0
MIDIA E DEMOCRACIA NO BRASIL -
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO
DE JANEIRO (UERJ)
Dra. Carolina Matos
Department of Governmen...
Pontos-chave
 Perspectivas internacionais sobre a democratização da
mídia
 A mídia latino-americana em análise comparati...
Quatro linhas de pesquisa em Midia e Politica na
America Latina
 Uma análise da evolução histórica da tradição de mídia
p...
Partes de Mídia e Política na América Latina
• Parâmetros de comparação para o serviço de mídia pública
• Comunicação públ...
Perspectivas internacionais sobre o papel
da mídia no desenvolvimento nacional
 Como diz Norris (2004), sistemas de mídia...
Perspectivas internacionais sobre o papel da mídia no
desenvolvimento nacional
• Voltmer (2006) assinala ainda que a infor...
Comparação entre os sistemas de mídia: a América Latina e a
Europa do Sul (Hallin and Papathanassopoulos (2002, 3)
• Halli...
Mídia pública na Europa e na Grã-Bretanha em
crise
• Na Grã-Bretanha, a mídia pública, com canais como a BBC e C4,
tem sid...
A qualidade na mídia pública: o caso da
BBC
A dicotomia do público versus o privado
Privado Publico
Direita/Conservador/Centro/Esquerda
– o consumidor
Centro/Esquerda...
A regulação na Grã-Bretanha e o mercado de mídia
• O mercado de mídia na Inglaterra e considerado “misto” (público e
comer...
A regulação da radiodifusão e a Ofcom
• Criado por um projeto de lei de 2003, o orgão de regulação da Grã-
Bretanha, a Ofc...
A regulação da radiodifusão na Grã-Bretanha: princípios
democráticos e de interesse público
• A participação do Estado no ...
A democracia e a mídia na América Latina
• Desde os anos 90, os sistemas de mídia na América Latina
têm sido influenciados...
Trabalho empírico e pesquisa realizada para Mídia e
Política na América Latina
• Método sofisticado de triangulação (vário...
Alguns resultados da pesquisa empírica
• Pesquisa revelou uma falta de conhecimento sobre a mídia pública
• Maioria ainda ...
A TV comercial no Brasil e a identidade nacional
• A TV no Brasil, assim como na América Latina, tem sido voltada sobretud...
Mudanças na mídia da América Latina
• O fato é que a história da construção da mídia pública na América
Latina tém tido um...
Debates sobre reforma da mídia, democratização
e regulação no Brasil
• Em relação à democratização da mídia, os avanços no...
Comunicação pública no Brasil: conquistas
e futuros desafios – 2
• Pesquisadores acreditam que um novo marco
regulatório p...
Alguns dados em relação à mídia pública no
Brasil
• Legislação da radiodifusçao é datada de 1962. O
Código Brasileiro de T...
Estações de rádio e TV controladas por políticos
no Brasil (1994) (Lima, 2001, 107 em Azevedo,
2006, 34)
Canais Total no B...
Comunicação pública no Brasil: conquistas
e futuros desafios
• Em relação à democratização da mídia, o Ministério
das Comu...
Citações de entrevistas
‘ ...sempre quando um governo destinou recursos para a TV pública,
ele queria ser compensado com u...
Citações de entrevistas
“Em 2005, quando os escândalos do mensalão surgiram, isso foi quando
eles “venderam” à idéia ao Lu...
Citações de entrevistas
• “Todos os canais sao emissoras transvestidas de estações de mídia ‘pública’.
Nós não conseguimos...
Algumas conclusões e futuros
desafios
• 1)Construção de um marco regulatório para a
radiodifusão comprometido com o intere...
