Agualusa 2

1,952 views

Published on

apresentação biobibliográfica de autor (série autores lusófonos - 2); autor do mês; biblioteca escolar Afonso de Paiva

Published in: Education
0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,952
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
267
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Agualusa 2

  1. 1. José Eduardo Agualusa
  2. 2. Biografia  José Eduardo Agualusa (Alves da Cunha) nasce a 13 de dezembro de 1960 em Huambo, Angola. Estudou Agronomia e Silvicultura em Lisboa, onde morou por um longo período.  Considerado um escritor peregrino, com passagens pelo Rio de Janeiro (onde morou um bom tempo), Angola (a sua pátria movida por uma guerra civil) e Portugal (onde reside atualmente), estreou-se literariamente com A Conjura (1989), que lhe valeu o Prémio Sonangol.  Agualusa é escritor profissional e colaborador de jornais em Lisboa e Luanda. Escreve crónicas para a revista LER e realiza para a RDP África “A hora das Cigarras", um programa de música e textos africanos. É membro da União de Escritores Angolanos.
  3. 3. Prémios  Agualusa recebe, em 2007, o prestigiado Prémio Independente de Ficção Estrangeira, promovido pelo jornal britânico The Independent, com o livro O Vendedor de Passados (D. Quixote, 2004). Foi o primeiro africano a receber tal distinção.  Com o romance Teoria Geral do Esquecimento (D. Quixote, vence este ano o Prémio Literário Fernando Namora 2013 2012)
  4. 4. Bibliografia “[...] os meus livros refletem a minha mais ou menos forçada errância pelo mundo. [...] “  Aclamado como representante do renascimento literário de Angola e escritor por excelência lusófono, já que a sua obra transita com desenvoltura entre as culturas africana, lusitana e brasileira, José Eduardo Agualusa mistura brasileirismos e gíria urbana de Luanda e Portugal de forma escorrida e clara, propiciando um estilo acessível a todo o universo de falantes de língua oficial portuguesa.
  5. 5. Algumas obras… “As Mulheres do Meu Pai” (D. Quixote, 2007)
  6. 6. “As Mulheres do Meu Pai” (D. Quixote, 2007)  Este é um romance sobre mulheres, música e magia. lançado em 2007, onde a ficção se mistura com a realidade ao contar a história de uma jovem que vai em busca da história de seu falecido pai. O livro relata uma série de histórias fantásticas, vividas por este pai, em países da África, onde ele se relacionou com diversas mulheres. As quatro personagens do romance que o autor escreve, enquanto viaja, vão com ele de Luanda, capital de Angola, até Benguela e Namibe. Cruzam as areias da Namíbia e as suas povoações-fantasma, alcançando finalmente Cape Town, na África do Sul. Continuam depois, rumo a Maputo, e de Maputo a Quelimane, junto ao rio dos Bons Sinais, e dali até à ilha de Moçambique. Percorrem, nesta deriva, paisagens que fazem fronteira com o sonho, e das quais emergem, aqui e ali, as mais estranhas personagens.
  7. 7. Algumas obras… “O vendedor de passados” (D. Quixote, 2004)
  8. 8. “O Vendedor de Passados” (D. Quixote, 2004)  Romance publicado em 2004, conta a história de um especialista em pesquisa genealógica que reescreve o passado dos outros em troca de dinheiro. O romance é uma sátira feroz à sociedade angolana e uma reflexão sobre a construção da memória e os seus equívocos.  "Félix Ventura. Assegure aos seus filhos um passado melhor". É a partir deste cartão de visita que se desenrolam os capítulos de "O Vendedor de Passados“.A mentira e a verdade, o(s) homem(s) e o(s) seu(s) duplo(s), a memória e a memória da memória, a ficção e a realidade. Tudo poderia ter acontecido...
