Your SlideShare is downloading. ×
Pos Asco Tgu Novartis 2006
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Pos Asco Tgu Novartis 2006

1,268

Published on

review of 2006 ASCO presentations in urologic cancer

review of 2006 ASCO presentations in urologic cancer

Published in: Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,268
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • BMD, bone mineral density; GnRH, gonadotropin-releasing hormone
  • Alk phos, alkaline phosphatase; BMD, bone mineral density; GnRH, gonadotropin-releasing hormone
  • PSA, prostate specific antigen
  • PSA, prostate specific antigen Androgen Deprivation Therapy consisted of cyproterone acetate 200 mg/day for 2 wks, then monthly depot injections of the luteinizing hormone-releasing hormone analogue decapeptyl + cyproterone acetate 200 mg/day.
  • PSA, prostate specific antigen
  • HR, hazard ratio; PSA, prostate specific antigen
  • BHD , Birt Hogg Dube; FH, fumarate hydratase; VHL, von Hippel-Lindau
  • Agree this is better. Also, I think the log–rank p values should be included here, since they represents survival comparisons over the entire study period, not just median survival. I would like Steve’s opinion on this.
  • Transcript

    • 1. PÓS ASCO 2006 Trato Genitourinário Carlos Frederico Pinto Oncologista Clínico Hospital Regional do Vale do Paraíba e Instituto de Oncologia do Vale
    • 2. Câncer de Próstata na ASCO 2006:
      • Zometa
        • Dose anual para osteopenia em bloqueio androgênico
      • Terapia hormonal
        • Privação androgênica intermitente
      • Prognóstico
        • Nomograma
        • Duplicação do PSA
      • Quimioterapia
        • Quimioterapia intermitente
        • 2ª linha após docetaxel
      • Novas terapias
    • 3. TGU Não Próstata na ASCO 2006:
      • Câncer de Células Renais
        • Nova era no tratamento
          • 2 LBA: plenária de domingo Sunitinib e Temsirolimus
          • Vários estudos com novos agentes - Sorafenib
      • Câncer de Bexiga
        • Nenhum estudo significativo ...
      • Câncer de Testículo
        • Papel do TAMO na abordagem inicial para Alto Risco
        • Controvérsias de Tratamento e Seguimento no Estágio I
        • Estudos de toxicidade a longo termo
    • 4. CÂNCER DE PRÓSTATA
    • 5. Annual zoledronic acid to prevent gonadotropin-releasing hormone agonist-induced bone loss in men with prostate cancer: a randomized placebo-controlled trial. Abstract No: 4515. Authors: Michaelson MD, Lee H, Kaufman DS, Kantoff PW, Finkelstein J, Smith MR.
    • 6. Zoledronato anual Abs# 4515
      • Randomizado, duplo cego, placebo, 40 pacientes
      • Background:
      • Homens usando agonistas GnRH tem um risco aumentado de fratura por perda da mineralidade óssea
      • Dose anual de zoledronato aumenta significativamente a DMO após 12 meses em mulheres na pós menopausa e com osteoporose
        • Eficácia não determinada em homens com hipogonadismo
        • Uso frequente de zoledronato aumenta risco de insuficiência renal e osteonecrose da mandíbula
    • 7. Zoledronato anual Abs# 4515 Michaelson MD, et al. ASCO 2006. Abstract 4515. Homens com câncer de próstata não metastático em uso de agonista GnRH (N = 40) Zoledronato 4 mg IV , dose única Placebo Avaliação da densidade Óssea após 12 meses
    • 8. Zoledronato anual Abs# 4515
      • Zoledronato preservou e aumentou a densidade óssea em homens usando agonista GnRH
      • Marcadores de turnover ósseo reduziram significativamente em 12 meses no braço de zoledronato
        • P = .01 para N-telopeptide
        • P = .003 para fosfatase alcalina óssea
      1.0 Mudança na mineralização em 12 meses (%) +4.0 -3.0 +0.5 -2.0 Coluna lombar Bacia Zoledronato Placebo 4.0 2.0 0 1.0 3.0 5.0 2.0 4.0 5.0 3.0 P < .001 P = .04 Michaelson MD, et al. ASCO 2006. Abstract 4515.
    • 9. Zoledronato anual x trimestral
      • MR Smith et al: J Urology 169:2008-12, 2003.
        • Zoledronato trimestral para pacientes M0, 106 pacientes, braço placebo
        • > BMD 7,8% coluna em relação ao controle
      • CW Ryan et al: J Urology 176:972-8, 2006 (sept).
        • Zoledronato trimestral para pacientes M0, 120 pacientes, braço placebo
        • >BMD 6,7% coluna; 3,8% femur e 3,6% bacia em relação ao controle
    • 10. Phase III intermittent MAB vs continuous MAB Abstract No: 4513 Authors: Calais Da Silva FM, Calais Da Silva F, Bono A, et al.
    • 11. Privação Androgênica Intermitente vs Contínua Calais Da Silva FM, et al. ASCO 2006. Abstract 4513. Homens com doença localmente avançada ou metastatica, PSA > 4 ng/mL (N = 626) Privação Androgenica de indução * Privação Androgenica Contínua * (n = 312) Privação Androgenica intermitente * Tratmento reiniciado quando PSA ≥ 10 ng/mL com sintomas, PSA ≥ 20 ng/mL sem sintomas ou PSA ≥ 20% do valor de nadir (n = 314) 14 sem Se PSA < 4 ng/mL ou 80% abaixo do basal *Ciproterona 200 mg/dia por 2 sem, depois injeções mensais de inibidor LH-RH + ciproterona 200 mg/dia.
