• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Renascimento na Europa
 

Renascimento na Europa

on

  • 58,421 views

Trabalho realizado pela aluna Antónia do 11º H da Escola Secundária Fernando Namora no ano lectivo 2007/2008

Trabalho realizado pela aluna Antónia do 11º H da Escola Secundária Fernando Namora no ano lectivo 2007/2008

Statistics

Views

Total Views
58,421
Views on SlideShare
58,218
Embed Views
203

Actions

Likes
5
Downloads
70
Comments
2

2 Embeds 203

http://www.slideshare.net 202
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

12 of 2 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • por que terminou o renascimento europeu ?
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • nice!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Renascimento na Europa Renascimento na Europa Presentation Transcript

    • Antónia Marques n.º 2 11.º4
    • No princípio do séc. XVI, a Europa ainda se encontrava envolvida nas formas do Gótico final, de resto, mais convenientes ao espírito nacionalista prevalecente: Henrique VIII em Inglaterra, Francisco I em França e Carlos V em Espanha, todos declaravam a sua pretensão ao título de imperados do Sacro Império Romano-Gremânico. Para além disso, também a crise religiosa no seio da Igreja, que conduziria à reforma luterana, não favoreceu a importação do Classicismo. Foi, portanto, muito timidamente que alguns modelos e conceitos foram filtrados e adaptados a cada situação política e cultural.
    • Países Europeus afectados:
      • Flandres:
      • o renascimento flamengo esteve basicamente ligado ao desenvolvimento das artes plásticas, suas maiores preocupações eram a pesquisa de materiais de pintura o esforço da representação mais natural dos objectos.
      • O primeiro grande pintor flamengo foi Robert Campin.
    • França:
      • O movimento renascentista Francês alcançou um elevado nível de elaboração em várias áreas das artes e da cultura os que mais se destacaram foram Francisco I e sua irmã poetisa Margarida de Navarra. Na monarquia francesa teve grandes nomes na arquitectura, como Pierre Lescot e Philibert Delorne onde construíram palácios dando uma definição do estilo arquitectónico francês.
    • Inglaterra:
      • O renascimento inglês se dá depois do italiano e flamengo se torna realmente sólido a partir de 1485.
      • Já na parte humanista grande nomes tiveram destaque, como Thomas Morus , autor da celebre Utopia, que se destaca pela erudição e poder de criatividade e no campo do pensamento Francis Bacon contribuiu com várias obras.
      • Na literatura se destacaram os poetas Thomas Wgat e o Conde Sidney.
      • o teatro elisabetano que reuniu grandes dramaturgos como Marlowe Jonson, Fletcher e Shakespeare.
    • Alemanha:
      • Na Alemanha deu-se o renascimento entre os séculos XV e XVI .
      • A vida burguesa das cidades estava em grande desenvolvimento com casas bancárias, feiras, comerciantes e artistas.
      • A cultura teve grande diversidade de varias escolas e tendências artísticas todas ligadas à cidade de origem.
      • Albrecht Dürer foi um grande gravurista que uniu a solidez do gótico alemão o cromatismo e o sentido de geometria, harmonia e profundidade da pintura. Suas obras mais notáveis seriam a “Adoração dos Reis Magos”, a “Natividade” “Adão e Eva”, “os Quatro Apóstolos” e “A Santíssima Trindade”.
    • Espanha:
      • O humanismo espanhol teria seu inicio marcado pela Universidade de Alcabá de Hemares, o qual constituiria um centro de estudo das culturas clássicas orientais dedicados ao estudos de textos bíblicos.
      • Os seus três maiores escritores místicos da modernidade foram: Santo Inácio de Loyola, Santa Teresa d'Ávila, São João da Cruz.
      • A arquitectura espanhola, assinalada pela presença do estilo mudéjar.
    • Portugal
      • A introdução dos primeiros elementos da cultura renascentista coincidem com o optimismo das conquistas mais promissoras de expansão atlântica no final do Século XV.