  9. 9. Bibliografia “[...] Nos livros está tudo o que existe, muitas vezes em cores mais autênticas, e sem a dor verídica de tudo o que realmente existe. Entre a vida e os livros, meu filho, escolhe os livros [...]”  Numa entrevista, o escritor responde à pergunta, "Quem é o Eduardo Agualusa?": "Quem eu sou não ocupa muitas palavras: angolano em viagem, quase sem raça. Gosto do mar, de um céu em fogo ao fim da tarde. Nasci nas terras altas. Quero morrer em Benguela, como alternativa pode ser Olinda, no Nordeste do Brasil." Perguntado se se diverte escrevendo, Agualusa explica: "Escrever me diverte, e escrevo também, porque quero saber como termina o poema, o conto ou o romance. E ainda porque a escrita transforma o mundo. Ninguém acredita nisto e no entanto é verdade."1
  10. 10. Algumas obras… “A substância do amor e outras crónicas” (D. Quixote, 2000)
  11. 11. “A substância do amor e outras crónicas ” (D. Quixote, 2000)  Coletânea de contos publicada em 2000  A crueldade feminina fascina os homens. Amar uma mulher sem veneno é como jogar à roleta russa com uma pistola de fulminantes. A obscura força que leva um sujeito a lançar-se da Pedra da Gávea, no Rio de Janeiro, preso a uma frágil lona (um parapente ou um asadelta), em direcção ao imenso abismo azul, aos prédios aguçados, às areias luminosas da Praia do Pepino, é a mesma que o precipita, indefeso e nu, para os braços de uma mulher. Quando o louva-a-deus encontra a sua deusa e esta lhe diz, «vem, vou-te comer», o infeliz sabe que aquilo não é uma metáfora. Mesmo assim, seguro de que depois do amor será servido ao jantar, o louva-a-deus persigna-se e vai. É o que nós fazemos.
  12. 12. Algumas obras… “A girafa que comia estrelas “(D. Quixote, 2005)
  13. 13. “A girafa que comia estrelas” (D. Quixote, 2005)  Plano Nacional de Leitura Livro recomendado para o 2º ano de escolaridade destinado a leitura orientada na sala de aula - Grau de Dificuldade III.  História infantil sobre a amizade de uma girafa, que andava sempre com a cabeça nas nuvens, e uma galinha do mato, com a cabeça cheia de frases feitas…
  14. 14. Algumas obras… “Nação crioula“(D. Quixote, 1997)
  15. 15. “Nação crioula” (D. Quixote, 1997)  Romance datado de1997, com a personagem de Fradique Mendes).  Escrito em forma epistolar, o romance apresenta troca de cartas entre Eça de Queirós, Ana Olímpia e outros personagens. Ana Olímpia Vaz de Caminha nasceu como escrava e tornou-se uma célebre e rica angolana. Manteve uma misteriosa ligação amorosa com o aventureiro português Carlos Fradique Mendes. O livro mistura factos reais e ficção na luta pela abolição da escravatura em Angola.
  16. 16. Algumas obras… “Estranhões e Bizarrocos“(D. Quixote, 2000)
  17. 17. “Estranhões e Bizarrocos” (D. Quixote, 2000)  Livro infantil lançado em 2000.  O personagem é um inventor de coisas impossíveis: formigas mecânicas, pássaros a vapor, sapatos voadores, aparelhos de produzir espirros… estranhões e bizarrocos e outros seres sem exemplo. Camelos sábios, uma menina de peluche, a rainha das borboletas. Um país onde tudo acontece ao contrário, os rios correm do mar para a nascente, e os gatos são do tamanho dos bois. O nascimento do primeiro pirilampo do mundo... São histórias para adormecer anjos.  OUVIR A HISTÓRIA
  18. 18. ILUSTRES DESCONHECIDOS [José Eduardo Agualusa] “Um dia acontece. Entra num autocarro. Lá fora chove a cântaros e está encharcado até aos ossos. Sente-se irritado e deprimido, porque falta uma eternidade para chegar o Verão, porque não gosta do seu chefe, porque lhe dói um dente, porque já perdeu todas as ilusões e sabe que nunca beijará a Nicole Kidman. Então pisa inadvertidamente o pé demasiado grande de um sujeito qualquer. Tem vontade de repisar o pezudo. Afinal chove lá fora e a Nicole Kidman jamais o beijará. A um homem encharcado, um pobre homem à deriva numa cinzenta e fria tarde de Inverno, com dores de dentes, a um homem que já desistiu da Nicole Kidman, a um homem assim não se lhe pode exigir paciência. Você, no entanto, teve uma boa educação. Controla-se e pede desculpa. Mas eis que o pisado, o pezudo, reage aos gritos, ofendendo de forma vil a senhora sua mãe. Discutem, caramba!, mãe é mãe. E então o homem ergue o dedo: "0 senhor sabe com quem está a falar?“
