• Save
A escrita egípcia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A escrita egípcia

on

  • 16,448 views

Trabalho realizado pelo alunos Alexandre Correia, André Nunes e Beatriz Cabarrão no âmbito da disciplina de Área de Projecto, na Escola Secundária da Portela, no ano lectivo 2010/2011

Trabalho realizado pelo alunos Alexandre Correia, André Nunes e Beatriz Cabarrão no âmbito da disciplina de Área de Projecto, na Escola Secundária da Portela, no ano lectivo 2010/2011

Statistics

Views

Total Views
16,448
Views on SlideShare
16,171
Embed Views
277

Actions

Likes
3
Downloads
0
Comments
1

8 Embeds 277

http://curteahistoria7.blogspot.com 94
http://curteahistoria7.blogspot.pt 74
http://curteahistoria7.blogspot.com.br 52
http://questionamentobiblico.blogspot.com.br 52
http://questionamentobiblico.blogspot.com 2
http://www.google.pt 1
http://www.curteahistoria7.blogspot.com 1
http://questionamentobiblico.blogspot.de 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A escrita egípcia A escrita egípcia Presentation Transcript

  • A Escrita Egípcia
  • Trabalho realizado por:
    Alexandre Correia nº2
    André Nunes nº6
    Beatriz Cabarrão nº8
    Professor:
    Carlos Vieira
    Disciplina:
    Área de Projecto
  • Hieróglifos
    Hieróglifos é um termo originário de duas palavras gregas : hierós <<sagrado>> e glýphein <<escrita>> .
    Este termo é o nome que se dá a cada um dos símbolos da escrita egípcia.
    A escrita hieróglífica é talvez o mais antigo sistema organizado de escrita.
  • Características dos Hieróglifos
    Direcção da Escrita
    A escrita hieroglífica pode ser escrita em linhas ou colunas, tanto da esquerda para a direita, como da direita para a esquerda. A direcção da escrita é identificada de acordo com a posição dos hieróglifos pois estes estão sempre virados para o início da escrita.
    No exemplo ao lado a direcção da escrita é da direita para a esquerda em linhas horizontais.
  • Valores dos hieróglifos
    Os hieróglifos tinham tanto valores semânticos como valores fonéticos , ou seja, alguns hieróglifos correspondiam a um objecto ou símbolo de acordo com o sinal (valor semântico) e outros hieróglifos correspondiam a um som de acordo com o seu sinal valor fonético.
    Consoantes
    Existiam hieróglifos que representavam consoantes (na época as letras que são para nós vogais para os egípcios eram consoantes como as outras).
  • Determinativos
    Os determinativos não tinham hieróglifos fonéticos pois davam informações extras sobre o significado das palavras.
    Este sinal significa cidade ou seja
    a palavra que está atrás é o nome
    de uma cidade.
  • Numerais
    Os numerais representavam números.
  • Ideogramas : quando um único sinal é representado sozinho e tem um único significado. Estes geralmente costumam ser determinativos sendo assim colocados no final das palavras para indicar a categoria desta.
    Fonogramas :
    Unilíteros : quando um sinal representa apenas um som. Estes são os sinais que formam o “alfabeto” egípcio.
    Tipos de Sinais
    Este sinal tem como único significado a palavra casa.
  • Bilíteros : quando um sinal representa dois sons.
    Representam duas consoantes com os sons
    wrepr
    Trilíteros : quando um sinal representa três sons.
    Representam três consoantes com os sons anh, ntr e nfr.
  • A escrita egípcia era conhecida apenas pelos sacerdotes membros da realeza com altos cargos e escribas. Esta era utilizada para inscrições nas paredes de templos, túmulos, edifícios religiosos, etc. Esta escrita era feita empapiro ou pedaços de calcário com um pincel ou um pedaço de junco afiado. Usava-se tinta preta e a cor vermelha servia para destacar títulos e secções especiais.
    Uso da escrita Egípcia
  • Durante mais de 3 milénios, os egípcios criaram cerca de 7000 sinais hieroglíficos.
