Liderança | chefias

5,779 views
5,627 views

Published on

the presentation of leadership in the course of hygene and safety in work superior technician in CICCOPN, Portugal

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,779
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
296
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Desde que o mundo é mundo sempre há alguém que é seguido ou admirado a ponto de sua liderança levar à construção de nações e impérios, provocar revoluções políticas ou conduzir movimentos sociais transformadores. A religião é o melhor exemplo desse fenômeno. Dela saíram os mais populares líderes do planeta, como Jesus de Nazaré, Maomé, Buda e Moisés. Esses quatro homens, que viveram e morreram há séculos, têm quase 2/3 da população mundial fiel a seus ensinamentos.   Apesar da força da religião e desse fenômeno ocorrer em outras áreas, como as artes e o esporte, é no campo político que surgem os principais líderes da história da civilização. Alguns, como Maomé e Moisés, foram ao mesmo tempo grandes líderes religiosos e políticos. Outros reuniram as habilidades de liderar política e militarmente, como Júlio César e Alexandre, o Grande. Outros conduziram nações a aventuras insanas, como Adolf Hitler, ou foram guerreiros sanguinários como Átila, o Huno. Alguns foram excepcionais estadistas em épocas difíceis, como Franklin Delano Roosevelt, presidente dos Estados Unidos durante a Grande Depressão e a Segunda Guerra Mundial.
  • Para um chefe ser um bom líder é preciso: 1- Liderança Criatividade Disposição para aprender Comunicação Coragem Capacidade de decisão Empreendedorismo Delegação de tarefas Capacidade de negociação
  • Diante desta afirmação, é possível afirmar que uma das principais características de um LÍDER é definitivamente a INICIATIVA, pois sem ela, ideias e projetos não avançam e um bom colaborador nunca poderá ser um LÍDER PRINCIPAIS QUALIDADES DE UM LÍDER
  • O estímulo financeiro tem seus limites Parece natural que numa sociedade onde o nível médio de stress já está elevado, não seja judicioso criar mais pressão através de incentivos, bónus, prémio, etc., portanto não é fácil entender que estes instrumentos de motivação extrínseca não agregam nada em termos de © Moityca Eficiência Empresarial Ltda. 2 melhoria de desempenho, pelo contrário. Trate-se de um dos fenómenos mais interessante e, portanto ignorado neste início de século. Para entender melhor este propósito é necessário referir-se aos trabalhos de Karl Dunker nos anos 1940 sobre a solução de problemas e mais recentemente aos de Sam Glucksberg que modificou a experiência e juntou incentivos à solução do “problema da vela” criado por Dunkel; estes trabalhos mostram que o estímulo financeiro será eficaz para tarefas óbvias, mecânicas ou físicas e será contra produtivo para missões que necessitam a mobilização dos processos cognitivos. Parece claro que a preocupação de ganhar o incentivo, factor stressante, tende a paralisar o pensamento criativo. Para os leitores que querem conhecer um pouco mais o assunto, aconselhamos este vídeo no YouTube (acessado em 15.09.2010): http://www.youtube.com/watch?v=rrkrvAUbU9Y&feature=player_embedded no qual Daniel Pink – antigo conselheiro de Al Gore para os assuntos de trabalho – apresenta, com certo humor, os resultados destes estudos que comprovam que na utilização de incentivos existe um “ distanciamento muito grande entre o que a ciência sabe e o que acontece no mundo dos negócios”. As futuras ferramentas de gestão deverão principalmente considerar a compatibilidade entre as expectativas do sujeito frente ao trabalho e as satisfações que sua actividade proporcionará para estimular as qualidades profundas do ser humano, ou seja, utilizar as alavancas de sua motivação intrínseca.
