomia e Fisiologia Respiratória  Monitora de Fisioterapia Respiratória Caroline Duarte Gonçalves Silva Estácio FIC 2013.2
  • 2. 
  • 3. Tórax O arcabouço torácico tem sua forma diretamente relacionada às estruturas ósseas, com o objetivo de proteger os órgãos vitais localizados no seu interior. Os principais órgãos situados no interior do tórax são o coração e os pulmões.
  • 4. Paredes e Cavidades Torácicas 
  • 5. Movimentos das Costelas 
  • 6. Movimentos das Costelas 
  • 7. Músculos da Respiração 
  • 8. Diafragma 
  • 9. Diafragma  Principal músculo da inspiração. O nervo frênico é o responsável por sua inervação e tem suas raízes de origem em C3, C4 E C5. 55% fibra tipo 1 e 45% fibra tipo 2, o que resulta mais capacidade de resistência à fadiga, sendo as fibras do tipo 1 (contração lenta, alta capacidade oxidativa e baixa capacidade glicolítica).
  • 10. Biomecânica Pulmonar 
  • 11. Vias Aéreas  Vias Aéreas Superiores Vias Aéreas Inferiores
  • 12. Vias Aéreas  Vias Aéreas Superiores  Têm como principal objetivo a adequação do ar (aquecimento, umidificação e filtração), além de funções como fonação, abertura e fechamento de vias aéreas e digestivas.  O nariz ainda possui função olfatória. Vias Aéreas Inferiores  Conduz o ar até os alvéolos para que ocorra a HEMATOSE.  As paredes da traqueia e das VA de grande calibre são constituídas por epitélio pseudoestradificado ciliado com presença de células caliciformes.  A traqueia e os brônquios são revestidos por musculatura lisa.
  • 13. Árvore Brônquica 
  • 14. Traqueia   A carina é o último anel cartilaginoso da traqueia e , neste ponto, ela divide-se em duas partes: brônquios fonte direito e esquerdo.  Anatomicamente, o brônquio fonte direito é, geralmente, mais , verticalizado que o esquerdo.
  • 15. Pulmões   Os pulmões são órgãos elásticos, isto é, podem entrar em colapso caso não haja uma força externa aplicada. Os responsáveis diretamente por esta força são os músculos da respiração e a pressão intrapleural.  Pulmão direito: 3 lobos. Pulmão esquerdo: 2 lobos e língula.
  • 16. Ausculta Pulmonar
  • 17. Interstício Pulmonar   Aurélio: Anat. E Histol. Pequeno intervalo, espaço ou fenda em um tecido ou estrutura.  É o tecido de sustentação pulmonar que é constituído basicamente por tecido conjuntivo, dividem-se em quatro partes: (1) compartimento axial, (2) espaços interlobares,(3)espaços sublobares e (4) paredes alveolares.
  • 18. Pleura  O principal objetivo da pleura é manter uma pressão subatmosférica entre seus folhetos que, por suas vez, impede o colapso pulmonar ao final da expiração forçada.
  • 19. Espaço Pleural 
  • 20.  Pneumócitos tipo 1 Células que não se dividem e formam uma superfície que recobre os alvéolos, permitindo uma difusão gasosa rápida.  Pneumócitos tipo 2 A principal função é a secreção de surfactante além de mecanismos de defesa, resposta inflamatória e reparação alveolar. Alvéolos  Obs: A membrana alvéolo capilar é formada por: membrana basal, células endoteliais e pneumócitos tipo1.
