Sociedade do espetaculo

7,086 views
6,883 views

Published on

Apresentação minha e do grupo sobre Sociedade do espetáculo, baseado no livro de Guy Debort com o mesmo título, análise do programa Casos de Família (SBT). Disciplina de Teoria da Comunicação II, UFG.

Published in: Entertainment & Humor
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
7,086
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
27
Actions
Shares
0
Downloads
78
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sociedade do espetaculo

  1. 2. <ul><li>UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS </li></ul><ul><li>FACULDADE DE COMUNICAÇÃO E BIBLIOTECONOMIA </li></ul><ul><li>Trabalho apresentado ao dia 31/08/09 na disciplina de Teoria da Comunicação II, ministrada pela professora Daiana Stasiak, pelas alunas do 4º período de Biblioteconomia: Carla Lopes Ferreira, Bethânia Oliveira Silva e Suzana Francisca da Rocha . </li></ul><ul><li>Referência Principal: </li></ul><ul><li>SOLDI, Dimas Alexandre. Espetáculo midiático e programas de entrevistas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO , 30., Santos, ago/set. 2007. 13 p. </li></ul><ul><li>Referências complementares: </li></ul><ul><li>DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo . [?]: [-], 2003. Digitalizado para pdf por Fonte Digital base. Disponível em: < http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/socespetaculo.html>. Acesso em: <22 ago. 2009>. </li></ul><ul><li>NÃO ACEITO sua homossexualidade. Direção e produção: Sistema Brasileira de Televisão (SBT). Apresentado por: Christina Rocha no programa Casos de Família. Mai, 2009. 2 vídeos avi. (15 min) son., color. Acesso em: <26 ago. 2009>. </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  2. 3. Roteiro de Apresentação <ul><li>Espetáculo Midiático e Programas de Entrevistas: conceito de Sociedade do Espetáculo. </li></ul><ul><li>Telespectador e identidade: características do telespectador dos programas de entrevista. </li></ul><ul><li>Análise do programa Casos de Família: análise superficial do programa, tendo como base o trabalho de Dimas Solti. </li></ul><ul><li>Apresentação de trechos de alguns episódios do programa Casos de Família, sátira do programa. </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  3. 4. Espetáculo Midiático e Programas de Entrevistas <ul><li>Afim de compreender os processos que envolvem emissor e receptor , fizemos uma análise em enunciados televisivos. </li></ul><ul><li>Como agem os indivíduos que assistem e os que participam? </li></ul><ul><li>Dificuldade de estabelecer o período em que estamos. </li></ul><ul><li>Burguesia do séc. XIX e XX diferente da atual. Eles orientavam o que não fazer, dizer, mostrar diante do público. Atualmente essas condenações censuradas até então são transmitidas livremente pela TV. </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  4. 5. Espetáculo Midiático e Programas de Entrevistas <ul><li>Inversão de valores  Sociedade Pós-moderna. </li></ul><ul><li>Sociedade midiática regula os valores. </li></ul><ul><li>O sujeito aparece com o consumidor. </li></ul><ul><li>Sociedade do Espetáculo é uma hipótese formulada na década de 60 pelo francês GUY KEHL: “ tudo o que era vivido diretamente tornou-se uma representação ”. </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  5. 6. Espetáculo Midiático e Programas de Entrevistas <ul><li>Nem tudo pode ser mostrado! </li></ul><ul><li>A sociedade se vê refletida na TV. </li></ul><ul><li>O espetáculo não reside de unicamente a uma cena na TV, mas toda sua consequencia, baseada na própria recepção. </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  6. 7. Telespectador e identidade <ul><li>Diferenças teóricas já conceberam o espectador como sujeito passivo diante da informação, e outras como sujeito ativo , que processa a informação e reflete sobre ela. </li></ul><ul><li>Os dois autores que discutem o fenômeno comunicacional [no texto de Dimas Solti], Debord e Welton, estabelecem alguns pontos distantes um do outro. </li></ul><ul><li>De acordo com Wolton , o telespectador não é, de maneira alguma, sujeito passivo no processo de recepção da informação. </li></ul><ul><li>Dessa forma , para que serve a TV a um indivíduo que não é jamais passivo diante da imagem e que não retém senão aquilo que reter? </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  7. 