Your SlideShare is downloading. ×
0
estrutura-activa-populao-portuguesa-ss-presentation
estrutura-activa-populao-portuguesa-ss-presentation
estrutura-activa-populao-portuguesa-ss-presentation
estrutura-activa-populao-portuguesa-ss-presentation
estrutura-activa-populao-portuguesa-ss-presentation
estrutura-activa-populao-portuguesa-ss-presentation
estrutura-activa-populao-portuguesa-ss-presentation
estrutura-activa-populao-portuguesa-ss-presentation
estrutura-activa-populao-portuguesa-ss-presentation
estrutura-activa-populao-portuguesa-ss-presentation
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

estrutura-activa-populao-portuguesa-ss-presentation

25,838

Published on

Published in: Education
2 Comments
23 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
25,838
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
2
Likes
23
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A estrutura activa e a estrutura do emprego Carlos Gomes
  • 2. Conceitos População activa – conjunto de indivíduos, com um mínimo de 15 anos de idade, que exercem uma profissão remunerada, incluindo os desempregados (à procura de emprego) e os que se encontram a cumprir o serviço militar. População inactiva – conjunto de indivíduos, de qualquer idade, que não podem ser considerados economicamente activos. Taxa de actividade – % da população activa face à população total. Taxa de desemprego – % da desempregados face à população activa.
  • 3. Factores que influenciam a população activa e a taxa de actividade
    • Estrutura etária
    • Trabalho feminino
    • Escolaridade obrigatória e idade da reforma
    • Emigração / Imigração
  • 4. Evolução da taxa de actividade
  • 5. Evolução da taxa de actividade
    • Após a quebra motivada pela emigração dos anos 50 e 60, a taxa de actividade tem vindo a aumentar devido :
    • na década de 70, a um saldo migratório positivo , pela chegada dos portugueses das ex-colónias;
    • A partir daí, à crescente emancipação da mulher no mundo do trabalho;
    • mais recentemente, ao crescimento da imigração .
    População activa por sexos, 1970 e 2006
  • 6. Sectores de actividade
    • Sector Primário : actividades ligadas à exploração do solo: agricultura, sivicultura, pecuária, pesca, caça e exploração mineira (esta última aparece, em vários estudos, englobada no sector secundário);
    • Sector Secundário : actividades que implicam a transformação: indústria, construção civil e obras públicas, produção de energia (água, electricidade ou gás);
    • Sector terciário : actividades ligadas à prestação de serviços: comércio, saúde, transportes, ensino, administração pública, seguros, banca, etc.
  • 7. Evolução da população activa por sectores
  • 8. Evolução da população activa por sectores
    • O sector primário sofreu uma grande redução no emprego devido ao êxodo rural, à crescente mecanização e modernização agrícolas e ao desenvolvimento dos outros dois sectores.
    • O sector secundário tende a empregar cada vez menos população devido ao desenvolvimento tecnológico das indústrias e à deslocalização , para outros países, dos ramos mais intensivos em mão-de-obra.
    • O sector terciário foi o que mais cresceu e, actualmente, emprega mais de metade da população activa. Esta evolução acompanha a tendência de terciarização da economia , iniciada mais cedo nos países da UE, e explica-se pelo aparecimento de novos serviços , pelo desenvolvimento do comércio , turismo e lazer e pela expansão dos serviços financeiros e dos serviços de educação , saúde e apoio social .
  • 9. Contrastes regionais
    • o sector primário tem maior relevância na região do Alentejo;
    • o secundário emprega mais população no Norte, onde as indústrias ainda são intensivas em mão-de-obra;
    • o terciário é o mais importante em todo o País, gerando mais de metade do emprego em todas as regiões, salientando-se o Algarve, Lisboa e as Regiões Autónomas.
    • No Algarve e na Madeira, a importância das actividades turísticas explica o grande peso do sector terciário. Em Lisboa deve-se ainda à modernização da indústria e ao desenvolvimento dos serviços. Noutras regiões, são os serviços administrativos e sociais que justificam a importância deste sector.
  • 10. Exercícios Caderno de Actividades – exercício 1 da Ficha de Trabalho nº 9, página 14.

×