  • 21. As Comunicações Intra-Acinares  Os alvéolos comunicam-se uns com os outros através dos Poros de Kohn, que nada mais são do que pequenos buracos nas paredes entre dois alvéolos contíguos; geralmente, uma célula cúbica, conhecida como Pneumócito II ou célula alveolar secundária, faz parte da abertura de um poro de Kohn. Os Canais de Lambert, de diâmetro em torno de 50 mm, permitem a comunicação entre ductos alveolares e entre alvéolos e ductos alveolares. Essas comunicações (poros de Kohn, canais de Lambert) permitem ventilação colateral entre posições adjacentes de tecido pulmonar, exceto aonde estão separados por um septo. Os Canais de Martin comunicação entre bronquíolos. Canais de Martin Canais de Lambert Poros de Kohn
  • 22. Tensão Superficial e Surfactante 
  • 23. Fisiologia Respiratória ParteII
  • 24.  (1)ventilação pulmonar, que se refere a entrada e saída de ar entre a atmosfera e os alvéolos pulmonares,  (2) difusão de oxigênio e de dióxido de carbono entre os alvéolos e o sangue,  (3) transporte de oxigênio e de dióxido de carbono no sangue e nos líquidos corporais, para e das células, e  (4)regulação da ventilação e de outros aspectos da respiração. RESPIRAÇÃO
  • 25. Inter-relação entre os ciclos  Ciclo Pulmonar (ventilação, difusão e perfusão) Ciclo Sanguíneo Ciclo Sanguíneo (Débito Cardíaco) (Débito Cardíaco) Ciclo Tecidual (Krebs)
  • 26. Ventilação   Fisiologicamente este mecanismo é realizado de forma involuntária por toda vida de um indivíduo, entretanto, a ventilação pode, por vezes, ser realizada de forma voluntária.
  • 27. Pressões e Complacência 
  • 28. Reguladores da Respiração  Receptores irritantes.  Grupo respiratório dorsal - responsáveis pela inspiração  Grupo respiratório ventral - responsáveis pela expiração.  Centro pneumotáxico – responsável pelo padrão e controle da frequência respiratória.  Receptores “J” localizados no pulmão.  Edema cerebral.  Anestesia.  Dor e temperatura.  Baroreceptores arteriais.
  • 29. Ventilação - Padrões   • Respiração basal           • eupnéia • apnéia • apneuse • dispnéia • taquipnéia • bradipnéia • hiperpnéia • hipopnéia • hiperventilação • hipoventilação Vc e frequência respiratória normais interrupção ao final da expiração interrupção ao final da inspiração sensação subjetiva de dificuldade de respirar ↑ freq. resp ↓ freq. Resp ↑ Vc ↓ Vc ↑ Vc e freq. resp ↓ Vc e freq. resp  • tentativas de adaptar padrões respiratórios a diferentes atividades
  • 30. Volumes e Capacidades Pulmonares 
  • 31. Volumes e Capacidades Pulmonares - Diagnóstico capacidade vital forçada = FVC o máximo de ar expirado após uma inspiração máxima, o mais rápido possível FEV1 vol expirado em 1 s  ↑ R ao fluxo de ar dificuldade de expiração rápida FEV1 e FVC diminuídos FEV1 mais diminuído que FVC R ao fluxo de ar normal movimentos respiratórios prejudicados FVC e FEV1 diminuídos FVC mais diminuído que FEV1
  • 32. Volumes e Capacidades Pulmonares - Diagnóstico  Doenças Restritivas • dificuldade na inspiração • dificuldade em aumentar o volume da caixa torácica • tecido pulmonar duro • fibrose • debilidade muscular • deformidade postural • ↑ P abdominal • obesidade • (causa pulmonar ou extrapulmonar) Doenças Obstrutivas • dificuldade na expiração • asma ↓ luz via aérea • enfisema destruição de: tecido elástico, tecido pulmonar mole, não há recuo na expiração
  • 33. Volumes e Capacidades Pulmonares - Diagnóstico  Patologias Restritivas Patologias Obstrutivas  Ex: Atalectasia, Derrame Pleural, Pneumotórax e Fibrose Pulmonar.  Técnicas Manuais E Mecânicas de Inspiração  Ex: Asma (Broncoconstrição), Enfisema Pulmonar(Distensibilida de Pulmonar), Bronquite Crônica (Inflamação Alveolar).  Técnicas Manuais E Mecânicas de Expiração
  • 34. Distúrbios Obstrutivos   Causas:  Interior da luz: Resistência ao fluxo por secreção ou corpo estranho. Ex: Atelectasia.  Na Parede da VA: Contração da musculatura lisa do brônquio, hipertrofiadas glândulas mucosas, inflamação ou edema da parede .Ex: Asma  Na parede externa da VA: Destruição do parênquima pulmonar causando perda de tração radial ou contração extrínseca. Ex: enfisema e tumor.