    • 12. Privação Androgênica Intermitente vs Contínua
      • Tempo Mediano fora de tratamento para pacientes com PSA < 2 ng/mL (n = 197) após indução: 74 semanas
      • Tempo mediano fora de tratamento após o tratamento de re-indução: 70 semanas
      • Valores de PSA e tempo fora de tratamento:
        • PSA 0-2 ng/mL: 82%
        • PSA 2-4 ng/mL: 60%
        • PSA 4-10 ng/mL: 40%
        • PSA 10-20 ng/mL: 8%
        • PSA > 20 ng/mL: 0%
    • 13. Privação Androgênica Intermitente vs Contínua
      • Privação intermitente é opção viável para homens com câncer de próstata localmente avançado/metastático
        • Menos efeitos colaterais comparados ao tratamento contínuo
        • Pacientes com PSA mais baixo permaneceram mais tempo fora de tratamento
      Calais Da Silva FM, et al. ASCO 2006. Abstract 4513. .02 7 2 Queixas cutâneas .06 12 7 Cefaleia .02 19 12 Ginecomastia < .01 30 20 Onda de calor (≥ 1 episodio) P Terapia contínua, % (n = 312) Terapia intermitente, % (n = 314) Toxicidade
    • 14. Privação Androgênica Intermitente vs Contínua: conclusão
      • Mediana fora do tratamento de 52 semanas
        • Resultando em menos efeitos colaterais e melhor qualidade de vida
        • Sem aumento significativo no risco de progressão ou morte
      • Pacientes com terapia intermitente com PSA normalizado após terapia de indução/reindução passaram 82% do tempo do estudo fora de tratamento
    • 15. Absolute PSA value after androgen deprivation (AD) is a strong predictor of survival in new metastatic (D2) prostate cancer (PCa): data from the Southwest Oncology Group Trial 9346 (INT-0162). Abstract No: 4517 Authors: Hussain M, Tangen CM, Schellhammer PF, et al.
    • 16. SWOG 9346: Privação Androgênica Intermitente vs Contínua Hussain M, et al. ASCO 2006. Abstract 4517. Homens com diagnóstico de cancer de próstata metastático em início de tratamento, PSA ≥ 5 ng/mL (N = 1395) Terapia de Privação Androgênica Por 7 meses Continue terapia de privação androgênica Terapia androgênica intermitente Se PSA ≤ 4 ng/mL Mes 8
    • 17. SWOG 9346: Privação Androgênica Intermitente vs Contínua
      • Pacientes com valores mais baixos de PSA tiveram sobrevida significativamente mais longa ( P < .0001)
      • Fatores que estiveram independentemente relacionados a redução do risco de morte (multivariada)
        • PSA pré-estudo com redução de 50 unidades HR: 0.99 (0.99-1.00); P = .005
        • PSA 0.2-4.0 ng/mL no mes 6 e 7; HR: 0.30 (0.24-0.38); P < .0001
        • PSA ≤ 0.2 ng/mL no mes 6 e 7; HR: 0.17 (0.13-0.21); P < .0001
      Hussain M, et al. ASCO 2006. Abstract 4517. Sobrevida mediana (Meses) 75 13 40 20 10 30 50 44 > 4.0 PSA (ng/mL) 0.2-4.0 ≤ 0.2 0 70 60 80
    • 18. Public health impact of PSA doubling time after radical prostatectomy on prostate cancer specific and overall survival. Abstract No: 4568 Authors: Freedland SJ, Humphreys EB, Mangold LA, Eisenberger M, George DJ, Partin AW .
    • 19. Sobrevida e duplicação do PSA #4568
      • Estudo retrospectivo
      • 379 pacientes recidivados após prostatectomia radical com tempo de duplicação do PSA disponível
      • FUP mediano após recidiva bioquímica: 7 anos
      • 75% das mortes relacionadas ao câncer de próstata
      • Objetivo: Definir risco de mortalidade por outras causas e determinar a correlação da mortalidade específica por câncer de próstata com a mortalidade por todas as causas
    • 20. Sobrevida e duplicação do PSA
        • Homens com tempo de duplicação do PSA entre 3 e 8,9 meses têm o maior risco de morrer por câncer de próstata
        • Os esforços na redução da mortalidade devem focar a população com tempo de duplicação intermediário do PSA para maior impacto na Saúde Pública
      100 (88-100) 23 < 3 meses 92 (79-98) 119 3,0 a 8,9 meses 36 (12-68) 158 >= 15 meses 90 (57-98) 79 9,0 a 14,9 meses Tempo de duplicação do PSA 75 (58-87) 379 Total % Mortalidade por Câncer de Próstata [CI] N pacientes Fator
    • 21. Predicting the outcome of salvage radiotherapy for recurrent prostate cancer after radical prostatectomy. Abstract No: 4514 Authors: Stephenson AJ, Pollack A, Kattan MW, Scardino PT, Post-Prostatectomy Radiotherapy Consortium .