  19. 19. Um dedo tremendo. Uma tremenda frase. Nunca a escutou? A sério?! Um dia acontece. Eu escutei. Num cenário muito mais confortável, reconheço, embora também estivesse encharcado e chovesse lá fora. Foi nos banhos termais do Hotel Gellert, em Budapeste, numa piscina com água a trinta e oito graus de temperatura. Flutuava de costas, de olhos bem fechados, imaginando o momento em que beijarei a Nicole (ainda não perdi as ilusões), quando de repente alguma coisa vasta e mole caiu em cima de mim. Mergulhei naquela água nublada, aflito, sentindo que me afogava, que me ia afogar ali -mesmo, numa tigela de sopa, eu, filho de um professor de natação, até que consegui recuperar o pé e emergir, tossindo muito, sob a luz lassa e húmida. Os outros banhistas, meia dúzia de paquidermes muito velhos e muito alvos, vestidos apenas com um curto avental de pano, observavam-me de soslaio, disfarçando o riso. A coisa que caíra em cima de mim, quase me afogando, parecia-se com um deles. Porém, assim que abriu a boca - não para se desculpar, antes para me recriminar por estar ali, boiando, atravessado no seu caminho -, reconheci o sotaque: era um turista americano. Discutimos, claro, e eis que o vejo erguer o dedo: "O senhor sabe com quem está a falar?" Não, desgraçadamente eu não sabia. O velho, então, encheu-se de paciência: "Conhece o Robert Capa?"
  20. 20. Anuí com a cabeça. Quem não conhece? "Ele nasceu aqui, sabia?, em Budapeste. E não se chamava Robert Capa, chamava-se Andrei Friedmann. Bem, o tipo tem uma fotografia tirada a 6 de Julho de 1944, durante a invasão da Normandia, que mostra um soldado americano a avançar para a praia, debaixo de fogo, só com o rosto fora da água. Já a viu?“ E quem não viu? Um pobre rapaz com o capacete enterrado na cabeça, agarrado a uma arma, entre destroços. Olhando aquela imagem conseguese até ouvir o fragor das explosões. O velho encarou-me em triunfo: "Pois sou eu!“ Depois fez uma vénia elegante - quero dizer: tão elegante quanto lhe permitia o ridículo avental - e acrescentou: "Sou o mais famoso desconhecido do mundo.“
  21. 21. Contou-me a sua história. Não acreditei numa única palavra, mas ficámos amigos. Ouvi-o com atenção, em parte por delicadeza, em parte porque tenho um fraco por desconhecidos, mesmo os ilustres. É verdade. A maior parte das pessoas quer saber tudo sobre Nefertiti ou Tutancamon. A mim o que realmente me fascina é o destino do anão negro Seneb, chefe do guarda-roupa real e de todos os anões do palácio do faraó, dois mil e quatrocentos anos antes de Cristo. Recordo-me, a propósito, de uma outra fotografia de Robert Capa, mais famosa, que fixa o instante exato da morte de um combatente republicano durante a Guerra Civil de Espanha. Adivinha-se naquela imagem todo um romance por escrever. Um triângulo de ódios e amores: a história do homem que se vê, caindo para trás, os braços abertos; o destino do que o espreitava atrás de uma câmara, eternizando o momento, e o do que o matou com um tiro certeiro. Tenho a certeza de que nenhum ensaio, nenhuma biografia de Francisco Franco, ou de outra figura notória da época, nos poderia ensinar mais sobre as razões profundas do conflito.
  22. 22. Portanto, quando um dia você entrar num autocarro, enquanto lá fora chove a cântaros, e pisar um pezudo e ouvir a tremenda frase: "Você sabe com quem está a falar?“ Quando isso acontecer domine a vontade de o pisar de novo, respire fundo e sugira: "Não, não sei. Quem é você?“ Talvez seja o sujeito que, naquela triste tarde de Espanha, matou o combatente republicano. Os autocarros - acreditem - estão cheios de ilustres desconhecidos.” *Editado originalmente na revista Pública
  23. 23. Referências: 1. 2. 3. 4. 5. http://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Eduardo_Agualusa http://www.agualusa.pt/ http://www.publico.pt/cultura/noticia/jose-eduardo-agualusavence-premio-fernando-namora-1608972 http://www.wook.pt/authors/detail/id/15647 http://culturadetravesseiro.blogspot.pt
  24. 24. Série Autores Lusófonos 2. José Eduardo Agualusa A professora bibliotecária, Carla Nunes Ano letivo 2013/2014

×