Your SlideShare is downloading. ×
0
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Capital Intelectual - Teoria da Contabilidade - UVA

7,212

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
7,212
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
114
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CAPITAL INTELECTUAL TEORIA DA CONTABILIDADE Alunas: Carla Miranda Carla Regina Catia Cordeiro Priscila Carilo
  • 2. 1 . Introdução
    • O Capital Intelectual é um conjunto de benefícios intangíveis que agregam valor às empresas, isto é, Capital Intelectual “constitui a matéria Intelectual – conhecimento, informação, propriedade Intelectual,
    • experiência que pode ser utilizada para gerar riqueza” (Stewart, 1999, 14). Ou seja, capital Intelectual é o conjunto de elementos intangíveis que criam valor para a empresa.
  • 3.
    • Os ativos baseados no conhecimento devem ser avaliados com extrema cautela, porque seu impacto sobre o destino de qualquer negócio é enorme.
    • Para Sveiby (1998), muito mais do que contribuir para a valorização total da empresa, o conhecimento é a base de sua estrutura interna e externa. Para poder competir e enfrentar os desafios de um mercado cada vez mais exigente, as empresas têm de investir em recursos humanos.
  • 4.
    • Com relação à Contabilidade tradicional, considera-se que um de seus principais objetivos iniciais tenha sido o de apurar o resultado econômico e financeiro de uma entidade, e ele continua forte até hoje.
    • Entretanto, muito se tem comentado nos últimos tempos que os relatórios fornecidos pela Contabilidade Financeira não retratam certas realidades das empresas.
  • 5. 2 . Características e Reconhecimento de um Ativo
    • Segundo Hendriksen e Van Breda (1999), alguns aspectos devem ser considerados na caracterização de elementos do ativo:
    • a) posse ou propriedade;
    • b) capacidade de gerar benefícios futuros;
    • c) direito exclusivo.
    • Para o reconhecimento de um ativo recomenda-se:
    • a) item que corresponda à definição de ativo;
    • b) seja relevante;
    • c) seja mensurável;
    • d) tenha valor preciso.
  • 6. 3 . Ativos Intangíveis
    • Todo bem tem seu valor, seja contábil, de mercado ou de pagamento. Há quem concorde em pagar acima do valor de mercado, há quem pague apenas o valor contábil. Daí advém o questionamento: como mensurar, na entidade, um bem intangível?
  • 7. 4 . Noções Gerais e Apectos Conceituais
    • Existe uma infinidade de ativos intangíveis que podem ter seu valor monetário apurado. Os mais conhecidos são as marcas registradas, os direitos autorais, as patentes, as franquias, os domínios de Internet e os softwares.
  • 8.
    • O IASB emitiu em 1998, a IAS 38 – Intangible Assets sobre a contabilização dos activos intangíveis. A IAS 38 define um ativo intangível como “um ativo não monetário identificável sem substância física detido para uso na produção ou fornecimento de bens ou serviços, para arrendar a outros, ou para finalidades administrativas.”
  • 9. 5. Conceitos de Capital Intelectual
    • Segundo Brooking (1996), o Capital Intelectual pode ser dividido em quatro categorias:
        • Ativos de Mercado
        • Ativos Humanos
        • Ativos de Propriedade Intelectual
        • Ativos de Infra-estrutura
  • 10.
    • Ativos de Mercado:
    • Potencial que a empresa possui em decorrência dos intangíveis que estão relacionados ao mercado, tais como: marca, clientes, lealdade dos clientes, negócios recorrentes, negócios em andamento ( backlog ), canais de distribuição, franquias etc.
    • Ativos Humanos:
    • Compreendem os benefícios que o indivíduo pode proporcionar para as organizações por meio da sua expertise, criatividade, conhecimento, habilidade para resolver problemas, tudo visto de forma coletiva e dinâmica.
  • 11.