Bibliografia selecionada
 Banerjee, Indrajit and Seneviratne, Kalinga (2006) (eds.) Public
Service Broadcasting in the Ag...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Midia e democracia no Brasil - UERJ

464

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
464
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Midia e democracia no Brasil - UERJ"

  1. 1. MIDIA E DEMOCRACIA NO BRASIL - UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UERJ) Dra. Carolina Matos Department of Government University of Essex
  2. 2. Pontos-chave  Perspectivas internacionais sobre a democratização da mídia  A mídia latino-americana em análise comparativa  A mídia no Brasil desde os anos 90  A mídia na Grã-Bretanha: da BBC à política de regulação  TV, cultura popular e identidade nacional  Resumo dos resultados da pesquisa  As estruturas de comunicação pública no Brasil e na América Latina  Os desafios da democratização da mídia no continente
  3. 3. Quatro linhas de pesquisa em Midia e Politica na America Latina  Uma análise da evolução histórica da tradição de mídia pública na Inglaterra e no Brasil;  O relacionamento entre a mídia pública com o Estado, a esfera pública e o interesse público;  Os debates em relação à ‘qualidade’ da programação e a informação tanto na mídia pública como privada;  Um exame da “crise” das formas cívicas de comunicação, e como elas ainda podem ser relevantes.
  4. 4. Partes de Mídia e Política na América Latina • Parâmetros de comparação para o serviço de mídia pública • Comunicação pública e regulação na América Latina • A esfera pública e o interesse público: o papel do Estado no serviço de mídia pública • Televisão, entretenimento, e o interesse público • Percepções da audiência da qualidade da programação e da mídia pública • Televisão, cultura popular e identidade latino-americana e brasileira • A internet para o interesse público: os limites e usos da internet na América Latina • Mídia e política na América Latina: cinismo político e divisão digital • Política midiatizada nas eleições brasileiras de 2010 • Democratização da mídia na América Latina: em direção a uma política de desenvolvimento nacional e a uma globalização “alternativa” • Em direção a um novo parâmetro regulatório para a mídia
  5. 5. Perspectivas internacionais sobre o papel da mídia no desenvolvimento nacional  Como diz Norris (2004), sistemas de mídia podem fortalecer a boa governança e promover o desenvolvimento se houver uma imprensa livre capaz de realizar a função de cão-de-guarda, investigando o poder e agindo como um forum cívico de debate entre os interesses conflitantes da sociedade  Uma mídia independente mais balançeada e livre só pode operar se esta não estiver sujeita às pressões políticas e/ou econômicas (i.e. Hallin e Mancini, 2004) • A literatura internacional sobre democratização da mídia (i.e. Voltmer e Schmitt-Beck, 2006; Curran e Myung-Jun, 2000; Sparks, 2007) tem frisado como países diferentes como a África do Sul, Chile e China também encontraram vários problemas para democratizar as suas estruturas de comunicação política • Voltmer e Schmitt-Beck (2006) afirmam que alguns países da Europa do Leste no entanto conseguiram implementar a mídia pública com algum grau de independência tanto do Estado como do mercado
  6. 6. Perspectivas internacionais sobre o papel da mídia no desenvolvimento nacional • Voltmer (2006) assinala ainda que a informação de qualidade e a necessidade de orientação são ainda mais significativas nas novas democracias num contexto de colapso de antigos regimes autoritários. Os cidadãos nas novas e transitórias democracias precisam procurar entender todas as informações provenientes de vários setores, que não só contém ligações com determinadas orientações políticas, mas que também estão sujeitos ao legado autoritário histórico e cultural do país em questão. • As estruturas dos meios de comunicação e o relacionamento que os mesmos tem com o projeto democrático, com os políticos e com a opinião pública, são pertinentes tanto para as sociedades em desenvolvimento como as sociedades desenvolvidas. • Para se poder comparar os sistemas de mídia, precisamos de um quadro para a análise, um que seja capaz de levar em consideração o impacto de fatores históricos, as tradições sociais e culturais, e o sistema político e econômico de uma dada sociedade no tipo de mídia que foi criada.
  7. 7. Comparação entre os sistemas de mídia: a América Latina e a Europa do Sul (Hallin and Papathanassopoulos (2002, 3) • Hallin e Mancini (2004) apresentaram quatro dimensões para se analisar os sistemas de mídia de forma comparativa: • 1) o desenvolvimento do mercado de mídia – a evolução de uma imprensa escrita fraca ou forte (i.e. de massa); • 2) O paralelismo político – o grau e a natureza das ligações entre a mídia e os atores políticos, ou a forma como a mídia reflete as divisões políticas da sociedade; • 3) O desenvolvimento do jornalismo profissional – que se refere às normas e aos códigos da profissão jornalística, como a tradição de neutralidade • 4) O grau e a natureza da intervenção do Estado nos sistemas de mídia – o papel por exemplo do Estado e a sua relação com a mídia. • Semelhanças entre os sistemas de mídia na América Latina e os da Europa do Sul: a) a baixa circulação dos jornais; b) a tradição da reportagem militante; c) a instrumentalização (uso político) da mídia privada; 4) politização da radiodifusão e da regulação e 5) desenvolvimento limitado da autonomia jornalística.
