Your SlideShare is downloading. ×
Os Benefícios da Inclusão Digital para Adultos-Idosos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Os Benefícios da Inclusão Digital para Adultos-Idosos

3,467
views

Published on

Published in: Technology

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,467
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
90
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIACURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃOCARLOS EDUARDO WEIZENMANNOS BENEFÍCIOS DA INCLUSÃO DIGITAL PARA ADULTOS-IDOSOSSANTA MARIA2012
  • 2. 2CARLOS EDUARDO WEIZENMANNOS BENEFÍCIOS DA INCLUSÃO DIGITAL PARA ADULTOS-IDOSOSTrabalho de Conclusão de Cursoapresentado ao Curso de Sistemas deInformação apresentado a FaculdadeMetodista de Santa Maria, comorequisito parcial para obtenção de grauBacharel em Sistemas de Informação.Orientadora: Profª Ms. Tatiele BolsonMoroSANTA MARIA2012
  • 3. 3RESUMOA inclusão digital está ganhando cada vez mais espaço junto à sociedade, através de tele-centros comunitários, ONGS, projetos de extensão de faculdades, entre outros, cujopropósito é ensinar e levar a tecnologia para pessoas que são excluídas digitalmente. AFaculdade Metodista de Santa Maria - FAMES possui um programa de extensãodenominado Escola para Adultos (EA), voltado para alunos com idade maior ou igual a 45anos. A EA visa discutir noções referentes à idade adulta-velhice, tecnologias dainformação e comunicação – TICs, entre outras, sendo a inclusão digital uma dasdisciplinas oferecidas nesse programa. Este trabalho tem por objetivo conhecer osparticipantes por meio da aplicação de dois questionários, sendo um para conhecê-losmelhor e outro sobre a utilização do computador. Dessa forma, é possível descobrir osignificado e os benefícios proporcionados por pessoas adultas e idosas. Na primeira parteda pesquisa, pode-se observar que o significado da inclusão digital para essas pessoas, emgeral, é estar atualizado e poder utilizar as ferramentas tecnológicas (TICs) para estarconectado com o mundo e com as pessoas. A metodologia desta pesquisa é do tipo quali-quantitativo, havendo levantamento bibliográfico e pesquisa de campo baseada ementrevistas, questionários avaliativos, que permitem um melhor envolvimento com questãode estudo; também foi utilizada a técnica de observação, do tipo observação assistemática.Já os benefícios são a aproximação das pessoas através das redes sociais, o manter-seatualizado com as notícias, além da melhora de raciocínio e da autoestima. A informáticaaos adultos-idosos só vem trazer benefícios, como uma excelente atividade mental, poisauxilia a manutenção da memória e também proporciona a apreensão de algo novo, alémde valorizar a vida e as experiências pessoais.Palavras-chave: Inclusão Digital. TICs. Adultos-Idosos. Extensão.
  • 4. 4ABSTRACTDigital inclusion is gaining more and more space in society, through tele-communitycenters, NGOs, extension projects in colleges, among others, and the purpose is to teachand bring technology to people who are digitally excluded. Faculdade Metodista de SantaMaria - FAMES has an extension program named Escola para Adultos (EA), aimed atstudents aged more than or equal to 45 years old. EA aims to discuss issues related toadulhood/elderly age, information and communication technologies – ICTs, and others,and digital inclusion is one of the subjects offered in this program. This work aims to knowthe participants by applying two questionnaires, one to know them better, and another onthe use they make of the computer. Thus it is possible to discover the meaning and thebenefits provided for adults and elderly people. In the first part of the research, we canobserve that the meaning of digital inclusion for these people in general is to be updatedand to use the technological tools (ICTs) to be connected with the world. The methodologyis quali-quantitative with review of literature, field research through interviews,questionnaires, that allow to better analyze the topic studied. The benefits are bringingpeople together through social networks, staying updated with the news, and improvingreasoning and self-esteem. Computer for elderly adults brings benefits, such as a greatmental activity, since it helps maintain memory, and also provides learning new things,besides valuing life and peoples experiences.Keywords: Digital Inclusion. ICTs. Elderly Adults. Extension.
  • 5. 5LISTA DE FIGURASFigura 1 – Gráfico Profissões.............................................................................................. 20Figura 2 – Gráfico Questão 4 .............................................................................................. 21Figura 3 – Dados ................................................................................................................. 22Figura 4 – Passos de Memorização ..................................................................................... 24Figura 5 – Gráfico Interesses............................................................................................... 25Figura 6 – Gráfico Necessidades......................................................................................... 25Figura 7 – Gráfico Dificuldades.......................................................................................... 26Figura 8 – Gráfico Questão 9 .............................................................................................. 29Figura 9 – Gráfico Questão 11 ............................................................................................ 30Figura 10 – Gráfico Questão 12 .......................................................................................... 31
  • 6. 6LISTA DE TABELASTabela 1 – Respostas Questão 9. ......................................................................................... 29Tabela 2 – Tabela Questão 10 ............................................................................................. 30
  • 7. 7SUMÁRIO1. INTRODUÇÃO ............................................................................................................... 81.1. O PROBLEMA DA PESQUISA.................................................................................... 91.2. OBJETIVOS DA PESQUISA...................................................................................... 101.2.1. Objetivos Gerais ...................................................................................................... 101.2.2. Objetivos Específicos............................................................................................... 101.3. JUSTIFICATIVA E RELEVÂNCIA DO TRABALHO ............................................. 101.4. ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ........................................................................... 112 REFERENCIAL TEÓRICO ......................................................................................... 122.1. FATORES COGNITIVOS E PSICOMOTORES........................................................ 122.1.1. Aprendizagem.......................................................................................................... 132.2. TECNOLOGIAS UTILIZADAS NO ENSINO DA ESCOLA PARA ADULTOS .... 143. METODOLOGIA DA PESQUISA.............................................................................. 173.1. ITENS BÁSICOS ABORDADOS NAS AULAS........................................................ 173.2. PRIMEIRO QUESTIONÁRIO....................................................................................183.3. SEGUNDO QUESTIONÁRIO.................................................................................. 184. DESENVOLVIMENTO................................................................................................ 194.1. COLETA DE DADOS ................................................................................................. 194.2. ANÁLISE DO PRIMEIRO QUESTIONÁRIO ........................................................... 204.3. ANÁLISE DO SEGUNDO QUESTIONÁRIO ........................................................... 274.4 ANÁLISE E DISCURSOS DOS RESULTADOS........................................................ 325. CONCLUSÕES............................................................................................................... 35REFERÊNCIAS ................................................................................................................ 37ANEXO A........................................................................................................................... 39ANEXO B........................................................................................................................... 41ANEXO C........................................................................................................................... 43ANEXO D........................................................................................................................... 46
  • 8. 81 INTRODUÇÃOA inclusão digital está ganhando cada vez mais espaço junto à sociedade, através detele-centros comunitários, ONGS, Projetos de Extensão de Faculdades, entre outros. Opropósito dessa inclusão digital é ensinar e levar a tecnologia para pessoas que sãoexcluídas digitalmente, por não possuírem condições para frequentar um curso deinformática e até mesmo por não ter seu computador em casa. Atualmente, parte dapopulação possui computador ou notebook em casa para uso pessoal, porém, uma parcelada sociedade não possui ou não tem acesso a essa tecnologia. Outro fator são as pessoasidosas que ficam, muitas vezes, excluídas do avanço da tecnologia. Essa geraçãoacompanha seus filhos e netos que, com facilidade, aprendem a trabalhar com ocomputador, mas ficou à deriva dessa tecnologia.A Faculdade Metodista de Santa Maria - FAMES possui um Programa de Extensãodenominado Escola para Adultos (EA), o qual é voltado para alunos com idade maior ouigual a 45 anos. Em 2007, a EA passou por uma reestruturação total, visando melhoria,bem-estar e qualidade de vida dos adultos médios. Já no 2º semestre de 2008, passou a serum programa multidisciplinar. Tem por objetivo discutir noções referentes à idade adulta evelhice, norteada pelos aspectos biológicos, filosóficos, psicológicos, sociais, artísticos,religiosos, políticos, jurídicos, e das TICs (Tecnologias da Informação e Comunicação)entre outros, bem como de todos os demais que possam auxiliar no aperfeiçoamento, queajudam a despertar o interesse de adultos-idosos (TREVISAN, 2011). Nesse programa,uma das disciplinas oferecidas é a Inclusão Digital (informática), em que é separada pormódulos (1-iniciante, 2-intermediário e 3-avançado). Cada um deles aborda conteúdosdiferentes, focando sempre no propósito dos alunos (devido à idade). Os conteúdos maisabordados são redes sociais, edição de fotografias e vídeos, blogs e e-mail.A ideia de realizar o trabalho voltado ao grupo de alunos idosos se deu devido aointeresse, cada vez mais frequente, deles pela tecnologia. Portanto, por ser apoioextensionista, e se ao ministrar as aulas, nota-se uma grande satisfação de estaremaprendendo a cada dia mais; isso irá proporcionar aos alunos um bem-estar pessoal, físico,social e cognitivo. Esse é motivo para a proposta deste trabalho: avaliar, através daaplicação de questionários, quais são os benefícios proporcionados pela inclusão digitalpara o programa de extensão Escola para Adultos.