  • Muito se tem falado sobre o novo perfil da chefia e, em alguns casos, chega-se até a se contestar a própria  necessidade  da sua existência. Isto em nome da maior autonomia das equipes, por exemplo. Reconheço a importância da discussão sobre as características desse novo perfil. Mas, não posso concordar com a possibilidade da inexistência de liderança. No meu entendimento, questionar a necessidade da existência de chefias na estrutura das organizações, mesmo nas estruturas mais  flexíveis , é no mínimo, desviar o foco do problema central. Toda empresa bem sucedida é uma empresa com liderança orientada. Não há  sucesso  que prescinda de foco, orientação, acompanhamento, entusiasmo e, controle.  Mais ainda, diria que nunca a liderança foi tão necessária quanto hoje! Fica claro que podemos fazer diferenciações entre o conceito de chefia e de liderança. Do ponto de vista conceitual a chefia é entendida como um posto de trabalho dentro da visão hierárquica das estruturas enquanto a liderança é percebida como uma característica pessoal que diferencia o profissional, seja qual for seu nível hierárquico. Mas não podemos deixar de constatar que na função das chefias deverá lhe estar implícita a atuação de liderança. Não significa exigir que nossos funcionários em nível de chefias sejam super-homens. Talvez aqui esteja o cerne do problema, e da solução. Na realidade as nossas chefias não precisam ter características especiais. Terão sim, que ser responsáveis e conscientes de que não serão capazes de resolver tudo sozinhos. Isto seria um enorme passo. Outro aspecto interessante se refere à necessidade de que transitem, com naturalidade, em estruturas complexas e de hierarquias de autoridade ambíguas. Em alguns momentos precisarão assumir decisões e, em outras, precisarão ser membros da equipe e acatar necessidades coletivas. Sem dúvida um desafio interessante para qualquer ser humano. Mas, o que a nova chefia precisa conscientizar-se é de que sua função não é mais, apenas, fazer a hierarquia funcionar. Podemos manter o negócio funcionando e, ainda assim, precisamos contestar o óbvio, incentivar a criação e possibilitar a inovação. No vídeo de treinamento, Liderança, A Arte das Possibilidades, da Siamar, o protagonista principal, um maestro, conta que, apenas aos 45 anos constatou uma realidade surpreendente: o maestro é o único músico que não emite qualquer som! Portanto a única possibilidade de ser um sucesso é fazendo com que seus músicos sejam poderosos. Assim deverão ser os chefes, em qualquer nível.  Mas isso não pode ocorrer por iniciativas individuais, precisamos ter políticas que encorajam o pensamento inovador e modifiquem a tendência de continuar gerando organizações menos sensíveis a mudanças. Muitas vezes as empresas queixam-se de seus níveis de chefias, mas elas são frutos da gestão. É inevitável uma revisão das características de gestão para gerar mudanças e desenvolvimento dos níveis de chefias. E, por favor, não imaginem a possibilidade de usar o raciocínio: “façam o que eu digo e não o que eu faço”. Exemplo é fundamental! Portanto se não quisermos enfrentar o desafio de mudarmos a nós mesmos, antes, não espere conseguir fazer isso com os outros.  Essa premissa nos permite considerar uma outra característica importantíssima no novo perfil da chefia: a ética. Acreditem, estamos em revolução pelo resgate da ética e da integridade. As empresas procuram profissionais com essa característica. Mas como atraí-los se as próprias empresas não evidenciarem essa característica. E, conjuntamente com a ética o novo perfil exige uma postura a questionar o “status quo” que sempre conduz à acomodação da estrutura. Portanto, seu grande desafio está em: - Ser firme para não fugir à necessidade da decisão que transfere segurança para a equipe e, logo em seguida, ceder às posições da equipe e segui-la fielmente.  - Ser a bússola estratégica da equipe e, ao mesmo tempo, ter plena consciência de que somente fazendo-os serem poderosos é que alcançará sucesso. - Ser questionador e, acima de tudo, manter a ética e a integridade.  - Ser Rei e plebeu, comandante e soldado, professor e aluno, enfim, enorme desafio, que não exige estudo, inteligência superior ou qualquer outra  vantagem  diferencial. Em contrapartida exige: 1- flexibilidade típica daqueles que sabem que precisam e querem aprender, nas mudanças e com as mudanças; 2- humildade característica das pessoas que reconhecem a necessidade da integração, da soma de esforços e dos conhecimentos descentralizados nas pessoas; 3- coragem daqueles que, por não terem tudo, terão que lutar, combater as adversidades e, se exporem e, precisamente por isso, agradecer às adversidades por aparecerem e permitir que possam fortalecer-se e continuar sua luta, sempre. E, acima disso, o interesse pelas pessoas.  Não se iludam, a Gestão de Pessoas será o diferencial deste nosso novo século. Quem sabe deste nosso novo milênio! Mas, profissionais assim não aparecerão se não lhes for provido um ambiente que incentive essas características. Poderia dizer que muitas pessoas as possuem, mas não se sentem à vontade para experimenta-las dentro da empresa. Lembrem-se do que dissemos acima. Como a empresa poderá atrair profissionais íntegros e éticos se a empresa não transferir essa imagem para o mercado? Apenas as melhores empresas conseguirão atrair os melhores profissionais. Ou formar e desenvolver, internamente, seus melhores profissionais.