    • 22. Nomograma radioterapia de salvamento #4514
      • 25% dos pacientes elevam o PSA após prostatectomia radical, indicativo de recidiva
        • A sobrevida mediana livre de metástases após a ressecção é de 3 anos, a radioterapia de resgate é o único tratamento potencialmente curativo e é dependente de fatores de risco
        • O estudo desenvolveu um nomograma multiparamétrico preditivo para resposta ao tratamento radioterápico nesses pacientes
    • 23. Nomograma radioterapia de salvamento #4514
      • N = 1540
      • Endpoint primario: progressão de doença após RT salvamento definida como:
        • PSA ≥ 0.2 ng/mL acima do nadir, seguido de novo incremento ou introdução de nova terapia
      • Endpoint secundário: resposta completa do PSA (≤ 0.10 ng/mL)
      • Multivariable Cox proportional hazards regression analysis
    • 24. Nomograma radioterapia de salvamento #4514
      • Follow up mediano 53 meses em 1540 pacientes com rediciva bioquimica entre 1987 e 2005
        • Todos com PSA ≥ 0.2ng/mL, seguidos de um incremento adicional após PR.
        • Pacientes submetidos a terapia antiandrogênica adjuvante foram excluídos.
        • Todos submetidos a radioterapia de salvamento ( dose mediana 64.8Gy )
    • 25. Nomograma radioterapia de salvamento #4514
      • Características préoperatorias
        • PSA mediano: 10.5 ng/mL
        • Gleason score
          • 4-6: 26%
          • 7: 52%
          • 8-10: 22%
        • Extensão Extracapsular : 65%
        • Margens positivas: 51%
        • Invasão Ves. Seminal: 24%
        • Linfonodos Positivos: 3%
        • Duplicação do PSA : 6.9 m
        • SLD mediana: 15 m (5.1-34.0)
      • Características pré RT
        • PSA elevado persistente: 29%
        • PSA mediano: 1.1 ng/mL (0.6-2.2)
        • HT adjuvante: 14%
        • Tipo de radioterapia
          • Convencional: 46%
          • Conformacional: 37%
          • IMRT: 4%
        • RT linfonodos pélvicos: 20%
    • 26. Nomograma radioterapia de salvamento #4514
    • 27.  
    • 28. Nomograma radioterapia de salvamento #4514
      • Necessita validação
      • Esse é o 17º nomograma desenvolvido para avaliação de risco em câncer de próstata
    • 29. Phase I/II trial of the prostate-specific membrane antigen (PSMA)-targeted immunoconjugate MLN2704 in patients (pts) with progressive metastatic castration resistant prostate cancer (CRPC). Abstract no. 4500. Authors: Milowsky MI, Galsky M, George DJ, et al.
    • 30. MLN2704 em doença hormoniorresistente
      • Estudo Multicêntrico fase I/II, 62 pacientes:
        • 12/62 com redução do PSA
        • 6/62 com redução > 50% do PSA
      • MLN2704 demonstrou atividade dose-dependente contra doença progressiva resistente à castração
        • Dose de 330 mg/m2 a cada 2 semanas é segura e “ eficaz ”
      • Neuropatia periférica é o efeito colateral dose limitante
      • O resultado suporta a utilidade do (PSMA)
    • 31. Preliminary results of a randomized placebo-controlled double-blind trial of weekly docetaxel combined with imatinib in men with metastatic androgen-independent prostate cancer (AIPC) and bone metastases (BM). Abstract No: 4562. Authors: Mathew P, Thall PF, Johnson MM, et al.
    • 32. Docetaxel e Imatinib em Próstata
      • Endpoint primário: tempo para progressão
      • Endpoint secundário
        • Bioquimico (redução ≥ 50% do PSA por 4 semanas)
        • Resposta objetiva
        • Toxicidade
        • Qualidade de vida
        • Expressão do PDGFR ativado
      • Follow-up mediano: 17.7 meses (95% [CI]: 12.2-21)
      • Sem significativa diferença de resultado entre os dois grupos
      • Imatinib não influencia a atividade do docetaxel
    • 33. Clinical outcome of taxane-resistant (TR) hormone refractory prostate cancer (HRPC) patients (pts) treated with subsequent chemotherapy (ixabepilone (lx) or mitoxantrone/prednisone (MP). Abstract No: 4558 Authors: Lin AM, Rosenberg JE, Weinberg VK, et al.
    • 34. Ixabepilone X mitoxantrona/pdn abs# 4558 Homens cancer de próstata resistente a hormonio e refratário a taxano (N = 82) Mitoxantrona 14mg/m2 IV 21 d (n=41) PDN 5mg 2x dia Ixabepilona 35mg/m2 IV 21d (n=41) Mitoxantrona 14mg/m2 IV 21 d (n=16) PDN 5mg 2x dia Ixabepilona 35mg/m2 IV 21d (n=29)
    • 35. Ixabepilone X mitoxantrona/pdn abs# 4558
      • Redução ≥ 50% do PSA:
        • 2ª linha: Mitoxantrona 20%, Ixabepilona 17%
        • 3ª linha: Mitoxantrona 31%, Ixabepilona 12%
      • Tempo médio para progressão ~ 2 meses em tratamento de 2ª linha para pacientes resistentes aos taxanos
      • Sobrevida mediana global: 12.5-13.0 meses
      • Toxicidade associada a ambos tratamento primariamente hematológica, com alta incidência de neutropenia
    • 36. Ixabepilone X mitoxantrona/pdn abs# 4558
    • 37. Ixabepilone X mitoxantrona/pdn abs# 4558
    • 38. Intermittent chemotherapy in metastatic androgen-independent prostate cancer (AIPC): Initial results from ASCENT. Abstract No: 4518 Authors: T. M. Beer, C. W. Ryan, P. M. Venner, D. P. Petrylak, G. Chatta, et al.
    • 39. Quimioterapia intermitente #4518
      • Desenho 2 braços:
        • Docetaxel+DN-101 versus Docetaxel+placebo
        • 250 pacientes 1:1
      • Paciente pode optar por suspender quimioterapia se houver redução confirmada > 50% PSA e PSA < 4 ng/ml.