      • A base era estilo mourisco que correspondia ao mudéjar castelhano, o manuelino caracterizou-se pela profusão decorativa e pelo arrojo flamejante das concepções.
      • Mas um dos maiores poetas da língua portuguesa e escritor de todos os tempos foi Luís Vaz de Camões.
      • O políptico de São Vicente pode assim ser compreendido como versão visual da epopeia camoniana.
    • Outros artistas que também destacaram-se no renascimento na Europa:
      • Hans Holbein
      • Nasceu em Augsburgo e desde muito pequeno estudou pintura com seu pai Hans Holbein, o Velho, reconhecido artista dentro da tradição flamenca, notável por seu retratos.
      • Em 1518, durante uma viagem à Itália, descobriu as obras dos pintores do Renascimento italiano Andrea Mantegna e Leonardo da Vinci. O impacto destes e outros artistas sobre a obra de Holbein pode observar-se no modelado e na composição renascentistas de um de seus primeiros retratos, Erasmo de Rotterdam (1523, Museu do Louvre), em seu famoso Cristo morto, na paixão (ambos no Kunstmuseum de Basiléia) e no retábulo A Virgem do burgomestre Meyer (Palácio Ducal de Darmstadt, Alemanha), todos eles realizados entre 1519 e 1526. Em ditas obras se aprecia uma soltura no desenho e uma riqueza cromática características das obras dos mestres do norte da Itália. Nas suas obras religiosas, Holbein uniu esta riqueza de detalhes e cores com a dignidade e a severidade na caracterização próprias de temas religiosos.
    • Erasmo de Roterdão
      • Nasceu, em Rotterdam, Holanda do Sul, Países Baixos f requentou o Collège Montaigu em Paris e continuou os seus estudos na Universidade de Paris, então o principal centro da escolástica, apesar da influência crescente do Renascimento da cultura clássica, que chegava de Itália. Erasmo optou por uma vida de académico independente, independente de país, independente de laços académicos, de lealdade religiosa, e de tudo que pudesse interferir com a sua liberdade intelectual e a sua expressão literária.
    • Hieronymus Bosch
      • Jeroen van Aeken , cujo pseudónimo é Hieronymus Bosch , e ta foi um pintor e gravador neerlandês dos séculos XV e XVI.
      • Muitos dos seus trabalhos retratam cenas de pecado e tentação, recorrendo à utilização de figuras simbólicas complexas, originais, imaginativas e caricaturas, muitas das quais eram obscuras mesmo no seu tempo.
      • Pintores alemães como Martin Schongauer, Matthias Grünewald e Albrecht Dürer influenciaram a obra de Bosch. Especula-se que sua obra terá sido uma das fontes do movimento surrealista do século XX, que teve mestres como Max Ernst e Salvador Dalí. também conhecido como Jeroen Bosch.
    • Pieter Bruegel
      • Pieter Bruegel, conhecido como Pieter Bruegel "o velho" (para distingui-lo de seu filho mais velho), foi o primeiro de uma família de pintores flamengos.
      • Considerado como um dos melhores pintores flamengos do séc. XVI é o membro mais importante da família. Provavelmente nasceu em Breda, nos Países Baixos.
    • A EXPANSÃO DO RENASCIMENTO E O “GOSTO” FRANCÊS
    • Château de Blois Château de Chambord
    • O Renascimento caracterizou-se como um movimento praticamente restrito ao universo cultural italiano durante seus dois primeiros séculos de evolução (entre os séculos XIV e XVI, aproximadamente), período durante o qual, no restante da Europa, sobreviviam estilos arquitectónicos, em geral, ligados ao gótico ou ao tardo-românico. No seu auge, na Itália, porém, a estética clássica começou a ser difundida em diversos países europeus devido a motivos diversos (como guerras, anexações de territórios, pelo fato de os artistas italianos viajarem pela Europa ou serem contratados por cortes diversas). É um momento em que a tratadística clássica está plenamente desenvolvida, de forma que os arquitectos, de uma forma geral, possuem um bom domínio das regras compositivas clássicas e de sua canonização, o que lhes permite certa liberdade criativa.
      • Www.google.pt ;
      • Nova Enciclopédia Portuguesa;
      • Bruegel, A Obra de Pintura, Taschen Público;
      • Durer, Editorial o Livro;
      • História da Cultura e das Artes, Lisboa Editora.