Gildenir Carolino Santos Bibliotecário/Mestre em Educação Faculdade de Educação/UNICAMP Estrutura e Organização  de trabal...
1. OBJETIVO 2. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas 3. NBR-6023/Agosto/2000( Normas brasileiras de referência) ...
Através da normalização e orientação bibliográfica, capacitar o usuário na organização e elaboração das referências dos do...
3. NBR-6023/Agosto - 2002 NBR :  designação para as normas brasileiras de referências. Objetivo da NBR:  fixar condições e...
4.DEFINIÇÕES Referências bibliográficas:  “ conjunto de elementos que permite a identificação de publicações, no todo ou e...
5. OUTRAS NORMAS NO MUNDO DIN -  Deutsches Institut für Normung  (DE) AFNOR -  Association Française de Normalisation  (FR...
6. ONDE BUSCAR AS FONTES PARA  ELABORAR A REFERÊNCIA CORRETA? Santos, Marcelo Pereira dos. Sa59c  A educação continuada no...
7. ELEMENTOS DA REFERÊNCIA <ul><ul><ul><li>Autor </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Título e subtítulo da obra </li></ul>...
8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.1 REFERÊNCIA DE LIVRO COM UM AUTOR AUTOR.  Título : subtítulo. Edição. Local: Editor...
8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.2 REFERÊNCIA DE LIVRO COM DOIS AUTORES AUTOR ; AUTOR.  Título : subtítulo.  Local: E...
8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.4 REFERÊNCIA DE LIVRO COM + DE QUATRO AUTORES AUTOR  et al.   Título : subtítulo.  L...
8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.6 REFERÊNCIA DE ARTIGO DE PERIÓDICO AUTOR. Título do artigo.  Título do periódico , ...
8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.7 REFERÊNCIA DE EVENTOS (Congresso...) AUTOR. Título do artigo.  In : TÍTULO DO EVEN...
8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.8 REFERÊNCIA DE TCC, DISSERTAÇÃO E TESE AUTOR.  Título : subtítulo. Data. Nº de folh...
8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.9 REFERÊNCIA DE SOBRENOMES COMPOSTOS  SANTOS FILHO , J. dos. DIAS SOBRINHO , J. MEGI...
8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.10  DOCUMENTOS ELETRÔNICOS <ul><li>Os elementos básicos e essenciais da referência b...
8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.8.2 TRABALHO DE CONGRESSO SILVA, R. N.; OLIVEIRA, R. Os limites pedagógicos do parad...
8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.8.5 MENSAGEM RECEBIDA VIA E-MAIL Remetente.   Assunto da mensagem .  [mensagem pesso...
1. NBR-( Normas brasileiras de referência)10520/AGOSTO/2002 Conceito :  designação para as normas brasileiras de apresenta...
1. NBR-10520/AGOSTO/2002: Conceito e Objetivo 2. TIPOS DE CITAÇÕES 2.1 Conceituação 2.1.1. Citações livres ou indiretas 2....
2.1  Conceituação São trechos transcritos ou informações retiradas das publicações consultadas para a realização do trabal...
2.1.1  Citações livres ou indiretas Transcrição livre do texto do autor consultado. 2. TIPOS DE CITAÇÕES Exemplo:   A alfa...
2. TIPOS DE CITAÇÕES 2.1.3  Citações de citação transcrição direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao or...
2. TIPOS DE CITAÇÕES 2.1.5  Transcrições de texto As transcrições de texto com mais de três linhas devem ser destacadas co...
© GCS, 2003 Ainda quanto às transcrições de textos com mais de três linhas, outra forma utilizada é colocar o sobrenome do...
3.1 NBR-14724/AGOSTO-2002 : Objetivo  3.2 DEFINIÇÃO 3.3 DIVISÃO/ESTRUTURA 3.3.1 Pré-textuais 3.3.2 Textuais 3.3.3 Pós-text...
3.1 NBR-14724/AGOSTO -2002 : OBJETIVO “ Esta Norma estabelece os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmic...
3.2 DEFINIÇÃO “ Trabalhos acadêmicos - similares (trabalho de conclusão de curso - TCC, trabalho de graduação interdiscipl...