  • 9. 9A proposta inicial é realizar a aplicação de questionários para poder descobrir qualo significado e os benefícios proporcionados pela inclusão digital. Essas avaliações(questionários) foram elaboradas com base em outros trabalhos publicados e adaptados àsnecessidades e aos objetivos deste trabalho, para evitar uma mudança na proposta doestudo e também para não comprometer os alunos envolvidos na pesquisa.O convívio como extensionista juntamente com os alunos da EA transformou-se emcuriosidade para realizar este trabalho voltado a esse grupo de alunos para descobrir osbenefícios que a informática proporciona a eles.Além de a informática para adultos-idosos trazer benefícios, como uma excelenteatividade mental, auxiliando a manutenção da memória, ela proporciona também aapreensão de algo novo e valoriza a vida e a experiência das pessoas (FERNADES, 2011);assim, busca-se saber os benefícios para os alunos da EA.1.1 O PROBLEMA DA PESQUISASegundo Mandel (1997), as dificuldades cognitivas de algumas pessoas quepossuem dificuldades com a memória podem ser de curta duração e longa duração. Curta,quando guardamos na lembrança por pouco tempo, havendo, nesse caso, um limite emreter as informações. Para uma memória longa, melhor, para que retenha algo por maistempo, é preciso treinar muito e repetir bastante (GRISPINO, 2007), principalmente com oavanço da idade, pois acabam se tornando cada vez mais fracas. Dessa forma, possuemuma grande dificuldade de se inserir digitalmente. Por isso, o propósito deste trabalho éanalisar os benefícios da inclusão digital para adultos-idosos e avaliar os resultados obtidosatravés de testes avaliativos para esse público que possui dificuldades cognitivas, pelaidade, quando inseridos junto a Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs).Através de testes avaliativo-interpretativos e observativos, pode-se avaliar osresultados proporcionados pelo uso das TICs. Conforme Nunes (1999), é necessárioinvestigar quais as abordagens adequadas para introduzir o idoso no universo das TICs,levando-se em conta as dificuldades físicas, psicológicas e sociais dessa faixa etária.
  • 10. 101.2 OBJETIVOS DA PESQUISA1.2.1 Objetivo GeralCompreender quais são os benefícios proporcionados pela inclusão digital para osadultos-idosos do programa de EA da FAMES.1.2.2 Objetivos Específicos• Realizar uma revisão bibliográfica baseada em livros, artigo acadêmicos,dissertações, materiais publicados em eventos e outros artigos publicados em sites deinternet.• Realizar levantamento de dados para os testes ou avaliações para obter, entendere verificar o nível de rentabilidade em relação ao uso da informática dos alunos da oficinade informática da EA.• Empregar uso das ferramentas para ensino, para obter resultados sobre a melhorado comportamento da aprendizagem, através de jogos que desenvolvem o raciocíniológico, dessa forma, desenvolvendo suas dificuldades cognitivas (memória e motora).• Avaliar o comportamento da qualidade e do bem-estar dos sujeitos avaliados quefizeram uso das ferramentas computacionais, podendo descobrir qual significado ainformática proporciona na vida do programa de pessoas adulto-idosas da EA.1.3 JUSTIFICATIVA E RELEVÂNCIA DO TRABALHOA inclusão digital para adultos-idosos busca inserir pessoas que estão ficandoexcluídas digitalmente, por não conseguirem acompanhar à evolução das TICs, as quaisacontecem de forma muito rápida no século XXI.Ao se trabalhar com informática como um programa de alunos adultos-idosos,surgiu-se a oportunidade de realizar um estudo baseado no uso de questõesavaliativas/metacognitivas para se obter os resultados proporcionados e seus benefícios emrelação ao uso da informática para seu bem-estar, e quais foram os fatores que ocasionarammelhora após o seu uso.
  • 11. 111.4 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHOO Capítulo 1 apresenta uma breve introdução ao tema do trabalho, que será melhorexplicada durante o texto, bem como os objetivos da pesquisa, justificativas e organizaçãodo trabalho.O Capítulo 2 aborda o referencial teórico consultado, que fornece uma base para odesenvolvimento do trabalho. Nele são abordados temas como fatores cognitivos epsicomotores, aprendizagem e tecnologias utilizadas para o ensino.O Capítulo 3 é composto pela metodologia, onde serão expostas quais são ascaracterísticas do projeto e como ele será desenvolvido, bem como as ferramentas e osmétodos utilizados para desenvolvimento da avaliação e a descrição dos itens abordadosem aula quanto a sua metodologia e os questionários a serem aplicados aos alunos.O Capítulo 4 descreve como foi desenvolvida a pesquisa, como foram aplicados osquestionários I e II, quais foram as ferramentas utilizadas, bem como os resultados obtidose a comparação dos resultados entre os dois questionários.O Capítulo 5 refere-se à conclusão, onde são apresentadas as análises finais dosaspectos abordados no trabalho.O Capítulo 6 apresenta quais foram as referências bibliográficas do estudo para odesenvolvimento do projeto.O Capítulo 7 apresenta os anexos do trabalho, os quais são: Anexos A – Atividadesdesenvolvidas durante as aulas de informática, Anexo B – 1º Questionário aplicado aosalunos, Anexo C – 2º Questionário aplicado aos alunos da EA, Anexo D – Documentosaprovados pela Câmera de Pesquisa e Pós-Graduação.
  • 12. 122 REFERENCIAL TEÓRICOVive-se em um período marcado por grandes avanços tecnológicos em diversasáreas o conhecimento humano, que estão tendo uma grande repercussão em relação àqualidade de vida das pessoas. Isso não ocorre apenas em países de primeiro mundo, mastambém no Brasil, que é um país em desenvolvimento. O idoso é uma pessoa ativa, queparticipa da sociedade como qualquer outra, sendo assim, ele não deve ser excluído dosbenefícios proporcionados através do acesso aos recursos de Tecnologia da Informação eComunicação (TIC), que são representados pelo uso da internet, bem como suasferramentas (DA SILVA, 2007). Este trabalho procura analisar os benefícios pelos quais ainclusão digital vem proporcionando aos alunos do programa da EA, podendo, assim,destacar sua importância para os adultos-idosos.2.1 FATORES COGNITIVOS E PSICOMOTORESNunes (1999) argumenta que a mudança nos aspectos psicomotores com oenvelhecimento é um processo natural a todos os seres vivos, apresentando característicaspeculiares para os seres humanos. Já segundo Rybash (1995), os fatores do processo deenvelhecimento de acordo com a idade são:cronológico: é o número de anos que vai desde o nascimento até os dias atuais;biológico: está relacionado com sua estimativa de vida;psicológico: está relacionado com as mudanças emocionais, a capacidade de elereagir frente às mudanças. Essa comparação é realizada com pessoas de idade cronológicaigual.Para Beauvoir (1990), o envelhecimento é um fenômeno biológico, que acarretaconsequências psicológicas. Para a autora, esses dados se impõem mutuamente, ou seja,estão correlacionados diretamente. Já para Fialho (2001),A Cognição é o tratamento da informação, ou seja, a manipulação de símbolos apartir de regras. Funciona por meio de dispositivos que possam representar emanipular elementos físicos descontínuos: os símbolos. O sistema cognitivointerage apenas com a forma dos símbolos (os seus atributos físicos) e não comseu sentido.