      • PSA monitorado cada 4 semanas e CT cada 8 semanas para doença mensurável no intervalo.
      • Reinício do tratamento com elevação do PSA > 50% e > 2 ng/ml ou para qualquer outra evidência de progressão de doença
    • 40. Quimioterapia intermitente #4518
    • 41. Quimioterapia intermitente #4518
      • Resposta do PSA: DN-101: 63%, Placebo 52% (p = 0.07).
      • Resposta Global: 18% (DN-101: 20%, Placebo: 16%) para os pacientes em intermitência.
      • Duração mediana do primeiro intervalo de tratamento: 16 semanas (4-74+) (DN-101: 15 sm, Placebo: 16 sm).
      • Após reinício do tratamento 50% dos pacientes responderam com redução do PSA > 50%, 35% mantiveram-se estáveis por pelo menos 12 semanas e 15% progrediram em tratamento.
      • Resultado clinicamente significativo para um grupo limitado de pacientes que sob retratamento, 85% volta a responder ou estabilizar o PSA.
    • 42. Mensagem para casa – Câncer de Próstata
      • Zoledronato 1x/ano – previne osteoporose (?)
      • Nova ferramenta para avaliação da radioterapia de resgate: Nomograma do MSKCC (n=1540)
      • Valor preditivo da redução do PSA
      • Hormonioterapia intermitente – sem impacto na sobrevida, ganho de qualidade de vida
      • Quimioterapia intermitente CPAI – factível
      • Docetaxel 3 sem: ganho de sobrevida e qualidade de vida. Docetaxel semanal: sem ganho de sobrevida e cautela com qualidade de vida
      • 2a. Linha quimioterapia: sobrevida mediana 13 meses
    • 43. CÂNCER DE CÉLULAS RENAIS
    • 44. Terapias atuais em CCR avançado 1 JCO 2006;24:16-24; 2 ASCO 2005; Abs 4508; 3 JCO 1999;17:2039-2043; 4 JCO 2004;22:454-463; 5 JCO 2002;20:289-296; 6 JCO 2005;23:133-141; 7 ASCO 2005; Abs 4510 40% 3%** 169* 335 Motzer et al 1,2* Escudier et al 7 Sunitinib Trial 1,2* Sorafenib TARGET (PFS 24x12m)** 11% 23% 463 255 Motzer et al 5 McDermott et al 6 Interferon-alfa Interleucina-2 Alta Dose 113 251 N Terapia Convencional 1ª Linha 3% 4% Escudier et al 3 Motzer et al 4 Citoquinas Vários (dados históricos) Terapia de 2ª Linha Convencional TKIs 2ª Linha (aprovados FDA) Taxa de Resposta (%) Referência
    • 45. Phase III randomized trial of sunitinib malate (SU11248) versus interferon-alfa (IFN-α) as first-line systemic therapy for patients with metastatic renal cell carcinoma (mRCC) Abstract No: LBA3 Author(s): R. J. Motzer, T. E. Hutson, P. Tomczak, M. D. Michaelson, R. M. Bukowski, O. Rixe, S. Oudard, S. T. Kim, C. M. Baum, R. A. Figlin
    • 46. SU11248 vs IFN 1ª linha #LBA03
      • Randomizado, aberto, multicêntrico
      • Endpoints: sobrevida livre de progressão, sobrevida global e taxa de resposta.
      • Doença mensurável RECIST, condições clinicas adequadas.
      • Carcinoma de células claras metastático
      1:1 random DHL < ou > 1,5x ECOG PS 0 vs 1 Nefrectomia N=696 SU11248 50mg VO 4on /2 off 375 pcts IFN-a Estratifica até 9MUI 3xsem 375 pcts RANDOMIZA
    • 47. Tumores Malignos do Rim, Frequência e Oncogenes Lineham WM, et al. J Urol. 2003;170:2163-2172. BHD 5% Oncocitoma BHD 5% Cromofobo FH 10% Papilar tipo 2 Met 5% Papilar tipo 1 Oncogenes Frequência Relativa Tipo VHL 75% Carcinoma Células Claras
    • 48. SU11248 vs IFN 1ª linha #LBA03
      • Melhor resposta RECIST (Rev. Central):
        • Sunitinib IFN
        • Pcts dça mensurável 335 337
        • Resposta Objetiva* 31% 6%
        • Doença Estável 48% 49%
        • Progressão/não avaliável 21% 45%
        • *Sunitinib vs INF: p<0.000001
    • 49. Progression-Free Survival No. at Risk Sunitinib: 235 90 32 2 No. at Risk IFN-  : 152 42 18 0 (Independent Central Review) 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Time (Months) 0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9 1.0 Progression Free Survival Probability Sunitinib Median: 11 months (95% CI: 10 – 12) IFN-  Median: 5 months (95% CI: 4 – 6) Hazard Ratio = 0.415 (95% CI: 0.320–0.539) P <0.000001
    • 50. Overall Survival No. at Risk Sunitinib: 341 190 84 15 1 No. at Risk IFN-  : 296 162 66 10 0 *The observed p-value did not meet the pre-specified level of significance for this interim analysis 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 Time (Months) 0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9 1.0 Overall Survival Probability Sunitinib (n=375) Median not reached IFN-  (N=375) Median not reached Hazard Ratio = 0.65 (95% CI: 0.449 – 0.942) P = 0.0219*