3.2.1 ASPECTOS TÉCNICOS DA REDAÇÃO © GCS, 2003
3.2.2 FORMATAÇÃO DAS MARGENS MARGENS © GCS, 2003 Esquerda 3,0  Direita 3,0  Inferior 2,0  Superior 2,0
3.3 DIVISÃO/ESTRUTURA <ul><ul><li>3.3.1 Pré-textuais </li></ul></ul><ul><ul><li>3.3.2 Textuais </li></ul></ul><ul><ul><li>...
3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Educação Fabiana Buscariol O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA...
3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Educação Fabiana Buscariol O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA...
3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Catalogação na fonte (CIP) elaborada pela Biblioteca da Faculdade de Educação da UNICAMP Bibliotecário:...
3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Dedico este trabalho  aos meus pais João e  Silvia Buscariol DEDICATÓRIA © GCS, 2003
3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Escrever é uma arte do  ser humano. Pensar também  é arte do ser humano EPÍGRAFE © GCS, 2003
3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Agradecimentos Agradeço este trabalho imensamente a minha orientadora Profa. Dra. Afira Vianna Ripper p...
3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS RESUMO O presente trabalho tem como objetivo a revelação do computador com instrumento importante  para...
3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - Integração entre bibliotecário-pesquisador, professor ....... 3 0 FIGUR...
3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS SUMÁRIO Dedicatória Epígrafe Agradecimentos Resumo Listas de figuras CAPÍTULO I  1. O COMPUTADOR 1.1 O ...
3.3.2 TEXTUAIS <ul><li>INTRODUÇÃO </li></ul><ul><li>DESENVOLVIMENTO </li></ul><ul><li>CONCLUSÃO </li></ul>TEXTO © GCS, 2003
3.3.3 PÓS-TEXTUAIS Referências Bibliográficas ALESSANDRINI, C.D.  Criatividade e educação.  In:  VASCONCELOS, M.S.  Criati...
3.3.3 PÓS-TEXTUAIS ANEXOS A - Questionários de avaliação B - Mapa dos computadores na escola C - Tipos de softwares utiliz...
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.  Informação e documentação :  trabalhos acadêmicos - apresentação (NBR 14724). J...
ACESSO AO SITE DA BFE © GCS, 2003 www.bibli.fae.unicamp.br/index.html
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Abnt carlos

1,902

Published on

Published in: Technology, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,902
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
28
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Abnt carlos

  1. 1. Gildenir Carolino Santos Bibliotecário/Mestre em Educação Faculdade de Educação/UNICAMP Estrutura e Organização de trabalhos técnico-científicos © GCS, 2003
  2. 2. 1. OBJETIVO 2. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas 3. NBR-6023/Agosto/2000( Normas brasileiras de referência) 4. DEFINIÇÕES: Referência e Bibliografia 5. OUTRAS NORMAS NO MUNDO 6. ONDE BUSCAR AS FONTES PARA ELABORAR A “RB” 7. ELEMENTOS DA REFERÊNCIA 8. ESTRUTURA DA REFERÊNCIA DE ALGUNS SUPORTES PARTE I © GCS, 2003
  3. 3. Através da normalização e orientação bibliográfica, capacitar o usuário na organização e elaboração das referências dos documentos impressos eletrônicos, segundo as normas da ABNT. 1. OBJETIVO © GCS, 2003 2. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Órgão responsável pela normalização técnica no país, fundada em 1940 para fornecer a base necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro. A ABNT é uma entidade privada, sem fins lucrativos, reconhecida como Fórum Nacional de Normalização.