8. Telespectador e identidade <ul><li>Por outro lado , Debord vê o sujeito pertencente a essa sociedade como sujeito consumidor que , no caso da TV, se alimenta da programação transforma um mercadoria. </li></ul><ul><li>Jornalismo </li></ul><ul><li>Entretenimento </li></ul><ul><li>Publicidade: regida pelas leis da concorrência comercial entre os canais de televisão. </li></ul><ul><li>Na sociedade do espetáculo , caracterizada principalmente pela dimensão do consumo, já que todo acontecimento se reduz à dimensão do aparecimento , o sujeito deixa de ser receptor para torna-se consumidor. </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  8. 9. Telespectador e identidade <ul><li>Como nosso trabalho pretende analisar o programa Casos de Família </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  9. 10. Análise do programa Casos de Família <ul><li>A questão é a seguinte: </li></ul><ul><li>Por que os telespectadores assistem esse tipo de programa? </li></ul><ul><li>Os temas tratados nesse programa estão ligados a assuntos corriqueiros, mas especificamente de foro íntimo, como aqueles que marcam a “ inversão de valores ” , tais como: </li></ul><ul><li>Tenho ejaculação precoce </li></ul><ul><li>Não me entendo com o meu padrasto </li></ul><ul><li>Ele não deixa eu me vestir como eu quero </li></ul><ul><li>Mãe, eu sou gay </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  10. 11. Análise do programa Casos de Família <ul><li>Mas, o que leva esse indivíduo a assistir essa programação, na qual pessoas comuns tratam de assuntos banais? </li></ul><ul><li>Pierre Bourdieu, estudioso francês </li></ul><ul><li>de televisão, acreditava na necessidade </li></ul><ul><li>do telespectador de observar </li></ul><ul><li>outras pessoas. </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  11. 12. Análise do programa Casos de Família <ul><li>O telespectador que ver aspectos de sua vida representados na TV, mesmo que não sejam aspectos reais, mas transformados por uma encenação espetacular . </li></ul><ul><li>Eric Landowski , teórico contemporâneo da sociossemiótica, trata sobre a questão da identificação , e discute o processo de construção de identidades de duas formas: identificando-se com o que não é semelhante n o outro e não identificando com o que não é semelhante num jogo de identificação e não -identificação . </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  12. 13. Análise do programa Casos de Família <ul><li>Se o telespectador não se identificar com tema da discussão do programa ele não achará relevante e necessário discuti-lo. </li></ul><ul><li>Se o telespectador não se identificar com certos aspectos que constroem sua auto-imagem , que contrasta com aquela que está sendo exibia pela TV e, ao mesmo tempo, lhe concede alegria, pois o telespectador se sente superior ao ver alguém descendo o nível inferior ao seu, assim o telespectador é tomado por uma ilusão de contentamento. </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  13. 14. Análise do programa Casos de Família <ul><li>Nota-se nesse programas de entrevistas e também em programas televisivos, como é o caso do Big Brother , a necessidade das ditas pessoas “comuns” de aparecerem na televisão. Na maioria da vezes em que essas pessoas , anônimas extraídas da massa de telespectadores aparecem na TV, submetem-se a situações degradantes com o único intuito de ganhar um pouco de notoriedade. </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  14. 15. Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  15. 16. Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  16. 17. Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  17. 18. Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  18. 19. Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família
  19. 20. <ul><li>Seja Crítico , </li></ul><ul><li>Seja Consciente , </li></ul><ul><li>Não se torne um mero consumidor. </li></ul><ul><li>Faça escolhas pensando no seu aprendizado, </li></ul><ul><li>Pensando no conteúdo visto na TV . </li></ul><ul><li>Pense no exemplo dado aos seus filhos, </li></ul><ul><li>Pense na autonomia e legitimidade de ser humano que você tem, enquanto ser que pode raciocinar e faz pouco uso dessa característica, que pode transformar sua vida. </li></ul><ul><li>Pense em tudo que a sociedade não manda você pensar. </li></ul><ul><li>Nada do que vem dela pronto e mastigado é interessante. </li></ul>Espetáculo midiático na nossa realidade: o exemplo do programa Casos de família

×