Your SlideShare is downloading. ×
Plano de aula
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Plano de aula

3,692
views

Published on

Passo a passo de como fazer um plano de aula para a leitura, comentário, análise e interpretação do poema A Valsa, de casimiro de Abreu.

Passo a passo de como fazer um plano de aula para a leitura, comentário, análise e interpretação do poema A Valsa, de casimiro de Abreu.

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,692
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
54
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Introdução aos Estudos Literários I Professora Carla Souto
  • 2. PLANO DE AULA O objetivo desta aula é discutir a construção de um Plano de Aula para comentar, analisar e interpretar um poema com alunos do ensino médio a partir do suporte teórico desenvolvido durante a disciplina Introdução aos Estudos Literários I.
  • 3. Tema Neste tópico você vai delimitar o assunto a ser trabalhado em 2 aulas de 45 min (1h30min).
  • 4. Exemplo de Tema O tema desta aula é o poema ―A valsa‖, de Casimiro de Abreu.
  • 5. Pré-requisitos Aqui você vai identificar o nível de ensino para o qual planejou a aula (esta aula será proposta para turmas de Ensino Médio, mas você pode escolher a série). Vai descrever os conhecimentos prévios que o aluno deve ter para realizar as atividades que serão propostas (lembre-se de que terá apenas 1h30min para desenvolver a aula). Vai enumerar as competências e/ou as habilidades necessárias para iniciar o trabalho. Para escolhê-las, você deve consultar o material do INEP (a competência referente à Literatura é a de número 5, com as habilidades: H15, H16 e H17).
  • 6. Exemplo de pré-requisitos Esta aula será proposta para alunos de 2ª série do ensino médio. Para realizar as atividades propostas, o ideal é que já tenham ocorrido aulas de introdução ao Romantismo no Brasil, nas quais tenham sido trabalhadas as gerações românticas (1ª, 2ª e 3ª). Também já devem ter sido trabalhados os aspectos sonoros, morfo-sintáticos e semânticos da construção poética. As competências que serão mobilizadas para iniciar o trabalho são analisar, interpretar e aplicar recursos expressivos das linguagens.
  • 7. Objetivos Aqui você vai explicitar o(s) objetivo(s) da aula. Vai enumerar as habilidades que irá trabalhar durante a aula (aquelas que buscará desenvolver com os alunos).
  • 8. Exemplo de Objetivo(s) O objetivo desta aula é trabalhar com os alunos o comentário, a leitura, e a análise do poema ―A valsa‖, de Casimiro de Abreu, por meio de uma sequência de atividades, para que eles possam chegar a uma interpretação válida deste e posteriormente recriar o poema na forma de um texto narrativo em prosa cujo narrador é o eu-lírico e outro cujo narrador é a moça que valsa. As habilidades que se pretendem desenvolver são a de relacionar informações sobre concepções artísticas e procedimentos de construção do texto literário e a de estabelecer relações entre o texto literário e o momento de sua produção, situando aspectos do contexto histórico, social e político.
  • 9. Desenvolvimento do tema Sequência de Atividades: Aqui você vai enumerar o passo a passo de como será a aula, colocando em ordem cronológica todas as etapas da aula, do início até o fim. Tente propor atividades pertinentes em relação ao tempo de aula proposto e às habilidades que pretende desenvolver.
  • 10. Sequência de atividades Leitura “desarmada”: ―é mister fazer abstração de todos os conhecimentos anteriores que possuímos ou acreditamos possuir acerca do texto e do escritor em questão(...) cumpre considerar somente o texto propriamente dito e observá-lo com uma atenção intensa, sustentada, de modo que nenhum dos movimentos da língua e do fundo nos escape.‖ (CANDIDO, 1993)
  • 11. Exemplo de Sequência de Atividades – Leitura Desarmada A valsa (Casimiro de Abreu)
  • 12. A valsa (Casimiro de Abreu) Tu, ontem, Na dança Que cansa, Voavas Co'as faces Em rosas Formosas De vivo, Lascivo Carmim; Na valsa Tão falsa, Corrias, Fugias, Ardente, Contente, Tranqüila, Serena, Sem pena De mim!
  • 13. A valsa (Casimiro de Abreu) Quem dera Que sintas As dores De amores Que louco Senti! Quem dera Que sintas!... — Não negues, Não mintas... — Eu vi!...