  • Portanto, seu grande desafio está em: - Ser firme para não fugir à necessidade da decisão que transfere segurança para a equipe e, logo em seguida, ceder às posições da equipe e segui-la fielmente.  - Ser a bússola estratégica da equipe e, ao mesmo tempo, ter plena consciência de que somente fazendo-os serem poderosos é que alcançará sucesso. - Ser questionador e, acima de tudo, manter a ética e a integridade.  - Ser Rei e plebeu, comandante e soldado, professor e aluno, enfim, enorme desafio, que não exige estudo, inteligência superior ou qualquer outra  vantagem  diferencial.
  • 1. Factores Estratégicos e o Papel da Alta Administração Como em todo projecto de abrangência corporativa, o apoio da alta administração é fundamental. Este apoio deve ser consolidado em acções e pensamentos unificados, focalizados. Os líderes devem definir as metas e as estratégias empresariais, definindo o foco nas competências centrais e áreas do conhecimento a serem exploradas. Outros pontos importantes se referem a adopção de princípios de administração flexível (facilitadora) e a adopção de poucos (só os realmente importantes) pontos de controle. 2. Cultura e Valores Organizacionais Toda organização possui uma cultura própria e valores organizacionais, que foram se formando ao longo do tempo pela interacção das pessoas e da administração. Deve-se fomentar um aquecimento e um dinamismo para formação de novos valores reflectidos em novas práticas, vencendo barreiras entre o apropriado e o não apropriado. Criar um ambiente de inovação, experimentação e aprendizado contínuo torna-se um grande desafio. A mudança não é um processo rápido ela se faz no dia a dia, acima de tudo com atitudes. 3. Estrutura Organizacional A mudança na estrutura organizacional é inevitável e tem um objectivo bem definido: “Levantar a Poeira” e mobilizar a estrutura. No geral, segundo Terra [TER01], as estrutura organizacionais modernas estão baseadas na formação de equipes multidisciplinares com alto grau de responsabilidade e autonomia.
  • Liderança | chefias

    1. 1. <ul><li>Liderança | Papel das Chefias </li></ul><ul><li>CICCOPN – Gestão e Concepção da Formação Carlos Ferreira 20.10.2011 </li></ul><ul><li>carlos.pinto.ferreira@gmail.com </li></ul>
    2. 2. <ul><li>“ Liderança: É a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objectivos identificados como sendo para o bem comum ” </li></ul><ul><li>CICCOPN – Gestão e Concepção da Formação 20.10.2011 </li></ul><ul><li>Cliente: </li></ul><ul><li>INCOFOR – Informação, Cooperação e Formação </li></ul><ul><li>Objectivos: </li></ul><ul><li>Identificar conceito de líder e chefe; </li></ul><ul><li>Conhecer os tipos de Liderança ; </li></ul><ul><li>Identificar os papel das chefias numa organização ; </li></ul>
    3. 3. <ul><li>LIDERANÇA </li></ul><ul><li>LEI DA COLHEITA: “cada um colhe aquilo que semeia…. Quem semeia ventos, colhe tempestades…” </li></ul>&quot;É importante tratar outros seres humanos exactamente como você gostaria que eles o tratassem a si” - Len Hoffman
    4. 4. <ul><li>“ Liderar significa exercer autoridade, comando, administração ou superintendência sobre determinada organização ou atividade. No entanto…” </li></ul><ul><li>LÍDER ≠ CHEFE </li></ul>
