A I G R E J A D E J E S U S C R I S T O D O S S A N T O S D O S Ú LT I M O S D I A S • AG O S T O D E 2 011Tradições de um...
A Coligação dos Santos, de Joshua Wallace JensenEm 1997, para comemorar o 150º aniversário da chegada dospioneiros em 27 d...
A Liahona, Agosto de 2011                                                                                                 ...
JOVENS ADULTOS                                JOVENS                                     CRIANÇAS                         ...
Mais na InternetAGOSTO DE 2011 VOL. 64 Nº 8A LIAHONA 09688 059Revista Oficial em Português de A Igreja deJesus Cristo dos ...
MENSAGEM DA PRIMEIR A PRESIDÊNCIA                                                                                         ...
ENSINAR USANDO ESTA MENSAGEM                                                       “ E   m um tipo de atividade didática, ...
JOVENS    Nossa Mãe Nos Resgatou    Patricia Auxier    Q    uando eu tinha seis anos de         idade, eu e minha irmãzi- ...
M E N S AG E M DA S P R O F E S S O R A S V I S I TA N T E S                                          Uma Sociedade de    ...
Coisas Pequenas e Simples    “É por meio de coisas pequenas e simples que as grandes     são realizadas” (Alma 37:6).     ...
Teste:                      1. Esta mulher foi batizada em 1834 e depois                         viajou 1.600 quilômetros ...
COISAS PEQUENAS E SIMPLES      Educação: Aumentar Nossa                                                   SOLICITAÇÃO DE  ...
SERVIR NA IGREJA                         PODE                         DAR-ME UMA                         BÊNÇÃO?          ...
FA L A MOS DE CRI S TO                                  Tomar Seu Nome                                  SOBRE MIM         ...
O QUE SIGNIFICA TOMAR                                                                                    SOBRE NÓS O NOME ...
NOSSA CRENÇA                                              Família    DEUS NOS ENVIA     À TERRA COMO   MEMBROS DE UMA   N ...
Frequentar as reuniões da Igreja                                                                                          ...
NOSSO L A R , NOSSA FA MÍLIA          UMA MUITAS      PIONEIRA GERAÇÕES          FIEL, ABENÇOADAS   Desde os primeiros dia...
Q        uando eu tinha quinze anos          Quando fiz dezessete anos, meu        nossa casa, e eles conversavam com     ...
C L Á SS I CO S D O E VA N G EL H O         ESTENDA                      Mão                                              ...
As histórias      No outro dia, terça-feira, 16   ajudá-los, edificá-los, alimen-       Irmãos, espero e oro que          ...
DOIS PIONEIROS   A DOIS SÉCULOS   DE DISTÂNCIA   C    Allison Ji-Jen Merrill           aro Ebenezer, você não           me...
Um menino escocês. Uma menina taiwanesa.Um século e meio os separam, mas a fé os une.minhas lágrimas também caíam.        ...
ILHAS DE FOGO E FÉ:                                                         Galápagos                                     ...
Acima: A baía e a cidade   melhor”, diz ele, “era como estar em casa”.      que André poderia usar para ajudar a reunir   ...
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
A Liahona agosto de 2011
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

A Liahona agosto de 2011

4,612 views
4,444 views

Published on

Revista A Liahona edição de agosto de 2011

Published in: Spiritual
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,612
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A Liahona agosto de 2011

  1. 1. A I G R E J A D E J E S U S C R I S T O D O S S A N T O S D O S Ú LT I M O S D I A S • AG O S T O D E 2 011Tradições de umaVida Equilibrada, p. 30Crescimento do Evangelho nasIlhas Galápagos, p. 22Jovens Fortalecem oTestemunho por Meio daMúsica, pp. 52, 54Refletir sobre o Plano de Deuspara Mim, p. 60
  2. 2. A Coligação dos Santos, de Joshua Wallace JensenEm 1997, para comemorar o 150º aniversário da chegada dospioneiros em 27 de julho de 1847, “pioneiros” da Igreja em nos-sos dias encenaram a jornada de Winter Quarters, Nebraska, atéo Vale do Lago Salgado. Esta imagem baseia-se nesse evento.O hino “Vinde, Ó Santos”, escrito por William Clayton em 1846,aplica-se a ambos os grupos de pioneiros: Vinde, ó Santos, sem medo ou temor; Mas alegres andai, Rude é o caminho ao triste viajor, Mas com fé caminhai. É bem melhor encorajar E o sofrimento amenizar; Podeis agora em paz cantar: Tudo bem! Tudo bem! (Hinos, nº 20)
  3. 3. A Liahona, Agosto de 2011 22MENSAGENS 30 A Tradição de uma Vida 18 Clássicos do Evangelho: 4 Mensagem da Primeira Equilibrada e Justa Élder L. Tom Perry “Estenda Sua Mão Amiga” Presidente Gordon B. Hinckley Presidência: Amor no Lar — Conselhos de Nosso Profeta Quatro chaves para alcançar o equilíbrio. 38 Vozes da Igreja Presidente Thomas S. Monson 74 Notícias da Igreja 7 Mensagem das Professoras SEÇÕES Visitantes: Uma Sociedade 79 Ideias para a Noite Familiar de Mulheres Santas 8 Coisas Pequenas e Simples 80 Até Voltarmos a NosARTIGOS 11 Servir na Igreja: Pode Dar-me Encontrar: A Parábola uma Bênção? da Bananeira20 Dois Pioneiros a Dois Séculos Jennifer Rose Maddy Anton T. Kumarasamy, conforme relatado a Linda J. Later de Distância Allison Ji-Jen Merrill 12 Falamos de Cristo: Tomar Seu Nome sobre Mim Um século e meio os separam, Jacob F. Frandsen NA CAPA mas a fé os une. Primeira capa: ilustração22 Ilhas de Fogo e Fé: 14 Nossa Crença: Deus Nos Envia fotográfica: Jerry Garns. Última capa: ilustração fotográfica: à Terra Como Membros de © iStockphoto Galápagos uma Família Joshua J. Perkey A Igreja está florescendo nestas 16 Nosso Lar, Nossa Família: ilhas extraordinárias. Uma Pioneira Fiel, Muitas Gerações Abençoadas Agosto de 2011 1
  4. 4. JOVENS ADULTOS JOVENS CRIANÇAS 42 62 48 42 Ele Me Pediu 46 Perguntas e Respostas 59 Testemunha Especial: Isso Mesmo? O que responder quando meus O que Posso Aprender Joelyn Hansen amigos dizem que nenhum com as Escrituras? Será que alguém jovem como homem pode ver Deus? Élder D. Todd Christofferson eu poderia cumprir esse chamado? 48 A Única Igreja 60 Reflexos Verdadeira e Viva Sheila Kindred Élder Dallin H. Oaks O que o futuro me reserva? O que significa dizer que nossa Igreja é a única Igreja 62 Nossa Página verdadeira? 64 Trazer a Primária para Casa: 52 Uma Música e uma Oração Meu Corpo É um Templo de Deus Adam C. Olson Vicki F. Matsumori Dillon sabia a quem recorrer ao precisar de ajuda para alcançar 66 Histórias de Jesus: Jesus uma nota aguda. Abençoa as Crianças Diane L. Mangum 54 Cantando em Cingapura Michelle Hsieh e Cerys Ong 68 Encontrar Pessoas Testemunhos e amizades se para Ensinar fortaleceram quando um grupo Ajude os missionários a marca- de jovens fez um musical em rem sua próxima lição. Cingapura. 69 Ideia Brilhante 57 Ser Pioneiros Modernos 70 Para as Criancinhas O Senhor não pede que atraves- semos planícies a pé, mas que atravessemos a rua para visitar um vizinho. 58 Pôster: Existe Saída! Veja se consegue encontrar a Liahona oculta nesta edição. Dica: diversão debaixo do sol.2 A Liahona
