Aquisição da linguagem
Ester Mirian Scarpa

No capítulo 7 do livro “Introdução à Linguística” (São Paulo: Cortez, 2001. pá...
contestada já que entende-se que a criança não espera passivamente a transmissão do
conhecimento de qualquer espécie.
Por ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Aquisição da linguagem resenha 2

1,159

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,159
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Aquisição da linguagem resenha 2"

  1. 1. Aquisição da linguagem Ester Mirian Scarpa No capítulo 7 do livro “Introdução à Linguística” (São Paulo: Cortez, 2001. pág. 203-232.), intitulado como “Aquisição da Linguagem”, a professora Ester Mirian Scarpa aborda a história, a abrangência e a evolução de alguns conceitos relacionados a estudos que tem como objeto a percepção e a e o processamento da linguagem por uma criança. É notório que, ao longo da história, oprocesso de desenvolvimento da linguagem da criança sempre provocou especulações diversas entre leigos ou estudiosos do assunto. Contudo, estudos sistemáticos sobre o que a criança aprende e como adquire a linguagem só começaram a ter destaque mais recentemente. Desde o século XIX, alguns linguistas começaram a desenvolver pesquisas longitudinais (envolvendo uma criança em ambiente naturalístico) bem como estudos transversais (com um número maior de crianças, ou grupos etários diversos). A autora apresenta a Aquisição da Linguagem como uma área híbrida e ao mesmo tempo heterogênea e multidisciplinar, já que propõe-se que o estudo da obtenção da linguagem tem suas bases “no meio do caminho entre teorias linguísticas e psicológicas” (Mussalim, 2001). A área recobre muitas subáreas, cada uma formando um campo próprio de estudos, como por exemplo: a aquisição da língua materna, a aquisição de uma segunda língua e a aquisição da escrita nos processos de alfabetização. Dentro da evolução dos conceitos nesta área, Scarpa começa nos apresentando o contexto da década de 50, onde predominava-seo conceito do behaviorismo, que pregava o aprendizado da língua, em essência, como outros tipos de aquisições de habilidades e comportamentos, tais como: andar de bicicleta, dançar, etc. Porém, surge no fim dessa década, o linguista Noam Chomsky com ideias reacionárias a esse conceito mediante uma postura inatista na consideração do processo por meio doqual o ser humano adquire a linguagem. “A linguagem, específica da espécie, dotação genética e não um conjunto de comportamentos verbais, seria adquirida comoresultado do desencadear de um dispositivo inato, inscrito na mente” (pg 206). Esta tese inatista de Chomsky desencadeou uma série de estudos e acabou sendo contestada por outras correntes teóricas: o cognitivismo construtivista e o interacionismo social. O cognitivismo construtivista, proveniente dos estudos do epistemólogo suíço Jean Piaget e defendido pelo psicólogo soviético Vygotsky, associava a aquisição da linguagem a um estágio de conquistas cognitivas da criança. Por volta dos 18 meses, a criança superaria um estágio sensório-motor, o que permitiria o aparecimento da linguagem. Esta teoria difere-se do modelo inatista de Chomsky, pois apresenta a aquisição da linguagem como resultado da interação entre o ambiente e o organismo através de assimilações (Piaget conceitua linguagem como um sistema simbólico de representações), rechaçando essa aquisição como fruto de um desencadeamento de um módulo específico para a linguagem. Dessa forma, a teoria behaviorista também é
  2. 2. contestada já que entende-se que a criança não espera passivamente a transmissão do conhecimento de qualquer espécie. Por fim, chegamos ao interacionismo social, uma visão que se distancia em graus variados tanto do cognitivismo piagetiano quanto do inatismo chomskiano. Segundo esta postura, passam a ser levados em conta fatores sociais, comunicativos e culturais para a aquisição da linguagem. Assim, a interação social e a troca comunicativa entre a criança e seus interlocutores são vistas como pré-requisito básico no desenvolvimento linguístico. O interacionismo social apresenta como um de seus vertentes o“sociointeracionismo", cujas propostas consistem na afirmação de que a linguagem é atividade constitutiva do conhecimento do mundo pela criança, bem como o espaço em que a criança se constrói como sujeito. Linguagem e conhecimento do mundo estão intimamente relacionados e os dois passam pela mediação do outro, do interlocutor. A autora destaca também a abordagem que Pinker (1994) faz no tocante a mudanças maturacionais no cérebro, tais como o declínio da taxa de metabolismo e do número de neurônios durante a idade escolar e da diminuição do metabolismo e do número de sinapses cerebrais na adolescência, que têm como consequência uma grande dificuldade em dominar-se uma segunda língua em idade adulta. A esta abordagem chamamos de período crítico. A aquisição de uma linguagem normal é garantida atéa idade de 6 anos, é comprometida entre 6 até pouco depois da puberdade, e é rara daí em diante, tendo seu sucesso associado a “puro talento”. Algumas curiosidades sobre o estágio de desenvolvimento da linguagem na criança são apresentadas. Segundo Bates & Goodman (1997), a trajetória do desenvolvimento da linguagem parece ser, com algumas especificidades, universal e contínua. As crianças começam com balbucio, primeiro com vogais (cerca de 3 a 4 meses, em média). Aparentemente, os sons que a criança balbucia no começo são universais: os sons iniciais não são específicos de sua língua materna. Em seguida, aparecem as combinações de vogais e consoantes de complexidade crescente (geralmente entre 6 e 12 meses). As primeiras palavras emergem entre 10 e 12 meses, em média, embora a compreensão de palavras possa começar algumas semanas antes. As primeiras combinações de palavras geralmente aparecem entre 18 e 20 meses e, no começo, tendem a ser telegráficas. Aos 3 ou 3 anos e meio, a maioria das crianças normais dominou as estruturas sintáticas e morfológicas de suas línguas maternas. Em suma, Ester Mirian Scarpa apresenta neste capítulo as várias posturas teóricas, fatos e instrumentos focados na investigação do processo de aquisição da linguagem, explicitando sempre que as polêmicas que envolvem as grandes questões da área estão ainda abertas a novas indagações e descobertas. Mediante o uso de exemplos interessantes e linguagem acessível, este material consolida-se como uma ótima referência para aqueles que têm interesse e curiosidade nesse assunto.

×