  8. 8. Mídia pública na Europa e na Grã-Bretanha em crise • Na Grã-Bretanha, a mídia pública, com canais como a BBC e C4, tem sido um veículo de fortalecimento do debate • BBC e o seu papel democrático – contribuiu para melhorar a conversação, tornando-a mais espontânea e menos constrangida (Scannell, 1989) • Serviu como um veículo de emancipação cultural e educacional; estímulo à diversidade política • Funciona como uma contra-ponto à mídia de mercado • Ataques de conservadores e/ou defensores da mídia de mercado questionam: • 1) a necessidade da mídia pública; • 2) o pagamento da “licence fee”; • 3) “dar ao público o que ele quer”.
  9. 9. A qualidade na mídia pública: o caso da BBC
  10. 10. A dicotomia do público versus o privado Privado Publico Direita/Conservador/Centro/Esquerda – o consumidor Centro/Esquerda/Liberal/alguns conservadores – o cidadão ‘Objetividade’, com jornalismo informativo ‘Objetivo’/’público’/jornalismo “sério” Talk shows/sit-coms/reality TV – Programação dos EUA, com algum conteúdo proveniente de outros países Realismo nos filmes/documentários/reality TV – filmes de arte e programação Européia, algum material dos EUA Publicidade/estética do consumo – o ser/intimidade/a esfera privada (ex. Sci-fi, terror) Estética da qualidade/Material inovador - coletivo/a esfera pública Fantasia/Textos ’escapistas’ – ocasionalmente material mais “sério” Material histórico/análises aprofundadas – algum entretenimento (ex. Novelas, drama, sci-fi, terror).
  11. 11. A regulação na Grã-Bretanha e o mercado de mídia • O mercado de mídia na Inglaterra e considerado “misto” (público e comercial), e dividido entre os jornais de “qualidade” (i.e. Financial Times, The Times, The Guardian, etc) e os tablóides (i.e. The Sun, Daily Mail) • Os jornais britânicos operam com um sistema de autorregulação (i.e. a Press Complaints Commission e um corpo de autorregulação independente), enquanto que a radiodifusão britânica tém sido fortemente regulada pelo Estado desde os anos 70 • A regulação na Grã-Bretanha é apoiada por orgãos regulatórios que estabeleceram códigos de conduta. • Dunleavy (1987) argumenta que a regulação da radiodifusão pública na Inglaterra tem servido de contra-ponto à imprensa, neutralizando os preconceitos dos tablóides ingleses; • De acordo com Forgan e Tambini (2000, 03 em Santos e Silveira, 2007, 73), a regulação da mídia pública gradualmente melhorou na Inglaterra;
  12. 12. A regulação da radiodifusão e a Ofcom • Criado por um projeto de lei de 2003, o orgão de regulação da Grã- Bretanha, a Ofcom, tem sido um exemplo de referência de regulação da mídia na Europa. • A Ofcom afirma em seu site que entre as suas principais funcões estão o avanço dos interesses dos cidadãos e dos consumidores, que não e afetada pela competição partidària e que quer a competição justa. • A Ofcom é responsável por limitar a publicidade, criando quotas de genero, produção independente, a proteção a privacidade e o combate ao conteúdo ofensivo, bem como o estabelecimento de critérios de imparcialidade. • O orgão ainda se reúne com setores do público para analisar o conteúdo, permitindo que a população possa expressar uma visão critica da mídia. A Ofcom deixa claro que tem “preconceito” contra a intervenção. • A Ofcom realiza constantemente estudos de audiência com o público para discutir a mídia, e os últimos estudos têm apontado como o público ainda acredita na BBC e na importância da mídia pública para o pais
  13. 13. A regulação da radiodifusão na Grã-Bretanha: princípios democráticos e de interesse público • A participação do Estado no controle e na regulação da radiodifusão nas democracias liberais européias tem se baseado no compromisso com padrões de “neutralidade”, minimizando o preconceito político...A comunicação pública na Europa e a regulação têm sido criadas de forma para atender ao interesse público, sem afetar a liberdade de expressão • A concessão pública é dada a um limite de atores que ocupam o espectro público, portanto é preciso preservar uma pluralidade interna e o equilíbrio. • O recente escândalo dos grampos telefônicos no Reino Unido suscitou o debate sobre os limites da autorregulação dos jornais britânicos, e do Press Complaints Commission • Os tres principais partidos no Reino Unido concordaram em criar um orgão independente de regulação para jornais, revistas com o poder de multar em até 1 milhão de libras e obrigar jornais a imprimir desculpas. A proposta prevê um organismo de autorregulação com compromissos e financiamento independentes, um código de normas robusto, um serviço de arbitragem livre para as vítimas e um sistema de reclamação rápido.