    5. 5. Desde que o mundo é mundo sempre há alguém que é seguido ou admirado a ponto de sua liderança levar à construção de nações e impérios, provocar revoluções políticas ou conduzir movimentos sociais transformadores. A religião é o melhor exemplo desse fenómeno. Dela saíram os mais populares líderes do planeta, como Jesus de Nazaré, Maomé, Buda e Moisés. Esses quatro homens, que viveram e morreram há séculos, têm quase 2/3 da população mundial fiel a seus ensinamentos.  Apesar da força da religião e desse fenómeno ocorrer em outras áreas, como as artes e o desporto, é no campo político que surgem os principais líderes da história da civilização. Alguns, como Maomé e Moisés, foram ao mesmo tempo grandes líderes religiosos e políticos. Outros reuniram as habilidades de liderar política e militarmente, como Júlio César e Alexandre, o Grande. Outros conduziram nações a aventuras insanas, como Adolf Hitler, ou foram guerreiros sanguinários como Átila, o Huno. Alguns foram excepcionais estadistas em épocas difíceis, como Franklin Delano Roosevelt, presidente dos Estados Unidos durante a Grande Depressão e a Segunda Guerra Mundial Napoleão Bonaparte Adolf Hitler M. Gandhi Gorbatchev J. Paulo II Jesus Madre Teresa J. Paulo II Bill Gates Boris Yeltsin Mourinho Abramovich Martin Luther King e Robert Kennedy Merkel Sarkosy Berlusconi Nelson Mandela Salazar Pinto da Costa J W. Bush Queiroz Ronaldo Scolari Steve Jobs Yalta staline Barack Obama
    6. 6. <ul><li>O Chefe, tem a ver com o cargo que exerce, envolve responsabilidades com relação ao trabalho de seus subordinados. </li></ul><ul><li>CHEFE = CARGO/PODER </li></ul>O CHEFE: Para ser um bom chefe é preciso ser um bom líder. O Poder é a faculdade de forçar ou coagir alguem a fazer a sua vontade por causa de uma posição ou força mesmo que possa preferir não o fazer
    7. 7. <ul><li>O líder apresenta características marcantes de personalidade por meio das quais pode influenciar o comportamento das demais pessoas. </li></ul><ul><li>Um líder deve inspirar confiança, ser inteligente, perceptivo e decisivo para ter condições de liderar com sucesso. </li></ul><ul><li>LIDER=AUTORIDADE </li></ul>O LIDER: O líder moderno deve ser carismático, motivar colaboradores, saber ouvir e dar feedback, características fundamentais para quem está à frente de um grupo ou projecto. A Autoridade diz respeito ao individuo, ao seu carácter e influencia que estabelece sobre e com as pessoas.
    8. 8. Autocrática | Democrática |Liberal. Estilos de Liderança
    9. 9. <ul><li>Forte tensão, frustração e agressividade dos colaboradores; </li></ul><ul><li>Falta de espontaniedade e iniciativa, nem formação de grupos de amizade; </li></ul><ul><li>É necessário a presença do líder para a realização das tarefas. </li></ul>Liderança Autocrática O líder centraliza as decisões e impõe suas ordens ao grupo.
    10. 10. <ul><li>Formação de grupos de amizade e relacionamentos cordiais; </li></ul><ul><li>Líder e subordinados desenvolvem comunicações espontâneas, francas e cordiais; </li></ul><ul><li>O trabalho apresenta um ritmo suave e seguro, sem alterações mesmo quando o líder se ausenta; </li></ul><ul><li>Responsabilidade e comprometimento pessoal além de uma impressionante integração grupal dentro de um clima de satisfação . </li></ul>Liderança Democrática O líder conduz e orienta o grupo e incentiva a participação democrática das pessoas.
    11. 11. <ul><li>Produção medíocre; </li></ul><ul><li>As tarefas desenvolvem-se ao acaso, com muitas oscilações, perdendo-se tempo com discussões por motivos pessoais e não relacionados com o trabalho; </li></ul><ul><li>Forte individualismo agressivo e pouco respeito ao líder. </li></ul>Liderança Liberal O líder delega totalmente as decisões ao grupo e deixa-o completamente à vontade e sem controle algum.