    • Ativos de Propriedade Intelectual:
    • Incluem os ativos que necessitam de proteção legal para proporcionar às organizações benefícios, tais como: know-how , segredos industriais, copyright , patentes, designs etc.
    • Ativos de Infra-estrutura:
    • Compreendem as tecnologias, as metodologias e os processos empregados, como cultura, sistema de informação, métodos gerenciais, aceitação de risco, banco de dados de clientes etc.
  • 12.
    • Para o FASB ( Financial Accounting Standards Board ) , o Capital Intelectual pode ser definido de duas maneiras:
    • 1 . “Ativos intangíveis combinados que permitem a companhia funcionar e manter uma vantagem competitiva”;
    • 2 . “A diferença entre o valor real de mercado da companhia e o valor real de mercado dos ativos tangíveis menos passivos da companhia”.
  • 13. Ainda segundo o FASB, na sua proposta de padronização, o Capital Intelectual é dividido em três componentes: Capital Humano : Constitui o conhecimento acumulado, as habilidades e experiências dos empregados. Capital de Clientes : Abrange a solidez das relações com os clientes da companhia e a lealdade destes clientes para com a companhia. Capital Estrutural: É formado por tudo aquilo dentro da organização que dá suporte aos empregados na realização de seus trabalhos. A Infra-estrutura.
  • 14.
    • O Prof. Luiz Antonio Jóia (2001) comenta:
    • O Capital Humano não pertence à empresa, pois é conseqüência direta da soma das habilidades e especialidades de seus empregados. O Capital Estrutural pertence à empresa e pode ser negociado (pelo menos em teoria), (...). É composto por todos os processos internos e externos que existem dentro da empresa e entre ela e seus outros parceiros (capital de processos); pelo Capital de Relacionamento , ligado aos fornecedores, clientes, prestadores de serviços e outros parceiros principais envolvidos; e pelo capital de inovação, uma conseqüência direta da cultura da empresa e de sua capacidade de criar conhecimento novo com base no conhecimento existente.
  • 15.
    • A definição adotada por EDVINSSON & MALONE (1998) se expressa da seguinte forma:
    • “ O Capital Intelectual é a posse de conhecimento, experiência aplicada, tecnologia organizacional, relacionamentos com clientes e habilidades profissionais que proporcionem à empresa uma vantagem competitiva no mercado.”
    • Com essa definição, pode-se chegar ao valor de mercado da empresa, representado na seguinte figura:
  • 16.  
  • 17. Para Edvinsson e Malone (1998), o Capital Intelectual “é um capital não financeiro que representa a lacuna oculta entre o valor de mercado e o valor contábil. Sendo, portanto, a soma do Capital Humano e do Capital Estrutural”. Os autores exemplificam o Capital Intelectual através do desenho de uma árvore:
  • 18.  
  • 19.
    • A ilustração da árvore explica como é simples avaliar o patrimônio visível das entidades, muito embora pelo fato de não se avaliar a parte invisível (raízes da árvore) se possa deixar de prever com mais exatidão o seu futuro. As raízes podem, com muitos nutrientes, melhorar a sua produção e produtividade, assim como qualquer doença poderia provocar-lhe problemas sérios no futuro. Assim é com o Capital Intelectual de hoje, que poderá definir o futuro de uma empresa.
  • 20.
    • OUTROS PENSADORES...
    • O Professor Eliseu Martins (2002: 47) define o capital intelectual como um “conjunto de benefícios intangíveis que agregam valor às empresas”.
    • Segundo o Prof. Marion (2005), dos Ativos Intangíveis os termos que mais se destacam são o Capital Intelectual e o “ Goodwill ”, principalmente em função do desenvolvimento da era do conhecimento.
  • 21.
    • Atualmente, algumas tentativas de definir ou explicar o Capital Intelectual têm sido objeto de diversos pensadores. A princípio se falava muito em capacidade intelectual humana.