  • 14. A valsa (Casimiro de Abreu) Valsavas: — Teus belos Cabelos, Já soltos, Revoltos, Saltavam, Voavam, Brincavam No colo Que é meu; E os olhos Escuros Tão puros, Os olhos Perjuros Volvias, Tremias, Sorrias, P'ra outro Não eu!
  • 15. A valsa (Casimiro de Abreu) Quem dera Que sintas As dores De amores Que louco Senti! Quem dera Que sintas!... — Não negues, Não mintas... — Eu vi!...
  • 16. A valsa (Casimiro de Abreu) Meu Deus! Eras bela Donzela, Valsando, Sorrindo, Fugindo, Qual silfo Risonho Que em sonho Nos vem! Mas esse Sorriso Tão liso Que tinhas Nos lábios De rosa, Formosa, Tu davas, Mandavas A quem ?!
  • 17. A valsa (Casimiro de Abreu) Quem dera Que sintas As dores De amores Que louco Senti! Quem dera Que sintas!... — Não negues, Não mintas... — Eu vi!...
  • 18. A valsa (Casimiro de Abreu) Calado, Sozinho, Mesquinho, Em zelos Ardendo, Eu vi-te Correndo Tão falsa Na valsa Veloz! Eu triste Vi tudo! Mas mudo Não tive Nas galas Das salas, Nem falas, Nem cantos, Nem prantos, Nem voz!
  • 19. A valsa (Casimiro de Abreu) Quem dera Que sintas As dores De amores Que louco Senti! Quem dera Que sintas!... — Não negues, Não mintas... — Eu vi!...
  • 20. A valsa (Casimiro de Abreu) Na valsa Cansaste; Ficaste Prostrada, Turbada! Pensavas, Cismavas, E estavas Tão pálida Então; Qual pálida Rosa Mimosa No vale Do vento Cruento Batida, Caída Sem vida. No chão!
  • 21. A valsa (Casimiro de Abreu) Quem dera Que sintas As dores De amores Que louco Senti! Quem dera Que sintas!... — Não negues, Não mintas... — Eu vi!...
  • 22. Sequência de atividades • Comentário ―O comentário pode conter toda sorte de coisas: explicações de termos difíceis; resumos ou paráfrases do pensamento do autor; remissões a outras passagens onde o autor diga algo de parecido; referências a outros autores que falaram do mesmo problema ou empregaram um torneio de estilo semelhante;‖ (CANDIDO, 1993)
  • 23. Exemplo de Sequência de Atividades - Comentário ―Casimiro de Abreu (1837-1860) foi um poeta brasileiro. Autor de "Meus Oito Anos", um dos poemas mais populares da literatura brasileira. Pertence à segunda geração do romantismo. Enviado para Lisboa, com apenas 16 anos, inicia sua vida literária. É nesse período que escreve a maior parte dos poemas de seu único livro Primaveras. Escreve a peça Camões e o Jau, que é aplaudida no Teatro D. Fernando, em Lisboa. Casimiro é patrono da cadeira nº 6 da Academia Brasileira de Letras.‖ (E-BIOGRAFIAS, 2013)
  • 24. Exemplo de Sequência de Atividades - Comentário ―Casimiro de Abreu escreveu pouco. Seu lirismo tinha como temas o amor, a tristeza da vida, a saudade da Pátria e da infância, o que o tornou um poeta muito popular após a sua morte. Seu poema "Meus oito anos", escrito em Lisboa em 1857, retrata bem a nostalgia da infância: Oh! que saudades que tenho/Da aurora de minha vida,/Da minha infância querida/Que os anos não trazem mais!/Que amor, que sonhos, que flores,/Naquelas tardes fagueiras/A sombra das bananeiras,/Debaixo dos laranjais!.‖ (E-BIOGRAFIAS, 2013)
  • 25. Exemplo de Sequência de Atividades - Comentário Algumas palavras podem comprometer o entendimento do texto. O ideal é perguntar aos alunos que palavras eles não compreenderam e estar preparado para esclarecer as dúvidas de vocabulário: Lascivo – sensual; Carmim – vermelho; Perjuro – juramento falso Volvias, verbo volver – dirigir(-se) para outra direção, virar(-se), voltar(-se) Silfo – espírito elementar do ar, segundo os cabalistas Gala – grande fartura; riqueza, abundância, fausto, conjunto de ornamentos ricos, preciosos Prostrada – abatida (física ou psiquicamente); alquebrada, debilitada, sem ânimo, sem forças; derrubada, desanimada Turbada – preocupada, aflita, agoniada, transtornada Cismavas, verbo cismar – ficar absorto em pensamento; andar preocupado Cruento – cruel, ferino, pungente
  • 26. Exemplo de Sequência de Atividades - Comentário ―O título em si é elucidativo e referencial ao assunto tratado no poema, uma composição musical e um tipo de dança específicos. É comum na literatura brasileira essa ocorrência em relação aos títulos. Temos, por exemplo, ―Quadrilha‖, do Drummond (1979), ―Canção do exílio‖, de Gonçalves Dias (1952), ―Ladainha‖, de Cassiano Ricardo (1972).‖ (REIS; CAMPOS, 2007)