  • 13. 13Conforme Rybash (1995 apud FIALHO, 2001), cognição refere-se à coleção deprocessos que servem para transformar, organizar, selecionar, reter e interpretarinformações. Muitos investigadores do envelhecimento cognitivo, conforme Nunes (1999),utilizam o processamento das informações para investigar os aspectos cognitivos afetadoscom a idade. Para o autor, a maioria dos idosos tem dificuldades na organização einterpretação da informação. Com o passar da idade, as pessoas apresentam um declínio nahabilidade de reconhecer os objetos (RYBASH, 1995).Em relação à atenção, Nunes (1999) coloca que os dois aspectos que mais afetamo desempenho do idoso são a atenção seletiva e a atenção dividida. A atenção seletivarefere-se à habilidade de distinguir informações pertinentes das irrelevantes; a atençãodividida refere-se ao processamento de duas ou mais informações ao mesmo tempo.2.1.1 AprendizagemOs principais problemas encontrados na aprendizagem são as dificuldadessensoriais (visão e audição), além da memória e motricidade fina, que, juntas, dificultam oaprendizado.Alguns autores citam a necessidade de se reavaliar propostas metodológicasdirecionadas para a pessoa idosa, dando atenção ao processo cognitivo, o ritmo, que é maislento do que de um jovem, e outros fatores que tornam essas pessoas com maisdificuldades de aprendizagem novas, como as restrições sensoriais que são próprias doenvelhecimento. Sendo assim, para o ensino das TICs a adultos-idosos, é necessário umambiente de aprendizagem próprio que necessite a aplicação/criação de uma interação coma máquina de acordo com as suas necessidades e condições físicas (PEREIRA; NEVES,2011).Durante estudos realizados, observaram-se alguns fatores determinantes eestratégicos que se devem ao ensino de TICs a esse grupo de pessoas. Salienta-se: onúmero de turmas menores, um aluno por computador, uma boa iluminação dasala/laboratório de informática, tamanho e iluminação do monitor, teclado e mouse comdesign especial, letra grandes, o início por meio de jogos e atividades lúdicas (prazer naexecução), utilização de experiências de vida dos idosos para auxílio na preparação domaterial de apoio, utilizando-se caracteres grandes e cores fortes. Deve-se respeitar o ritmo
  • 14. 14de cada aluno; partir de situações contextualizadas; efetuar repetição das atividades; seguiretapas gradativas de aprendizagem (KACHAR, 2006).David P. Ausubel (1977), criador da teoria da aprendizagem significativa, diz quea aprendizagem precisa fazer algum sentido e acontece quando a nova informação ancora-se nos conceitos relevantes já existentes na estrutura cognitiva de quem está aprendendo. Oprocesso de aprendizagem mecânica dá-se quando uma nova informação não consegue tersentido, ou seja, ocorre quando as novas informações são aprendidas sem interagirem comconceitos relevantes existentes na estrutura cognitiva. Assim, podemos utilizar o seguinteexemplo: uma pessoa pode decorar conteúdos para realizar uma prova, mas, assim que aprova termina, ela esquece logo o que memorizou (GOULART, 2007).Para essa aprendizagem ser significativa, é preciso haver disposição paraaprender (se quiser memorizar arbitrariamente, então, a aprendizagem será mecânica),devendo ser significativo, lógico e psicologicamente significativo, ou seja, isso deverá sercompreendido pela memória, a fim de se obter uma melhor memorização (GOULART,2007).2.2 TECNOLOGIAS UTILIZADAS NO ENSINO DA ESCOLA PARA ADULTOSPara aqueles que iniciam o processo de inclusão digital é importante abordar comofoi o processo evolução dos computadores. Pode-se dizer que isso é de suma importânciapara essas pessoas, para seu processo de desenvolvimento, bem como para o processoevolutivo de cada um. Também é importante conhecer as diferenças e conceitos dehardware e software, assim como seu funcionamento. Assim, é relevante mostrar a parteinterna do computador, suas peças, fazer a demonstração física dessas peças, ou seja, abrire desmontar um computador e retirar seus componentes, apresentando-os aos alunos paraque eles conheçam e definam cada qual. Quanto ao software e ao sistema operacional, tem-se:Sistemas Operacionais - SO: Qualquer pessoa que utilize um computador nos diasatuais sabe que existe o sistema operacional, que é responsável por controlar ocomputador, seja ele de pequeno porte (uso pessoal), ou grande porte (cluster)(OLIVEIRA; CARISIMI; TOSCANI, 2001). O sistema operacional pode ser, por exemplo,Linux ou Windows. O Linux é um software livre, de código aberto, ou seja, permite queoutros programadores o aperfeiçoem, dispensando o uso de licença para uso
  • 15. 15pessoal/residencial ou comercial. O Windows é um software da empresa Microsoft,diferentemente do Linux. Aquele necessita de uma licença que deve ser renovadaanualmente. O SO trabalhado na EA, inicialmente, é o Windows XP, por ser de mais fácilentendimento e estar a mais tempo no mercado. Porém, aborda-se sua atualização maisatual, o Windows 7, que possui uma nova interface e alguns novos recursos nos quaisforam melhorados do seu sucessor o XP.Jogos: Alguns jogos podem estimular a concentração, o raciocínio, a memória, acognição e as habilidades motoras. Tem-se como ponto inicial, o jogo paciência (jogo decartas), que aborda todos os termos citados (raciocínio, memória, etc.) (SILVA, 2007).Internet: É a maior interconexão de redes de computadores do mundo, que permitea conexão e comunicação direta entre eles. Tem caráter planetário e aberto ao público, queconecta redes de informática de organismos oficiais, educativos e empresariais (GOLART,2007). Abaixo se encontram alguns conteúdos trabalhados relacionados ao uso da internet:e-mail (correio-eletrônico): Facilita o contato entre pessoas e, assim, estimula aorganizar melhor os pensamentos através da escrita. A leitura de e-mail (correspondência)favorece o pensamento lógico e o raciocínio;Chat (bate-papo): Da mesma forma que o e-mail, proporciona contato com pessoascom culturas diferentes, também estimula a organização do raciocínio e o pensamentológico.Pesquisa: para realizar uma pesquisa na internet, é necessário que se tenha emmente o que se deseja pesquisar, ou seja, sobre qual assunto deseja-se obter informações,além de ter que identificar qual fonte de informação é mais confiável. É utilizado comomecanismo de busca o Google, por possuir opções e ser de fácil interpretação eentendimento.Notícias: Poder ler um jornal sem precisar comprá-lo ou esperar pela entrega naresidência, é, sem dúvida, de grande significância nos dias de hoje. Dessa forma, podemosobter as principais notícias dos principais jornais do mundo em tempo real. O site Googleoferece um gerenciador de notícias com notícias de jornais e sites de notícias nacionais einternacionais. Também são abordados outros sites de notícias, tais como Terra, Ig, Globo,e alguns outros locais, como Diário de Santa Maria, A Razão.A importância de se trabalhar com internet na velhice está ligada às facilidades epraticidades que ela nos proporciona nos dias atuais. A internet influencia a vidas daspessoas; com ela, pode-se comunicar com áudio e vídeo, utilizando-se software como:
  • 16. 16Messenger ou Skype, que são os mais utilizados e fáceis de usar; pode-se ter utilização parafins comerciais, ou seja, para compras online, em site e-commerce; podem-se consultarinformações de pessoa física e jurídica através de sites de administração governamental,como Receita Federal; além da grande importância do seu uso e a grande disposição degama de informações (pesquisas) para qualquer um.Castells (2005) realiza um comparativo entre a rede de computadoresinterconectada e o sistema nervoso de nosso mundo, ou seja, ambos estão correlacionados.Dessa forma, estar fora dessa rede é ficar fora de tudo que se passa no mundo e em suasdimensões; isso pode tornar algumas pessoas felizes e outras infelizes. A diferença está nofato de que quem está conectado pode se desconectar. O treinamento de motricidade pelomanuseio do mouse é tão importante quanto o de utilização do teclado, tendo em vista queambos são utilizados na interação com o computador. Para treinar a motricidade, uma dasmelhores formas é através de desenhos à “mão livre”, em que são utilizados o mouse e asteclas, no lugar de lápis e papel. Além de desenvolver a motricidade da mão, ainda ajuda adesenvolver a sincronização dos movimentos do mouse sobre a mesa com o movimento docursor na tela do computador (SALES; MARIANI; ALVAREZ, 2009).Com o uso das tecnologias, as pessoas acabam ficando com receio no contato coma internet ao executar procedimentos “incorretos” e, com isso, muitas vezes, acabam sesentindo incapazes de utilizar o computador. Sendo assim, deve-se respeitar aindividualidade de cada aluno e focar o uso crítico e consciente da tecnologia, dandoatenção especial a pesquisas pela internet (SILVA, 2007).
  • 17. 173 METODOLOGIA DA PESQUISAA metodologia da pesquisa deste trabalho é do tipo quali-quantitativo; hálevantamento bibliográfico e pesquisa de campo baseada em entrevistas, questionáriosavaliativos, que permitem um melhor envolvimento com questão de estudo, e também foiutilizada a técnica de observação, do tipo observação assistemática.A utilização de entrevistas e questionários caracterizou qualitativamente a pesquisa.E a caracterização quantitativa se dá pelos questionários avaliativos finais, em que ossujeitos responderam a questões abertas e fechadas, servindo para a complementação dosdados da investigação. Esses dados foram tabulados, gerando apenas um percentual quegerou uma média.Após a utilização desta pesquisa, os documentos irão permanecer junto àCoordenadoria de Extensão e estarão disponíveis caso os participantes queiram obter asinformações.Esta pesquisa passou por aprovação da Câmera de Pesquisa e Pós-Graduação daFaculdade Metodista de Santa Maria – FAMES, conforme consta no final deste documentoem anexo.3.1 ITENS BÁSICOS ABORDADOS NAS AULASPara que se possa trabalhar com conteúdos diversificados, é necessário ter um breveconhecimento do uso básico do computador; dessa forma, a realização das entrevistas foifeita com a separação de turmas conforme o seu grau de conhecimento (intermediário eavançado). Assim, foi possível abordar esses conteúdos de acordo com nível deconhecimento do grupo. Para aqueles que não possuem nenhum conhecimento sobre atecnologia, os conteúdos são destinados à turma iniciante; os que já possuem um pouco deconhecimento e já sabem realizar algumas tarefas são destinados à turma intermediária; jáos que possuem conhecimentos mais avançados, ou seja, aqueles que utilizam ocomputador há mais tempo e que já possuem contato com a tecnologia há algum tempo sãodestinados à turma avançada.Os conteúdos abordados em cada módulo se encontram no Anexo A destedocumento.