    • 51. Progression-Free Survival by MSKCC Risk Status* (Independent Central Review) MSKCC Risk Factors: 0 (Favorable) MSKCC risk factors: 1-2 (Intermediate) *Motzer et al. JCO 2002;20:289-296; Excludes 17 pts from IFN-  with missing data 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Time (Months) 0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9 1.0 Progression Free Survival Probability Sunitinib (n=143) Median not been reached IFN-  (n=121) Median: 8 months (95% CI: 7 – NA) Hazard Ratio = 0.371 (95% CI: 0.214 – 0.643) 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Time (Months) 0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9 1.0 Progression Free Survival Probability Sunitinib (n=209) Median: 11 months (95% CI: 11 – 11) IFN-  (n=212) Median: 4 months (95% CI: 3 – 4) Hazard Ratio = 0.388 (95% CI: 0.281 – 0.537)
    • 52. Treatment-Related Adverse Events * Greater frequency, P <0.05 11/<1 * 51 7 51 Fatigue 0 13 5 * 53 Diarrhea 0 29 1 6 Chills <1 2 1 25 Stomatitis <1 16 <1 5 Myalgia 1 3 2 10 Ejection fraction decline <1 1 8 * 24 Hypertension 0 1 5 * 20 Hand-foot syndrome <1 8 0 1 Flu-like symptoms 0 34 1 7 Pyrexia Grade 3/4 Grade 3/4 IFN-  (%) 1 33 All grade 3 44 All grade Sunitinib (%) Nausea Event
    • 53. SU11248 vs IFN 1ª linha #LBA03
      • Conclusão dos autores: Sunitinib é a nova referência para tratamento standard 1ª linha em CCR metastático
      • Terapia dirigida a mecanismos tumorais específicos foi validada pelo estudo
    • 54. A phase 3, randomized, 3-arm study of temsirolimus (TEMSR) or interferon-alpha (IFN) or the combination of TEMSR + IFN in the treatment of first-line, poor-risk patients with advanced renal cell carcinoma (adv RCC) A bstract No: LBA4 Author(s): G. Hudes, M. Carducci, P. Tomczak, J. Dutcher, R. Figlin, A. Kapoor, E. Staroslawska, T. O'Toole, Y. Park, L. Moore
    • 55.
      • Randomizado, aberto, multicentrico, 2ª análise intermediária(03/06), endpoints:
        • 40% ganho na sobrevida global
        • SLP, taxa de resposta e benefício clinico
      • Doença mensurável RECIST, condições clinicas adequadas, doença metastática, 3-6 fatores de mau prognóstico(MSKCC)
      TEMSR 1ª linha #LBA04 1:1:1 random Região Geográfica Nefrectomia N=626 TEMSR 25mg IV semanal IFN-a Estratifica até 18MUI 3xsem TEMSR 15mg IV semanal IFN-a 6MUI 3xsem RANDOMIZA
    • 56. Overall Survival by Treatment Arm Arm 3: IFN + Temsirolimus Arm 2: Temsirolimus Arm 1: IFN Time from Randomization, Months Probability of Survival 0.6912 0.0069 Stratified Log-Rank p Arm 3 :Arm 1 Arm 2 :Arm 1 Comparisons 210 209 207 n TEMSR + IFN Arm 3 TEMSR Arm 2 IFN Arm 1 Parameter
    • 57. TEMSR 1ª linha #LBA04
      • TEMSR IFN Benefício
      • N 207 209
      • Sobrevida (m) 10,9 7,3 49%
      • TPP (m) 3,7 1,9 95%
      • Esse estudo demonstra que mTOR é um importante alvo terapêutico em CCR
      • Conclusão dos Autores: TEMSR 25 IV semanal pode ser considerado 1ª linha para pacientes com CCR Metastático e MAU PROGNÓSTICO
    • 58. Randomized phase II trial of the multi-kinase inhibitor sorafenib versus interferon (IFN) in treatment-naïve patients with metastatic renal cell carcinoma (mRCC). Abstract No: 4501 Author(s): B. Escudier, C. Szczylik, T. Demkow, M. Staehler, F. Rolland, S. Negrier, T. E. Hutson, U. J. Scheuring, B. Schwartz, R. M. Bukowski
      • 189 pcts, dados prematuros para eficácia, end point : SLD(???)
      • Sorafenib é bem tolerado em pacientes com doença avançada
      • Mais eventos dermatológicos que com IFN
      • IFN associado a mais efeitos hematológicos e sintomas constitucionais
    • 59. Efficacy of lapatinib in patients with high tumor EGFR expression: Results of a phase III trial in advanced renal cell carcinoma (RCC). Abstract No:4502 Author(s): A. Ravaud, J. Gardner, R. Hawkins, H. Von der Maase, N. Zantl, P. Harper, F. Rolland, B. Audhuy, J. Machiels, I. El-Hariry, e. Tykerb Renal Cell Cancer Study Group and GSK CoreT
      • 1º fase III em CCR Metastático para avaliar inibição do ErbB, 417 pcts
      • Lapatinib vs HT(TXM ou MGP)(???)