  • 27. Exemplo de Sequência de Atividades - Comentário Embora se tenha notícia da valsa como gênero desde o século XV, ligada à história das danças alemãs deutsche e länder, ela teve ampla aceitação européia no início do século XIX, como uma das danças de salão mais valorizadas no Ocidente, mesmo tendo em vista as muitas oposições feitas, algumas bastante curiosas, como a dos médicos, que achavam prejudicial a velocidade com que os dançarinos rodopiavam pelo salão e também objeções morais, pois foi o primeiro gênero que se dançou estando os pares enlaçados, em abraço muito estreito (SADIE,1994, p.977). (APUD: REIS; CAMPOS, 2007)
  • 28. Sequência de atividades Análise • Explorar os aspectos sonoros • Ritmo – simetria ou assimetria; • Metrificação; • Estrofação; • Rimas; • Figuras de efeito sonoro (Assonância, Aliteração, Repetição de palavras, Onomatopéia) • Poemas de forma fixa;
  • 29. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos sonoros 1- Quantas estrofes temos no poema? 2- Quantos versos temos em cada estrofe? 3- Quantas sílabas poéticas temos em cada verso? 4- Observem quais são as sílabas fortes e fracas de cada verso. Há alguma mudança de uma estrofe para a outra? 5- Há rimas no poema? Quais são? De que tipos são? 6- Há aliterações e assonâncias no poema? 7- Há repetições de palavras no poema? Quais?
  • 30. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos sonoros O poema A valsa é composto por 155 versos breves, com métrica dissilábica e acento regular, divididos em estrofes combinadas, quatro de vinte versos cada uma, alternadas com um refrão de onze versos que se repete quatro vezes e a 7ª e 8ª estrofes de dez versos combinadas com um refrão que se divide em uma estrofe (9ª) de seis versos e outra (10ª) de cinco versos.
  • 31. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos sonoros Há uma frequência considerável de rimas as mais variadas, toantes, consoantes, assonantes e aliterações que não obedecem a nenhum esquema fixo. Em conjunto com os versos curtos, que acentuam o ritmo, e as demais alternâncias, sobretudo a métrica e o acento sugerem uma leitura em compasso ternário. Tu,/ on/ tem, Quebra do ritmo com: fraca/ forte/ fraca eu/ vi Na/ dan/ ça fraca/ forte Que/ can/ sa, Vo/ a/ vas
  • 32. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos sonoros Rimas ricas e consoantes: dança (substantivo) e cansa (verbo usado como adjetivo cansativa); rosas (substantivo) e formosas (adjetivo). Repetição das palavras rosa, formosa, valsa, falsa, olhos, pálida, etc. Repetição de uma estrofe, funcionando como refrão.
  • 33. Sequência de atividades Análise • Explorar os aspectos morfo-sintáticos • Nível lexical • Nível sintático (paralelismo; encadeamento ou ―enjambement‖)
  • 34. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos morfo-sintáticos 1- Há enjambement ou cavalgamento de versos no poema? 2- Há repetição de estruturas sintáticas no poema? Quais? 3- Há paralelismos no poema? Quais? 4- Localize os verbos do poema e indique o sujeito e o tempo verbal de cada um. 5- Localize os adjetivos ou locuções adjetivas do poema e a que palavra eles se referem.
  • 35. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos morfo-sintáticos Há vários enjambements, conforme se pode ver em: ―Teus belos / cabelos / já soltos‖. Há repetição de estruturas sintáticas: ―Saltavam, / Voavam, / Brincavam‖ ou ―Valsando, / Sorrindo, / Fugindo‖ (três versos seguidos formados por verbos). Há paralelismo em: ―Nem falas, / Nem cantos, / Nem prantos, / Nem voz!.‖
  • 36. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos morfo-sintáticos Verbos com sujeito TU: voavas, corrias, fugias, sintas, não negues, não mintas, valsavas, volvias, tremias, sorrias, eras, tinhas, davas, mandavas, cansaste, ficaste, pensavas, cismavas, estavas. Verbos com sujeito EU: senti, vi, tive. Verbos com outros sujeitos: saltavam, voavam, brincavam (teus cabelos); nos vem (silfo risonho).