  14. 14. A democracia e a mídia na América Latina • Desde os anos 90, os sistemas de mídia na América Latina têm sido influenciados pelas mudanças internacionais, incluindo a deregulação e a expansão da rede comercial (TV a cabo): • 1) a crescente comercialização da mídia; • 2) a proximidade dos departamentos de marketing das redações; • 3) a formação de corporações multimídia; • 4) a professionalização das empresas de midia e • 5) a queda do modelo da empresa familiar • 6) o professionalismo nas redações versus a continuidade do partidarismo da mídia • I.e. O Brasil e o Chile têm históricos de falhas e várias tentativas de fortalecer o seu sistema de mídia pública desde o retorno à democracia
  15. 15. Trabalho empírico e pesquisa realizada para Mídia e Política na América Latina • Método sofisticado de triangulação (vários métodos para compensar os limites de cada um) • Pesquisa online aplicada a 149 estudantes de comunicação da UFRJ • Entrevistas com 12 jornalistas, assessores e especialistas • Discussão de programas da mídia pública, principalmente a TV Brasil, em contraste com a TV Globo • Análise do uso da Internet em campanhas políticas e blogging nas eleições de 2010 • a) novas mídias como uma contra-esfera pública; • b) política de gênero e representação • Semelhante aos resultados dos estudos que eu observei da Ofcom, a sondagem da UFRJ destacou como as audiências dão importância a qualidade dos programas. Em relação à questão sobre o que atraiu mais a atenção na TV, a resposta foi “a qualidade do programa” (58%), e em segundo lugar foi a “informação” (22%). As expectativas em torno da TV, seja na Inglaterra ou Brasil, são de que ela seja capaz tanto de entreter como de informar.
  16. 16. Alguns resultados da pesquisa empírica • Pesquisa revelou uma falta de conhecimento sobre a mídia pública • Maioria ainda assiste a TV Globo e canais a cabo e satélite e também usam muito a Internet • 71% dos estudantes no entanto defenderam a mídia pública, afirmando que ela pode exercer um papel de reversão das “falhas de mercado”, contribuindo para a democratização • A maioria no entanto vê pouca diferença em relação ao tipo de informação vinculada na TV comercial e na TV pública • As diferenças no entanto são sutis, relacionadas ao estilo e escolha de programas, como a ênfase em programas “sérios” em detrimento do excesso de entretenimento • Quando perguntados sobre o que entendem por “qualidade”, muitos responderam “o roteiro e o fornecimento de informações aprofundadas” (53%), bem como a criatividade e a originalidade de um programa (27%). • Nem todos viram a mídia pública como necessariamente com mais capacidade de ser imparcial, mas a maioria escolheu respostas que podem ser interpretadas como vendo a comunicação cívica como tendo um papel na democratização.