      • Não houve diferença em TPP e SG, subgrupo EGFR3+ houve redução HR para morte (34%) associado ao lapatinib (p=0.019)***
      • 1
    • 60. Efficacy and safety of sunitinib malate (SU11248) in bevacizumab-refractory metastatic renal cell carcinoma (mRCC). Abstract No: 4522 Author(s): B. I. Rini, D. J. George, M. D. Michaelson, J. E. Rosenberg, R. M. Bukowski, J. A. Sosman, W. M. Stadler, K. Margolin, T. E. Hutson, C. M. Baum
      • 60 pacientes: 80% demonstraram algum grau de redução tumoral, apenas 20% resposta objetiva
      • Inibição sequêncial da angiogênese pode ser útil desde que o paciente tenha tempo para resposta
    • 61. Bevacizumab with or without erlotinib in metastatic renal cell carcinoma (RCC). Abstract No: 4523 Author(s): R. M. Bukowski, F. Kabbinavar, R. A. Figlin, K. Flaherty, S. Srinivas, U. Vaishampayan, H. Drabkin, J. Dutcher, F. Scappaticci, D. McDermott
      • 104 pacientes apenas com carcinoma de células claras (VHL)
      • Bevacizumab é ativo em 1ª linha para CCRM com SLP de 8,6 m vs 3-5 m
      • Adição de erlotinib ao BVZ não amplia o ganho clinico
    • 62. Randomized phase III trial of sorafenib in advanced renal cell carcinoma (RCC): Impact of crossover on survival. Abstract No: 4524 Author(s): T. Eisen, R. M. Bukowski, M. Staehler, C. Szczylik, S. Oudard, W. M. Stadler, B. Schwartz, R. Simantov, M. Shan, B. Escudier, For The Sorafenib TARGETs Clinical Trial Group
    • 63. Fase III sorafenib (TARGET): crossover abs #4524
      • 903 pacientes randomizados: 451 para sorafenib, 452 para placebo e >200 pacientes em placebo cruzaram para sorafenib
      • 50% pacientes cruzaram para sorafenib
      • Benefício persistente mesmo após cruzamento
        • Melhora de 30% na SG
        • A separação precoce das curvas é consistente
      • Melhora da SG no braço placebo é indicativa da eficácia da droga
    • 64. Sorafenib plus interferon-α2b (IFN) as first-line therapy for advanced renal cell carcinoma (RCC): SWOG 0412. Abstract No: 4525 Author(s): C. W. Ryan, B. H. Goldman, P. N. Lara, T. M. Beer, H. A. Drabkin, E. Crawford
      • 58 pacientes
      • A adição de IFN pode aumentar a taxa de resposta
      • Há um aumento significativo da toxicidade
      • Mensagem: “Sorafenib vai bem associado”
    • 65. Terapias Moleculares em CCR  Tersimolimus/ RAD001/ AP23573   AG-013736  Erlotinib/ Cetuximab/ lapatinib   Sunitinib    Sorafenib  Bevacizumab mTOR Raf EGFR PDGFR VEGFR VEGFA
    • 66. Câncer de Células Renais: Mensagem para Casa
      • Sorafenib e Sunitinib estão aprovados e em uso em CCR avançado em populações previamente tratadas
        • Sorafenib vs INF – dados precoces
        • Sunitinib vs INF – plenária: aprovação em 1ª linha?
        • Temsirolimus vs INF vs combo – plenária: aprovação?
      • Anti-VEGF em 2ª linha vs SOC : Bevacizumab 2007 ???
      • EGFR não é um alvo útil
      • A HD IL2 ainda oferece respostas mais duradouras se comparado aos TKIs (por enquanto)
    • 67. Câncer de Células Renais: Mensagem para Casa ...
      • Baixo Risco
        • Citoquinas: HD IL2 ?
        • TKI: ???
      • Risco Intermediário
        • TKI (mTOR?, existe um papel para citoquinas?)
      • Alto Risco
        • Modulação da mTOR
    • 68. CÂNCER DE TESTÍCULO Quimioterapia de Alta Dose
    • 69. Phase III trial of conventional-dose chemotherapy alone or with high-dose chemotherapy for metastatic germ cell tumors (GCT) patients (PTS): A cooperative group trial by Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, ECOG, SWOG, and CALGB. Abstract No: 4510 Author(s): D. F. Bajorin, C. R. Nichols, K. A. Margolin, J. Bacik, P. G. Richardson, N. J. Vogelzang, L. Einhorn, M. Mazumdar, G. J. Bosl, R. J. Motzer
    • 70. PEB vs PEB+HDCT abs#4510
      • Pacientes de risco intermediário ou alto. SLR 1 ano
      • Estudo desenhado para identificar diferença de 20% no resultado
      • ESTUDO NEGATIVO
        • Pacientes com resposta lenta de marcadores podem representar um grupo ainda pior de prognóstico
        • O benefício da HDCT para pacientes com resposta lenta dos marcadores ainda está por ser definido, estudo sem poder suficiente.