  • 37. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos morfo-sintáticos Verbos no pretérito imperfeito do indicativo: voavas, corrias, fugias, valsavas, volvias, tremias, sorrias, eras, tinhas, davas, mandavas, pensavas, cismavas, estav as, saltavam, voavam, brincavam. Verbos no pretérito perfeito do indicativo: cansaste, ficaste, senti, vi, tive. Verbos no imperativo negativo: não negues, não mintas. Verbo no presente do subjuntivo: sintas. Verbo no presente do indicativo: vem.
  • 38. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos morfo-sintáticos Para o substantivo faces: em rosas, formosas, carmim. Para o substantivo rosas, rosa: formosas, formosa, pálida, mimosa, batida, caída, sem vida, no chão (advérbio com sentido de adjetivo). Para o adjetivo carmim: de vivo, lascivo. Para o pronome tu: ardente, contente, tranquila, serena, sem pena, bela, donzela, falsa, prostrada, turbada, pálida. Para o substantivo donzela: bela. Para o substantivo cabelo: belos, soltos revoltos. Para o substantivo olhos: escuros, tão puros, perjuros.
  • 39. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos morfo-sintáticos Para o pronome eu: louco, calado, sozinho, mesquinho, em zelos, triste, mudo. Para o substantivo silfo: risonho. Para o substantivo riso: liso. Para o substantivo lábios: de rosa. Para o substantivo vento: cruento. Para o substantivo dança: que cansa. Para o substantivo valsa: veloz.
  • 40. Sequência de atividades Análise • Explorar os aspectos semânticos • Figuras de similaridade; • Figuras de contiguidade; • Figuras de oposição;
  • 41. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos semânticos 1- Há sinédoques ou metonímias no poema? Quais? 2- Há comparações no poema? Quais? 3- Há metáforas no poema? Quais? 4- Há antíteses ou oposições no poema? Quais?
  • 42. Exemplo de Sequência de Atividades – Análise de aspectos semânticos Sinédoque: teus cabelos saltavam, voavam, brincavam. Comparação: eras bela qual silfo risonho, pálida qual rosa mimosa. Oposição: eu-lírico - EU estático em oposição ao movimento da moça que valsava – TU; tudo o que ―pertencia‖ ao eu-lírico (que é meu) era dado a outro (não eu), sequência de negativas ligadas ao eu-lírico.
  • 43. Sequência de atividades Análise • Selecionar os dados que articulam fundo e forma • Como o critério é a articulação, nem todos os dados analisados são selecionados.
  • 44. Exemplo de Sequência de atividades – Articulação entre fundo e forma no poema ―Além da indicação do próprio título, ―A Valsa‖, a métrica e o acento sugerem uma leitura em compasso ternário, que causa um deslizamento na leitura, apontando para o fato de que há uma relação motivada da forma com o conteúdo do poema – a imagem coreográfica e o tempo da valsa.‖ (REIS; CAMPOS, 2007)
  • 45. Exemplo de Sequência de atividades – Articulação entre fundo e forma no poema ―Dois motivos guiam a ―melodia‖ do poema: a 2ª pessoa, o ―tu‖, que está em movimento e a 1ª, um eu lírico estático e lastimoso, voz centralizadora, cujo conflito é colocado não apenas uma vez, mas em refrão, repetindo- se no percurso temporal demarcado nos versos – o desejo de que a amada sinta o ciúme que ele, intensamente – ―louco‖-, sentiu, por ela ter valsado com outro no dia anterior, e denuncia a traição com o imperativo negativo, de acusação, e afirmativo, de ter testemunhado o fato, em discurso direto exclamativo – ―não negues, / não mintas/ - Eu vi!...‖.‖ (REIS; CAMPOS, 2007)
  • 46. Exemplo de Sequência de atividades – Articulação entre fundo e forma no poema ―A repetição mostra o crescente desespero do eu lírico, cuja situação não se resolve, o que já estava previsto pelo uso da subordinada volitiva ―quem dera/que sintas/as dores/de amores‖. O refrão aparece alternado com as estrofes, que apresentam sinedoquicamente o eu feminino, o ―tu‖, suas faces, cabelos, colo, olhos, boca (sorriso), lábios, com uma beleza pintada em cores românticas e, por isso, divina, fluida - ―voavas‖.‖ (REIS; CAMPOS, 2007)