    12. 12. PRINCIPAIS QUALIDADES DE UM LÍDER 6º Caráter (talento é um dom, caráter uma escolha) 5º Bom senso (pondere os erros alheios) 4º Empatia (se coloque no lugar dos outros) 3º Competência (Saiba fazer e mantenha-se atualizado) 2º Motivação (vontade de aprender cada vez mais ) 1º Iniciativa (não tenha medo de errar) LÍDER
    13. 13. <ul><li>1 Morosidade: </li></ul><ul><li>2 Dificuldade para construir relacionamentos </li></ul><ul><li>3 Falta de comprometimento com resultados </li></ul><ul><li>4 Pensar pequeno </li></ul><ul><li>5 Arrogância </li></ul>Morosidade: A morosidade está totalmente ligada à falta de preparo cultural do líder. E quando eu digo cultura, refiro-me à capacidade de buscar novas informações, de não contentar-se apenas com as informações locais e buscar novas fontes de informação. Quanto mais informações eu possuo, maior é a minha capacidade de tomada de decisão. Dificuldade para construir relacionamentos : o líder tem um papel fundamental na construção de locais agradáveis, nos quais as pessoas se sintam bem para produzir cada vez mais. “Ambientes saudáveis são propícios para a construção de relacionamentos saudáveis. E quando você tem um ambiente no qual as pessoas queiram estar, provavelmente é lá que elas se sentirão motivadas a permanecer e prosperar. Falta de comprometimento com resultados “O líder contemporâneo precisa de pensar em resultados, seja na sua actuação no campo, na liderança de sua equipa, enfim, o mundo corporativo terá sempre espaço para quem se quiser realizar e fazer acontecer. Naturalmente, descartará a passividade e o conformismo” Pensar pequeno A equipa é a cara do líder. Conscientes disso, as empresas querem líderes que pensem grande, que sonhem, que ousem, que inovem, que façam as pessoas sonharem. “Um líder com desejo de ir além constrói equipas que lutam por um propósito. Pensar grande é focar no presente, com o olhar para um propósito maior.” Arrogância Trata-se do primeiro passo para a queda profissional. “É insuportável conviver com pessoas arrogantes em qualquer cenário da vida, principalmente no mundo corporativo. A arrogância destrói a capacidade de aprendizagem do ser humano, pois cria barreiras muitas vezes intransponíveis, geradas pela crença de que tudo sei. É ai que mora o perigo!” 5 comportamentos intoleráveis no líder contemporâneo.
    14. 14. <ul><li>“ LÍDER, É AQUELE QUE TOMA A INICIATIVA.” </li></ul><ul><li>Diante desta afirmação, é possível afirmar que uma das principais características de um LÍDER é definitivamente a INICIATIVA, pois sem ela, ideias e projetos não avançam e um bom colaborador nunca poderá ser um LÍDER </li></ul>
    15. 15. <ul><li>Jesus… </li></ul>PERGUNTA: Então quem foi o líder Mais carismático de todos Os tempos???
    16. 16. <ul><ul><li>“ O líder é o melhor </li></ul></ul><ul><ul><li>Quando as pessoas mal sabem </li></ul></ul><ul><li>Que ele existe </li></ul><ul><li>O Melhor líder fala pouco </li></ul><ul><li>E quando conclui o seu trabalho </li></ul><ul><li>As pessoas de sua equipa dirão </li></ul><ul><li>Nós fizemos” </li></ul><ul><li>Lao Tzu </li></ul>
    17. 17. <ul><li>O PAPEL DAS CHEFIAS </li></ul><ul><li>“ Os escravos fazem o que os outros pedem, os servidores fazem o que os outros precisam” </li></ul>
    18. 18. <ul><li>TODA EMPRESA BEM SUCEDIDA </li></ul><ul><li>É UMA EMPRESA COM LIDERANÇA ORIENTADA. </li></ul>Mais ainda, diria que nunca a liderança foi tão necessária quanto hoje! Não há sucesso que prescinda de foco, orientação, acompanhamento, entusiasmo e, controle. 