  5. 5. Mais na InternetAGOSTO DE 2011 VOL. 64 Nº 8A LIAHONA 09688 059Revista Oficial em Português de A Igreja deJesus Cristo dos Santos dos Últimos DiasA Primeira Presidência: Thomas S. Monson, Liahona.LDS.orgHenry B. Eyring e Dieter F. UchtdorfQuórum dos Doze Apóstolos: Boyd K. Packer,L. Tom Perry, Russell M. Nelson, Dallin H. Oaks, PARA OS ADULTOSM. Russell Ballard, Richard G. Scott, Robert D. Hales,Jeffrey R. Holland, David A. Bednar, Quentin L. Cook,D. Todd Christofferson e Neil L. Andersen A Igreja foi organizada recentementeEditor: Paul B. Pieper nas Ilhas Galápagos (ver página 22).Consultores: Kieth R. Edwards, Christoffel Golden Jr.,Per G. Malm Veja mais fotografias de membrosDiretor Administrativo: David L. FrischknechtDiretor Editorial: Vincent A. Vaughn da Igreja nas Ilhas Galápagos emDiretor Gráfico: Allan R. Loyborg www.liahona.LDS.org.Gerente Editorial: R. Val JohnsonGerentes Editoriais Assistentes: Jenifer L. Greenwood,Adam C. OlsonEditores Associados: Susan Barrett, Ryan CarrEquipe Editorial: Brittany Beattie, David A. Edwards,Matthew D. Flitton, LaRene Porter Gaunt, Larry Hiller,Carrie Kasten, Jennifer Maddy, Melissa Merrill, Michael R.Morris, Sally J. Odekirk, Joshua J. Perkey, Chad E. Phares, Jan PARA OS JOVENSPinborough, Janet Thomas, Paul VanDenBerghe,Melissa Zenteno Visite www.liahona.LDS.org paraDiretor Administrativo de Arte: J. Scott KnudsenDiretor de Arte: Scott Van Kampen ouvir Dillon cantar uma música daGerente de Produção: Jane Ann PetersDiagramadores Seniores: C. Kimball Bott, Thomas S. Child, trilha sonora do Velho Testamento emColleen Hinckley, Eric P. Johnsen, Scott M. MooyEquipe de Diagramação e Produção: Collette Nebeker tonganês (ver página 52).Aune, Howard G. Brown, Julie Burdett, Reginald J. Christensen,Kim Fenstermaker, Kathleen Howard, Denise Kirby, Ginny J.Nilson, Ty PilcherPré-Impressão: Jeff L. MartinDiretor de Impressão: Craig K. SedgwickDiretor de Distribuição: Evan LarsenA Liahona:Diretor Responsável: André Buono SilveiraProdução Gráfica: Eleonora Bahia PARA AS CRIANÇASEditor: Luiz Alberto A. Silva (Reg. 17.605)Tradução: Edson LopesAssinaturas: Marco A. Vizaco Sabia que há cerca de um milhão© 2011 Intellectual Reserve, Inc. Todos os direitos reservados. de crianças da Primária em todo oImpresso no Brasil.O texto e o material visual encontrado na revista A Liahona mundo? Conheça algumas delaspodem ser copiados para uso eventual, na Igreja ou no lar, nãopara uso comercial. O material visual não poderá ser copiado em www.liahona.LDS.org.se houver qualquer restrição indicada nos créditos constantesda obra. As perguntas sobre direitos autorais devem serencaminhadas para Intellectual Property Office, 50 EastNorth Temple Street, Salt Lake City, UT 84150, USA; e-mail:cor-intellectualproperty@LDSchurch.org.REGISTRO: Está assentado no cadastro da DIVISÃO DECENSURA DE DIVERSÕES PÚBLICAS, do D.P.F., sob nº 1151-P209/73, de acordo com as normas em vigor.“A Liahona”, © 1977 de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos EM SEU IDIOMAdos Últimos Dias, acha-se registrada sob o número 93 doLivro B, nº 1, de Matrículas e Oficinas Impressoras de Jornais A revista A Liahona e outros materiais da Igreja estãoe Periódicos, conforme o Decreto nº 4857, de 9-11-1930.Impressa no Brasil por Prol — Editora Gráfica — Avenida disponíveis em muitos idiomas em www.languages.LDS.org.Papaiz, 581 — Jardim das Nações — Diadema — CEP 09931-610 – SP.ASSINATURAS: A assinatura deverá ser feita pelo telefone TÓPICOS DESTA EDIÇÃO0800-130331 (ligação gratuita); pelo e-mail distribuicao@LDSchurch.org; pelo fax 0800-161441 (ligação gratuita); ou Os números representam a primeira página de cada artigo.correspondência para a Caixa Postal 26023, CEP 05599-970— São Paulo — SP. Arrependimento, 58 Jesus Cristo, 12, 66Preço da assinatura anual para o Brasil: R$ 6,30. Preço do Bênçãos do sacerdócio , 11 Música, 52, 54exemplar avulso em nossas lojas: R$ 0,90. Para o exterior:exemplar avulso: US$ 1.50; assinatura: US$ 10.00. As Caráter, 30 Obra missionária, 22, 68mudanças de endereço devem ser comunicadas indicando-se oendereço antigo e o novo. Chamados, 42 Oração, 38, 52NOTÍCIAS DO BRASIL: envie para Conhecimento, 30 Pai Celestial, 46NoticiasLocais@LDSchurch.org. Conversão, 16, 20, 22, 39 Palavra de Sabedoria, 30,Envie manuscritos e perguntas para: Liahona, Room2420, 50 East North Temple Street, Salt Lake City, UT Corpo físico, 64, 73 64, 7384150-0024, USA; ou mande e-mail para: Liahona@ Cura, 66 Pioneiros, 18, 57LDSchurch.org.A “Liahona”, termo do Livro de Mórmon que significa Dízimo, 70, 72 Resgate, 18, 80“bússola” ou “guia”, é publicada em albanês, alemão, Equilíbrio, 30 Sacerdócio, 48armênio, bislama, búlgaro, cambojano, cebuano, chinês,coreano, croata, dinamarquês, esloveno, espanhol, estoniano, Estudo das escrituras, 30, Sacramento, 12fijiano, finlandês, francês, grego, húngaro, holandês,indonésio, inglês, islandês, italiano, japonês, letão, lituano, 46, 59 Serviço, 18, 22, 40, 42malgaxe, marshallês, mongol, norueguês, polonês, português, Família, 4, 14 Sociedade de Socorro, 7quiribati, romeno, russo, samoano, sueco, tagalo, tailandês,taitiano, tcheco, tonganês, ucraniano, urdu e vietnamita. Finanças, 41 Testemunho, 46, 48(A periodicidade varia de um idioma para outro.) Herança, 60 Trabalho do templo, 22, 39 História da Igreja, 8, 16, 18 União, 22 Agosto de 2011 3
  6. 6. MENSAGEM DA PRIMEIR A PRESIDÊNCIA Presidente Thomas S. Monson AmorDE NOSSO PROFETA CONSELHOS no Lar Vida Familiar Abençoada “Depois de experimentar muitas coisas e vagar por Para vocês, pais, digo: expressem seu amor por seus regiões distantes, vemos o quanto tantas coisas no mundo filhos. Vocês sabem que os amam, mas certifiquem-se de são efêmeras e superficiais e ficamos ainda mais gratos que eles também saibam disso. Eles são extremamente pelo privilégio de fazer parte de algo com que podemos preciosos. Façam com que saibam disso. Peçam a ajuda contar: o lar, a família e a lealdade de nossos entes queri- de nosso Pai Celestial ao atenderem às necessidades dos. Aprendemos o que significam os laços do dever, do deles todos os dias e ao lidarem com os desafios que respeito e de pertencermos a um grupo. Aprendemos que todos os pais inevitavelmente enfrentam. Vocês precisam nada pode substituir plenamente o venturoso relaciona- de mais do que apenas a sua própria sabedoria para mento da vida em família.” 1 criá-los.” 3 Partilhar Nosso Amor Externar Nosso Amor “Elogiem os filhos e abracem-nos, externem seu amor “Vocês, que são pais e mães, expressem seu amor a com mais frequência, sempre expressem gratidão. Nunca seus filhos. Orem por eles, para que sejam capazes de permitam que um problema a ser resolvido se torne mais suportar os males do mundo. Orem para que a fé e o importante do que uma pessoa a ser amada. Os amigos testemunho deles cresçam. Orem para que procurem levar se mudam, os filhos crescem e os entes queridos morrem. uma vida cheia de virtude e serviço ao próximo. É muito fácil deixar de dar o devido valor às pessoas, Filhos, façam com que seus pais saibam que vocês os até o momento em que saem de nossa vida e ficamos amam. Façam com que saibam o quanto vocês valorizam com o sentimento de que as coisas poderiam ter sido o que eles fizeram e continuam a fazer por vocês.” 4 diferentes. (…) Desfrutemos a vida, achemos alegria na jornada e O Mais Importante partilhemos nosso amor com amigos e familiares. Um dia, “O mais importante quase sempre envolve as pessoas todos chegaremos ao fim da vida. Não adiemos o que é a nosso redor. Frequentemente, presumimos que elas mais importante.” 2 devem saber o quanto as amamos. Mas não devemos presumir, precisamos fazer com que saibam. William ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA: JOHN LUKE Demonstrar Nosso Amor Shakespeare escreveu: ‘Quem não demonstra seu amor, “Irmãos, tratemos nossa esposa com dignidade e não ama’. Jamais nos arrependeremos das palavras respeito. Elas são nossas companheiras eternas. Irmãs, bondosas proferidas ou do afeto demonstrado. Em vez honrem seu marido. Eles precisam ouvir palavras amáveis, disso, vamos arrepender-nos, se omitirmos tais coisas precisam de um sorriso amigo, precisam de gestos ternos em nosso relacionamento com aqueles que mais signifi- que demonstrem verdadeiro amor. (…) cam para nós.” 54 A Liahona