      PEB x 2 108 pcts PEB x 4 111 pcts HDCT + SCell RANDOMIZA HDCT + SCell 52% 48%
    • 71. Single versus sequential high-dose chemotherapy (HDCT) in patients with relapsed or refractory germ-cell tumors (GCT) Abstract No: 4511 Author(s): A. Lorch, O. Rick, J. T. Hartmann, C. Kollmannsberger, B. Metzner, I. Schmidt-Wolf, W. E. Berdel, R. Schirren, J. Beyer, C. Bokemeyer, for the German Testicular Cancer Study Group
    • 72. HDCT sequencial ou HDCT única abs#4511
      • 211 pacientes em 49 centros, 18 centros incluíram apenas 1 paciente:
      • VIP x 1 -> CBDCA(1,5g/m2) + VP16(1,5g/m2) x 3
      • vs
      • VIP x 3 -> CBDCA(2,2g/m2)+VP16(1,8g/m2)+CPM(6,4g/m2)
      • SLE em 36% e SG em 46% para ambos grupos
      • 16 mortes relacionadas ao tratamento nos 103 pacientes do esquema único de HDCT: estudo encerrado por toxicidade
    • 73. One course of adjuvant PEB chemotherapy versus retroperitoneal lymph node dissection in patients with stage I non-seminomatous germ-cell tumors (NSGCT): [AUO]/German testicular cancer study group [GTCSG] Trial 01-94). Abstract No: 4512 Author(s): P. Albers, R. Siener, S. Krege, H. Schmelz, K. Dieckmann, A. Heidenreich, P. Kwasny, M. Pechoel, J. Lehmann, R. Fimmers, M. Hartmann
    • 74. PEBx1 vs RPLND abs# 4512
      • Premissa: PEB x 1 é seguro, menos tóxico e mais custo efetivo que a RPLND
      • 382 pacientes 172 vs 174
      • Follow-up curto: recidivas após 5 anos comum
      • Qualidade de vida, fertilidade e efeitos tardios ainda não reportados
      • Taxa de recidiva associada ao RPLND muito acima dos relatados em centros especializados
    • 75. Otimização de Resultados (Craig Nichols, MD – discussão )
      • RPLND + (PEBx2) PEBx1
      • Estágio I/II 136/38 136/38
      • # com doença 14+38 14+38
      • Recidivas 14 / 52 2 / 52
      • Ciclos de QT 118 174
      • Cirurgia 174 + 1-2
      • CT abdominal Sim Sim
      • Mortes 0 0
      Observação 136/38 14+38 52 156 5-10 Sim 0
    • 76. Otimização de Resultados (Craig Nichols, MD – discussão ) Observação RPLND + (PEBx2) PEBx1 Quimioterapia 52x3 38x2 + 14x3 174x1 Cirurgia 5-10 174+ 1-2 #Disrupted 52 174 174 Tempo disrupted 13 sem 6-19 sem 7 sem Tempo total # 676 sem 1606 sem 1218 sem Assume reinício de atividades 1 mês após quimioterapia e 6 semanas após cirurgia
    • 77. PEBx1 vs RPLND abs# 4512
      • PEB x 1
        • Expõe todos os pacientes à toxicidade
        • Não elimina o risco de recidiva (4% em follow up curto)
        • Não reduz a necessidade de imagens
        • Não se provou eficaz em subgrupos de alto risco
    • 78. PEBx1 vs RPLND abs# 4512
      • Craig Nichols, MD (OHSU):
        • A RECOMENDAÇÃO DE CUIDADOS PARA PACIENTES COM TUMORES NÃO SEMINOMATOSOS DO TESTÍCULO EC I É: SEGUIMENTO CUIDADOSO SEM QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE E SEM RPLND
        • Resultados consistentes e seguros tratando apenas que precisa de tratamento (na recidiva)
        • Reduz o volume de cirurgia e quimioterapia necessários
    • 79. CÂNCER DE TESTÍCULO Follow up – Toxicidade Tardia
    • 80. Medical Research Council trial of 2 versus 5 CT scans in the surveillance of patients with stage I non-seminomatous germ cell tumours of the testis. Abstract No: 4519 Author(s): G. M. Mead, G. J. Rustin, S. P. Stenning, P. Vasey, N. Aass, R. Huddart, M. Sokal, S. Kirk
    • 81. Seguimento TC 2 x 5 por ano - TE08
      • Fundamentos:
        • Pacientes jovens
        • Alta taxa de cura
        • Décadas de vida
        • Morbidade significativa de longo termo associada à investigação clínica e ao tratamento
    • 82. Seguimento TC 2 x 5 por ano - TE08
      • Primeiro estudo randomizado prospectivo investigando rotina de CT para seguimento de pacientes com Carcinoma de Testículo não Seminomatoso em seguimento.
      • Baixa proporção de pacientes EC I alto risco
      • 2 CT aos 3 e 12 meses é o Standard para seguimento de pacientes com Estágio I de Baixo Risco
    • 83. Questões ainda abertas após o TE08
      • Frequência da TC p ara pacientes alto risco EC I e após quimioterapia adjuvante
      • Frequência e duração das visitas de FUp
        • Exame fisico, Rx torax, marcadores
      • Estratégia para redução da RT
        • Mudanças operacionais
        • Redução do volume corporal escaneado (Rx torax vs Tc Tórax)
      • Aspectos futuros: MRI, US??
    • 84. A prospective study of 18FDG PET in the prediction of relapse in patients with high risk clinical stage I (CS1) non-seminomatous germ cell cancer (NSGCT): MRC study TE22. Abstract No: 4520 Author(s): R. Huddart, M. O'Doherty, A. Padhani, G. Rustin, G. Mead, J. K. Joffe, P. Vasey, S. Hain, S. J. Kirk, S. P. Stenning, L. National Cancer Research Center
    • 85. TE22: PET em EC I alto risco abs#4520
      • Conclusões:
        • Os autores observaram sobrevida livre de recidiva de apenas 63,3% para os pacientes FDG-PET negativo, ao invés da esperada SLR em 2 anos > 90%
        • Um PET scan negativo não é capaz de predizer qual paciente EC I de alto risco não irá recidivar e que não seja candidato a quimioterapia adjuvante.
        • O estudo é claramente negativo para avaliação complementar de risco para esses pacientes.