    A escrita Egípcia começou por ser simplificada, passando dos hieróglifos para os hieróglifos cursivos, mais tarde passou para o hierático, uma forma de escrita mais cursiva, de barro e depois passou para o Demótico por influência grega.
    A Evolução da escrita
  • Mais tarde, durante o período Greco-romano, sacerdotes membros da realeza, pessoas com altos cargos e escribas tornaram a escrita mais complexa. Com o passar do tempo, esta escrita passou a ter cada vez menos utilidade e menos eram aqueles que a podiam ler e entender passando assim a ser desnecessária.
    Os hieróglifos também foram utilizados por outros povos da antiguidade como os Hititase os Maias.
  • O Desaparecimento dos Hieróglifos
    A escrita foi-se alterando devido ás invasões de vários povos estrangeiros como os romanos e os gregos.
    Os cristãos para desenvolverem o cristianismo, destruíram e tornaram ilegíveis as inscrições da escrita egípcia e fecharam os templos onde a escrita era ensinada passando assim a ser proibido tudo o que estava relacionado com os antigos deuses egípcios. Os Árabes para desenvolverem o islamismo continuaram com a mesma prática levando ao desaparecimento da escrita Egípcia.
  • O Renascimento dos Hieróglifos
    Foi na Europa que surgiu o interesse pelos hieróglifos egípcios que levou viajantes e investigadores europeus a dirigirem-se para o Oriente com o objectivo de procurar os conhecimentos necessários para uma explicação racional dos hieróglifos. Assim estudaram-se os hieróglifos e os conhecimentos sobre estes voltaram a ser conhecidos. Decifração dos hieróglifos Egípcios
  • Decifração dos Hieróglifos
    GeorgZöegafoi um antiquário dinamarquês que nasceu em 1755 e morreu a 1809. Georg concluiu que muitos hieróglifos representavam letras do alfabeto e que as inscrições que estavam dentro de uma forma oval fechada continha nomes próprios da realeza - cartucho.
  • JohanÅkerblad foi um diplomata sueco que nasceu a 1763 e morreu a 1819. Ao estudar as inscrições da Pedra da Roseta conseguiu descobrir o valor correcto de alguns sinais mas Johan estava errado em relação ao facto de pensar que a escrita demótica era alfabética.
    ThomasYoungfoi um médico inglês que nasceu a 1773 e morreu a 1829. Através da Pedra da Roseta foi o primeiro a reconhecer que tanto a escrita demótica como a hieroglífica eram compostas por sinais alfabéticos e não alfabéticos, ou seja, simbólicos.
  • JeanFrançoisChampollion, conhecido por “Pai da Egiptologia”, nasceu a 1790 em França . Descobriu que o cóptico, a língua falada pelos cristãos egípcios, correspondia á última fase da antiga língua egípcia. Ao início Jean achava que os hieróglifos tinha um valor simbólico, mas mais tarde descobriu que estes tinham um valor fonético.
  • A Pedra de Roseta é um bloco de granito negro que pesa 726 kg e que foi descoberta a norte do Delta do Nilo, perto da localidade de El-Rashia por um soldado de regimento francês que Napoleão mantinha no Egipto. Mas quando os britânicos expulsaram o exército francês do Egipto levaram a Pedra de Roseta para Inglaterra. Esta pedra ajudou muito na decifração dos hieróglifos.
    Esta pedra tem inscrições gravadas por sacerdotes egípcios em homenagem ao faraó no ano de 196 a.C.
    A Pedra de Roseta tem 3 tipos de escrita egípcia: hieróglifos, demótico e grego.
    A Pedra de Roseta
  • Com este trabalho aprendemos que:
    Cada sinal egípcio tem como nome hieróglifos
    A direcção da escrita é determinada a partir da posição dos sinais.
    Na escrita egípcia existem os determinativos, os numerais, as consoantes e não existem vogais.
    Existem dois tipos de sinais: ideogramas e fonogramas.
    A escrita egípcia e usada em inscrições em túmulos, edifícios religiosos e templos.
    A escrita egípcia evoluiu dos hieróglifos para os hieróglifos cursivos depois para o hierático e por fim para o demótico.
    A pedra da Roseta tem inscrições feitas pelos sacerdotes egípcios em honra ao faraó.
    Conclusão