  • 18. 183.2 PRIMEIRO QUESTIONÁRIOO primeiro questionário foi aplicado nos meses de agosto e setembro de 2012,constituindo uma amostra de 34 sujeitos, abordando questões relacionadas a opiniões dosparticipantes, bem como uma entrevista para poder conhecer cada participante de modoque se pudesse captar o grau de dificuldade entre eles. O questionário foi montado,utilizando-se a Tecnologia Google Docs – formulários. Essa ferramenta (formulários)permite a montagem de qualquer tipo de questionário, seja ele de múltipla escolha oudescritivo; é uma ferramenta simples que gera todos os dados em forma de gráfico, bemcomo uma média no caso de utilização de números. Após a assinatura do Termo deConsentimento e Livre Esclarecimento – TCLE (Anexo D – item 2), o participante recebia,por e-mail, o questionário para preenchimento online, que foi respondido no horário daaula de informática com as três turmas (iniciante, intermediário e avançado), sendo quealguns participantes optaram por responder em casa, por conseguirem se concentrarmelhor.O questionário aplicado se encontra no Anexo B deste documento.3.3 SEGUNDO QUESTIONÁRIOO questionário foi aplicado no mês de outubro de 2012, constituindo uma amostrade 31 sujeitos. Foi um questionário de conhecimento mais “técnico”, ou seja, com questõessobre o conhecimento adquirido dos alunos sobre alguns fatores que envolvem TICs.Devido à grande dificuldade encontrada durante a primeira fase da pesquisa, foi aplicado oprimeiro questionário relacionado a uma pequena entrevista individualizada, sendo enviadopara o e-mail do participante e respondido online. Dessa forma, a coleta dos dados se tornamais fácil para o pesquisador, evitando-se assim o trabalho de transcrever as informaçõespara um documento digital para realizar a amostra dos resultados. Também dessa forma épossível captar o grau de dificuldade que os alunos possuem em utilizar tais métodos comos quais não estão acostumados, e, com isso, percebe-se que há dificuldades com relação àidade e ao domínio da tecnologia.
  • 19. 194 DESENVOLVIMENTOO desenvolvimento desta pesquisa se deu através da aplicação de doisquestionários, sendo o primeiro baseado em entrevista, em que o participante pôdeexpressar sua opinião e sua visão para cada tipo de pergunta. Já o segundo questionáriorefere-se ao conhecimento da utilização da tecnologia e conhecimentos adquiridos duranteo curso. A ferramenta utilizada para elaboração destes questionários foi o GoogleFormulário, onde é possível a criação de qualquer tipo de questionário. A vantagem dautilização dessa ferramenta é que o participante responde por e-mail ou por um link(endereço) informado; esses dados ficam armazenados em uma planilha por ordem deresposta.4.1 COLETA DE DADOSA aplicação dos questionários visa coletar informações que vão desde o significadoda inclusão digital até alguns conhecimentos básicos utilizados no dia a dia dosparticipantes. O primeiro questionário refere-se a uma pequena entrevista com respostaspessoais de cada participante. Com isso, foi possível classificar os participantes de acordocom as respostas obtidas no questionário. Em nenhum momento, serão divulgados osnomes de participantes, pois só constam no Termo de Consentimento Livre e Esclarecido(TCLE), assinado por cada participante. Sua identificação será apenas através da idade eprofissão. Já o segundo questionário se refere à utilização dos conhecimentos adquiridosatravés das aulas e no convívio com demais colegas. Esse segundo questionário é maisdireto, contendo questões de múltipla escolha em sua a grande maioria.Segundo as autoras Argimon e Vitola (2003), é importante para pessoas idosasmanter uma atividade mental exercitada, utilizando algumas formas de lazer, tais comojogo de cartas, palavras cruzadas, jogo de memória ou até mesmo voltar a estudar, sendoisso algo bastante comum nessa idade. Os autores também citam o uso do computadorcomo mais uma atividade prazerosa, na qual os idosos conseguem se comunicar comfamiliares ou amigos, além de acompanharem os avanços tecnológicos. Conforme Jentoft(2006), as pessoas que mantêm uma atividade cerebral “ativa” ao longo do tempopermitem criar novas conexões neurais, além de reforçar as conexões já criadas. Com isso,há uma compensação nas conexões perdidas, que evocam o potencial de desenvolvimento
  • 20. 20mental em qualquer idade, fato que até bem pouco tempo, segundo o autor, era umairreverência científica.4.2 ANÁLISE DO PRIMEIRO QUESTIONÁRIOA aplicação do primeiro questionário destina-se a conhecer melhor os participantesatravés de uma entrevista direcionada ao tema do trabalho. Esta pesquisa contou com 34participantes, sendo 6% do sexo masculino e 94% do sexo feminino.Com essa pesquisa foram obtidos os seguintes resultados:A pergunta 1 questiona a qual turma o participante pertencia. Apenas 12% são daturma iniciante, 53% são da turma intermediária e 35% frequentam a turma avançada.Com isso, observou-se que a maior parte (53%) dos alunos participantes frequenta a turmaintermediária.Para poder separar os usuários, foi perguntado ao participante qual era sua idade.Com isso, notou-se que a idade do participante mais novo é de 50 anos e o mais velho de83 anos. Sendo assim, obteve-se uma média de idade de 65 anos.Na questão 2, foi perguntado ao participante se ele era aposentado ou não. Asrespostas foram: 79% são aposentados e apenas 21% não são aposentados.Na figura 1, foi questionada ao participante a profissão que exerce ou exerceu. Asprofissões foram várias, entre as mais comuns estão: professor: 44,1%, do lar: 17,6%,comerciante: 11,8%, funcionário público: 8,8% e outras profissões: 17,6%.Figura 1 – Gráfico ProfissõesFonte: Próprio Autor
  • 21. 21Na figura 2, temos a representação da questão de n° 4, em que foi perguntado aoparticipante da pesquisa o que o levou a querer aprender informática. Com base nasrespostas, observou-se que 31,8% dos participantes buscou a informática como uma formade se atualizar; 19,7% para poder se comunicar com familiares e amigos; 10,6% paraadquirir novos conhecimentos e por necessidade; 6,1% para ter uma distração/passatempo,4,5% por gostar de informática; 3% por bem-estar, diversão, incentivo dos filhos, porquerer ser independente e curiosidade; 1,5% por considerar um desafio pessoal.Figura 2 – Gráfico Questão 4Fonte: Próprio AutorAs respostas mais expoentes foram:A informática nos abre janelas para podermos entender melhor os acontecimentos destes temposatuais. Também para coloca o celebro para aprender coisas novas. Pela necessidade de aprender a mexerno computador para fala com filhos e netas. Também para se atualizar e acompanhar estes tempos da era dainformática. 65 Anos - Professora"O que me levou a querer aprender informática foi poder aproveitar melhor o tempo eprincipalmente para estar conectada com o mundo... exercitar a memória... trocar ideias... pesquisar... sentiras pessoas mais próximas, mesmo distantes... Aprender informática é indispensável no mundo de hoje, emqualquer idade... e mais importante ainda na terceira idade, para maior integração, atualização e interaçãocom os demais, pois sem informática a comunicação fica prejudicada... e a pessoa desatualizada... 59 Anos– Professora Aposentada."Estou me preparando para o futuro, quando eu “ficar velha” e não puder mais andar pelo mundocom minhas próprias pernas, trarei o mundo pra mim, através da informática. Espero poder continuaratualizada e me comunicando com os parentes e amigos, lendo belas mensagens e ouvindo música. Não sãorazões suficientes?!!!" 83 anos – Funcionária Pública Aposentada.Na questão de n° 5, foi perguntado ao participante se considerava a idade umempecilho para ser incluída digitalmente. Todos os participantes (100%) responderam que1,5%
  • 22. 22NÃO. Sendo assim, os participantes consideram que não há empecilho algum, seja qual fora idade.A figura 3 refere-se à questão de n° 6, na qual foi perguntado ao participante deque forma ele acredita que sua família o enxerga, se inserindo no mundo digital(informática) na sua idade: 30,6% participantes responderam que seus familiares osincentivam; outros 27,6% os admiram por estarem se inserindo no mundo digital; 22,2%acham legal; 13,6% sentem orgulho; 5,6% consideram que está se incluindo digitalmenteum pouco tarde demais.Figura 3 – DadosFonte: Próprio AutorAs respostas mais significativas foram:Eles me dão a maior força, e incentivo e eles ficam orgulhosos, os netos dizem olha a Vó na Internetmuito bom vovó. - 65 anos – Do LarDe forma muito positiva, às vezes até ensino meus filhos e noras alguma coisa que eles não sabem,é uma troca muito gostosa... Eles ficam admirados de eu saber tantas coisas e me incentivam a continuar. -61 Anos – Bancária Aposentada."A veinha da informática", assim dizem, sobre eu estar utilizando o computador. Sei que sentemmuito orgulho pelo que sei e faço, principalmente pelo blog que aprendi a fazer na EA e que mantenhoatualizado; e por estar nas redes sociais sempre atualizadas e me comunicando com amigas (da Austrália,Europa, África e Brasil) e familiares todos. – 63 anos Professora AposentadaNa questão de n° 7, foi perguntado ao participante se este recebeu ou recebe algumincentivo (reconhecimento), por parte da sua família. 94% responderam que SIM e 6%responderam que NÃO.Na questão de n° 8, foi perguntado ao participante qual é sua expectativa emrelação à informática. As respostas foram muito diversificadas, sendo difícil a tabulaçãodos dados; assim, alguns trechos que de alguns participantes foram selecionados, sendo