  4. 4. 3. NBR-6023/Agosto - 2002 NBR : designação para as normas brasileiras de referências. Objetivo da NBR: fixar condições exigíveis pelas quais devem ser referenciadas as publicações mencionadas em um determinado trabalho, relacionadas em bibliografias ou que são objeto de resumo. © GCS, 2003
  5. 5. 4.DEFINIÇÕES Referências bibliográficas: “ conjunto de elementos que permite a identificação de publicações, no todo ou em parte. Relacionam-se as referências bibliográficas em lista própria, incluindo-se todas as fontes efetivamente utilizadas para a elaboração do trabalho ”. (FRANÇA, 2001, p.123) Bibliografia: “ difere da lista de referências bibliográficas por se tratar de um levantamento bibliográfico sobre o tema ou com ele relacionado... Tem por objetivo possibilitar ao leitor condição para um aprofundamento maior no assunto .” (FRANÇA, 2001, p.123). São obras que não foram citadas direta ou indiretamente no corpo do trabalho e que podem ser relacionadas conforme as normas. © GCS, 2003
  6. 6. 5. OUTRAS NORMAS NO MUNDO DIN - Deutsches Institut für Normung (DE) AFNOR - Association Française de Normalisation (FR) APA - American Psychological Association (EUA) BRITISH – Inglaterra (UK) VANCOVER - (EUA) ISO - International Organization for Standardization (CH) © GCS, 2003
  7. 7. 6. ONDE BUSCAR AS FONTES PARA ELABORAR A REFERÊNCIA CORRETA? Santos, Marcelo Pereira dos. Sa59c A educação continuada nos cursos de pedagogia / Marcelo Pereira dos Santos. -- Campinas, SP : [s.n.], 1996. Orientador: Maria José do Nascimento. Trabalho de conclusão de curso (graduação) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. 1. Educação continuada. 2. Educação. I. Nascimento, Maria José do. II. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. III. Título. 96-BFE-015 FICHA CATALOGRÁFICA DO MATERIAL PÁGINA DE ROSTO DO MATERIAL Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Educação Fabiana Buscariol O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA software para desenvolvimento do raciocínio nas crianças Campinas 1999 © GCS, 2003
  8. 8. 7. ELEMENTOS DA REFERÊNCIA <ul><ul><ul><li>Autor </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Título e subtítulo da obra </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Número de edição </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tradução (se possuir) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Local de publicação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Editora </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ano de publicação </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Número de páginas ou volume (opcional) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Título de série, coleção e número (opcional) </li></ul></ul></ul>© GCS, 2003
  9. 9. 8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.1 REFERÊNCIA DE LIVRO COM UM AUTOR AUTOR. Título : subtítulo. Edição. Local: Editora, data. Páginas . (Série ; n. ou v.) SANTINI, R. de C.G. // Dimensões do lazer e da recreação : / questões espaciais, sociais e psicológicas . // 2. ed. // São Paulo: / Angelotti, / 1993 .// 101p.//(Série Recreação; n.21) <ul><li>DICAS : </li></ul><ul><li>Páginas - Série = (Elementos optativos) </li></ul><ul><li>/ = um espaço do computador </li></ul><ul><li>// = dois espaços do computador </li></ul><ul><li>Optar por padronizar os nomes dos autores (extenso ou abreviado) . </li></ul>© GCS, 2003
  10. 10. 8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.2 REFERÊNCIA DE LIVRO COM DOIS AUTORES AUTOR ; AUTOR. Título : subtítulo. Local: Editora, data. SANTINI, R. de C.G. ; SANTOS, G.C. Dimensões do lazer e da recreação : questões espaciais, sociais e psicológicas . 2. ed. São Paulo: Angelotti, 1993. © GCS, 2003 8.3 REFERÊNCIA DE LIVRO COM TRÊS AUTORES AUTOR ; AUTOR ; AUTOR. Título : subtítulo. Local: Editora, data. SANTINI, R. de C.G. ; SANTOS, G.C. ; PASSOS, R. Dimensões do lazer e da recreação : questões espaciais, sociais e psicológicas . 2. ed. São Paulo: Angelotti, 1993.
  11. 11. 8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.4 REFERÊNCIA DE LIVRO COM + DE QUATRO AUTORES AUTOR et al. Título : subtítulo. Local: Editora, data. Páginas. SANTINI, R. de C.G. et al. Dimensões do lazer e da recreação : questões espaciais, sociais e psicológicas . São Paulo: Angelotti, 1993. © GCS, 2003 8.5 REFERÊNCIA COM COLABORADOES, EDITORES... SILVA, A. V. da (Colab.). Métodos e técnicas de escrita . Campinas, SP: Papirus,1987. SOUZA, H. (Org.). Ciência hoje e amanhã : como seguir o futuro. Campinas, SP: Alínea, 1990. SANTANA, A. (Ed.). A Biblioteca Nacional no Brasil : valores de uma cultura. 2. ed. Rio de Janeiro: BN, 2000.