    • Com o tempo adicionou-se a inteligência ao conhecimento existente dentro da empresa, além de outras variáveis como liderança tecnológica, clientes, lealdade de clientes, tecnologia de informação, treinamento de funcionários, indicadores de qualidade, relacionamento com fornecedores, desenvolvimento de novos produtos.
  • 22. 6 . Goodwill e Capital Intelectual
    • Goodwill e Capital Intelectual confundem-se, pois os elementos que identificam a existência de um valor a mais numa empresa e que integram o Capital Intelectual eram designados por Goodwill.
  • 23. Definição de Goodwill
    • A definição do que seja Goodwill , a sua natureza, a sua característica de não ser separável do negócio como um todo e o seu tratamento contábil estão entre os objetos de estudo mais difíceis e controvertidos da Teoria Contábil, não existindo até hoje um consenso nem uma definição única aceita universalmente.
    • Goodwill seria o ágio pago por expectativa de rentabilidade futura.
  • 24. FATORES QUE GERAM O GOODWILL FATORES QUE GERAM O CAPITAL INTELECTUAL Habilidade administrativa fora dos padrões comuns Sinergia entre os programas de treinamento e os objetivos corporativos Organização ou gerente de vendas proeminente Funcionário tratado como um ativo raro Fraqueza na administração do competidor Esforço da administração para alocar a pessoa certa na função certa, considerando suas habilidades Propaganda eficiente Existência de oportunidade para desenvolvimento profissional e pessoal
  • 25. FATORES QUE GERAM O GOODWILL FATORES QUE GERAM O CAPITAL INTELECTUAL Processos secretos de fabricação Avaliação do retorno sobre o investimento realizado em Pesquisa e Desenvolvimento Boas relações com os empregados Identificação do know-how gerado pela P & D Crédito proeminente como resultado de uma sólida reputação Existência de uma estratégia proativa para tratar a propriedade intelectual Eficiente treinamento para os empregados Identificação dos clientes recorrentes Alta posição perante a comunidade obtida por meio de ações filantrópicas e participação em atividades cívicas por parte dos administradores Conhecimento, por parte do funcionário, do que representa seu trabalho para o objetivo global da companhia
  • 26.
    • Contudo, seus valores dificilmente serão os mesmos, já que a mensuração do goodwill subjetivo (a diferença entre o valor subjetivo da entidade em determinado momento e o valor da aquisição dos ativos) é obtida pela diferença entre o valor econômico total do ativo líquido e seu valor contábil, enquanto o capital intelectual é obtido pela diferença entre o valor de mercado das ações da entidade e seu valor contábil.
  • 27. 7 . A Contabilidade e o Capital Intelectual
    • No decorrer das últimas décadas, o crescimento da tecnologia e a busca por investir no potencial humano dos funcionários vêm gerando benefícios intangíveis que a Contabilidade tradicional não mensurava. Essa combinação de ativos intangíveis que agregam valores para as empresas, nós hoje a conhecemos por Capital Intelectual.
  • 28.
    • Para a Contabilidade mensurar um valor que está “escondido” na empresa não é fácil, pois não pode ser identificado de imediato. Mas o grande desafio é encontrar a metodologia adequada para mensurar e contabilizar o Capital Intelectual de natureza intangível, que tem gerado uma grande repercussão no patrimônio das empresas.
  • 29. 8 . Mensuração No atual contexto, o valor contábil de uma empresa raramente corresponde ao seu valor de mercado. Johnson e Kaplan (1993, p. 30) apud Wernke et al (2003) salientam que o valor econômico de uma companhia não é limitado à soma dos valores de seus ativos tangíveis, pois inclui o valor de seus ativos considerados intangíveis.
  • 30.
    • Karsten e Bernhardt (2003) destacam que “o grande responsável por essa defasagem contábil é o conjunto dos recursos intelectuais que correspondem aos ativos mais valiosos encontrados nas empresas e que não vêm sendo levados em conta”.