    19. 19. Ficou bem claro que podemos fazer diferenciações entre o conceito de chefia e de liderança. Do ponto de vista conceitual a chefia é entendida como um posto de trabalho dentro da visão hierárquica das estruturas enquanto a liderança é percebida como uma característica pessoal que diferencia o profissional, seja qual for seu nível hierárquico. Nem todos os chefes são líderes E nem todos os líderes são chefes…
    20. 20. Não significa exigir que nossos funcionários em nível de chefias sejam super-homens. Talvez aqui esteja o cerne do problema, e da solução. Na realidade as nossas chefias não precisam ter características especiais. Terão sim, que ser responsáveis e conscientes de que não serão capazes de resolver tudo sozinhos. Isto seria um enorme passo. Mas não podemos deixar de constatar que na função das chefias dever-lhe-á estar implícita a actuação de liderança.
    21. 21. o que a nova chefia precisa é consciencializar-se de que sua função não é mais, apenas, fazer a hierarquia funcionar. Podemos manter o negócio a funcionar e, ainda assim, precisamos contestar o óbvio, incentivar a criação e possibilitar a inovação. Muitas vezes as empresas queixam-se de seus níveis de chefias, mas elas são frutos da gestão. É inevitável uma revisão das características de gestão para gerar mudanças e desenvolvimento dos níveis de chefias Exemplo é fundamental! Portanto se não quisermos enfrentar o desafio de mudarmos a nós mesmos, antes, não espere conseguir fazer isso com os outros.  Essa premissa permite-nos considerar uma outra característica importantíssima no novo perfil da chefia: a ética. E, conjuntamente com a ética o novo perfil exige uma postura a questionar o “status quo” que sempre conduz à acomodação da estrutura.
    22. 22. Portanto, o grande desafio está em: -Ser firme para não fugir à necessidade da decisão que transfere segurança para a equipa e, logo em seguida, ceder às posições da equipa e segui-la fielmente.  - Ser a bússola estratégica da equipa e, ao mesmo tempo, ter plena consciência de que somente fazendo-os serem poderosos é que alcançará sucesso. - Ser questionador e, acima de tudo, manter a ética e a integridade.  - Ser Rei e plebeu, comandante e soldado, professor e aluno, enfim, enorme desafio, que não exige estudo, inteligência superior ou qualquer outra vantagem diferencial.
    23. 23. Em contrapartida exige-se: 1- flexibilidade típica daqueles que sabem que precisam e querem aprender, nas mudanças e com as mudanças; 2- humildade característica das pessoas que reconhecem a necessidade da integração, da soma de esforços e dos conhecimentos descentralizados nas pessoas; 3- coragem daqueles que, por não terem tudo, terão que lutar, combater as adversidades e, se exporem e, precisamente por isso, agradecer às adversidades por aparecerem e permitir que possam fortalecer-se e continuar sua luta, sempre. E, acima disso, o interesse pelas pessoas. 
    24. 24. Não se iludam, a Gestão de Pessoas será o diferencial deste nosso novo século. Quem sabe deste nosso novo milénio! Mas, bons profissionais não aparecerão se não lhes for provido um ambiente que incentive essas características. Poderia dizer que muitas pessoas as possuem, mas não se sentem à vontade para experimenta-las dentro da empresa. Como a empresa poderá atrair profissionais íntegros e éticos se a empresa não transferir essa imagem para o mercado? Apenas as melhores empresas conseguirão atrair os melhores profissionais. Ou formar e desenvolver, internamente, seus melhores profissionais.
    25. 25. <ul><li>RESUMINDO </li></ul><ul><li>O caminho da empresa depende de todos: </li></ul><ul><li>A função da chefia é definir as metas e as estratégias, afim de atingir um objectivo determinado abrangência corporativa destinado pela administração </li></ul><ul><li>O apoio da administração é fundamental pois depende dela os meios e os fins. </li></ul><ul><li>Toda a organização deve ter consciência do NÓS que a empresa representa </li></ul>

    ×