  12. 12. 8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.6 REFERÊNCIA DE ARTIGO DE PERIÓDICO AUTOR. Título do artigo. Título do periódico , Cidade, v., n., p. inicial-p.final, mês abreviado ano. PAZ, M. E. da. A educação sócio-econômica do Reino Unido. Educação & Realidade , Porto Alegre, v. 20, n. 1, p.191-202, jan./jun.1995. © GCS, 2003
  13. 13. 8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.7 REFERÊNCIA DE EVENTOS (Congresso...) AUTOR. Título do artigo. In : TÍTULO DO EVENTO, n., data, Cidade do evento. Anais... ou Resumos... Local: Editora, data. Páginas. PEREIRA, Á. O projeto Eureka. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO, 10.,1979, Balneário Camboriú. Anais... Florianópolis: CBE, 1979. p.81-89. © GCS, 2003
  14. 14. 8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.8 REFERÊNCIA DE TCC, DISSERTAÇÃO E TESE AUTOR. Título : subtítulo. Data. Nº de folhas. Grau (tipo e área de concentração) - Instituto, Faculdade ou Núcleo, Universidade (Extenso), Cidade. ANVES, S.M. A estratégia do ensino-aprendizagem em crianças de fase inicial no ensino fundamental . 1996. 78 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. PEREIRA, P.A. O estudo de gênero nos ambientes de sala de aula : como trabalhar com o comportamento dos alunos das escolas municipais do Piauí. 1978. 234 f. Dissertação ( Mestrado em Psicologia Educacional) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. © GCS, 2003
  15. 15. 8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.9 REFERÊNCIA DE SOBRENOMES COMPOSTOS SANTOS FILHO , J. dos. DIAS SOBRINHO , J. MEGID NETO , J. SILVA JÚNIOR , A. GUEDES-PINTO , A.L. SANCHEZ GAMBOA , S.A. GOMEZ ESTEVES , E. © GCS, 2003
  16. 16. 8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.10 DOCUMENTOS ELETRÔNICOS <ul><li>Os elementos básicos e essenciais da referência bibliográfica dos documentos eletrônicos são: </li></ul><ul><ul><li>Identificação de autoria; </li></ul></ul><ul><ul><li>Local onde o documento encontra-se armazenado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Data. </li></ul></ul>8.8.1 CONGRESSO CIENTÍFICO CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe, 4., 1996 Recife. Anais eletrônicos... Recife: UFPe, 1996. Disponível em: <http://www.propesq.ufpe.br/anais/anais.htm>. Acesso em: 21 jan. 1997. © GCS, 2003
  17. 17. 8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.8.2 TRABALHO DE CONGRESSO SILVA, R. N.; OLIVEIRA, R. Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total na educação. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe, 4., 1996, Recife. Anais eletrônicos... Recife: UFPe, 1996. Disponível em: <http://www.prospeq.ufpe.br/anais/anais/educ/ce04.htm>. Acesso em: 21 jan. 1997 8.8.3 BANCO DE DADOS AVES do Amapá: banco de dados. Disponível em: <http://www.bdt.org/btd/avifauna/aves>. Acesso em: 30 maio 2002. 8.8.4 HOME PAGE INSTITUCIONAL CIVITAS. Coordenação de Simão Pedro P. Marinho. Desenvolvido pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 1995-1998. Apresenta textos sobre urbanismo e desenvolvimento de cidades. Disponível em: <http://gcsnet.com.br/oamis/civitas>. Acesso em: 27 nov. 1998. © GCS, 2003
  18. 18. 8. TIPOS DE ESTRUTURA DE REFERÊNCIA 8.8.5 MENSAGEM RECEBIDA VIA E-MAIL Remetente.  Assunto da mensagem .  [mensagem pessoal].  Destinatário (Endereço eletrônico do destinatário)   Data da mensagem. ACCIOLY, F. Publicação eletrônica [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por <mtmendes@uol.com.br> em 26 jan. 2000. @ @ © GCS, 2003
  19. 19. 1. NBR-( Normas brasileiras de referência)10520/AGOSTO/2002 Conceito : designação para as normas brasileiras de apresentação de citações em documentos. Objetivo : fixar as condições exigíveis de apresentação de citações em documentos, para orientar autores e editores. © GCS, 2003
  20. 20. 1. NBR-10520/AGOSTO/2002: Conceito e Objetivo 2. TIPOS DE CITAÇÕES 2.1 Conceituação 2.1.1. Citações livres ou indiretas 2.1.2 Citações textuais ou diretas 2.1.3 Citações de citação 2.1.4 Citações eletrônicas 3. CITAÇÕES EM ALGUNS TIPOS DE SUPORTES PARTE II © GCS, 2003
  21. 21. 2.1 Conceituação São trechos transcritos ou informações retiradas das publicações consultadas para a realização do trabalho. São introduzidas no texto com o propósito de esclarecer ou completar as idéias do autor. A fonte onde foi extraída a informação, deve ser citada obrigatoriamente, respeitando-se desta forma os direitos autorais. 2. TIPOS DE CITAÇÕES © GCS, 2003
  22. 22. 2.1.1 Citações livres ou indiretas Transcrição livre do texto do autor consultado. 2. TIPOS DE CITAÇÕES Exemplo: A alfabetização de adultos na classe baixa é maior do que a alfabetização de adultos na classe média, pois o processo de aprendizagem é lenta e difícil, conforme explica MORAN (1999). Ex: S egundo Moran (1999, p.123) “alfabetização de adultos na classe baixa é maior do que a alfabetização de adultos na classe média, pois o processo de aprendizagem é lenta e difícil.” © GCS, 2003 2.1.2 Citações textuais ou diretas Transcrição textual das palavras do autor consultado.