  7. 7. ENSINAR USANDO ESTA MENSAGEM “ E m um tipo de atividade didática, o profes- sor apresenta uma pergunta ou situação e dá tempo aos alunos para que sugiram soluções ou ideias livremente” (Ensino, Não Há Maior Chamado, 2009, p. 160). Ao ler este artigo com aAproximar-se do Céu família, peça-lhes que identifiquem conselhos ou “Que nossa família e nosso lar sejam repletos ideias que considerarem marcantes. Em seguida,de amor: amor uns aos outros, amor ao evange- os membros da família podem alistar livrementelho, amor ao próximo e amor ao Salvador. Com maneiras de aumentar o amor no lar. Se desejar,isso, nós, aqui na Terra, ficaremos um pouquinho peça à família que examine essas ideias numamais perto do céu. noite familiar próxima. Façamos de nossa casa um santuário para ondeos membros da nossa família sempre queiramretornar.” 6 NOTASOração pelas Famílias 1. “Um Santuário Protegido do Mundo”, Reunião Mundial de “Uma vez que a unidade familiar está sofrendo Treinamento de Liderança, 9 de fevereiro de 2008, p. 29. 2. “Joy in the Journey” (Conferência de Mulheres da Universidadeinúmeros ataques no mundo de hoje e muitas Brigham Young, 2 de maio de 2008), http://ce.byu.edu/cw/coisas consideradas sagradas há tanto tempo womensconference/archive/transcripts.cfm. Ver também “Alegria na Jornada”, A Liahona, novembro de 2008, p. 84.agora são alvo de deboche, pedimos-Te, Pai, que 3. “Altamente Abençoado”, A Liahona, maio de 2008, p. 111. 4. “Até Voltarmos a Nos Encontrar”, A Liahona, maio de 2009, p. 112.nos permitas estar à altura das dificuldades que 5. “Alegria na Jornada”, A Liahona, novembro de 2008, p. 84.enfrentamos, a fim de permanecermos firmes em 6. “Um Santuário Protegido do Mundo”, p. 29. 7. Oração dedicatória para o Templo de Gila Valley Arizona, 23 de maiodefesa da verdade e da retidão. Que nosso lar seja de 2010; em “The Gila Valley Arizona Temple: ‘Wilt Thou Hallow Thisum santuário de paz, amor e espiritualidade.” 7 ◼ House’”, Church News, 29 de maio de 2010, p. 5.
  8. 8. JOVENS Nossa Mãe Nos Resgatou Patricia Auxier Q uando eu tinha seis anos de idade, eu e minha irmãzi- juntinho de minha irmã sob um portal, tentando evitar a chuva Nunca senti mais segurança do que no mais segurança do que naquele momento. nha estávamos assistindo a uma e orando para que alguém fosse Quando penso na influência partida de basquete de nossa até onde estávamos. Depois, momento em dela sobre mim, vejo que a vida que nossa mãe irmã mais velha. Logo depois que recordo que ouvimos a porta de de minha mãe me orientou rumo nos abraçou. meu pai foi para casa, sentimos nosso furgão vermelho fechar-se ao Salvador e me mostrou o que vontade de ir com ele, por isso e saímos correndo rumo àquele significa “[socorrer] os fracos, corremos atrás dele na chuva. som. Foi então que ocorreu um [erguer] as mãos que pendem e Como não conseguimos achá-lo, dos fatos de minha infância que [fortalecer] os joelhos enfraqueci- voltamos ao estádio para pegar lembro com mais nitidez: nossa dos” (D&C 81:5). Ela confiava em carona com nossa mãe, mas mãe nos abraçando “como a Jesus Cristo, que lhe deu forças quando lá entramos todos já galinha ajunta seus pintos sob adicionais que ela fora “buscar tinham ido embora. as asas” (3 Néfi 10:4). Nossa mãe [Nele]” (“Sim, Eu Te Seguirei”, Lembro-me de ter ficado nos resgatara, e nunca senti Hinos, nº 134) CRIANÇAS Construir um Lar Feliz O Presidente Monson sugere maneiras para construirmos um lar feliz. Leia fazer, escreva-a nos espaços indicados. Depois de achar a primeira coisa, desenhe a 1. Paredes 2. Telhado o artigo procurando iden- parte da casa que está escrita tificar coisas que você e sua ao lado do espaço. Encontre 3. Porta família podem fazer para ter pelo menos cinco maneiras um lar feliz. de construir um lar feliz e 4. Janelas A cada vez que achar desenhe a casa inteira e sua uma coisa que você pode família nela. 5. Família6 A Liahona
  9. 9. M E N S AG E M DA S P R O F E S S O R A S V I S I TA N T E S Uma Sociedade de Estude este material e, conforme julgar conveniente, discuta-o com as irmãs que você visitar. Use as pergun- Mulheres Santas tas para ajudar no fortalecimento das irmãs e para fazer com que a Sociedade de Socorro seja parte ativa de sua própria vida. Fé • Família • Auxílio E liza R. Snow, segunda presidente geral da Socie- dade de Socorro, ensinou: “O Apóstolo Paulo falou no passado de mulheres santas. É dever de O que Posso Fazer? De Nossa História Ao falar para a Sociedade de Socorro Feminina de Nauvoo, o Profeta Joseph Smith cada uma de nós ser uma mulher santa. Teremos 1. Como estou ajudando as irmãs destacou a santidade, explicando que, ao metas elevadas se formos mulheres santas. Senti- sob minha res- tornarem-se puras e santas, as irmãs exerceriam remos que fomos chamadas para cumprir missões ponsabilidade a uma influência marcante no mundo. Explicou: importantes. Nenhuma de nós está isenta delas. cultivar e atingir “Mansidão, amor, pureza — essas são as coisas Nenhuma irmã está isolada nem tem uma área de “metas elevadas”? que devem magnificá-las. (…) Esta Sociedade atuação limitada a ponto de não poder contribuir 2. O que estou (…) terá o poder de comandar rainhas em seu em muito para o estabelecimento do reino de Deus fazendo para meio. (…) Os reis e as rainhas do mundo virão na Terra”. 1 tornar minha vida a Sião prestar-lhes homenagem”. As irmãs da Irmãs, não estamos isoladas nem temos uma “especial, virtuosa Sociedade de Socorro fiéis a seus convênios e santa”? área de atuação limitada. Ao aceitarmos o dom da inspiram respeito não só de pessoas nobres, atividade na Sociedade de Socorro, tornamo-nos mas “se viverem à altura de seus privilégios”, Acesse www.relief parte do que o Profeta Joseph Smith descreveu society.LDS.org para prometeu-lhes Joseph, “não se poderá impedir como uma sociedade “separada dos males do mais informações. que os anjos lhes façam companhia”.3 mundo — especial, virtuosa e santa”.2 Ao participarem do trabalho de servir e Esta sociedade ajuda-nos a fortalecer nossa fé salvar o próximo, as irmãs santificam-se pes- e a crescer espiritualmente dando-nos oportu- soalmente. Lucy Mack Smith, a mãe do Profeta, nidades de liderança, serviço e ensino. Ao ser- falou sobre o que a Sociedade de Socorro virmos, nossa vida ganha uma nova dimensão. poderia realizar de bom: “Devemos ter carinho Progredimos espiritualmente e nossa sensação entre nós, cuidar umas das outras, consolar-nos de pertencer a algo grandioso aumenta, bem mutuamente e adquirir conhecimento, a fim de como nossa consciência de quem somos e do estarmos juntas de novo no céu”. 4 valor individual que temos. Damo-nos conta de NOTAS que, em última análise, o propósito do plano do 1. Eliza R. Snow, “An Address”, Woman’s Exponent, evangelho é dar-nos a oportunidade de alcançar 15 de setembro de 1873, p. 62. 2. Joseph Smith, History of the Church [História da plenamente nosso potencial. Igreja], vol. 4, p. 570. A Sociedade de Socorro ajuda a preparar-nos 3. Joseph Smith, History of the Church [História da Igreja], vol. 4, pp. 605, 606. para receber as bênçãos do templo, honrar os con- 4. Lucy Mack Smith, Relief Society, Minute Book Mar. vênios que assumimos e envolver-nos na causa de 1842–Mar. 1844, página de 24 de março de 1842, Church History Library, pp. 18–19. Sião. A Sociedade de Socorro ajuda-nos a aumentar nossa fé e retidão pessoal, a fortalecer a família e a estender a mão para ajudar os necessitados. O trabalho da Sociedade de Socorro é sagrado, e ao realizarmos trabalho sagrado criamos santi- dade em nós. Silvia H. Allred, primeira conselheira na presidência geral da Sociedade de Socorro.ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA: CHRISTINA SMITH Das Escrituras Êxodo 19:5; Salmos 24:3–4; I Tessalonicenses 4:7; Tito 2:3–4; Doutrina e Convênios 38:24; 46:33; 82:14; 87:8; Moisés 7:18 Agosto de 2011 7