  • 23. 23que suas expectativas eram se atualizar, interagir e se comunicar com familiares, como umpassatempo nas horas vagas; outros, para aprender e poder acompanhar a evolução datecnologia; e outros, como fazer pesquisas, navegar na internet e escrever textos, fazervídeos, gravar música e filmes.Algumas respostas que merecem destaques:Penso que ter noções de informática é cada vez mais importante uma vez que o mundo todo emqualquer circunstância está se informatizando. O fato de desconhecermos essa ferramenta nos tornarámarginalizados. – 66 anos – Professora AposentadaVai me ajudar a participar deste mundo globalizado – 65 Anos – Cirurgião Dentista Aposentado.Exercitar a memória e adquirir conhecimentos formando novas amizades. – 68 Anos – Do LarAposentada.Como disse a informática é tudo de bom fizemos quase tudo que necessitarmos pelo comp. é sósabermos utilizarmos como tudo na vida. – 54 Anos – Comerciante AposentadaMinha expectativa é aprender cada vez mais, me atualizar quanto a coisas novas que vão surgindoe que é de muita valia para nossa vida cotidiana. – 61 Anos – Bancária Aposentada.Com a Informática tudo ficou mais acessível, posso ver todas as notícias no computador semnecessitar do jornal impresso. – 60 Anos – Atendente Legislativo Aposentado.(...) Fazendo informática à gente fica ligada, eu acho que ajuda muito na memória, concentração,fica mais atenta aos acontecimentos, e também têm a possibilidade de acompanhar um pouco mais essasmudanças rápidas dos dias atuais, as redes sociais, os filhos e netos que mandam emails, fotos.... etc. – 65Anos - Professora.Na questão de n° 9, foi perguntado aos participantes se possuem computador emcasa: 94% responderam que SIM e 6% responderam que NÃO.Na questão de n° 10, foi perguntado aos participantes se suas famílias os ajudam atrabalhar com o computador: 85% responderam que SIM e 15% responderam que NÃO.Na questão de n° 11, foi perguntado aos participantes se achavam que problemas desaúde podem dificultar sua aprendizagem: 9% responderam que SIM e 91% responderamque NÃO. Os problemas considerados pelos participantes que possam dificultar aaprendizagem são demências, problemas de memória, diminuição da capacidade visual eauditiva.Na questão de n° 12, foi perguntado aos participantes se eles acreditavam que ainformática ajuda no auxílio ao tratamento de perda de memória: 97% responderam queSIM e 3% responderam que NÃO.Na figura 4, é representada a questão de n° 13, na qual foi solicitado aosparticipantes para citar qual método é utilizado para memorizar os passos de uma atividaderealizada no computador. Com base nas respostas dos usuários, notou-se que 30% utilizam
  • 24. 24como método de memorização a anotação; 16,7% responderam que é praticando quememorizam; 13,3% responderam que é repetindo (ou refazendo os passos) que conseguemmemorizar os passos de uma atividade; 3,3% responderam que apenas prestam muitaatenção; 6,7% disseram que é prestando atenção e repetindo várias vezes; 6,7%respondem que é repetindo, praticando e anotando; 6,7% responderam que é praticando eanotando; 3,3% responderam que é prestando atenção e praticando várias vezes; 3,3%responderam que é prestando atenção, repetindo e praticando várias vezes. 3,3%responderam que é repetindo várias vezes e anotando passo a passo e 6,7% responderamque não utilizam nenhum método para memorizar.Figura 4 – Passos de MemorizaçãoFonte: Próprio AutorNa questão de n° 14, foi perguntado aos participantes se eles possuem algumproblema de audição: 12% responderam que SIM e 88% responderam que NÃO.Na questão de n° 15, foi perguntado aos participantes se possuem alguma limitaçãomotora nas mãos ou braços: 3% responderam que SIM e 97% responderam que NÃO. Alimitação respondida pelo participante foi: tendão rompido no braço direito, que dificulta omanuseio do mouse e teclado.Na questão de n° 16, foram perguntados aos participantes quais os interesses, asnecessidades e as dificuldades para aprender informática. Na figura 05, pode-se observarque, dentro dos interesses pela inclusão digital (aulas), a maior parte (42,9%) respondeuque seu foco está na aprendizagem aprimorando seus conhecimentos; 28,6% responderamque buscam a inclusão digital como uma forma de se atualizar; 14,3% responderam quebuscam a inclusão digital para poder se conectar com pessoas e com o mundo; 7,1%
  • 25. 25responderam que buscam a inclusão digital para exercitar a memória e 7,1% responderamque buscam a inclusão digital para poder aprender a trabalhar com foto.Figura 5 – Gráfico InteressesFonte: Próprio AutorNa figura 6, observou-se que dentro das necessidades da inclusão digital (aulas),maior parte (35,7%) dos participantes respondeu que necessita de uma prática constantepara o aprendizado; 28,6% responderam que sua necessidade é se comunicar com pessoas(amigos, familiares, colegas, etc.); 14,3% responderam que necessitam evoluir mais seusconhecimentos e suas culturas; 14,3% responderam que necessitam realizar pesquisas(jornais, notícias, receitas, etc.) e 7,1% responderam que necessitam realizar anotaçõespara conseguir praticar sozinhos depois.Figura 6 – Gráfico NecessidadesFonte: Próprio AutorNa figura 7, observou-se que dentro das dificuldades da informática (aulas), amaior parte (26,7%) respondeu que suas dificuldades são por estar iniciando, ou seja, estarno começo dessa inserção no mundo digital; 20% responderam que possuem dificuldade
  • 26. 26em memorizar os conteúdos dados em aula; 6,7% responderam que possuem insegurançapara realizar as atividades fora das aulas; 6,7% responderam que seus reflexos são lentos,por isso, possuem mais dificuldades ao realizar uma atividade; 6,7% responderam quepossuem dificuldade com sites novos; 6,7% responderam que sua dificuldade está nadigitação; 6,7% responderam que possuem problema de audição que dificulta noaprendizado.Figura 7 – Gráfico DificuldadesFonte: Próprio AutorNa questão de n° 17, foi perguntado aos participantes qual o significado da inclusãodigital (informática) para eles e quais foram os benefícios que ela os proporcionou. Por setratar de uma questão descritiva, em que as respostas são pessoais e poderão divergir, serexpressas ou compreendidas de formas diferente, foi inviável a utilização de palavras-chave para realizar a tabulação dos dados.Abaixo, algumas respostas de participantes que tiveram as melhores respostas:– Agora sinto que sou capaz de acompanhar a evolução. Agilizou meu raciocínio, melhoroua auto-estima. – 56 Anos – Cabeleireira Aposentada– O significado foi extraordinário, me sinto bem quando sei ensinar uma colega do lado algoque ela não sabe. Quanto aos benefícios foram inúmeros, como pesquisar na Internet, mecomunicar c/as pessoas através de email ou redes sociais e também um trabalho voluntário quedesenvolvo para uma instituição de caridade através de um programa instalado em meucomputador. – 61 Anos – Bancária Aposentada– A Inclusão Digital aumenta o conhecimento de modo prático e facilita muitas coisas quepodem ser realizadas automaticamente pela internet. Esses foram os benefícios. – 66 AnosAtendente Legislativa Aposentada.– Significa estar em contato com o mundo moderno e sem limites. É tudo de bom. São muitosos benefícios. Estar em contata com amigos e familiares. Pesquisar, me informar, atualizar,
  • 27. 27compartilhar... Curtir... Ajudar e buscar ajuda trocar ideias... Integração... Sinto-me maisvalorizada por estar aprendendo informática. Faz muito bem ao ego. – 59 Anos – ProfessoraAposentada– Para mim inclusão digital é conexão com o mundo. Pessoas distantes ficaram maispróximas tudo chega rápido quase nada fica em segredo, a ciência avança. – 72 Anos – ProfessoraAposentadaSendo assim, pode-se observar que o significado da inclusão digital, em geral, éestar atualizado e poder usar as ferramentas tecnológicas para estar conectado com omundo e com as pessoas.Dessa forma, com a aplicação do segundo questionário, espera-se obter dados maisespecíficos em relação à utilização da informática, assim poderemos entender a realnecessidade dos participantes da pesquisa, bem como suas reais necessidades com ainserção no mundo digital.4.3 ANÁLISE DO QUESTIONÁRIO 2Esse segundo questionário destinou-se a perguntas mais objetivas com questões demúltipla escolha, sendo que algumas necessitam de justificativa. Essa segunda parte daaplicação dos questionários contou com 31 participantes, sendo a grande maioria mulheres94%. Com essa pesquisa, observaram-se os seguintes resultados: a média de idade dosparticipantes é de 63 anos. A diminuição da média de idade se deu através da diminuiçãodo número de participantes nesta segunda parte da pesquisa. Deles, 6% são da turmainiciante, 64% da intermediária, 24% da avançada.Na questão de n° 1 do segundo questionário, foi perguntado ao participante se elesabia ligar o computador: 94% responderam que SIM, que sabiam ligar o computador, 6%responderam que NÃO. Assim, observou-se que a maioria dos participantes possuía algumdomínio do computador, pois o utiliza com frequência, porém, não sabem ligá-lo, apenasmanuseá-lo.Na questão 2, foi perguntado ao participante se ele sabia manusear o mouse econduzi-lo até um ícone na tela e o acionar: 100% responderam que SIM, que sabiamrealizar essa operação.As questões de n° 3 a 5 são referentes à utilização do editor de texto.