    • 86. [18F]-FDG-PET in germ cell tumors following chemotherapy: Results of the German multicenter trial. Abstract No: 4521 Author(s): M. De Wit, M. Hartmann, W. Brenner, L. Weißbach, H. Amthauer, C. Franzius, S. Kliesch, S. Krege, R. Heicappell, R. Bares, C. Bokemeyer
    • 87. FDG-PET após quimioterapia abs#4521
      • PET e o “dilema do teratoma” : 40% das massas residuais são teratomas e outros 40% são fibrose,
      • Espera-se que o PET seja positivo para tumor viável e negativo para teratoma ou fibrose
      • 141 pacientes: estimada >70% acurácia do PET
        • PET realizado 9 dias em média após a quimioterapia
        • PET CT
      • Valor Preditivo negativo 59% 0%
      • Valor Preditivo positivo 57% 51%
      • Acurácia 57% 51%
    • 88. FDG-PET após quimioterapia abs#4521
      • Ressecção de massa residual após quimioterapia ainda é mandatória
      • O papel do FDG-PET em Tumor de Testículo Não Seminomatoso não está definido
    • 89. Long-term non-cancer mortality among 39,657 one-year testicular cancer survivors (TCSs). Abstract No: 4508 Author(s): S. D. FossÃ¥, J. Chen, G. M. Dores, K. A. McGlynn, S. J. Schonfeld, L. B. Travis, Nci Testicular Cancer Research Group
    • 90. Mortalidade câncer de testículo abs#4508
      • Demografia
        • 39,657 com sobrevida a 1 ano em registros de cancer (Dinamarca, Suécia, Finlandia, Noruega, Ontario, EUA – SEER)
        • <1975 : 16% >= 1975 : 84%
        • Seminoma 58% Não Seminoma 42%
        • Localizado 46% Metastático 18% Desconhecido 36%
    • 91. Mortalidade câncer de testículo abs#4508
      • Aumento de mortalidade cardiovascular (1,76 x SMR) :
        • Aumento apenas no subgrupos que recebeu radioterapia mediastinal
      • Aumento da mortalidade por infecção (2.32 x SMR) na primeira década:
        • Para subgrupo quimioterapia: 5,12 x SMR
      • Mortalidade gastrointestinal:
        • Parar subgrupo radioterapia: 1,55 x SMR
      • Combinação de RT+QT associada a maior morbidade em geral e maior risco de Mortalidade.
    • 92. Mensagem para casa TGU Próstata
      • Zoledronato 1vez ao ano – previne osteoporose (?)
      • Nova ferramenta para avaliação da radioterapia de resgate: Nomograma do MSKCC (n=1540)
      • Valor preditivo da redução do PSA
      • Hormonioterapia intermitente – sem impacto na sobrevida, ganho de qualidade de vida
      • Quimioterapia intermitente CPAI – factível
      • Docetaxel 3 sem: ganho de sobrevida e qualidade de vida. Docetaxel semanal: sem ganho de sobrevida e cautela com qualidade de vida
      • 2a. Linha quimioterapia resistente a taxano: sobrevida mediana 13 meses
    • 93. Mensagem para casa TGU NP (1):
      • Testículo:
        • EC I PEB x RPLND: seguimento é mais sensato *
        • PET não tem papel definido
        • ECI pode ser seguido com 2 TCs: 3 e 12 meses **
        • HDCT não é superior a 4 x BEP em Tumores de Médio/Alto Risco como tratamento inicial***
        • Tratamento traz modesto aumento no risco de mortalidade por outras causas
      • Bexiga:
        • Aguardar ASCO 2007
    • 94. Mensagem para casa TGU NP (2):
      • Carcinoma de Células Renais:
        • Alvo terapêutico correlaciona-se claramente com a biologia tumoral
        • Sunitinib é eficaz em primeira linha
        • Temsirolimus é eficaz em pacientes de mau prognóstico
        • Sorafenib melhora os resultados após progressão com placebo, mesmo em crossover...
        • Bevacizumab é ativo....
        • EGFR não é alvo terapêutico
        • Interferon perdeu todas !!!
    • 95. Obrigado Carlos Frederico Pinto Oncologista Clínico Hospital Regional do Vale do Paraíba e Instituto de Oncologia do Vale [email_address]
    • 96. OBRIGADO Sunitinib Sorafenib TEMSR ASCO 2007:
    • 97. Associations of pain and quality of life (QOL) response with PSA response and survival of patients (pts) with metastatic hormone refractory prostate cancer (mHRPC) treated with docetaxel or mitoxantrone in the TAX-327 study. Abstract No: 4516 Authors: Berthold DR, Pond G, De Wit R, Eisenberger MA, Tannock IF.
    • 98. Tax 327
      • Retrospective substudy of randomized TAX-327 trial
      • Summary of Key Conclusions
      • Pain and quality-of-life (QOL) response significantly associated with prostate-specific antigen (PSA) response in patients with metastatic hormone-refractory prostate cancer (HRPC) treated with docetaxel or mitoxantrone
      • Pain response, but not QOL response, independently predicted survival
      • Improved pain and QOL response key goals for palliative care
      • Background
      • Relationship between overall survival and PSA level not well established in patients with metastatic HRPC receiving docetaxel
      • TAX-327 study compared 3 different regimens in 1006 patients with metastatic HRPC
        • 3-weekly docetaxel plus prednisone
        • Once-weekly docetaxel plus prednisone
        • Mitoxantrone plus prednisone
      • 3-weekly docetaxel/prednisone conferred significantly better survival and symptom control than mitoxantrone/prednisone
      • Current substudy of TAX-327
        • Analysis of pain and QOL response associated with PSA level
        • Correlation of PSA level with survival

    ×