  10. 10. Coisas Pequenas e Simples “É por meio de coisas pequenas e simples que as grandes são realizadas” (Alma 37:6). HISTÓRIA DA IGREJA NO MUNDO À esquerda: Kim Ho Jik (à direita) com o Élder Harold B. Lee (ao centro), do Quórum dos Doze Apóstolos, que visitava a Coreia. Acima: O Templo de Seul Coreia, Coreia do Sul dedicado em 1985. A obra missionária na Coreia teve início durante a Guerra da Coreia no começo da década de Em 1962, foi criada a Missão Coreana, e o Livro de Mórmon foi publicado em coreano em 1967. A 1950, mas Kim Ho Jik, um dos pri- primeira estaca da Coreia do Sul meiros conversos coreanos, foi bati- — e também a primeira estaca da zado nos Estados Unidos. Kim estava Ásia continental — foi organizada cursando o doutorado quando se em Seul em 8 de março de 1973. filiou à Igreja na Pensilvânia em O Templo de Seul Coreia, o pri- FOTOGRAFIA DO TEMPLO DE SEUL COREIA: WILLIAM FLOYD HOLDMAN; FOTOGRAFIA DE MAPA © ISTOCK 1951. Dois de seus filhos estavam meiro templo da Ásia continental, NO ALTO, À ESQUERDA: FOTOGRAFIA GENTILMENTE CEDIDA PELO MUSEU DE HISTÓRIA DA IGREJA; entre as primeiras quatro pessoas a foi dedicado em 1985. serem batizadas na Coreia, em 3 de Em 2001, o Élder Dallin H. Oaks, agosto de 1952. O irmão Kim veio do Quórum dos Doze Apóstolos, a assumir um papel de destaque no ofereceu um exemplar de “A Famí- governo coreano e sua influência foi lia: Proclamação ao Mundo” ao importante para ajudar os missioná- primeiro-ministro da Coreia do Sul, rios a entrarem na Coreia do Sul. Lee Han-Dong. A IGREJA NA COREIA DO SUL Número de Membros 81.251 Missões 3 Estacas 17 Alas e ramos 142 Templos 18 A Liahona
  11. 11. Teste: 1. Esta mulher foi batizada em 1834 e depois viajou 1.600 quilômetros sozinha para unir-se aos membros da Igreja em Kirtland, Ohio, EUA. Pro- 6. Esta jovem estudou na Universidade de Utah e na Faculdade de Música de Cincinnati, onde aprendeu uma série de habilidades domés-A Esposa meteu à mãe que regressaria se descobrisse que ticas. Aprendeu a amar a literatura, o teatro ede um a Igreja era falsa, mas permaneceu com os santos dos últimos dias até o fim da vida. as artes em geral e tornou-se uma excelente musicista.Profeta 2. O futuro marido desta jovem tentou impres- sioná-la quando eram adolescentes preparando 7. Quando universitária, esta jovem fez o papel de Viola na peça Décima Segunda Noite,D o jardim dos pais dele para organizar uma festa de Shakespeare, e presidiu o comitê do baile e Emma Smith ao ar livre, de prestígio igual às dos rapazes mais formal do penúltimo ano, foi presidente do a Frances Mon- abastados do bairro. Clube Atlético das Moças e vice-presidente do son, a esposa do 3. Esta mulher adorava ler desde a infância e grêmio estudantil. Presidente da Igreja muitas vezes lia enquanto os outros achavam que 8. Esta mulher fazia discursos eloquentes na apoia o marido estava dormindo, arrumando camas ou treinando Primária, com excelente dicção e gestos enfáticos. como adjutora fiel. órgão. Tempos depois, seu marido disse o seguinte sobre A respeito dessas 4. Quando era uma menina de oito anos de um desses discursos: “Não sei que efeito [ele] e de outras mulhe- idade, foi ao bosque orar. Orou pelo pai, que não exerceu sobre mim, mas nunca o esqueci. Depois res fiéis, o Élder tinha uma fé firme em Cristo. Quando seu pai foi ela cresceu e se tornou uma linda jovem, e tive o Bruce R. McConkie à mata caçar, ouviu a oração dela. Isso lhe enter- bom senso de casar-me com ela”.3 (1915–1985), do neceu o coração, e ele se tornou mais fiel. NOTAS Quórum dos Doze 1. Bruce R. McConkie, Doctrinal New Testament 5. No primeiro encontro desta irmã com seu Apóstolos, disse: Commentary, 3 vols., 1966–1973, vol. 3, p. 302. futuro marido, o pai e a mãe dela deram um beijo 2. Ver Thomas S. Monson, “Altamente Abençoado”, “O Senhor nunca no rosto do rapaz. Quando ele olhou em volta, A Liahona, maio de 2008, p. 111. envia apóstolos e 3. Ver Jeffrey R. Holland, “Presidente Gordon B. Hinckley: em busca da jovem, ela disse apenas: “Vou pegar Mostrando Real Valor”, A Liahona, junho de 1995, profetas e homens meu casaco”.2 edição especial, p. 17. justos para ministrar a Seu povo sem pôr ao lado deles uma mulher de estatura espiritual seme- lhante”.1 Este teste vai ajudá-lo a apren- der alguns detalhes interessantes sobre a esposa fiel de oito profetas modernos. Emma Hale Smith Flora Amussen Benson Marjorie Pay Hinckley Phoebe W. Carter WoodruffRespostas na próximapágina. Lucy Woodruff Smith Frances Johnson Monson Camilla Eyring Kimball Emma Ray McKay Agosto de 2011 9
  12. 12. COISAS PEQUENAS E SIMPLES Educação: Aumentar Nossa SOLICITAÇÃO DE Capacidade de Servir HISTÓRIAS DE CRIANÇAS “ O Senhor e Sua Igreja sempre incentivaram a educação para aumentarmos A Liahona está em busca de histórias verídi- cas escritas por adultos e baseadas nas experiências pessoais de crianças do mundo nossa capacidade de servir a Ele inteiro. As histórias precisam basear-se em e aos filhos do Pai Celestial. Para acontecimentos reais; contudo, nomes, diálo- cada um de nós, sejam quais gos e outros detalhes podem ser modificados forem nossos talentos, Ele tem ou acrescentados para ajudar a completar a serviço para prestarmos. E para história. fazê-lo bem é sempre preciso As histórias devem mostrar crianças apren- aprendizado, não uma única dendo e aplicando princípios do evangelho em vez ou por tempo limitado, mas sua vida, principalmente quando o evangelho continuamente.” as ajuda a vencer tentações e conflitos da vida Presidente Henry B. Eyring, Primeiro Conselheiro na Primeira Presidência, real. As histórias devem revelar os pensamen- “Education for Real Life”, Ensign, tos e sentimentos da criança em questão. outubro de 2002, p. 17. Experiências de sua própria infância, expe- riências de seus filhos ou acontecimentos que Sugestões para RESPOSTAS você tenha presenciado na vida de crianças a sua volta são boas fontes de ideias para Aprender por DO TESTE histórias. Alguns assuntos possíveis são: fé, batismo, Toda a Vida ESPOSAS DOS PROFETAS honestidade, perdão, testemunho, noite fami- • Leia bons livros. 1. Phoebe W. Carter liar, obediência ao profeta, auxílio ao próximo, • Passe a dedicar-se a um Woodruff, casada com obediência a Jesus Cristo, ao Espírito Santo ou hobby que você sempre quis Wilford Woodruff qualquer um dos princípios de Meus Padrões experimentar. 2. Lucy Woodruff Smith, casada do Evangelho. • Participe de eventos culturais salutares. com George Albert Smith As contribuições devem vir acompanhadas • Estude a designação semanal 3. Camilla Eyring Kimball, do nome, do endereço, do telefone, do e-mail das aulas dominicais: o respec- casada com Spencer W. (se disponível), da ala ou do ramo e da estaca tivo discurso da conferência ou Kimball ou do distrito do autor. Mande as histórias por capítulo do manual Princípios 4. Emma Hale Smith, casada e-mail para liahona@LDSchurch.org ou pelo do Evangelho. • Visite museus e locais históricos. com Joseph Smith correio para: • Observe o mundo a sua volta: 5. Frances Johnson Monson, Stories for Children caminhe pelo bairro, contemple casada com Thomas S. Liahona, Rm. 2420 as estrelas, observe os animais Monson de sua região. 50 E. North Temple St. ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA: ROBERT CASEY 6. Emma Ray McKay, casada • Faça o trabalho de história da Salt Lake City, UT 84150-0024, USA família. com David O. McKay • Aprenda uma nova habilidade 7. Flora Amussen Benson, ou pratique um novo esporte. casada com Ezra Taft Benson • Visite a biblioteca para pesquisar 8. Marjorie Pay Hinckley, um assunto de seu interesse. casada com Gordon B. Para saber mais sobre este assunto, ver Hinckley Sempre Fiéis, 2004, “Educação”, pp. 63–64.10 A L i a h o n a