  23. 23. 2. TIPOS DE CITAÇÕES 2.1.3 Citações de citação transcrição direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original. 2.1.4 Citações eletrônicas Transcrição de dados, relativos a documentos eletrônicos (URL, e-mail, etc.) de forma a vir comprovar as informações citadas. © GCS, 2003 Exemplo: Segundo Silva (1985) citado por Moran (1999, p.123) “a alfabetização de adultos na classe baixa é maior do que a alfabetização de adultos na classe média, pois o processo de aprendizagem é lenta e difícil.” Exemplo: No site sobre “ educação informal ”, encontram-se informações variadas de conceituações e formas de como este tipo de educação pode atingir o aprendizado do aluno.1 __________________ 1 Cf. www.educacainformal.org.br
  24. 24. 2. TIPOS DE CITAÇÕES 2.1.5 Transcrições de texto As transcrições de texto com mais de três linhas devem ser destacadas com recuo de 4 cm (2 tabs) da margem esquerda, com letra menor que a do texto utilizado e sem as aspas. © GCS, 2003 Quando falamos de alfabetização de adultos, seria bom consultarmos especialistas como o Prof. Nicholas, que assim se expressa: A alfabetização de adultos na classe baixa é maior do que a alfabetização de adultos na classe média, pois o processo de aprendizagem é lenta e difícil e custa a atingir no aluno um grande baixo de conteúdo aplicado em sala de aula. Vale a pena investir na aula prática para logo em seguida partir para a a aula teórica, o aluno ficará menos confuso e aprenderá mais (NICHOLAS, 1983, p. 134). <ul><li>DICA: </li></ul><ul><li>“ Citado por” é o mesmo que “Apud”. </li></ul><ul><li>Evitar usar muitas notas de rodapé. Usar o necessário para não poluir o trabalho. </li></ul>
  25. 25. © GCS, 2003 Ainda quanto às transcrições de textos com mais de três linhas, outra forma utilizada é colocar o sobrenome do autor, ano da obra e página, ao longo do texto corrente, assim: Ao se referir à complexidade do tema sobre aprendizagem, FRANÇA (2001, p. 107), faz a seguinte apreciação: Apesar de toda a abrangência e complexidade do fenômeno da aprendizagem, a psicopedagogia caminha a passos largos para a busca de uma identidade, especificidade de ação, fundamentos teóricos e aplicabilidade. Ela se fez necessária porque outras especialidades já não conseguiam responder aos desafios surgidos no âmbito das escolas na atualidade.