  17. 17. A TV comercial no Brasil e a identidade nacional • A TV no Brasil, assim como na América Latina, tem sido voltada sobretudo para o entretenimento de massa. A mídia pública, assim como a valorização de outros serviços públicos, passa também por uma mudança de mentalidade em relação a coisa pública • Ao contrário da Europa, no Brasil não se tém tradição de mídia pública, e a relação que se estabeleceu com o público tem sido sobretudo uma voltada para o entretenimento • A novela brasileira é vista como tendo contribuído em grande medida para a criação de um determinado tipo de personalidade no Brasil, excessivamente individualista, e que tém uma relação com a TV como sendo um veículo para a fuga da realidade, e não para a construção da cidadania. • Neste período da redemocratização, com o aumento dos níveis educacionais da população, uma classe média mais conectada com o que está acontecendo no resto do mundo, a sociedade civil começou a exigir investimentos numa programação de qualidade, mais “séria” e não manipuladora; mais participativa, menos concentradora, etc.
  18. 18. Mudanças na mídia da América Latina • O fato é que a história da construção da mídia pública na América Latina tém tido uma vida complicada: houve tentativas de construir essa plataforma por governos no Peru, Chile, Venezuela e México desde os anos 20. • Políticas públicas têm se voltado muito mais para atender interesses de grupos privados • Políticas de liberalização na região a partir dos anos 90 facilitaram a criação de conglomerados de mídia gigantes, incluindo duopólios na Argentina (Grupo Clarin e Telefonica); (Grupo Santo Domingo e Ardilla) na Colômbia e (Grupo Phillips e Cisnero) na Venezuela. • A Lei de Cabo de 1995 no Brasil começou com o processo de maior internacionalização da mídia brasileira, quebrando com a tradição protecionista e acelerando a entrada de companhias de mídia globais • Na Argentina depois dos anos 1980, a TV se tornou livre do controle governamental , com os governos de Alfonsín em 1983 e Menem em 1989 liberando a TV para a exploração pelo capital privado
  19. 19. Debates sobre reforma da mídia, democratização e regulação no Brasil • Em relação à democratização da mídia, os avanços no Brasil incluem a realização dos debates da Confecom em 2009; a implementação da TV Brasil e os compromissos manifestados pelo governo anterior em relação à criação de um novo marco regulatório para a mídia, mais adequado para a atual realidade de convergência, e substituindo leis ultrapassadas criadas antes da ditadura, como o Código Brasileiro de Telecomunicações (1962)
  20. 20. Comunicação pública no Brasil: conquistas e futuros desafios – 2 • Pesquisadores acreditam que um novo marco regulatório para a mídia pode ser capaz de contemplar as diferenças entre as TVs de Estado e públicas em relação ao setor comercial • O programa para o setor de comunicação da candidatura de Lula em 2006 ressaltou que a democratização das comunicações é algo necessário para se aprofundar a democracia • Mídia pública real não existe no Brasil, mas canais educativos controlados pelo Estado ou outros que representam os poderes Legislativo, Executivo e Judicial (ex. TV Senado);
  21. 21. Alguns dados em relação à mídia pública no Brasil • Legislação da radiodifusçao é datada de 1962. O Código Brasileiro de Telecomunicações combinou o autoritarismo do regime de Vargas, como o poder de distribuir licenças, com o liberalismo econômico • Setor de mídia pública fraco, com a respeitada instituição TV Cultura (SP), que possui poucos recursos, e a TV Brasil, ambos também controlados indiretamente por partidos políticos e dependentes do Estado. • Ministério das Comunicações em Maio de 2011 publicou um mapa afirmando que 56 deputados são donos ou têm parentes em estações de rádio e TV
  22. 22. Estações de rádio e TV controladas por políticos no Brasil (1994) (Lima, 2001, 107 em Azevedo, 2006, 34) Canais Total no Brasil Políticos atuais e do passado % TV 302 94 31.12% Rádio 2908 1169 40.19%
  23. 23. Comunicação pública no Brasil: conquistas e futuros desafios • Em relação à democratização da mídia, o Ministério das Comunicações do governo anterior identificou cinco áreas de atuação: • 1)criação de um novo marco regulatório; • 2) regulação do artigo 221 da Constituição Brasileira de 1988; • 3) direitos autorais; • 4) regulação da Internet; • 5) regulação da TV pública.