  • 28. 28Na questão 3, foi perguntado ao participante se ele conseguia abrir o editor de textosomente utilizando o mouse: 84% responderam que SIM, que conseguem, 16%responderam que NÃO. O objetivo dessa pergunta foi verificar a habilidade do participantecom o mouse. Sendo assim, os participantes que responderam NÃO sabem utilizar o editorde texto ainda.Na questão 4, foi perguntado ao participante se ele sabe digitar números, palavras efrases no editor de texto: 84% responderam que SIM, que sabem digitar números, palavrase até mesmo frases; 16% responderam que NÃO. Assim como na questão 3, osparticipantes que aqui responderam NÃO, ainda não possuem conhecimento sobre autilização do editor de texto, por estarem há pouco tempo em contato com a informática.Na questão 5, foi perguntado aos participantes se eles sabem como apagar/deletar oque digitou no editor de texto: 94% responderam que SIM, que sabem comoapagar/deletar, 6% responderam que NÃO. Com isso, nota-se que os participantes queresponderam NÃO correspondem a 10% da turma intermediária. Assim como na questãode n° 3 e 4, essas pessoas ainda não possuem conhecimento da utilização de um editor detexto.Na questão 6, foi perguntado aos participantes se eles sabem como utilizar de letramaiúscula e minúscula no editor de texto: 94% responderam que SIM, que sabem comoutilizá-las, 6% responderam que NÃO. Assim, nota-se novamente que os participantes queresponderam que NÃO correspondem a 10% e são da turma intermediária.As questões de n° 7 a 11 são referentes à utilização da internet.Na questão 7, foi perguntado ao participante se ele sabe como acessar um site enavegar por ele: 100% responderam que SIM, que sabem acessar e navegar num site.Na questão 8, foi perguntado ao participante se sabe como acessar e-mail, abrirarquivos em anexos e enviar outro e-mail: 81% responderam que SIM e 19%responderam que NÃO. Desse modo, percebe-se que 50% dos participantes são da turmainiciante e 24% são da turma intermediária.Na figura 8 da questão n° 9, foi solicitado ao participante para que ele marcasseentre as opções (redes sociais, blogs, pesquisas, bate-papo, notícias, e-mail ou outra opçãonão mencionada) em que mais costuma ocupar seu tempo na internet: 74% responderam aopção redes sociais; 6% responderam blogs; 61% responderam pesquisas; 55%responderam bate-papo; 52% responderam que leem notícias; 77% responderam queocupam seu tempo lendo, ou enviando e-mail e 10% responderam que costumam ocupar
  • 29. 29seu tempo com outras coisas como (outros sites da internet, com música e com o jogofreecell).Figura 8 – Gráfico Questão 9Fonte: Próprio AutorNa tabela 1 da questão n° 9.1, foi perguntado ao participante quantas horas por diacostuma utilizar as opções redes sociais, blogs, pesquisas, bate-papo, notícias, e-mail ououtra opção não mencionada. A média de 1h e 11 min de utilização de acesso a e-mail; 1h05 min foi o tempo de utilização das redes sociais por participante; de 17 min de utilizaçãode blogs; 1h e 09 min para realização de pesquisas; 1h e 08 min para bate-papo e 20 minpara utilização com outras coisas (jogos, músicas entre outras não mencionadas).Tabela 1 – Respostas Questão 9.1Dados TemposE-mail 1h e 11 min.Pesquisas 1h e 09 minBate-Papo 1h e 08 min.Redes Sociais 1h e 05 min.Outros 20 min.Blog 17 min.Fonte: Próprio AutorNa tabela 2 da questão n° 10, foi perguntado aos participantes qual rede social elepossuía (Orkut, Facebook, Twitter, Não Tenho Rede Social ou Outra rede social nãomencionada). Nenhum possui somente Orkut; 17% possuem somente Facebook; 39%possuem as duas redes sociais, e 6% não possuem redes sociais.
  • 30. 30Tabela 2 – Tabela Questão 10Rede Social Qtd. Média/PessoaApenas Orkut 0 0%Apenas Facebook 17 55%Não Possui Rede Social 2 6%Orkut+Face 12 39%Fonte: Próprio AutorNa figura 9 da questão 11, foi perguntado ao participante se acha que as redessociais aproximam mais as pessoas, ou seja, acredita que ela consega despertar interessesde quem está se adaptando com o uso da tecnologia: 91% responderam que SIM, que elaaproxima mais as pessoas e 3% responderam que NÃO.Figura 9 – Gráfico questão 11Fonte: Próprio AutorFoi solicitado aos participantes justificarem suas respostas, dessa forma, pode-seobservar que maior parte dos participantes respondeu que as redes sociais aproximam aspessoas por facilitar a comunicação, podendo encontrar pessoas, familiares e amigos emqualquer parte do mundo onde estejam; também se torna um meio mais rápido e maisbarato de comunicação, pois é de graça, e ainda pode-se utilizar voz e vídeo, facilitando-seainda mais. Outro fator importante a ser destacado é a melhora da autoestima e umexcelente exercício para a memória, pois ela nos faz, mais vezes, recordar certas coisas queaconteceram há algum tempo.Assim, podemos ter por base que 55% acham que as redes sociais aproximam aspessoas por facilitar a comunicação; 42% acham que ela aproxima por ser um meio decomunicação mais rápido e vantajoso; e para os 3% que haviam respondido que NÃOacreditavam que as redes sociais poderiam aproximas as pessoas, a justificativa é: Prefiroconversar pessoalmente.
  • 31. 31Na figura 10 da questão 12, foi perguntado ao participante quanto tempo costumautilizar o computador em casa por dia: 6% dos participantes responderam que até 30minutos; 32% responderam que até 1 hora; 32% participantes responderam que até 2horas e 29% responderam que utilizam mais de 2 horas por dia.Figura 10 – Gráfico questão 12Fonte: Próprio AutorCom os dados desse segundo questionário, pode-se concluir que houve umaredução de 9% dos participantes em relação ao primeiro questionário.Analisando-se os questionários, nota-se que os benefícios foram vários, em geral, aaproximação de pessoas através das redes sociais, estar atualizado com as notícias, além damelhora de raciocínio e da autoestima.Também foi possível observar que durante a aplicação do segundo questionário,que era mais simplificado, também houve dificuldade, mas esta se deu por ser umaferramenta nova (questionário online do Google Formulário), mas em relação ao primeirohouve menos dificuldade em interpretar e responder às questões, justamente pelo fato demarcar, em maior parte, as opções SIM ou NÃO, e, em algumas outras, com opções paramarcar mais de uma alternativa.No primeiro questionário, os participantes da turma iniciante correspondem a 12%,já no 2° questionário correspondem apenas a 6% dos participantes, uma redução de 6%. Jáos participantes da turma intermediária, no primeiro questionário, foram 53% e nosegundo questionário foram 64%, havendo um aumento 11%, que corresponde a maiorparte dos participantes. Durante a aplicação desses questionários, na maior parte, asdificuldades estão nos participantes da turma intermediária, por serem em maior número eestar a menos tempo (6 meses a 1 ano) em contato com a tecnologia, pois muitos vieram hápouco da turma iniciante.
  • 32. 324.4 ANÁLISE E DISCURSOS DOS RESULTADOSFoi realizada uma comparação dos resultados dos questionários 1 e 2, aplicadosindividualmente. Desse modo, pode-se analisar os seguintes dados:No programa da Escola para Adultos, existe a predominância de mulheres, dessaforma, os participantes do sexo masculino representam 6% dos participantes, quando asparticipantes do sexo feminino correspondem a 94% dos participantes em ambos osquestionários.A média de idade dos participantes no 1° questionário foi 65 anos, já no 2° foi 63anos; houve uma redução de 2 anos, devido à ausência de alguns participantes da primeiraetapa.Em relação às respostas dos questionários, algumas questões se correlacionamdiretamente, como a questão 4, em que foi perguntado aos participantes o que os levou aquerer aprender informática. As respostas com maior índice são: 31,8% buscam ainformática como uma forma de se atualizar; 19,7% comunicar com familiares e amigos;10,6% por necessidade de adquirir novos conhecimentos; 6,1% para terdistração/passatempo. Esta, por sua vez, está relacionada com as questões 9 e 9.1 do 2°questionário, em que os participantes responderam as perguntas 9 – as opções em que vocêmais costuma ocupar seu tempo na internet: a) Redes Sociais b) Blogs c) Pesquisas d)Bate-Bapo e) Notícias f) e-mail g) Outro. Na questão 9.1, foi perguntado quantas horasaproximadamente por dia eles costumam utilizar as opções acima: e-mail: 77% e umamédia de 1h e 11 min de utilização por dia; redes sociais: 74% - 1h e 05min; pesquisas:61% - 1h 09 min; e bate-papo: 55% - 1h e 08min. Sendo assim, estão dentro dos seuspropósitos, pois, através de e-mail, redes sociais, pesquisas e bate-papo estão seatualizando e, ao mesmo tempo, comunicando-se direta e indiretamente e, assim, com astrocas de informações entre amigos e familiares, estão adquirindo novos conhecimentos ese adaptando com o uso das TICs.Outra questão que está relacionada é a 15 do 1° questionário, com a questão 2 do 2°questionário. A questão 15, em que foi perguntado se os participantes possuíam limitaçõesmotoras, 97% responderam NÃO. E na questão 02, em que foi perguntado se oparticipante sabia conduzir o mouse até um ícone na tela e clicar, 100% responderam SIM,sendo assim, a limitação motora em braços e mãos pode até dificultar, mas não impede quea pessoa realize sozinha essa operação, do seu jeito e no seu tempo.