  • 35. Distúrbios Restritivos   Causas:  Doenças do Parênquima Pulmonar (Fibrose pulmonar, Sarcoidose, Doenças do colágeno, Pneumonite por hipersensibilidade)  Doenças do Pleura (Pleura, Derrame Pleural, Empiema Pleural, Espessamento Pleural)  Doenças da Parede Torácica (Cifose, Escoliose, Espondilite Anquilosante, Obesidade Mórbida)  Doenças Neuromusculares (Poliomielite, Síndrome De Guillain-barré, Esclerose Lateral Amiotrófica, Miastenia Gravis, Distrofias Musculares.)
  • 36. Volumes e Capacidades Pulmonares - Diagnóstico  Patologias Obstrutivas X Patologias Restritivas
  • 37. Espaço Morto  150ml 150ml 150ml vol nas vias aéreas da respiração anterior 150ml Ar alveolar Vc 450ml Espaço Morto Anatômico Zona Condutora 150ml 150ml 150ml 150ml  Espaço Morto Anatômico: Área de condução.  Espaço Morto Fisiológico: Área de condução +Álvéolos ventilados, mas não perfundidos.
  • 38. Diferenças de Ventilação   Ventilação varia < ápice e > na base.  Efeito da gravidade.  Obesidade Mórbida gera um colapso de unidades alveolares, prejudicando a ventilação pulmonar.
  • 39. Difusão 
  • 40. Perfusão   pulmão recebe todo o sangue venoso artéria pulmonar capilares pulmonares VD VE AD AE veias pulmonares sangue arterial artéria sistêmica capilares débito cardíaco  artéria pulmonar (sangue venoso) se ramifica em artérias cada vez menores que acompanham as vias aéreas em direção à zona respiratória - rede capilar pulmonar até alvéolos  troca gasosa HEMATOSE
  • 41. Perfusão  Fluxo sanguíneo Pressões Palv > Pa > Pv Mínimo Pa > Palv > Pv Médio Pa > Pv > Palv Máximo • desigual devido ao efeito da gravidade • indivíduo deitado – fluxo de sangue uniforme • indivíduo de pé impede uma adequada perfusão Fluxo sanguíneo ≠ Pa / Pv no pulmão há Palv
  • 42. Saturação de O2 no Sangue   Os valores de SaO2 arterial normais são considerados entre 94±4, em indivíduos com ou sem patologia pulmonar, já que valores inferiores a 90% condizem com uma PO2 menor que 60 mmHg, e os valores fisiológicos normais da SaO2 estão em torno de 97-98%. É importante enfatizar que a curva de dissociação do O2 em pH entre 7,35 e 7,45, representa o sangue em condições normais, e a alteração deste representa o desvio da curva para direita ou esquerda. Desvio para direita: aumento da temperatura(febre), aumento da concentração de CO2(efeito Bohr), aumento de H+ ( íons de hidrogênio), reduzindo, desta forma, o pH sanguíneo, ou seja, uma acidose e pelo aumento da DPG9 2,3( difosfoglicerato). Desvio para esquerda: redução da temperatura,diminuição da concentração de CO2, diminuição de H+ ( íons de hidrogênio), aumentando, desta forma, o pH sanguíneo, ou seja, uma alcalose e pela redução da DPG9 2,3( difosfoglicerato).