  • 47. Exemplo de Sequência de atividades – Articulação entre fundo e forma no poema ―A primeira estrofe traz a situação temporal, ―ontem‖, sócio-espacial, ―na dança‖ – expressão que se alarga para indicar a ação vivida pelos sujeitos. O verbo imperfeito ―voavas‖ é uma prolepse, uma antecipação da fala enciumada do eu masculino para dizer que há um distanciamento na relação amorosa. O tom acusativo se mantém em todos os versos revelando- se, inclusive, de modo impressionista no qualificativo das ―faces‖ do eu ―lascivo/carmim‖.‖ (REIS; CAMPOS, 2007)
  • 48. Exemplo de Sequência de atividades – Articulação entre fundo e forma no poema ―O eu masculino vai reconhecendo o desabrochar de uma ―donzela‖, não para ele, mas para outro/outros, o que faz aumentar a sua beleza e a sensualidade e a intensidade da paixão, expressas em fartas enumerações de verbos, adjetivos, substantivos, num percurso similar em cada estrofe: o eu apresenta a jovem mulher – ―faces/em rosas/ formosas‖, ―eras bela/donzela‖; afirma a traição – ―tão falsa/corrias/fugias‖, ―os olhos perjuros‖, e fala do desprezo manifesto em relação a ele – ―sem pena/de mim‖, ―sorrias/p’ra outro/não eu‖.‖ (REIS; CAMPOS, 2007).
  • 49. Exemplo de Sequência de atividades – Articulação entre fundo e forma no poema ―O poema se encerra cumprindo o que foi vaticinado no início (3º verso da 1ª estofe), ―Tu, ontem, /na dança/que cansa‖. Esse ―tu‖ resta ―prostrada‖, pelos excessos da dança,com um comparativo – ―qual pálida rosa/caída/sem vida/ no chão‖, uma desqualificação do eu feminino, que jaz sem valor, após ter desrespeitado a si mesma num movimento exaustivo e ficado com outros, preterindo aquele que lhe dedicava tão grande sentimento, segundo a visão dominadora e ferida do eu masculino.‖ (REIS; CAMPOS, 2007).
  • 50. Sequência de atividades Interpretação Elabore um texto coerente, articulando a primeira leitura ―desarmada‖ aos dados do comentário e aos da análise. A partir daí, articule sua construção à área com a qual você tem maior afinidade, por exemplo, História, Sociologia, Filosofia, Psicanálise, entre outras.
  • 51. Exemplo de Sequência de atividades - Interpretação O poema ―A valsa‖, de Casimiro de Abreu, artista da 2ª geração romântica no Brasil, traduz algumas características fundamentais do pensamento romântico no Brasil. Inspirados nas obras dos poetas Lord Byron, Goethe, Chateaubriand e Alfred de Musset, os autores dessa geração também são conhecidos como "byronianos". As principais características da geração são: o individualismo, egocentrismo, negativismo, dúvida, desilusão, tédio e sentimentos relacionados à fuga da realidade, que caracterizam o chamado ultrarromantismo. George Gordon Byron foi um poeta romântico inglês que influenciou toda uma geração de escritores com sua poesia ultrarromântica. A ele estão associados termos como o spleen, que significa tédio, mau humor e melancolia, geralmente causados por amores não correspondidos ou pela descrença na vida em razão da aproximação da morte, temáticas comuns na poesia ultrarromântica.
  • 52. Exemplo de Sequência de atividades - Interpretação O poema ―A valsa‖ mistura elementos líricos, narrativos e dramáticos para compor uma cena em que o eu-lírico, devastado pelo ciúme, constata o desabrochar da beleza da sua amada, que não corresponde aos seus sentimentos. A construção desta beleza que causa tanto sofrimento é feita por meio de sinédoques e adjetivações: faces, cabelos, olhos, sorrisos e lábios da amada são comparados em cor e beleza com rosas vermelhas, formosas e sensuais. O eu-lírico deseja o tempo inteiro que a amada sofra como ele está sofrendo a cada giro da valsa que ela está dançando, o que é constatado pela repetição do refrão, quase uma maldição que ele joga sobre ela. Em tom acusatório, ele se coloca como uma testemunha ocular que se sente paralisada pela dor de constatar que tudo o que ele deseja é direcionado para outro, ficando sem fala, sem canto, sem pranto, sem voz.