  13. 13. SERVIR NA IGREJA PODE DAR-ME UMA BÊNÇÃO? Jennifer Rose Maddy Revistas da Igreja DE ACORDO COM A FÉ “Somente portadores do Sacer- A dócio de Melquisedeque podem nevasca estava intensa esposa vira de casa o acidente, e ele dar bênçãos aos enfermos ou quando comecei a subir tinha ido ver se poderia ajudar. Segu- aflitos. Normalmente, dois ou lentamente o morro. Se eu rou-me a mão e garantiu que tudo mais portadores do sacerdócio ao menos conseguisse chegar ao terminaria bem. participam da bênção, mas cume, pensei, chegaria em casa em Tentei perguntar ao homem se um único portador do sacer- segurança. Mas ao tentar fazer uma ele era membro da Igreja, mas tudo dócio pode realizar tanto a curva, vi um carro perder o controle o que consegui sussurrar foi: “Pode unção quanto o selamento, se necessário. (…) e deslizar morro abaixo em minha dar-me uma bênção?” Os irmãos devem dar esse direção. Só tive tempo de gritar Ele disse que sim e em seguida tipo de bênção a pedido da antes do impacto e em seguida estendeu a mão pela janela quebrada pessoa enferma ou de outros desmaiei. e colocou as mãos sobre minha que estejam vitalmente envol- Quando tentei abrir os olhos, não cabeça. vidos para que a bênção seja tinha ideia de quanto tempo se pas- Não recordo o que ele disse. Mas dada de acordo com a fé dessas sara. A neve atingia meu rosto em me lembro de acreditar que ficaria pessoas.” cheio ao entrar por uma janela lateral bem, pois recebera uma bênção. Senti Manual 2: Administração da Igreja, 2010, cujo vidro se estilhaçara. Esforcei-me paz e consolo. 20.6.1. para recordar informações básicas, Quando a ambulância chegou, como qual era meu destino antes do não vi mais o homem. Algumas horas acidente. Sozinha e com medo, gritei depois, saí do hospital com uma morava a apenas alguns passos do devido à dor latejante que sentia nos costela quebrada e muitas contusões local da colisão — um acidente que ombros e no peito. Supliquei ao Pai e escoriações, mas nenhum ferimento poderia ter-me deixado num estado Celestial que meus ferimentos não grave. muito mais crítico. fossem muito graves e que eu me Naquela manhã eu tinha orado Eu não reconheceria o rosto recuperasse. para viajar em segurança e inicial- daquele homem se cruzasse com ele Alguns instantes depois, senti mente achei que o Pai Celestial não na rua. Não recordaria sua voz se o uma mão segurar a minha. Instinti- atendera a minha prece. Mas logo ouvisse cumprimentar-me. Mas souILUSTRAÇÃO: BRIAN CALL vamente a agarrei. Abri os olhos e vi percebi que Ele respondera e não me grata por aquele desconhecido que um homem de pé ao lado de meu abandonara à própria sorte. Minha estava digno e disposto a administrar carro acidentado, vestindo um casaco oração foi atendida por meio de um uma bênção do sacerdócio quando preto e um chapéu. Ele disse que sua portador do sacerdócio disposto que eu precisei. ◼ Agosto de 2011 11
  14. 14. FA L A MOS DE CRI S TO Tomar Seu Nome SOBRE MIM Jacob F. Frandsen “Não há qualquer outro nome pelo qual seja concedida a salvação; quisera, portanto, que tomásseis sobre vós o nome de Cristo” (Mosias 5:8). A PÔR O SENHOR EM lgumas semanas depois de em casa e, ainda mais importante, para PRIMEIRO LUGAR começar a missão, comecei a representar meu Salvador e Sua Igreja. Ao tomarmos o sacra- sentir solidão e saudades de Pus a plaqueta no bolso da camisa, bem mento, prometemos tomar casa. Eu adorava ser missionário, mas o em cima do coração. Ao fazê-lo, prometi sobre nós o nome do trabalho era muito mais difícil do que ao Salvador que Lhe reservaria um lugar Salvador (ver D&C 20:77). eu imaginara. Eu sentia falta dos amigos, maior em meu coração e em minha O Presidente Henry B. da família e de todas as coisas que eu mente. Eyring, Primeiro Conselheiro deixara em casa. Durante meu estudo Depois daquela manhã, não senti mais na Primeira Presidência, pessoal certa manhã, sentei-me em silên- falta de ouvir meu primeiro nome. A par- explica: “Isso quer dizer cio, girando minha plaqueta missionária tir de então, trabalhei e servi da melhor que devemos considerar- várias vezes nas mãos, pensando no forma possível, usando a plaqueta com EM MEMÓRIA DE MIM, DE WALTER RANE, CORTESIA DO MUSEU DE HISTÓRIA DA IGREJA nos Dele. Nós O poremos quanto eu ansiava por pessoas, situações orgulho todos os dias. Nos momentos em em primeiro lugar em nossa e ambientes conhecidos. Como eu queria que começava a sentir desânimo, olhava vida. Desejaremos o que Ele deseja, em vez do que ao menos ouvir alguém me chamar pelo a plaqueta e assim recordava minha desejamos ou do que o primeiro nome. responsabilidade de seguir o exemplo de mundo nos ensina a dese- Ao olhar minha plaqueta, dei-me Jesus Cristo. jar” (“Ser Um”, A Liahona, conta de que, embora nela não estivesse Empenhei-me para tomar Seu nome setembro de 2008, p. 2). escrito meu primeiro nome, trazia meu sobre mim de modo mais pleno e tor- sobrenome, o nome da Igreja e o nome nar-me mais semelhante a Ele. Ao fazê-lo, do Salvador. Subitamente reconheci algo senti mais amor por meus companheiros que mudou tanto minha visão quanto e pelas pessoas a quem servia, meu teste- minha atitude. Percebi que, como missio- munho se fortaleceu e achei alegria na nário, não estava ali para representar a obra missionária. Comecei a esquecer-me mim mesmo. Na verdade, estava servindo de mim mesmo e a voltar toda atenção para representar minha família que ficara para o serviço do Senhor.12 A L i a h o n a
  15. 15. O QUE SIGNIFICA TOMAR SOBRE NÓS O NOME DE JESUS CRISTO? O Élder Dallin H. Oaks, do Quó- rum dos Doze Apóstolos, ajuda a responder a essa pergunta em Já faz vários anos que voltei da mis- O Salvador instituiu o seu discurso de conferência geralsão, mas ainda hoje tenho a oportuni- sacramento com Seus após- “Tomar sobre Nós o Nome dedade de tomar sobre mim o nome do tolos. Partiu o pão e deu- Cristo” (Ensign, maio de 1985,Salvador. De fato, como membros da lhes, dizendo: “Isto é o meu p. 80).Igreja, todos nós nos comprometemos corpo, que por vós é dado;a tomar sobre nós o nome de Cristo a fazei isto em memória de 1. Ao tomarmos o sacramento,cada Dia do Senhor ao participarmos do mim. Semelhantemente, podemos renovar de livre esacramento. Naquele momento, prome- tomou o cálice, depois da espontânea vontade o convê-temos representar o Salvador da melhor ceia, dizendo: Este cálice é nio que assumimos no batismomaneira possível e esforçar-nos para nos o novo testamento no meu — de recordar o Senhor etornarmos como Ele é. Como ensinou sangue, que é derramado guardar Seus mandamentos.o rei Benjamim: “Quisera, portanto, que por vós” (Lucas 22:19–20). 2. Podemos proclamar aos outrostomásseis sobre vós o nome de Cristo. nossa crença Nele (ver D&C(…) Aquele que fizer isto se encontrará 18:21).à mão direita de Deus, porque saberá o 3. Podemos servi-Lo fazendonome pelo qual é chamado; porque será a obra de Seu reino (verchamado pelo nome de Cristo” (Mosias Hebreus 6:10).5:8–9). Ao tomar Seu nome sobre nós,todos podemos achar mais propósito e Se desejar, preste seu testemu-alegria em nossa missão terrena. ◼ nho de Deus, o Pai, e de Seu Filho, Jesus Cristo, na noite fami-Envie seu relato de experiências espirituais liar, na reunião de testemunhosrelacionadas ao ministério e à missão do Salvador. ou para alguém de outra religião.Limite seu texto a 500 palavras e envie-o com otítulo We Talk of Christ para liahona@LDSchurch.org. Agosto de 2011 13