  • 33. 33Sendo assim, pode-se confirmar o que o autor Rybash (apud FIALHO, 2001)argumentou sobre a cognição, que se refere à coleção de processos que servem paratransformar, organizar, selecionar, reter e interpretar informações. Assim acontece com aaprendizagem de algo novo na informática a esse grupo de pessoas, pois, estão maispreocupadas em realizar a anotação daquela informação do que tentar armazenar ecompreender tal informação, assim suas dificuldades cognitivas aumentam por suamemória não ser tão exigida como poderia ser.Muitos investigadores do envelhecimento cognitivo citados por Nunes (1999)utilizam o processamento das informações para investigar os aspectos cognitivos afetadoscom a idade. Para o autor, a maioria dos idosos tem dificuldades na organização einterpretação da informação. Com o passar da idade, as pessoas apresentam um declínio nahabilidade de reconhecer os objetos (RYBASH, 1995). Na prática, isso é bem visível, poisas pessoas dessa faixa etária possuem uma grande dificuldade em encontrar ícones na tela,bem como em reconhecê-los. Tais ícones, muitas vezes, estão visíveis, mas tais pessoasdemoram certo tempo para conseguir realizar o contato visual. Outro fator é a dificuldadede coordenação motora na utilização do mouse: em média, essas pessoas levam 2 a 3 vezesmais tempo que um adolescente, que assimila as informações com muito mais agilidade.Conforme Nunes (1999), existem dois aspectos que mais afetam o desempenhodo idoso: a atenção seletiva e a atenção dividida. A atenção seletiva refere-se à habilidadede distinguir informações pertinentes das irrelevantes. A atenção dividida refere-se aoprocessamento de duas ou mais informações ao mesmo tempo. Durante a observaçãoassistemática nas aulas de informática, notou-se que maior parte dos alunos possui aatenção dividida, ou seja, não consegue distinguir o que é importante e o que não é. Porexemplo, se o professor pede para abrirem um determinado navegador de internet, osalunos demoram um tempo para localizar onde se encontra tal navegador, muitas vezes,abrindo outro navegador ou até mesmo abrindo outro programa que não tem a ver com oque foi solicitado, isso apenas por não desenvolver sua atenção seletiva.Assim, pode-se dizer (GOULART, 2007) que, para que a aprendizagem possaser significativa, é necessário ter disposição para aprender, ou seja, se a pessoas quiseremmemorizar arbitrariamente, então, a aprendizagem será mecânica, devendo sersignificativa, lógica e psicologicamente significativa, ou seja, deverá ser compreendidapela memória, a fim de se obter uma melhor memorização. Ao acompanhar as aulas e atémesmo durante a aplicação dos testes, notou-se que grande parte dos que estão
  • 34. 34participando das aulas de informática possui essa disposição em querer aprender, sente-semotivados a cada conhecimento adquirido e acaba perdendo seu medo. Isso faz com que osalunos se motivem, pois a aprendizagem depende também da sua boa vontade.Porém, outra pequena parte acaba não frequentando as aulas com certapersistência, acabam perdendo informações novas e esquecendo suas habilidades emrelação ao uso do computador.Muitas vezes, essas pessoas possuem alguns impedimentos que, geralmente, sãode saúde, ou seja, por possuírem algum familiar doente e este, por sua vez, necessitar decuidados constantes, o aluno fica impossibilitado de comparecer às aulas com frequência ede praticar em casa, pois, geralmente encontra-se com ocupado, acarretando no seuaprendizado.
  • 35. 355 CONCLUSÕESAo realizar a pesquisa sobre os benefícios da inclusão digital para adultos-idosos,foi possível observar o quanto e quais são os benefícios proporcionados pela inclusãodigital (informática) ao programa de alunos da Escola para Adultos da FAMES. Sendoassim, pode-se concluir que a idade não é mais um empecilho ou desculpa para ser umexcluído digitalmente. Os benefícios são diversos, em geral, a aproximação das pessoasatravés das redes sociais, a atualização com as notícias, além da melhora do raciocínio e daautoestima, e ainda o bem-estar, o que auxilia no tratamento da saúde.Sendo assim, pode-se observar que o significado da inclusão digital, em geral, éestar atualizado e poder usar as ferramentas tecnológicas para estar conectado com omundo.Também foi possível observar que durante a aplicação do segundo questionário,que era mais simplificado, também houve maior dificuldade, mas esta se deu por ser umaferramenta diferente, mas, em relação ao primeiro, houve menos dificuldade em interpretare responder às questões, justamente, pelo fato de marcarem, em maior partem as opçõesSIM e NÃO, e algumas outras opções com alternativas.Após a conclusão dos questionários, observou-se que os alunos da turmaintermediária são os que mais possuem dificuldades em relação à utilização da tecnologia,ou seja, ainda se encontram numa fase de adaptação com a informática. Isso foi possívelcaptar através das questões da segunda parte, em que alguns alunos demonstraram jápossuir uma adaptação com a informática e uma boa parte demonstrou que ainda se senteinsegura com o computador; com isso, foi possível utilizar essas informações para resgataros conhecimentos adquiridos e incentivar os alunos a não desistirem e passarem afrequentar as aulas pelo menos uma vez na semana.Embora muitos alunos já estejam frequentando as aulas de informática há mais de 2anos, alguns ainda possuem certo medo e também uma dependência do professor oufamiliar para o ajudar. Esse é considerado um processo natural da idade, mas o propósitoda Oficina de Inclusão Digital (informática) é ensinar o aluno a tornar-se independente eperder seu medo, assim, ele irá conseguir realizar o que aprendeu em casa ou na aula semprecisar de ajuda.Por fim, a inclusão digital para adultos-idosos trouxe muitos benefícios que sãovisíveis através das aulas e das interações junto às redes sociais e blogs, onde são seus
  • 36. 36meios de expressar seus sentimentos e emoções, não se importando se estão escrevendocorretamente ou não, ou que repercussões irão causar; é seu meio de relatar umacontecimento, algum evento, alguma atividade realizada, como passeios, viagens eatividades de aulas, seja através de textos ou fotos. Para algumas, é como seu fosse seudiário pessoal aberto aos seus amigos.Então, a inclusão digital levou essas pessoas a uma melhora de interação eaprendizado, passando ser uma atividade lúdica, e gerando um feedback imediato atravésdas meios midiáticos.Com base os objetivos específicos, através da revisão bibliográfica e com base aamostragem dos questionários, pode-se compreender o real interesse e necessidade dosparticipantes bem como suas dificuldades expressadas através desta pesquisa, assimcaptando os benefícios proporcionados pela inclusão digital.Assim, esse grupo de adultos-idosos não ficou à deriva, e espera-se, com isso,poder aumentar a expectativa de vida dessas pessoas idosas através do uso das TICs,despertando cada vez mais o interesse desse público idoso.
  • 37. 37REFERÊNCIASARGIMON, I. de L. & VITOLA, J. C. (2003) Estratégias para facilitar a convivência. InDornelles, B., Costa, J. da. Investindo no Envelhecimento Saudável. (pp 167- 177). PortoAlegre: EDIPUCRS..BEAUVOIR, Simone. A velhice, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.CASTELLS, M. La brecha educativa ES La decisiva em La sociedad La información,2005. Tradução nossa. Entrevista. Quadernos internacionales de tecnologia para El desarrollohumano. Disponível em: <http://www.cuadernos.tpdh.org/articulos.php?id=116>. Acessadoem: 03/05/2012.FIALHO, F. A. P. Ciências da cognição. Mídia e Conhecimento, Livro. UFSC -Florianópolis: Editora Insular, 2001 v1, p. 263.FERNANDES, Rosana. Informática para a terceira idade. Disponível em:<http://www.ruadireita.com/informatica/info/informatica-para-a-terceira-idade/>. Acessadoem: 19/04/2012.GOULART, D. Inclusão Digital na Terceira Idade: a Virtualidade Como Objeto eReencantamento da Aprendizagem. Dissertação (Mestrado em Educação). Porto Alegre,2007. 196 f.GRISPINO, Izabel Saldanha. Memória e Processo Pedagógico. 2007. Disponível em:<http://www.izabelsadallagrispino.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1264:memoria-e-processo-pedagogico&catid=103:artigos-educacionais&Itemid=456>. Acessoem: 07/07/2012.JENTOFT, A. (2006). La vejez positiva. Nunca es demasiado tarde para ser feliz. Madrid:La esfera de los libros. Tradução nossa. ISBN : 9788497344999 . Nº Edición :1ª . Año deedición :2006 . Plaza edición : MADRIDKACHAR, Vitória. A terceira idade e o computador: Interação e produção num ambienteeducacional interdisciplinar. Pós-Graduação em Educação: Currículo. Tese de Doutorado,Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2001.KACHAR, V. A terceira idade e a exploração do espaço virtual da internet. In: Côrte,Beltrina; Mercadante, Elisabeth e Gaeta, Irene Arcuri. (Org.). Envelhecimento e Velhice: umguia para a vida. : Editora Vetor, 2006, v. , p. 287-306.MANDEL, T. The elements of user interface design. NY: John Wiley & Sons, Inc, 1997.Tradução nossa. Livro. ISBN: 0-471-16267-1, 448 Pages.