  • 53. Exemplo de Sequência de atividades - Interpretação A escolha da valsa, uma dança de salão em que um casal enlaçado rodopia pelo salão em um compasso ternário com a condução do cavalheiro faz oposição com a ideia de passividade deste eu-lírico, incapaz de tomar a iniciativa e exteriorizar suas emoções, enquanto a donzela, que deveria ser conduzida na dança e na vida, de acordo com os parâmetros sociais da época, demonstra os seus sentimentos por outro, que não o eu-lírico. O ritmo da valsa é quebrado a cada acusação no final do refrão: ―— Eu vi!...‖, fazendo um contraste entre o movimento da donzela e a imobilidade do eu-lírico, como se a cada giro dela quem perdesse o fôlego fosse ele. A figura feminina tem uma beleza quase demoníaca, que enfeitiça, paralisa, deixa o eu-lírico sem ação, desejando-a, ao mesmo tempo em que deseja o seu mal. A distância entre eles se dá muito mais pela não correspondência amorosa do que pela idealização de uma figura feminina pura, santa e inatingível, já que a outro e não a ele ela devota o seu amor, além dos traços da sua beleza serem sensuais e provocantes.
  • 54. Exemplo de Sequência de atividades - Interpretação Ao final do poema, é como se todo o mal que o eu-lírico desejou à donzela se concretize. Exausta pelos movimentos da valsa ela fica prostrada, turbada, pálida, batida, caída, sem vida, no chão. Ao mesmo tempo, os verbos pensavas e cismavas sugerem a ideia de que ela possa estar sentindo o mesmo que o eu-lírico sentiu, ao ver que o seu amor também não era correspondido. Este poema corresponde à fase ultrarromântica do romantismo brasileiro, mostrando a exacerbação dos sentimentos de um eu-lírico egocêntrico e egoísta que sofre tanto por um amor não correspondido a ponto de desejar transferir para a mulher amada todo este sofrimento que o imobiliza, o que ocorre no final do poema no qual o movimento da donzela cessa e ela fica prostrada e sem vida, caída no chão. É como se o eu-lírico sugasse a vida, a cor e a beleza da donzela, por não suportar que ela não lhe pertencesse.
  • 55. Modo de avaliar o aprendizado Aqui você irá explicitar detalhadamente quais atividades serão desenvolvidas ao final da aula, ou propostas para casa, com o intuito de avaliar de que forma o aluno desenvolveu as habilidades mobilizadas e se o conteúdo foi bem assimilado.
  • 56. Exemplo de Modo de Avaliar o Aprendizado Proposta de produção textual: Reescreva o poema transformando o texto em versos em um texto narrativo em prosa. Agora reescreva o poema como um texto narrativo em prosa mudando o foco narrativo para mostrar o ponto de vista da moça que valsava.
  • 57. Referências bibliográficas Aqui você irá explicitar todas as obras consultadas para montar este plano de aula, seguindo as normas de apresentação já estudadas.
  • 58. Exemplo de Referências Bibliográficas ABREU, Casimiro de. Obras De Casimiro De Abreu. Belo Horizonte: Itatiaia, 1999. AUERBACH, Erich. Introdução aos estudos literários. Trad. José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1972. CANDIDO, A. Na sala de aula: caderno de análise literária. 2ªed. São Paulo: Ática, 1986. __________. O estudo analítico do poema. São Paulo: FFLCH-USP, 1993. CUNHA, Celso e CINTRA, Luís F. L. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. D’ONOFRIO, Salvatore. Poema e Narrativa: Estruturas. São Paulo: Duas Cidades, 1978.
  • 59. Exemplo de Referências Bibliográficas E-BIOGRAFIAS. Casimiro de Abreu. Disponível em: http://www.e- biografias.net/casimiro_abreu/ Acesso em: 04 out. 2013. GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons, ritmos. 13ª ed. São Paulo: Ática, 2003. KAYSER, Wolfgang. Análise e interpretação da obra literária. 7ª ed. Rev. Paulo Quintela.Coimbra: Arménio Amado, 1985. MARTINS, Nilce S. Introdução à estilística: a expressividade na língua portuguesa. São Paulo: TAQ e EDUSP, 1989. PIGNATARI, Décio. Comunicação poética. 2ª ed. São Paulo: Cortez & Moraes, 1978. REIS, C. M. D. R.; CAMPOS, M. D. Entre o poema e a partitura: “A Valsa” de Casimiro de Abreu. Per Musi: Belo Horizonte, n.15, 2007, p. 55-66.