  16. 16. NOSSA CRENÇA Família DEUS NOS ENVIA À TERRA COMO MEMBROS DE UMA N osso Pai Celestial tem um aumentam a confiança e o amor “O casamento entre plano para nós, e o fato de mútuos. As famílias bem-sucedidas homem e mulher foi ter-nos enviado à Terra como dão mostras de esperança e persis- ordenado por Deus. (…) membros de uma família faz parte tência ao apoiar cada integrante em A família é essencial desse plano. Adão e Eva constituí- suas necessidades individuais e ao ao plano do Criador ram a primeira família da Terra; o ajudar uns aos outros a trabalhar em para o destino eterno Pai Celestial uniu-os no casamento conjunto e com amor. Sua meta é tor- de Seus filhos” (“A e ordenou que tivessem filhos (ver narem-se uma unidade familiar alegre Família: Proclamação Gênesis 1:28). Deus deseja que Seus e eterna. ◼ ao Mundo”, A Liahona, filhos espirituais recebam um corpo Para mais informações, ver Princípios novembro de 2010, físico. Quando os pais trazem filhos ao do Evangelho, 2009, p. 215; e M. Russell última contracapa). mundo, estão ajudando o Pai Celestial Ballard, “O Mais Importante É o que É Duradouro”, A Liahona, novembro de a levar adiante Seu plano de salva- 2005, p. 41. ção. Eles recebem com alegria cada recém-nascido na família como filho de Deus. O Pai Celestial sabia que, na con- dição de membros de uma família, todos nós teríamos a oportunidade de ser amados e de receber cuida- dos durante nossa passagem pela Terra. As famílias empenham-se juntas para aprender autodo- mínio, sacrifício, lealdade e o valor do trabalho. Também se esforçam para aprender a amar, a partilhar e a servir uns aos outros (ver Mosias 4:14–15). Os filhos aprendem a demonstrar amor pelos pais, a ser obedientes e a viver o tipo de vida que honrará o nome de sua família. Ao incentivarem e elogiarem uns aos outros, os membros da família14 A L i a h o n a
  17. 17. Frequentar as reuniões da Igreja todos os domingos (ver D&C 59:9–10). Estas são algumas atividades que nos ajudarão a ter uma família feliz e bem-sucedida: Fazer a oração familiar todas as manhãs e todas Orar junto com o as noites (ver 3 Néfi cônjuge. 18:21).ILUSTRAÇÕES FOTOGRÁFICAS: DAVID STOKER, CRAIG DIMOND, JOHN LUKE,MATTHEW REIER, ROBERT CASEY E FRANK HELMRICH Ensinar o evangelho aos Estudar as escrituras Aprender a ser bondosos, Fazer coisas juntos em filhos nas noites familiares regularmente em família. pacientes e caridosos (ver família, como jantar, semanais. Morôni 7:45–48). trabalhar, fazer passeios e participar da tomada de decisões. Agosto de 2011 15
  18. 18. NOSSO L A R , NOSSA FA MÍLIA UMA MUITAS PIONEIRA GERAÇÕES FIEL, ABENÇOADAS Desde os primeiros dias da Igreja, muitos membros foram perseguidos e ridicularizados devido a suas crenças. Uma jovem que sofreu perseguições assim foi Sara Elvira Eriksen. Ela nasceu em Drammen, Noruega, em 1895. Depois de adquirir um testemunho, passou a dedicar-se ao evange- lho — uma dedicação que teve efeitos de alcance maior do que ela poderia ter imaginado em vida. Devido a sua coragem e fé, sua posteridade agora conta com as bênçãos do evangelho em sua vida. Assim como Sara, pode ser que enfrentemos na vida obstá- culos que exijam que defenda- mos nosso testemunho de Jesus Cristo e Sua Igreja restaurada. Nossa escolha de defender nos- sas crenças com firmeza pode influenciar a vida de outras FOTOGRAFIA GENTILMENTE CEDIDA POR JANET BYLUND. pessoas, tal como no caso de Sara. Esta é sua história.16 A L i a h o n a
  19. 19. Q uando eu tinha quinze anos Quando fiz dezessete anos, meu nossa casa, e eles conversavam com de idade, eu e meu pai fomos pai me perguntou o que queria meu pai, mas parecia não adiantar dar um passeio num domingo ganhar de aniversário. Respondi que nada.à noite. De repente, meu pai parou e era sua aprovação para o batismo. Certo dia, meu pai me perguntou:sugeriu que fôssemos à Igreja Mór- Ele esmurrou a mesa e gritou: “Você ora de vez em quando?” Res-mon. Fiquei surpresa, mas por curio- “Jamais!” pondi que orava todos os dias parasidade fui com ele. O coro estava A essa altura meus pais tinham que os olhos dele se abrissem paracantando um hino lindo. Eu nunca entrado para uma igreja diferente. a veracidade do evangelho. Ele res-ouvira algo tão tocante. Meu pai enviou o ministro daquela pondeu que era tudo do diabo, mas Depois do hino, um missionário denominação e outras pessoas para depois propôs: “Vamos orar juntos”.se levantou e fez um discurso sobre conversarem comigo, mas eu tinha Respondi: “Tudo bem, você oraa Trindade. Ao fim da reunião, con- um testemunho firme do evange- para seu Deus, eu oro para meuversou com meu pai e comigo por lho. Meu pai disse que eu era uma Deus, e vamos ver qual respondealguns minutos. desonra para a família, e fui expulsa primeiro”. E assim fizemos. Só voltei à capela um ano depois, de casa. Fiquei na casa de uma irmã Pouco depois disso, comecei aquando fui aprender inglês com os da Sociedade de Socorro por cerca notar que ele estava lendo os folhe-missionários. Quando a aula de inglês de uma semana. Nesse período, o tos e o Livro de Mórmon. Ele foi àterminou, a conversa acabou por coração de meu pai se enterneceu, e igreja comigo várias vezes, mas nuncatomar rumos religiosos. Os missioná- ele permitiu minha volta para casa. falava a respeito nem parecia haverrios me ensinaram sobre o evangelho No decorrer dos meses seguintes, mudança alguma em suas crenças.e como orar ao Pai Celestial em nome meu pai percebeu que nada poderia Ainda assim, eram raros os dias emde Jesus Cristo. Falaram-me da Res- tirar o testemunho que eu tinha do que não conversávamos sobre dife-tauração do evangelho por meio do evangelho, assim deu seu consen- rentes princípios do evangelho.Profeta Joseph Smith, do surgimento timento para meu batismo. Minha Certo dia, três anos depois disso,do Livro de Mórmon e de muitos alegria e felicidade eram tão grandes ele me contou que estava indo a Oslooutros princípios do evangelho. que deixaram uma profunda impres- e queria que eu o acompanhasse. Apesar de tudo aquilo ser muito são em meu pai. Ele até foi comigo a Quando chegamos à estação, um dosnovo para mim, era como se já tivesse Oslo [capital da Noruega] para assistir missionários locais estava lá. Pergun-ouvido antes. Estudei as escrituras ao batismo. tei-lhe aonde ia.com real intenção e orei com since- Nesse tempo todo, minha mãe O élder disse: “Não está sabendo?ridade para receber luz e entendi- não falou muito, mas percebi que ela Vou batizar seu pai”.mento, o que de fato aconteceu. acreditava na veracidade do evange- Ri e chorei! Um mês depois, minha Meu pai notou uma mudança em lho. Eu passava muitas horas conver- mãe e meu irmão mais novo tam-mim. Mas quando percebeu que eu sando com ela sobre o evangelho. bém foram batizados. Minha irmã eestava começando a levar a Igreja a Contudo, as dificuldades em casa o marido dela entraram para a Igrejasério, zangou-se e proibiu-me de ir não tinham acabado. Meu pai se pouco tempo depois, bem como trêsà Igreja. Mas continuei a ir mesmo recusava a me ouvir. Eu colocava de meus irmãos. ◼assim. Muitas vezes ele mandava meu folhetos em sua mesa de cabeceira, A posteridade fiel de Sara Elvira Eriksen na Igreja hoje se conta às centenas. Esse relato de sua histó-irmão me buscar no meio das reu- pois ele sempre lia muito à noite. Eu ria pessoal foi enviado por seus filhos, Rose Ander-niões da Igreja. convidava muito os missionários para son, Betty Farley, Aksel Tanner e Janet Bylund. Agosto de 2011 17