  • 38. 38NUNES, R.C. Metodologia para o ensino de informática para a terceira idade: aplicaçãono CEFET/SC. 1999. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) –Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1999.OLIVEIRA, Rômulo Silva de; CARISSIMI, Alexandre e TOSCANI, Simão. Livro: SistemasOperacionais - 2ª edição – Porto Alegre: Instituto de Informática da UFRGS: Saga Luzzatto,2001. Pag. 1. Cap. 1.PEREIRA, C.; NEVES, R. Os idosos e as TIC – competências de comunicação e qualidadede vida. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 05-26, mar. 2011. ISSN 2176-901XRYBASH, J.M. Adult development and aging. New York. Brown & Benchmark Publishers,1995.Tradução nossa.SILVA, S. Inclusão digital para pessoas da terceira idade. Dialogia, São Paulo, v. 6, p. XX-XX, 2007.SALES, Márcia B.; MARIANI, A. Carlos e ALVAREZ, Ângela Maria. LivroINFORMÁTICA PARA A 3ª IDADE. Rio de Janeiro, p. 25, 01/2009. ISBN: 978-85-7393-802-9.TREVISAN, Tatiana V. Informativo da Escola para Adultos. Santa Maria, Ed 001, Ano 01 -P 02, 2011.VERGARA, R. e FLORESTA, C. Idosos no Brasil estão cada vez mais ativos. Folha de SãoPaulo, São Paulo, 06 ago. 1999. 2. cad. p. 5. Disponível em:<http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff06089919.htm>.
  • 39. 39ANEXO A – Métodos Abordados em AulaMódulo I – Informática Iniciantes:Introdução à informática: História do computador, Ligando, Desligando, Teclado,Mouse.Sistema Operacional: Introdução ao Windows XP, Trabalhando Motricidade(Desenho), Área de trabalho; Menus e Atalhos; Minimizando, Maximizando eFechando; Iniciando uma Aplicação; Pasta; Desligando o Computador.Módulo II – Informática Intermediário:Internet: Aprender a utilizar o Navegador e os seus principais serviços, utilizando osite de busca Google, o site de visualização de vídeos Youtube e pesquisas.e-mail: Criar conta de e-mail no Gmail, enviar/receber mensagem, ler mensagensrecebidas, utilizando o bate-papo para interagir com os amigos e colegas.Rede Sociais: Utilização de forma consciente das Redes Sociais em especialFacebook, Adicionar amigos, fazer pesquisas, enviar recados, enviar/recebermensagens, Chat, Fotos, Preservação de Dados pessoais e sociais entre outros.Google Maps: Utilização de mapas e ratas com a ferramenta do Google, bem como ouso do StreetView que permite visualização real de determinados lugares.Pacote Office: Editor de texto (Word): Introdução, Digitação de Textos e Formataçãodo mesmo. Tal como Tamanho de Fonte, Estilo de Fonte, Cor de Fonte, Formação deparágrafo e Ortográfica. Utilização de Pendrive para Salvar o Texto. PlanilhasEletrônicas (Excel): Introdução, Passo-a-Passo de uma Montagem de uma Planilha deControle de Orçamento Familiar/Pessoal. Apresentação (Power Point): Introdução,Criação de uma Apresentação com Fotos pessoais e Textos, utilizando efeitos deanimações e transição.Módulo III – Informática AvançadaDevido a esta ser uma turma com um pouco mais de conhecimento e estar mais tempona escola e também na informática, deu-se um enfoque diferente para trabalhar com estegrupo, visando sempre os interesses pessoais do grupo, em aprender coisas novas, entãoprocurou sempre em realizar atividades abordando o uso de imagens (fotos), devido a sua
  • 40. 40utilização para fins de Redes sociais e Blogs. Portanto segue abaixo alguns dos conteúdostrabalhados neste módulo.Fotos: utilizam-se dois Softwares para trabalham com fotos. 1- Micosoft PictureManeger; 2 – PhotoScape.. No 1° foi utilizado para tratamento de imagem, Girar,Cortar uma imagem, Reduzir/Ampliar uma imagem. Já no 2° trabalhado no ano esemestre vigente, foram abordados conteúdos como: Modulas em imagensindividuais e em Coletivo, utilização de montagem de fotos em modelos pré-estabelecidos, bem como redimensionamento, molduras individuais e página,inserção de objetos como caricaturas e desenhos na imagem, entre outros.Vídeos: Ao trabalharmos com vídeos utilizamos uma ferramenta do Windows,chamada de Windows Movie Maker, onde também utilizamos imagens, vídeo emúsicas para realizar a montagem de um pequeno vídeo, onde após inserirmos asimagens/vídeos/músicas, adicionarmos alguns efeitos oferecidos pelo programa,Após finalizando o vídeo e Gravando o mesmo em um CD/DVD. O objetivo é queos alunos criem seus próprios vídeos para apresentação em eventos da Escola.Imagens: Outra ferramenta utilizada para trabalhar com imagens foi o BrofficeDraw, no qual foi trabalhado com a criação de cartões, capas de CD/DVD,Cartazes, convites.
  • 41. 41ANEXO B – Questões Avaliativas Abordadas1° QUESTIONÁRIO APLICADO DURANTE O PERÍDO DA PESQUISA:Este questionário é mais uma entrevista do que técnico, justamente para conhecer oparticipante da pesquisa, bem como suas opiniões e expectativas em relação a inclusãodigital. Sendo assim, é possível compreender qual o grau de importância e dificuldade decada participante. As principais perguntas que serão usadas são:Qual Turma da Informática você Freqüenta? *O IniciantesO IntermediárioO Avançado1) Qual sua idade? *2) Você é Aposentado(a)? *O SimO Não3) Qual sua profissão? *Profissão no qual, você exerce ou exercia (antes de se aposentar).4) O que levou você a querer aprender informática? *5) Você acha que a idade, é um empecilho para ser incluída digitalmente? *O SimO NãoCaso Tenha Respondido "SIM", acima, responda, QUAL É O EMPECILHO?Caso Tenha Respondido "NÃO" desconsidere esta questão.6) De que forma, você acredita que sua família enxerga você, se inserindo no mundo digital(Informática) na sua idade? *7) Você recebeu ou recebe algum incentivo (reconhecimento), por parte da sua família? *O SimO Não
  • 42. 428) Qual sua expectativa em relação à informática? *9) Você tem computador em Casa? *O SimO Não10) Sua família ajuda você a mexer com o Computador? *O SimO Não11) Você acha que problemas de saúde que possa dificultar a sua aprendizagem? *O SimO NãoCaso Tenha Respondido "SIM", acima, responda, QUAL?Caso Tenha Respondido "Não", Desconsidere esta questão.12) Você acredita que a informática ajuda no tratamento de perda de memória? *O SimO Não13) Cite qual método que você utiliza para memorizar os passos de uma atividade realizadano computador? *14) Você possui algum problema de Audição? *O SimO Não15) Você possui alguma limitação motora nas mãos ou braços? *O SimO NãoCaso Tenha Respondido "SIM", acima, responda, QUAL?Caso Tenha Respondido "Não", Desconsidere esta questão.16) Quais os interesses, necessidades e dificuldades para você aprender a inclusão digital(aulas)? *17) Qual o significado da inclusão digital, para você? Quais foram os benefícios que a mesmaproporcionou para você? *
  • 43. 43ANEXO C - Questões Avaliativas Abordadas2° Questionário aplicado durante o período da PesquisaA utilização destas questões deverá ser aplicada ao término do curso, durante osmeses de Out-Nov, deste Ano, durante as aulas. Este questionário deve ser aplicados maisao final do semestre por serem questões relacionadas à utilização do computador. Destaforma, permitirá participação de mais pessoas (Ex. Turma iniciantes). Sendo assimpoderemos obter uma melhor avaliação, essas questões também podem ser utilizadas pelosalunos participantes.Marque ou responda as questões opções abaixo:*ObrigatórioQual Turma da Informática você Frequentá? *O IniciantesO IntermediárioO AvançadoQual Sua idade? *1) Você Sabe ligar o computador? *O SimO Não2) Você Sabe manusear o mouse, conduzindo até um ícone na tela e acionar? *O SimO Não3) Você Consegue abrir o editor de texto utilizando somente o mouse? *O SimO Não4) Você sabe digitar números, palavras e frases no editor de texto? *O SimO Não
  • 44. 445) Você sabe apagar ou deletar o que escreveu no editor de texto? *O SimO Não6) Você sabe como utilizar a tecla de Maiúscula e Minúscula no editor de texto? *O SimO Não7) Você sabe acessar um site na Internet e navegar nele? *O SimO Não8) Você sabe como acessar e-mail, abrir arquivos anexos e enviar outro email? *O SimO Não9) Marque abaixo as opções em que você mais costuma ocupar seu tempo nainternet?*Redes SociaisBlogsPesquisasBate-papoNotíciase-mailOutro:9.1) Quantas horas aproximadamente por dia você costuma utilizar as opções acima:*a) Redes Sociais*b) Blogs:*
  • 45. 45c) Pesquisas:*d) Bate-Papo (Msn, Gtalk, Skype, facebook...):*e) e-mail:*f)Outro:10) Marque abaixo qual Rede Social você possui? *OrkutFacebookTwitterNão Tenho Rede SocialOutro:11) Você acha que as redes sociais, aproximam mais as pessoas, ou seja, acredita queela consiga despertar interesses de quem está se adaptando com o uso daTecnologia?*O SimO NãoJustifique sua Resposta Acima: *12) Quanto tempo você costuma utilizar do computador em casa por dia?O 30 minO 1hO 2hsO +2hs
  • 46. 46ANEXO D – DOCUMENTOS APROVADOS PELA CAMERA DE PESQUISA E PÓS-GRADUÇÃO01 - Termo de Autorização Institucional – FAMES;02 - Termo de Consentimento Livre e Esclarecido;03 - Parecer da Orientadora;04 - Termo de Compromisso de Utilização de Dados.
  • 47. 47
  • 48. 48
  • 49. 49
  • 50. 50