  24. 24. Citações de entrevistas ‘ ...sempre quando um governo destinou recursos para a TV pública, ele queria ser compensado com uma cobertura positiva..... Nós ainda não incorporamos totalmente a noção que a televisão pública atende aos direitos do cidadão..... Se tivermos realmente um fortalecimento da mídia pública – que so sera “publica” se for independente dos governos - nos teremos avançado historicamente ....No Brasil a idéia que o governo deve interferir na comunicação social é como um consenso multi-partidário. Nós podemos ver que nenhuma televisão pública tem total autonomia..... Nós conseguimos ver a enorme quantidade de dinheiro público que e investida diariamente na compra de espaço publicitário na televisão comercial para a transmissão de propaganda política….A democracia brasileira não adotou parâmetros regulatórios em padrões democráticos….que inibem a concentração da audiência e o monopólio; que reservam espaço para a televisão pública, ao lado da comercial; que impedem a televisão pública de competir por anúncios com o setor privado, assim criando um ambiente para a criatividade…..’ (Eugenio Bucci, jornalista e professor da USP)
  25. 25. Citações de entrevistas “Em 2005, quando os escândalos do mensalão surgiram, isso foi quando eles “venderam” à idéia ao Lula para ter a TV Brasil, de ter uma plataforma pública forte capaz de competir com a mídia privada, como o governo queria uma mídia que lhe seria mais favorável...O governo queria um instrumento para se defender, e ele achou que isso seria importante. Essa é uma contradição com o papel que a TV pública deveria realmente ter....Há realmente muito idealismo e hipocrisia nessa discussão toda... As pessoas dizem que só o que você precisa é de outra opção para a TV Globo para as pessoas mudarem de canal, mas a realidade é que elas não fazem, elas não mudam para a TV Brasil. Eu acredito que esse assunto está diretamente ligado à questão da educação, porque uma educação de melhor qualidade produz audiências de melhor qualidade.....” (Gabriel Priolli, vice-diretor de jornalismo da TV Cultura)
  26. 26. Citações de entrevistas • “Todos os canais sao emissoras transvestidas de estações de mídia ‘pública’. Nós não conseguimos garantir nem educação nem saúde pública de qualidade. Essa ‘mídia pública’ nada mais é do que uma questão de vaidade que consome milhões de reais e garante bons empregos para o amigo do amigo. O público ignora a sua programação e continua a assistir a novelas e futebol. A televisão não deveria ser uma prioridade do governo…. Assim, a gente adora falar bem e mal da mídia pública, e depois assistir a comercial….Não há um ‘real’ interesse do governo ou dos políticos brasileiros em confrontar a Globo…Semelhantes as discussões sobre a reforma agrária, as cartas estão marcadas contra vôce. Há muita conversa, mas pouco se faz realmente……A BBC, por exemplo, é excelente para os britânicos, mas o modelo não se aplica para a América Latina. Os governos da região não estariam preparados para viver com o poder e a independência da BBC….” • (Antonio Brasil, professor da UFSC, ex-correspondente da TV Globo)
  27. 27. Algumas conclusões e futuros desafios • 1)Construção de um marco regulatório para a radiodifusão comprometido com o interesse público e independente; • 2) reforço do equilíbrio e do profissionalismo nas redações, incluindo a regulação da profissão do jornalista e a auto-regulação da imprensa; • 3)Fortificação da plataforma de mídia pública, seguido por um engajamento no debate sobre o que vem a ser “qualidade” • 4) Fortalecimento da mídia regional, local e alternativa • 5) Maior acesso a setores menos privilegiados da população a Internet por toda América Latina
  28. 28. Bibliografia selecionada  Banerjee, Indrajit and Seneviratne, Kalinga (2006) (eds.) Public Service Broadcasting in the Age of Globalization, Singapore: Asian Media Information and Communication Centre (AMIC)  Bolano, Cesar Ricardo Siqueira (2007) Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil?, Sao Paulo: Editora Paulus  Canizalez, Andres and Lugo-Ocando, Jairo (2008) “Beyond National Media Systems: A Media for Latin America and the Struggle for Integration” in The Media in Latin America, Berkshire: Open University Press, 209-223  Fox, Elizabeth and Waisbord, Silvio (eds.) (2002) Latin Politics, Global Media, Austin: University of Texas Press  Matos, C (2008) Journalism and political democracy in Brazil, Lexington Books  Waisbord, S. (2000) Watchdog Journalism in South America
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×