  20. 20. C L Á SS I CO S D O E VA N G EL H O ESTENDA Mão longo do caminho de Scottsbluff até o Vale SUA do Lago Salgado. A maioria deles puxava carrinhos de mão. Vinham acompanhados de dois grupos de carroções que tinham sido Amiga designados para auxiliá-los. Eles tinham che- gado ao local da última travessia do rio North Platte. Restava-lhes um trajeto ascendente até a Divisória Continental e depois disso muitís- simos quilômetros ainda. (…) Na manhã seguinte [o Presidente Young] foi ao velho Tabernáculo situado na [Praça do Templo]. Disse ao povo: “Muitos de nossos irmãos estão atraves- Gordon B. Hinckley foi designado décimo sando as planícies com carrinhos de mão e quinto Presidente da Igreja em 12 de março talvez muitos estejam agora a mais de mil de 1995. Foi pioneiro na construção de quilômetros daqui. Eles precisam ser trazidos templos pequenos e anunciou 79 novos tem- para cá, temos de mandar-lhes ajuda. (…) plos durante sua presidência. O Presidente Esta é minha religião, estes são os dita- Hinckley também é lembrado por ter viajado mes do Espírito Santo para mim. Temos que para visitar os membros da Igreja em mais salvar as pessoas. de 60 países. O artigo abaixo foi extraído de Vou convocar os bispos hoje. Não vou um discurso que ele proferiu na conferência esperar amanhã nem depois de amanhã Presidente geral em 6 de outubro de 1996. O discurso para enviar 60 parelhas de boas mulas e Gordon B. Hinckley completo está em conference.LDS.org. doze ou quinze carroções. Não vou mandar T (1910−2008) bois. Prefiro bons cavalos e jumentos. Eles odos nós precisamos que nos lem- estão neste território e precisamos deles. brem do passado. É com a história Também doze toneladas de farinha e qua- que adquirimos conhecimentos que renta bons homens, além dos que dirigem podem impedir-nos de repetir erros pas- as parelhas. sados e sobre os quais podemos edificar o Digo-lhes que nossa fé, religião e profissão futuro. (…) de fé não vão salvar uma alma sequer den- Voltemos à conferência geral de outu- tre nós no reino celestial de nosso Deus, a bro de 1856. No sábado dessa conferência, menos que coloquemos em prática os princí- Franklin D. Richards e um pequeno grupo pios que agora lhes ensino. Vão e tragam as de irmãos chegou ao [Vale do Lago Salgado]. pessoas que se encontram nas planícies.” 1 Tinham saído de Winter Quarters com ani- Naquela tarde, grandes quantidades de mais fortes e carroções leves e conseguido alimentos, cobertores e roupas foram arreca- fazer a viagem num tempo bom. O irmão dadas pelas irmãs. Richards procurou imediatamente o Presi- Na manhã seguinte, os cavalos receberam dente Young. Relatou que havia centenas de ferraduras e os carroções foram consertados homens, mulheres e crianças espalhados ao e carregados.18 A L i a h o n a
  21. 21. As histórias No outro dia, terça-feira, 16 ajudá-los, edificá-los, alimen- Irmãos, espero e oro que de resgate parelhas de jumentos empreen- tá-los se estiverem famintos todos nós (…) assumamos a tocam na deram viagem e rumaram para e nutrir-lhes o espírito caso resolução de buscar os que o leste. Antes do fim de outu- tenham sede de verdade e precisam de ajuda, que estão própria bro, 250 parelhas foram para a retidão. em circunstâncias desesperado- essência do estrada prestar auxílio. Há muitos jovens que vagam ras e difíceis e os edifiquemos evangelho Sermões maravilhosos já sem rumo e seguem o caminho em espírito de amor, de volta ao de Jesus foram pregados neste púlpito, trágico das drogas, das gangues, convívio da Igreja, onde mãos Cristo. irmãos. Mas nenhum foi mais da imoralidade e de todos os fortes e corações amorosos os eloquente do que o proferido males que acompanham tais aquecerão, consolarão, apoiarão pelo Presidente Young naquelas coisas. Há viúvas que anseiam e os porão no caminho de uma circunstâncias. por vozes amigas e pelo espírito vida feliz e produtiva. (…) As histórias do resgate de preocupação zelosa que é Deixo com vocês, amados daqueles irmãos precisam ser prova de amor. Há alguns que amigos, companheiros nesta repetidas incansavelmente. antes eram firmes na fé, mas causa maravilhosa, meu testemu- Nelas reside a própria essên- deixaram-na esfriar. Muitos nho da veracidade desta obra, aDESPONTAR DA ESPERANÇA, DE A. D. SHAW cia do evangelho de Jesus deles gostariam de voltar, mas obra do Todo-Poderoso, a obra Cristo. (…) não sabem muito bem como. do Redentor da humanidade. ◼ Há alguns em nosso pró- Eles precisam da ajuda de mãos A pontuação e a ortografia foram prio meio que estão chorando amigas. Com um pouco de atualizadas. de dor, sofrimento, solidão e esforço, muitos deles podem ser NOTA 1. Brigham Young, citado em LeRoy R. medo. Temos o dever grandioso levados de volta ao banquete, à Hafen e Ann W. Hafen, Handcarts to e solene de estender a mão e mesa do Senhor. Zion, 1960, pp. 120–121. Agosto de 2011 19
  22. 22. DOIS PIONEIROS A DOIS SÉCULOS DE DISTÂNCIA C Allison Ji-Jen Merrill aro Ebenezer, você não meses depois, ele divorciou-se de deles, saí correndo de casa, tomada sabe quem sou, nunca nos minha mãe e casou-se de novo. pelo medo, e me escondi nos arro- conhecemos. Quando meu pai deu aos missio- zais, solitária, deprimida e sem espe- Em 17 de novembro de 1830, você nários a triste notícia da desintegração rança. Eu queria fugir, mas não tinha nasceu em Dunblane, Perthshire, de nossa família, pediu também que para onde ir. FOTOGRAFIA DA AUTORA: DEREK ISRAELSON; FOTOGRAFIA DE EBENEZER BRYCE: CORTESIA DA SOCIEDADE HISTÓRICA DO ESTADO DE UTAH; FOTOGRAFIA DO BRYCE CANYON © RUBBERBALL PRODUCTIONS Escócia, filho de Andrew Bryce e não voltassem. De repente me lembrei do que os Janet Adams Bryce. Deram-lhe o élderes tinham dito em sua última nome de Ebenezer. visita. “Amanhã cedinho volto a pro- Cento e quarenta e três anos curar meus amigos!” eu disse a mim depois, nasci em Hualien, Taiwan. mesma, sentindo paz interior pela Recebi o nome de Ji-Jen Hung. primeira vez em muitos anos. Você começou a trabalhar na Na manhã seguinte, peguei a construção de barcos aos dez anos bicicleta e fui bem cedo à capela no de idade. Tempos depois, tornou-se centro da cidade, mas os élderes que aprendiz e desempenhou seu ofício tinham visitado minha família uns com muito talento. dois anos antes já tinham voltado Aos quatro anos, comecei a para casa. Justo quando eu estava memorizar a tabuada e os símbolos prestes a desistir, duas jovens simpá- fonéticos chineses. Não foi fácil, mas ticas com as conhecidas plaquetas consegui. pretas na roupa se aproximaram de No primeiro semestre de 1848, mim e se apresentaram. você se interessou pela Igreja de Caro Ebenezer, apesar da oposição Jesus Cristo dos Santos dos Últimos de seu pai, você se batizou em abril Dias, embora seu pai, sua família e Os missionários deixaram um de 1848, o único converso de sua seus amigos não tenham sentido o Livro de Mórmon com o endereço da família. mesmo entusiasmo. Eles fizeram todo capela mais próxima anotado na con- Um mês depois de conhecer as o possível para persuadi-lo a aban- tracapa e disseram: “Sempre seremos missionárias, fui batizada, em novem- donar a Igreja. Seu pai até trancava seus amigos. Se houver algo que pos- bro de 1988, a primeira pessoa con- suas roupas para impedi-lo de assistir samos fazer por sua família, venham a vertida de minha família. às reuniões. Mas sua fé era inaba- este endereço e estaremos lá”. Mas meu pai e minha madrasta lável. Apesar da perseguição, você Foi difícil despedir-me dos missio- impunham obstáculos a minha fre- perseverou. nários naquela noite, pois eu sentira quência à Igreja. Em 4 de dezembro de 1986, dois algo precioso na mensagem deles. Certo dia, ao voltar de uma ati- missionários americanos da Igreja de A nova esposa de meu pai veio vidade das Moças, meu pai chegou Jesus Cristo dos Santos dos Últimos morar conosco. Ela e meu pai torna- bufando, insultou-me, pegou minhas Dias bateram à porta da casa de meu ram-se cruéis, a vida ficou difícil e escrituras e rasgou-as em mil peda- pai. Embora meu pai permitisse visi- tornei-me uma adolescente cética. ços. Pedaços de papel branco paira- tas regulares dos missionários, nunca Certa noite, por não conseguir ram e vagaram pelo ar até chegarem se interessou pela mensagem. Alguns mais suportar o horrível tratamento lenta e graciosamente ao solo, onde20 A L i a h o n a