  26. 26. 3.1 NBR-14724/AGOSTO-2002 : Objetivo 3.2 DEFINIÇÃO 3.3 DIVISÃO/ESTRUTURA 3.3.1 Pré-textuais 3.3.2 Textuais 3.3.3 Pós-textuais PARTE III 3. ESTRUTURA DE TRABALHOS ACADÊMICOS : MONOGRAFIA (TCC) © GCS, 2003
  27. 27. 3.1 NBR-14724/AGOSTO -2002 : OBJETIVO “ Esta Norma estabelece os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos (teses, dissertações e outros), visando sua apresentação à instituição (banca, comissão examinadora de professores, especialistas designados e/ou outros) .” (ABNT, 2001) © GCS, 2003
  28. 28. 3.2 DEFINIÇÃO “ Trabalhos acadêmicos - similares (trabalho de conclusão de curso - TCC, trabalho de graduação interdisciplinar - TGI e outros): Documento que representa o resultado de estudo, devendo expressar conhecimentos do assunto escolhido, que deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros ministrados. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador .” (ABNT, 2001) © GCS, 2003
  29. 29. 3.2.1 ASPECTOS TÉCNICOS DA REDAÇÃO © GCS, 2003
  30. 30. 3.2.2 FORMATAÇÃO DAS MARGENS MARGENS © GCS, 2003 Esquerda 3,0 Direita 3,0 Inferior 2,0 Superior 2,0
  31. 31. 3.3 DIVISÃO/ESTRUTURA <ul><ul><li>3.3.1 Pré-textuais </li></ul></ul><ul><ul><li>3.3.2 Textuais </li></ul></ul><ul><ul><li>3.3.3 Pós-textuais </li></ul></ul><ul><li>Capa </li></ul><ul><li>Folha de rosto </li></ul><ul><ul><li>Dedicatória </li></ul></ul><ul><ul><li>Agradecimentos </li></ul></ul><ul><ul><li>Epígrafe </li></ul></ul><ul><li>Sumário </li></ul><ul><ul><li>Listas </li></ul></ul><ul><li>Resumo </li></ul><ul><li>Texto </li></ul><ul><ul><li>Introdução </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento </li></ul></ul><ul><ul><li>Conclusão </li></ul></ul><ul><li>Referências bibliográficas </li></ul><ul><li>Obras consultadas </li></ul><ul><li>Anexos ou Apêndices </li></ul>© GCS, 2003
  32. 32. 3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Educação Fabiana Buscariol O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA software para desenvolvimento do raciocínio nas crianças Campinas 1999 CAPA © GCS, 2003
  33. 33. 3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Educação Fabiana Buscariol O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA software para desenvolvimento do raciocínio nas crianças Monografia apresentada à Faculdade de Educação da UNICAMP, para obtenção do título de Bacharel em Pedagogia, sob a orientação da Profa. Dra. Afira Ripper Vianna. Campinas 1999 FOLHA DE ROSTO © GCS, 2003
  34. 34. 3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Catalogação na fonte (CIP) elaborada pela Biblioteca da Faculdade de Educação da UNICAMP Bibliotecário: Gildenir Carolino Santos -CRB-8ª/5447 VERSO DA FOLHA DE ROSTO Buscariol, Fabiana. B342u O uso do computador na escola: software para o desenvolvimen- to do raciocínio nas crianças. -- Campinas, SP : [s.n.], 1999. Orientador: Afira Ripper Vianna. Trabalho de conclusão de curso (graduação) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. 1. Computadores. 2. Escolas. 3. Crianças. I. Vianna, Afira Ripper. II. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. III. Título. 99-BFE-015 FICHA CATALOGRÁFICA © GCS, 2003
  35. 35. 3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Dedico este trabalho aos meus pais João e Silvia Buscariol DEDICATÓRIA © GCS, 2003
  36. 36. 3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Escrever é uma arte do ser humano. Pensar também é arte do ser humano EPÍGRAFE © GCS, 2003
  37. 37. 3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS Agradecimentos Agradeço este trabalho imensamente a minha orientadora Profa. Dra. Afira Vianna Ripper pela convivência diária. Agradeço aos amigos que participaram direta e os que participaram indiretamente para a conclusão deste trabalho. AGRADECIMENTOS © GCS, 2003
  38. 38. 3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS RESUMO O presente trabalho tem como objetivo a revelação do computador com instrumento importante para o desenvolvimento cognitivo as crianças em uma escola de ensino funda- mental de Campinas. Apresenta também o uso das técnicas computacionais no cotidiano esco- lar. Conclui-se que o uso da máquina, ou seja, o computador na escola por crianças. RESUMO © GCS, 2003
