Fichamento sobre as Linguagens Documentárias
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Fichamento sobre as Linguagens Documentárias

on

  • 9,405 views

 

Statistics

Views

Total Views
9,405
Views on SlideShare
9,403
Embed Views
2

Actions

Likes
3
Downloads
167
Comments
0

2 Embeds 2

http://www.slideshare.net 1
http://www.mefeedia.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Fichamento sobre as Linguagens Documentárias Document Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE COMUNICAÇÃO E BIBLIOTECONOMIA CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1º SEM. / 3º PERÍODO / 2009 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À LINGUÍSTICA DOCENTE: Ms. ANDRÉ MARQUES DO NASCIMENTO CARLA L. FERREIRA FICHAMENTO TEMA: LINGUAGENS DOCUMENTÁRIAS REFERÊNCIA: CINTRA, Anna Maria Marques. et al. Para entender as linguagens documentárias. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Polis, 2002. 92 p. (Coleção Palavra-Chave). O texto das autoras inicia-se demonstrando como as línguas naturais (LN) variam de cultura para cultura, possuem significantes e significados diferentes de uma tradição à outra, obedecendo, primeiramente, aos padrões de cada cultura, condições socio-históricas que tornam cada forma de entendimento e linguagem própria, particular e, em sua essência, verdadeira também. Um exemplo, que as autoras dão, é a forma de perceber as cores do arco- íris (quantas cores, quais cores) ou a forma como diferentes povos falam que sentem dor de cabeça. Apesar de que isso não queira dizer que mesmas comunidades falem ou se expressem de uma mesma forma, pois é possível que existam diversos dialetos ou formas de linguagem dentro de uma mesma cultura/povo, nem que isso impeça a comunicação entre esses povos. A linguagem documentária (LD), ao contrário da língua natural, não se pode dizer que sejam signos, pois lhe falta a unidade característica do signo: significante e significado, segundo tradições e culturas próprias. A LD é estabelecida por convenção, sendo, portanto, homogênea e estática, ainda com traços de influências culturais, indiretamente; como dizem as autoras, a função da LD é tratar o conhecimento dispondo-o como informação (p. 16). Para as autoras, três aspectos merecem destaque, no que se refere à linguagem, que são: a demarcação, a significação e a comunicação, é isso que permite que todas as práticas humanas sejam tipos de linguagens, uma idéia de Kristeva (1969). 1
  • 2. O livro é organizado em quatro capítulos, tratando, respectivamente sobre: conhecimento, informação e linguagem; aspectos das linguagens documentárias; relações intervenientes das LDs e conceitos de semântica lingüística e linguagens documentárias. No primeiro capítulo, as autoras traçam definições variadas de informação, falando sobre comunicação, sociedade da informação e falam também sobre o histórico das revistas científicas, a produção do conhecimento e o processo pelo qual são feitos as referências do documento, e outros documentos sobre aquele documento, uma forma de representá-lo, armazená-lo e conservá-lo, e ainda fazer com que seja haja um ponto de busca para que se consiga acessá-lo posteriormente. Ainda no primeiro capítulo, no tópico subseqüente, as autoras apresentam as características gerais de linguagem, dentre elas, que apesar de um objeto recente da ciência, ela sempre foi considerada o meio de articulação do homem na sociedade. Assim, as autoras comentam sobre algumas definições, mesmo cronologicamente, de linguagem, associando comunicação, língua natural. No segundo capítulo, elas falam sobre a história da documentação, das linguagens documentárias, sua definição, enquanto um conjunto de termos, providos ou não de regras sintáticas, utilizadas para representar conteúdos de documentos técnico-científicos com fins de classificação ou busca retrospectiva de informações (Gardin et AL, 1968, p. 35); basicamente neste capítulo as autoras falam sobre o que é, e a história da linguagem documentária, adentrando o leitor no tema. É sobre as relações intervenientes da linguagem documentária de que trata o terceiro capítulo, e nele as autoras delineiam relações que organizam sistematicamente, para que se permita a utilização, organização e recuperação da informação. A respeito da significação, da relação da linguagem documentária com a lingüística, semântica e sintaticamente, a definição de vocabulário, por exemplo, e outros termos relacionados que fazem jus à explicação das autoras no quarto capítulo. Finalizando o livro, da página 87 à 92, tem-se as referências que trazem um auxílio sobre o tema, de forma maior ou menor aprofundada. CITAÇÕES “A função da LD é tratar o conhecimento dispondo-o como informação. Em outras palavras, compete às LDs transformar estoques de conhecimentos em informações adequadas aos diferentes segmentos sociais.” (p. 17) 2
  • 3. “A prática da linguagem é marcada por uma tendência natural do homem: compreender, governar e modificar o mundo.” (p. 27) “Na comunicação, observa-se que todo falante assume o duplo papel de destinador e destinatário de mensagens, pois ao mesmo tempo em que é capaz de emiti-las, sabe decifrá-las. Ou seja, na situação natural de comunicação, o falante não emite mensagem que ele não seja capaz de decifrar.” (p. 29) “Grande parte das discussões teóricas sobre LDs inserem-se no âmbito da Análise Documentária que, por sua vez, se define como uma atividade metodológica específica no interior da Documentação, que trata da análise, síntese e representação da informação, com o objetivo de recuperá-la e disseminá-la.” (p. 34) “De fato, a linguagem construída neutraliza as diferenças existentes na relação entre a palavra e seus significados em LN. Nela não podem coexistir, por exemplo, duas ou mais palavras que se refinam a um mesmo conceito, ou uma palavra para designar vários conceitos, sem que o fato seja suficientemente registrado, e seja devidamente controlado. Por essa razão as linguagens documentárias integram vocabulários controlados.” (p. 67) 3