  23. 23. Um menino escocês. Uma menina taiwanesa.Um século e meio os separam, mas a fé os une.minhas lágrimas também caíam. venceu. Seus conhecimentos de carpintaria Era como um pesadelo do qual era impos- e de construção de moinhos e barcos foramsível acordar. imediatamente aproveitados. Você foi cha- Quando fiz 21 anos, manifestei o forte mado para construir uma capela em Pine Val-desejo de servir como missionária de tempo ley, Utah. Embora nunca tivesse construídointegral. A reação de meu pai foi me deser- uma capela antes, você não pensou duasdar. Na véspera do ano-novo chinês, quando vezes para aceitar o chamado. Hoje essa é aa maioria das pessoas vai mais antiga capela SUDpara casa a fim de estar ainda em uso.com os entes queridos, Tempos depois, vocêfui expulsa de casa. descobriu o majestoso Caro Ebenezer, anfiteatro natural quequando a perseguição de hoje leva seu nome,seus familiares e amigos Parque Nacional Brycese tornou insuportável, Canyon.você decidiu emigrar da Em 4 de junho deEscócia para a América 1994, apresentei-me napara unir-se aos santos Missão Taiwan Tai-dos últimos dias e atra- chung como missionáriavessar as planícies rumo de tempo integral. Pusa Utah. Seu pai ficou uma plaquetinha pretafurioso. Ele mandou você na roupa, assim comoficar, mas você era um rapaz determinado. os élderes que tinham visitado minha famíliaO dia de seu embarque foi a última vez anos antes. Foi uma enorme alegria. Senti-meque você o viu. honrada e abençoada. A vida como imigrante de dezessete anos Depois da missão, emigrei para Utah,não foi fácil para você, Ebenezer, mas você onde conheci meu marido. Casamo-nos no templo para esta vida e por toda a eterni-Ebenezer Bryce ajudou a construir a capela de Pine dade. Por meio da linhagem de meu marido,Valley (abaixo), concluída em 1868. Também descobriu odesfiladeiro que hoje leva seu nome, Parque Nacional Bryce agora estou ligada a você.Canyon (à direita), no sul de Utah. Caro Ebenezer, você não me conhece. Nunca nos conhecemos. Mas ouvi histórias a seu respeito. Seus pés nunca pararam de viajar. Suas mãos nunca pararam de trabalhar. Seu coração nunca parou de acreditar. Você nunca parou de servir. Depois de todos esses anos, seu exemplo de fidelidade ainda me edifica. Obrigada, querido Ebenezer. Obrigada! ◼
  24. 24. ILHAS DE FOGO E FÉ: Galápagos Joshua J. Perkey Revistas da Igreja M uito além da extensão fragmen- Há muito mais nas Ilhas Galápagos do que tada de rochas magmáticas negras rochas magmáticas, tentilhões, tartarugas e ergue-se o enorme pilar de um penedo, um baluarte contra as investidas turismo. É um epicentro de fé, onde o serviço da água salgada do oceano. Olhando de e o sacrifício resultaram em extraordinária perto, percebe-se que as bordas irregulares unidade e força de convicção. na verdade são as cabeças de uma dúzia de iguanas marinhas, amontoadas como dra- gões à espera da energia fornecida pelo calor do sol matinal. Algumas iguanas estendidas ficam sozinhas em pontos isolados perto da base do rochedo, com suas garras enormes, Como Começou a Reunião afiadas como facas e quase tão longas quanto dos Santos dedos femininos, segurando a rocha com Certa manhã, bem cedo, força de leão. durante uma estada em Quito, Mas a maioria se reúne em grupos em Equador, o guia turístico e natura- busca de calor e segurança: instintivamente, lista André Degel estava fazendo a união dos corpos cobertos de couro serve uma caminhada quando passou de proteção mútua contra o frio e a escuri- perto de uma capela da Igreja. dão, ajudando em suas necessidades comuns. O ano era 1997 e, embora ele Aqui, nas Galápagos, ilhas nascidas do fogo, fosse membro da Igreja, estavaFOTOGRAFIAS: JOSHUA J. PERKEY, EXCETO QUANDO INDICADO. a vida assume um significado precioso. É inativo havia vários anos, desde uma terra onde a ciência e a fé se entrela- que se mudara para as Ilhas çam, onde conseguimos compreender que Galápagos. André lembrou-se dos todos fazemos parte de uma humanidade sentimentos cálidos que desfru- Página anterior: as Ilhas de Santa comum. E aqui, os membros da Igreja, como tara na Igreja e fazia questão de Cruz (à esquerda) e Baltra (à direita) aquelas iguanas marinhas, entendem que se sempre passar perto da capela nas Ilhas Galápagos. Acima: Iguanas fortalecem com a observância estrita de seus em seus passeios durante suas marinhas agarradas a uma rocha na convênios ao forjarem um caminho conjunto visitas ao Equador. Ele não costu- baía Tortuga, em Santa Cruz. rumo ao Senhor por meio da fé, do serviço e mava entrar. Apenas queria estar do sacrifício. perto do edifício. “Eu me sentia Agosto de 2011 23
  25. 25. Acima: A baía e a cidade melhor”, diz ele, “era como estar em casa”. que André poderia usar para ajudar a reunir de Puerto Ayora, em Naquele dia, a reunião sacramental estava os santos. Uma breve olhada na lista deixou apenas começando. Depois de alguns ins- André surpreso. NO ALTO, À ESQUERDA: FOTOGRAFIA CEDIDA POR CORTESIA DE FLOYD E SUSAN BAUM Santa Cruz. Abaixo, a partir da esquerda: tantes de hesitação, André decidiu entrar. Foi “Vi conhecidos na lista, mas não sabia que Sandra e André Degel uma decisão que viria a alterar o destino de eram membros da Igreja”, explica. com a sobrinha Clau- centenas de pessoas. Ao mesmo tempo, outros membros que dine; Mariana Becerra; Após a reunião, os missionários e os mem- moravam em Santa Cruz sentiram-se impeli- a família Palacios; bros foram cumprimentar André. Ele recorda dos a estabelecer a Igreja lá. Todos tinham se Oswaldo e Rosario aquelas conversas com carinho, principal- mudado para as Ilhas Galápagos em busca Villón. mente a surpresa — e o entusiasmo — que de trabalho. Agora estavam procurando uns eles demonstraram ao saberem que ele vinha aos outros. das Ilhas Galápagos. Naquela época, a Igreja não estava for- O Chamado de Reunir os Santos malmente organizada no arquipélago. Na A vida de Mariana Becerra era difícil antes verdade, os líderes do sacerdócio no Equador do estabelecimento da Igreja nas ilhas. Ela nem sequer sabiam que havia membros lá. tinha entrado para a Igreja apenas poucos Os missionários não perderam tempo. anos antes de ir para as Galápagos em 1990. Apresentaram André ao presidente da Missão Quito Equador e anotaram o endereço dele. Pouco tempo depois, André vol- tou para casa, em Puerto Ayora, a maior cidade das Galápagos, na Ilha de Santa Cruz. Logo a missão lhe enviou duas caixas de materiais da Igreja, inclusive manuais de estudo. Mas talvez o mais importante de tudo tenha sido o fato de o presi- dente da missão conseguir uma lista de membros que viviam nas ilhas,24 A L i a h o n a

×