  39. 39. 3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - Integração entre bibliotecário-pesquisador, professor ....... 3 0 FIGURA 2 - Modelo de sistema MIDI................................................... 25 FIGURA 3 - Tela de apresentação do software Paint............................ 64 FIGURA 4 - Tela do processador de texto WordPad............................. 66 FIGURA 5 - Tela de ajuda do processador de texto WordPad............... 67 FIGURA 6 - Tela principal do Micro CDS/ISIS...................................... 69 FIGURA 7 - Planilha de definição dos campos de entrada de dados...... 70 FIGURA 8 - Planilha de entrada de dados........................................... 70 FIGURA 9 - Planilha de seleção dos campos para inversão .................. 70 FIGURA 10 - Planilha do formato de exibição dos dados ...................... 71 LISTAS © GCS, 2003
  40. 40. 3.3.1 PRÉ-TEXTUAIS SUMÁRIO Dedicatória Epígrafe Agradecimentos Resumo Listas de figuras CAPÍTULO I 1. O COMPUTADOR 1.1 O uso das técnicas computacionais 1.1.1 A influencia da máquina CAPÍTULO II 2. INFLUÊNCIAS DO COMPUATOR.... 2.1 Aplicações do computador na escola 2.1.1 O método construtivista CAPÍTULO III 3. A CRIANÇA E A MÁQUINA 3.1 O raciocínio X a máquina 3.1.1 Soluções práticas no uso do software CCONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS SUMÁRIO © GCS, 2003
  41. 41. 3.3.2 TEXTUAIS <ul><li>INTRODUÇÃO </li></ul><ul><li>DESENVOLVIMENTO </li></ul><ul><li>CONCLUSÃO </li></ul>TEXTO © GCS, 2003
  42. 42. 3.3.3 PÓS-TEXTUAIS Referências Bibliográficas ALESSANDRINI, C.D. Criatividade e educação. In: VASCONCELOS, M.S. Criatividade : psicologia, educação e conhecimentos do novo. São Paulo: Moderna, 2001. p.97-112. (Educação em pauta: teorias & tendências). ALMEIDA, F.J. de ; MENDONÇA, M. do C. Logo : teoria e prática. São Paulo: Scipione, 1986. (Coleção o Computador na escola). ANDRADE, R.C. de. Criança, pré-escola e construtivismo. In: A educação na perspectiva construtivista : reflexões de uma equipe interdisciplinar. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1998. p.28-43. ARMSTRONG, A. ; CASEMENT, , C. A criança e a máquina : como os computadores colocam a educação de nossos filhos em risco. Tradução Ronaldo Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2001. (Biblioteca Artmed. Ciência cognitiva). BAGNO, M. Pesquisa na escola : o que é, como se faz. 6.ed. São Paulo: Loyola, 2001. 102p. BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referenciais para formação de professores . Brasília, DF: MEC/SEF, 1998. BROOKS, J.G. ; BROOKS, M.G. Construtivismo em sala de aula . Tradução: Maria Aparecida Kerber. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS © GCS, 2003
  43. 43. 3.3.3 PÓS-TEXTUAIS ANEXOS A - Questionários de avaliação B - Mapa dos computadores na escola C - Tipos de softwares utilizados D - Desenhos gráficos na Internet ANEXOS OU APÊNDICES © GCS, 2003
  44. 44. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Informação e documentação : trabalhos acadêmicos - apresentação (NBR 14724). Jul. 2001. Rio de Janeiro : ABNT, 2001. 6p. FRANÇA, J.L. et al . Manual para normalização de publicações técnico-científicas. 3. ed. rev. e aum. Belo Horizonte: UFMG,1996. (Aprender). SANTOS, G.C. ; PASSOS, R. Como elaborar um TCC . Campinas, SP: FE/UNICAMP, 1997. Disponível na Internet: <http://www.bibli.fae.unicamp.br/tcc.html>. Acesso em: 02 ago. 2002. SANTOS, G. C. ; PASSOS, R. (Colab.). Manual de organização de referências e citações bibliográficas para documentos impressos e eletrônicos . Campinas, SP: Autores Associados: Ed. UNICAMP, 2000. SANTOS, G.C. ; SILVA, A. I. P. da . Normas para referências bibliográficas : conceitos básicos (NBR 6023/ago. 1989). Campinas, SP: Gráf. FE/UNICAMP, 1995. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS © GCS, 2003
  45. 45. ACESSO AO SITE DA BFE © GCS, 2003 www.bibli.fae.unicamp.br/index.html
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×