    • Karsten e Bernhardt (2003) citam os seguintes exemplos:
  • 31. – Em 1995, a IBM pagou US$ 3,5 bilhões (14 vezes a avaliação contábil de US$ 250 milhões) na compra da Lotus. O ágio pago pela IBM representa sua avaliação monetária do conhecimento exclusivo daquela empresa. – A MICROSOFT, empresa de Bill Gates, é muito mais capital intelectual do que capital físico. O seu valor de mercado corresponde a 100 vezes o valor de seu ativo tangível. – A NOKIA, filial finlandesa, com apenas cinco empregados, fatura US$ 200 milhões por ano.
  • 32. Modelo de Stewart – Navegador do Capital Intelectual
  • 33. b. Grupo Skandia –Navegador Skandia
  • 34. c. Modelo de Sveiby
  • 35. 9 . A importância da Evidenciação Como as demonstrações contábeis são elaboradas com base nas Normas e Princípios Fundamentais de Contabilidade e, em especial, para atender à legislação fiscal, o Capital Intelectual não tem sido reconhecido nesses demonstrativos devido às dificuldades de identificação e mensuração.
  • 36. Por isso, o relatório de administração que reúne informações de caráter espontâneo, descritivas e menos técnicas, se apresenta como uma opção para as companhias evidenciarem aos seus stakeholders informações sobre esses recursos intangíveis que contribuem para a criação de valor organizacional.
  • 37. A identificação dos ativos que compõem o Capital Intelectual, bem como sua evidenciação, capacita a empresa a gerenciar esses recursos de forma a conduzir as estratégias rumo ao seu desenvolvimento e crescimento dentro da organização, haja vista a contribuição desses para o resultado e o valor da empresa.
  • 38. Entre as possíveis alternativas de gerenciamento do Capital Intelectual, podem-se destacar, pela sua importância estratégica para o negócio e independentemente do conceito, aquelas que, na medida do possível, vêm sendo praticadas ou, ao menos, sendo reconhecidas, constituindo uma preocupação dos executivos, tais como: – diminuição de volatilidade do capital humano; – transferência de conhecimento residente do capital humano para o estrutural; – expansão do acesso ao capital estrutural pelos profissionais da empresa; e – ampliação/retenção do capital de relacionamento.
  • 39. 10 . Considerações sobre a Evidenciação de Ativos Intangíveis no Contexto Brasileiro: Estudo de Caso da Perdigão S/A
  • 40. 11. Link com as normas atuais O IASB (2000:4-5) alerta que “apesar de continuarem a existir razões fortes para o estabelecimento de critérios restritivos que limitem o reconhecimento de intangíveis gerados internamente, torna-se necessário encontrar melhores formas de informar os utilizadores dos relatórios financeiros acerca dos activos intangíveis [...] Deveria talvez ser dada atenção a formas suplementares de relato. Previsões directas dos cash flows futuros, avaliações por peritos independentes com ou sem informação estatística acerca das actividades e comentários qualitativos dos gestores poderão proporcionar informação útil que complemente a do balanço. Sem o desenvolvimento de tais aproximações, a contabilidade pode enfrentar uma perda séria de credibilidade à medida que os activos intangíveis se tornam mais e mais importantes”.
  • 41. CONCLUSÃO Partindo-se do princípio de que a sociedade do conhecimento é um fato irreversível, e de que, cada vez mais, o Capital Intelectual, principalmente através do seu componente humano, demonstra sua capacidade de adicionar valor, diferenciando as organizações, pode-se concluir que cabe à Ciência Contábil concentrar esforços visando ao efetivo registro destes ativos estratégicos, bem como ao desenvolvimento de uma forma de evidenciá-los de maneira clara. Neste sentido, é possível sugerir a busca do desenvolvimento de modelos conceituais, para a mensuração e evidenciação do Capital Intelectual, adequados à realidade vivenciada pelas organizações nos diversos segmentos econômicos em que atuam.

×