Ecg 4.0
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
24,249
On Slideshare
19,948
From Embeds
4,301
Number of Embeds
18

Actions

Shares
Downloads
324
Comments
2
Likes
4

Embeds 4,301

http://eletrocardiograma-basico.blogspot.com 2,604
http://eletrocardiograma-basico.blogspot.com.br 1,560
http://eletrocardiograma-basico.blogspot.pt 62
http://www.slideshare.net 48
http://eletrocardiograma-basico.blogspot.com.ar 6
http://eletrocardiograma-basico.blogspot.it 5
http://eletrocardiograma-basico.blogspot.com.es 4
http://eletrocardiograma-basico.blogspot.ch 2
http://eletrocardiograma-basico.blogspot.tw 1
http://eletrocardiograma-basico.blogspot.ca 1
http://webcache.googleusercontent.com 1
https://s8-us2.ixquick-proxy.com 1
http://eletrocardiograma-basico.blogspot.in 1
http://eletrocardiograma-basico.blogspot.fr 1
http://www.anonymouse.me 1
http://translate.googleusercontent.com 1
http://www.google.com.br 1
http://eletrocardiograma-basico.blogspot.be 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ECG MÓDULO II AULA 4 CARLOS DARCY ALVES BERSOT
  • 2. DETERMINAÇÃO DO EIXO ELÉTRICO • VARIA ENTRE -30 A 90 • DESVIO PARA DIREITA ENTRE 90 E 180 • DESVIO PARA ESQUERDA ENTRE -30 E -90
  • 3. Lead I Lead I 0° Lead Lead III II Lead III Lead 120° II REMEMBER EINTHOVEN 60°
  • 4. Lead I 0° Lead III Lead 120° II 60°
  • 5. THE ELECTRICAL AXIS CIRCLE! -90° -120° -60° aVR- -150° aVL - -30° +180° I- 0° Normal Range +30° +150° III- +120° II - +60° aVF- + 90°
  • 6. The Isoelectric QRS and its use! aVL -30° +60 II Lead perpendicular to the isoelectric QRS
  • 7. SOBRECARGAS ATRIAIS • Na configuração da onda P, a inscrição do ramo inicial ascendente deve-se à despolarização isolada do AD, a 1ª câmara atrial a se ativar. • O ramo intermediário ou ápice da onda deve-se à despolarização simultânea dos 2 átrios.
  • 8. SOBRECARGAS ATRIAIS • O ramo final descendente corresponde à ativação isolada do AE. Assim, os crescimentos das câmaras atriais traduzir- se-ão por modificações nos ramos correspondentes da onda P.
  • 9. SOBRECARGAS ATRIAIS
  • 10. SOBRECARGA ATRIAL ESQUERDA • O crescimento do AE produz alterações no ápice e no ramo descendente da onda P, aumentando sua duração e modificando sua configuração, tornando-a larga e bífida. • Mantém-se com amplitude normal.
  • 11. SOBRECARGA ATRIAL ESQUERDA • Critérios diagnósticos: – Onda P > 120 ms. – Onda P com entalhe de configuração bimodal ou bífida. – Predomínio da fase negativa, normalmente de pequena amplitude, sobre a positiva na onda P em V1 e V2. – Desvio do eixo da onda P para esquerda.
  • 12. SOBRECARGA ATRIAL ESQUERDA
  • 13. SOBRECARGA ATRIAL ESQUERDA • Índices utilizados no diagnóstico: – Índice de Macruz: relaciona a duração da onda P e do segmento PR. É positivo quando o resultado é maior que 1,7 especialmente em D2. – Índice de Morris: aumento da fase negativa da onda P em V1, expressa pelo aumento de sua área, maior que 0,03 mms ou pela duração igual ou maior que 40 mms.
  • 14. SOBRECARGA ATRIAL ESQUERDA
  • 15. SOBRECARGA ATRIAL DIREITA • O crescimento do AD produz alterações no ramo ascendente e no ápice da onda P, modificando sua configuração, tornando-a ampla e pontiaguda. • Mantém-se com duração normal.
  • 16. SOBRECARGA ATRIAL DIREITA
  • 17. SOBRECARGA ATRIAL DIREITA • Critérios diagnósticos: – Onda P com duração normal e amplitude aumentada, maior que 2,5 mm. – Onda P de forma pontiaguda ou apiculada.
  • 18. SOBRECARGA ATRIAL DIREITA – Um sinal indireto de SAD relacionado às grandes dilatações é a mudança súbita da amplitude e da morfologia do QRS de V1 em relação a V2.
  • 19. SOBRECARGA ATRIAL DIREITA • Onda P pulmonale: aumento do AD secundário à doenças pulmonares. P em D3 > D1. • Onda P congenitale: aumento do AD em cardiopatias congênitas (estenose pulmonar, T4F). P em D1 > D3.
  • 20. HIPERTROFIA VENTRICULAR ESQUERDA E DIREITA
  • 21. HIPERTROFIA VENTRICULAR ESQUERDA • Índices utilizados no diagnóstico: – Índice de Sokolow-Lyon • S de V1 ou V2 + R de V5 ou V6 ≥ 35 mm (sensibilidade = 45%; especificidade = 95%)
  • 22. HIPERTROFIA VENTRICULAR ESQUERDA • Índices utilizados no diagnóstico: – Critério de Cornell • S em V3 + R em aVL > 20 mm em mulher e 28 em homem. – Critério de Romhilt e Estes: devido a baixa sensibilidade e especificidade dos índices citados quando usados isoladamente, utiliza-se preferencialmente o sistema de contagem de pontos. Sensibilidade = 60%; especificidade = 90%.
  • 23. HIPERTROFIA VENTRICULAR ESQUERDA • Critério de Romhilt e Estes – Vale 3 pontos cada critério: • Amplitude de S em V1 ou V2 ou do R em V5 ou V6 ≥ 30. • Crescimento do AE pelo índice de Morris. • Alteração do ST e da onda T tipo strain.
  • 24. HIPERTROFIA VENTRICULAR ESQUERDA • Critério de Romhilt e Estes – Vale 2 pontos cada critério: • Desvio do eixo elétrico do QRS (SâQRS) para a esquerda, além de -30°. – Vale 1 ponto cada critério: • Aumento da duração do QRS > 100 ms.
  • 25. HIPERTROFIA VENTRICULAR ESQUERDA • Critério de Romhilt e Estes – HVE provável • Quando a soma alcança 4 pontos. – HVE definida • Quando a soma alcança 5 pontos.
  • 26. HIPERTROFIA VENTRICULAR DIREITA • Critérios diagnósticos: – Em V1-V2: morfologia R-S com aumento da amplitude do R e diminuição do S (R/S >1). – Desvio do eixo para a direita. – Crescimento do AD.
  • 27. HIPERTROFIA VENTRICULAR DIREITA • Índices diagnósticos: – Em V1: onda R > S ou R > 7 mm. – Em V5-V6: S > R ou S > 7 mm.