  • 43. Desequilíbrio das[O2] e de [CO2] no sangue arterial  Hipoxemia  A hipoxemia é caracterizada pela redução da pressão parcial de O2 no sangue arterial (PaO2). PaO2 normal, de acordo com a curvatura de dissociação do O2 , é de 80 a 100 mmHg, podendo variar coma idade e a patologia. Hipercapnia  A hipercapnia é caracterizada pelo aumento da pressão parcial de CO2 no sangue arterial. A PaCO2 normal, de acordo com a curva de dissociação pode variar entre 35 a 45 mmHg, podendo variar com a patologia.
  • 44. (V/Q)   Relação melhor nas bases pulmonares.  O desequilíbrio da relação V/Q leva sempre a hipoxemia.  Efeito Shunt – há perfusão.  Efeito Espaço Morto – há ventilação.
  • 45. Ciclo Sanguíneo   Pequena Circulação  Grande Circulação
  • 46. Frequência Cardíaca   Fisiologicamente, a frequência cardíaca é de, aproximadamente, 80 batimentos por minuto(bpm).  Taquicardia= FC de 100 bpm.  Baquicardia= FC abaixo de 60 bpm. Fatores que influenciam a FC:  Fatores neuro-hormonais.  Ritmo da condução elétrica cardíaca.
  • 47. Ciclo Tecidual  Biomecânica Ventilatória  Durante a ventilação em repouso, ele movese, em média, cerca de 1 cm, porém durante uma inspiração profunda ou expiração profunda, ele pode mover-se cerca de 10cm, o principal músculo é o diafragma.
  • 48. Pressões durante a Ventilação  Pressão Pleural (Ppl) –  Pressão da superfície corporal (Psc) – menor que zero – pressão sobre o tórax – pressão interpleural é igual a zero ou menor que a Patm. 760mmHg por  Pressão Alveolar (Palv) convenção. é a interalveolar e  Pressão na boca com sofre alterações no as vias aéreas abertas ciclo. (Pao) – 760mmHg ou  Pressão nas VA (Pva) – zero – porém ao no interior da VA de aplicar VM ou VNI, a acordo com a sua pressão na boca será localização na maior que zero. extensão e no ciclo.
  • 49. Gradientes de Pressão   Pressão Transtorácica Pw = Ppl – Psc Necessária para expansão e retração da caixa torácica e dos pulmões simultaneamente.  Pressão Transpulmonar Pp = Palv – Ppl Responsável pelo direto pela manutenção de um volume de ar nos alvéolos.
  • 50. Gradientes de Pressão   Pressão Transmural Pt = Pva – Ppl Mantém as VA abertas durante toda a mecânica ventilatória.  Pressão Transrespiratória Prs = Palv – Pao Patm = Pao = Psc Palv ≠ Patm
  • 51. Gradientes Pressóricos x Ventilação Pulmonar 
  • 52. Pressão Alveolar 
  • 53. Pressão 
  • 54. Fluxo Aéreo 
  • 55. Propriedades Elásticas do Pulmão   P = (V/C) + (R x F)  P(pressão)= pressão gerada pelos músculos ventilatórios.  V(volume)= volume de ar mobilizado para os pulmões.  C(complacência)= capacidade de expansão da caixa torácica e pulmões.  R(resistência)= resistência ao fluxo aéreo.  F(fluxo)= variação de volume por unidade de tempo.
  • 56. Complacência Pulmonar  C = (v2-v1)/(p2-p1)  Em repouso:  V2= VC +CFR  V1= CRF  P2= Pressão Inspiratória Máxima  P1= PEEP fisiológica+ Auto-PEEP
  • 57. Comportamento Elástico Pulmonar  VA   A disposição geométrica das fibras elásticas e das fibras colágenas, presentes nos alvéolos e VA pulmonares, são diretamente responsáveis pelo comportamento elástico pulmonar. Resistência do Sistema Respiratório  Caixa torácica  Resistência tecidual
  • 58.  Fisiologia respiratória. Bruno Presto e Luciana Presto.  Gray’s Anatomia para Estudantes. Richard L. Drake.  Tratado de Fisiologia Médica. Arthur C. Guyton,M.D.

×